Edição digital
Assine já
PUB
Meeting Industry

Os “novos” desafios dos eventos

A pandemia veio trazer a necessidade de uma renovação por parte de quem organiza eventos e congressos. Os “novos” desafios passam por reforçar as experiências, a autenticidade e proporcionar momentos únicos. O aumento dos preços, contudo, não ajuda, mas os empresários mostram-se otimistas para 2023.

Victor Jorge
Meeting Industry

Os “novos” desafios dos eventos

A pandemia veio trazer a necessidade de uma renovação por parte de quem organiza eventos e congressos. Os “novos” desafios passam por reforçar as experiências, a autenticidade e proporcionar momentos únicos. O aumento dos preços, contudo, não ajuda, mas os empresários mostram-se otimistas para 2023.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes
TTS disponibiliza a funcionalidade EasyPay para agências IATA GoLite
Distribuição
Macau recebe mais de 2,55 milhões de visitantes em junho
Destinos

Os dois anos de pandemia vieram trazer alterações ao setor dos eventos, congressos e animação turística. Embora a pandemia ainda esteja “viva”, a recente guerra na Ucrânia veio trazer novos desafios que foram expostos no 11.º Congresso da Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE), realizado em Elvas e Campo Maior.

Para Paula Almeida, da Factor Chave, os desafios são “inúmeros” e são “reforçados com o regresso do presencial”. E se as “atitudes e necessidades” dos clientes mudaram, também o tempo para responder aos orçamentos solicitados encurtou brutalmente. “Se antes da pandemia tínhamos uma semana ou duas para dar uma resposta a um cliente, durante a pandemia esse tempo encurtou para 24 ou 48 horas, por causa do digital, mantendo-se, atualmente, essa exigência”. Contudo, referiu Paula Almeida, “os orçamentos que nos solicitam agora já não são para o digital, mas para o físico e isso tem outras implicações”, salientando uma “maior ansiedade por parte dos clientes”.

Luís Montez, responsável da Música no Coração, destacou que Portugal tem as melhores condições do mundo para organizar eventos, embora reconheça “entraves como uma regulamentação excessiva em certas e determinadas questões”, apontando a atuação da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) como “intransigente” que condiciona muito a restauração nos eventos. “Se a ASAE fosse a qualquer concerto nos EUA, fechava-os imediatamente”, salientou. “Esta atuação condiciona a experiência que podemos e queremos dar ao nosso público”.

O organizador de festivais como o Super Bock Super Rock e MEO Sudoeste, salientou o clima, as pessoas, a tranquilidade e paz, gastronomia, bem como os preços baratos como fundamentos que trazem os espectadores a Portugal. “Os artistas são iguais em qualquer parte do mundo. O que nos diferencia são, de facto, as experiências que oferecemos”, admitindo que para o futuro o objetivo passa por “consolidar o público português e trazer mais público estrangeiro”.

Neste campo, admite, as campanhas no digital são a “nova arma”, já que “é a forma mais barata e rápida de atingir o público”.

Para o sucesso da captação de público para os eventos, Lídia Monteiro, do Turismo de Portugal, destacou o trabalho desenvolvido ao nível da “Marca Portugal”, considerando que o setor do turismo tem sido quem mais tem melhorado a reputação da marca no exterior. Contudo, admitiu que “precisamos de mais marcas portuguesas para aumentar essa reputação e valor”.

Rui Ribeiro, responsável pelo QSP Summit, colocou, por sua vez, a tónica na “relevância e inovação” que é preciso dar aos eventos. “Não podemos replicar o que foi feito anteriormente. Isso não acrescenta valor e o público, atualmente, quer ser surpreendido”. Isso passa, igualmente, por dar “sempre novos conteúdos, experiências únicas e enriquecedoras”

Neste campo, Rui Ribeiro considera que o digital não traz valor, até porque, em Portugal, “não se paga por uma conferência online, tal como acontece lá fora” e tal como Luís Montez, também no caso da QSP Summit o objetivo é trazer mais público internacional para o evento.

Paula Almeida deixou, no entanto, o reparo de que “podemos ter o objetivo de trazer grandes conferências e eventos para Portugal, mas depois somos confrontados com a falta de espaços, infraestruturas de dimensão relevante para atrair os clientes”, considerando que “o destino tem alguma influência, mas também condiciona nesta vertente dos espaços”.

Quanto ao tema da sustentabilidade e da relevância da mesma, Luíz Montez foi bem claro: “hoje o nosso público já escolhe um evento em função da pegada que deixa. As gerações mais novas não querem ir a eventos que não tenham essas preocupações. Não há volta a dar”.

Lídia Monteiro considera, contudo, que esta preocupação não cabe somente a quem organiza, mas “a toda a cadeia de valor, desde a organização, às empresas patrocinadoras, comunidade local e público”.

Neste campo, Luís Montez admite mesmo que uma eventual despreocupação com a questão ambiental poderá ter “um custo reputacional”, considerando que “sermos e mostrarmos que somos sustentáveis vende bilhetes” e que as próprias marcas patrocinadoras “não querem associar-se a eventos que não possuam essa preocupação”.

Relativamente ao futuro, Paula Almeida considera-se otimista, embora reconheça que “existe um desafio constante com os custos” e que o próprio cliente “já percebeu que, eventualmente, terá de abdicar de algo por causa do aumento dos preços”.

Também Luís Montez, Rui Ribeiro e Lídia Monteiro apontaram os “sinais positivos” que existem, reconhecendo, no entanto, as cautelas que é preciso ter.

A responsável do Turismo de Portugal concluiu ainda que um dos grandes desafios para o futuro é fazer com que “quem nos visita prolongue a sua estadia para além do evento para um tempo de lazer”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes
TTS disponibiliza a funcionalidade EasyPay para agências IATA GoLite
Distribuição
Macau recebe mais de 2,55 milhões de visitantes em junho
Destinos
PUB

Da esquerda para a direita: Hugo Teixeira Francisco, Bruno Teixeira, João Daniel Ramos

Distribuição

Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour

A Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação no capital da Geonatour no que diz ser um “reforço do compromisso com o turismo sustentável em Portugal”.

Num movimento estratégico, a Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação significativa na Geonatour, fortalecendo assim a sua posição em soluções de turismo sustentável, abrindo este acordo um novo capítulo para ambas as empresas, com um foco renovado em inovação e sustentabilidade.

Hugo Teixeira Francisco, cofundador e CMO da Portugal Green Travel, destaca que a Geonatour já era uma parceira valiosa e fornecedora de serviços essenciais para eles. “A entrada no seu capital é um passo natural, dado o aumento significativo de turistas que procuram experiências autênticas, nomeadamente programação de caminhadas e atividades ao ar livre em Portugal. Com esta parceria, reforçamos o nosso compromisso com inovações tecnológicas e a digitalização do setor turístico, que são cruciais para promover um turismo mais responsável e integrado,” afirma Hugo.

Do lado da Geonatour, Bruno Teixeira, CEO e cofundador, considera que a entrada da Portugal Green Travel vai servir como uma “verdadeira alavanca para crescimento e inovação. Não só traz um forte alinhamento estratégico e compromisso com a sustentabilidade, como também nos permite expandir e melhorar a nossa oferta de serviços. Juntos, iremos desenvolver novos produtos que respeitam e promovem a riqueza natural e cultural dos territórios portugueses”.

As expectativas para os próximos anos são altas, e ambos os responsáveis estão confiantes de que esta parceria transformará o turismo em Portugal. Hugo Teixeira Francisco projeta que esta parceria colocará a empresa na vanguarda do turismo sustentável em Portugal. “Estamos a trabalhar para integrar completamente as nossas operações e maximizar as sinergias entre as nossas equipas. A nossa visão é a de que cada turista que visita Portugal através da nossa rede experimente uma conexão genuína e profunda com os territórios, beneficiando todas as partes envolventes de uma forma sustentável e com recurso a soluções tecnológicas 100% portuguesas”.

