Assine já
Aviação

IAG fica com activos da Niki por 20M€

IAG vai criar uma nova companhia aérea, subsidiária da Vueling, que ficará com aviões, slots e funcionários da Niki.

Publituris
Aviação

IAG fica com activos da Niki por 20M€

IAG vai criar uma nova companhia aérea, subsidiária da Vueling, que ficará com aviões, slots e funcionários da Niki.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

O International Airlines Group (IAG) adquiriu os activos da companhia aérea low cost austríaca Niki, que pertencia à insolvente airberlin, por um montante de 20 milhões de euros, de acordo com a imprensa internacional, que cita um comunicado do IAG.

De acordo com a informação avançada, o negócio prevê a criação de uma nova companhia aérea austríaca, que será subsidiária da Vueling, e inclui a aquisição de até 15 aviões A320, bem como da carteira de slots da Niki em vários aeroportos, incluindo Viena, Dusseldorf, Munique, Palma e Zurique.

A nova companhia, cuja criação terá que ser ainda aprovada pela Comissão Europeia, deverá vir a absorver também 740 funcionários da Niki e vai ser, segundo o IAG, importante para reforçar a presença da Vueling em mercados como a Áustria, Alemanha e Suíça.

Recorde-se que o IAG foi um dos primeiros interessado na Niki, tendo apresentado uma proposta que não foi, numa primeira fase, considerada satisfatória, tal como aconteceu com a alemã Condor.

Numa fase posterior, também a Lufthansa apresentou uma proposta pela Niki, que acabou chumbada pela Comissão Europeia, uma vez que previa a integração da companhia na Eurowings, o que foi encarado pelas autoridades europeias como uma forma de concentração do negócio.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Tráfego de passageiros de abril mantém “forte procura” e cresce 45,8%

Em abril, o tráfego global de passageiros cresceu 45,8% face a igual mês de 2022, mantendo uma “forte procura” que permitiu recuperar já 90,5% dos níveis pré-pandemia, segundo a IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo.

Em abril, o tráfego global de passageiros cresceu 45,8% face a igual mês de 2022, mantendo uma “forte procura” que permitiu recuperar já 90,5% dos níveis pré-pandemia, avança a IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo.

De acordo com os dados revelados pela IATA, em abril, o tráfego doméstico subiu 42,6% face a abril do ano passado e cresceu mesmo 2,9% acima dos resultados de abril de 2019, enquanto o tráfego internacional aumentou 48,0% e chegou a 83,6% dos níveis pré-pandemia, com a associação a indicar que todos os mercados apresentam um “crescimento saudável”, com destaque para a Ásia-Pacífico.

Já o load factor global de abril chegou aos 81,3%, ficando apenas 1,8 pontos percentuais abaixo dos níveis pré-pandémicos, acrescenta a IATA, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 1 de junho.

“Abril continuou a forte tendência de tráfego que vimos no primeiro trimestre de 2023. A redução da inflação e o aumento da confiança do consumidor na maioria dos países da OCDE, combinados com a queda dos preços do combustível de aviação, sugerem uma forte procura sustentada por viagens aéreas e moderação nas pressões de custos”, refere Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Por regiões, foi na Ásia-Pacífico que o tráfego aéreo internacional mais cresceu em abril, num aumento de 192.7% face a igual mês do ano passado. Já a capacidade cresceu 145.3% nesta região e o load factor subiu 13.2 pontos percentuais, fixando-se nos 81.6%.

Já em África, o tráfego internacional de abril apresentou um aumento de 53.5%, o segundo mais alto entre todas as regiões, enquanto a capacidade aumentou 50.0% e o load factor cresceu 1,6 pontos percentuais, fixando-se nos 69.8%, o mais baixo de todas as regiões.

No Médio Oriente, o tráfego internacional cresceu 38.0% face a abril de 2022 e a capacidade subiu 27.8%, tendo o load factor apresentado um aumento de 5.6 pontos percentuais, para 76.2%.

