Assine já
Free Stock photos by Vecteezy
Destinos

Recuperação total das viagens de negócios apontada para 2024

Depois de uma performance que ficou aquém do esperado em 2021, a Global Business Travel Association prevê que as viagens de negócios só recuperem totalmente em 2024.

Victor Jorge
Free Stock photos by Vecteezy
Destinos

Recuperação total das viagens de negócios apontada para 2024

Depois de uma performance que ficou aquém do esperado em 2021, a Global Business Travel Association prevê que as viagens de negócios só recuperem totalmente em 2024.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
ARAC espera 350 participantes na III Convenção Nacional
Homepage
BTL em contagem decrescente para a abertura
Homepage
Nova edição: Entrevistas a Ana Mendes Godinho, Luís Pedro Martins (Turismo Porte e Norte) e a Diogo Assis (Voqin)
Destinos
Primeira unidade da Casual Hoteles em Portugal abre este mês
Homepage

Um inquérito realizado pela Global Business Travel Association (GBTA) prevê que a recuperação total das viagens de negócios só acontecerá em 2024, depois de, em 2021, essa recuperação ter sido a um ritmo mais lento do que o esperado e acontecer de forma gradual em 2022.

Os resultados do 13.º Outlook da GBTA, cobrindo 73 países e 44 setores de atividade, concluiu que depois de uma quebra de quase 54% nos gastos, caindo para 661 mil milhões de dólares (cerca de 585 mil milhões de euros), em 2021 os dados indicam uma recuperação de 14% para 754 mil milhões de dólares (acima dos 665 mil milhões de euros), com esta recuperação a dar-se mais lentamente que o previsto no Outlook publicado em fevereiro deste ano.

A América do Norte, mais concretamente, os EUA, lideraram a recuperação, com as receitas a subirem 27%, em 2021, indicando o relatório da GBTA crescimentos na ordem de 15 a 20% em mercados como a América Latina, Médio Oriente e África, e Ásia-Pacífico.

Já a Europa ficou atrás do resto do mundo, registando uma subida de apenas 10%, com a situação na Europa Ocidental a ser pior com quebras de 3,8% em relação aos níveis de 2020. De acordo com o GBTA, isso deve-se ao “baixo desempenho logo no início do ano”, prevendo-se, no entanto, que a procura por viagens de negócios na região supere a maioria das outras partes do mundo.

Apesar desse início lento, os inquiridos preveem um aumento anual de 38% nos gastos em 2022, à medida que a recuperação das viagens e a procura reprimida aumentem, trazendo os gastos com viagens de negócios globais para mais de um bilião de dólares (cerca de 885 mil milhões de euros).

Previsto está que essa tendência continue em 2023, com os gastos a aumentarem 23% à medida que regressam mais viagens internacionais e em grupo.

Até o final de 2024, os números apontados pelo Outlook da GBTA indicam uma recuperação completa para um pouco acima dos níveis pré-pandêmicos, na ordem dos 1,5 biliões de dólares, ou seja, ligeiramente acima dos 1,3 biliões de euros, prevendo-se que, em 2025, o mercado entre numa velocidade de cruzeiro de crescimento de 4%.

A GBTA reconhece, contudo, que “os desafios permanecem no caminho para a recuperação”, com os profissionais inquiridos a apontar fatores como “ameaças e disrupções persistentes relacionadas a COVID”, bem como “problemas da cadeia de abastecimento, escassez de mão de obra, aumento da inflação, aumento de custos e atraso na recuperação nos mercados asiáticos” como principais riscos para recuperação deste mercado.

 

<a href=”https://www.vecteezy.com/free-photos”>Free Stock photos by Vecteezy</a>

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
Meeting Industry

“A relevância do segmento MICE para a região é hoje inquestionável”, João Fernandes

Propondo uma larga variedade de experiências e uma grande diversidade de produtos turísticos junto de vários mercados, o Algarve transforma-se num destino de referência no segmento MICE. Espaços também não faltam.

O presidente do Turismo do Algarve, João Fernandes, explica nesta entrevista as mais-valias da região para acolher este nicho de mercado, considerado importante para a verdadeira retoma do setor.

Hoje já se pode dizer que o Algarve não é só destino de sol e praia, mas também de MICE? O que representa já para o Algarve?
O Algarve é, cada vez mais, percecionado como um destino com uma oferta abrangente e uma larga variedade de experiências, capaz de dar resposta a diferentes tipos de motivação durante todo o ano. Esta perceção resulta de um esforço de promoção que o Turismo do Algarve tem vindo a fazer em torno do desenvolvimento de uma grande diversidade de produtos turísticos, junto dos diferentes mercados, e que nos tem permitido atenuar a sazonalidade e dinamizar a procura no interior da região.

O segmento MICE surge também, naturalmente, integrado nesta estratégia, assumindo uma posição relevante, na medida em que o Algarve está já numa fase de consolidação do seu posicionamento enquanto destino privilegiado para acolher a receção e organização de todo o tipo de eventos profissionais.

Qualidade e diversidade das infraestruturas
O Algarve já apresenta espaços diferenciadores para a organização de eventos?
Para além do clima e da segurança da região, são já reconhecidas, tanto a nível nacional como internacional, a qualidade e a diversidade das infraestruturas existentes, as facilidades de acesso à região e a multiplicidade de ambientes inspiradores que o destino consegue emprestar a cada evento. A estas valências junta-se um outro argumento que tem vindo a ganhar uma relevância crescente na distinção do Algarve como destino único e completo: as inúmeras experiências e atividades surpreendentes que a região consegue proporcionar a quem a visita.

Esta componente da experiência é, cada vez mais, um fator decisivo para o sucesso de qualquer evento. Todos os profissionais desta área procuram tornar os seus eventos inesquecíveis, proporcionando aos participantes momentos únicos que fiquem na memória. Neste campo, o Algarve surge em vantagem, na medida em que há um empenho coletivo, por parte de todos os agentes do setor, para tornar a estadia de quem nos visita cada vez mais rica, através de uma série de experiências autênticas e emocionais, muito focadas na interação com aquilo que é a cultura, a história e as tradições da vida local.

Paralelamente, temos vindo também a integrar na estratégia de promoção do destino atributos como o capital intelectual da região, a investigação científica desenvolvida pela Universidade do Algarve e o trabalho inovador levado a cabo por empresas tecnológicas locais, como forma de atrair públicos específicos que possam visitar o Algarve em contexto de trabalho.

Tendo em conta a sua relevância e potencial para atrair a captação de eventos e visitas profissionais, temos intensificado a nossa aposta em nichos estratégicos como empresários e empreendedores de todo o mundo, viajantes com interesses científicos, investidores ou nómadas digitais. Durante a pandemia, tivemos a oportunidade de assistir a um aumento significativo de profissionais internacionais que escolheram o Algarve como local de eleição para poderem trabalhar de forma remota. Estando a região dotada de todos os recursos tecnológicos necessários e tendo em conta a qualidade da oferta do destino, o Algarve está a tornar-se num destino atrativo para este tipo de turistas. O número de trabalhadores remotos na região tem vindo a aumentar de forma progressiva e a nossa expectativa é a de que esta tendência se mantenha, permitindo ao Algarve afirmar-se como um destino multicultural, dinâmico, propício à inovação e ao desenvolvimento do conhecimento.