Já Bruno Teixeira acrescenta que a meta é “continuar a promover e valorizar o património natural através da plataforma Geonatour, garantindo que cada experiência seja única e verdadeiramente enriquecedora”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043

De acordo com a Boeing, a procura por novas aeronaves deverá duplicar nos próximos 20 anos. 76% dos aviões a serem entregues devem ser de corredor único, e metade substituirá aviões mais antigos por modelos mais eficientes em termos de combustível.

Com as viagens aéreas em fase de total recuperação, a Boeing prevê um aumento de 3% nas entregas de aviões nos próximos 20 anos, com as transportadoras a necessitarem de quase 44.000 novos aviões comerciais até 2043, indicando ainda no “Commercial Market Outlook (CMO)” para 2024, que os mercados emergentes e a procura global de aviões de corredor único continuarão a ser os principais motores de crescimento do setor.

“A procura de viagens aéreas continua a ultrapassar o crescimento económico num mundo cada vez mais conectado”, refere o documento da Boeing, considerando ainda que, em comparação com 2023, “o tráfego aéreo de passageiros aumentará em média 4,7% ao ano nas próximas duas décadas”.

“Esta é uma era desafiadora e inspiradora para a aviação. O regresso a um crescimento de tráfego mais típico mostra a resiliência da nossa indústria, mesmo quando todos nós trabalhamos com a cadeia de abastecimento e restrições de produção em curso, entre outros desafios globais”, refere Brad McMullen, vice-presidente sénior de Vendas Comerciais e Marketing da Boeing.

Assim, o CMO da Boeing destaca que a frota comercial global deva crescer 3,2% ao ano, mais lentamente do que o tráfego aéreo, “uma vez que as companhias aéreas continuam a aumentar a produtividade através do aumento dos fatores de carga e da utilização de aviões mais horas por dia”.

No que diz respeito aos principais fatores de crescimento, o fabricante norte-americano estima que “o tráfego de passageiros no Sul da Ásia aumentará 7,4%, seguido do Sudeste Asiático (7,2%) e de África (6,4%), à medida que os mercados emergentes regressam às tendências históricas de crescimento durante o período de previsão”.

Prevê-se que a Eurásia lidere todos os mercados com o maior número de entregas de aviões (22% do total), seguida de perto pela América do Norte (20%) e pela China (20%).

Os aviões de corredor único constituirão 71% da frota de 2043, após 33.380 novas entregas, servindo rotas de curto e médio curso com maior versatilidade.

A frota global de aviões de fuselagem larga mais do que duplicará, com os aviões de dois corredores a representarem 44% da frota do Médio Oriente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação

O Airports Council International (ACI) World e a Airbus assinaram um acordo de cooperação para apoiar os esforços do sector no sentido de reduzir o impacto ambiental da aviação.

Esta parceria entre a Airports Council International (ACI) World e a Airbus aproveita os pontos fortes do principal fabricante de aeronaves do mundo e da maior e mais importante associação internacional de aeroportos para fazer progressos significativos tanto na descarbonização da aviação como na redução do impacto do ruído das aeronaves.

Esta aliança abordará áreas fundamentais, incluindo os combustíveis sustentáveis para a aviação (SAF), as tecnologias de hidrogénio, a mobilidade aérea avançada, a eficiência das operações e as práticas de gestão do ruído das aeronaves. Promoverá o intercâmbio de informações e perspectivas sobre operações com baixas emissões de carbono, comunicará os progressos da indústria, desenvolverá conjuntamente materiais de orientação e, potencialmente, formulará posições unificadas sobre políticas e normas para atingir os objetivos da indústria.

O diretor-geral e CEO da ACI World, Luis Felipe de Oliveira, considera que o acordo de cooperação inovador entre a ACI World e a Airbus marca “um passo fundamental na nossa jornada rumo a um setor da aviação com emissões líquidas nulas de carbono. Esta aliança estratégica sublinha o compromisso inabalável dos aeroportos de todo o mundo para com a aviação sustentável, assegurando que não só reduzimos o nosso impacto ambiental como também maximizamos os benefícios socioeconómicos das viagens aéreas. Ao centrarmo-nos em áreas-chave como os combustíveis sustentáveis para a aviação, as tecnologias de hidrogénio, a mobilidade aérea avançada, a eficiência operacional e a gestão do ruído das aeronaves, estamos a estabelecer novos padrões de referência para a sustentabilidade na aviação e a preparar o caminho para um futuro mais verde.”

