50 Ideias para o Turismo| Turismo – A principal questão é política

Por a 24 de Outubro de 2018 as 17:04

Não bastam boas intenções para garantir a afirmação do Turismo em Portugal.
É minha convicção que o Turismo não terá sucesso sustentável se os diferentes atores – empresariais, políticos e institucionais – se limitarem a atuar isoladamente em defesa apenas dos seus interesses, navegando ao sabor das conjunturas. Sem estratégia global. Sem comando.
É minha convicção que o Turismo não terá sucesso consolidado se continuar a não possuir os instrumentos políticos de intervenção capazes de garantir – de forma integrada e regular – o êxito das suas ofertas e a resposta à evolução dos mercados e às alterações estruturais.
É minha convicção que persiste em Portugal um profundo desconhecimento da natureza e especificidade do Turismo e uma enorme desvalorização da sua importância no futuro do país.
É minha convicção que o sucesso do Turismo depende, antes de tudo, da resposta a uma questão prioritária: da compreensão e reconhecimento da sua real importância na Economia nacional e da criação de um enquadramento institucional e político adequado. Com peso real nos Governos através do enquadramento na estratégia económica do país e da afetação dos recursos necessários.
A minha IDEIA base para garantir o sucesso do Turismo é, pois, POLÍTICA.
Assim sendo, impõe-se uma ação permanente de esclarecimento e afirmação política, através da divulgação do peso e do papel do Turismo na Economia. Dirigida à «classe política» que o desconhece e desvaloriza e à opinião pública não suficientemente informada.
Não faltam exemplos recentes do comportamento de vários governos, de subestimação do Turismo.
Vejamos apenas três. Décadas de atraso na decisão sobre o «Aeroporto de Lisboa». Descontrolo do «alojamento local» em Lisboa e no Porto. Graves problemas de mobilidade no Algarve. E outros em cada região. A montante de tudo isto, e como pano de fundo, está o «desconhecimento» da importância do Turismo na Economia mundial. Contrariamente ao que se pretende fazer crer, o «turismo» não é uma atividade de «países subdesenvolvidos». Contribui para 10% do Pib mundial, é o 3º maior exportador, gera um em cada dez Empregos, etc.).
Entre os países que recebem mais turistas e geram mais receitas estão os países mais desenvolvidos e ricos do mundo. A começar pelos Estados Unidos, o 1º em receitas externas.
É neste quadro que podemos integrar os dados do Turismo em Portugal. Contributo de 7% para o Vab e de 12,5% para o Pib (direto, indireto e induzido). O maior setor exportador de Bens e Serviços (18%). Empresas (120 mil) e Emprego (400 mil). O peso na economia das Regiões. Etc. Um quadro de alto valor que devia ser permanentemente divulgado.
Um quadro mais do que suficiente para vencer as atitudes de subestimação da «classe política» perante o Turismo.
A minha IDEIA – prioritária e de fundo – para o Turismo é, pois, POLÍTICA.
Corresponde à necessidade da definição pelos Governos do espaço político correspondente ao peso do Turismo na Economia e à definição das medidas necessárias para um seu contributo sustentado no quadro da estratégia de desenvolvimento do Pais: em termos de Atribuições, Competências e Recursos, à disposição da instituição representativa de um dos setores mais importantes da
Economia nacional.
Ministro ou Secretário de Estado.

Vítor Neto, presidente do NERA e ex-secretário de Estado do Turismo

Um comentário

  1. João Martins Vieira

    25 de Outubro de 2018 at 8:23

    Apoiado. Quem sabe…sabe mesmo. O turismo não é brinquedo para curiosos e principiantes.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *