Assine já
Alojamento

Habitações em resorts aumentam vendas em 70% e preços sobem 16%, em 2021

A pandemia parece não ter afetado as vendas de habitações em resorts. Bem pelo contrário. Não só as vendas subiram, como os preços acompanharam essa evolução. O eixo Albufeira-Loulé continua a ser o mais caro.

Publituris
Alojamento

Habitações em resorts aumentam vendas em 70% e preços sobem 16%, em 2021

A pandemia parece não ter afetado as vendas de habitações em resorts. Bem pelo contrário. Não só as vendas subiram, como os preços acompanharam essa evolução. O eixo Albufeira-Loulé continua a ser o mais caro.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Portugal é o melhor país a visitar na Europa em 2021
Destinos
Alojamento turístico na Madeira cai 90% em fevereiro
Alojamento
As propostas para o turismo em Albufeira
Análise
Resorts valorizam e aumentam vendas em 30% no 1.º semestre de 2021
Alojamento

O número de unidades transacionadas em resorts aumentou 70% em 2021 face a 2020 e já supera em 30% a atividade de 2019, com os preços a sofrerem uma forte valorização registando uma subida de 16% face ao ano 2021.

Estas são as mais recentes conclusões do relatório semestral “Portuguese Resorts Market Report”, produzido pela Confidencial Imobiliário em parceria com a Associação Portuguesa do Turismo Residencial e Resorts (APR), salientando que, ao nível dos preços, este foi um dos aumentos mais expressivos desde 2016, só superado pelo crescimento de 18,3% registado no final de 2018, período em que foi aprovado o acordo do Brexit, dissipando uma fase marcada por forte incerteza.

“Há já um ano e meio que os preços deste tipo de imobiliário dão sinais de recuperação e mesmo no período de um novo confinamento (1.º semestre de 2021) subiram (+8,6% em termos homólogos)”, salienta o relatório divulgado pela APR.

Assim, o 2.º semestre de 2021 assinalou o terceiro semestre consecutivo com variações em cadeia positivas, registando até maior subida semestral de sempre: 13%.

A par da forte valorização, também as vendas nos resorts aumentaram de forma acentuada, crescendo 70% face a 2020 e superando em 30% a atividade de 2019. A evolução das vendas foi especialmente expressiva no eixo Albufeira-Loulé, que agrega 51% do mercado nacional e onde o nível de atividade mais que duplicou face ao primeiro ano pandémico, além de se posicionar 70% acima de 2019.

Em 2021, o preço médio de venda da habitação em resorts atingiu 4.205€/m2, alcançando a sua expressão mais elevada no eixo Albufeira-Loulé, com as vendas a concretizarem-se por uma média de 4.848€/m2.

O bom desempenho do mercado associado a uma conjuntura mais favorável em termos de pandemia e do mercado do Reino Unido, que é uma das principais fontes de procura internacional para Portugal, impulsionou as expetativas de quem opera no setor de resorts. “Só em 2017 os operadores se mostraram mais otimistas quanto ao futuro das vendas e dos preços”, de acordo com o Resort Market Survey, inquérito de confiança realizado pela CI em parceria com a APR. Concretamente, o Índice de Expetativas (medida combinada de expetativas quanto à evolução dos preços e das vendas) atingiu no 2.º semestre de 2021 os 66 pontos percentuais (pp calculados via saldo de respostas extremas). Só no 2.º semestre de 2017 se encontram expetativas mais animadoras (saldo de 78 pp).

Para Pedro Fontainhas, diretor-executivo da Associação Portuguesa do Turismo Residencial e Resorts, estes resultados “confirmam a tendência crescente, que a pandemia veio acentuar, de procura de habitações em resorts em Portugal com espaço exterior, privacidade, segurança, conetividade, serviços de apoio e proximidade com a natureza. Esta tendência é visível através da procura crescente por clientes das mais diversas nacionalidades, incluindo portugueses. A procura crescente será acompanhada por bastante oferta uma vez que estão em curso diversos investimentos em projetos turísticos residenciais em Portugal”.