Do lado da Airbus, Julie Kitcher, diretora de Sustentabilidade do grupo, refere, por sua vez, que “combinando os nossos conhecimentos tecnológicos com a vasta rede e conhecimentos operacionais da ACI World, pretendemos influenciar políticas e normas que apoiem a aviação sustentável e impulsionem a inovação em todo o setor. Juntos, podemos criar uma abordagem coesa e alinhada para alcançar os nossos objetivos de descarbonização e melhorar a sustentabilidade do sector da aviação global.”

Esta colaboração baseia-se na parceria de sucesso entre a Airbus e a ACI EUROPE, que teve início há dois anos e que reforçou significativamente a relação, trabalhando em conjunto na implantação de energias alternativas, incluindo hidrogénio e SAF, no âmbito das alianças europeias, partilhando dados técnicos com os aeroportos europeus e comunicando os progressos realizados em eventos-chave do sector. A expansão desta colaboração a uma escala global sublinha a importância de esforços integrados entre os fabricantes de aeronaves e os operadores aeroportuários a uma escala global.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre

A Ryanair apresentou, no primeiro trimestre de 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), lucros de 360 milhões de euros, uma quebra de 46% face aos 663 milhões de igual período do exercício anterior. No que diz respeito ao número de passageiros transportados, registou, no entanto, um aumento de 10%, alcançando os 55,5 milhões.

No primeiro trimestre do exercício 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), a Ryanair registou uma quebra nos lucros, passando de 663 milhões de euros para 360 milhões de euros, representando uma descida de 46%.

As receitas também registaram uma descida, embora mais ligeira, de 1%, totalizando 3,63 mil milhões de euros contras os 3,65 mil milhões de euros de período homólogo do exercício transato, sendo que as receitas regulares diminuíram 6% para 2,33 mil milhões de euros, e as vendas acessórias (Ancillary) aumentaram 10% para 1,3 mil milhões de euros (cerca de 23,40 euros por passageiro).

Já os custos operacionais, aumentaram em 11%, passando os 2,94 mil milhões de euros, no final de junho de 2023, para 3,26 mil milhões de euros no sexto mês de 2024.

A companhia lowcost liderada por Michael O’Leary informa ainda que o número de passageiros transportados passou de 50,4 milhões, no final do primeiro trimestre do exercício de 2024, para 55,5 milhões no final do primeiro trimestre do exercício de 2025, representando um acréscimo de 10%, embora o load factor tenha descido um ponto percentual (p.p.), de 95% para 94%.

Em comunicado, Michael O’Leary destaca o aumento do número de passageiros transportados, “apesar dos múltiplos atrasos na entrega de aviões por parte da Boeing”.

“O grupo Ryanair tinha 156 B737 Gamechangers a 30 de junho e esperamos aumentar este número para mais de 160 até ao final de julho (menos 20 do que as entregas contratadas)”, avança a companhia, referindo que “registámos uma melhoria na qualidade e frequência das entregas durante o 1.º trimestre”. Embora reconheça o “risco de as entregas da Boeing atrasarem ainda mais”, a Ryanair espera garantir a entrega “atempada” dos restantes 50 aviões da Boeing antes do verão de 2025.

“Este verão, estamos a operar o nosso maior programa de sempre com mais de 200 novas rotas (e cinco novas bases)”, assinalando o prolongamento do contrato de aluguer operacional, até 2028, de três A320 com a Lauda, ao mesmo tempo que “continuaremos também a receber B737 até agosto e setembro, apesar de não podermos programar estes aviões para os voos de pico do verão”, diz a Ryanair no comunicado.