Na América do Norte, o tráfego internacional registou um aumento de 34,8% e já ficou 0.4% acima dos níveis de 2019, o que leva a IATA a assinalar que o tráfego internacional já recuperou totalmente nesta região. Na América do Norte, a capacidade subiu 26.5% e o load factor cresceu 5.2 pontos percentuais, chegando aos 83.8%, o mais alto entre todas as regiões.

Na América Latina, o tráfego internacional subiu ainda 25.8% face a abril de 2022, enquanto a capacidade cresceu 26.4% e o load factor aumentou 0.4 pontos percentuais, fixando-se nos 83.1%.

A Europa, por sua vez, foi a região do mundo que registou um menor crescimento no tráfego internacional, que, ainda assim, subiu 22.6% face a abril de 2022, tendo a capacidade aumentado ainda 16.0% e o load factor 4.5 pontos percentuais, fixando-se nos 83.3%, o segundo mais alto entre todas as regiões.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways estabelece acordo com a Shell para fornecimento de SAF em Amesterdão

Segundo a Qatar Airways, o SAF “oferece um potencial significativo de descarbonização”, já que contribui para reduzir em até 80% as emissões poluentes, prevendo-se que, com este acordo, a Qatar Airways consiga reduzir em cerca de 7.500 toneladas de CO2 as suas emissões nos voos de Amesterdão.

A Qatar Airways e a Shell estabeleceram um acordo que prevê o fornecimento de três mil toneladas de combustível SAF – Sustainable Aviation Fuel no aeroporto de Schiphol, em Amesterdão, que vai permitir que a companhia aérea use uma mistura com 5% de SAF nas suas operações ao longo do ano fiscal de 2023/2024.

“O acordo bilateral da Qatar Airways com a Shell faz parte de um esforço mais amplo iniciado pela aliança oneworld, que tem como meta definir o uso combinado de 10% de combustível de aviação sustentável (SAF) até 2030”, indica a companhia aérea do Qatar, em comunicado.

Segundo a Qatar Airways, o SAF “oferece um potencial significativo de descarbonização”, já que contribui para reduzir em até 80% as emissões poluentes face ao combustível tradicional da aviação, pelo que, indica a transportadora, com este acordo, a Qatar Airways vai conseguir reduzir em cerca de 7.500 toneladas de CO2 as suas emissões nos voos realizados em Amesterdão.

“Na Qatar Airways, estamos fortemente comprometidos em apoiar os esforços da indústria para aumentar o uso de combustível de aviação sustentável, como um dos principais pilares para descarbonizar a indústria da aviação. No ano passado, assinamos o nosso primeiro contrato de aquisição nos EUA e agora estamos a fechar um contrato SAF multimilionário em Amesterdão para ilustrar o nosso compromisso com o SAF e reiterar os nossos apelos por uma cadeia de suprimentos SAF mais robusta na nossa rede global”, explica Akbar Al Baker, CEO da Qatar Airways.

De acordo com o responsável, a Qatar Airways continua comprometida em aumentar para 10% o uso de SAF até 2030, mas defende que, para que a meta seja alcançar, é necessário aumentar o fornecimento de SAF, assim como baixar o preço deste tipo de combustível que, segundo Akbar Al Baker, continua a ser entre três a cinco vezes mais caro que o combustível tradicional da aviação.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

SAS começa a vender bilhetes para primeiros voos elétricos na Suécia, Noruega e Dinamarca

A SAS começa esta sexta-feira, 2 de junho, a vender bilhetes para os três voos comerciais elétricos que conta realizar em 2028 e que são parte fundamental da estratégia de sustentabilidade da companhia aérea.

A SAS – Scandinavian Airlines começa esta sexta-feira, 2 de junho, a vender bilhetes para os primeiros voos comerciais elétricos na Suécia, Noruega e Dinamarca, que vão ter lugar em 2028.