A relevância do segmento MICE para a região é hoje inquestionável, na medida em que também ele contribui para alavancar e fortalecer o tal posicionamento de destino abrangente e de qualidade diferenciada que pretendemos para o Algarve.

O que propõe o Algarve nesta matéria? Que espaços de referência podem ser destacados?
O vasto leque de opções que o destino oferece, em termos de venues, cenários e de experiências, faz com que qualquer profissional que esteja a planear a escolha do local para a realização do seu evento consiga perceber, facilmente, a excelente capacidade de resposta que o Algarve tem para a organização de qualquer tipo de iniciativa, permitindo a realização de “eventos à medida”.

Para além de uma capacidade de 75 mil lugares sentados, distribuídos por diversos locais adequados para a receção de congressos, convenções, encontros, incentivos ou até eventos culturais e desportivos, a região apresenta ainda, como oferta complementar, mais de 40 campos de golfe, cinco marinas, um autódromo reconhecido e aprovado pela FIA, 119 praias ou 8 restaurantes com estrela Michelin. Esta multiplicidade de palcos surpreendentes é, indiscutivelmente, um argumento apetecível no processo de tomada de decisão.

Photo Paulo Maria / ACP

Dependendo da natureza e da dimensão do evento, o Algarve disponibiliza vários locais de referência, entre os quais o Centro de Congressos do Algarve, em Vilamoura, o Palácio de Congressos do Algarve, a Herdade dos Salgados e o Portimão Arena (indicados para eventos multifacetados que exijam alguma versatilidade e flexibilidade de opções); o estádio do Algarve e o Autódromo Internacional do Algarve (ideais para grandes espetáculos e eventos desportivos); o auditório romano do Sítio das Fontes, em Estômbar (um cenário perfeito para pequenos eventos ao ar livre, em comunhão com a natureza); e os vários centros culturais, como a Galeria de Arte do Convento do Espírito Santo, a Biblioteca Municipal Álvaro de Campos, o Centro Cultural António Aleixo ou Centro Cultural de Vila do Bispo (direcionados para eventos mais intimistas). Estes são apenas alguns exemplos, não podendo também deixar de referir a diversidade de espaços oferecidos pelos principais hotéis da região.

Perspetivas de retoma
Já se sente alguma recuperação em relação a este segmento? Nacionais, internacionais?
A concretização de vários eventos no Algarve, durante os primeiros quatro meses deste ano, veio confirmar as

perspetivas que tínhamos de retoma da procura do destino para eventos presenciais, algo que aconteceu mais timidamente em janeiro e fevereiro e de forma já mais expressiva em março e abril.

Assistimos a uma recuperação significativa por parte dos mercados internacionais. A avaliar pelo elevado número de pedidos que já recebemos, para este ano e para o 1.º semestre de 2023, prevemos que 2022 seja bastante positivo para o segmento MICE no Algarve.

O Turismo do Algarve também está a apostar na captação de eventos profissionais de luxo para a região. O que se pretende concretamente?
O Turismo do Algarve considera que os eventos profissionais de luxo, sobretudo os incentivos e os board meetings, são um nicho estratégico, com um elevado potencial, para a consolidação do posicionamento do Algarve enquanto destino com uma oferta de qualidade diferenciada face à concorrência.

Quer estejamos a falar num contexto de férias de lazer ou de viagens de trabalho, o nosso objetivo é atrair e reunir no Algarve viajantes que sejam apreciadores de um turismo diferenciador, baseado em experiências autênticas e surpreendentes. Acreditamos que este é um pilar chave para o desenvolvimento de um turismo mais sustentável, que ambicionamos para a região.

Desta forma, através da captação deste tipo de iniciativas, pretendemos promover o Algarve como uma referência no segmento das viagens de luxo, dando a conhecer as ofertas de caráter exclusivo e distintivo, que o tornam num destino único, reconhecido e premiado a nível global.

Acreditamos que o Algarve tem todas as condições para inspirar e surpreender os profissionais mais exigentes, que procuram os melhores locais para planear o seu evento.

Mantemos ainda o objetivo de captar pelo menos um evento B2B por ano, direcionado ao segmento MICE”

Grandes eventos ajudam a promoção do destino
São eventos como o Grande Prémio de Portugal – MotoGP, que o Algarve pretende captar? Qual foi o impacto direto e indireto deste último evento que decorreu em Portimão? Está garantida a sua realização nos próximos anos? E a Fórmula 1, é uma hipótese?

Não só, mas também. Ainda que o nosso principal foco esteja na captação de eventos da chamada Meeting Industry, os grandes eventos internacionais que têm vindo a integrar, de forma regular, a agenda da região nos últimos tempos tornaram-se já importantes ativos na estratégia de promoção do Turismo do Algarve.

Não apenas pelo impacto económico que representam para a região, mas também pela notoriedade e projeção globais que conferem ao destino, este tipo de iniciativas permitem-nos demonstrar que o Algarve é um destino seguro, capaz de resposta aos elevados padrões exigidos, com um conjunto de infraestruturas de apoio de uma enorme qualidade e com uma oferta turística diversificada que enriquece a estadia de quem nos visita.

A captação destes grandes eventos globais gera um aumento muito significativo da procura externa e, tendo em conta que estes se realizam em época baixa, é inegável a importância que assumem na promoção de um destino com as características do Algarve. Sem esquecer que, adicionalmente, estes eventos servem também de argumento para a captação de incentivos organizados em torno do objetivo de assistir a esses mesmos espetáculos. Este tipo de ações são contratadas, sobretudo, por patrocinadores dos eventos e por marcas associadas à temática em questão.

Estamos focados em dar continuidade a esta estratégia e, para além destas iniciativas de grande escala e repercussão internacional – como o Grande Prémio de Portugal – MotoGP, a Fórmula 1 ou o Portugal Masters -,  pretendemos também acolher na região outro tipo de eventos como campeonatos internacionais de vela, torneios de hipismo, entre outras modalidades desportivas, sem descurar, naturalmente, aqueles que fazem parte do trabalho diário da Associação Turismo do Algarve (ATA), que são os eventos MICE.

Em relação ao impacto da última edição de Moto GP que decorreu em Portimão, o apuramento final ainda não está fechado, mas estimamos que, em termos de impacto direto, decorrente da presença de todas as equipas (equipas Moto GP, Moto2 e Moto3; jornalistas; membros internos e externos da organização, que representaram um total de, aproximadamente, 3.650 pessoas), dos espectadores e das aquisições a fornecedores regionais, estaremos a falar de um valor próximo dos 28 M€. Se considerarmos uma análise mais lata, incluindo os impactos indiretos e induzidos, poderemos alcançar valores superiores a 50 M€.

