Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas

A ARAC diz que, nos últimos anos, têm surgido plataformas que disponibilizam autocaravanas particulares, “frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade”, o que pode prejudicar os consumidores e a imagem do país enquanto destino turístico de excelência.

Inês de Matos
Transportes

ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas

A ARAC diz que, nos últimos anos, têm surgido plataformas que disponibilizam autocaravanas particulares, “frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade”, o que pode prejudicar os consumidores e a imagem do país enquanto destino turístico de excelência.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Britânicos procuram viagens de última hora
Destinos
Portugueses isentos de visto para estadas de até 60 dias na Tailândia
Destinos
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes

A Associação Nacional dos Locadores de Veículos (ARAC) veio esta terça-feira, 9 de julho, alertar os consumidores e denunciar a existência de “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas, o que afeta negativamente as empresas que cumprem a lei e pode prejudicar “a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”.

Num comunicado enviado à imprensa, a associação que representa o rent-a-car em Portugal, em cuja legislação está inserida a regulação das autocaravanas, lembra existe “um conjunto de obrigações para garantir a legalidade, a proteção dos consumidores e a transparência contratual” no aluguer destes veículos.

“No entanto, nos últimos anos, têm surgido várias plataformas de aluguer que disponibilizam autocaravanas pertencentes a particulares, frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade. Estes veículos, muitas vezes com um grande número de anos de uso, não cumprem os requisitos legais necessários e operam num quadro legal e fiscal pouco claro, prejudicando os consumidores que os utilizam”, lamenta a associação.

A ARAC diz que tem vindo a denunciar esta situação às “autoridades competentes”, ainda que, até ao momento, não tenham existido “resultados eficazes”, numa situação que a associação diz que “prejudica os consumidores” e a reputação do país.

“Dado o crescimento turístico em Portugal, é fundamental que as entidades públicas relacionadas com a mobilidade, o turismo e as autoridades policiais e fiscais atuem de forma coordenada para resolver este problema. Esta situação não só prejudica os consumidores, como também afeta negativamente a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”, defende a ARAC.

A associação concorda que a “atividade de aluguer de autocaravanas em Portugal apresenta um potencial significativo de crescimento e desenvolvimento” mas defende que “é essencial assegurar que este crescimento seja sustentável e regulamentado, de forma a proteger os consumidores e manter a reputação de Portugal como um destino
turístico de excelência”.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Britânicos procuram viagens de última hora
Destinos
Portugueses isentos de visto para estadas de até 60 dias na Tailândia
Destinos
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes
PUB

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Britânicos procuram viagens de última hora

Uma análise recente da ABTA revela que muitos britânicos estão a considerar umas férias de última hora no estrangeiro este verão. Portugal, mais concretamente, o Algarve é um dos destinos referidos.

A Associação Comercial para Operadores Turísticos e Agentes de Viagens no Reino Unido (ABTA) revela que o mau tempo que se fez sentir no Reino Unido até agora está a levar muitas pessoas a considerar umas férias de última hora no estrangeiro este verão.

Mais de um quarto dos inquiridos (27%) afirma que se sentiria tentado a reservar uma viagem para um local quente e solarengo se conseguisse um bom negócio, enquanto um em cada cinco (19%) afirma que reservaria apenas para fugir ao mau tempo no Reino Unido.

Em todos os países, os escoceses são os mais interessados em trocar a chuva por praias mais soalheiras, com 31% a dizerem que reservariam se conseguissem encontrar um bom negócio para um lugar quente e soalheiro e 27% a dizerem que reservariam apenas para escapar ao mau tempo.

Isto acontece depois de os números do Met Office mostrarem que o Reino Unido acabou de ter a sua primavera mais húmida desde 1986 e, apesar de um ou outro dia de melhor tempo aqui e ali, as previsões para agosto sugerem que os amantes do sol no Reino Unido não têm muito por que esperar.