“A SAS convida os viajantes a juntarem-se e ajudarem a escrever o próximo capítulo da história da aviação, com 30 lugares disponíveis para reserva em cada um dos três voos inaugurais – que deverão ocorrer durante o ano de 2028”, indica a companhia aérea escandinava, em comunicado.

Na informação divulgada, a companhia aérea explica que pretende atingir a neutralidade carbónica em 2050, pelo que a realização de voos elétricos assume uma importância fundamental para a estratégia de sustentabilidade da transportadora.

A companhia aérea lembra que, ao longo da sua história, sempre foi pioneira, tendo sido mesmo a primeira transportadora a sobrevoar o Polo Norte como forma de reduzir o tempo de voo entre os continentes, e pretende manter esse carácter pioneiro com a realização destes voos comerciais totalmente elétricos.

“O facto de podermos agora convidar os nossos passageiros para o próximo grande marco no futuro da aviação é uma continuação natural desse espírito pioneiro e um passo significativo na nossa jornada rumo a uma aviação mais sustentável”, explica Anko van der Werff, presidente e CEO da SAS.

As reservas de bilhetes para estes voos abrem esta sexta-feira, 2 de junho, pelas 12h00 (menos uma hora em Lisboa) e podem ser realizadas através do site www.flysas.com/electric.

Cada reserva pode incluir um máximo de dois assentos por pessoa e os bilhetes têm preços desde 1946 coroas suecas (cerca de 167 euros), incluindo taxas, sendo o dia e o local da partida comunicado aos participantes via e-mail, quando estiver decidido.

Recorde-se que, até 2030, a SAS conta reduzir em 50% o ruído face a 2010, chegando a 2050 com zero emissões de CO2, de acordo com os objetivos da IATA para a indústria da aviação.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair consegue mais de 1 milhão de assinaturas e entrega petição a Ursula von der Leyen

A Ryanair quer acabar com o cancelamento de sobrevoos devido às greves dos controladores aéreos e lembra que, nos primeiros cinco meses de 2023, já houve 57 dias de greves, que forçaram as companhias aéreas a “cancelar desproporcionalmente milhares de sobrevoos” na União Europeia.

Publituris

A Ryanair entregou esta quarta-feira, 31 de maio, a petição lançada pela companhia aérea para manter os céus da União Europeia abertos aos sobrevoos durante as greves à presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, depois de ter alcançado mais de um milhão de assinaturas, informou a transportadora.

Num comunicado enviado à imprensa, a Ryanair lembra que, nos primeiros cinco meses de 2023, já houve 57 dias de greves de controladores aéreos, que forçaram as companhias aéreas a “cancelar desproporcionalmente milhares de sobrevoos” na União Europeia.

Nesta petição, a Ryanair pede que o exemplo de Espanha, Itália e Grécia seja seguido nos outros países da União Europeia quando existem greve, uma vez que, nestes países, o controlo do tráfego aéreo é assegurado pelo Eurocontrol, permitindo que continuem a ser realizados os sobrevoos.

Por isso, a Ryanair vem apelar agora à presidente da Comissão Europeia para que atenda à “petição de mais de 1,1 milhões de passageiros da UE e exija que todos os Estados da UE protejam os sobrevoos durante as greves ATC [Air Traffic Controller], como já é feito na Grécia, Itália e Espanha”.

A Ryanair pede também que, sempre que uma greve provoque cancelamentos, seja dada prioridade aos sobrevoos em vez dos voos domésticos e de curta distância, como acontece atualmente em França, onde os voos nacionais estão protegidos por serviços mínimos.

A Ryanair quer ainda que seja exigida negociação sempre que for convocada uma greve de controladores aéreos e que os pré-avisos de greve passem a ser entregues com uma antecedência mínima de 21 dias e de 72 horas sempre que envolverem o controlo do espaço aéreo, de forma a minimizar as interrupções de voos.

