Assine já
Transportes

Portos da Madeira ultrapassam escalas de cruzeiros de 2019 em abril

Em abril, os portos da Madeira contabilizaram um total de 62 escalas de navios de cruzeiro, o que indica mais 16 escalas que em igual mês de 2019.

Publituris
Transportes

Portos da Madeira ultrapassam escalas de cruzeiros de 2019 em abril

Em abril, os portos da Madeira contabilizaram um total de 62 escalas de navios de cruzeiro, o que indica mais 16 escalas que em igual mês de 2019.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Portos da Madeira com mais de 200 mil passageiros até Abril
Homepage
Porto do Funchal cresce 82% em passageiros de cruzeiros em Outubro
Destinos
Porto do Funchal
Porto do Funchal volta a crescer em escalas e passageiros em Abril
Homepage
TAP cresce 35% em passageiros em Abril
Aviação

No passado mês de abril, os portos da Madeira contabilizaram um total de 62 escalas de navios de cruzeiro, o que indica mais 16 escalas que em igual mês de 2019, quando os portos madeirenses tinham recebido 46 escalas destes navios.

A informação foi avançada esta sexta-feira, através da newsletter da APRAM – Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira, e indica que “em comparação com o ano de 2019, antes da pandemia, houve mais 09 escalas no Porto do Funchal (44) e mais 07, em Porto Santo (02)”.

“Analisando o registo de todos os meses, nos últimos 10 anos, só novembro de 2012, um ano completamente excecional, superou, com 64 escalas, uma delas no Porto Santo”, refere a APRAM na informação divulgada.

Apesar dos números positivos no que respeita às escalas dos navios de cruzeiro, os portos madeirenses ainda não recuperaram os números de passageiros de 2019, “a exemplo do que se passa na generalidade do setor”, admite a APRAM.

A APRAM mostra-se critica em relação aos protocolos adotados na sequência da pandemia e que ainda estão em vigor, considerando que a sua manutenção “por parte das companhias e as escalas de navios de menor dimensão contribuem para este resultado”.

Em abril, os portos das Madeira contabilizaram 44.810 passageiros, menos 33.639 que no mesmo período de 2019, enquanto o número de tripulantes foi de 8.784, menos 626 tripulantes em comparação com o mesmo mês de há três anos.

Em abril, os portos da Madeira receberam ainda a estreia de quatro navios de cruzeiro, com a primeira passagem no arquipélago dos navios “Celebrity Edge” e “Scenic Eclipse”no Porto do Funchal e “Hebridean Sky” e “Seabourn Ovation” no Porto Santo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Sun d´Or lança operação sazonal de verão entre o Porto e Telavive

Os voos da Sun d’Or entre o Porto e Telavive, em Israel, vão decorrer às segundas e quartas-feiras, entre 15 de março e 27 de outubro de 2023.

Publituris

A Sun d´Or, companhia aérea subsidiária da israelita El Al e que é representada em Portugal pela ATR, vai lançar uma operação sazonal entre o Porto e Telavive, cujo início está previsto para 15 de março e que vai contar com dois voos diretos por semana, até 27 de outubro.

Os voos da Sun d’Or para o Porto vão decorrer às segundas e quartas-feiras, partindo do Porto pelas 21h30 e chegando a Telavive às 04h50, enquanto em sentido contrário as partidas de Telavive decorrem às 16h15, chegando à Invicta pelas 20h15, sempre em horários locais.

Num comunicado enviado à imprensa, a Sun d’Or, que é uma companhia aérea que se dedica à realização de voos regulares e charter para destinos de lazer sazonais na bacia do Mediterrâneo, explica que “Portugal surge novamente como um destino chave para a sua programação de 2023”.

Os voos da Sun d’Or já se encontram carregados nos sistemas de reservas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair antecipa subida dos preços dos bilhetes aéreos entre 5% e 10% em 2023

Apesar da subida prevista nos preços, o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, acredita que os passageiros vão continuar a viajar e revela que as reservas do mercado britânico para destinos de praia, como Portugal, estão “muito fortes” para a Páscoa e também já para o verão.

