Assine já
Aviação

Câmara de Comércio da Horta descontente com a operação da Azores Air Lines

Presidente da CCIH atribui quebras no número de passageiros na Horta à diminuição das acessibilidades aéreas da Sata.

Publituris
Aviação

Câmara de Comércio da Horta descontente com a operação da Azores Air Lines

Presidente da CCIH atribui quebras no número de passageiros na Horta à diminuição das acessibilidades aéreas da Sata.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Azores Airlines anuncia reforço das ligações Lisboa-Horta no Verão
Homepage
SATA inaugurou nova rota de Verão
Homepage
Loftleidir-Icelandic pede mais 30 dias para apresentar proposta pela Azores Airlines
Homepage
Governo Regional reforça capital social da SATA
Homepage

O presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Horta, (CCIH), Davide Marcos, culpou esta quarta-feira, 20 de Dezembro, a Azores Air Lines pelas quebras no número de passageiros desembarcados nas ilhas do Pico e Faial, nos Açores, que atribui à redução das acessibilidades aéreas.

“Para a Câmara do Comércio e Indústria da Horta, a redução das acessibilidades, através do transporte aéreo, está a prejudicar o desenvolvimento da ilha do Faial, em primeiro lugar, mas também as outras ilhas que estão sob as nossas competências”, lamentou o empresário, citado pela Lusa.

De acordo com o responsável, que falava numa conferência de imprensa na Horta, ilha do Faial, em Novembro, o Aeroporto da Horta registou uma quebra de 2,6% em passageiros, o que Davide Marcos atribui aos “constrangimentos impostos pela Sata”.

“As nossas preocupações são confirmadas por estes números e podemos antecipar uma evolução mais negativa quando já não é possível chegar ao Faial com conforto em voos directos do exterior, operados pela Azores Air Lines, e por vezes em voos inter-ilhas, operados pela Sata Air Açores”, adianta o presidente da CCIH.

Para Davide Marcos, a Sata deve repensar a sua operação para esta zona do arquipélago, uma vez que, acusa o responsável, há ilhas, como São Miguel e Terceira, que estão a crescer a um ritmo “completamente diferente” do de outras ilhas, como o Faial e o Pico.

“Os modelos de acessibilidades têm de constituir-se como um factor de desenvolvimento de todas as ilhas e nunca poderão ser transformados em factores de subdesenvolvimento de algumas ilhas, em benefício de outras”, alertou ainda Davide Marcos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Aviação

Indústria da aviação alemã quer contratar na Turquia

A escassez de mão-de-obra na Alemanha, leva a indústria da aviação alemã a procurar solução no mercado turco.

Depois de noticiadas as dificuldades vividas nos mais diversos aeroportos europeus, devido à falta de pessoal, o crescimento da procura por viagens já levou diversas companhias a cancelar voos ao longo das últimas semanas.

Na Alemanha, cujos principais aeroportos – Munique, Frankfurt ou Hamburgo, entre outros – foram impactados pela escassez de recursos humanos, a indústria da aviação já está a trabalhar numa solução ao decidir avançar para contratações “expresso” de trabalhadores turcos.

Segundo avança a imprensa germânica, a esperança é que as autoridades do país decidam com urgência quanto às autorizações especiais para que se possa avançar com a contratação de 2.000 trabalhadores turcos para os aeroportos da Alemanha.

A Associação Federal da Indústria da Aviação Alemã (Bundesverband der Deutschen Luftverkehrswirtschaft, BDL, sigla em alemão) estima que decorrerão mais seis semanas até que se possam incorporar esses recursos humanos, o que quer dizer que só na segunda metade do verão se poderia registar algum avanço, salientando que “tratam-se de pessoas que, para trabalhar nas instalações aeroportuárias, terão de passar por provas de segurança”.