“Prevemos que a capacidade europeia de voos de curta distância permaneça limitada durante alguns anos, uma vez que os operadores de A320 estão a efetuar importantes reparações de motores P&W, os fabricantes se debatem com atrasos nas entregas e a consolidação das companhias aéreas prossegue, incluindo a aquisição da ITA (Itália) pela Lufthansa, recentemente aprovada, a aquisição adiada da Air Europa (Espanha) pela IAG e a venda iminente da TAP (Portugal)”.

Mantendo o objetivo de transportar 300 milhões de passageiros no ano fiscal de 2034, a Ryanair indica que os volumes de combustível para o ano fiscal 2025 estão cobertos em 75%, admitindo poupanças superiores a 450 milhões de euros. Além disso, revela que, “aproveitando a recente fraqueza do preço do petróleo”, a companhia aumentou a cobertura de combustível para o ano fiscal 2026 para quase 45%, assinalando que “esta forte posição de cobertura ajuda a isolar o grupo da volatilidade significativa dos preços dos combustíveis”.

Para o restante exercício de 2025, a Ryanair prevê que o tráfego de passageiros cresça 8%, podendo atingir os 200 milhões, “desde que não se registem atrasos na entrega dos Boeing”.

“Embora a procura no 2.º trimestre seja forte, os preços continuam a ser mais baixos do que esperávamos, e esperamos agora que as tarifas do destes próximos três meses sejam materialmente mais baixas do que no verão passado. O resultado final do primeiro semestre está, no entanto, totalmente dependente das reservas e das receitas finais em agosto e setembro. Como é normal nesta altura do ano, temos uma visibilidade quase nula do terceiro e quarto trimestres, embora o quarto trimestre não beneficie da Páscoa antecipada do ano passado”.

Assim, conclui, “é demasiado cedo para fornecer uma orientação significativa para os lucros do exercício de 2025, embora esperemos poder fazê-lo nos nossos resultados do primeiro semestre, em novembro. O resultado final de 2025 continua sujeito a evitar desenvolvimentos adversos durante o exercício, especialmente devido aos conflitos contínuos na Ucrânia e no Médio Oriente, à repetida falta de pessoal e restrições de capacidade do ATC ou a novos atrasos na entrega da Boeing”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Japão recebe mais de 17,7 milhões de turistas no primeiro semestre de 2024

O Japão recebeu 17,7 milhões de visitantes no primeiro semestre de 2024, batendo o recorde histórico do país em número de turistas, anunciaram as autoridades nipónicas.

Publituris

O organismo do turismo japonês JNTO indicou que o valor de 17.777.200 visitantes, atingido no final do primeiro semestre de 2024, é superior em mais de um milhão ao anterior recorde para o mesmo período de 2019, ano anterior à pandemia da covid-19, quando o país implementou restrições rigorosas nas fronteiras.

Junho também registou um novo recorde mensal no número de visitantes estrangeiros mensais com 3.135.600, num aumento homólogo de 51,2%.

Estes números acompanham a tendência dos últimos quatro meses em que o número de visitantes estrangeiros por mês no país asiático ultrapassou os três milhões.

Em junho, o maior número de turistas no Japão chegou da Coreia do Sul (703.300 visitantes) seguida da China (660.900), Taiwan (574.500), EUA (296.400) e Hong Kong (250.600).

O Japão enfrenta um ‘boom’ turístico face ao qual começam a ser implementadas medidas em várias regiões do arquipélago, como o aumento dos preços para os turistas em alguns estabelecimentos ou taxas de entrada nessas zonas, e num contexto de críticas crescentes ao excesso de turismo por parte da população local.

O arquipélago japonês espera atrair 60 milhões de visitantes estrangeiros por ano até 2030 e planeia elaborar diretrizes para abordar os problemas associados ao turismo excessivo até ao final deste ano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Cruzeiros ameaçam com “boicote” a Barcelona

Depois de ter aumentado as taxas turísticas em abril deste ano e revelar novo aumento a partir de outubro, a cidade de Barcelona vê-se em risco de sair da rota dos cruzeiros.

Publituris

Em abril deste ano, Barcelona aumentou a taxa turística de 2,75 euros para 3,25 euros, representando um aumento de 18%. Recentemente, os responsáveis pela cidade vieram anunciar um novo reajuste para outubro de 2024, quando os turistas deverão pagar 4 euros.