Inês de Matos

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary, estima que, em 2023, os preços dos bilhetes aéreos aumentem entre 5% e 10% face ao último verão, uma vez que a procura por viagens aéreas está a aumentar, enquanto a capacidade diminuiu, antecipou o responsável esta quarta-feira, 1 de fevereiro, em conferência de imprensa.

“Há menos capacidade e maior procura na Europa e, desde que não existam mais notícias negativas, seja sobre a COVID-19, a guerra na Ucrânia ou outros eventos negativos, acredito que este verão os bilhetes aéreos vão subir entre 5 e 10% face ao verão de 2022”, afirmou o responsável.

Apesar da subida dos preços, Michael O’Leary não acredita que os passageiros deixem de viajar porque as tarifas aéreas estão mais elevadas e deu o exemplo do mercado britânico, cujas reservas para a Páscoa e verão estão muito elevadas para destinos de praia no sul da Europa.

“Nada vai afastar as pessoas de viajar. Depois de um isolamento de dois anos e meio devido à COVID-19, em que as pessoas não puderam ver a família e os amigos, em que não puderam viajar para as praias de Portugal, penso que vão voltar a viajar. Podem cortar noutras áreas, como em carros ou na casa, mas vão viajar”, considerou.

Para Michael O’Leary, as viagens de longo curso deverão demorar mais a recuperar, seja porque o dólar está mais elevado ou porque as restrições à COVID-19 na Ásia ainda estão a ser levantadas, ao contrário do médio curso e da curta distância, onde já se está a assistir a um aumento das reservas.

“Penso que o longo curso vai ser mais fraco, devido à subida do dólar e às restrições na Ásia, mas o médio curso e a curta distância, particularmente desde o Reino Unido, vai ser muito forte, as reservas do Reino Unido para as praias da Europa estão muito fortes, seja para a Páscoa ou já para o verão e penso que nada as vai afetar, a não ser que existam eventos pouco comuns”, acrescentou.

Este verão, a Ryanair vai contar com 19 novas rotas em Portugal, incluindo 11 no Porto e oito em Faro, com Michael O’Leary a explicar que a Ryanair não vai crescer em Lisboa, Madeira e Açores porque as taxas estão demasiado elevadas e, no caso de Lisboa, também porque a TAP não liberta os slots que não está a utilizar, nem é construído um novo aeroporto.

“Infelizmente não há crescimento em Lisboa porque a TAP continua a bloquear os slots que tem e que não usa. Continuamos a pedir ao Governo que peça à TAP que liberte estes slots e que acelere a abertura do aeroporto do Montijo. Isso iria criar uma fantástica oportunidade de aumentar o tráfego, o turismo e os empregos em Lisboa”, admitiu o CEO da Ryanair.

Apesar de não existir crescimento em Lisboa, Madeira e Açores, a Ryanair conta crescer 13% em Portugal e transportar um total de 13 milhões de passageiros na rotas nacionais em 2023, tornando-se na companhia aérea número 1 no país.

“Mesmo com tudo isto, continuamos a crescer e vamos ser a companhia aérea número 1 do país, com 13 milhões de passageiros para o ano fiscal de 2024”, afirmou, indicando que a Ryanair está “a crescer fortemente em Portugal” e vai basear mais quatro aviões em território nacional, concretamente dois no Porto e outros dois em Faro.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

TAAG lança promoção com 40% de desconto em voos domésticos, regionais e internacionais

A promoção é válida para vendas até 10 de fevereiro, cujas viagens decorram até 31 de dezembro de 2023 e aplica-se a tarifas de ida e volta,

Publituris

A TAAG – Linhas Aéreas de Angola lançou uma promoção que oferece um desconto de 40% em voos domésticos, regionais e internacionais, incluindo voos operados em codeshare com a Iberia.

A promoção é válida para vendas até 10 de fevereiro, cujas viagens decorram até 31 de dezembro de 2023 e aplica-se a tarifas de ida e volta, em voos domésticos (com exceção de Cabinda), regionais e internacionais, incluindo os operados em codeshare com a Ibéria e os seus respetivos pontos domésticos.