Enquanto se espera por uma decisão das autoridades alemãs para facilitar esta incorporação de trabalhadores, a Associação Alemã de Turismo (Deutscher Reiseverband, DRV) divulgaram uma mensagem aos viajantes alemães, descartando “cancelamentos em grande escala” para os principais destinos de férias, como o Sul da Europa, admitindo que “é pouco provável que os voos contratados pelos operadores turísticos, que foram agendados com bastante antecedência, sejam suprimidos”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair diz que greve afetou menos de 2% dos voos e não teve impacto em Portugal

Companhia aérea diz que “não houve interrupções de voo em Itália, Espanha, Portugal, Reino Unido, França ou Irlanda”, uma vez que a greve dos tripulantes de cabine da Ryanair é “muito pequena e regista pouca adesão”.

Publituris

A Ryanair diz que menos de 2% dos 3.000 voos realizados esta sexta-feira, 24 de junho, foram afetados pela greve dos tripulantes de cabine da companhia aérea e garante que, no caso de Portugal, não houve sequer perturbações a registar, de acordo com um comunicado da companhia aérea.

“Não houve interrupções de voo em Itália, Espanha, Portugal, Reino Unido, França ou Irlanda, pois a grande maioria das tripulações da Ryanair está a trabalhar normalmente”, indica a transportadora, revelando que a maior parte das perturbações aconteceu na Bélgica, apesar de também neste país “mais de 60% dos voos regulares da Ryanair de/para Charleroi e Zaventem” terem operado esta sexta-feira.

A Ryanair diz esperar “interrupções mínimas (se houver)”  durante o fim-de-semana, uma vez que a greve é “muito pequena e regista pouca adesão”, ainda que admita algumas perturbações em França, Itália e Espanha, mas devido a uma “greve de dois dias” dos controladores de tráfego aéreo em Marselha, que deverá atrasar os voos que passam pelo espaço aéreo francês.

“A Ryanair espera que mais de 98% de seus 3.000 voos diários operem normalmente no sábado e domingo, neste fim de semana”, acrescenta a companhia aérea, que diz que vai informar, por e-mail ou SMS, os passageiros afetados por estas paralisações.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Aeroporto do Porto é o melhor da Europa para o ACI Europe

Distinção foi entregue na categoria 10-25 milhões de passageiros, pela recuperação da atividade após crise pandémica, qualidade de serviço e pelas ações implementadas no âmbito da sustentabilidade, segundo a ANA – Aeroportos de Portugal.

Publituris

O ACI Europe distinguiu, pela primeira vez, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com o prémio Best European Airport 2022, na categoria 10-25 milhões de passageiros, destacando a “recuperação da atividade após crise pandémica, a qualidade de serviço e as ações implementadas no âmbito da sustentabilidade”, informou a ANA – Aeroportos de Portugal, em comunicado.

“Os critérios de avaliação para os prémios desde ano estiveram sobretudo relacionados com a qualidade de serviço e a implementação de medidas durante a crise pandémica nas áreas operacionais, saúde e segurança, gestão comercial, no contexto da estratégia de sustentabilidade do aeroporto e da sua recuperação financeira. E foi com evidências fortes da concretização destas medidas e da sua qualidade, que o Aeroporto Francisco Sá Carneiro vê agora atribuído o prémio de melhor Aeroporto Europeu nos aeroportos entre 10-25 milhões de passageiros”, indica a empresa gestora dos aeroportos nacionais.

Na informação divulgada, a ANA – Aeroportos de Portugal destaca as ações de sustentabilidade desenvolvidas e que passam pela “criação do Fórum dos Stakeholders para a Gestão Global de Carbono, os projetos de reutilização da água (dos veículos dos socorros e das garrafas dos passageiros, para rega e lavagens nos aeroportos), a redução da pegada hídrica e o sistema inovador de triagem de resíduos com uma central dedicada no Aeroporto”.

De destacar é também a recuperação da infraestrutura, com a ANA – Aeroportos de Portugal a indicar que o Aeroporto do Porto tem vindo a obter “resultados muito positivos de recuperação de tráfego e de conectividade”, tendo já sido superado “o nível de conetividade verificado no verão de 2019, sendo agora disponibilizadas 100 rotas regulares (em 2019, eram 99)”.

Ao nível do serviço, a empresa que gere os aeroportos nacionais lembra que mesmo durante a pandemia, “um período tão desafiante para todo o setor da aviação, a infraestrutura foi melhorada com a ampliação do taxiway, foram desenvolvidas e implementadas novas soluções inovadoras”, ao mesmo tempo que foram “reforçados compromissos no âmbito da sustentabilidade”.

