Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

Iberia atinge 85% dos níveis do verão de 2019 e anuncia novos voos para as Américas

A Iberia está aposta em atingir o mais rapidamente os níveis de capacidade pré-pandémicos. Além de um aumento de voos e frequências para o outro lado do Atlântico, a Europa será reforçada. Portugal manterá os voos regulares para Lisboa e Porto, com voos sazonais para a Madeira, Faro e Açores.

Victor Jorge
Transportes

Iberia atinge 85% dos níveis do verão de 2019 e anuncia novos voos para as Américas

A Iberia está aposta em atingir o mais rapidamente os níveis de capacidade pré-pandémicos. Além de um aumento de voos e frequências para o outro lado do Atlântico, a Europa será reforçada. Portugal manterá os voos regulares para Lisboa e Porto, com voos sazonais para a Madeira, Faro e Açores.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos

A Iberia prevê atingir 85% da capacidade dos voos este verão face ao mesmo período de 2019, “desde que as atuais condições sociopolíticas o permitam”, informa a companhia aérea espanhola em comunicado.

Desde o início da pandemia que a Iberia decidiu estimular a procura através da oferta do maior número de voos e lugares nas suas aeronaves, indicando que, à data, recuperou quase todos os destinos para onde voava antes da pandemia, salientando que adicionou novos voos para mercados onde as restrições têm vindo a ser levantadas e a procura recupera.

Para este verão, a Iberia operará até 340 voos de longo curso por semana, 220 para a América Latina e outros 120 para o outro lado do Atlântico, estimando que, na Europa, “os voos atingirão níveis pré-pandémicos”. Também a Iberia Express aumentará a sua capacidade em quase 30% acima do que estava em 2019 em rotas para as ilhas Baleares e Canárias.

Apostas norte-americana …
O mercado norte-americano será desenvolvido ao máximo pela Iberia, aumentando o número de destinos de seis para nove, oferecendo mais de 120 voos semanais. Em junho, será lançada a nova rota Washington DC, atrasada por causa da pandemia, seguida de Dallas e o reinício dos voos para São Francisco. Também as frequências dos voos para e de Boston, Los Angeles, Miami e Nova Iorque aumentarão.

Dallas é, de resto, considerado, o principal hub da American Airlines, que garante grande conectividade dentro dos Estados Unidos para os clientes da Iberia como parte do seu acordo comercial conjunto com American Airlines, British Airways e Finnair para a operação de rotas entre a Europa e o Atlântico Norte.

Além disso, a Iberia voará até 14 vezes por semana de Madrid a Nova Iorque e Miami; até sete voos semanais para Chicago; até cinco para Los Angeles e um voo diário para Boston. Para Los Angeles e Boston estarão assegurados quatro voos por semana de Barcelona e mais um diário de ida e volta para Nova Iorque.

A Iberia também voará até cinco vezes por semana para Porto Rico, que está incluído no JBA com American Airlines, British Airways e Finnair.

… e latino-americana
Neste verão, a Iberia restaurará a maioria das suas rotas pré-pandemia para os principais mercados latino-americanos, com um total de 220 voos por semana em julho e agosto.

A partir de junho, a Iberia voará 19 vezes por semana para a Cidade do México, perto das três frequências diárias anteriores à pandemia. A companhia aérea operará dois voos diários para Bogotá – quatro a mais por semana do que no verão de 2019 – e outros dois para Buenos Aires.

Lima, Santiago do Chile e São Paulo terão voos diários, e sete vezes por semana para o Equador, com quatro voos para Quito e três para Guayaquil, além de mais cinco voos semanais para Montevidéu.

No Caribe, a companhia aérea voará nove vezes por semana para Santo Domingo e quatro vezes para Havana, enquanto para a América Central, a Iberia mantém seis voos diretos semanais para San José, quatro para a Cidade da Guatemala-San Salvador e até cinco voos para a Cidade do Panamá.

Reforço europeu
Nesta temporada de verão, a Iberia e a Iberia Express vão recuperar totalmente a capacidade oferecida em 2019 nos seus serviços de curto e médio curso, e até superá-la nos serviços para as ilhas Canárias e Baleares.

Em Portugal, além dos voos regulares para Lisboa e Porto, a Iberia operará voos sazonais para a Madeira, Faro e Açores.

Para Itália serão 11 os destinos (Roma, Milão, Florença, Veneza, Nápoles, Bolonha e Turim), além de, a partir de meados de junho, Catânia, Olbia e Cagliari serão adicionados à rede Iberia, enquanto a Iberia Express também voará para Bari.

Na Croácia, nesta temporada, a Iberia oferecerá voos para Dubrovnik, Zagreb e Split, com retornos flexíveis.

Os clientes da Iberia poderão voar para Atenas e Corfu na Grécia, enquanto a Iberia Express voará para Míconos, Creta e Santorini.

Dado o bom desempenho da nova rota de verão da Iberia para Bergen (Noruega) e da rota da Iberia Express para Keflavik (Islândia), os voos partirão de Madrid, com até dois voos por semana.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos
PUB

Image by Freepik

Destinos

Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024

Depois de ter crescido 7%, em 2023, face ao ano anterior, para atingir 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), o WTTC prevê que o mercado das viagens e turismo nos EUA deverá subir 6,7% para 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros).

Victor Jorge

As estimativas avançadas, recentemente, pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), para o setor das viagens e turismo nos Estados Unidos da América (EUA) apontam para um crescimento, ultrapassando os números pré-pandémicos de 2019.

Assim, no Economic Impact Research (EIR), o WTTC prevê que o setor das viagens e turismo nos EUA atinja 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros), correspondendo a uma subida de 6,7% face a 2023 e mais 11,4% relativamente ao ano de 2019.

Este valor faz com que o contributo do setor das viagens e turismo nos EUA para a economia global do país atinja os 9%.

Já no que diz respeito ao emprego, as estimativas apontam para 18,8 milhões de pessoas a trabalhar no setor, o que equivale a 11,6% do mercado, ou seja, uma em cada nove pessoas estará a desenvolver a sua atividade laboral nas viagens e turismo.

Estes números fazem com que o emprego no setor aumente 4,2%, face a 2023, e mais 4,2% relativamente a 2019.