Do lado da Confidencial Imobiliário, o diretor, Ricardo Guimarães, o mercado de resorts “é mais um dos setores com um forte desempenho em 2021, mostrando que o mercado residencial nacional se mantém competitivo e atrativo de forma transversal, saindo reforçado da crise pandémica”.

Britânicos perdem expressão
O segundo ano da pandemia trouxe também oscilações importantes à estrutura da procura internacional de resorts. Os compradores oriundos do Reino Unido mantêm-se como a principal fonte de procura em Albufeira-Loulé, gerando 42% das compras por estrangeiros em 2021, mas perdem expressão face aos anos anteriores quando a sua quota superava os 50%. Esta perda de quota dá-se no contexto de maior dinâmica atividade de outros países europeus, com destaque para os Países Baixos (12% das compras por estrangeiros nesta localização), Irlanda (9%), Alemanha, França e Suíça (quotas de 5% a 6%).

Os britânicos estão, contudo, bastante mais ativos na Costa Atlântica e foram os compradores internacionais de maior peso (20%) no mercado de resorts deste eixo do Litoral Alentejano, Lisboa e Costa Oeste. Em anos anteriores, a sua quota não foi além dos 5%. Este é, contudo, um mercado, com maior equilíbrio entre as fontes de procura, com os alemães, espanhóis e norte-americanos a gerarem, cada um, 15% das vendas internacionais em 2021, evidenciando-se ainda os libaneses, com uma quota de 10%.

Preços mais altos localizados no eixo Albufeira-Loulé
Em 2021, a habitação integrada em resort disponível para venda no país apresentou um valor médio de 4.418€/m2, atingindo os 8.374€/m2na gama mais alta do mercado. No principal destino de resorts, o já referido eixo Albufeira-Loulé, onde se concentram 43% dos fogos para venda, a oferta foi colocada a uma média de 5.151€/m2 e no segmento de luxo atingiu o valor de 10.064€/m2, nível nunca registado no mercado de resorts. O preço médio de oferta neste eixo está entre 27% a 51% acima das outras localizações.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alojamento

Air Cairo abre voos para Lisboa e passa a ser representada pela ATR em Portugal

A companhia aérea egípcia de baixo custo Air Cairo passou a ser representada em Portugal pela ATR e prepara-se para abrir, a 30 de dezembro, voos entre Lisboa, Assuão e o Cairo, passando a ligar, no verão, Lisboa a Hurghada.

Publituris

A companhia aérea egípcia de baixo custo Air Cairo vai abrir, a 30 de dezembro, voos entre Lisboa, Assuão e o Cairo, capital do Egito, informação que é avançada em comunicado pela ATR, que passou a representar a transportadora no mercado português.

“Atualmente, a Air Cairo é uma companhia aérea nacional egípcia de baixo custo com uma frota de 10 aviões, operando mais de 200 voos semanais para 25 destinos internacionais e domésticos”, indica a ATR, recordando que a companhia aérea nasceu em 2003.

A 30 de dezembro, a Air Cairo inicia uma operação de inverno que vai ligar Lisboa, o Cairo e Assuão, que conta com um voo por semana, às sextas-feiras, e que vai operar até 24 de março de 2023.

A partir de 28 de março, os voos da Air Cairo passam a ligar a capital portuguesa a Hurghada, estância balnear egípcia localizada no Mar Vermelho, que vai contar com voos às terças-feiras, até 24 de outubro de 2023.

“Em breve teremos mais novidades em relação ao verão IATA”, acrescenta a ATR, revelando que os voos e as tarifas já se encontram carregados no GDS da Amadeus, enquanto as agências que utilizam o Galileo, da Travelport, devem contactar a ATR através do e-mail [email protected] ou pelo número de telefone +351 217618987.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Guia Complethotel 2023 já está disponível

Após um interregno de dois anos, o guia Complethotel está de volta, listando os melhores fornecedores para hotelaria.

Publituris

Após um interregno de dois anos motivado pela pandemia, o guia Complethotel está de volta, listando os melhores fornecedores para hotelaria nas áreas de Arquitetura e Construção, Equipamento Hoteleiro, Food & Beverage (F&B), Mobiliário e Decoração, Novas Tecnologias, Pavimentos e Revestimento, Serviços e Têxteis.

