Edição digital
Assine já
PUB

Foto: Depositphotos.com

Aviação

NAV avança com reestruturação do espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa

O “Point Merge System” entra em funcionamento esta madrugada e traz novo modelo de sequenciação de chegadas, com perfis de descida contínua, com a reestruturação a passar, também, pela criação de novas rotas mais otimizadas de entrada e saída das aeronaves, aproveitando zonas negociadas com Força Aérea.

Publituris

Foto: Depositphotos.com

Aviação

NAV avança com reestruturação do espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa

O “Point Merge System” entra em funcionamento esta madrugada e traz novo modelo de sequenciação de chegadas, com perfis de descida contínua, com a reestruturação a passar, também, pela criação de novas rotas mais otimizadas de entrada e saída das aeronaves, aproveitando zonas negociadas com Força Aérea.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Grupo Norwegian transporta 2,2 milhões de passageiros em abril
Transportes
Ryanair abre nova rota entre Lisboa e Tânger para o verão
Aviação
Governo dos Açores cancela concurso de privatização da Azores Airlines e vai lançar um novo
Aviação

A NAV Portugal lança esta madrugada (de quarta para quinta-feira) o “Point Merge System (PMS), um novo modelo de sequenciação de chegadas à Área Terminal de Lisboa, e que vai trazer uma maior flexibilidade e previsibilidade na gestão do tráfego em toda a região.

Além do novo sistema de sequenciação, as alterações que são implementadas passam ainda pelo redesenho completo das rotas de entrada e saída das aeronaves do espaço aéreo de Lisboa. Esta é considerada “a maior reestruturação de sempre do céu de Lisboa”.

Com o lançamento do PMS, resultado de uma parceria com o Eurocontrol, a NAV vai substituir os tradicionais modelos de sequenciação de chegadas, onde as trajetórias vão aumentando de acordo com a necessidade de atraso, por uma sequenciação linear, assente em dois arcos cujos pontos são equidistantes do aeroporto, independentemente do local do arco em que cada avião se encontre.

Pedro Ângelo, presidente do Conselho de Administração da NAV Portugal, avança que “o Point Merge System” vai permitir que os fluxos de tráfego com origem ou destino ao aeroporto de Lisboa sejam geridos de forma mais otimizada, mais previsível e mais precisa, o que irá induzir maior segurança às operações”.

Esta mudança de paradigma avança depois da constatação de que os atuais níveis de tráfego tornaram o modelo tradicional de sequenciação de chegadas desajustado, obrigando ao recurso cada vez mais frequente a adaptações de rotas e a padrões de espera circulares, de modo a se conseguir gerir todo o fluxo de chegadas. Estas adaptações levam a sequenciações de chegada de perfis incertos e inconstantes e, logo, mais exigentes em termos ambientais, além de terem uma maior carga de trabalho associada tanto para o controlo de tráfego aéreo, como para tripulações.

Já com o “Point Merge System” será possível oferecer uma gestão mais intuitiva, sequencial, previsível e adaptada aos níveis de tráfego atuais e aos previstos a médio-prazo. Com o lançamento deste modelo de sequenciação a NAV Portugal vai oferecer às aeronaves na Área Terminal de Lisboa perfis de descida otimizados e contínuos, a velocidades controladas e sem patamares intermédios, acabando com o cenário onde os padrões circulares surgem como resposta recorrente. Com este passo, será possível ter uma maior previsibilidade em termos de hora de chegada e de distâncias a percorrer pelas aeronaves, além de uma maior otimização da gestão de combustível, velocidade e altitude. O lançamento do PMS vai também afastar as “zonas de espera” iniciais das aeronaves das regiões mais populosas da região de Lisboa, colocando estas zonas a uma altitude mais elevada, reduzindo o impacto visual e sonoro do sistema como um todo.

Reorganização do espaço aéreo e novas rotas
A implementação do “Point Merge System” na Área Terminal de Lisboa tornou-se possível depois de um acordo entre a NAV Portugal e a Força Aérea Portuguesa para a cedência de parte do espaço aéreo militar de Monte Real e de Sintra para o tráfego civil.

Com esta abertura de mais espaço na região de Lisboa para tráfego civil, foi possível à NAV avançar com o redesenho completo das rotas pré-definidas que os aviões devem seguir antes de aterrar ou depois de descolar da região.