Mas as perspetivas para o setor das viagens e turismo nos EUA para o futuro também são promissoras, já que apontam para 3,1 biliões de dólares de valor (cerca de 2,9 biliões de euros), em 2034, o que equivale dizer que o setor aumentará o seu peso no Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano em 9,5%, mais do que os 8,9% de 2019.

Também no emprego, o setor registará um aumento, antevendo-se que, em 2034, seja 20,95 milhões os norte-americanos a trabalhar nas viagens e turismo, equivalendo a 12,5% de toda a força de trabalho nos EUA, criando, comprando 2024 com 2034, a criação de 2,16 milhões de novos empregos.

Um ano de recuperação
Os números referentes a 2023 ditam uma recuperação do setor das viagens e turismo nos EUA, com uma subida de 7% face a 2022 (+4,4% relativamente a 2019) para atingir os 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), fazendo com que este setor pese 8,6% no PIB norte-americano.

No emprego, também os números mostram uma recuperação, com 18,03 milhões de pessoas a trabalhar no setor, representando 11,2% da força laboral do país, correspondendo a uma subida de 3,8% face a 2022 e mais 3,6% relativamente a 2019.

Quanto aos gastos dos visitantes, o EIR do WTTC mostra, contudo, que estes ainda não atingiram valores de 2019. Se no ano antes da pandemia, os gastos de visitantes internacionais totalizaram mais de 212 mil milhões de dólares (cerca de 198 mil milhões de euros), correspondendo a 7,1% do total das exportações, em 2023, esses gastos atingiram 156,1 mil milhões de dólares (pouco mais de 145 mil milhões de euros), ou seja, uma subida de 31,6% face a 2022, mas menos 26,4% relativamente a 2019.

A linha de evolução para 2024 estima uma subida para 191,6 mil milhões de dólares (cerca de 178,5 mil milhões de euros) nos gastos de visitantes internacionais, mais 22,7% face a 2023, ficando ainda 9,7% abaixo de 2019.

Já para 2034, o EIR do WTTC prevê que os gastos dos visitantes internacionais ultrapassem já os de 2019, totalizando 286,2 mil milhões de dólares (cerca de 267 mil milhões de euros), representando uma subida média anual, entre 2024 e 2034, de 6,4%.

Nos gastos domésticos realizados pelos turistas, se em 2019 estes totalizavam 1,25 biliões de dólares (cerca de 1,16 biliões de euros), em 2023 regista-se uma subida de 4,2% face a 2022 e de 9,3% relativamente a 2019.

Para o atual ano de 2024, as previsões apontam para que os gastos feitos pelos turistas domésticos totalizem 1,43 biliões de dólares (cerca de 1,33 biliões de euros), significando uma subida de 4,1% face a 2023 e mais 13,8% relativamente a 2019.

Dentro de 10 anos, ou seja, em 2034, os gastos domésticos feitos pelos turistas domésticos deverão atingir 1,78 biliões de dólares (cerca de 1,66 biliões de euros), representando uma subida média, entre 2024 e 2034, de 2,2%.

México como destino preferido
O México manteve-se como o principal destino dos norte-americanos, embora baixando 1 ponto percentual (p.p.), caindo de 29%, em 2019, para 28%, em 2023. Também o Canadá viu o número de americanos a viajar para o país, representando 12%, em 2023, quando, em 2019, era de 12%.

No pódio dos destinos outbound houve, contudo, uma alteração, já que a França, em 3.º lugar, em 2019, caiu para 4.º lugar, trocando com o Reino Unido, representando ambos os países 4%, em 2023. Por último, em 5.º lugar surge, em 2023, a Espanha, com 3%, lugar que, em 2019, era ocupado por Itália.

Recorde-se que, em 2023, Portugal registou mais de 2 milhões de hóspedes provenientes dos EUA, correspondendo a uma subida de quase 500 mil face a 2022.

Já no que diz respeito às dormidas, foram mais de 4 milhões registadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mais 1,2 milhões dormidas que em 2022.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Iberojet, Conversas com o Presidente (Sintra), Viagem à Turquia e Turismo Desportivo na edição 1509 do Publituris

Para esta edição, o jornal Publituris entrevistou António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Além disso, falámos com Diamantino Martins, viajámos até à Turquia, conversámos com Basílio Horta, e dedicamos o dossier ao Turismo Desportivo.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com a entrevista a António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Tendo assumido, recentemente, a liderança da companhia aérea do Grupo Ávoris, António Loureiro referiu ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença e tornar a companhia “mais visível”.

Desbravar destinos para levar aos clientes é o que faz Diamantino Martins, profissional de turismo há vários anos e que fundou a empresa Polis que acabaria, há 10 anos, por vender apenas a área de viagens à Top Atlântico, ficando ligado ao grupo na qualidade de consultor. Além de continuar com a parte dos eventos e algum incomig da Polis, o gosto pelo bem receber levou Diamantino Martins a abraçar um outro projeto, agora no Alentejo que vai ocupar algum tempo, admitindo que “tinha o sonho de um dia ter um hotel, pequenino, mais boutique”.

Nas “Conversas com o Presidente”, o jornal Publituris falou com Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra. Para o autarca que se encontra no segundo e último mandato, “o turismo tem duas vertentes indissociáveis: a económica e a cultural”. EM qualquer uma, segundo Basílio Horta, “só poderá haver um vencedor: Portugal”.

Nas “Capas que fazem História”, no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de abril de 1974, trazemos os principais destaques da edição de 15 de abril, ou seja, a última antes da data da revolução.

A viagem realizada à Turquia, a convite da Solférias, permitiu perceber que há muitas “Turquias” numa só. De resto, os agentes de viagens que participaram na famtrip à Turquia ficaram surpreendidos pela positiva com o destino, tendo, inclusivamente, feito diversas recomendações que passam pela visita em circuito pelas diferentes cidades repletas de história e cultura, à incontornável Capadócia, constatando, contudo, que em termos de praias, pelo menos em Antalya, e apesar dos empreendimentos turísticos serem de elevadíssima qualidade, não correspondem àquilo que um bom português gosta.

O “Dossier” desta edição destaca o Turismo Desportivo, ou melhor, a realização de grandes eventos desportivos e a captação de equipas e seleções para efetuarem estágios e preparações que é vista como uma nova forma de dinamizar o turismo global. Segundo os profissionais ouvidos, Portugal tem excelentes condições para o efeito, mas falta promover o destino para jogar neste campeonato.