Um guia pensado para os gestores hoteleiros para os ajudar na tomada de decisão quanto aos melhores serviços e fornecedores para os seus hotéis, garantindo a excelência do serviço.

Após uma primeira distribuição no 33.º Congresso da Hotelaria e Turismo, organizado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP) em Fátima, de 16 a 18 de novembro, o CompletHotel fica agora disponível nos suportes digitais da Publituris Hotelaria, para os assinantes do Publituris e da revista Publituris Hotelaria e nas feiras e eventos ligados ao setor, além das ações organizadas pela Publituris Hotelaria.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Meliá Escapes é a nova aposta da Meliá Hotels International e Logitravel para viajantes

O novo projeto ficará disponível em nove países.

Publituris

A Meliá Hotels International e a Logitravel juntaram-se para criar a Meliá Escapes, um novo projeto que oferece aos clientes várias possibilidades na hora de organizarem as suas viagens.

Integrando-os no programa de fidelidade da empresa hoteleira, os membros MeliáRewards podem agora adquirir pacotes de estadia e voos, para além de contratar diferentes experiências e serviços adicionais para a sua viagem – seja aluguer de carro, transfers, excursões ou compra de entradas.

Desta forma, e como indicado em comunicado, este novo projeto conta com a capacidade tecnológica e experiência na criação de pacotes dinâmicos da Logitravel, combinada com o conhecimento do cliente e a capacidade hoteleira da Meliá Hotels International.

Na mesa nota de imprensa, o Grupo Viajes El Corte Inglés indica que “este projeto pressupõe mais um passo na aposta da empresa pelo desenvolvimento de inovações tecnológicas que gerem propostas de valor acrescido na customer journey, através da criação de pacotes dinâmicos e da oferta de serviços auxiliares ou atividades no destino”.

A Meliá Escapes, acessível em melia.com, estará disponível em nove países. O acesso para os clientes MeliáRewards de Espanha, Reino Unido e Estados Unidos fica disponível a partir desta quarta-feira, sendo que, brevemente, será possível fazê-lo também em Itália, França, Alemanha, Portugal, México e Canadá. Em comunicado indicam que, numa fase futura, esperam que a Meliá Escapes seja disponibilizada em mais mercados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Convenção da Keytel em Portugal analisa futuro dos hotéis independentes

O evento em Lisboa contou com a participação de mais de 280 hotéis e analisou as estratégias a seguir para que os hotéis independentes possam continuar a competir com as grandes cadeias.

Publituris

A Keytel, a primeira aliança mundial de hotéis independentes, realizou esta quarta-feira, 24 de novembro, no hotel Eurostars Universal Lisboa, a segunda das três convenções anuais que organiza até ao final do ano em três dos seus principais mercados de influência na Europa, sendo a próxima paragem Paris, como indicado em comunicado.

O encontro contou com a participação de mais de 280 hotéis e analisou o futuro dos hotéis independentes, bem como as estratégias a seguir para poder competir com as grandes cadeias.

Exemplo disso foi a sessão de encerramento, onde se realizou o workshop “Aceleração dos negócios”. Neste, os participantes puderam explorar novos serviços e estratégias de crescimento com a equipa Keytel e especialistas do setor, como a WeGlobeYou, Ágora Central de Compras, RoomZero, Fideltour, Iberian MICE Forums, The Hotels Technology (THT), The Good Concierge e Resoluciona.

Lino Martins, diretor comercial da Ap Hotels, e Frederico Costa, Head of Google Travel em Portugal, participaram como convidados de honra no programa e deram a sua visão do setor.

O presidente do Grupo Hotusa, Amancio López, foi responsável pela abertura da convenção e passou em revista as dificuldades pelas quais o setor passou durante a pandemia e os grandes desafios que enfrenta: a digitalização e a sustentabilidade.

Salientou também a importância dos hotéis independentes e afirmou que “qualquer estabelecimento individual pode sobreviver, independentemente do número de cadeias que existam, desde que disponha dos instrumentos fundamentais para a sua gestão”.

