Edição digital
Assine já
PUB
Aviação

Associações de transporte aéreo rejeitam redução de voos no aeroporto de Schiphol com Governo provisório

A IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo, a EBAA – Associação Europeia de Aviação Executiva e a ERA – Associação de Companhias Aéreas das Regiões Europeias defendem que esta decisão deve dar tempo suficiente para que o transporte aéreo se consiga adaptar.

Inês de Matos
Aviação

Associações de transporte aéreo rejeitam redução de voos no aeroporto de Schiphol com Governo provisório

A IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo, a EBAA – Associação Europeia de Aviação Executiva e a ERA – Associação de Companhias Aéreas das Regiões Europeias defendem que esta decisão deve dar tempo suficiente para que o transporte aéreo se consiga adaptar.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
LATAM aumenta voos a partir de Guarulhos/São Paulo para sete destinos. Lisboa está incluída
Transportes
“Portugal Stopover” da TAP é o melhor, diz Global Traveler
Transportes
Região de Lisboa reeleita para a presidência da AG da Rota de Vinhos da Península de Setúbal
Destinos
Turismo do Algarve, Município de Lagoa e APECATE esclarecem sobre navegação nas Grutas de Benagil
Agenda
75% dos europeus preveem viajar de maio a outubro
Destinos
Johan Lundgren deixa liderança da easyJet em 2025
Aviação
Rio Grande do Sul apela aos turistas que não desmarquem, mas reagendem as suas viagens à região
Destinos
Portugal totaliza 59 praias Zero Poluição
Destinos
ESHTE celebra 33.º aniversário e anuncia novos protocolos
Emprego e Formação
Solférias destaca destino Madeira em três apresentações
Distribuição

Três das principais associações que representam o transporte aéreo vieram esta quinta-feira, 31 de agosto, rejeitar o corte do número de voos no aeroporto de Schiphol, em Amesterdão, Países Baixos, defendendo que esta redução não deve acontecer enquanto o país se encontra sob a liderança de um Governo provisório.

Num comunicado enviado à imprensa, a IATA – Associação Internacional de Transporte Aéreo, a EBAA – Associação Europeia de Aviação Executiva e a ERA – Associação de Companhias Aéreas das Regiões Europeias defendem que a decisão não pode avançar com o atual governo, uma vez que, dentro de poucos meses, será eleito um novo executivo, pelo que não será o atual governo a arcar com as consequências desta redução, que a indústria da aviação estima que venham a ser “graves”.

“Dentro de alguns meses, este governo não será responsável pelas graves consequências que poderão advir da decisão de Schiphol, especialmente no que diz respeito às relações com os parceiros comerciais dos Países Baixos, e à perda de empregos e de prosperidade a nível interno”, denunciam as associações, que enviaram um comunicado conjunto à imprensa.

Segundo as associações, esta redução representa uma medida “controversa” e que, por isso mesmo, exige “um escrutínio democrático e uma responsabilização política adequados”.

Estas associações lembram que a redução de voos no aeroporto de Schiphol, que poderá passar para apenas 460.000 voos por ano, já foi “bloqueada pelo tribunal holandês, que a considerou contrária às obrigações holandesas ao abrigo da legislação da UE e dos acordos bilaterais de serviços aéreos relacionados com a Abordagem Equilibrada ao ruído”.

O comunicado enviado à imprensa sublinha mesmo que, no âmbito desta Abordagem Equilibrada ao ruído, que consiste num processo de longo prazo para gerir o ruído nas comunidades aeroportuárias, foi definido que a redução de voos deve ser “o último recurso a ser considerado” e apenas quando todas as outras medidas tiverem sido tomadas para atingir as metas de mitigação de ruído.

“A Abordagem Equilibrada é usada especificamente para garantir que as necessidades da comunidade local sejam respeitadas, que os benefícios mais amplos da conectividade aérea para a nação sejam protegidos e que as ações sejam respeitadas internacionalmente”, acrescentam as associações.

Apesar da decisão judicial, o Governo dos Países Baixos recorreu e anulou a decisão inicial, tendo o Tribunal de Recurso decidido que a Abordagem Equilibrada não se aplica ao Regulamento Experimental.