“Hoje, apenas 10 semanas desde que lançámos a nossa petição ‘Protect Overflights: Keep EU Skies Open’, entregamos mais de 1,1 milhão de assinaturas de cidadãos da UE que estão fartos e que pedem à Comissão da UE, sob a liderança de Ursula von der Leyen, para proteger os sobrevoos durante as repetidas greves ATC. É inaceitável que greves de ATC possam resultar no cancelamento de milhares de voos de passageiros da UE, enquanto a França e outros Estados-Membros da UE usam Leis de Serviço Mínimo para proteger seus voos domésticos”, denuncia Michel O’Leary, CEO do Grupo Ryanair.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

ATA assinala 20 anos da Ryanair em Faro e diz que companhia aérea “transformou o Algarve”

A Associação de Turismo do Algarve (ATA) considera que a Ryanair, que há 20 iniciou operações em Faro, “transformou o Algarve”, pois o arranque da operação democratizou o acesso à região e contribuiu para duplicar o número de hóspedes no Algarve.

Publituris

A Associação de Turismo do Algarve (ATA) considera que a Ryanair, que há 20 iniciou operações em Faro, “transformou o Algarve”, uma vez que o arranque da operação da companhia aérea low cost democratizou o acesso à região e contribuiu para duplicar o número de hóspedes no Algarve.

“Há um crescimento superior a 95% e o crescimento dos proveitos totais aumentou 200%. Triplicou, portanto. Significa que há esta presunção que a Ryanair é para o turista ‘low cost’ [turista que gasta menos], mas nem sempre. O mais importante é garantir acessibilidade, e quando há, é para todos os bolsos”, afirmou Daniel Alexandre do Adro, vice-presidente da ATA, à margem de uma conferência de imprensa que assinalou as duas décadas de operação da Ryanair em Faro.

Daniel Alexandre do Adro defendeu que a Ryanair contribuiu para que tivesse havido uma alteração da dinâmica em relação ao turismo no Algarve, não só pelo aumento do número de turistas, como pela percepção do valor do destino.

Há 20 anos, o arranque da operação da Ryanair, que começou com ligações aéreas entre Faro e Dublin, numa rota que, segundo a Lusa, conta atualmente com 56 voos por semana, foi também importante para chamar a atenção de outras companhia aéreas para a região, num efeito de arrasto que, de acordo com o responsável, contribuiu para que se tornasse mais fácil atrair outras transportadoras para o aeroporto algarvio.

“Houve mais companhias aéreas olhar para nós, como a easyJet e outras. É um efeito de arrasto, quando já temos alguém a apostar na região, depois é mais fácil trazer mais”, explicou Daniel Alexandre do Adro, sublinhando que a Ryanair contribuiu para reforçar a presença do Algarve nos mercados tradicionais e noutros.

O vice-presidente da ATA considera, contudo, que o turismo algarvio tem ainda espaço para crescer, como tem sido visível pelas taxas de ocupação que a região apresenta, com Daniel Alexandre do Adro e realçar que o excesso de turismo “ainda não é um drama para se discutir” no Algarve.

“Sem dúvida que ainda há margem para crescimento. A questão é que nós vemos uma ligação aérea e isso não significa uma repercussão direta no número de turistas. Alguém que tem uma facilidade de aceder cá, pode vir passar fins de semana e isso já é um perfil diferente de quem vem passar as férias de verão”, acrescentou.

Recorde-se que a Ryanair vai, este verão, contar com a maior operação de sempre no aeroporto de Faro, num total de 47 rotas, oito das quais novas, e 10 aviões baseados no Algarve, sendo que, este ano, a companhia espera alcançar um total de 3,5 milhões de passageiros no aeroporto de Faro.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

NDC by LATAM já tem mil agências registadas e gerou quase 100 mil reservas num mês

Segundo a LATAM Airlines, o NDC by LATAM representa uma “grande inovação em toda a empresa” e tem recebido um feedback positivo, pelo apoio que também fornece às agências de viagens.

Publituris

O NDC by LATAM, que assinala um mês esta quinta-feira, 1 de junho, conta já com perto de mil agências registadas e deu origem a perto de 100 mil reservas, indica a LATAM Airlines, em comunicado.