Neste sentido, acrescentou que “na Keytel tentámos, através dos nossos próprios serviços, através de joint ventures ou de recomendações de acordos com outras organizações, colocar ao dispor dos hotéis todos os instrumentos que lhes permitem jogar em igualdade de condições com qualquer grupo. Este tem sido sempre o nosso grande desafio e, através da tecnologia e graças à nossa dimensão como empresa, tornámo-lo realidade”.

Já Xavier Cortés, CEO da Keytel, destacou a importância de ser competitivo: “a competitividade é o resultado da melhoria da proposta experiencial do alojamento, acrescentando valor ao imóvel. Foi isso que Keytel tentou e continua a tentar, e fê-lo desenvolvendo sete serviços, a que chamamos os vetores de aceleração”.

Por outro lado, o CEO da Keytel elencou as chaves diferenciais do alojamento turístico para alcançar maiores resultados: “Procurar a diversificação, ter uma clara orientação na relação direta com o cliente, trabalhar em prol da sustentabilidade, valorizar o valor do imóvel e o valor dos serviços que este oferece”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Gonçalo Narciso dos Santos reeleito delegado da Relais & Châteaux para Portugal e Espanha

O profissional alia o cargo de diretor-geral no BELA VISTA Hotel & SPA, em Portimão, às funções de estratégia e prospeção no mercado ibérico e de apoio aos membros da delegação em Portugal e Espanha.

Publituris

A associação hoteleira Relais & Châteaux (R&C) renova Gonçalo Narciso dos Santos, diretor-geral do BELA VISTA Hotel & SPA, em Portimão, como seu delegado na Península Ibérica, cargo que exerce desde 2020.

Desta forma, o profissional alia o cargo de diretor-geral às funções de estratégia e prospeção no mercado ibérico e de apoio aos membros da delegação em Portugal e Espanha, apoiando e promovendo as propriedades, fazendo a comunicação com a sede da R&C, em Paris, e identificando potenciais novos hotéis e restaurantes situados nos dois países.

“Os anos de 2020 e 2021 foram muito desafiantes para o mundo e, sobretudo, para a nossa indústria. Por isso, mais do que nunca, quero continuar a apoiar os membros da nossa delegação, [constituída] atualmente por 29 hotéis e três restaurantes, e expandir a presença da Relais & Châteaux em Portugal e Espanha. E para me apoiar nessa missão tenho o prazer de ter no comité Ohiana Subijana, como vice-delegada, e Pedro Subijana, como representante do chef, de Akelarre”, afirma  Gonçalo Narciso dos Santos.

O profissional é licenciado em Gestão Hoteleira pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Algarve e pós-graduado em Gestão Hoteleira pela Universidade do Algarve. Iniciou a sua carreira em 2005, no grupo Hotéis Real Algarve, como executivo de vendas no Hotel Spa & Resort Grande Real Santa Eulália.

Em 2010, deixou a área comercial dos Hotéis Real para assumir as funções de mordomo e guest relations no Tivoli Victoria Golf Resort – atual Anantara –, onde permaneceu até maio de 2011. Em junho desse ano, ingressou na equipa do Bela Vista Hotel & Spa como diretor de vendas, duty manager e diretor adjunto, sendo que em 2013 foi nomeado diretor-geral do hotel.

Desde novembro de 2020 que ocupa o cargo de delegado da Relais & Châteaux para Espanha e Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

A mudança do perfil hoteleiro marca próxima sessão da “Be Our Guest”

Na próxima segunda-feira, 28 de novembro, pelas 19h00, terá lugar mais uma conversa “Be Our Guest”, desta vez sobre a “a mudança do perfil hoteleiro”.

Publituris

A sessão em ambiente digital contará com a presença de Carlos Alves, diretor regional de operações do Vila Galé Hotéis para a região Norte e Centro e coordenador da Adega Val Moreira – um projeto do grupo com produção de Vinhos DOC Douro. A conversa será moderada por Marcos Sousa, dirigente da ADHP responsável pela pasta de Finance & Data.

“Nesta sexta conversa, o Be Our Guest traz mais um grande nome ligado à hotelaria. Será uma excelente oportunidade para perceber as perspetivas de um convidado com tanta experiência sobre a gestão hoteleira, a relação com os colaboradores, com os hóspedes, e as alterações no perfil hoteleiro”, refere Patrícia Correia, dirigente da ADHP responsável pelo projeto “Be Our Guest”.