No entanto, a indústria da aviação tem vindo a mostrar-se preocupada com o impacto da redução de voos no principal aeroporto dos Países Baixos, motivo pelo qual foi já iniciado um processo de cassação no Supremo Tribunal para contestar esta situação.

“A comunidade aérea internacional representada pela IATA, outras associações de companhias aéreas e transportadoras individuais, está profundamente preocupada com as implicações desta decisão altamente controversa. A coligação de companhias aéreas e associações iniciou um processo de cassação no Supremo Tribunal contestando esta situação”, lê-se ainda no comunicado divulgado.

As associações defendem que os “cortes de voos desta magnitude” têm um “impacto negativo nos serviços de passageiros e de carga” e, como lembram as associações, “não existe nenhum mecanismo, nacional ou internacional, para acordar tais cortes”.

“Apressar este processo poderá resultar numa ação internacional retaliatória e em novos desafios jurídicos, nomeadamente por parte dos governos que defendem os seus direitos ao abrigo de acordos internacionais e tratados bilaterais”, refere ainda o comunicado.

Caso o Governo dos Países Baixos opte por apressar a redução dos voos, haverá várias consequências, alertam a IATA, a EBAA e a ERA, que consideram que tal atitude revela “desprezo pelo escrutínio democrático e jurídico necessário a uma proposta tão altamente irregular e economicamente prejudicial”.

A insistência do executivo poderá também colocar os Países Baixos em conflito direto com os seus parceiros comerciais que defendem os seus direitos ao abrigo de acordos internacionais e tratados bilaterais, além de causar “danos significativos à economia e ao emprego”.

No entanto, caso o Governo dos Países Baixos esteja mesmo decidido a avançar com a redução de voos, as associações defendem que a União Europeia (UE) deveria “defender as suas próprias leis que exigem a aplicação rigorosa da Abordagem Equilibrada”.

“As companhias aéreas estão totalmente comprometidas em abordar as questões de ruído nos aeroportos sob um processo adequado de Abordagem Equilibrada. É essencial que qualquer decisão seja adiada até que esteja em vigor um governo plenamente funcional e responsável, com um novo mandato. Esta proposta complexa e sem precedentes poderá então ser considerada cuidadosamente, com as questões jurídicas resolvidas e todos os factos e implicações compreendidos e do domínio público, e com tempo suficiente para a indústria do transporte aéreo se adaptar”, considera Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
LATAM aumenta voos a partir de Guarulhos/São Paulo para sete destinos. Lisboa está incluída
Transportes
“Portugal Stopover” da TAP é o melhor, diz Global Traveler
Transportes
Região de Lisboa reeleita para a presidência da AG da Rota de Vinhos da Península de Setúbal
Destinos
Turismo do Algarve, Município de Lagoa e APECATE esclarecem sobre navegação nas Grutas de Benagil
Agenda
75% dos europeus preveem viajar de maio a outubro
Destinos
Johan Lundgren deixa liderança da easyJet em 2025
Aviação
Rio Grande do Sul apela aos turistas que não desmarquem, mas reagendem as suas viagens à região
Destinos
Portugal totaliza 59 praias Zero Poluição
Destinos
ESHTE celebra 33.º aniversário e anuncia novos protocolos
Emprego e Formação
Solférias destaca destino Madeira em três apresentações
Distribuição
PUB
Transportes

LATAM aumenta voos a partir de Guarulhos/São Paulo para sete destinos. Lisboa está incluída

A notícia fora avançada pelo portal brasileiro Panrotas e confirmada agora pela própria LATAM Brasil e que dá conta de um aumento de 38% no número de voos a partir do aeroporto de São Paulo, Guarulhos.

Publituris

A partir de outubro deste ano, a LATAM Airlines ampliar em 38% o número de voos internacionais para sete destinos da Europa, EUA e África do Sul. A notícia já tinha sido avançada pelo portal brasileiro Panrotas, mas ainda não tinha sido confirmada.