Entre as principais alterações efetuadas a estas rotas, destaque para a criação de rotas de saída do Aeroporto Humberto Delgado para Oeste, o que faz com que as aeronaves que se dirijam para esses destinos possam virar diretamente logo após descolar, sem mais delongas, e também a criação de uma segunda rota de saída para as aeronaves com destino para a Europa, que passam agora a ter à disposição duas rotas de saída segregadas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
PUB

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Lisboa e Funchal entre os destinos mais populares neste verão

Embora com registos diferentes, Lisboa e Funchal estão entre as cidades mais populares para o verão de 2024. Lisboa desce 0,3 pontos percentuais (p.p.), enquanto o Funchal sobe 0,14 p.p..

Entre as cidades mais populares para este verão de 2024 (pesquisa de voos para os meses de julho e agosto), segundo análise da ForwardKeys, contam-se Lisboa e Funchal.

Lisboa, com uma quota de 2%, cai, contudo, quando comparado o período em análise de 2024 com os mesmos meses de 2023, registando uma quebra de 0,3 pontos percentuais (p.p.). Já o Funchal está entre as cidades que mais crescem, quando analisado o aumento de popularidade, com um crescimento de 0,14 p.p. face a igual período do ano passado.

Se no primeiro caso, o ranking das cidades mais pesquisadas é liderado por Londres, com um aumento de 1,9 p.p., a restante listagem revela comportamentos díspares. Paris, em 2.º lugar, cresce 0,5 p.p. face aos meses de julho e agosto de 2023, mantendo-se Barcelona, em 3.º lugar, com registo igual. O Top 10 é composto ainda por Istambul, Roma, Atenas, Lisboa, Madrid, Milão e Palma de Maiorca.

No ranking das cidades com aumento de pesquisa para julho e agosto de 2024 a liderança pertence a Tenerife (+0,41 p.p.), seguida de Izmir (+0,25 p.p.) e Reiquiavique (+0,21 p.p.). Funchal surge em 5.º lugar, com +0,14 p.p., depois de Munique (+0,15 p.p.), mas antes de Tbilissi (+0,09 p.p.), Malta e Tirana (+0,07 p.p.), Nice (+0,06 p.p) e Yerevan (+0,03 p.p).

A análise dos dados de emissão de bilhetes para viagens para destinos urbanos europeus em julho e agosto de 2024 revela uma mudança nas preferências dos consumidores para destinos naturais (+19%) e urbanos (+14%) em detrimento dos tradicionais destinos de sol e praia (+8%). Esta situação reflete-se a nível sub-regional, uma vez que o crescimento anual das chegadas internacionais à Europa Central e Oriental (+25%), à Europa Ocidental (+15%) e à Europa do Norte (+13%) ultrapassa o dos destinos do Sul da Europa (+11%).

Já as viagens de saída da Europa também estão a revelar tendências claras, com um crescimento anual nas viagens intra-europeias (+14%) e de longo curso para uma gama diversificada de mercados asiáticos (+16%). Os dados relativos aos bilhetes para julho e agosto indicam que os viajantes europeus estão a optar cada vez mais por se aventurar mais longe para explorar as paisagens e culturas de Pequim (+132%) em particular, bem como Osaka (+66%), Banguecoque (+21%), Colombo (+21%) e Kuala Lumpur (+14%). Estes destinos beneficiam, segundo a ForwardKeys, de vários fatores, incluindo a melhoria da conectividade, a isenção de vistos para os europeus que entram na China e a taxa de câmbio favorável entre o euro e o iene. O crescimento moderado da procura nos mercados americanos de Chicago (+14%) e Miami (+9%) também é notável.

Olivier Ponti, diretor de Informações e Marketing da ForwardKeys, admite que, de um modo geral, “o panorama é positivo para os destinos de todo o mundo que pretendem atrair o lucrativo turismo europeu nos próximos anos. Com a perturbação da procura e das reservas causada pela pandemia de COVID-19 já pertencente ao passado, a época de verão de 2024 parece suscetível de estabelecer uma nova referência para as viagens europeias, tanto na região como fora dela”.

Foto: Depositphotos.com

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

Living Tours promove na China novas experiências turísticas em Portugal e Espanha

O operador turístico Living Tours está a promover na China novas tours e atividades em Portugal e Espanha, com novidades para quem planeia viajar para as cidades de Lisboa, Barcelona, Madrid, Ibiza ou Palma de Maiorca.