“É com muita satisfação que recebemos tão elevada distinção por parte do ACI-Europe, a mais respeitada e reconhecida avaliação no setor, que resulta do empenho e profissionalismo das equipas da ANA|VINCI Airports na gestão da operação qualidade de serviço e retoma de atividade”, considera Thierry Ligonnière, CEO da ANA Aeroportos de Portugal, garantindo que a empresa vai continuar comprometida “com o desenvolvimento da conetividade da região Norte, promovendo o Aeroporto do Porto como uma porta de entrada eficiente, sustentável e inovadora, que irá contribuir para a recuperação económica e do setor do turismo em Portugal”.

“Este é o reconhecimento do trabalho diário realizado pelas equipas do Aeroporto do Porto, e de toda a comunidade aeroportuária a quem dirijo o nosso agradecimento”, acrescenta.

Na informação divulgada, a ANA – Aeroportos de Portugal lembra ainda que esta não é a primeira vez que o Aeroporto do Porto é reconhecido pelo ACI Europe, uma vez que, ainda no ano passado e no mesmo fórum, a infraestrutura recebeu a menção Highly Commended, a par com o Aeroporto de Lisboa, vindo também a ser recorrentemente premiado pela ASQ ACI (Airport Service Quality), recebendo diferentes distinções em posições cimeiras nos últimos 15 anos.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

PLAY comemora 1.º aniversário com 320 mil passageiros transportados

No espaço de um ano e em plena pandemia, a PLAY já transportou cerca de 320 mil passageiros e já voa para 26 destinos, incluindo a rota Lisboa-Reiquejavique.

Publituris

A companhia aéreas islandesa PLAY está esta sexta-feira, 24 de junho, a comemorar o primeiro aniversário e congratula-se por, no espaço de um ano e em plena pandemia, ter já transportados cerca de 320 mil passageiros.

“A partir de hoje, 24 de junho, cerca de 320 000 pessoas terão voado com a PLAY, quase igual ao número de pessoas que vivem na Islândia. Estamos muito gratos pela grande resposta ao lançamento da PLAY nos diferentes mercados”, refere a companhia aérea, num comunicado enviado à imprensa.

De acordo com a PLAY, apesar de desafiante, este primeiro ano ficou também marcado por vários sucesso desta companhia aérea que nasceu para “satisfazer a procura de viagens a preços acessíveis para a terra do fogo e do gelo, bem como de trazer mais opções de destinos de sol e praia e de férias na cidade aos islandeses”.

“Apenas dois meses após o lançamento, a PLAY solicitou uma licença de voo dos EUA. Os sonhos transatlânticos foram realizados em menos de um ano com a inauguração de serviços para Boston, Baltimore/Washington e Nova Iorque a partir do Reino Unido via Islândia”, destaca a transportadora.

Seis meses após o início das operações globais, a PLAY tinha já transportado cerca de 100 mil passageiros e aberto 21 rotas, num sucesso que se manteve nos meses seguintes e que, segundo a companhia aérea, se deverá manter também este verão.

“Agora, entramos na estação do Verão com um sólido fluxo de reservas e estamos ansiosos por reforçar ainda mais a nossa crescente rede de rotas e fator de ocupação”, afirma Birgir Jónsson, CEO da PLAY.

Atualmente, a PLAY voa para 26 destinos, e, entre maio e junho, abriu 12 novas rotas, incluindo Lisboa-Reiquejavique, e duplicou o número de empregados, que era de 150 há seis meses, para 300 este verão.

No acumulado de 2022, até maio, a PLAY transportou 148 882 passageiros, dos quais 56 601 apenas no mês de maio, o que, segundo a companhia aérea, representa “um aumento de 54% em relação a abril, como também se aproxima do número total de passageiros transportados no primeiro trimestre de 2022”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

LATAM passa a abrir balcões de check-in 4 horas antes do voo

A LATAM Airlines informou que os balcões de check-in para os seus voos passaram a abrir quatro horas antes da partida, num procedimento que se vai manter durante toda a temporada de verão.