Segundo a LATAM Airlines, esta nova plataforma que permite acesso ao conteúdo da companhia aérea às agências de viagens, representa uma “grande inovação em toda a empresa” e tem recebido um feedback positivo, pelo apoio que também fornece às agências de viagens.

Em reconhecimento pelo apoio recebido, a LATAM Airlines decidiu mesmo prolongar a oferta temporária de maio no NDC Base, que passa agora a estar disponível até 30 de junho, tendo aumentado ainda o valor do incentivo para 1.50 dólares por passageiro/segmento, sem alteração das condições.

A LATAM Airlines lembra ainda que as agências de viagens podem também contar com o NDC Tech Fund para apoio financeiro nas conexões além dos serviço básico e gratuito oferecido pela nova plataforma.

A adesão ao NDC by LATAM pode ser realizada aqui, onde é também possível consultar mais informações sobre a plataforma.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Novo ranking dos aeroportos europeus: Lisboa em 13º lugar na Cirium

A consultora de inteligência de aviação Cirium acaba de elaborar um novo ranking dos aeroportos europeus e revela quais são os hubs das principais companhias aéreas europeias que mais crescem. Lisboa, principal hub a TAP, está na 13ª posição.

Publituris

No topo da tabela da consultora Cirium, com dados de maio de 2023, está o hub da Turkish Airlines em Istambul. Assim, a Turquia destronou os principais mercados tradicionais do continente e o maior hub da Europa em 2023 é agora o Istanbul Arnavutköy Airport.

A Turkish ofereceu mais de 35 milhões de assentos de e para Istambul durante os 12 meses até maio deste ano, enquanto London Heathrow, é agora o segundo aeroporto mais movimentado da Europa, com um número é inferior a 21 milhões.

Este documento vem demonstrar que a evolução do sector da aviação durante a pandemia de Covid-19 e dos fluxos e diferentes mercados após a crise determinaram alterações no mapa da indústria aérea europeia e no ranking dos hubs das principais companhias aéreas, surgindo novos líderes.

A Pegasus Airlines, que concorre com a Turkish, também ampliou o seu hub em Istambul, mas no aeroporto secundário da cidade. Outros hubs ou “bases” que cresceram desde a crise da Covid incluem easyJet em LondresGatwick,  Ryanair em Dublin, Ryanair em Milão Bergamo e Air Europa em Madrid. Notavelmente, a Aegean Airlines e a subsidiária da Air France/KLM Transavia praticamente dobraram a sua capacidade desde a crise, em Atenas e Paris Orly, respetivamente.

Em relação ao ano passado, quase todos os polos cresceram. Duas exceções são a Aeroflot em Moscou Sheremetyevo, devido ao conflito na Ucrânia, e a Turkish Airlines no aeroporto secundário de Istambul.

A Cirium destaca ainda que os hubs de Frankfurt e Munique da Lufthansa são hoje muito menores do que há quatro anos. A companhia aérea no mesmo grupo, a Swiss, também é muito menor no aeroporto de Zurique.

O hub da TAP Air Portugal, em Lisboa está classificada em 13º lugar com mais de nove milhões de assentos nos últimos 12 meses e até maio.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair celebra 20 anos em Faro e lança maior operação de sempre no verão

No ano do 20 aniversário em Faro, a Ryanair vai operar 47 rotas, incluindo oito novas, e colocar 10 aviões no Algarve, naquele que será o maior calendário de verão de sempre da companhia aérea na região sul de Portugal.

Publituris

A Ryanair assinalou esta terça-feira, 30 de maio, o 20.º aniversário de operações em Faro, efeméride que foi comemorada com o anúncio de uma série de novidades, que incluem a abertura de oito novas rotas e aquele que será o maior calendário de verão de sempre da transportadora no Algarve.