Por outro lado, muitos dos destinos mais populares do Reino Unido na Europa estão preparados para receber sol diariamente durante a próxima semana, incluindo a Costa del Sol, o Algarve, a costa da Ístria, ilhas gregas como Rodes e Creta e estâncias na costa sul da Turquia.

A ABTA afirma que, “seja qual for a motivação, ainda há tempo para os viajantes conseguirem um bom negócio este verão, especialmente se puderem ser flexíveis quanto ao local para onde vão e à data de partida”, encorajando a associação as pessoas a falarem com o seu agente de viagens ou operador turístico local para verem “o que ainda está disponível”.

O diretor de Comunicações da ABTA, Graeme Buck, refere no comunicado da associação que “embora muitas pessoas já tenham férias de verão pela frente, os nossos dados sugerem que uma percentagem significativa poderá reservar uma viagem tardia, em especial se o verão chuvoso do Reino Unido continuar e se conseguirem encontrar uma escapadela a bom preço”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Portugueses isentos de visto para estadas de até 60 dias na Tailândia

Portugal passa, assim, a fazer parte de uma lista de 93 países e territórios aos quais a Tailândia concede agora a isenção de visto para estadas até 60 dias. Além disso, o recém-lançado visto de nómada digital oferece estadas até 180 dias.

Os cidadãos portugueses passam a estar isentos de visto para estadas na Tailândia até 60 dias, fazendo esta medida parte de um novo pacote de políticas de vistos anunciado pela Tailândia, com o objetivo de impulsionar a economia do país através das viagens e do turismo. As novas medidas incluem a isenção de visto até 60 dias, o visto de destino (DTV) e vistos de estudante, que já estão em vigor.

Portugal faz parte dos 93 países e territórios aos quais a Tailândia concede agora a isenção de visto para estadas até 60 dias. Anteriormente, os cidadãos portugueses contavam com visto apenas para um período de até 30 dias no país. Os visitantes abrangidos por este regime passam a estar autorizados a permanecer no destino para fins turísticos e compromissos comerciais de curta duração por um período não superior a 60 dias, podendo este ser prolongado no Serviço de Imigração por outro período não superior a 30 dias.

Visto de Destino Tailândia (DTV)
A Tailândia encontra-se ainda a introduzir uma nova medida de vistos, o Destination Thailand Visa (DTV) para trabalhadores remotos, nómadas digitais e freelancers, bem como para participantes em atividades tipicamente tailandesas, como cursos de Muay Thai, aulas de culinária tailandesa, treino desportivo, tratamentos médicos, seminários e festivais de música. Os cônjuges e filhos dependentes de titulares de TVD também serão elegíveis.

Os estrangeiros que pretendam solicitar este visto devem ter um comprovativo de fundos ou uma garantia não inferior a cerca de 12.659€ (500.000 Baht) durante a sua estada. A taxa do visto é de cerca de 253€ (10.000 Baht).

Os titulares de TVD, em conjunto com os cônjuges e filhos a cargo, terão direito a uma estada de cinco anos com entradas múltiplas para estadas cumulativas não superiores a 180 dias, podendo ser prolongadas por mais 180 dias.

Visto de estudante (ED Plus de não imigrante)
A Tailândia está também a prolongar a permanência de estudantes estrangeiros do ensino superior por mais de um ano após a conclusão do seu curso. Estes podem ainda encontrar trabalho durante este período e, se empregados localmente, podem alterar o tipo de visto para Não-Imigração B sem terem de sair da Tailândia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico

A República da Moldávia, representada pela Medical Tourism Association, foi eleita para ocupar a presidência do Global Medical Tourism Council (GHTC) para os próximos dois anos, (2024-2026). Esta posição, decidida na Assembleia Geral do GHTC, significa a crescente influência da Moldávia na indústria global deste segmento de turismo.

Publituris

Competindo contra a Alemanha e a Arábia Saudita, a Moldávia garantiu a maioria dos votos de mais de 50 países participantes, refletindo sua proeminência emergente neste setor.