Agora, sabe-se que Lisboa está incluída nesta expansão de rotas, passando a capital portuguesa a receber não sete, mas oito voos semanais a partir de 28 de outubro, existindo a possibilidade de esse número aumentar para 11 a partir de 9 de dezembro.

Também as rotas para os EUA registarão um incremento como, por exemplo, a ligação entre Guarulhos e Orlando a passar de quatro para sete voos semanais, enquanto Los Angeles passa de três para quatro voos.

Já para África, nomeadamente para Joanesburgo (África do Sul), a LATAM Airlines irá passar o número de voos para cinco semanais em vez dos três atuais.

Na Europa, além do aumento de voos para Lisboa, também Milão e Roma registam uma expansão da operação, passando de cinco para seis voos semanais, enquanto a capital espanhol (Madrid) passará a receber 10 voos semanais em vez dos sete atuais.

Segundo a informação avançada pelo Panrotas, todos estes voos serão operados com recurso a aeronaves Boeing 777, com capacidade para 410 passageiros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

“Portugal Stopover” da TAP é o melhor, diz Global Traveler

O programa “Stopover” da TAP Air Portugal recebeu o prémio pela sexta edição consecutiva.

Publituris

O programa “Stopover” da TAP foi distinguido pela sexta vez consecutiva o melhor programa de “Stopover” pela revista Global Traveler, na 12.ª edição dos Leisure Lifestyle Awards.

O programa permite aos clientes da TAP viajarem para dois destinos pelo valor de um, ao incluir uma paragem de um a dez dias em Lisboa ou no Porto, a meio da viagem, na ida ou regresso, possibilitando a companhia ainda a realização de uma segunda paragem em Portugal durante o período de “Stopover”, oferecendo 25% de desconto em qualquer voo doméstico.

Os clientes “Portugal Stopover” têm acesso a ofertas exclusivas e descontos em 149 parceiros de todo o país, onde se incluem hotéis, restaurantes, atividades, passeios, museus e espaços culturais, shopping e serviços, entre outros.

Este programa da TAP Air Portugal tem como principais destinatários os mercados de longo curso da companhia, nomeadamente o brasileiro e norte-americano, mas está disponível em todos os mercados em que a TAP opera.

Refira-se que, atualmente, a companhia liga a Europa a 11 destinos no Brasil a partir de Lisboa e Porto, voando para São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Natal, Maceió, Porto Alegre, Recife e Salvador. Nas ligações à América do Norte, voa para Boston, Chicago, Miami, Newark, Nova Iorque, São Francisco e Washington, nos Estados Unidos, e Montreal e Toronto, no Canadá.

Os prémios da revista Global Traveler distinguem, anualmente, o que há de melhor no mundo das viagens de lazer e de lifestyle, premiando bens, serviços, destinos, hotéis, companhias aéreas, aeroportos, cruzeiros e muito mais. Os prémios foram atribuídos depois de um inquérito junto dos mais de 817 mil leitores entre 15 de julho de 2023 e 8 de março de 2024.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Região de Lisboa reeleita para a presidência da AG da Rota de Vinhos da Península de Setúbal

A Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa (ERT-RL) acaba de ser reeleita para a Presidência da Assembleia Geral (AG) da Rota de Vinhos da Península de Setúbal no mandato de 2024-2026.

Publituris

Na reunião eleitoral foram debatidas várias estratégias para a promoção do Enoturismo na Península de Setúbal e aprovada a adesão de mais associados à Rota de Vinhos, que conta atualmente com 50 membros.

“O enoturismo é um produto muito relevante para a Região de Lisboa e, em particular, para o Polo Turístico da Arrábida”, reconheceu Carla Salsinha, presidente da ERT-TL”, para acrescentar que a Rota de Vinhos da Península de Setúbal conta com 24 adegas associadas que, do ponto de vista da oferta turística, “confere uma identidade e diversidade de ofertas a Palmela, Azeitão, Fernando Pó, Pegões e ao espaço rural da Península de Setúbal”.

A Casa Mãe da Rota de Vinhos, localizada no Centro Histórico de Palmela, disponibiliza toda a informação sobre a Rota de Vinhos da Península de Setúbal e permiti agendar visitas às adegas. Em 2023, recebeu cerca de 55.000 visitantes, uma afirmação do impacto do enoturismo na Região de Lisboa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agenda

Turismo do Algarve, Município de Lagoa e APECATE esclarecem sobre navegação nas Grutas de Benagil

É já no próximo dia 21 de maio que o Turismo do Algarve, o Município de Lagoa e a APECATE promovem uma sessão de esclarecimento pública sobre o projeto “Edital – Instrução de Navegação em Área Marítima referente às Grutas de Benagil”.

Publituris

O Turismo do Algarve, o Município de Lagoa e a Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) vão promover uma sessão de esclarecimento pública sobre o projeto “Edital – Instrução de Navegação em Área Marítima referente às Grutas de Benagil”, dirigida às empresas marítimo-turísticas.

O evento decorrerá na próxima terça-feira, 21 de maio, às 20h00, em Lagoa e contará com a participação do Comandante do Porto de Portimão, Eduardo Luís Pousadas Godinho, com quem o setor poderá abordar e esclarecer as novas regras definidas no edital.

O objetivo principal deste edital é assegurar que a navegação, especialmente nas proximidades e acesso às Grutas de Benagil, seja realizada em condições seguras, protegendo visitantes, operadores marítimo-turísticos, a navegação geral na área e o meio ambiente.

A sessão é aberta às empresas marítimo-turísticas registadas no Registo Nacional dos Agentes de Animação Turística (RNAAT), mediante inscrição prévia.

Recorde-se que as Grutas de Benagil são uma das atrações turísticas mais visitadas na região do Algarve, conhecidas pela sua beleza natural e relevância ambiental.

Baseando-se nas recomendações do grupo de trabalho “Grutas de Benagil”, reconhece-se a necessidade urgente de regulamentar as visitas às grutas devido ao elevado número de visitantes e ocorrências. As recomendações indicam a urgência de implementar medidas de gestão prioritárias em 2024, através da publicação de um edital.

Em resposta a estas recomendações, foi elaborado o projeto de Edital/Instrução de Navegação, atualmente em fase de consulta pública até dia 10 de junho, visando recolher opiniões e contributos. Após este período, será feita a avaliação e ponderação das sugestões recebidas, com possíveis ajustamentos ao projeto.

“Esta iniciativa representa um passo significativo na promoção de uma navegação mais segura e sustentável naquela área através de processos de diálogo construtivos e informativos”, referem os organizadores desta sessão em comunicado.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

75% dos europeus preveem viajar de maio a outubro

Os dados da European Travel Commission são otimistas para este verão, antevendo que 75% dos europeus têm nos seus planos viajar. Portugal capta mais novos visitantes dos que repetentes.

Victor Jorge

De acordo com o último relatório da European Travel Commission (ETC), “Monitoring Sentiment for Intra-European Travel”, a intenção de viajar entre maio e outubro de 2024 entre os europeus inquiridos atingiu 75%, representando um aumento de 3% em comparação com o mesmo período do ano passado.

37% dos inquiridos tencionam embarcar numa única viagem e 57% estão a preparar-se para duas ou mais escapadelas durante este período. Os destinos no Sul da Europa são preferidos por 43% dos viajantes, com Itália e Espanha no topo da lista.

De resto, é a Itália que lidera as preferências entre os viajantes europeus, com 8,4%, seguindo-se a Espanha (8,1%), França (7,1%) e Grécia (6,3%), perfazendo este Top quatro praticamente 30% das preferências dos turistas europeus.

Portugal aparece em 6.º lugar, com uma 4,4%, ainda atrás da Alemanha (5,4%), mas à frente de destinos como a Croácia (4,2%), Áustria (3,4%), Reino Unido (3,3%) e Turquia (3%), países que compõem este Top 10.