No total, indica a Ryanair num comunicado enviado à imprensa, a companhia aérea vai operar 47 rotas, incluindo oito novas ligações aéreas para Aarhus, Barcelona, ​​Belfast, Copenhaga, Exeter, Frankfurt, Roma e Toulouse.

Além das novas rotas, a Ryanair vai também reforçar o número de voos em outras 12 rotas, incluindo as ligações aéreas para Colónia, Dublin, Madrid, Marselha, Milão, Newquay ou Shannon, entre outras.

A Ryanair revela que este calendário de verão previsto para a região sul de Portugal implica a colocação de 10 aviões baseados em Faro, incluindo dois novos B737 Gamechangers, num investimento que, segundo a companhia aérea, chega a mil milhões de euros e vai criar mais de 3.000 empregos na aviação, incluindo 300 empregos diretos.

No comunicado divulgado, a Ryanair revela que a operação prevista para o verão de 2023 em Faro cresce 20% face à do verão de 2022, correspondendo a mais de 520 voos por semana.

Para assinalar a maior operação de sempre em Faro, a Ryanair lançou uma promoção que conta com preços desde 29,99 euros para voos de ida, válida para reservas através do site da companhia aérea e para viagens até 23 de outubro.

“Enquanto maior companhia aérea da Europa, a Ryanair tem o prazer de celebrar 20 anos de operações em Faro com o lançamento do nosso maior horário de sempre para o verão de 23, com 47 emocionantes rotas, incluindo oito novas rotas”, congratula-se Elena Cabrera, Country Manager da Ryanair para Espanha e Portugal.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAAG lança promoção para assinalar chegada do novo website

Segundo a TAAG – Linhas Aéreas de Angola, o novo website está “mais rápido, mais responsivo e mais intuitivo” e, para assinalar a chegada da nova plataforma, lançou uma promoção que oferece 10% de desconto em reservas até 9 de junho.

Publituris

A TAAG – Linhas Aéreas de Angola lançou um novo website, que está agora “mais rápido, mais responsivo e mais intuitivo” e, para assinalar a chegada da nova plataforma, a companhia aérea angolana lançou uma promoção que oferece 10% de desconto em reservas até 9 de junho.

“O novo website TAAG – Linhas Aéreas de Angola já está disponível”, anuncia a transportadora aérea angolana, num comunicado enviado à imprensa esta terça-feira, 30 de maio.

A oferta de 10% de desconto é válida em todas as rotas da TAAG e destina-se a reservas realizadas entre 30 de maio e 9 de junho, cujas viagens tenham lugar até 15 de março de 2024.

O novo website da TAAG está disponível aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines tem a 8ª marca aérea mais forte do mundo

Na edição de 2023 do ranking da Brand Finance, a Turkish Airlines obteve 78,1 pontos, avaliação que lhe valeu a oitava posição de a entrada no Top10, numa melhoria muito significativa face à 31ª posição que a companhia aérea tinha no ano passado.

Publituris

A Turkish Airlines subiu no ranking das marcas aéreas mais fortes do mundo e ocupa agora a oitava posição na lista de 2023 elaborada pela Brand Finance, conceituada organização internacional especialista na avaliação de marcas.

Na edição de 2023 do ranking da Brand Finance, a Turkish Airlines obteve 78,1 pontos, avaliação que lhe valeu a oitava posição de a entrada no Top10, numa melhoria muito significativa face à 31ª posição que a companhia aérea tinha no ano passado.

“Estamos orgulhosos por subir ao 8.º lugar no ranking de Marcas de Aviação Mais Fortes entre as companhias aéreas globais. Estamos particularmente satisfeitos por termos aumentado a nossa classificação de marca em 23 posições em relação a 2022”, sublinha Ahmet Bolat, presidente do conselho de admnistração e CEO da Turkish Airlines.

A Brand Finance é uma consultora internacional independente e especialista na avaliação de marcas que avalia, anualmente, as 5.000 maiores marcas do mundo e é responsável pela elaboração do ranking Strongest Airline Brands.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.