Estamos, neste momento, a trabalhar em conjunto com o Autódromo internacional do Algarve, o Governo, a Câmara Municipal de Portimão e o Turismo de Portugal, entre outros parceiros, para que a realização desta prova se mantenha no Algarve nos próximos 3 a 5 anos.

Quanto à Fórmula 1, a hipótese continua em cima da mesa e está dependente de um esforço nacional coordenado: “fingers crossed”!

Aposta em comunicação direcionada
Que campanhas ou outras ações estão a ser levadas a cabo pelo Turismo do Algarve com vista à reativação do MICE na região?

Tendo em conta a especificidade do segmento MICE e a oferta tailor-made que o mesmo envolve, apostamos numa comunicação muito direcionada.

Neste âmbito, temos intensificado o contacto direto com clientes, decisores e influenciadores, através de uma divulgação regular de todas as novidades do destino e de informação relevante para o setor, como, por exemplo, a linha do programa Portugal Events, que apoia a captação de eventos associativos e corporativos.

Paralelamente, continuamos a investir na participação em workshops e feiras, selecionados de forma estratégica, e na organização e apoio à realização de visitas de inspeção e press trips de órgãos de comunicação especializados.

Seguindo a estratégia definida pela Associação Turismo do Algarve (ATA), mantemos ainda o objetivo de captar pelo menos um evento B2B por ano, direcionado ao segmento MICE, como forma de dar a conhecer o destino in loco aos profissionais deste setor. Para este ano, está já confirmada a realização do Portugal Business Meetings, evento dedicado exclusivamente a buyers franceses, que terá lugar em Vilamoura, de 20 a 22 de novembro.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Dossier relacionado
Especial MICE
Powered by
Meeting Industry

Desafios à criatividade

Superar as expectativas dos seus clientes e entregar soluções únicas e adequadas a cada cliente, ao seu evento e ao seu orçamento, são os objetivos primeiros das empresas que produzem e fornecem equipamentos para eventos, num permanente desafio à criatividade. É o caso da GR8 Events e da AVK, com quem falámos.

A event manager da GR8 Events, Mariana Cardoso faz uma radiografia da empresa e considera que “somos uma equipa unida, multifacetada, que adora responder a desafios e de pensar nos eventos de forma diferente e inovadora, para realçar que “o nosso objetivo principal é superar as expectativas dos nossos clientes a todos os níveis – desde a criatividade à implementação. É por isso que temos uma equipa tão diversa e capaz de responder aos briefings que nos chegam”.

A responsável adianta que “aliamos a criatividade à logística. A inovação à implementação. Pensamos e produzimos congressos, reuniões, team buildings, ativações de marca… O céu é o limite”.

Já Inês Aguiar, administradora e diretora comercial da AVK conta-nos que a empresa iniciou a sua atividade em 2010, “com base numa estrutura acionista com elevado conhecimento no setor e num conjunto de trabalhadores com a maior experiência e competência do mercado. Assim, “conseguimos, com o nosso conhecimento, especialização, experiência e equipamento avançado, ganhar a confiança dos nossos clientes e tornar-nos rapidamente o fornecedor líder de soluções audiovisuais para eventos em Portugal”, comprometendo-se “a entregar soluções únicas e adequadas a cada cliente, ao seu evento e ao seu orçamento”.

Os serviços da AVK estão focados em soluções audiovisuais para eventos (congressos, conferências, reuniões e eventos corporativos, televisivos, culturais, desportivos, políticos, etc.) “onde a confiança, a inovação, a criatividade e o trabalho em parceria sejam exigências dos respetivos promotores ou organizadores”.

Chegou a hora da recuperação
Passados os anos de sufoco causados pela pandemia, para Mariana Cardoso, este segmento está a recuperar. Conforme disse, “cada vez mais chegam pedidos para eventos para 200, 300, 400, 10.000 participantes. Nota-se que há uma vontade de voltar a reunir os colaboradores, as pessoas. De criar relações” destacando que “os eventos digitais são uma peça fundamental, e vieram para ficar, mas não há nada que substitua o contacto presencial de um evento físico (ou híbrido como será daqui adiante o futuro).

A event manager sublinhou que tanto a nível nacional, como internacional, “os pedidos chegam de todos os lados, de todos os setores, de vários locais”. Daí as expectativas serem altas, apontando que “tivemos um grande primeiro ano. Uma agência acabada de chegar ao mercado, com tudo por provar, e que mostrou bem aquilo de que é capaz”.

E disse ainda que “angariámos novos clientes, ganhámos propostas, realizámos evento digitais e híbridos. E ganhámos três prémios internacionais com o evento Velo-city 2021! Foi um ano sem parar, diria mesmo GR8. Superámos as expectativas do primeiro ano e 2022 caminha no mesmo sentido e ainda vai ser melhor”, assegura.

Na GR8 Events, certo é que os eventos “nunca serão como eram antes da pandemia. Antes já se fazia streaming dos eventos, não foi uma realidade que descobrimos com a Covid. Mas era sempre algo acessório. A pandemia fez-nos perceber que há um mundo digital que nem tínhamos bem noção, para não falar das possibilidades e oportunidades que nos trouxe. Acredito que não haverá mais eventos apenas físicos. Haverá sim, eventos híbridos em que temos a maior parte da plateia presencial, mas haverá sempre uma parte que estará a partir de casa. Seja a assistir ou mesmo a participar. Agora é tão simples como fazer log-in numa plataforma. E isso é insubstituível” salientou Mariana Cardoso.

Positivas são também as perspetivas da AVK para este ano, pese embora a crise pandémica ainda se ter sentido fortemente no 1.º trimestre. Na opinião de Inês Aguiar, “esperamos uma forte recuperação da atividade apesar do ambiente atual de alguma incerteza em termos mundiais”.

No entanto, “temos reservas que correspondem já a um ano normal, em especial a nível de eventos internacionais, embora se verifique ainda algum atraso nas confirmações”.

O que não mudou com a pandemia foi o perfil dos clientes da AVK até porque em geral, segundo a administradora e diretora comercial da empresa “se trata de médios e grandes eventos, muitos que se repetem ano após ano, mantendo-se a relação de confiança conquistada ao longo dos anos que temos de atividade”.

A questão preço é o que prevalece mais? Questionámos a responsável, que respondeu que “a opção pela AVK pressupõe da parte do cliente uma preferência pela confiabilidade e pela qualidade dos nossos serviços pelo que a questão dos preços não é a mais relevante. Sabemos que a otimização orçamental é um desafio para os nossos clientes, e procuramos responder-lhe com o ajustamento dos nossos preços, sem pôr em causa a capacidade de inovação tecnológica permanente e a qualidade dos serviços”, frisou Inês Aguiar.

Nada será como antes…
No setor dos eventos, tanto do lado de quem os realiza, ou de quem os produz, subsistem constrangimentos. Para a event manager da GR8 Events, “apesar de as regras relativamente à pandemia estarem “mais leves”, a Covid-19 não desapareceu e há sempre medo de que tudo volte atrás. Todos os cuidados são poucos, por isso todos os nossos eventos são pensados de A-Z, tendo sempre como backup a certeza de que poderá ser preciso ajustar tudo à última da hora. A incerteza do amanhã acredito que seja o maior constrangimento”.