Já quando se analisa a repetição da viagem, Portugal aparece destacado como um dos destinos que capta mais visitantes novos (24%), ficando somente atrás da Grécia (27%) e à frente de Espanha (16%) ou Itália (18%). Por sua vez, quando se analisa a repetição da viagem, Portugal não tem o mesmo destaque, aparecendo com 12%, ou seja, na 9.ª posição entre os 10 destinos analisados. Espanha, Grécia e França são os destinos que mais repetem as visitas, com “nuestros hermanos” a registarem uma taxa de repetição de 20%, enquanto os outros dois destinos assinalam, ambos, uma taxa de 17%.

Com o tráfego aéreo europeu agora próximo dos níveis pré-pandémicos, a intenção de voar para os locais de férias atingiu os 55%, um aumento de 5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Entretanto, 28% dos viajantes planeiam chegar aos seus destinos de carro e 13% optam por viagens mais ecológicas de comboio ou autocarro.

Europeus decididos a viajar na primavera e no verão
“Apesar das preocupações com a segurança e dos constrangimentos financeiros, os europeus estão a dar mostras de uma resiliência notável quando se trata de viajar nesta época de verão” aponta a ETC. Assim, o entusiasmo pelas viagens é transversal a todas as faixas etárias acima dos 25 anos, chegando a atingir 81% entre os viajantes mais maduros (com mais de 55 anos).

Esta determinação, associada ao desejo de garantir férias a um preço mais favorável, conduz a reservas antecipadas. Cerca de 52% dos viajantes europeus (incluindo 56% dos que têm entre 18 e 24 anos) já reservaram total ou parcialmente as suas próximas viagens.

A duração de viagem mais popular é de quatro a seis noites, preferida por 36% dos inquiridos. Segue-se a duração de sete a nove noites (26%) e mais de dez noites (21%). Os orçamentos de viagem mantiveram-se consistentes em comparação com o ano anterior, com 42% dos inquiridos a planearem gastar até 1.000 euros por pessoa na sua próxima viagem, cobrindo os custos de alojamento e transporte.

Segurança é crucial na escolha de um destino
No meio de tensões geopolíticas, fenómenos climáticos extremos e incertezas económicas, a prioridade à segurança tornou-se primordial na tomada de decisões dos viajantes. Sentir-se seguro é o critério número um na seleção de um destino (16%), seguido de um clima agradável (13%), pechinchas e ofertas atrativas (11%), comunidades locais amigáveis (9%) e custo de vida mais baixo no destino (8%).

Apesar do forte desejo de viajar, 22% dos europeus estão preocupados com o aumento das despesas de viagem e 17% estão preocupados com as finanças pessoais no atual clima económico. Além disso, as tensões geopolíticas, como o conflito na Ucrânia e a agitação no Médio Oriente, estão a aumentar as ansiedades, com 12% e 10%, respetivamente, a manifestarem inquietação. As perturbações nas opções de transporte (10%), a sobrelotação (9%) e os fenómenos meteorológicos extremos (8%) são outras fontes importantes de preocupação.

Natureza e gastronomia local no topo das preferências
Uma percentagem significativa de viajantes europeus está a preparar-se para viagens intra-regionais durante maio-junho (34%) e julho-agosto (44%). Além disso, 17% planeiam viajar em setembro e outubro. As viagens de lazer estão a aumentar, com 74% a manifestarem o desejo de se divertirem – um aumento de 5% em relação ao ano passado.

Itália e Espanha encabeçam a lista dos destinos de verão deste ano, captando cada uma 8% do interesse dos inquiridos, seguidas de perto pela França (7%), Grécia (6%) e Alemanha (5%).

Este alinhamento reflete o desejo dos europeus por viagens de sol e praia (20%) e férias na cidade (16%), que surgiram como os tipos de férias mais populares para os meses seguintes. Os viajantes europeus referem a beleza paisagística (19%) como a sua experiência de férias preferida, seguida da gastronomia local (17%), do contacto com as culturas locais (15%) e da admiração de monumentos famosos (15%).

As ferramentas digitais mais importantes para o planeamento de viagens são os motores de pesquisa (23%), os sítios web de viagens (21%) e os mapas online (16%). Apesar disso, a percentagem de europeus que utilizam ferramentas de IA e aplicações baseadas em IA para o planeamento de viagens é atualmente de apenas 4%.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

Johan Lundgren deixa liderança da easyJet em 2025

Johan Lundgren, CEO da easyJet será substituído por Kenton Jarvis à frente da companhia aérea easyJet a partir de 2025.