O grupo português Living Tours está, pela primeira vez, na China para participar no ITB China (27 a 29 de maio), em Shanghai, e integrar a comitiva de empresas portuguesas do China Roadshow (entre os dias 29 e 31 de maio), organizado com o apoio do Turismo de Portugal, com passagens por Pequim, Guangzhou e Macau.

A estreia faz-se nos eventos, mas a ligação ao mercado asiático já era conhecida, de acordo com o operador. No início do ano, a Living Tours confirmou o fecho de parceria com a plataforma de viagens online Trip.com do Ctrip Group, operador de tours da China, que irá permitir o reforço da oferta de todas as atividades e experiências disponíveis em território português para os viajantes chineses.

Para esta visita, a Living Tours leva na bagagem novidades sobre novas rotas e atividades privadas em território português, em cidades como Lisboa, Fátima, Nazaré, Óbidos, Arrábida ou Comporta, onde a empresa passou a disponibilizar recursos próprios, entre frotas e equipas, para concretizar experiências com foco nos roteiros gastronómicos e vinícolas, e também sobre experiências por Espanha, em cidades como Barcelona, Madrid ou Andaluzia, onde é responsável pela gestão de roteiros chave na mão através da área de especialização Living DMC (Destination Management Company).

Na região das Ilhas Baleares, mais especificamente em Ibiza e Palma de Maiorca, explora-se o turismo de natureza e de aventura com atividades como voos de balão de ar quente, visitas a grutas marinhas e coasteering. Ficam, ainda, disponíveis as muito requisitadas festas de barco com DJs internacionais, equipa de animação e paragens para nadar nas águas do Mar Mediterrâneo.

A promoção de Portugal como destino para eventos corporativos e para o segmento MICE também estará assegurada com a apresentação de outra das grandes novidades da Living Tours para 2024: a aposta na Living Events, que procura potencializar os recursos turísticos dos destinos que representa e promover este segmento.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Fundação INATEL lança debate sobre economia social e incluiu o turismo

A Conferência “Diálogos INATEL Economia Social”, que decorreu em Lisboa e reuniu especialistas nacionais e internacionais para discutir e refletir sobre o futuro da economia social e solidária, incluiu também o setor do turismo social como catalisador do desenvolvimento sustentável.

Sob o tema “Os desafios da inovação na Economia Social”, o evento reuniu especialistas nacionais e internacionais para discutir e refletir sobre o futuro da economia social e solidária, destacando as oportunidades e tendências de inovação no setor.

O objetivo principal da conferência foi promover a reflexão e uma maior cooperação entre diferentes entidades e organizações, visando criar soluções inovadoras para os desafios contemporâneos e construir uma sociedade mais justa e inclusiva.

Entre as várias questões abordadas, realce para o painel III que analisou o “Turismo Social como catalisador do desenvolvimento sustentável”. Este painel explorou como o turismo social pode promover o desenvolvimento sustentável, para públicos mais vulneráveis, com impacto social nos territórios e economias locais.

Esta temática foi identificada como um exemplo notável de economia social. O turismo social, ou turismo para todos, apoia públicos mais vulneráveis, promove o lazer inclusivo, o acesso sócio-cultural e beneficia as economias locais, foi destacado. A Fundação INATEL sendo um membro ativo, há 50 anos, da Organização Internacional de Turismo Social (ISTO), é uma organização- modelo nesta área de intervenção, apontou a conferência.

Em jeito de conclusão, a Fundação INATEL reafirma seu compromisso em continuar a promover encontros de especialistas e incentivando a inovação na economia social.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

GEA e TAP juntam agentes de viagens em dois eventos formativos

O Grupo GEA Portugal, em parceria com a TAP Air Portugal, promoveu dois eventos de formação para as agências de viagens associadas do agrupamento, em formato de pequenos-almoços.

tagsGeaTAP

Estes encontros, que aconteceram no Hotel da Música no Porto, e no Meliã Lisboa Oriente, em Lisboa, contaram com a presença de mais de 40 agências de viagens, em momentos dedicados e exclusivos de networking e trabalho.

Os dois eventos inserem-se nos momentos GEA BIZ, um conjunto de ações mais personalizadas levadas a cabo pela rede, que se traduzem numa oportunidade única para os agentes de viagens atualizarem os seus conhecimentos, mas também para fortalecerem relações profissionais num ambiente de convívio e partilha.