Além do Pulse Report da guestcentric, numa colaboração com o Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Silvana Pombo (Highgate Portugal), Bonifácio Rodrigues (professor investigador), Nuno Couceiro (Ameno), e Joaquim Robalo de Almeida (ARAC).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Iberojet, Conversas com o Presidente (Sintra), Viagem à Turquia e Turismo Desportivo

Para esta edição, o jornal Publituris entrevistou António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Além disso, falámos com Diamantino Martins, viajámos até à Turquia, conversámos com Basílio Horta, e dedicamos o dossier ao Turismo Desportivo.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com a entrevista a António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Tendo assumido, recentemente, a liderança da companhia aérea do Grupo Ávoris, António Loureiro referiu ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença e tornar a companhia “mais visível”.

Desbravar destinos para levar aos clientes é o que faz Diamantino Martins, profissional de turismo há vários anos e que fundou a empresa Polis que acabaria, há 10 anos, por vender apenas a área de viagens à Top Atlântico, ficando ligado ao grupo na qualidade de consultor. Além de continuar com a parte dos eventos e algum incomig da Polis, o gosto pelo bem receber levou Diamantino Martins a abraçar um outro projeto, agora no Alentejo que vai ocupar algum tempo, admitindo que “tinha o sonho de um dia ter um hotel, pequenino, mais boutique”.

Nas “Conversas com o Presidente”, o jornal Publituris falou com Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra. Para o autarca que se encontra no segundo e último mandato, “o turismo tem duas vertentes indissociáveis: a económica e a cultural”. EM qualquer uma, segundo Basílio Horta, “só poderá haver um vencedor: Portugal”.

Nas “Capas que fazem História”, no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de abril de 1974, trazemos os principais destaques da edição de 15 de abril, ou seja, a última antes da data da revolução.

A viagem realizada à Turquia, a convite da Solférias, permitiu perceber que há muitas “Turquias” numa só. De resto, os agentes de viagens que participaram na famtrip à Turquia ficaram surpreendidos pela positiva com o destino, tendo, inclusivamente, feito diversas recomendações que passam pela visita em circuito pelas diferentes cidades repletas de história e cultura, à incontornável Capadócia, constatando, contudo, que em termos de praias, pelo menos em Antalya, e apesar dos empreendimentos turísticos serem de elevadíssima qualidade, não correspondem àquilo que um bom português gosta.

O “Dossier” desta edição destaca o Turismo Desportivo, ou melhor, a realização de grandes eventos desportivos e a captação de equipas e seleções para efetuarem estágios e preparações que é vista como uma nova forma de dinamizar o turismo global. Segundo os profissionais ouvidos, Portugal tem excelentes condições para o efeito, mas falta promover o destino para jogar neste campeonato.

Além do Pulse Report da guestcentric, numa colaboração com o Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Silvana Pombo (Highgate Portugal), Bonifácio Rodrigues (professor investigador), Nuno Couceiro (Ameno), e Joaquim Robalo de Almeida (ARAC).

Leia aqui a edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Unlock Boutique Hotels comemora 8 anos com nova Central de Reservas

A Unlock Boutique Hotels (UHB) aproveitou a comemoração do seu 8.º aniversário para abrir a Central de Reservas.

Publituris

Com 22 hotéis sob gestão em 15 destinos, a Unlock Boutique Hotels (UBH) comemora o seu 8.º aniversário com a abertura de uma Central de Reservas, a única em Portugal para hotéis boutique independentes, considerando Miguel Velez, CEO da UHB, tratar-se de “mais uma etapa para o crescimento” da empresa.

Depois de no início do ano ter lançado para o mercado um novo website, que representou o maior investimento em websites do setor hoteleiro em Portugal, realizado pela Deloitte, a UBH admite que “desde a sua fundação, o compromisso com os clientes, hóspedes e colaboradores tem marcado este trajeto, diferenciando-se pela excelência dos serviços prestados, maximização de receitas e crescimento sustentável, rumo à liderança no setor”, o que trouxe a combinação entre “a expertise da equipa de gestão, criatividade e inovação e as características únicas das unidades hoteleiras membros do grupo”, tendo sido distinguida como PME Excelência 22, depois de três anos consecutivos como PME Líder.

Além de agradecer a todos os clientes, parceiros e colaboradores que acompanharam a UBH ao longo destes anos, Miguel Velez considera que “o apoio contínuo tem sido fundamental para o nosso sucesso e inspira-nos para novos desafios”.

Novos desafios que levaram a UBH a apesentar as novidades “dentro de portas”, refletindo as “especificidades únicas de cada hotel membro e para termos um serviço totalmente personalizado a cada cliente desde o primeiro contacto com a Unlock”, concluindo Miguel Velez que a Central de Reservas é composta por “uma equipa interna, focada no serviço ao cliente e com total conhecimento dos detalhes de todos os hotéis”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Diana Quintela

Turismo

Programa de Governo destaca 12 pontos para o Turismo

Entregue esta quarta-feira ao presidente da Assembleia da República, José Aguiar-Branco, o Programa do Governo tem diversos pontos referente ao turismo. Decidir “rapidamente sobre a construção do novo aeroporto” e “iniciar o processo de revisão da Lei nº 33/2013” são dois deles. Mas há mais.

Victor Jorge

São 12 os pontos que o Programa do Governo, liderado por Luís Montenegro, destaca para o setor do Turismo. Entregue esta quarta-feira, 10 de abril, pelo ministro dos Assuntos Parlamentares, Pedro Duarte, ao presidente da Assembleia da República, Aguiar-Branco, o Programa do Governo tem como horizonte o final da Legislatura, em 2028, e assume uma linha de ação convergente com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas, assim como, com a Estratégia Portugal 2030, que enquadra a aplicação dos fundos europeus estruturais e de investimento.

Assim, no que diz respeito ao Turismo, o Governo pretende “eliminar de imediato a Contribuição Extraordinária sobre o Alojamento Local (AL)”, bem como a “caducidade das licenças anteriores ao programa Mais Habitação, e revendo simultaneamente as limitações legais impostas pelo Governo socialista”.

Aposta é também a “qualificação da oferta turística” e o aumento da procura, concentrando em mercados que garantam um “crescimento em valor e combatendo a sazonalidade”.

Relativamente aos Transportes pode ler-se que a aposta passa por “atrair Transporte Aéreo regular e diversificado nos aeroportos nacionais” e “decidir rapidamente” a construção do novo aeroporto.