“A posição é um passo importante na promoção do turismo médico na República da Moldávia, mas também no aumento da visibilidade do país em nível internacional”, enfatizou Andrei Revenco, diretor executivo da Associação de Turismo Médico da Moldávia.

Nos próximos dois anos, a associação concentrará em melhorar a gama de serviços médicos disponíveis no país. As principais áreas de desenvolvimento incluem cirurgia ortopédica, oftalmologia e balneoterapia. A Moldávia ostenta uma rica tradição em balneoterapia, mas são ainda necessários investimentos significativos para atender aos padrões europeus.

A jornada da Moldávia no turismo médico começou em 2009. Em 2018, o setor havia crescido significativamente, com turistas estrangeiros a representarem mais de 35% do número total de pacientes em clínicas moldavas. Os visitantes mais frequentes vêm da Roménia, Rússia, Ucrânia, Turquia, Bulgária e Israel. As principais atrações são os tratamentos médicos de alta qualidade e custo-efetivos, clima favorável e alojamento acessível.

A Moldávia oferece uma variedade de opções de turismo médico, incluindo serviços de diagnóstico e bem-estar. O país adere aos padrões médicos internacionais, garantindo diagnósticos precisos e tratamentos eficazes.

Os setores ​​que atraem pacientes internacionais incluem Estomatologia, tratamento para Hepatite C, Oftalmologia, Cirurgia Plástica e Planeamento Familiar (tratamentos de fertilidade).

A infraestrutura de turismo médico da Moldávia inclui mais de 300 clínicas e centros médicos privados somente em Chisinau. Essas instalações oferecem uma ampla gama de serviços, desde cuidados odontológicos até cirurgias complexas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Da esquerda para a direita: Hugo Teixeira Francisco, Bruno Teixeira, João Daniel Ramos

Distribuição

Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour

A Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação no capital da Geonatour no que diz ser um “reforço do compromisso com o turismo sustentável em Portugal”.

Publituris

Num movimento estratégico, a Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação significativa na Geonatour, fortalecendo assim a sua posição em soluções de turismo sustentável, abrindo este acordo um novo capítulo para ambas as empresas, com um foco renovado em inovação e sustentabilidade.

Hugo Teixeira Francisco, cofundador e CMO da Portugal Green Travel, destaca que a Geonatour já era uma parceira valiosa e fornecedora de serviços essenciais para eles. “A entrada no seu capital é um passo natural, dado o aumento significativo de turistas que procuram experiências autênticas, nomeadamente programação de caminhadas e atividades ao ar livre em Portugal. Com esta parceria, reforçamos o nosso compromisso com inovações tecnológicas e a digitalização do setor turístico, que são cruciais para promover um turismo mais responsável e integrado,” afirma Hugo.

Do lado da Geonatour, Bruno Teixeira, CEO e cofundador, considera que a entrada da Portugal Green Travel vai servir como uma “verdadeira alavanca para crescimento e inovação. Não só traz um forte alinhamento estratégico e compromisso com a sustentabilidade, como também nos permite expandir e melhorar a nossa oferta de serviços. Juntos, iremos desenvolver novos produtos que respeitam e promovem a riqueza natural e cultural dos territórios portugueses”.

As expectativas para os próximos anos são altas, e ambos os responsáveis estão confiantes de que esta parceria transformará o turismo em Portugal. Hugo Teixeira Francisco projeta que esta parceria colocará a empresa na vanguarda do turismo sustentável em Portugal. “Estamos a trabalhar para integrar completamente as nossas operações e maximizar as sinergias entre as nossas equipas. A nossa visão é a de que cada turista que visita Portugal através da nossa rede experimente uma conexão genuína e profunda com os territórios, beneficiando todas as partes envolventes de uma forma sustentável e com recurso a soluções tecnológicas 100% portuguesas”.

Já Bruno Teixeira acrescenta que a meta é “continuar a promover e valorizar o património natural através da plataforma Geonatour, garantindo que cada experiência seja única e verdadeiramente enriquecedora”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043

De acordo com a Boeing, a procura por novas aeronaves deverá duplicar nos próximos 20 anos. 76% dos aviões a serem entregues devem ser de corredor único, e metade substituirá aviões mais antigos por modelos mais eficientes em termos de combustível.