A promoção da TAAG inclui ainda o transporte de dois volumes de bagagem nos voos internacionais e regionais, enquanto os voos domésticos incluem o transporte de um volume de bagagem.

Mais informações através das agências de viagens ou do call center da TAAG, pelo e-mail  [email protected].

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Air France aumenta voos para Pequim, Xangai e Hong Kong

Após suspensão das restrições de viagem de/para a China, a Air France continua a reabrir a sua rede de voos para a Ásia.

Publituris

Após o anúncio das autoridades chinesas do levantamento das restrições de viagem de/para a China, a Air France está a aumentar, gradualmente, a sua oferta de voos entre Paris-Charles de Gaulle (CDG) e Pequim, Xangai e Hong Kong, destinos que podem ser alcançados a partir de Lisboa ou do Porto via hub em Paris-CDG.

A partir de 1 de julho, a companhia aérea francesa oferecerá um voo diário de Paris-CDG para Pequim (Aeroporto de Pequim-Capital), atualmente servido uma vez por semana; Xangai (Aeroporto de Shanghai Pudong), atualmente servido duas vezes por semana e que será servido três vezes por semana a partir de 3 de fevereiro de 2023, e Hong Kong, destino novamente atendido desde 9 de janeiro de 2023 com três voos semanais.

Os voos para Xangai vão ser operados num Boeing 777-300 ER, equipado com as novas cabines de longo curso da Air France e capacidade para 369 lugares (48 na Business, 48 na Premium Economy e 273 na Economy). Já os serviços para Pequim e Hong Kong serão operados no Boeing 787-9, aparelho com capacidade para 279 lugares (30 na classe Business, 21 na Premium Economy e 228 na Economy).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lucros da Ryanair passam a positivos no 3.º trimestre

O terceiro trimestre do presente ano fiscal voltou a colocar os lucros da Ryanair no positivo, com 221 milhões de euros, contra os 96 negativos de período homólogo do ano passado. Embora aponte para um quarto trimestre “deficitário”, devido à ausência da Páscoa em março, as estimativas apontam para o transporte de 168 milhões de passageiros no final do ano fiscal.

Victor Jorge

A Ryanair apresentou, no terceiro trimestre do ano fiscal 2022/2023 (terminado a 31 de dezembro de 2022), lucros de 211 milhões de euros, comparando com os prejuízos de 96 milhões de período homólogo do ano passado.

Em comunicado, a companhia aérea lowcost informa que em termos de receitas, estas registaram um aumento de 57%, passando de 1,47 mil milhões de euros para 2,31 mil milhões de euros, indicando, ainda, que os custos operacionais sofreram um aumento de 36%, fazendo com que passassem de 1,59 mil milhões de euros para 2,15 mil milhões de euros.

Ao nível dos passageiros, a companhia liderada por Michael O’Leary informa que registou um aumento de 24% no terceiro trimestre do ano fiscal. Assim, a companhia transportou 38,4 milhões de passageiros contra os 31,1 milhões transportados em período homólogo do exercício anterior. Assim, a ocupação passou de 84% para 93%, o que significa um aumento de 9 pontos percentuais.

No comunicado lê-se ainda que a Ryanair “garantiu fortes ganhos de quota nos principais mercados da UE”, indicando que operou a 112% da capacidade pré-Covid durante os primeiros nove meses do presente ano fiscal. Os ganhos mais notáveis foram na Itália (de 26% para 40%), Polónia (27% para 38%), Irlanda (49% para 58%) e Espanha (21% para 23%).

A Ryanair refere que “continua a negociar acordos”, tendo em vista o “crescimento na recuperação de tráfego” com aeroportos parceiros, “enquanto os concorrentes lutam para recuperar a capacidade e lidam com custos crescentes”.