“Clarificar as regras de investimento imobiliário e atração de investimento (residentes e não residentes); Identificar necessidades de infra-estrutura turística, promovendo o seu investimento público e privado, incluindo as áreas necessitadas de alojamento e infra-estrutura de transportes e lançar programas de apoio à satisfação dessas necessidades” são outros pontos destacados neste Programa de Governo.

No emprego e formação, “valorizar o ensino e formação contínua em Turismo e criar/consolidar uma rede nacional integrada de formação (hubs), com escala e qualidade, suportando conteúdos programáticos complementares que potenciam a oferta de qualidade” são outras preocupações espelhadas no programa do XXIV Governo da República, além de referir-se a promoção de um turismo sustentável, partindo do princípio que o turista “além de visitar lugares, pretende viver experiências, respeitando o meio-ambiente e as comunidades locais”.

“Consolidar Portugal como destino turístico de excelência em tudo o que está ligado à economia azul, ao mar e às atividades náuticas” é considerado como “eixo fundamental para a nossa oferta”.

Nos pontos dedicados ao Turismo não falta, também, uma referência ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), referindo-se o “acelerar a componente 16” do mesmo, focada na transição digital do tecido empresarial (aceleradoras do comércio digital e bairros comerciais digitais).

Pelo descrito, percebe-se, igualmente, que é intenção “iniciar o processo de revisão da Lei nº 33/2013 no quadro de consolidação e autonomia das Entidades Regionais de Turismo (ERT), face ao processo de assunção de novas competências pelas comunidades intermunicipais, resultante do processo de descentralização em matéria da promoção turística”.

Finalmente, “concretizar a Agenda do Turismo para o Interior” e “iniciar o processo de criação de uma nova agenda para o turismo, que assegure a sua sustentabilidade económica, social e cultural, bem como a definição de novas metas, num espírito de cooperação com todos os parceiros que potencie a competitividade de Portugal”, fecham os pontos do Programa de Governo dedicados ao setor do Turismo.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Emprego e Formação

Coimbra acolhe 2.ª edição da Feira de Emprego do Centro

O Convento São Francisco vai juntar, no dia 16 de abril, empresas e candidatos da área do turismo, com a finalidade de facilitar a contratação neste setor.

Publituris

O Convento São Francisco, em Coimbra, vai receber, a 16 de abril, a segunda edição da Feira de Emprego do Centro, um evento organizado pela Bolsa de Empregabilidade e que tem como objetivo pôr em contacto os empregadores e os candidatos a trabalhar na área do Turismo.

A Bolsa de Empregabilidade é o maior evento de empregabilidade nacional nas áreas do Turismo. Desde 2016, a Bolsa de Empregabilidade já desenvolveu mais de uma dezena de edições, entre Lisboa, Porto, Alentejo, Algarve e, desde o ano passado, também no Centro de Portugal, tendo acelerado o processo de contratação e identificação de talento de milhares de candidatos.

A 2.ª Feira de Emprego no Centro contará com cerca de 50 empresas a identificar talento e a contratar trabalhadores, ao longo de todo o dia. As empresas, entre as quais estão alguns dos mais importantes empregadores da região e do país, irão promover junto dos candidatos as vagas de emprego que têm disponíveis.

Os candidatos são estudantes de instituições de ensino superior e profissional das áreas de turismo, assim como desempregados identificados pelo IEFP e também profissionais de outras áreas que estejam interessados em novas oportunidades. Até ao momento, estão já inscritos 300 estudantes e cerca de 1200 profissionais, entre desempregados e pessoas interessadas em trabalhar no setor. As inscrições dos candidatos são gratuitas e podem ser feitas desde já em https://bolsadeempregabilidade.pt.

Na apresentação, António Marto explicou que “esta feira de empregabilidade acontece em Coimbra, mas o seu âmbito é de todo o Centro. É condição para as empresas que participam terem vagas no setor do Turismo para contratar em Coimbra e na região Centro”.

De acordo ainda com António Marto, “é verdade que há falta de mão de obra nesta área, mas a experiências que temos tido demonstra que nestes eventos as pessoas que querem trabalhar aparecem”.

Já Anabela Freitas, vice-presidente da Turismo Centro de Portugal, reconhece que a falta de trabalhadores “é um dos maiores desafios do setor do turismo”, admitindo que, “se queremos posicionar-nos cada vez mais como um destino sustentável, diferenciado e qualificado, temos de ter empresas e trabalhadores qualificados”.

Sobre a realização do evento no Centro de Portugal, Anabela Freitas salienta que “a Feira de Emprego do Centro é um exemplo claro daquilo que pretendemos fazer no território para atrair e fixar mão-de-obra”.

Por fim, Francisco Veiga, vice-presidente da Câmara Municipal de Coimbra, defendeu a importância do evento, ao destacar que, “sendo este um evento que visa identificar talentos e acelerar o processo de contratação de profissionais para o setor do turismo, é evidente que o Município de Coimbra tem todo o interesse em apoiar a sua realização”, concluindo que, “nesta feira estarão representadas dezenas de empresas e espero que muitos candidatos encontrem aqui uma oportunidade de emprego que vá ao encontro dos seus desígnios, ajudando o turismo a crescer de forma sustentada”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Turismo de Portugal, CMVM e IAPMEI assinam protocolo de colaboração

O Turismo de Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o IAPMEI – Agência para a Competitividade e Inovação, I.P., assinaram um protocolo de colaboração com vista a alcançar objetivos comuns respeitantes ao desenvolvimento empresarial.

Publituris

A assinatura deste protocolo representa um marco significativo para o reforço da cooperação entre instituições com contacto relevante junto das empresas, contribuindo para um empreendedorismo ativo e conhecedor das oportunidades e desafios, promovendo o crescimento sustentável da economia portuguesa.

Neste âmbito, a CMVM, o IAPMEI e o Turismo de Portugal comprometem-se a desenvolver iniciativas conjuntas, nomeadamente para a promoção do recurso a opções alternativas de financiamento, incluindo o mercado de capitais, e para incentivar a adoção pelas empresas de boas práticas ambientais, sociais e de governance.

O conjunto de iniciativas planeadas incluem a realização de encontros com empresas para partilhar informação sobre o financiamento através do mercado de capitais, nomeadamente através da organização de encontros no âmbito do “Roteiro de Financiamento em Mercado” e da colaboração da CMVM em iniciativas e eventos do IAPMEI e do Turismo de Portugal nos quais a sua participação se justifique.