Publituris

De forma a garantir a melhor experiência possível de viagem, a LATAM Airlines veio esta quinta-feira, 23 de junho, informar que os balcões de check-in para os seus voos passaram a abrir quatro horas antes da partida, num procedimento que se vai manter durante toda a temporada de verão.

“Os passageiros estão a voltar devagar, mas com certeza, e esperamos para altos níveis de ocupação nos próximos meses, então, para garantir a melhor experiência de viagem possível aos nossos clientes durante o período de verão, gostaríamos de lembrar que os nossos balcões de check-in no aeroporto  estarão abertos quatro horas antes da hora de partida dos nossos voos”, refere a companhia, numa nota informativa enviada à imprensa e ao trade.

A LATAM pede aos agentes de viagens que informem os seus clientes, de forma a que eles cheguem ao aeroporto com tempo suficiente, o que é essencial para que os passageiros tenham uma melhor experiência de viagem.

A LATAM diz ainda que está a tentar evitar perturbações, motivo pelo qual pede a ajuda dos agentes de viagens para garantir que os passageiros recebem toda a informação necessária e têm a melhor experiência de viagem possível.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet torna-se parceira do programa Iris para reduzir emissões de carbono na aviação

A easyJet tornou-se na primeira companhia aérea parceira do Iris, um programa de gestão de tráfego aéreo que vai impulsionar os sistemas para minimizar atrasos nos voos, poupar combustível e reduzir o impacto ambiental das viagens.

Publituris

A easyJet tornou-se na primeira companhia aérea parceira do Iris, um programa de gestão de tráfego aéreo inovador que vai funcionar como impulsionador de sistemas para minimizar atrasos nos voos, poupar combustível e reduzir o impacto ambiental das viagens.

Num comunicado enviado à imprensa, a companhia aérea explica que este programa é liderado pela Inmarsat, líder mundial em comunicações móveis por satélite globais, em colaboração com a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Airbus, afirmando-se como uma componente-chave para a “modernização e digitalização da indústria aeronáutica”.

“Até que as tecnologias de emissão de carbono zero estejam disponíveis, a companhia aérea permanece absolutamente concentrada na redução das suas atuais emissões de carbono na medida do possível, e programas como o Iris desempenham um papel importante neste sentido”, afirma a easyJet, que lembra o seu compromisso para a redução das emissões de carbono na aviação e o objetivo de chegar a zero emissões até 2050.

De acordo com a transportadora, este programa não só vai ajudar a easyJet “a continuar a operar as suas aeronaves da forma mais eficiente, alcançando mais melhorias de eficiência, como complementa assim também as iniciativas existentes, como o ajuste de táxis monomotores à chegada e à partida ou a utilização de informação meteorológica avançada e parcerias de eficiência de voo com as principais partes interessadas, como é o caso da Airbus, Collins Aerospace, NATS e Eurocontrol”.

Este programa também apoia a modernização do espaço aéreo, o que, segundo a easyJet, “é crucial para toda a indústria, uma vez que é a fonte mais atingível de reduções de carbono neste momento, tendo em conta que rotas de voo mais diretas conduzem a tempos de voo mais curtos”, até porque o Single European Sky declarou a ambição de conseguir uma poupança de 10% nas emissões de carbono da aviação europeia.

“O programa Iris está a preparar o caminho para uma gestão mais eficiente do tráfego aéreo, o que constitui um passo crucial para a indústria da aviação. Este traz múltiplos benefícios, desde ajudar-nos a alcançar os nossos objetivos ambientais através de uma maior redução das nossas emissões de carbono provenientes do voo, até proporcionar uma melhor experiência aos nossos passageiros. Estamos entusiasmados por sermos líderes neste espaço, estabelecendo o padrão para a indústria da aviação e esperamos ver mais companhias aéreas a seguirem o exemplo”, considera Hugh McConnellogue, Director of Airport Operations & Navigation da easyJet.