Publituris

O Conselho de Administração easyJet anunciou, recentemente, a substituição do atual CEO, Johan Jundgren, por Kenton Jarvis à frente da liderança da companhia aérea, a partir de 2025.

CEO da easyJet desde dezembro de 2017, Johan Lundgren conduziu a companhia, segundo salienta Chester Hester, chairman da easyJet, “através dos imensos desafios do período COVID e estabelecendo uma estratégia clara e um plano de execução sólido, conquistando clientes, acionistas e os nossos colaboradores”.

Já Kenton Jarvis está na companhia desde 2021, ocupando o cargo de CFO, cargo esse que manterá durante o período de transição e até ser encontrado um sucessor.

Lundgren refere que “há ainda coisas importantes a realizar durante o resto do ano, mas quando chegar a altura, deixarei a easyJet com um grande sentido de lealdade e de orgulho pelos progressos realizados e pelo potencial que a empresa tem para o futuro”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Rio Grande do Sul apela aos turistas que não desmarquem, mas reagendem as suas viagens à região

Perante a situação de calamidade climática que atinge o Rio Grande do Sul, o Ministério brasileiro do Turismo (MTur) apela aos turistas que tinham viagem programada para a região, que não desmarquem, mas reagendem para uma data posterior.

Para regulamentar os pacotes turísticos já vendidos para o estado brasileiro do Rio Grande do Sul, o Ministério do Turismo está a elaborar uma Medida Provisória no sentido de assegurar todos os direitos dos consumidores e, assim, garantir no futuro uma viagem segura e tranquila àqueles que desejam conhecer as belezas da região. Este apelo de remarcação das viagens surge como parte de uma campanha que visa minimizar os impactos causados pelas chuvas no estado. Entidades como a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) e a Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) estão a trabalhar em torno desta campanha.

A ação do governo brasileiro visa preservar a imagem turística do Estado, promovendo uma experiência positiva e segura para todos os visitantes. Portanto, o apelo é para que os turistas com viagens programadas para o Rio Grande do Sul entrem em contato com as agências de viagens ou companhias aéreas para reagendar os seus planos.

A imprensa brasileira avança que, nos esforços para ajudar o setor turístico gaúcho, para quando for possível reconstruir os seus atrativos, o MTur vai libertar uma verba de 100 milhões de reais através o Fundo Geral de Turismo (Fungetur), que visam conceder financiamentos a empreendedores turísticos privados afetados pelas fortes chuvas.

Este apoio do MTur envolve uma série de benefícios, como a suspensão, por até seis meses, do pagamento do crédito. Permite realizar obras e adquirir equipamentos. Podem aceder a esta linha restaurantes, cafés, bares e similares; centros ou locais destinados a convenções, feiras e exposições e similares; parques temáticos e empreendimentos dotados de equipamentos de entretenimento e lazer; marinas e empreendimentos de apoio ao turismo náutico ou à pesca desportiva.

Entretanto, o Turismo em Gramado estima um prejuízo superior a 100 milhões de reais só em maio a um setor que representa 86% da economia da cidade na Serra do Rio Grande do Sul.

Com o Aeroporto Salgado Filho fechado em Porto Alegre, pelo menos até final deste mês, e as principais estradas bloqueadas, a cidade de Gramado regista uma queda drástica de turistas e as ruas estão praticamente vazias, conforme relato da reportagem da RBS TV.

“Os números realmente são muito maus face ao que tínhamos projetado. O turismo apresentava bons resultados e o maio é um mês muito bom, o outono aqui é muito bonito. Tivemos uma redução muito significativa. Temos uma média de ocupação apenas dos 12%, enquanto o ano passado, por esta altura era pelo menos de 60%”. explica Ricardo Reginato, secretário do Turismo de Gramado, citado pelos jornais locais.

Os impactos no turismo em outras localidades ainda não foram contabilizados, mas já se teme por demissões devido à baixa de turistas e por um caminho demorado até a reconstrução do estado.