Tendo nascido com a pandemia, a GR8 Events não quis ser apenas mais uma agência de eventos. “Quisemos mostrar o nosso valor, quisemos trazer para cima da mesa uma agência capaz de responder ao que os clientes mais procuram: criatividade e implementação – tudo num só lugar. E assim tem sido desde o início”.

Mariana Cardoso explica que “sempre que recebemos um briefing o primeiro pensamento é: o que podemos fazer de diferente? O que podemos fazer que nunca foi feito?”.

Se por um lado a event manager considera que as ajudas do Governo ao setor não terão suficientes, por outro, numa altura que se está a “voltar à realidade”, “há falta de mão-de-obra qualificada. Há falta de material. Há falta de resposta. E há muitos eventos a quererem ser feitos. A pouco e pouco voltaremos ao ritmo de antes, mas não sei se será com apoios ao setor. Será com o apoio e entreajuda de todos: clientes – agências – fornecedores – parceiros. E tudo porque partilhamos a mesma paixão: fazer eventos”.

Por sua vez, a AVK teve o apoio público que foi disponibilizado às empresas deste setor. A administradora da empresa apontou que “este apoio foi muito importante para nos ajudar a ultrapassar esta grave crise sem termos que reduzir o nosso quadro permanente de colaboradores e permitiu manter a robustez financeira da empresa”.

Aposta em nova oferta
A repentina impossibilidade de realização de eventos já programados e contratados e de novos eventos (salvo por curtos períodos e pequeno número de participantes) exigiu uma rápida resposta da AVK no encontro de soluções de reuniões à distância, pouco desenvolvidas neste segmento das reuniões de maior dimensão.

Neste sentido, durante a crise, a AVK “apostou fortemente numa nova oferta passando a dispor de dois estúdios nas suas instalações equipados com a mais recente tecnologia disponível para eventos virtuais / híbridos. Um estúdio Chroma e outro XR – Extended Reality. Destaco o estúdio mais inovador e onde fizemos o maior investimento e realizamos os eventos de maior impacto, o Estúdio XR, com 300 m2, cenário de Led com 14m x 3.5m resolução P2, chão de Led 12m x 5m resolução P4, AR – realidade aumentada, cenários físicos, servidores de renderização de cenários 3D em tempo real, sistema multicâmara com tracking e integração para streaming”, esclareceu Inês Aguiar.

A empresa está já “a investir fortemente em novos equipamentos e em reforçar a quantidade disponível nos que têm maior procura, procurando novas soluções e o aumento da eficiência energética e simultaneamente reforçar a nossa equipa técnica, que constitui o nosso principal ativo”, destacou a administradora da AVK.

Isto porque, para a AVK, “cada evento é único e um desafio à nossa criatividade. Temos um compromisso permanente com os nossos clientes para encontrar a melhor solução para as suas ideias e o seu orçamento, com paixão e qualidade, independentemente do tipo e dimensão do evento. Dispomos de equipamento e de técnicos que nos permitem responder a qualquer desafio”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Hotelaria

Grupo Pestana regressa aos lucros com 23 milhões de euros

Depois de um ano de 2020 negativo, o Pestana Hotel Group (PHG) regressou aos lucros, obtendo um resultado líquido de 23 milhões de euros. Já as receitas passaram para 295 milhões, enquanto o EBITDA ultrapassou os 96 milhões. O mês de abril de 2022 já foi melhor que 2019.

Victor Jorge

Os resultados líquidos referentes ao exercício de 2021 do Pestana Hotel Group (PHG), apresentados esta quarta-feira, dia 18 de maio, voltaram a números positivos, registando lucros de 22,9 milhões de euros, contra os 32,2 milhões de euros negativos alcançados em 2020, mas ainda longe dos 79,4 milhões obtidos no melhor ano de sempre do maior grupo hoteleiro português, em 2019.

No que diz respeito ao volume de vendas, o crescimento foi de 113,7 milhões de euros, passando de 181,7 milhões, em 2020, para 295,4 milhões de euros, em 2021, mas, também aqui, ainda aquém dos 418,8 milhões de euros alcançados no último ano pré-pandémico.

Já no EBITDA, o grupo apresentou, para o exercício de 2021, 22,9 milhões de euros face aos 33,7 milhões de 2020, triplicando, assim, este valor. No exercício de 2019, o EBITDA obtido pelo grupo foi de 161,8 milhões de euros.

Na conferência de imprensa que marcou a apresentação de resultados do grupo Pestana, José Teotónio, CEO do PHG, admitiu que “cada ano de pandemia parecia um século”, fazendo referência ao desempenho variável do exercício. “O ano de 2021, em termos turísticos começou, basicamente, em maio”, admitiu José Teotónio, revelando que “se até maio tivemos muito pouca atividade, tivemos uma abertura no quinto mês do ano, mas que depois voltou a cair, com a situação dos britânicos, para voltar a crescer nos meses de verão. Depois veio a variante Ómicron e, em novembro, tudo voltou tudo a fechar”, salientou o responsável do grupo.

“Comparado com 2020, sem dúvida que 2021 foi melhor, mas ficámos, naturalmente, longe de 2019”, destacando José Teotónio que “2021 ficámos a 45 a 50% de 2019”.

Considerando que os números de 2021 “não são um grande resultado, mas, dadas as circunstâncias, termos regressado aos resultados positivos já é muito bom”, confidenciou José Teotónio.

Destacando que, em fevereiro de 2020 o grupo abriu o 100.º hotel para “fechá-lo 39 dias depois” [unidade de Nova Iorque], José Teotónio revelou que o grupo já tem, atualmente, todas as unidades (re)abertas).

Regressando, no entanto, a 2021, e com o mercado nacional a dar “um forte contributo em termos de reservas”, o grupo teve nos destinos de resort, com destaque para o Porto Santo e o Algarve, os pontas de lança na recuperação, contrapondo o desempenho dos destinos citadinos que “levaram e deverão levar mais tempo a recuperar”, segundo o CEO do grupo.

De resto, o PHG manteve as aberturas previstas para 2021 e 2022, com as nove unidades que estavam em pipeline, admitindo José Teotónio que, “com a pandemia, não tínhamos muito interesse em acelerar estes processos”. Assim, ao longo destes dois anos, foram acrescentados cerca de 1.000 quartos à oferta existente: Pousada de Vila Real de Santo António (Algarve), Pestana Vintage (Lisboa), Pousada do Porto-Flores (Porto), Pestana Fisherman (Maderia), Pestana CR7 Gran Vía (Madrid, Espanha), Pestana CR7 Times Square (Nova Iorque, EUA), Pestana Tânger (Marrocos), todos em 2021, continuando as aberturas em 2022 com o Pestana CR7 Marrakech (Marrocos) e Pestana Douro Riverside (Porto).