O protocolo prevê ainda o desenvolvimento de projetos de apoio às empresas que visam a respetiva capacitação e o reforço da governance bem como a divulgação de iniciativas relevantes conjuntas ou de cada uma das instituições, através dos seus canais de comunicação.

De forma a estimular a partilha de conhecimentos entre as três instituições, serão promovidas ações de capacitação, entre as quais sessões dedicadas ao processo de entrada e as vantagens do mercado de capitais para as empresas portuguesas.

Esta parceria vem na sequência do trabalho já desenvolvido nesta matéria e reflete o compromisso e a dedicação das instituições em identificar oportunidades para desenvolver mais ações de cooperação para o desenvolvimento empresarial.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Frame It

Transportes

Teresa Gonçalves demite-se da presidência da SATA

A presidente da companhia aérea açoriana SATA, Teresa Gonçalves, demitiu-se do cargo por “motivos pessoais”, anunciou o Governo Regional.

Publituris

No cargo desde abril de 2023, após a saída de Luís Rodrigues para a liderança da TAP,  Teresa Gonçalves apresentou a demissão, indicando o Governo Regional dos Açores que a presidente da SATA (grupo que inclui a SATA Air Açores e a Azores Airlines) alegou “motivos pessoas”.

Em entrevista ao jornal Publituris, publicada na edição de 29 de março, Teresa Gonçalves fazia um balanço “muito positivo”, referindo que “conseguimos implementar coisas muito giras e trabalhar internamente com os nossos trabalhadores, dando-lhes formação e criando condições para eles se sentirem bem no trabalho e dar a conhecer a SATA, ou seja, pôr a SATA no mundo”.

Na altura, a ainda CEO da SATA salientava que havia muito trabalho para “dinamizar e dar a conhecer a SATA na América do Norte, nomeadamente em Boston e em Nova Iorque, mas também em Toronto, no Canadá. Portanto, fizemos um trabalho muito forte para dinamizar este mercado, que é muito importante para a SATA porque tem um peso muito relevante nas rotas que operamos – atualmente, representa 23% das nossas rotas e teve um crescimento de 54% face ao ano anterior”.

Leia a última entrevista dada pela CEO do grupo SATA, Teresa Gonçalves, ao Publituris.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Frame It

Transportes

“Temos trabalhado muito para dinamizar e dar a conhecer a SATA na América do Norte”

Há um ano à frente da SATA, Teresa Gonçalves, presidente do grupo de aviação açoriano, falou com o Publituris sobre a mudança de estratégia, que já está a permitir resultados históricos, nomeadamente nos mercados da América do Norte. As novas rotas e os processos de reestruturação e privatização também foram temas nesta conversa.

Inês de Matos

Em 2023, as duas companhias aéreas do Grupo SATA – Azores Airlines e SATA Air Açores – transportaram 2,4 milhões de passageiros, número histórico que, segundo Teresa Gonçalves, presidente do grupo de aviação açoriano, se deve ao crescimento do turismo nos Açores, mas principalmente a uma mudança de estratégia que tem permitido “pôr a SATA no mundo”, principalmente em mercados como o da América do Norte, onde a Azores Airlines, a companhia aérea que realiza os voos para fora dos Açores, tem vindo a reforçar a capacidade e a atrair passageiros.

Apesar desta entrevista ter sido realizada nos primeiros dias de março, quando os resultados financeiros do grupo de aviação ainda não tinham sido publicados, Teresa Gonçalves mostra-se otimista e esperava que eles evidenciassem “uma tendência muito positiva”.

Tudo isto leva Teresa Gonçalves a fazer um balanço positivo do seu primeiro ano à frente da SATA, cujo processo de privatização continua parado e sem perspetivas de retoma.

É CEO da SATA há cerca de um ano. Qual é o balanço que faz destes primeiros meses à frente deste grupo de aviação açoriano?
O balanço é muito positivo, costumo dizer que já estava na SATA antes, era administradora com o pelouro financeiro, tinha a meu cargo dossiers muito importantes, como o da reestruturação e submissão do plano à Comissão Europeia.  Portanto, na verdade sempre estive muito envolvida e já tinha um papel muito importante em termos dos grandes dossiers.

Faço um balanço muito positivo porque conseguimos implementar coisas muito giras e trabalhar internamente com os nossos trabalhadores, dando-lhes formação e criando condições para eles se sentirem bem no trabalho e dar a conhecer a SATA, ou seja, pôr a SATA no mundo.

Portanto, o balanço deste primeiro ano é muito positivo.

Fizemos um trabalho muito forte para dinamizar este mercado [América do Norte], que é muito importante para a SATA porque tem um peso muito relevante nas rotas que operamos – atualmente, representa 23% das nossas rotas e teve um crescimento de 54% face ao ano anterior

Ao longo destes meses, quais foram os momentos mais desafiantes que identifica e porquê?
Os desafios passam sempre pela relação com as pessoas, todas as questões relacionadas com pessoas são sempre um grande desafio e as negociações com sindicatos são muito desafiantes, mas foi também um grande desafio ir para outras geografias, como a América do Norte, e mostrar que existimos, dar-nos a conhecer e falar com os destinos, com os turismos, com os governos e com as autoridades locais para eles saberem que a SATA existe. Isso também foi um grande desafio.

Resultados 2023
Em 2023, as companhias aéreas do Grupo SATA tiveram resultados operacionais positivos, com 2,4 milhões de passageiros transportados, de tal forma que 2023 se tornou no melhor ano de sempre para o grupo. Já se sente responsável por estes resultados?

Claro, claro que sinto, sem dúvida. Este é o resultado de tudo o que temos feito e é o resultado de termos agarrado a oportunidade e termos ido à América do Norte dar a conhecer a SATA. Temos trabalhado muito para dinamizar e dar a conhecer a SATA na América do Norte, nomeadamente em Boston e em Nova Iorque, mas também em Toronto, no Canadá. Portanto, fizemos um trabalho muito forte para dinamizar este mercado, que é muito importante para a SATA porque tem um peso muito relevante nas rotas que operamos – atualmente, representa 23% das nossas rotas e teve um crescimento de 54% face ao ano anterior.