Publituris

Com as viagens aéreas em fase de total recuperação, a Boeing prevê um aumento de 3% nas entregas de aviões nos próximos 20 anos, com as transportadoras a necessitarem de quase 44.000 novos aviões comerciais até 2043, indicando ainda no “Commercial Market Outlook (CMO)” para 2024, que os mercados emergentes e a procura global de aviões de corredor único continuarão a ser os principais motores de crescimento do setor.

“A procura de viagens aéreas continua a ultrapassar o crescimento económico num mundo cada vez mais conectado”, refere o documento da Boeing, considerando ainda que, em comparação com 2023, “o tráfego aéreo de passageiros aumentará em média 4,7% ao ano nas próximas duas décadas”.

“Esta é uma era desafiadora e inspiradora para a aviação. O regresso a um crescimento de tráfego mais típico mostra a resiliência da nossa indústria, mesmo quando todos nós trabalhamos com a cadeia de abastecimento e restrições de produção em curso, entre outros desafios globais”, refere Brad McMullen, vice-presidente sénior de Vendas Comerciais e Marketing da Boeing.

Assim, o CMO da Boeing destaca que a frota comercial global deva crescer 3,2% ao ano, mais lentamente do que o tráfego aéreo, “uma vez que as companhias aéreas continuam a aumentar a produtividade através do aumento dos fatores de carga e da utilização de aviões mais horas por dia”.

No que diz respeito aos principais fatores de crescimento, o fabricante norte-americano estima que “o tráfego de passageiros no Sul da Ásia aumentará 7,4%, seguido do Sudeste Asiático (7,2%) e de África (6,4%), à medida que os mercados emergentes regressam às tendências históricas de crescimento durante o período de previsão”.

Prevê-se que a Eurásia lidere todos os mercados com o maior número de entregas de aviões (22% do total), seguida de perto pela América do Norte (20%) e pela China (20%).

Os aviões de corredor único constituirão 71% da frota de 2043, após 33.380 novas entregas, servindo rotas de curto e médio curso com maior versatilidade.

A frota global de aviões de fuselagem larga mais do que duplicará, com os aviões de dois corredores a representarem 44% da frota do Médio Oriente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Enoturismo

Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto

Pelo sétimo ano, uma “comitiva” de Vinhos do Tejo acompanha o ritual dos portugueses e ruma a uma mão cheia de praias da nossa costa. Até 13 de agosto, a ação Vinhos do Tejo na Praia vai dar a conhecer vinhos produzidos no concelho de Almeirim nas praias da Nazaré a Olhão.

Publituris

Promovida pela Comissão Vitivinícola Regional do Tejo, em parceria com a Câmara Municipal de Almeirim, esta iniciativa tem como objetivo dar a conhecer e promover alguns dos vinhos da região, ideais para os dias quentes de verão, brindando e refrescando os veraneantes dos areais percorridos.

No total de nove referências, com seis brancos e três rosés, a caravana Vinhos do Tejo nas Praias leva na bagagem vinhos frescos, frutados e descomplicados, ideais para beber nos dias quentes, a sós ou em boa companhia, durante ou mesmo fora das refeições desta época estival. Com origem em quatro produtores do concelho de Almeirim e com a particularidade de estarem à venda em supermercados e hipermercados, os eleitos são o Cacho Fresco branco e rosé, o Obelisco branco e rosé, da Adega de Almeirim; o Conde Vimioso Colheita Selecionada branco e rosé, da Falua; o 3 Castas branco, da Fiuza; e o branco e o Fernão Pires, da Quinta da Alorna.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação

O Airports Council International (ACI) World e a Airbus assinaram um acordo de cooperação para apoiar os esforços do sector no sentido de reduzir o impacto ambiental da aviação.