“Temos todos os hotéis abertos, o que é um contentamento, mas também um desafio. Agora é colocá-los no mapa”, antevendo com “boas perspetivas” o verão que está a chegar, mas sinalizando a guerra que se está a desenrolar a Leste “e ainda a COVID que parece que acabou, mas ainda aí está”.

Para 2022, José Teotónio acredita que, numa perspetiva Like-for-Like (LfL), ou seja, contabilizando a mesma operação que existia em 2019, “deveremos ficar a 85 a 90%, mas no total, estimamos um 2022 semelhante ou mesmo superior a 2019, o melhor ano de sempre do grupo”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Receitas turísticas de março já ultrapassaram período pré-pandemia

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.176,00 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 5,3% face a igual mês de 2019, de acordo com os dados divulgados esta quarta-feira, 18 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Inês de Matos

As receitas provenientes da atividade turística somaram 1.176,00 milhões de euros em março, valor que traduz um aumento de 5,3% face a igual mês de 2019, o último ano antes da chegada da pandemia, quando este indicador tinha ficado nos 1.117,25 milhões de euros, de acordo com os dados revelados esta quarta-feira, 18 de maio, pelo Banco de Portugal (BdP).

Os valores divulgados pelo BdP indicam que, face a março de 2021, o crescimento das receitas turísticas, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, foi bem mais expressivo, uma vez que, em mês homólogo do ano passado, o país estava ainda a sair do segundo confinamento, pelo que o crescimento foi de 343,2% face aos 265,34 milhões de euros apurados em março do ano passado.

Em comparação com março de 2020, ano em que a COVID-19 chegou a Portugal e obrigou ao primeiro confinamento a partir de meados desse mês, o crescimento das receitas turísticas chega aos 93,9%, já que o montante apurado nessa altura tinha sido de 606,48 milhões de euros.

Apesar das notícias positivas nas receitas turísticas, março ainda não trouxe um crescimento das importações do turismo, que se encontram pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, uma vez que este indicador somou 264,81 milhões de euros, o que traduz uma descida de 14,8% face aos 310,86 milhões de euros apurados em março de 2019.

Apesar disso, o valor das importações do turismo ultrapassou os dois últimos anos, ficando 56,1% acima dos 169,66 milhões de euros apurados em março de 2020 e 89,3% acima dos 139,91 milhões de euros relativos a março de 2021.

Já o saldo da rubrica ‘Viagens e Turismo’ somou, em março, 911,19 milhões de euros, valor que também traduz um aumento de cerca de 13% face aos 806,39 milhões de euros apurados em igual mês do último ano antes da pandemia.

Em comparação com março de 2020 e 2021, o crescimento do saldo das ‘Viagens e Turismo’ é ainda mais expressivo, traduzindo aumentos de 108,6% face aos 436,82 milhões de euros de mês homólogo de 2020, e 626,5% na comparação com os 125,43 milhões de euros de março de 2021.

“As exportações e as importações de viagens e turismo cresceram, em termos homólogos, respetivamente, 343,2% e 89,3%, permitindo que o excedente desta rubrica aumentasse 786 milhões de euros. As exportações superaram em 5% o valor de março de 2019, enquanto as importações se situaram 15% abaixo do valor observado nesse mês”, resume o BdP, no comunicado divulgado.

No acumulado dos três primeiros meses de 2022, as receitas turísticas somam já 2.725,88 milhões de euros, valor que fica 223,1% acima do apurado em igual período do ano passado e que traduz um aumento de 6,8% face ao acumulado dos três primeiros meses de 2020.

Em relação ao primeiro trimestre de 2019, quando o valor acumulado das receitas turísticas tinha sido de 2.876,71 milhões de euros, continua, no entanto, a registar-se uma descida de 5,2%.

Já no que diz respeito às importações, no acumulado dos três primeiros meses o montante é de 696,78 milhões de euros, valor que fica 18,2% abaixo de igual período pré-pandemia, quando chegava aos 852,08 milhões de euros. Face ao acumulado de 2020 e de 2021, o resultado é, no entanto, distinto, já que traduz uma redução de 7,2% face aos 747,19 milhões de euros de 2020 e um aumento de 46,4% face aos 373,49 milhões de euros de igual período de 2021.

No que diz respeito ao acumulado do saldo desta rubrica, o valor está nos 2.029,1 milhões de euros, o que indica que, face a igual período de 2019, também houve um aumento, ainda que tenha sido de apenas 0,2%, para 2.024,63 milhões de euros. Face ao acumulado do primeiro trimestre de 2020 e 2021, o aumento foi de 12,4% e 331,6%, respetivamente.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Emirates retoma segundo voo diário para Lisboa em julho

Informação foi divulgada pelo Turismo do Dubai esta terça-feira, 17 de maio, durante uma apresentação em Lisboa, que deu a conhecer as novidades do destino.

Inês de Matos

A Emirates vai retomar em julho o segundo voo diário entre a capital portuguesa e o Dubai, revelou esta terça-feira, 17 de maio, Cibele Moulin, gerente sénior de Operações Internacionais do Turismo do Dubai.

“Estamos com um voo diário da Emirates, é um voo direto de Lisboa para o Dubai, e agora, a partir de julho, a Emirates retoma o segundo voo diário”, revelou a responsável, que esteve em Lisboa para apresentar o destino Dubai aos jornalistas portugueses.

De acordo com Cibele Moulin, com a retoma da segunda frequência diária entre Lisboa e o Dubai, que tinha sido suspensa com a chegada da pandemia, o número de ligações aéreas entre Portugal e o Dubai já está “quase no nível que existia antes da pandemia”, faltando apenas a retoma do voo do Porto.

“Antes, a Emirates voava do Porto também e, talvez, no futuro possamos retomar esse voo. De momento, Lisboa é o principal mercado e temos dois voos a partir de julho”, acrescentou a responsável, mostrando-se convicta que a retoma dos voos é fundamental para que também o número de turistas portugueses que visita o Dubai regresse aos níveis do passado.

O mercado português, revelou também Cibele Moulin, recuperou no primeiro trimestre de 2022 e já superou em 33% os números até março do período pré-pandemia, o que levou a que, neste período, o mercado nacional até tenha reagido “um pouco acima da média global do destino”.

“O mercado português, em especial, recuperou 60% do volume que tínhamos pré-pandemia. Ou seja, o mercado português até reagiu um pouco acima da média global do destino. Isso é muito bom para nós”, considerou a responsável.

Globalmente, o Dubai recebeu, nos primeiros três meses do ano, cerca de quatro milhões de turistas estrangeiros, o que indica uma recuperação de 44% face aos perto de 7,3 milhões de turistas que o destino tinha recebido nos primeiros três meses de 2021.

“Ou seja, recuperámos já do ano passado quase metade do que tínhamos antes da pandemia. É uma recuperação bastante rápida”, congratula-se Cibele Moulin, revelando que a Expo Dubai, que decorreu entre outubro do ano passado e março deste ano, motivou 24 milhões de visitas ao destino.