Este é o resultado disso, é o resultado de termos estado mais ativos no mercado, de termos mostrado que existimos e termos uma série de iniciativas com várias entidades.

No Porto, também aconteceu isso, começámos a dinamizar mais ações com as autoridades locais, com um papel mais interventivo e que permitiu criar novas rotas.

Por isso, sim, sem dúvida que já me sinto responsável por estes resultados.

Quais foram as rotas da Azores Airlines ou da SATA Air Açores que, no ano passado, apresentaram resultados mais positivos?
As rotas da América do Norte têm um papel muito expressivo e são rotas muito importantes. Vemos que a SATA estava muito vocacionada para servir a diáspora e uma das coisas de que nos podemos congratular é que, hoje, efetivamente, servimos a diáspora mas servimos também o mercado turístico e esse está a crescer muito. As pessoas já sabem que podem vir, via Açores, para se ligarem ao mundo, seja à Europa ou a África, através de Cabo Verde.

A rota de Cabo Verde também é muito importante e expressiva no nosso mercado de rotas, é importante porque temos esta ligação da América do Norte a Cabo Verde que está sempre muito concorrida e, portanto, claramente estas são as rotas mais importantes.

O turismo nos Açores tem vindo a crescer e a atingir bons resultados. Esse aumento da procura turística pelos Açores também ajuda a explicar os bons resultados da SATA?
Sem dúvida, os Açores são um destino muito importante e que está a ganhar uma preponderância muito especial e isso já tinha acontecido na pandemia, quando os Açores começaram a ser um destino de fuga para quem queria sair, ter paz e ar livre, sem preocupações.

Os Açores são um destino sustentável, que tem ganho constantemente prémios de destino sustentável, de melhor destino aventura ou melhor destino de outra coisa qualquer.

Portanto, tem havido essa aposta e nós temos a sorte de estarmos nos Açores e de conseguirmos conciliar, não só o destino sustentável, mas por outro lado toda a Europa. Podemos levar as pessoas, através da Europa, para todo o mundo. Quase que permite visitar um destino maravilha como os Açores e depois seguir para qualquer parte do mundo.

Hoje, efetivamente, servimos a diáspora mas servimos também o mercado turístico e esse está a crescer muito

Além dos resultados operacionais, também os financeiros têm vindo a melhorar. Qual é a sua expetativa em relação aos resultados de 2023?
Tenho uma ideia muito clara, mas ainda não posso falar sobre os resultados, mas claramente temos uma tendência muito positiva, o que é muito bom. [Esta entrevista foi realizada poucos dias antes dos resultados financeiros do Grupo SATA serem conhecidos e que vieram mostrar que, apesar de uma melhoria de 8,1 milhões de euros face ao resultado negativo de 32,4 milhões de euros do ano anterior, a Azores Airlines ainda apresentou, no ano passado, um prejuízo de 24,3 milhões de euros].

Reestruturação e privatização
A SATA está, atualmente, em processo de reestruturação ditado pela Comissão Europeia. Qual foi o impacto desta reestruturação no regresso da SATA aos bons resultados?
Sem dúvida que a reestruturação foi positiva. Quando cheguei à SATA, a SATA estava muito debilitada em termos operacionais e financeiros, por isso é que recorremos a um processo de auxílio de Estado junto da Comissão Europeia e foi também por isso que apresentámos um plano de reestruturação para reestruturar o grupo como um todo.

Obviamente que houve aqui um trabalho muito grande e, hoje, podemos dizer que temos uma operação consistente e que temos um produto que é bom para o passageiros, que tem qualidade e o plano de reestruturação permitiu-nos olhar para os mercados onde estávamos e consolidar a nossa presença nesses mercados e, depois, financeiramente também permitiu começar a ter um rumo e a caminhar para o ‘verde’ para podermos ter capacidade de crescer e de avançar para outras rotas e rotas novas, como lançámos agora recentemente.

Foi essa mudança de estratégia, de tentar atrair também os turistas desses mercados, que ditou este caminho de sucesso em que a SATA se encontra?
Foi fundamental porque continuamos a servir a nossa comunidade, e temos isso na nossa missão e nos nossos valores – trazer os açorianos para casa e levar os açorianos para o mundo – mas claramente que era também importante ir buscar todo o outro mercado, que tem um potencial enorme. O mercado norte-americano tem um potencial fora de série, ainda agora estivemos na Califórnia e vimos a dimensão daquele mercado que não acaba, que tem tanto potencial e muito poder de compra.

Portanto, quando fizemos esta viragem e começámos a focar-nos em divulgar a SATA enquanto companhia aérea que leva os turistas para um destino muito bom, sustentável e que até lhes dá a possibilidade de irem para qualquer parte do mundo, na Europa, América ou África, claramente que se abriu um leque de oportunidades que não estavam devidamente exploradas.

A Azores Airlines também está em processo de privatização, que foi parado devido à instabilidade política regional. Já há alguma previsão de quando poderá o processo ser retomado?
Não, a única coisa que sabemos é que o Governo vai assumir funções na próxima semana [4 de março] mas não sabemos mais nada sobre a privatização.

O júri do concurso para a privatização da companhia aérea tinha, no entanto, escolhido a proposta do consórcio Newtour/MS Aviation. O que pensa a administração da SATA da proposta deste consórcio, que conta com a participação de um grande grupo de turismo dos Açores?
Não faço a mínima ideia, temos um processo muito bem montado, com um júri que esteve a analisar todas as propostas, esteve a ver todo o processo e as propostas que foram apresentadas e a SATA, neste momento, está num caminho paralelo. Agora, que o processo foi suspenso, ainda não tivemos acesso ao relatório final, nem outras conclusões e, portanto, neste momento, não me consigo pronunciar.

Sem dúvida que a reestruturação foi positiva. Quando cheguei à SATA, a SATA estava muito debilitada em termos operacionais e financeiros

Vai continuar a liderar a SATA depois da privatização?
Costumo dizer que vou fazendo as coisas no momento em que estou e, neste momento, estou focada em continuar e consolidar a estratégia da SATA e em levar a SATA a todo o mundo, para dar a conhecer a companhia aérea e os Açores. Portanto, é algo em que não penso, que não me preocupa neste momento.