Até o final do terceiro trimestre, a Ryanair recebeu 84 B737 Gamechangers e prevê crescer no ano fiscal de 2024, com base em 124 novas aeronaves para o pico do semestre de 2023, embora reconheça “um risco”, apesar das recentes melhorias na produção da Boeing, e de uma, eventual, derrapagem na entrega das aeronaves.

Tendo anunciado mais de 230 novas rotas (total de 2.450 com 3.200 voos diários) para o ano fiscal 2023/2024, a Ryanair diz “estar a ver uma procura robusta para voos no período da Páscoa e verão de 2023”.

Para o future, “embora as reservas continuem mais próximas do que na primavera de 2020 (pré-Covid)” a Ryanair diz ter “perspetivas razoáveis para o restante ano fiscal” com os números a apontarem para o transporte de 168 milhões de passageiros.

Contudo, a Ryanair espera que o quarto trimestre seja “deficitário” devido à ausência da Páscoa em março.

A Ryanair termina referindo que nos últimos três anos, várias companhias aéreas faliram e muitas transportadoras (incluindo Alitalia, TAP, SAS e LOT) “reduziram significativamente as suas frotas e capacidade de passageiros, acumulando auxílios estatais de vários ilhões de euros”, criando, desta forma “enormes oportunidades de crescimento para a Ryanair”.

Essas oportunidades, conclui, garantem que o grupo esteja “bem posicionado para aumentar o lucro e o tráfego para 225 milhões por ano fiscal de 2026”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros divulga itinerários para 2023 e aposta em Portugal

A Costa Cruzeiros acaba de apresentar uma vasta oferta de itinerários para este ano que variam de minicruzeiros a cruzeiros de 120 dias, incluindo destinos com hotel, voos e transferes, e aposta ainda em Lisboa e Porto (Leixões) para embarque e desembarque em algumas das viagens. itinerários.

Publituris

Com uma frota de 12 navios, para 2023, a companhia propõe cruzeiros no Mediterrâneo Ocidental e Oriental, que atravessam vários países (Espanha, França, Itália, Grécia, Malta, Croácia, Montenegro, Israel e Egipto), além de programas para o Norte da Europa e para o Oriente (Emirados Árabes, Oman, Qatar e Dubai).

As Caraíbas são outra das fortes apostas da Costa Cruzeiros, incluindo destinos como Barbados, Martinica, Aruba, Jamaica, República Dominicana, Antilhas, Ilhas Turcas e Ilhas Virgens.

No programa que inclui o Mediterrâneo Ocidental, nos meses de outubro e novembro, o destaque vai para o cruzeiro de 11 dias, a bordo do Costa Fascinosa, com partida de Valencia e um itinerário que passa por Itália, França, Portugal e Gibraltar, fazendo escala no porto de Lisboa, com possibilidade de embarque.

Para celebrar o Dia de São Valentim a bordo, o Costa Smeralda tem partida e chegada a Barcelona, já no próximo dia 14 de fevereiro, num cruzeiro que passa pelas ilhas Baleares (Palma de Maiorca), Palermo, Roma, Savona e Marselha, que poderá ter a duração de 7 ou 8 dias. Este programa está disponível em várias datas (20 e 27 de fevereiro; 6, 13, 20 e 17 de março e 3 de Abril).

No período da Páscoa, o Costa Diadema, com partida de Barcelona, a 21 de abril, realiza um itinerário de 15 dias, que inclui escalas na Madeira e Lisboa, passando ainda por Marselha, Savona, Valencia, Lanzarote, Tenerife e Cádiz. Posteriormente, a partir de setembro e até novembro, o Costa Firenze proporciona um itinerário idêntico, com a mesma duração.

Em maio, a companhia destaca ainda o cruzeiro de 13 dias com escala no Porto (Leixões) e em Lisboa. Com partida de Barcelona e destino a Amesterdão, inclui visitas a cidades em Espanha, França e Alemanha, enquanto em junho e setembro, proporciona itinerários pelo Centro e Norte da Europa com a duração de 10 a 13 dias, e escalas em Portugal, que incluem vários outros destinos: Baleares, França, Países Baixos, Bélgica, Noruega e Dinamarca.