 

.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

IATA estima regresso à rentabilidade das companhias aéreas em 2023

A IATA estima que a indústria da aviação possa regressar à rentabilidade em 2023. Contudo, se as receitas aumentam, também os custos registam uma curva ascendente. Assim, as receitas da indústria deverão atingir 782 mil milhões de dólares (cerca de 745 mil milhões de euros), em 2022, representando um crescimento de 54,5% face a 2021, mas ficando a 93,3% dos níveis de 2019.

Victor Jorge

A International Air Transport Association (IATA) procedeu a uma revisão das previsões para a indústria da aviação, estimando, agora, perdas na ordem dos 9,7 mil milhões de dólares (cerca de 9,2 mil milhões de euros), representando uma melhoria face aos 11,6 mil milhões de dólares avançados em outubro de 2021, correspondendo uma margem nas perdas líquidas de 1,2%.

Estes números representam, no entanto, uma melhoria assinalável às perdas de 137,7 mil milhões de dólares (-36% na margem líquida) de 2022, e de 42,1 mil milhões (-8,3% margem líquida) de 2021.

Desta forma, a IATA avança com a previsão de que a “rentabilidade global da indústria parece ser uma realidade em 2023”, esperando que a América do Norte possa “atingir lucros de 8,8 mil milhões de dólares” já em 2022.

“Os ganhos de eficiência e melhoria nos rendimentos estão a ajudar a reduzir as perdas, mesmo com um aumento dos custos relacionados com os colaboradores e combustível”, refere a IATA, em comunicado no final da assembleia geral anual realizada em Doha.

A entidade reconhece que “a forte procura reprimida, o levantamento das restrições de viagens na maioria dos mercados, o baixo desemprego na maioria dos países e o aumento das economias pessoais estão a alimentar um ressurgimento da procura”, avançando a IATA que” o número de passageiros atinja 83% dos níveis pré-pandemia em 2022”.

“As companhias aéreas são resilientes. As pessoas estão a voar em números cada vez maiores e os lucros estão no horizonte para 2023”, admite Willie Walsh, diretor-geral da IATA, salientando que este “é um momento de otimismo, mesmo que ainda existam desafios relacionados com custos, principalmente combustível, e algumas restrições persistentes em alguns mercados-chave”.

De acordo com as estimativas da IATA, as receitas da indústria deverão atingir 782 mil milhões de dólares (cerca de 745 mil milhões de euros), em 2022, representando um crescimento de 54,5% face a 2021, ficando a 93,3% dos níveis de 2019.

Já no que diz respeito aos voos a operar ao longo deste ano, as expectativas é de que cheguem aos 33,8 milhões, correspondendo a 86,9% dos níveis de 2019 quando se realizaram 38,9 milhões de voos.

No que toca às receitas provenientes dos passageiros, estas devem ser responsáveis por 498 mil milhões de dólares (cerca de 475 mil milhões de euros) das receitas globais da indústria, o que significa mais do dobro dos 239 mil milhões de dólares gerados em 2021.

A análise prevê ainda que o número de reservas de passageiros deve alcançar a 3,8 mil milhões, com a receita de passageiro por quilómetros (RPK) a crescer 97,6% em relação a 2021, atingindo 82,4% do tráfego de 2019. À medida que a procura aumenta com a flexibilização das restrições de viagens, a IATA espera que as receitas aumentem 5,6%.

Receitas aumentam, mas os custos também
Mas se as receitas aumentam, também os custos irão registar uma curva ascendente, estimando a IATA que possam atingir os 796 mil milhões de dólares (cerca de 758 mil milhões de euros), representando um aumento de 44% face a 2021.

Para tal, é imputado aos combustíveis um valor na ordem dos 192 mil milhões de dólares (cerca de 183 mil milhões de euros), em 2022, correspondendo a 24% dos custos totais (+19% face a 2021). Estas contas têm por base um preço médio do barril de Brent de 101 dólares (cerca de 97 euros) e de 125 dólares (cerca de 120 euros) para o jet fuel.

Globalmente, a IATA prevê que as companhias aéreas consumam 321 mil milhões de litros de combustível, em 2022, o que compara com os 359 mil milhões de litros de 2019.