Durante os pequenos-almoços, a TAP Air Portugal apresentou várias novidades e informações essenciais para o trabalho diário dos agentes de Viagens, desde a frota, a rede da companhia, a experiência a bordo, bem como os seus produtos corporate ou a ponte aérea. A formação também serviu para dotar os agentes com dicas e boas práticas para os seus processos diários com a companhia aérea, desde reemissões ou reembolsos, APIs, Helpdesk ou o Tapagents.com, a plataforma de apoio aos agentes de viagens.

Ricardo Correia, diretor Comercial da TravelGEA, refere que “estes eventos são fundamentais para mantermos os nossos agentes de viagens informados e alinhados com as políticas e novidades da TAP Air Portugal”, para realçar que a formação contínua e personalizada, aliada a momentos de convívio, “fortalece a nossa parceria com a TAP Air Portugal e constrói um conjunto de valências que permitem os agentes de viagens estarem mais aptos na execução do seu trabalho diário.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet lança campanha de verão com descontos até 15%

A campanha da easyJet conta com 15 mil lugares com descontos até 15% e aplica-se a viagens que decorram entre 3 de junho e 30 de setembro para vários destinos da easyJet à partida do Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo.

A easyJet laçou esta terça-feira, 28 de maio, uma campanha de verão de última hora que conta com descontos até 15% e que é válida até à próxima segunda-feira, 3 de junho, em destinos selecionados da companhia aérea low cost.

“Para esta promoção, a companhia disponibiliza 15 mil lugares para quem ainda esteja a planear as suas férias de verão ou queira dar uma escapadinha de última hora”, lê-se numa nota divulgada pela easyJet.

A campanha aplica-se a viagens que decorram entre 3 de junho e 30 de setembro, e inclui vários destinos da rede da easyJet à partida dos aeroportos do Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo, como Marrocos, Ibiza ou Nantes.

Os bilhetes com preços promocionais no âmbito desta campanha de verão da easyJet já se encontram à venda e podem ser adquiridos aqui ou através da app da companhia aérea.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Programa de passageiro frequente da Air France-KLM lança oferta exclusiva para residentes em Portugal

O Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, associou-se à Loyalty Status Co. para lançar uma oferta exclusiva de equivalência de nível para os passageiros frequentes elegíveis residentes em Portugal.

O Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, associou-se à Loyalty Status Co. para lançar uma oferta exclusiva de equivalência de nível para os passageiros frequentes elegíveis residentes em Portugal.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, esta “oferta vai permitir aos clientes com um determinado nível de passageiro frequente no programa de fidelização de uma das companhias aéreas elegíveis a possibilidade de solicitarem uma equivalência de nível”.

Desta forma, os passageiros elegíveis podem fazer o upgrade para o nível Flying Blue Silver, Gold ou Platinum, e “desfrutar dos benefícios exclusivos das categorias Elite ou Elite Plus durante 12 meses, mesmo que não tenham viajado com a Air France ou a KLM”.

Segundo a Air France-KLM, as vantagens desta oferta incluem  a obtenção de benefícios desde o check-in até ao embarque prioritários, incluindo a seleção gratuita de assentos ou o acesso às salas VIP SkyTeam para os associados Gold e Platinum.

Os clientes que cumpram os requisitos podem solicitar esta oferta aqui, enquanto os interessados que ainda não sejam membros do Flying Blue podem registar-se no programa aqui e, de seguida, preencher o formulário para o pedido de equivalência de nível.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Rodrigo Pinto de Barros eleito para último mandato na APHORT

Rodrigo Pinto de Barros foi reeleito presidente da APHORT com 94% dos votos e tomou posse a 22 de maio, invocando o “reforço da formação”, do “desenvolvimento contínuo dos empresários do setor” e a “promoção da sustentabilidade” como prioridades deste mandato.

Rodrigo Pinto de Barros foi reeleito presidente da Associação Portuguesa de Hotelaria (APHORT), assumindo um novo mandato de quatro anos, que será o último do responsável à frente da associação, que lidera desde 2006.

Rodrigo Pinto de Barros foi reeleito para a liderança da APHORT com 94% dos votos e tomou posse na quarta-feira, 22 de maio, invocando o “reforço da formação”, do “desenvolvimento contínuo dos empresários do setor” e a “promoção da sustentabilidade dos seus negócios” como prioridades do atual mandato.