Outra dos destaques para este ano, nos meses junho, julho e agosto são os programas completos pela Grâ- Breatanha que incluem Irlanda, Inglaterra, Escócia, Irlanda do Norte, França e Bélgica. Durante 15 dias, a bordo do Costa Favolosa, com partida de Amesterdão, o itinerário permite descobrir llugares como Edimburgo, Invergordon, Belfast ou Harwich-Londres.

A descoberta da Islândia, no verão, integra também os percursos de 15 dias, num programa de cruzeiro que passa igualmente pela Escócia, Alemanha e Holanda.

Outra das novidades para este ano é a descoberta da beleza ártica da Gronelândia, a bordo do Costa Favolosa.  Com partida de Amesterdão, em julho, este cruzeiro de 22 dias, inclui escalas em vários sítios na Gronelândia, bem como na Islândia, Escócia e Alemanha.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

17 chefs promovem a alta gastronomia ao bordo dos aviões e nos lounges da Air France

A companhia está empenhada em apresentar aos seus clientes a qualidade e a diversidade do património gastronómico francês de forma mais responsável, privilegiando os produtos frescos, locais e sazonais. Para tal, rodeou-se de 17 chefs consagrados.

Publituris

Por ocasião do “Bocuse d’Or 2023”, evento realizado entre 19 e 23 de janeiro e do qual foi parceira oficial, a Air France revelou o conjunto de chefs com os quais vai colaborar este ano. Dezassete talentos gastronómicos que valorizam a excelência francesa vão, desta forma, suceder-se ao longo dos próximos meses a bordo das cabines La Première e Business e nos lounges dos aeroportos para assinar pratos excecionais.

A companhia refere, em comunicado, estar “empenhada em apresentar aos seus clientes a qualidade e a diversidade do património gastronómico francês de forma mais responsável, privilegiando os produtos frescos, locais e sazonais e oferecendo sistematicamente uma opção vegetariana em todas as suas cabines de viagem”.

Para desenhar esses menus e rodear-se dos maiores chefes, a Air France conta com a expertise e o conhecimento da Servair, líder mundial da restauração aérea, e do seu Culinary Studio.

Este ano, nas partidas de Paris e a bordo das cabines de longo curso La Première e Business, os chefs estrelados franceses Arnaud Lallement, Régis Marcon, Anne-Sophie Pic, Emmanuel Renaut e Michel Roth vão suceder-se na criação de menus exclusivos para a Air France, juntando-se ainda Mauro Colagreco e Thierry Marx.

Com composições vegetarianas, carnes ou aves de origem francesa e peixe de pesca sustentável, todos os chefs estão empenhados em exibir os produtos locais das suas regiões e partilhar o respetivo património culinário e paixão.

Nas suites La Première, as mais exclusivas da companhia, os chefs pasteleiros Meilleur Ouvrier de France (MOF), Philippe Urraca e, pela primeira vez, Angelo Musa, aportarão um toque elegante e doce aos menus desta cabine digna dos grandes restaurantes.

A Air France continua também a renovar os menus assinados por grandes chefs franceses nos voos de longo curso que partem de aeroportos em todo o mundo. A companhia prossegue assim a sua colaboração com o chef triplamente estrelado Julien Royer nas cabines La Première e Business nas partidas de Singapura. Nas partidas da Ilha da Reunião, os menus da cabine Business são elaborados por Jofrane Dailly, um chef nascido neste departamento ultramarino francês que trabalha nas cozinhas do Diana Dea Lodge em Sainte-Anne.

Em 2023, a Air France também vai oferecer menus assinados pelo chef Olivier Perret nos voos com partida de todos os seus destinos canadianos (Montreal, Toronto, Quebeque e Vancouver). Para os menus da cabine Business, Perret vai focar-se na gastronomia francesa com ingredientes frescos. A Air France pretende continuar a desenvolver as parcerias com estes chefes de prestígio, nomeadamente nas partidas das Caraíbas francesas, dos Estados Unidos e do Japão.