De acordo com a IATA, “a guerra na Ucrânia mantém os preços do Brent em alta”, com o combustível a representar cerca de um quarto dos custos em 2022. “Uma característica particular do mercado de combustíveis deste ano é o alto spread entre os preços do petróleo bruto e do combustível de aviação”, destaca a IATA, salientando que esta diferença permanece “bem acima das normas históricas, principalmente devido a restrições de capacidade nas refinarias”.

Já quanto aos custos com pessoal, aparecendo em segundo lugar nos custos operacionais, o emprego direto deverá atingir os 2,7 milhões, correspondendo a uma subida de 4,3% face a 2021, “à medida que a indústria recupera do declínio significativo de 2022”.

A IATA considera que o tempo para recrutar, formar, proceder às verificações completas de segurança e realizar os processos necessários antes que o pessoal se encontre em condições de exercer quaisquer funções “representa um desafio para a indústria em 2022”, antevendo que, nalguns casos, ”estes atrasos no recrutamento poderão atuar como uma restrição à capacidade de uma companhia aérea atender às exigências e necessidades dos passageiros”.

Américas lideram recuperação
A IATA espera que a América do Norte continue a ser a região com “melhor desempenho” e a “única região a regressar aos resultados positivos em 2022”. Apoiado pelo grande mercado doméstico dos EUA e pela reabertura de mercados internacionais, incluindo o Atlântico Norte, o lucro líquido deverá atingir os 8,8 mil milhões de dólares, em 2022, estiando que a procura atinja 95% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 99,5%.

Na Europa, a guerra na Ucrânia continuará a perturbar os padrões de viagens no continente e entre a Europa e a Ásia-Pacífico. No entanto, não se espera que a guerra faça descarrilar a recuperação das viagens, com a região a aproximar-se dos lucros em 2022, com uma perda líquida prevista de 3,9 mil milhões de dólares. Já quando à procura, as previsões apontam para que atinja 82,7% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 90%.

Para as companhias aéreas da região Ásia-Pacífico, as restrições de viagem duradouras (principalmente na China), juntamente com uma distribuição desigual de vacinas, viram a região atrasar-se na recuperação. À medida que as restrições diminuem, espera-se que a procura por viagens “aumente rapidamente”. Prevê-se que as perdas líquidas, em 2022, caiam para os 8,9 mil milhões de dólares, enquanto a procura atinja 73,7% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 81,5%.

Os volumes de tráfego na América Latina registaram uma recuperação robusta em 2021, apoiados pelos mercados domésticos e relativamente menos restrições de viagem em muitos países. As perspectivas financeiras para algumas companhias aéreas, no entanto, permanecem frágeis e a região deve registar um prejuízo líquido de 3,2 mil milhões de dólares este ano. Espera-se que a procura atinja 94,2% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 93,2%.

No Oriente Médio, a reabertura deste ano a rotas internacionais e voos de longa distância em particular será um impulso bem-vindo para muitos. Em toda a região, as perdas líquidas devem diminuir para 1,9 mil milhões de dólares em 2022, contra uma perda de 4,7 mil milhões no ano passado. Quanto à procura, espera-se que atinja 79,1% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 80,5%.

Finalmente, no continente africano, as taxas de vacinação mais baixas prejudicaram a recuperação das viagens aéreas da região até o momento. No entanto, é provável que alguma recuperação ocorra este ano, o que contribuirá para um melhor desempenho financeiro. Prevê-se que as perdas líquidas sejam de 700 milhões de dólares, em 2022, e que a procura atinja 72% dos níveis pré-crise (2019) e a capacidade 75,2%.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Finnair coloca avião A320 da DAT a operar rota de Lisboa no verão

A Finnair anunciou que, este verão, a rota Lisboa/Helsínquia vai ser operada por um avião A320 da DAT, companhia aérea dinamarquesa que assegura a operação entre julho e outubro.

Publituris

A Finnair anunciou que, este verão, a rota Lisboa/Helsínquia vai ser operada por um avião A320 da DAT, que assegura a operação entre julho e outubro, informou a companhia aérea finlandesa num comunicado enviado à imprensa.