Em resposta, a Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros (CLIA) referem que a “turismofobia” e as atitudes violentas contra os turistas podem provocar muitas companhias a deixar de considerar a rota, apostando em destinos alternativos.

A ‘turismofobia’ não é só um problema em Espanha como também em França e outros países do Mediterrâneo e os visitantes estão a ficar cada vez mais sensíveis às atitudes violentas como aconteceram em Barcelona que têm um impacto na reputação do destino, afirmou a presidente da CLIA, Marie Caroline Laurent, numa visita recente a Madrid.

Em consequência desta realidade, a associação está a considerar transferir a operação para outros destinos, indicando que “se existe a noção de que os passageiros dos cruzeiros não são bem recebidos, teremos de pensar em adaptar os itinerários”, admite Laurent.

Já Alfredo Serrano, diretor da CLIA em Espanha, salientou à imprensa espanhola que “o diálogo complicado com o Ayuntamiento de Barcelona traduzir-se-á em cancelamentos e descontentamento dos turistas”, pelo que adverte que “muitas companhias de cruzeiros poderão apostar noutros páises ou cidades espanholas”.

Sabendo-se que a Arábia Saudita é um dos países que mais está a investir para captar estas companhias, a imprensa espanhola avança que portos como Corunha, Ferrol, Almería, Alicante, Cartagena o Cádiz, estão a tornar “cada vez mais atrativos para muitas companhias”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

ANAV marca presença na BTL 2025

Associação Nacional de Agências de Viagens (ANAV) estará, pela primeira vez, presente na Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL.

Publituris

A Associação Nacional de Agências de Viagens (ANAV) revelou que irá marcar presença, pela primeira, na Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL, feira que se realizará de 12 a 16 de março de 2025 na FIL.

Sem dar a conhecer a forma como esta presença será marcada, nem quantos e quais os associados que estarão na FIL ao longo dos cinco dias, Miguel Quintas, presidente da ANAV, afirma que “a associação jamais deixaria que as Agências de Viagens portuguesas ficassem órfãs da participação na BTL”, recordando ainda que “a ANAV é uma associação de todas e para todas as Agências de Viagens, que mantém o firme propósito de aumentar, desenvolver e robustecer a capacidade de negócio de todos os associados e que, na prossecução desta missão de unir e fortalecer o setor”.

Em comunicado, a ANAV sublinha que “as Agências de Viagens, como canal de distribuição, são, por excelência, o setor que une todas as vertentes do turismo em Portugal, e que não poderiam, por nenhum motivo, ficar de fora de um evento nacional desta dimensão e importância”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Prémios

Nova Edição: Fotorreportagem dos Portugal Travel Awards, Living Tours, Tunísia e dossier MICE

A nova edição do Publituris recorda, em fotorreportagem, os Portugal Travel Awards. Além disso, saiba os planos da Living Tours, a estratégia da Tunísia para chegar aos 100 mil turistas portugueses e um dossier sobre o segmento MICE em Portugal.

Publituris

A última edição do mês de julho do jornal Publituris faz capa com a fotorreportagem dos Portugal Travel Awards 2024. Veja ou reveja os melhores momentos da festa do turismo que, pela primeira vez, se realizou na cidade do Porto, no Pestana Douro Riverside. Além da entrega dos prémios aos vencedores, também houve tempo para a festa e networking.

Esta edição revela, igualmente, os planos que a Living Tours tem para o futuro. Com uma faturação prevista de 30 milhões de euros para 2024, a Living Tours é, atualmente, uma das maiores empresas nacionais na área dos DMC e animação turística e tem planos ambiciosos para continuar a crescer, revelou ao Publituris Rui Terroso, CEO e fundador da empresa. O lançamento de novos produtos e a expansão com oferta própria para todo o território nacional são algumas das novidades para breve desta empresa que quer também continuar a internacionalização além da Península Ibérica.