Na sua rede de médio curso, na cabine Business, o chef corporate da Servair, François Adamski, MOF e Bocuse d’Or, assina os pratos do almoço ou do jantar servidos a bordo durante todo o ano.

Além disso, a Air France colabora com inúmeros chefs nos seus lounges dos aeroportos parisienses. Em Paris-Charles de Gaulle, Alain Ducasse e as suas equipas assinam os pratos da carta do lounge La Première da Air France. Nos outros salões situados no terminal 2 E (halls K, L e M), Ducasse Paris apresenta regularmente novos pratos para serem fruídos entre toda a oferta disponível. No lounge situado no terminal 2 F, François Adamski junta-se a outros chefs para criar menus originais e sazonais. Na senda de Chloé Charles, Amandine Chaignot vai colocar o seu talento ao serviço dos clientes da companhia. Em Paris-Orly, Guy Martin, que está habituado a assinar os menus servidos a bordo dos voos da Air France, é quem vai assinar pela primeira vez um prato a descobrir no lounge internacional de Orly 3. Finalmente, no lounge dos voos domésticos franceses em Orly 2, os clientes vão poder degustar os preparados criados pelo chef pasteleiro Philippe Urraca.

Uma restauração mais responsável
A partir de agora, em todos os seus voos a partir de Paris, a Air France está comprometida com a oferta de carnes, aves, laticínios e ovos 100% de origem francesa, assim como peixe de pesca sustentável, em todas as suas cabines e lounges nos aeroportos de Paris. A companhia oferece uma seleção de produtos frescos, locais e sazonais. Uma oferta vegetariana também está disponível em todas as cabines e os pratos quentes são sistematicamente rotulados Nutri-Score A ou B na Economy e na Premium Economy. Além disso, os menus para crianças e bebés propostos a bordo são elaborados apenas com produtos provenientes de agricultura biológica.

A Air France também está a investir na reciclagem e na eliminação de 90% do plástico descartável a bordo dos seus aviões até ao final de março de 2023. A bordo, continua a introduzir recipientes sem material plástico, como copos de cartão, bandejas de celulose, pratos e loiça de bagaço ou sacos de papel kraft “Bon Appétit”. Tanto em terra como em voo, a companhia presta especial atenção à separação seletiva e à reciclagem dos artigos de restauração. Além disso, de acordo com as normas francesas, fornece aos seus clientes fontes de água nos seus salões em França.

No âmbito da sua luta contra o desperdício alimentar, a Air France também oferece aos seus clientes nas cabines Business de longo curso a possibilidade de pré-selecionar o prato quente antes da viagem. Este serviço combina a garantia da escolha do cliente com um consumo mais justo a bordo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Governo italiano e Lufthansa iniciam negociações exclusivas relativamente à ITA Airways

Governo italiano e o Grupo Lufthansa entraram em negociações exclusivas para a venda/compra da ITA Airways. O negócio deverá estar finalizado até abril.

Victor Jorge

A Lufthansa e o Ministério das Finanças italiano assinaram uma declaração de intenções sobre a entrada do grupo alemão na ITA Airways, avança o site alemão airliners.de, iniciando, assim, negociações exclusivas entre o Governo italiano e o Grupo Lufthansa, relata o ministério.

O Tesouro assinou uma carta de intenções com a Lufthansa para vender uma participação minoritária, indicando a Lufthansa que “as partes iniciarão agora negociações sobre o desenho de uma possível participação”, tendo sido acordada a confidencialidade sobre os detalhes do conteúdo.

Segundo informações da Agência de Notícias Alemã, ainda não há valores específicos de compra no memorando de entendimento assinado pela Lufthansa, ministério e representantes da ITA, avançando que o negócio deve dar-se “por meio de um aumento de capital”.

A Lufthansa visava inicialmente uma participação minoritária, mas quer garantir opções para a aquisição das ações remanescentes ao entrar na empresa, tendo sido dados 60 dias úteis para as negociações exclusivas, para que um acordo final pudesse ser alcançado em abril, seguindo-se a revisão da Lei de Concorrência pela Comissão Europeia.