Além da Expo Dubai, a responsável do Turismo do Dubai considera que importante para a retoma do turismo internacional foi também a reabertura antecipada do destino, que foi um “dos primeiros destinos a abrir na pandemia”, além do facto do Dubai ter mantido sempre uma “constância em relação aos requisitos”, que conferiu maior confiança aos turistas.

Nesta apresentação em Lisboa, Cibele Moulin deu também a conhecer as novas atrações do destino que, mesmo na pandemia, não parou os investimentos que estavam planeados em novas atrações, a exemplo do Museu do Futuro, que nos transporta para o ano de 2071 e que já foi distinguido pela arquitetura; do Deep Dive Dubai; do Sky Views Observatory; da Aura Sky Pool ou do Ain Dubai, que consiste na maior roda gigante do mundo.

Atualmente, o Turismo do Dubai tem em vigor uma campanha especial no mercado português, que foi lançada em abril e que oferece sete noites de alojamento pelo preço de cinco, com Cibele Moulin a revelar que, devido a este tipo de campanhas, a estada média dos turistas portugueses no Dubai está a subir e já 5,4 noites, quando ainda em 2019 estava nas duas ou três noites.

“O Dubai vê Portugal como um mercado com muito potencial e é por isso que estamos a investir tanto na promoção”, concluiu a responsável, indicando que o Turismo do Dubai tem vindo também a investir na proximidade aos operadores turísticos e na formação para agentes de viagens portugueses, ao mesmo tempo que tem vindo a promover famtrips ao destino.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Free Stock photos by Vecteezy
Turismo

Negócios no setor global do turismo caem 28% em abril de 2022, aponta GlobalData

Apesar da retoma apontada pela consultora, os negócios globais no setor do turismo e viagem caíram em abril face ao mês anterior de março.

Publituris

Um total de 64 negócios (incluindo fusões e aquisições, private equity e financiamento de risco) foram anunciados no setor global do turismo e viagens (T&T) em abril, o que representa um declínio de 28,1% em relação aos 89 negócios anunciados em março de 2022, segundo aponta a GlobalData.

Aurojyoti Bose, analista da GlobalData, salienta que “todas as regiões testemunharam quedas na atividade de negócios do setor de turismo e viagens com diminuição no volume de negócios em muitos dos principais mercados globais”, considerando ainda que “o aumento dos custos de combustível e o susto da nova variante da COVID-19 estão entre as principais razões para este decréscimo”.

Os anúncios de fusões e aquisições e negócios de private equity diminuíram 42,6% e 9,1%, respetivamente, enquanto o número de negócios de financiamento de risco aumentou 11,8% em abril em relação ao mês anterior.

Muitos dos principais mercados globais testemunharam uma desaceleração nas atividades de negócios no setor do turismo e viagens em abril de 2022. Mercados como EUA, Reino Unido, Índia e Alemanha testemunharam reduções, em volume, de 29%, 12,5%, 33,3% e 75%, em abril em relação ao mês anterior. No entanto, mercados como Japão, Espanha, França e Suécia registaram uma melhora na atividade de negócios.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo da Jamaica quer portugueses de volta

O Turismo da Jamaica quer os turistas portugueses de volta e acaba de nomear um representante para Portugal, Nuno Costa, cujo principal objetivo é “pressionar” para o regresso da operação charter, que já existiu, e que foi interrompida com a pandemia. Pode ser que em 2023 volte a operar.

O Turismo da Jamaica quer os turistas portugueses de volta e acaba de nomear um representante para Portugal, Nuno Costa, cujo principal objetivo é “pressionar” para o regresso da operação charter, que já existiu, e que foi interrompida com a pandemia. Pode ser que em 2023 volte a operar.

 

Voltar a pôr o nome da Jamaica na mente dos operadores turísticos, agentes de viagens e consumidor final em Portugal é o principal objetivo do turismo daquele destino, que tem agora Nuno Costa como seu representante no nosso país. “O Turismo da Jamaica, sabendo que para este ano não vai haver voos charter, nem direto, nem triangular, quer é voltar a pôr o nome do destino na mente dos operadores turísticos, agentes de viagens e no consumidor final”, disse Nuno Costa ao Publituris, referindo que “este é o primeiro grande objetivo, daí a razão da minha presença em Portugal”.

Apesar da representação do Turismo da Jamaica na Europa estar sediada em Berlim, desenvolvendo toda a parte da promoção, para Portugal “quiseram focar-se mais, e convidaram-me para fazer esse trabalho, uma vez que conheço o destino onde vivo há 17 anos, desde 2005, também ainda tenho conhecimento da maior parte dos players do mercado (tour operadores e agentes de viagens) e se não tenho de algum novo grupo, há forma de lá chegar, porque conheço as pessoas”, esclareceu.

A participação em eventos promovidos pelo trade em Portugal é outra das apostas de Nuno Costa. Começou na BTL, passou pela Convenção Bestravel, depois pelo roadshow de Os Especialistas, e Convenção Airmet, “estando sempre numa relação direta com os grupos de agências de viagens e com os operadores, no sentido de continuar a fazer essa promoção não só nos eventos, mas ao nível das redes, das equipas de vendas, formações quando for possível e, sobretudo também, para que eles perceberem que têm alguém cá em Portugal, e mesmo que esteja na Jamaica, mas alguém que é português, conhece muito bem o destino e lhes pode dar qualquer tipo de apoio. Através de um email ou via Whatsapp, estarei sempre disponível para esclarecer qualquer dúvida, até porque muitas vezes o agente de viagens não conhece o destino”, apontou. O responsável tomou conhecimento que, neste momento, apenas um ou dois operadores em Portugal programam a Jamaica, em voos regulares (a única hipótese atualmente), mas com oferta muto reduzida. Daí que “pretendo, igualmente, que os operadores que tenham programação não charter, incluam a Jamaica. Os operadores que fazem brochuras mais dedicadas, como Praias Exóticas ou Luas de Mel, interessam-nos”, realçou.

Destino caiu em esquecimento

Sem a operação charter triangular com Samaná (República Dominicana) que vigorou entre 2006 e 2019, com cinco operadores turísticos em Portugal envolvidos, durante os meses de maio/junho a meados de setembro, o destino Jamaica caiu no esquecimento em Portugal. “Quando as agências de viagens começam a ter as ofertas para outros destinos, mesmo nas Caraíbas, se não está a Jamaica, fica esquecida. O cliente pode querer a Jamaica, mas se não houver esse tipo de oferta ou de exposição do destino, fica esquecido”.

Nuno Costa lembra que a nível de procura, a Jamaica nunca foi um destino de massas como outros pontos das Caraíbas que estão no mercado há 20 ou 30 anos, mas enquanto houve a operação charter, os números foram sempre “muito bons”. Inclusivamente “houve alturas em que o mercado português reagiu melhor até do que o espanhol, porque havia charters de Lisboa e de Madrid. O mercado português sempre gostou muito do destino, portanto, se houver oferta de charter, ele vai voltar”, sublinhou, indicando que eram anualmente entre cinco mil a seis mil passageiros. “Havendo o charter esse número pode aumentar, mas nunca será possível em voos regulares”, frisou.