À semelhança das conversas anteriores, a sessão decorrerá através do Zoom, sendo que as inscrições já se encontram abertas e devem ser efetuadas através de um breve formulário. Apesar de as inscrições serem gratuitas, a organização alerta que estas são limitadas.

Esta será a sexta conversa online promovida pela ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal, uma iniciativa da ADHP que promove conversas informais com diretores de hotéis e nomes de referência do turismo sobre as suas experiências profissionais, a hotelaria e o setor turístico.

A conversa tem o patrocínio da e-GDS Global Distribution Solutions.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

SONY DSC

Alojamento

Hotel Turismo da Guarda poderá integrar a carteira do Grupo Pestana

Uma “fonte próxima do processo de concessão da unidade hoteleira” adiantou ao jornal Terras da Beira que o Hotel Turismo da Guarda deverá passar para as mãos do Grupo Pestana, podendo adotar a marca “Pousadas de Portugal”.

Publituris

O Hotel Turismo da Guarda deverá passar para as mãos do Grupo Pestana, podendo adotar a marca “Pousadas de Portugal”.

A informação é adiantada pelo jornal Terras da Beira, da Guarda, que averiguou junto de “fonte próxima do processo de concessão da unidade hoteleira” que está apenas a faltar a autorização do Ministério das Finanças à proposta que tinha sido aprovada pelo conselho diretivo do Turismo de Portugal, tendo em vista a celebração de “um contrato de arrendamento com um operador económico”.

De acordo com o semanário da Guarda, as negociações decorrem desde o início do verão e têm estado a cargo dos ministérios da Economia e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Desta forma, a unidade hoteleira deverá integrar a rede Pousadas de Portugal, que já inclui outras unidades na região, como a Pousada de Viseu, a Pousada Convento de Belmonte e a Pousada Serra da Estrela.

O semanário antecipa que “o anúncio oficial deverá ser feito pelo ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, no próximo domingo, 27 de novembro, durante a sessão solene comemorativa do aniversário da cidade da Guarda”.

Na sua edição impressa anterior, o jornal Terras da Beira já tinha referido que a Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, tinha afirmado na Assembleia da República, no debate sobre o Orçamento de Estado, que já tinha sido aprovada a proposta, sem identificar, contudo, o operador escolhido, apenas dizendo que “todos o conhecemos”.

Recorde-se que a 11 de outubro um despacho do Governo determinou “a desafetação do Programa REVIVE do [Hotel Turismo da Guarda] do domínio privado do Instituto do Turismo de Portugal, I. P.”, como noticiado na altura pela Publituris Hotelaria.

A decisão foi justificada com a urgência de “recorrer a soluções alternativas que permitam estancar a degradação contínua do imóvel e promover o respetivo aproveitamento económico, em benefício do Estado e da economia nacional”.

O edifício foi vendido em 2010 pela Câmara Municipal da Guarda, à altura liderada por Joaquim Valente, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria. No entanto, o projeto não saiu do papel e o imóvel mantém-se de portas fechadas e a degradar-se.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Figuras

W Algarve contrata novo diretor de marketing e comunicação

Henrique Pires é a nova aposta do W Algarve para dirigir o departamento de marketing e comunicação da unidade hoteleira, como anunciado em comunicado.

Publituris

Com 11 anos de experiência no setor hoteleiro, o profissional setubalense começou o seu percurso profissional no Pine Cliffs Hotel, passou pelo Waldorf Astoria Ras Al Khaimah e fez carreira na cadeia Minor Hotels, onde foi responsável pelas áreas do marketing e comunicação dos Anantara Hotels & Resorts e dos Tivoli Hotels & Resorts, em Portugal.

Chega agora ao recém-aberto W Algarve, onde irá desempenhar funções como diretor de marketing e comunicação.

“Estou muito contente e entusiasmado por me juntar à fantástica equipa do W Algarve e abraçar este novo desafio. É um grande orgulho para mim trazer as minhas ideias e visão para um hotel que abriu há cerca de meio ano e que já conquistou tanto terreno na região”, garante Henrique Pires.