“O equipamento e a tripulação destes voos pertencem à DAT mas os voos têm o conceito de serviço da Finnair”, lê-se no comunicado da companhia aérea, que explica que, além da rota para a capital portuguesa, o avião da DAT vai também operar as rotas da Finnair entre Helsínquia e Copenhaga, em junho, e Helsínquia e Oulu, também de julho a outubro.

Segundo a Finnair, companhia aérea que em Portugal é representada pela APG Portugal, “esta operação com a DAT permite cumprir o objetivo da Finnair de garantir operações estáveis e fiáveis no movimentado período de verão”.

A Finnair diz ainda que os passageiros com reserva para voos nestas rotas vão receber uma mensagem sobre a alteração, sendo que, caso pretendam alterar a sua reserva, devem contactar o serviço de apoio ao cliente da companhia aérea.

Recorde-se que a DAT é uma companhia aérea dinamarquesa que opera rotas regionais na Dinamarca, Noruega, Itália, Alemanha e Finlândia, providenciando também serviços charters e ACMI.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Grupo SATA revela crescimento de 57% o ano passado

O grupo SATA registou, em 2021 uma receita consolidada de mais de 186 milhões de euros, o que se traduz num crescimento de 57,2% face ao ano anterior. Quando comparado o ano pré-pandémico de 2019, a quebra na receita registada situou-se em cerca de 47 milhões de euros.

Constituído pela SATA Air Açores, SATA Azores Airlines e SATA Gestão de Aeródromos, “as perspetivas para 2022 são de otimismo moderado. O número de passageiros e a receita continuam a registar um forte crescimento”.

O grupo aéreo refere que “este é um crescimento entusiasmante, quando comparado com o setor da aviação na globalidade e em face das circunstâncias, ainda bastante adversas, no ano”, uma vez que “continuou a ser marcado pela pandemia covid-19, com particular incidência no primeiro semestre, e as receitas no sector da aviação global continuaram sobre enorme pressão”. Em nota de imprensa, o grupo SATA anuncia que, em 2021, o crescimento dos custos operacionais consolidados foi limitado a +21,5%, “pressionados pelas medidas de combate à pandemia, por custos de restruturação e pela modernização de processos internos que gerarão poupanças futuras”.

Como consequência, “mesmo perante um clima de instabilidade permanente da procura e de um ambiente de mobilidade particularmente adverso”, o grupo fechou o ano com um EBITDA (Resultados Operacionais antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações) de 5,7 milhões de euros, positivo pela primeira vez nos últimos cinco anos.

O resultado líquido consolidado melhorou, no ano em análise, em mais de 30 milhões de euros para um valor de -57,4 milhões de euros. Apesar da melhoria substancial, os resultados líquidos continuam em terreno negativo.

No que diz respeito às companhias aéreas, a SATA Air Açores, apresentou um crescimento de lugares utilizados de 75% em relação ao ano anterior, tendo ficado apenas cerca de 17% abaixo de 2019. Este comportamento resultou num crescimento de Receitas correntes de 18,8%, beneficiando de uma maior resiliência do tráfego doméstico, potenciado pela introdução, em junho, da Tarifa Açores.

Por sua vez, a SATA Azores Airlines apresentou um forte crescimento de receitas correntes de 78,2%, resultado de um crescimento de tráfego de 113%, mais do dobro do ano anterior. O tráfego medido em receitas/passageiro/km ainda ficou 42,2% abaixo de 2019, mas “compara favoravelmente com a indústria global, que ficou 75,5% abaixo de 2019 (IATA)”, refere o grupo aéreo de origem açoriana.

“O crescimento significativo da receita na Azores Airlines muito acima da média da indústria, resulta de uma transformação comercial estruturante que inclui a contínua estabilização e promoção da rede, o trabalho próximo com parceiros, a alavancagem do destino Açores e melhores capacidades técnicas de gestão de receita”, destaca a nota de imprensa.

Luís Rodrigues, presidente do grupo SATA, citado no comunicado, caraterizou o ano de 2021 como “turbulento e animador, tendo em conta o elevado crescimento e início da recuperação pontuado pela instabilidade provocada pelas sucessivas vagas de covid-19 que o condicionaram, mas que não impediram a continuação do processo de transformação organizacional e empresarial que se encontra em curso”.