Quanto ao regresso dessa operação no próximo ano, o representante do Turismo da Jamaica afirmou que “será sempre uma decisão dos operadores. O meu trabalho aqui é dar apoio, dar abertura, mas o fundamental é os operadores querem fazê-lo. Acho, sinceramente, que vai haver alguma pressão dos agentes de viagens e do mercado para que o destino volte a ser oferecido em voos charter. É normal porque já aconteceu, é um destino que as pessoas gostaram, e é normal que os operadores precisem de destinos novos e diversificar o seu produto”. Não sendo possível para já em 2022 este tipo de operação, há os voos regulares. Assim, neste momento, para se chegar à Jamaica, a partir de Portugal, há várias formas, seja via Europa, seja combinado com os Estados Unidos ou Canada. Pela Europa, a opção número um, conforme explica o responsável, é por Zurique com uma conexão de duas a três horas, com a Swiss e ligação a Montego Bay com a Edelweiss, companhia aérea do grupo Swiss. A segunda opção, e ainda sem ter de dormir na Europa, é sair de Lisboa no primeiro voo da manhã da Lufthansa até Frankfurt e apanhar um voo da Condor também para Montego Bay, na costa norte da ilha onde está o turismo. Há outras opções na Europa, mas será sempre necessário ficar de uma noite para outra.

Há igualmente os EUA ou Canadá (Nova Iorque, Miami, Toronto), mas os clientes têm que dormir nessas cidades. Depois pode-se fazer combinados porque há voos diários dessas cidades para Montego Bay.

Há muitos turistas portugueses que conhecem a Jamaica através de cruzeiros que atracam no destino, mas não é só isso que o destino pretende. Segundo Nuno Costa, “é um ponto importante, mas queremos mais”.

Sem charter ainda, a Jamaica é um destino caro? O representante responde que, em termos de hotelaria está ao nível do custo do México, mas um pouco mais caro que a República Dominicana, mas explicou que há hotéis para todos os gostos. Na ilha normalmente todos os all inclusive são de cinco estrelas, mas há hotéis coloniais, há boutique hotéis e até villas, ou seja, há muita oferta, depende tudo do cliente. “O que faz a diferença é o aéreo porque, se formos comparar preços, o avião custará 800 euros, praticamente o mesmo preço de um pacote para a República Dominicana. Se juntarmos o hotel, estamos a falar de 1.500 euros”, referiu.

Mas é um destino de todo o ano. A época alta na Jamaica é o inverno na Europa, que começa aproximadamente a 15 de dezembro e vai até a segunda semana de março, e é quando os preços estão mais altos e é quando nos principais mercados emissores do turismo da Jamaica (norte-americanos e canadianos) está muito frio. Nuno Costa, que estará lá e cá, conclui que “o mais importante, e a mensagem que tento passar ao mercado português é que estou aqui, vou estar sempre em ligação com o mercado para dar apoio, confiança e ajudar os agentes de viagens que não conhecem o destino, e se houver um conjunto de eventos que justifiquem a minha presença, cá estarei”.

O que se pode fazer na Jamaica?

Tirando a praia, a Jamaica tem uma componente de natureza muito forte, revelou o representante do destino em Portugal. É uma ilha pequena, praticamente da dimensão do Algarve, e muito verde, podendo encontrar-se facilmente tanto montanhas, como rios, cascatas, tudo de forma concentrada.

Além disso, segundo Nuno Costa, tem a parte cultural, das pessoas, das gentes e das suas culturas africana/inglesa, o rastafary originário da Etiópia, tem a música (o reggae) que tem tudo à volta do Bob Marley, mas não só, tem a parte das montanhas onde se cultiva o café e, como é uma ilha, há muitos desportos náuticos e passeios de barco, e ainda o rum na costa sul, uma zona ainda por conhecer pois está em desenvolvimento.

Os grandes centros do turismo são três: para além da capital é Kingstown (uma cidade de negócios no sul da ilha, que se deve, no entanto, visitar, pois é lá que se encontra o Museu de Bob Marley), há Montego Bay, a capital do turismo, onde chegam os aviões, Negril que está na ponta oeste, em viagem de hora e meia, e Ocho Rios, a este, que está a cerca de hora e meia também. É nestes centros onde está concentrada a maior parte da hotelaria. Por exemplo, em Montego Bay, num raio de 20/25 kms existem pelo menos 30 unidades hoteleiras all inclusive. Há ainda Porto António, local que o responsável considera “lindíssimo, mas está ainda muito por desenvolver, diria que seria o quarto centro turístico, não tem hotéis em all inclusive, mas é visto em passeio ou para turistas que queiram algo muito específico, como hotéis boutiques em cima do mar ou villas.

*Artigo publicado originalmente na edição 1462 do Publituris.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Portugal Events recebeu 158 candidaturas

De acordo com o Ministério da Economia e do Mar, o programa Portugal Events recebeu 158 candidaturas e viu aprovados 83 projetos, que poderão atrair mais de 1,8 milhões de turistas e visitantes a Portugal.

Publituris

O programa Portugal Events, lançado no ano passado, já recebeu 158 candidaturas, informou o Ministério da Economia e do Mar, revelando que “foram aprovados 83 projetos, 62 dos quais são eventos associativos/corporativos”.

“Este programa recebeu 158 candidaturas que, maioritariamente, respeitam a projetos com execução prevista já em 2022. O valor total de investimento associado ascende a 157 milhões de euros, sendo o incentivo solicitado superior a 30 milhões de euros”, indica o Ministério da Economia e do Mar, num comunicado divulgado sexta-feira, 13 de maio.

Segundo o Ministério, esta “forte procura por parte das empresas” vem comprovar o sucesso deste mecanismo de apoio financeiro do Turismo de Portugal, que privilegia “o apoio à realização de eventos que, pelo seu posicionamento, notoriedade e imagem internacional, contributo para a qualificação da experiência turística ou para o desenvolvimento da economia, demonstrem ser relevantes para a sustentabilidade do setor do turismo”.

De acordo com a informação divulgada, os projetos que mereceram o apoio público “abrangem a totalidade do território nacional, destacando-se as regiões do Porto e Norte e de Lisboa”, estimando-se que possam contribuir para atrair mais de 1,8 milhões de turistas e visitantes para o território nacional.

“O Programa privilegia o apoio a eventos que pelo seu reconhecimento internacional, caráter diferenciador e grau de exposição mediática contribuam para o incremento da notoriedade de Portugal, enquanto palco de grandes eventos”, explica o Ministério da Economia e do Mar.

A “sustentabilidade e a relevância turística intrínseca de cada evento, bem como o seu alinhamento com a estratégia no que se refere às tipologias de eventos prioritárias para a qualificação da experiência turística e para a adequada estruturação de produtos turísticos” foram, segundo o Ministério, os aspetos considerados como prioritários para a seleção dos projetos.

Recorde-se que o Programa Portugal Events, agora suspenso por se ter ultrapassado a dotação prevista, visa contribuir para a concretização das metas estratégicas da ET2027, através da promoção da coesão territorial e da mitigação da sazonalidade da atividade turística.