O W Algarve marca o primeiro Hotel da marca W a abrir em Portugal. Situado no topo das icónicas falésias do sul de Portugal, o recém-aberto W Algarve junta-se à família de W Escapes, oferecendo “uma mistura de descontração à beira-mar com uma energia exuberante”, como referido em comunicado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

DER Touristk Hotels & Resorts planeia renovação do Sentido Galosol

A unidade localizada no Caniço, na Ilha da Madeira será alvo de uma renovação a partir de janeiro de 2023.

Publituris

A DERT Touristik Hotels & Resorts continua a investir no Galo Resort localizado no Caniço, na Ilha da Madeira, através da renovação dos 125 quartos do Sentido Galosol. Nos planos está ainda prevista a criação de um novo conceito de beach living na área da piscina do hotel.

O investimento surge na sequência do projeto de renovação das áreas comuns do hotel, da receção, do restaurante buffet com adega e do bar do hotel, que tiveram lugar no início deste ano, como indicado em comunicado.

A renovação dos 125 quartos terá início em janeiro de 2023 e será concluída em meados de abril. O objetivo passa por reabrir a unidade a tempo da Festa da Flor, que decorre no final desse mês.

Para a renovação serão escolhidos “tecidos e esquemas de cores que refletem padrões do design português e madeirense”, bem como materiais naturais que pretendem conferir aos quartos “um ambiente leve e arejado”. Para que a unidade possa continuar o seu “compromisso com o ambiente, o projeto incluirá aspetos fundamentais como a gestão da água e a eficiência da eletricidade”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Dionísio Pestana: “Se não tivesse seguido o desafio do meu pai, estaria na banca ou na bolsa na África do Sul”

Com as previsões a apontarem para uma faturação recorde de 500 milhões de euros para 2022, o presidente do grupo Pestana está otimista para 2023. Contudo, Dionísio Pestana revelou que “o que está em execução é para acabar, o que for novo, vamos aguardar”. Assim, para o ano serão inaugurados dois hotéis em Lisboa – Alfama e Rua Augusta – e arrancará o de Paris.

Victor Jorge

Foi durante o almoço com a imprensa, no âmbito das comemorações do 50.º aniversário do Grupo Pestana, que Dionísio Pestana, presidente do grupo, admitiu que, se não tivesse aceitado o desafio do pai, em 1976, “estaria na banca na África do Sul. Em boa hora isso não aconteceu”.

Foi a 20 de novembro de 1972 que nasceu o maior grupo hoteleiro português, com a inauguração do que é hoje o Pestana Carlton Madeira. Mas a história do grupo começa em 1966 e com um preço de 18.000 contos (hoje, 90 mil euros) pago por um terreno no Funchal onde seria erguido o que é hoje o Pestana Carlton Madeira, inaugurado há 50 anos.

Mas foi depois de o pai “dar como perdido o negócio hoteleiro”, como referiu Dionísio Pestana, que se dá a viagem da África do Sul para a Madeira, onde, inicialmente, a vontade do agora presidente do grupo era ser “diplomata, já que adorava viajar”.

“A revolução tinha destruído completamente o projeto e quando cheguei percebi que isto não era um problema, era um problemão”, reconhece Dionísio Pestana para revelar que, “com o tempo comecei a acreditar que era possível realizar o sonho do meu pai e fui alimentando também o meu próprio sonho”.

Ora esse sonho é hoje o maior grupo hoteleiro, com 108 hotéis espalhados por 16 países, e uma faturação prevista de 500 milhões de euros para 2022 – 80% em Portugal e 20% em estrangeiro – e cujos principais mercados são o britânico, alemão e na “agradável surpresa” em que se tornou o americano. De resto, Dionísio Pestana acredita que a aposta deve ser feita em mercados que distam duas a três horas de viagem ou então, nos Estados Unidos, já que se trata de um mercado que “paga mais e que tem maior poder de compra”.

Voltando, contudo, um pouco atrás no tempo, é com o “time-sharing” na década de 1980, que se dá o “turning-point” do grupo Pestana. Importado dos EUA, as pessoas tinham a possibilidade de comprar uma semana de férias por 30 anos – hoje já só por 10 anos -, tendo a primeira venda sido feito para o mercado britânico. “Hoje ainda temos famílias que compraram nessa altura e que ficaram connosco os 30 anos e renovaram por mais dez e por mais dez”. E foi, precisamente, essa tesouraria que possibilitou a concretização da parte financeira e na construção do grupo.