Publituris

Esta parceria entre a Airports Council International (ACI) World e a Airbus aproveita os pontos fortes do principal fabricante de aeronaves do mundo e da maior e mais importante associação internacional de aeroportos para fazer progressos significativos tanto na descarbonização da aviação como na redução do impacto do ruído das aeronaves.

Esta aliança abordará áreas fundamentais, incluindo os combustíveis sustentáveis para a aviação (SAF), as tecnologias de hidrogénio, a mobilidade aérea avançada, a eficiência das operações e as práticas de gestão do ruído das aeronaves. Promoverá o intercâmbio de informações e perspectivas sobre operações com baixas emissões de carbono, comunicará os progressos da indústria, desenvolverá conjuntamente materiais de orientação e, potencialmente, formulará posições unificadas sobre políticas e normas para atingir os objetivos da indústria.

O diretor-geral e CEO da ACI World, Luis Felipe de Oliveira, considera que o acordo de cooperação inovador entre a ACI World e a Airbus marca “um passo fundamental na nossa jornada rumo a um setor da aviação com emissões líquidas nulas de carbono. Esta aliança estratégica sublinha o compromisso inabalável dos aeroportos de todo o mundo para com a aviação sustentável, assegurando que não só reduzimos o nosso impacto ambiental como também maximizamos os benefícios socioeconómicos das viagens aéreas. Ao centrarmo-nos em áreas-chave como os combustíveis sustentáveis para a aviação, as tecnologias de hidrogénio, a mobilidade aérea avançada, a eficiência operacional e a gestão do ruído das aeronaves, estamos a estabelecer novos padrões de referência para a sustentabilidade na aviação e a preparar o caminho para um futuro mais verde.”

Do lado da Airbus, Julie Kitcher, diretora de Sustentabilidade do grupo, refere, por sua vez, que “combinando os nossos conhecimentos tecnológicos com a vasta rede e conhecimentos operacionais da ACI World, pretendemos influenciar políticas e normas que apoiem a aviação sustentável e impulsionem a inovação em todo o setor. Juntos, podemos criar uma abordagem coesa e alinhada para alcançar os nossos objetivos de descarbonização e melhorar a sustentabilidade do sector da aviação global.”

Esta colaboração baseia-se na parceria de sucesso entre a Airbus e a ACI EUROPE, que teve início há dois anos e que reforçou significativamente a relação, trabalhando em conjunto na implantação de energias alternativas, incluindo hidrogénio e SAF, no âmbito das alianças europeias, partilhando dados técnicos com os aeroportos europeus e comunicando os progressos realizados em eventos-chave do sector. A expansão desta colaboração a uma escala global sublinha a importância de esforços integrados entre os fabricantes de aeronaves e os operadores aeroportuários a uma escala global.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”

A Universidade NOVA de Lisboa vai lançar, já para o ano letivo 2024/2025, a nova Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”, um programa que visa fortalecer o turismo e a hospitalidade de excelências em Portugal.

Publituris

O programa distingue-se pela sua natureza interdisciplinar, envolvendo mais de 25 docentes de oito faculdades da NOVA, incluindo um especialista proveniente da rede EUTOPIA. Conta também com a participação ativa de parceiros do setor: Turismo de Portugal, Grupo Pestana, Details Hospitality, Sports and Leisure, AHP e APAVT.

“Esta pós-graduação representa uma resposta concreta às necessidades de qualificação no setor de turismo e hospitalidade, integrando uma abordagem interdisciplinar que é fundamental para a formação de líderes inovadores e preparados para enfrentar os desafios e as oportunidades do futuro, num setor que representa 16,8% do Produto Interno Bruto e 8,4% dos empregos no nosso país”, afirma Pedro Saraiva, vice-reitor da NOVA para Inovação Organizacional e Transformação Digital e coordenador da TOHO.

A Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality” visa capacitar os profissionais do setor com as ferramentas necessárias que irão impulsionar o prestígio de Portugal no desenvolvimento e na inovação do Turismo e contribuir para elevar o país como destino turístico de excelência.