Entretanto, os turistas que estavam nas cidades quando as chuvas iniciaram, no fim de abril, conseguiram regressar aos seus locais de origem.

A expectativa é de que algumas operações possam ser recuperadas a partir de junho, a tempo de aproveitar a temporada de inverno, e também com a remarcação de alguns eventos.

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), apenas as redes de hotéis e outros alojamentos do estado empregam diretamente mais de 18 mil pessoas, sem contar o restante da cadeia de turismo e os trabalhadores informais.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Portugal totaliza 59 praias Zero Poluição

A associação ambientalista ZERO reconheceu 59 praias Zero Poluição em 31 concelhos do continente e ilhas da Madeira e Açores, mais cinco praias que em 2023 e, pela primeira vez, duas águas balneares interiores.

Publituris

Em comunicado, a ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável revela que o objetivo alcançado este ano “é verdadeiramente aquilo que à escala europeia se deseja no quadro do Pacto Ecológico Europeu, em particular no âmbito do Plano de Ação para a Poluição Zero”.

Os Açores têm 21 praias Zero Poluição, 36% do total, apresentando-se os concelhos de São Roque do Pico, nos Açores, e Vila do Bispo, no continente, com o maior numero de praias – quatro – reconhecidas.

Alcobaça, Aljezur, Faro, Lajes do Pico, Odemira, Porto Santo, Sesimbra, Tavira e Vila do Porto (Santa Maria, Açores) com três, estão também entre os concelhos líderes em número de praias Zero Poluição, de acordo com a associação.

Este ano, as praias Zero Poluição representam 9% do total das 664 águas balneares existentes, um aumento de 1%, ou seja, mais cinco praias em relação às 54 classificadas em 2023.

Todas as praias consideradas o ano passado como praias Zero Poluição estão classificadas, ao abrigo da legislação, como praias com qualidade da água “excelente”, no entanto, a ZERO alerta que “na maioria das vezes, à custa de uma única análise onde foi detetada a presença de microrganismos, mesmo que muito longe do valor-limite, deixaram de poder ser consideradas praias Zero Poluição”.

Pela positiva, a associação ambientalista destaca o facto de este ano haver na Região Autónoma dos Açores 21 Praias Zero Poluição, mais de um terço do total (36%).

“Um outro aspeto relevante é haver pela primeira vez duas praias interiores classificadas como praias Zero Poluição — Santa Clara, em Odemira, e Devesa, no Sabugal”, lê-se na nota.

Nove municípios – Calheta, Lajes do Pico, Leiria, Machico, Pombal, Ponta Delgada, Povoação, Sabugal e Santa Cruz da Graciosa – passaram também a fazer parte dos concelhos com, pelo menos, uma praia Zero Poluição.

De acordo com a associação ambientalista, pela negativa, há o destaque do concelho de Albufeira que, “apesar de ter vinte cinco praias que deverão ver validadas com uma classificação excelente” em termos de qualidade da água, teve as suas seis praias Zero Poluição de 2023 retiradas da lista este ano devido a, “pelo menos, uma análise em cada uma dessas praias que tiveram um valor superior extremamente baixo, mas superior a zero”.

Em termos de balanço, saíram da lista do ano passado 19 praias e entraram 24 novas, revela a ZERO.

Os concelhos de Albufeira, Mafra, Óbidos, Torres Vedras e Vila Real de Santo António deixaram de estar representados.

Uma praia Zero Poluição é aquela em que não foi detetada qualquer contaminação microbiológica nas análises efetuadas às águas balneares ao longo das três últimas épocas balneares.

Os ambientalistas salientam ser “extremamente difícil” conseguir um registo incólume ao longo de três anos nas zonas balneares interiores, “muito mais suscetíveis à poluição microbiológica”.

“À exceção de duas praias interiores, todas as restantes praias são costeiras. Este facto é um indicador do muito que ainda há a fazer para garantir uma boa qualidade da água dos rios e ribeiras em Portugal, o que requer esforços adicionais ao nível do saneamento urbano e das empresas”, refere a associação.