Acabar o que está em execução e abrandar em novos projetos
Quanto ao futuro, Dionísio Pestana considera que “as maiores preocupações são a inflação e os juros”. No que diz respeito à primeira, “já passámos por isso e o segredo está no aumento da produtividade, tendo imaginação na área das equipas, manter a receita e defender as margens”, disse o presidente do Pestana.

Já quanto aos juros, “é preciso estar sempre de olho na tesouraria e nos novos projetos que ficam congelados”, salientando Dionísio Pestana que, “o que está em execução é para acabar, o que for novo, vamos aguardar”. E o que está em execução são dois hotéis em Lisboa – Alfama e Rua Augusta –, a inaugurar durante o 1.º semestre de 2023, altura em que arrancará o outro projeto, em Paris, junto à Gare d’Austerlitz, um investimento de 60 milhões de euros, em que o grupo ficou com a parte hoteleira, com 210 quartos, num projeto de 100.000 m2 de construção.

De fora fica a possibilidade de vender qualquer ativo, situação que aconteceu com o Pestana Blue Alvor, adquirido pela Azora através do fundo Azora European Hotel & Lodging.

“Os fundos vieram revolucionar muito o negócio da imobiliária hoteleira, negócio esse que era dos bancos”, considera Dionísio Pestana, admitindo, também, que todos os meses o grupo tem abordagens por parte de fundos para a compra de ativos Pestana. Com José Theotónio ao lado do presidente, foi o CEO do grupo Pestana quem melhor caracterizou a venda desse ativo: “foi um negócio em que foi batida a cláusula de rescisão”, referiu, com Dionísio Pestana a frisar que “o negócio estava a correr bem”. Contudo, fica a revelação de que, “se não for estratégico”, a venda será “sempre equacionada”.

Com um dos problemas a residir no aumento dos custos – +10%, em geral, e 25% na energia – o presidente do grupo Pestana revelou que, também os custos com o pessoal aumentaram. Nesse aspeto, e com as outras preocupações – inflação e juros “resolvida” – no caso do capital humano, Dionísio Pestana salienta que “a estrutura está profissionalizada e preparada para o futuro. Não podemos ter medo, temos de estar preparados e temos gente capaz para o fazer”.

Contudo, admite que “não há mão-de-obra em Portugal e, por isso, temos de ir buscar fora”, dando como exemplo a Suíça: “se formos à Suíça, não são os suíços que trabalham na hotelaria”. E deu o exemplo da flexibilidade e adaptabilidade que se tem de ter, sem prejudicar negócio e operação: “nós temos colaboradores que a exigência que fazem é de entrar às 15 horas. Porquê? Porque querem ter a parte da manhã para ir praticar surf. Mas depois não se importam de trabalhar o resto do dia todo e ao fim-de-semana”.

“O que não podemos ter, são pessoas que não querem trabalhar aos fins-de-semana, já que a hotelaria se trata de um negócio que funciona 365 dias por ano, 24 horas por dia. Teremos sempre de ter turnos rotativos, sempre pessoal disponível, mas claro que podemos sempre ter alguma adaptabilidade”, referiu Dionísio Pestana, não se alargando muito em comentários sobre a proposta de quatro dias de trabalho, “realidade impossível de considerar para a hotelaria”.

Reconhecendo que existe alguma dificuldade em “importar” pessoal, a solução indicada está na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), “países que sabem a nossa língua”, advertindo, no entanto, que “são precisos vistos” e que, nesta matéria é preciso rapidez para não se continuar a debater sempre a falta de pessoal.

Certo é que para o próximo ano de 2023, o grupo Pestana já se encontra preparado para dar início ao processo de contratação e formação, tudo porque “o próximo verão vai ser bom”, admitiu Dionísio Pestana.

 

*O Publituris/Publituris Hotelaria viajaram para o Funchal a convite do grupo Pestana no âmbito das comemorações do 50.º aniversário.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.