2024
Para o verão de 2024, a SATA conta com várias novidades ao nível de novas rotas. Qual é a expectativa, nomeadamente, para as novas rotas de Londres e Milão, mas também para a rota de Montreal, que até vai começar mais cedo do que estava previsto?
Vamos ter uma série de novidades. Temos Milão, Londres e Faro desde Ponta Delgada, e a expetativa é a melhor.

No caso de Faro, por exemplo, começámos com duas frequências e aumentámos para a terceira ao final de três semana. Portanto, Faro está a correr muito bem.

Milão é uma rota muito apetecível e que tem muita ligação com a América do Norte. Analisámos o potencial destas rotas, até mesmo com o tráfego de ligação e são rotas que, pelo que estamos a ver, estão a correr muito bem.

Montreal é uma rota que já tínhamos, este ano, o que acontece é que vamos iniciá-la dois meses antes. Vamos ter uma frequência de abril a final de maio e, depois, a partir de junho temos quatro frequências, ou seja, uma frequência a mais do que no ano passado e com a vantagem de que vamos fazer a rota à noite e, portanto, quando as pessoas chegam já têm ligação para a Europa e para todas as ilhas dos Açores.

Por outro lado, vamos ter também o Porto com ligação direta à América do Norte, o que é uma novidade porque a rota era sempre via Ponta Delgada e, agora, vai haver uma ligação direta, o que é bastante bom para os passageiros do Porto.

Falou sobre Faro mas queria saber porque decidiu a SATA apostar em Faro, foi com o objetivo de proporcionar um destino de lazer aos açorianos?
É um misto. A SATA em tempos já tinha voado para Faro, antes de eu chegar à companhia aérea, mas depois a rota foi descontinuada. O que acontece é que os açorianos têm uma grande apetência por Faro mas os norte-americanos também e, portanto, vemos isto sempre pelo lado de como conseguimos conjugar os destinos para onde voamos com os destinos que queremos ligar.

Claro que também vamos ter pessoas do Algarve a viajar para os Açores porque se torna mais fácil chegar aos Açores.

O plano de reestruturação permitiu-nos olhar para os mercados onde estávamos e consolidar a nossa presença

Também a operação intra-regional entre a Madeira e os Açores tem vindo a ser reforçada, assim como as ligações desde a Madeira à América do Norte. Qual é o balanço que a SATA faz desta operação na Madeira e qual é a possibilidade de ela vir a aumentar ainda mais no futuro?
Fazemos um balanço bastante positivo, temos trabalhado em conjunto com o Turismo da Madeira para promover e dinamizar estas rotas e o objetivo é continuarmos a trabalhar com eles para vermos ângulos que possamos explorar para dinamizar estas rotas.

Desafios para 2024
Apesar da aviação, de uma forma global, estar a registar resultados positivos, há no mundo vários desafios que podem impactar negativamente o transporte aéreo. Qual é a opinião da SATA sobre as perspetivas mundiais, será possível continuar a crescer apesar de tantos desafios?
Desde a COVID-19 que nunca mais nada foi igual. Isto é um facto e, por outro lado, temo-nos deparado muito com questões muito ligadas com a falta de capacidade de recursos humanos em geral. É um problema geral que afeta também muito o mundo da aviação e todas as entidades que trabalham na nossa cadeia de valor e isso vê-se quando os aviões começam a atrasar porque vão para manutenção mas não há capacidade de resposta e atrasam meses. Isto tem impacto na operação e temos de alugar aviões para garantir a qualidade do serviço e para garantir que os passageiros ficam com o serviço assegurado. Portanto, isto tem impacto.

Depois, tivemos, em fevereiro de 2022, a guerra da Ucrânia que, parecendo que não, fez os combustíveis disparar e, apesar de, em 2023, termos reparado que houve aqui um decréscimo no preço e de ser expectável que este decréscimo se mantenha em 2024, apesar de não ser muito significativo, o facto é que estamos em níveis onde nunca tínhamos estado.

Portanto, houve aqui, claramente, um salto muito grande e não sei se, algum dia, vamos voltar aos níveis anteriores.

Isto, claramente, tem um custo muito grande que não podemos passar completamente para o passageiro ou seria insustentável.

Mas há mais desafios. Tivemos, por exemplo, uma subida de taxas de juro muito elevada para compensar a taxa de inflação e tudo isto impacta a SATA e os nossos fornecedores. Estamos no fim da cadeia de valor e todos os nossos fornecedores vão tentando incorporar nos seus preços e contratos estes impactos, que eles próprios também sofrem, mas nós, enquanto companhia de aviação e que está no final da cadeia, também não podemos dizer que vamos refletir tudo no preço do bilhete do passageiros ou então qualquer dia deparamo-nos com a situação de que só viajam os ricos. Seria voltar outra vez a uma época em que a aviação era um produto de luxo.

Depois, também acho que temos grandes desafios ao nível da sustentabilidade e isso é pouco falado mas, efetivamente, as companhias de aviação – porque não é só a SATA, são todas – vão ter grandes desafios, nomeadamente na adoção dos combustíveis sustentáveis. A partir de 2025, está imposta pela Comissão Europeia a adoção mínima de 2% e, ao longo dos anos, será aumentada a percentagem de SAF – Combustíveis Sustentáveis para a Aviação que os aviões têm de usar mas o problema é que não há SAF disponível e o que existe é muito caro. Portanto, se não houver aqui um trabalho muito bem feito, com os governos e outras entidades para assegurar que o SAF vai estar disponível e é viável, vemos isto como uma preocupação para a aviação.

[O aeroporto de Lisboa] é algo que esperamos que esteja resolvido em breve, mas não opinamos relativamente ao local, apenas queremos é que seja resolvido, da forma que for melhor para todos mas, acima de tudo, para garantir níveis de pontualidade

A sustentabilidade é, realmente, um desafio para a aviação, atualmente. O que é que a SATA tem vindo a fazer neste âmbito, já há, por exemplo, uma política de sustentabilidade definida?
Em termos de sustentabilidade, a SATA tem feito um trabalho muito grande. Temos três pilares de sustentabilidade e é preciso não esquecer que, quando falamos em sustentabilidade, ela envolve três áreas: a sustentabilidade ambiental, social e a governança.