O programa é também considerado “um importante impulso para a retoma do setor, conforme preconizado pelo Plano de Ação Reativar o Turismo | Construir o Futuro” e vai agora ser alvo de “análise e avaliação, perspetivando-se que venha a ser reaberto para a apresentação de candidaturas a eventos a realizar em 2023”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Nova Edição: Turismo do Luxemburgo, “ACT” da Air France, MICE, Air Transat e DouroAzul

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de maio, faz capa com uma entrevista a Sebastian Reddeker, CEO do Luxembourg for Tourism. Além disso, há um dossier dedicado ao segmento MICE, uma entrevista ao diretor de Desenvolvimento Sustentável e Novas Mobilidades da Air France, Vincent Etchebehere, e trazemos as novidades da Air Transat e DouroAzul.

Publituris

A nova edição do Publituris faz capa com uma entrevista com o CEO do Luxembourg for Tourism, Sebastian Reddeker, que destaca a importância da comunidade portuguesa no Grão-Ducado, admitindo que “podem desempenhar um papel importante como embaixadores do destino”.

Também nesta edição, fazemos um balanço do que foi a 18.ª Convenção da Airmet, na qual a apresentação de melhores ferramentas tecnológicas e um novo modelo de contratação mereceram destaque.

O “Pulse Report” da GuestCentric está de regresso ao Publituris. Com o mês de abril de 2022 fechado, a consultora dá conta de como se está a comportar o mercado turístico em termos de preço médio, procura por datas, cancelamentos, canais e mercados.

O “dossier” desta edição é dedicado ao MICE, segmento que foi fortemente impactado pela pandemia nos anos 2020 e 2021. Do lado das empresas que produzem e fornecem equipamentos, a criatividade é, neste momento, o maior desafio.

Falámos, também, com Jorge Vinha da Silva, administrador-executivo da Altice Arena, que confirmou que o espaço está já bastante preenchido até ao verão e muito mais ainda de setembro a dezembro.

Na Boost, versatilidade e flexibilidade foram e continuarão a ser as palavras-chave, admitindo Tiago Monteiro, general manager da empresa, que, em 2022, será “possível chegar aos valores anuais de 2019”.

Do lado das agências de viagens, os responsáveis da Travelstore e da Globalis, Frédéric Frère e Fátima Silva, respetivamente, explicam o comportamento atual da indústria, numa altura em que os eventos corporativos estão em crescendo.

No Algarve, o presidente da Região do Turismo, João Fernandes, admite que a relevância do MICE é hoje inquestionável para a região, salientando que o objetivo é “captar, pelo menos, um evento B2B por ano direcionado ao segmento MICE.

Veio a Lisboa a bordo do A220 da companhia francesa que incorporou 30% de SAF contra o 1% atualmente obrigatórios, sob regulamentação francesa, nos voos com partida de França. O Publituris falou com Vincent Etchebehere, diretor de Desenvolvimento Sustentável e Novas Mobilidades da Air France, que explicou a estratégia da companhia para a trajetória da descarbonização.

Já a Air Transat decidiu manter no verão a rota para Faro, operação que é um dos principais destaques da companhia aérea canadiana para esta temporada alta, durante a qual conta vir a operar, no pico do verão, até 16 voos por semana entre Portugal e o Canadá.

Ainda nos “Transportes”, depois dos cruzeiros fluviais, a DouroAzul lançou-se nos cruzeiros de mar, apresentando, recentemente, a programação especialmente destinada ao mercado nacional.

As opiniões desta edição pertencem a Vítor Neto (empresário e ex-Secretário de Estado do Turismo) e a António Paquete (economista).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Turismo do Luxemburgo, “ACT” da Air France, MICE, Air Transat e DouroAzul

A nova edição do Publituris, a primeira do mês de maio, faz capa com uma entrevista a Sebastian, Reddecker, CEO do Luxembourg for Tourism. Além disso, há um dossier dedicado ao segmento MICE, uma entrevista ao diretor de Desenvolvimento Sustentável e Novas Mobilidades da Air France, Vincent Etchebehere, e trazemos as novidades da Air Transat e DouroAzul.

Publituris

A nova edição do Publituris faz capa com uma entrevista com o CEO do Luxembourg for Tourism, Sebastian Reddecker, que destaca a importância da comunidade portuguesa no Grão-Ducado, admitindo que “podem desempenhar um papel importante como embaixadores do destino”.

Também nesta edição, fazemos um balanço do que foi a 18.ª Convenção da Airmet, na qual a apresentação de melhores ferramentas tecnológicas e um novo modelo de contratação mereceram destaque.

O “Pulse Report” da GuestCentric está de regresso ao Publituris. Com o mês de abril de 2022 fechado, a consultora dá conta de como se está a comportar o mercado turístico em termos de preço médio, procura por datas, cancelamentos, canais e mercados.

O “dossier” desta edição é dedicado ao MICE, segmento que foi fortemente impactado pela pandemia nos anos 2020 e 2021. Do lado das empresas que produzem e fornecem equipamentos, a criatividade é, neste momento, o maior desafio.

Falámos, também, com Jorge Vinha da Silva, administrador-executivo da Altice Arena, que confirmou que o espaço está já bastante preenchido até ao verão e muito mais ainda de setembro a dezembro.

Na Boost, versatilidade e flexibilidade foram e continuarão a ser as palavras-chave, admitindo Tiago Monteiro, general manager da empresa, que, em 2022, será “possível chegar aos valores anuais de 2019”.

Do lado das agências de viagens, os responsáveis da Travelstore e da Globalis, Frédéric Frère e Fátima Silva, respetivamente, explicam o comportamento atual da indústria, numa altura em que os eventos corporativos estão em crescendo.

No Algarve, o presidente da Região do Turismo, João Fernandes, admite que a relevância do MICE é hoje inquestionável para a região, salientando que o objetivo é “captar, pelo menos, um evento B2B por ano direcionado ao segmento MICE.

Veio a Lisboa a bordo do A220 da companhia francesa que incorporou 30% de SAF contra o 1% atualmente obrigatórios, sob regulamentação francesa, nos voos com partida de França. O Publituris falou com Vincent Etchebehere, diretor de Desenvolvimento Sustentável e Novas Mobilidades da Air France, que explicou a estratégia da companhia para a trajetória da descarbonização.

Já a Air Transat decidiu manter no verão a rota para Faro, operação que é um dos principais destaques da companhia aérea canadiana para esta temporada alta, durante a qual conta vir a operar, no pico do verão, até 16 voos por semana entre Portugal e o Canadá.

Ainda nos “Transportes”, depois dos cruzeiros fluviais, a DouroAzul lançou-se nos cruzeiros de mar, apresentando, recentemente, a programação especialmente destinada ao mercado nacional.

As opiniões desta edição pertencem a Vítor Neto (empresário e ex-Secretário de Estado do Turismo) e a António Paquete (economista).

Leia a edição aqui.

Boas leituras!

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.