O ministro tunisino do Turismo e Artesanato, Mohamed Moez Belhassine, que esteve recentemente em Portugal a representar o seu país na FIA Lisboa 2024, em que a Tunísia esteve em destaque na qualidade de país convidado, concedeu uma entrevista ao Publituris, em que passou em revista o atual estado do turismo, avançou as estimativas para o setor este ano, que tudo leva a crer, baterá os resultados recordes de 2019, mas também falou da estratégia do Governo para os próximos anos.

O dossier desta edição é dedicado ao MICE. Portugal está bem posicionado no ranking da International Congress and Convention Association (ICCA), aparecendo em 9.º lugar a nível mundial. O segmento MICE no nosso país continua a trajetória ascendente, mas, de acordo com os profissionais ouvidos, é preciso desenvolver mais e melhor as infraestruturas, bem como a conectividade, para que o país possa atingir lugares mais altos.

Além de ouvidos vários players que atuam no mercado MICE, o Publituris falou, igualmente, com o presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade, que admite que “a oferta relacionada com a MICE Industry alcançou já um excelente nível de reconhecimento internacional” e que as estratégias adotadas têm tido “resultados positivos”.

Já Carla Salsinha, presidente da Entidade Regional de Turismo de Lisboa, cidade que aparece em 2.º lugar a nível europeu no ranking da ICCA, salienta que “a questão não é, de todo, levar eventos para outras localizações”, mas sim “que outras localizações conquistem mais eventos”.

Além do Check-in, as opiniões desta edição pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Sílvia Dias (Savoy Signature), António Paquete (economista) e Carlos Torres (jurista e professor na ESHTE).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Eventos Publituris

Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens

4 de julho foi a data dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. No dia em que publicamos os melhores momentos na edição em papel, fica aqui o registo digital do evento.

Publituris

A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards decorreu no passado dia 4 de julho no Pestana Douro Riverside, na primeira vez que os prémios viajaram até à cidade do Porto.

Conhecidos que são os 22 vencedores, em 177 nomeados, e entregue o prémio “Belmiro Santos” a Raul Martins, fica o registo fotográfico no formato digital para ver e rever.

Resta-nos felicitar, mais uma vez, todos os nomeados, dar os parabéns aos vencedores, e agradecer ao main sponsor novobanco, apoios do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Câmara Municipal do Porto, aos patrocinadores Pestana Hotel Group, Consolidador.com, Mawdy, Europastry, Nescafé, Lufthansa LGSP, Grohe, e aos parceiros GR8 events, Movielight, Multislide, Workgroup.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Transforme o Revenue Management do seu hotel com a parceria estratégica entre a XLR8 RMS e a RateIntel.

Parceria entre a XLR8 RMS e a RateIntel

Brand SHARE

Temos o prazer de anunciar a parceria entre a XLR8 RMS e a RateIntel.

A integração do RMS da XLR8 com a inovadora ferramenta de pesquisa de tarifas (Rate Shopper) da RateIntel transformará o Revenue Management da sua unidade hoteleira.

Esta parceria permitirá aos hotéis:

Reduzir a complexidade: O RMS da XLR8 simplifica o trabalho de Revenue Management, tornando-o mais eficiente e economizando significativamente o seu tempo; A integração com a RateIntel adiciona outra camada simplificada, fornecendo informações imediatas dos seus preços e de como estes se comparam aos dos seus concorrentes.

Melhorar os processos de otimização: Identificar tendências de mercado e definir preços dinâmicos nunca foi tão fácil. O RMS da XLR8 elimina a dificuldade dessas tarefas e, agora, com os insights da RateIntel, é possível entender facilmente as estratégias de preços dos concorrentes. Esta combinação possibilita decisões de preços mais informadas e estratégicas, aumentando a sua vantagem competitiva.

Aumentar a rentabilidade: A integração com o Rate Shopper da RateIntel garante que tenha uma visão diária das suas tarifas e de como estas se comparam às tarifas dos seus principais concorrentes. Essa visibilidade permite ajustes em tempo real, o que possibilita o aumento da sua receita e a melhoria do seu posicionamento no mercado.

 

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.