“As negociações podem estar concluídas até à Páscoa”, referiu fonte familiarizada com o processo à agência de notícias Reuters. De acordo com um decreto do Governo italiano, aprovado em dezembro, a Lufthansa deve concordar em fortalecer o hub Roma-Fiumicino e expandir os negócios de longo curso da ITA.

A Lufthansa anunciou na semana passada que inicialmente queria comprar uma participação minoritária na ITA com a opção de assumir a companhia aérea inteiramente sob certas condições. Segundo informações privilegiadas, trata-se de uma participação de cerca de 40%, pela qual a Lufthansa quer pagar 200 a 300 milhões de euros.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Marca Pullmantur deverá ser vendida ainda no primeiro trimestre

A administradora da falência – Data Concursal – pretende vender a marca Pullmantur, principal ativo da empresa de cruzeiros que faliu há três anos, ainda no decorrer do primeiro trimestre deste ano.

Publituris

As empresas interessadas podem apresentar propostas não vinculativas, a partir de 1 de fevereiro até ao dia 22 do mesmo mês, e vinculativas até ao dia 27.

Segundo notícia divulgada pelo jornal espanhol Hosteltur, que cita o Expansión, este anúncio consta da documentação judicial de falência da empresa, que tramita perante o Tribunal de Comércio nº 1 de Madrid, e entre as quais se encontra o plano de liquidação da empresa, que especifica que as ofertas devem em todo o caso ser superiores a 177 mil euros, em correspondência com o laudo de avaliação apresentado pela EY.

De acordo com as duas publicações espanholas, a marca Pullmantur, propriedade da Royal Caribbean e Springwater, é um dos poucos ativos da empresa que ficaram por liquidar no âmbito do processo de falência aberto há três anos, e acrescentam que, previsivelmente, a insígnia da companhia de cruzeiros acabará nas mãos de um dos seus concorrentes diretos, embora se desconhece qual.

A Pullmantur declarou voluntariamente falência em plena crise sanitária devido à pandemia de COVID-19 (oficialmente em junho de 2020), que obrigou à paragem total da sua atividade sem conseguir fazer face às despesas de manutenção. Por esse motivo, o administrador da falência pediu ao juiz que isentasse de responsabilidade o conselho de administração da companhia, por se tratar de uma falência fortuita.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Autoridades britânicas alertam viajantes da UE para impactos da greve dos serviços de fronteiras no Reino Unido no dia 1 de fevereiro

O Reino Unido viverá no próximo dia 1 de fevereiro um dia de greve que, segundo as autoridades britânicas, impactará os aeroportos e portos.

Publituris

O equivalente ao Ministério da Administração Interna do Reino Unido e respetivo Controlo de Fronteiras alertaram os viajantes provenientes da união Europeia (UE) para tempos de espera prolongados nos aeroportos e portos britânicos devido à greve anunciada pelos serviços públicos do Reino Unido para dia 1 de fevereiro.

Mais de 100.000 membros do Public and Commercial Services Union (PCS), em ma9s de 123 empregadores, irão manifestar-se no primeiro dia de fevereiro, com impacto nos ministérios, museus, portos e aeroportos.

Segundo informação avançada pelo site SchengenVisaInfo.com, também os controlos de Calais, Dunkirk e Coquelles no norte de França serão afetados.

As autoridades britânicas já informaram que irão enviar militares, funcionários públicos e voluntários afetos ao Governo para auxiliar o Controlo de Fronteiras em todos os portos e aeroportos impactados pela greve, admitindo, no entanto, que os atrasos serão inevitáveis.

“Se viajar para o Reino Unido via qualquer ponto de entrada, deverá preparar-se para disrupções e obter informação antes da viagem”, refere as autoridades britânicas numa nota de imprensa, adiantando que a grave deverá durar até dia 2 de fevereiro de manhã.

De referir que os agentes de Controlo de Fronteiras não serão os únicos em greve no dia 1 de fevereiro, alastrando-se a greve a profissionais da ferrovia, escolas, universidades, entre outros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.