Uma praia Zero Poluição é assim denominada a partir de dados da Agência Portuguesa do Ambiente, em que são identificadas as praias que, ao longo das três últimas épocas balneares (no caso, 2021, 2022 e 2023), não só tiveram sempre classificação “Excelente” como apresentaram valores zero ou inferiores ao limite de deteção em todas as análises efetuadas aos dois parâmetros microbiológicos controlados e previstos na legislação (Escherichia coli e Enterococos intestinais).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

ESHTE celebra 33.º aniversário e anuncia novos protocolos

A Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) assinalou o seu 33.º aniversário de olhos postos no futuro, mantendo-se na vanguarda da inovação. Colaboração com o maior grupo mundial de lacticínios é uma das novidades apresentadas durante as comemorações.

Publituris

Instituição pioneira na formação de profissionais para o setor, com um índice de empregabilidade de 96%, a ESHTE aproveitou a data de celebração dos 33 anos de existência para apresentar diversas novidades, importantes para o seu percurso.

Celebrando as conquistas do passado e projetando um futuro de contínua projeção nacional e internacional, a instituição aposta, entre outras dimensões, na celebração de protocolos com outras entidades de relevo.

Nos últimos dias, por exemplo, foram definidas as bases formais para a colaboração com a multinacional francesa Lactalis, o maior grupo mundial de lacticínios – através das suas subsidiárias Lactalis Portugal e Parmalat Portugal -, que engloba a formação de equipas internas ou externas à empresa, o desenvolvimento de conteúdos ou de projetos colaborativos de I&D (Investigação e Desenvolvimento), entre outros parâmetros.

Ainda nas áreas de produção alimentar em restauração e gastronomia, a ESHTE celebrou igualmente protocolos recentes com a Agenda Mobilizadora InsectERA, que explora a utilização de insetos como fonte nutricional alternativa saudável e sustentável; com o Instituto Politécnico de Bragança, no âmbito do projeto CERTRA – Desenvolvimento de cadeias de valor de cereais tradicionais; ou com a marca Terras de Cascais, ao nível do aproveitamento de excedentes de produção de tomate, figo e ervas aromáticas, bem como no desenvolvimento de produtos alimentares a partir do excedente de curgete.

Sob a tutela do Ministério da Educação, Ciência e Inovação, conta atualmente com cerca de dois mil estudantes – entre frequentadores de Licenciaturas, Formações Avançadas, Mestrados, Doutoramento em parceria e Cursos PRR – e tem realizado sucessivos investimentos na melhoria das instalações.

Nesse capítulo, a ESHTE irá beneficiar da utilização dos espaços disponíveis no inovador Centro de Incubação de Base Tecnológica (CIBT), recentemente inaugurado, garantindo melhores condições de trabalho para os cerca de 150 docentes.

Ao longo destes 33 anos de história, a Escola “tem desempenhado um papel fundamental no desenvolvimento do cluster do turismo, da hotelaria e da restauração, fruto de uma riqueza que tem sabido potenciar, e tem sido um farol de conhecimento e de competência, como atesta aliás a certificação dos nossos cursos pela Organização Mundial de Turismo”, explicou João Reis, vice-presidente da instituição, durante as comemorações do 33.º aniversário.

O responsável anunciou que “está nesta altura em marcha o processo de reformulação de todos os cursos da ESHTE, de licenciaturas e mestrados, para nos mantermos na vanguarda e continuarmos a providenciar uma formação de excelência”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Solférias destaca destino Madeira em três apresentações

O destino Madeira vai estar em destaque em três apresentações (Porto, Coimbra e Lisboa) promovidas pelo operador turístico Solférias.

Publituris

O operador turístico Solférias e a Associação de Promoção da Madeira convidam os agentes de viagens para as apresentações exclusivas que irão revelar “os encantos da Madeira, um destino com paisagens arrebatadoras, cultura vibrante e gastronomia deliciosa”.

As apresentações terão lugar nos dias 4, 5 e 6 de junho, no Porto, em Coimbra e em Lisboa, respetivamente, e prometem “uma viagem inesquecível” àquele destino.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.