“Acredito que este é o momento de revigorar a APHORT. Os últimos anos foram dedicados à criação e ao fortalecimento dos alicerces estruturantes, necessários para a afirmação de uma nova liderança geracional da Associação. Decidi recandidatar-me à presidência uma última vez, para dar esta missão como terminada, garantindo uma transição tranquila e estável”, afirmou Rodrigo Pinto de Barros, durante a cerimónia de tomada de posse.

Durante este mandato, Rodrigo Pinto de Barros pretende também manter a presença da APHORT na HOTREC – a confederação europeia do setor -, num objetivo que visa “reforçar a voz dos empresários portugueses no cenário europeu”.

“A APHORT continuará a contribuir ativamente para as principais questões que o setor do turismo está a debater na Europa”, lê-se num comunicado divulgado esta terça-feira, 28 de maio, pela associação.

A inteligência artificial no setor, as políticas de sustentabilidade nas empresas ou a emigração e a necessidade de integração de diferentes culturas são alguns dos dossiers que APHORT garante que vai continuar a acompanhar.

“O turismo está a atravessar um período de grandes transformações e queremos estar ao lado das nossas empresas para que elas possam preparar o seu futuro, com responsabilidade, inovação e inclusão. Só desta forma é que iremos conseguir tornar o turismo português competitivo num cenário global”, acrescente Rodrigo Pinto de Barros.

A par da reeleição de Rodrigo Pinto de Barros, a APHORT elegeu também um novo Conselho Diretivo que é composto por seis membros, entre os quais se destacam Henrique Carvalho da Silva, presidente adjunto de hotelaria e turismo, e Nuno Rocha, presidente adjunto de restauração e bebidas. Já a nova Comissão Executiva é liderada por Inês Sá Ribeiro.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

7 etapas de um roteiro para afastar o excesso de turismo dos destinos

O excesso de turismo é uma questão fundamental para a gestão sustentável dos destinos. Lidar com o problema começa com a medição de sete dimensões-chave, que, de acordo com a Mabrian e a Phocuswright, contribuem decisivamente para lançar as bases de uma estratégia sustentável duradoura, baseada na inteligência de dados.

É crucial combater o excesso de turismo, uma vez que 61% dos viajantes evitaram destinos devido a este fenómeno no ano passado. Para tal, os destinos devem utilizar uma abordagem holística e baseada em dados para equilibrar os recursos locais, o bem-estar da comunidade e o crescimento do turismo. Esta é uma das conclusões do livro branco “A Roadmap to Move Destinations Away from Overtourism”, desenvolvido pela Mabrian, em colaboração com a Phocuswright.

Lançado antes do evento Phocuswright Europe em Barcelona (10-12 de junho), este livro branco tem como objetivo incluir o excesso de turismo em discussões mais amplas sobre a gestão sustentável dos destinos. Destaca a necessidade de uma análise e planeamento inovadores, utilizando indicadores-chave de desempenho integral e ferramentas baseadas em dados. O relatório utiliza os dados dos estudos da Mabrian e da Phocuswright para explorar a forma como as várias dimensões da sustentabilidade se traduzem em indicadores úteis para o planeamento de destinos.

Os sete indicadores propostos interagem entre si e podem ser aplicados a diferentes conjuntos de objetivos, dependendo das condições específicas de cada destino.

Distribuição das despesas dos turistas: Para além de medir as despesas por visitante e por categoria, é fundamental compreender a sua distribuição. Um destino menos afetado pelo overtourism tende a ter uma distribuição mais uniforme das despesas pelo seu território, o que beneficia tanto a sua economia como o bem-estar local.

Em última análise, trata-se de capitalizar as preferências dos viajantes, uma vez que a investigação da Phocuswright indica que entre metade e dois terços dos viajantes querem que as suas despesas apoiem as comunidades que visitam.

Pegada de carbono – emissões de CO2: A redução das emissões de CO2 é crucial para minimizar o impacto ambiental das viagens, especialmente porque o transporte aéreo é responsável por 55% da pegada de carbono do setor do turismo (Relatório da Travel Foundation). A análise das emissões de CO2 ao longo do tempo, por mercado de origem e por visitante, bem como o rácio entre as despesas dos viajantes e as emissões geradas, pode ajudar os destinos a orientarem-se para segmentos com melhores rácios de despesas/emissões.