O gestor sublinha que o ano ficou igualmente marcado “pela interação com o acionista e a Comissão Europeia com vista à aprovação do Plano de Restruturação entregue em fevereiro, o que se veio a verificar no início de junho 2022”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Transportes

IATA: Procura internacional acelera recuperação das viagens aéreas em abril

Em abril, a procura global por viagens aéreas aumentou 78,7%, apesar da guerra na Ucrânia e das restrições às viagens que continuam a existir na China, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA).

Inês de Matos

Em abril, a procura global por viagens aéreas aumentou 78,7% em relação a abril de 2021, principalmente devido à procura internacional, avança a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), que diz que a procura retomou, no quarto mês do ano, a tendência de recuperação, apesar da guerra na Ucrânia e das restrições às viagens que continuam a existir na China.

Apesar da recuperação da procura internacional, a procura por viagens domésticas caiu 1,0% em abril, contrariando o aumento de 10,6% que tinha sido apurado no mês anterior, o que, explica a IATA, foi impulsionado “pelas contínuas restrições de viagens na China, onde o tráfego doméstico caiu 80,8%”.

Face a igual mês de 2019, o último ano antes da pandemia da COVID-19, o tráfego doméstico apresentou uma descida de 25,8%, acrescenta a IATA, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 9 de junho.

Já a procura internacional aumentou 331,9% em abril, existindo várias regiões no mundo onde este indicador já ultrapassou os valores de 2019, como a Europa, Médio Oriente, América do Norte e América Central.

Apesar da forte subida registada na procura internacional em abril, a IATA diz que, em comparação com igual mês de 2019, continua a existir uma descida de 43,4%.

“Com o levantamento de muitas restrições nas fronteiras, estamos a assistir a um aumento há muito esperado nas reservas, à medida que as pessoas procuram compensar dois anos de oportunidades de viagem perdidas. Os dados de abril são motivo de otimismo em quase todos os mercados, exceto na China, que continua a restringir severamente as viagens”, congratula-se Willie Walsh, diretor-geral da IATA.

Por regiões, o destaque vai para a Europa, que foi a região do mundo onde o tráfego internacional mais cresceu em abril, com uma subida de 480,0% face a abril de 2021, acima do crescimento de 434,3% que tinha sido apurado em março. Na Europa, a capacidade subiu 233,5%, enquanto o load factor aumentou 33,7 pontos percentuais, para 79,4%.

Na Ásia-Pacífico o crescimento foi igualmente assinalável, uma vez que, nesta região, o tráfego internacional aumentou 290,8% em abril, também acima do crescimento de 197,2% que tinha sido contabilizado em março. Já a capacidade subiu 88,6% e o load factor cresceu 34,6 pontos percentuais, chegando aos 66,8%, mantendo-se, contudo, como o mais baixo entre todas as regiões.

No Médio Oriente, abril também trouxe um forte crescimento do tráfego internacional, que subiu 265,0%, igualmente acima da subida de 252,7% que tinha sido registada em março. A capacidade aumentou ainda 101,0%, enquanto o load factor cresceu 32,2 pontos percentuais, para 71,7%.

Na América Latina, o tráfego internacional de abril subiu 263,2%, mais uma vez acima do crescimento de 241,2% apurado em março. Já a capacidade aumentou 189,1% e o load factor subiu 16,8 pontos percentuais, fixando-se nos 82,3%, o mais alto entre todas as regiões pelo 19.º mês consecutivo.

Na América do Norte, o aumento do tráfego internacional foi de 230,2% em abril, ligeiramente acima do crescimento de 227,9% que tinha sido apurado em março. Já a capacidade aumentou 98,5% e o load factor cresceu 31,6 pontos percentuais, para 79,3%.

Já África foi a região onde o tráfego internacional menos cresceu, subindo 116.2%, ainda assim acima do aumento de  93,3% que tinha sido contabilizado em março. Já a capacidade cresceu 65,7% e o load factor aumentou 15,7 pontos percentuais, para 67,3%.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.