A SATA tem trabalhado muito e temos uma política de sustentabilidade e, em termos ambientais, temos feito muito trabalho com a IATA e aderido a uma série de iniciativas e certificações para garantir que estamos de acordo com tudo aquilo que é definido pela indústria e melhores práticas, e fizemos a renovação da frota para aviões que poupam combustível. Os nossos aviões, hoje em dia, poupam cerca de 20% do combustível face aos que tínhamos, emitem menos ruído em termos de motores e, portanto, são também melhores para as comunidades locais, e temos ainda apostado em veículos elétricos no aeroporto, bem como em práticas sustentáveis nos nossos escritórios.

Na parte da governança, que para nós é o pilar de tudo, fizemos questão de criar uma área só focada nesta temática porque é daqui que vão sair todas as políticas, regulamentos e todas as formas de trabalhar.

Temos de ter os nossos alicerces bem construídos para podermos trabalhar e acho que fizemos isto da melhor maneira e conseguimos ter, hoje, uma empresa muito bem estruturada e organizada, com tudo muito bem definido.

Depois, temos ainda a parte social, porque olhamos não só para dentro, ou seja, para os nossos trabalhadores, como para a nossa comunidade. E temos feito muita coisa porque a nossa preocupação são as pessoas e achamos que devemos investir em formação e sugeri que se montasse um programa de formação, denominado “12 meses, 12 formações”, mas acabou por ser “12 meses, 15 formações”. Estamos a dar formação em várias áreas, muitas vezes até em áreas da vida comum, explicando o que é, por exemplo, uma taxa de inflação, que impacto tem nas taxas de juro. O objetivo é dar às pessoas formação básica e, por isso, montámos este programa, que tem tido adesão.

E montámos também um programa de saúde mental, que também tem tido muita adesão. No início, achámos que poderia haver alguma relutância das pessoas, mas tem tido muita adesão e, por isso, vamos continuar este programa.

Temos, de facto, uma série de iniciativas e temos uma muito gira e que impacta a comunidade onde vivemos, que é um programa que inclui uma aplicação que calcula os nosso passos diários, que são depois convertidos em milhas, que são doadas a instituições nos Açores, que podem assim voar ou proporcionar experiências.

Portanto, temos tentado desenvolver uma série de iniciativas e, acima de tudo, promover um equilíbrio muito grande entre o trabalho e a vida pessoal, para que as pessoas se sintam bem a trabalhar. E acho que estamos no bom caminho em termos de sustentabilidade.

Desafio vai continuar também a ser o aeroporto de Lisboa, uma vez que continuam a existir muitas dúvidas sobre a escolha da nova infraestrutura. No caso da SATA, há alguma preferência sobre a localização ou sobre o tipo de infraestrutura?
O aeroporto de Lisboa, efetivamente, tem alguns constrangimentos, temos trabalhado muito com a ANA – Aeroportos de Portugal porque operamos em Lisboa com constrangimentos mas em Ponta Delgada também temos bastantes desafios e a ANA tem sido um parceiro da SATA na tentativa de encontrar soluções, uma vez que nas ilhas ainda é mais complicado lidar com os problemas aeroportuários.

Efetivamente, o aeroporto de Lisboa tem estas condicionantes todas, que todas as companhias aéreas estão a sofrer e que impactam os nossos voos, porque há atrasos que, depois, se refletem nos restantes voos. Mas temos conseguido minimizar o atraso que esteve na origem.

É algo que esperamos que esteja resolvido em breve, mas não opinamos relativamente ao local, apenas queremos é que seja resolvido, da forma que for melhor para todos mas, acima de tudo, para garantir níveis de pontualidade porque os passageiros esperam isso quando começam as suas viagens.

Se tivesse que formular um desejo para o que falta do seu mandato na SATA, o que é que desejaria?
Era que continuássemos no bom trabalho que temos feito, continuarmos a pôr a SATA no mundo porque a SATA é muito pequenina, estava ali no meio do Atlântico e era desconhecida mas, a pouco e pouco, temos conseguido inverter isso. Portanto, o que desejo é que continuemos a fazer o trabalho que temos feito, que penso que é um excelente trabalho.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Aviação

Sindicato pede que seja travada “imediatamente” privatização da Azores Airlines

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) pediu ao Governo Regional dos Açores para que “pare imediatamente” a privatização da Azores Airlines, depois de o júri do concurso ter manifestado reservas sobre o único concorrente.

Publituris

Num comunicado, a estrutura sindical lembrou que “o júri constituído para avaliar o processo de privatização da Azores Airlines entregou, na passada sexta-feira (5 de abril), o relatório final sobre o processo”, tendo mantido “a sua posição já expressa no relatório preliminar”.

Ou seja, destacou, “manteve apenas um dos consórcios que concorreram” e mesmo esse “não apresenta as mínimas condições para garantir a continuidade da operação da companhia”.

O Sitava recordou também que “o presidente do júri foi ainda mais longe”, admitindo “reservas quanto à capacidade financeira do consórcio para garantir a viabilidade futura da companhia”.

O sindicato considera, assim, que “entregar a companhia a esta entidade seria um verdadeiro desastre”.

“Parece-nos, pois, óbvio que com a entrega deste relatório e principalmente com o seu resultado, este processo terá que parar imediatamente”, destacou, indicando: “a traumática experiência por que passámos deve servir de exemplo para não voltar a repetir”.

“Ao Governo Regional voltamos agora a apelar para que pare imediatamente o processo”, salientou o sindicato, defendendo que “reconhecer um erro e inverter a trajetória não fragiliza o Governo”.

O júri do concurso público da privatização da Azores Airlines manteve a decisão de aceitar apenas um concorrente no relatório final, mas admitiu reservas quanto à capacidade do consórcio Newtour/MS Aviation em assegurar a viabilidade da companhia.

“Entregámos o relatório final. Esse relatório final, no essencial, mantém o que já estava no relatório preliminar”, declarou o presidente do júri, Augusto Mateus, numa conferência de imprensa no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, na semana passada.

O júri manteve a nota que tinha sido atribuída à Newtour/MS Aviation (46,69), único concorrente admitido, e que foi contestada pelo consórcio aquando da apresentação do relatório intercalar, em outubro de 2023.

“No caderno de encargos, a positiva começa com nota de 25 e nota máxima é 100. A nota que atribuímos à proposta é 46,69. Percebe-se que 46,69 está mais próximo de 25 do que de 100. Não é uma nota muito expressiva. Chamamos à atenção para isso”, afirmou.

O caderno de encargos da privatização da Azores Airlines prevê uma alienação no “mínimo” de 51% e no “máximo” de 85% do capital social da companhia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.