Concentração da oferta turística: A densidade e a pressão humana são normalmente associadas ao turismo excessivo e não à sustentabilidade, mas existe uma disparidade na perceção dos viajantes. De acordo com os dados da Phocuswright, enquanto 43-61% dos viajantes evitaram destinos no ano passado devido a preocupações com a sustentabilidade, apenas 13-21% consideram sustentável visitar destinos menos concorridos. Compreender o agrupamento de alojamentos e atrações é crucial tanto para o conforto dos viajantes como para o bem-estar da comunidade.

Perceção da sustentabilidade do turismo: Uma abordagem sustentável eficaz ao turismo excessivo implica alinhar a elaboração de políticas com o seu impacto nos habitantes locais e nos visitantes para atenuar o que a Phocuswright designa por “dissonância da sustentabilidade” – o fosso entre a intenção de viajar de forma sustentável e as escolhas efetivas dos viajantes. As mensagens direcionadas e as estratégias de envolvimento desempenham um papel central na formação das perceções da sustentabilidade do turismo.

Diversificação motivacional: Quanto mais os destinos dependem de algumas atividades ou atrações, maior será a probabilidade de dependerem de certos segmentos de viajantes, o que limita o crescimento potencial e restringe os mercados de origem, e tende a suportar áreas turísticas mais densas e uma procura sazonal mais forte, o que é suscetível de resultar em excesso de turismo. Este índice pondera a variedade de fatores que atraem visitantes a um destino, correlacionando-os com tipos de alojamento e duração da estadia.

Dependência das origens: Quanto menor for a dependência de mercados de origem específicos (sobretudo de longo curso), mais sustentável é o destino, uma vez que reduz a pegada de carbono do transporte. A dependência de certos mercados de origem também pode ser um fator de aceleração para o excesso de turismo em zonas específicas ou durante momentos específicos do ano, criando a sensação de uma pressão humana demasiado elevada para os habitantes locais nalguns períodos. Esta dependência também reduz a possibilidade de desenvolver novos produtos turísticos para diversificar a procura nos mercados, locais e épocas do ano. O índice combina a capacidade aérea, a procura de alojamento categorizada por distância e mercados de origem, e como os viajantes estão distribuídos pela geografia do destino.

Sazonalidade: Muitos destinos têm estado a trabalhar há muitos anos para vencer a sazonalidade e assegurar um fluxo constante de viajantes ao longo do ano, uma tarefa difícil se a diversificação motivacional for baixa e a dependência das origens for elevada.

Vencer a sazonalidade tem implicações positivas em muitos dos índices acima mencionados, e também contribui positivamente para reduzir o excesso de turismo. A redução da sazonalidade melhora a qualidade de vida dos habitantes locais, criando melhores condições de trabalho, uma economia mais estável e bem distribuída e reduz a pressão sobre os serviços e recursos locais. Este índice não só se centra na análise da procura de voos e de alojamento num determinado período de tempo, mas também as despesas e o custo das estadias.

Assim, conclui a análise da Mabrian e Phocuswright, “a superação do excesso de turismo só será possível se forem abordadas todas as dimensões deste fenómeno, e olhar para além dele, lançando-as para um setor que atinja a sustentabilidade, mantendo-se rentável”.

“A rentabilidade é e será, no final, o teste do tempo para o futuro do setor das viagens. A sustentabilidade e a rentabilidade são duas faces da mesma moeda, cunhada com base numa metodologia centrada em dados, mensurável e orientada para objetivos que permite políticas para um crescimento mais equitativo, justo e simétrico, crescimento mais distribuído, justo e simétrico, suportável no tempo”.

Madeline List, analista sénior da Phocuswright, assinala que “uma estratégia sustentável bem-sucedida e consistente envolve a formulação de boas práticas, mas a sua operacionalização de forma expedita.”

Já Carlos Cendra, Partner & Chief Marketing and Communications Officer da Mabrian., considera que a implementação de medidas eficazes contra o overtourism implica “uma abordagem transparente, honesta e centrada nos dados do impacto do turismo nos destinos, com base num modelo holístico capaz de criar um equilíbrio duradouro que beneficie as empresas, os habitantes locais e os visitantes, preservando simultaneamente o ambiente”.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Solférias celebra “Dia Mundial da Criança” com programas onde a garotada viaja grátis

Planear férias com crianças nem sempre é tarefa fácil. Neste sentido, o operador turístico, Solférias, decidiu dar mais um passo no sentido de descomplicar esse processo, disponibilizando uma série de destinos e programas onde as crianças viajam grátis.