Criado com os contributos dados pelos principais agentes do setor, este programa está focado no desenvolvimento e na inovação, preparando os alunos para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades emergentes no mercado de turismo e hospitalidade, atendendo à sustentabilidade económica e social, a novas motivações, nichos turísticos e aos impactos da inovação digital.

Esta Pós-Graduação cujas inscrições já estão abertas, com as aulas a terem lugar entre outubro de 2024 e junho de 2025, é financiada pelo Programa de Recuperação e Resiliência permitindo, nesta primeira edição, uma redução do valor da propina.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida

A Green Breeze, especializada em aluguer de iates e barcos de luxo na região do Estuário do Sado, Tróia e Serra da Arrábida, oferece uma navegação mais sustentável e de luxo. Com um compromisso com o meio ambiente, a empresa destaca-se por possuir o único iate híbrido da região, proporcionando uma experiência única e ecológica aos seus clientes.

Publituris

Em modo 100% elétrico o Greenline 48 consegue fazer entre uma e duas horas de navegação permitindo assim uma perfeita interação com o meio ambiente e motivando muitas vezes a visita dos golfinhos que habitam nas águas do estuário do Sado.

A Green Breeze integra a inovação ecológica no coração das suas operações: o iate híbrido Greenline 48 Fly Hybrid, representa o futuro da navegação sustentável, combinando tecnologia de ponta com práticas amigas do ambiente.

No futuro e como explica Joana Poças, Managing Director da empresa, “queremos alargar a nossa frota e ter um barco 100% elétrico”.

Para complementar a oferta de luxo, a Green Breeze reforçou as suas parcerias com os melhores restaurantes e hotéis da região. “Os nossos clientes têm a oportunidade única de desfrutar de produtos da região a bordo, desde um exclusivo vinho Ermelinda de Freitas ao saboroso queijo de Azeitão”, explica o responsável, reafirmando que, estas parcerias “não só enriquecem a experiência a bordo, como também apoiam a economia local e promovem a excelência gastronómica da região”.

A maioria dos clientes da empresa são turistas vindos dos EUA, mas também conta com muitos franceses. Contudo, “gostaríamos que cada vez mais portugueses pudessem desfrutar deste tipo de experiências exclusivas e de luxo que o nosso país tem para oferecer.” acrescenta Joana Poças.

A Green Breeze oferece uma frota diversificada de iates e barcos de luxo, cada um equipado com comodidades de primeira classe. A bordo, os clientes podem desfrutar de serviços exclusivos, incluindo catering gourmet, degustações de vinhos locais, fotografias profissionais e muito mais.

A marca oferece passeios personalizados ao longo da costa de Setúbal, com vistas para a Serra da Arrábida, as praias de Tróia e as águas da Arrábida. Cada experiência é adaptada aos desejos dos clientes, seja para uma celebração especial, um evento corporativo ou uma escapadela romântica. No que diz respeito a serviços, contam-se desde uma viagem de 3 horas para assistir ao pôr do sol a bordo, um passeio de meio-dia ou de dia inteiro e até um fim de semana ou uma semana completa, com valores de experiências que começam nos 850 euros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre

A Ryanair apresentou, no primeiro trimestre de 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), lucros de 360 milhões de euros, uma quebra de 46% face aos 663 milhões de igual período do exercício anterior. No que diz respeito ao número de passageiros transportados, registou, no entanto, um aumento de 10%, alcançando os 55,5 milhões.

Victor Jorge

No primeiro trimestre do exercício 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), a Ryanair registou uma quebra nos lucros, passando de 663 milhões de euros para 360 milhões de euros, representando uma descida de 46%.

As receitas também registaram uma descida, embora mais ligeira, de 1%, totalizando 3,63 mil milhões de euros contras os 3,65 mil milhões de euros de período homólogo do exercício transato, sendo que as receitas regulares diminuíram 6% para 2,33 mil milhões de euros, e as vendas acessórias (Ancillary) aumentaram 10% para 1,3 mil milhões de euros (cerca de 23,40 euros por passageiro).