Os destinos, programas e partidas desta campanha são: Saïdia em voos do Porto às sextas-feiras, de 7 a 26 de junho; Monastir com partidas do Porto às quartas-feiras, de 10 a 24 de julho; Hurghada em voos de Lisboa às sextas-feiras, entre 7 e 28 de junho; Sal para as partidas de Lisboa nos dias 1 e 15 de junho, 6 de julho e 14 e 21 de setembro; Boavista, nas partidas do Porto a 12 de julho, 30 de agosto e 6 de setembro, e Porto Santo, na operação de Lisboa nas datas 3,10,17 e 24 de junho, bem como 9 e 16 de setembro.

Igualmente, a Solférias não esquece os agentes e agências de viagens e o seu papel fundamental em proporcionar as melhores férias aos viajantes portugueses. Assim, em colaboração com os Hotéis Vila Galé, o melhor vendedor desta campanha ganhará duas noites de estadia no Hotel Vila Galé Nep Kids, em Beja. A oferta inclui duas noites em regime APA, alojamento para dois adultos + 1 ou 2 crianças até aos 12 anos inclusive em quarto Twin Familiar Standard, para estadias  entre 1 de outubro de 2024 e 30 de março de 2025, exceto datas especiais e festivas, sujeito a disponibilidade.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Enoturismo

Caves Graham’s estreiam nova sala de provas

Uma nova sala de provas é a sugestão da reconhecida casa de Vinho do Porto para este verão.

As Caves da Graham’s – casa de Vinho do Porto, propriedade da Symington Family Estates – propõe uma viagem imersiva pelo universo do Vinho do Porto, que tem início com uma visita guiada por um especialista na área, culminando com as provas, que contam agora com novas sugestões, assim como com uma nova sala.

Descobrir o Vinho do Porto, com calma, conforto e privacidade, é a proposta da recém-inaugurada Sala Trilogia, um espaço totalmente novo, dedicado a provas especiais. O nome da sala encontra inspiração na coleção “The Cellar Master’s Trilogy”, da Graham’s, um conjunto de três vinhos Single Harvest Tawny – The Master, The Artisan e The Apprentice –, que pretende refletir a caminhada de aprendizagem de um (futuro) enólogo.

Mas as novidades na “casa” secular da Graham’s, em Vila Nova de Gaia, não ficam por aqui. No seguimento do lançamento, no início do mês de maio, dos novos Graham’s Porto Tawny 40 e 50 Anos, que integram a exclusiva Aged Tawny Collection, a Sala Vintage das Caves Graham’s dispõe, agora, de um espaço dedicado a estes vinhos. A nova instalação, assinada pelo Flórida Studio, evoca os elementos da fauna e flora da paisagem do Vale do Douro que adornam, em ilustrações assinadas por Mariana Rodrigues, as caixas renovadas dos Graham’s 40 e 50 anos.

Ambos os espaços foram pensados para acolher uma variedade de provas exclusivas, que prometem uma viagem pelo portefólio de vinhos da Graham’s. Os visitantes poderão escolher entre a prova Graham’s (55 euros), as provas Super Premium Tawny e Super Premium Vintage (ambas com o valor de 65 euros), e, para uma experiência alargada ao portefólio de vinho do Porto da família Symington, a prova Symington (135 euros).

Refira-se, em alternativa, a possibilidade de conhecer um dos restantes espaços de provas das Caves Graham’s. Na Sala de Provas Principal, com opções a partir de 25 euros, também há novidades: a nova prova Port Essentials, disponível por 40 euros, inclui quatro vinhos de diferentes tipos – Graham’s Blend Nº5, Six Grapes, Quinta dos Malvedos e Porto Tawny 30 Anos –, convidando à descoberta das múltiplas facetas do Vinho do Porto.

Durante a época alta (1 de abril a 31 de outubro), é possível visitar as Caves Graham’s entre as 10h00 e as 17h30, sublinhando-se que o horário das provas se prolonga até às 18h00. A realização das visitas e as provas está sujeita a reserva prévia, que poderá ser efetuada através do site, por e-mail ([email protected]) ou por telefone (+351 223 776 490).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.