Já os custos operacionais, aumentaram em 11%, passando os 2,94 mil milhões de euros, no final de junho de 2023, para 3,26 mil milhões de euros no sexto mês de 2024.

A companhia lowcost liderada por Michael O’Leary informa ainda que o número de passageiros transportados passou de 50,4 milhões, no final do primeiro trimestre do exercício de 2024, para 55,5 milhões no final do primeiro trimestre do exercício de 2025, representando um acréscimo de 10%, embora o load factor tenha descido um ponto percentual (p.p.), de 95% para 94%.

Em comunicado, Michael O’Leary destaca o aumento do número de passageiros transportados, “apesar dos múltiplos atrasos na entrega de aviões por parte da Boeing”.

“O grupo Ryanair tinha 156 B737 Gamechangers a 30 de junho e esperamos aumentar este número para mais de 160 até ao final de julho (menos 20 do que as entregas contratadas)”, avança a companhia, referindo que “registámos uma melhoria na qualidade e frequência das entregas durante o 1.º trimestre”. Embora reconheça o “risco de as entregas da Boeing atrasarem ainda mais”, a Ryanair espera garantir a entrega “atempada” dos restantes 50 aviões da Boeing antes do verão de 2025.

“Este verão, estamos a operar o nosso maior programa de sempre com mais de 200 novas rotas (e cinco novas bases)”, assinalando o prolongamento do contrato de aluguer operacional, até 2028, de três A320 com a Lauda, ao mesmo tempo que “continuaremos também a receber B737 até agosto e setembro, apesar de não podermos programar estes aviões para os voos de pico do verão”, diz a Ryanair no comunicado.

“Prevemos que a capacidade europeia de voos de curta distância permaneça limitada durante alguns anos, uma vez que os operadores de A320 estão a efetuar importantes reparações de motores P&W, os fabricantes se debatem com atrasos nas entregas e a consolidação das companhias aéreas prossegue, incluindo a aquisição da ITA (Itália) pela Lufthansa, recentemente aprovada, a aquisição adiada da Air Europa (Espanha) pela IAG e a venda iminente da TAP (Portugal)”.

Mantendo o objetivo de transportar 300 milhões de passageiros no ano fiscal de 2034, a Ryanair indica que os volumes de combustível para o ano fiscal 2025 estão cobertos em 75%, admitindo poupanças superiores a 450 milhões de euros. Além disso, revela que, “aproveitando a recente fraqueza do preço do petróleo”, a companhia aumentou a cobertura de combustível para o ano fiscal 2026 para quase 45%, assinalando que “esta forte posição de cobertura ajuda a isolar o grupo da volatilidade significativa dos preços dos combustíveis”.

Para o restante exercício de 2025, a Ryanair prevê que o tráfego de passageiros cresça 8%, podendo atingir os 200 milhões, “desde que não se registem atrasos na entrega dos Boeing”.

“Embora a procura no 2.º trimestre seja forte, os preços continuam a ser mais baixos do que esperávamos, e esperamos agora que as tarifas do destes próximos três meses sejam materialmente mais baixas do que no verão passado. O resultado final do primeiro semestre está, no entanto, totalmente dependente das reservas e das receitas finais em agosto e setembro. Como é normal nesta altura do ano, temos uma visibilidade quase nula do terceiro e quarto trimestres, embora o quarto trimestre não beneficie da Páscoa antecipada do ano passado”.

Assim, conclui, “é demasiado cedo para fornecer uma orientação significativa para os lucros do exercício de 2025, embora esperemos poder fazê-lo nos nossos resultados do primeiro semestre, em novembro. O resultado final de 2025 continua sujeito a evitar desenvolvimentos adversos durante o exercício, especialmente devido aos conflitos contínuos na Ucrânia e no Médio Oriente, à repetida falta de pessoal e restrições de capacidade do ATC ou a novos atrasos na entrega da Boeing”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.