Edição digital
Assine já
PUB

Foto: Frame It

Distribuição

IAG7 está compradora em Portugal

A IAG7 é a quarta maior agência de viagens corporativas em Espanha, e está em Portugal há cinco anos. Quer crescer, quer ser cada vez maior não só no país de origem como também em Portugal e, por isso está à procura de uma oportunidade para comprar médias agências de viagens ligadas a este segmento. A revelação foi feita em entrevista ao Publituris pelo seu CEO, Ángel Muñoz, estando acompanhado da sua diretora em Portugal, Andreia Oliveira.

Carolina Morgado

Foto: Frame It

Distribuição

IAG7 está compradora em Portugal

A IAG7 é a quarta maior agência de viagens corporativas em Espanha, e está em Portugal há cinco anos. Quer crescer, quer ser cada vez maior não só no país de origem como também em Portugal e, por isso está à procura de uma oportunidade para comprar médias agências de viagens ligadas a este segmento. A revelação foi feita em entrevista ao Publituris pelo seu CEO, Ángel Muñoz, estando acompanhado da sua diretora em Portugal, Andreia Oliveira.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados
TAP distingue os melhores parceiros de 2023
Transportes
Nova Edição: Os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards 2024”. Conheça-os na edição 1512
Prémios
Edição Digital: Os nomeados dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. Conheça-os na edição 1512
Edição Digital
Marca NH Collection celebra os 10 anos em cinco hotéis na Europa incluindo Lisboa
Hotelaria
Operadores turísticos promovem campanha para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens
Distribuição
Coimbra: Projeto de turismo sustentável tem apoio de 4,9M€ da Comissão Europeia
Destinos
APG-IET integra Volotea
Aviação
AirHelp antecipa panorama dos voos em Portugal no verão
Transportes
Vamos Portugal chega ao mercado nacional do renting
Transportes
Praga continua entre os destinos de MICE mais procurados do mundo
Meeting Industry

A IAG7 é uma agência de viagens corporativa, de business travel e eventos, fundamentalmente. É a quarta maior nestes segmentos de viagens em Espanha. Existe há 40 anos e, com esta, sociedade há 20. Nasceu em Madrid, cresceu por toda a Espanha, e entrou em Portugal há cinco anos, mercado onde quer aumentar a sua influência com aquisições de novas médias agências de viagens, ou a parte corporate de empresas que acumulam este segmento com o lazer.

Em Portugal, “achamos que chegou o momento de incorporar alguma agência de viagens, aumentar a equipa, enfim, fazer mais coisas”, revelou ao Publituris, Ángel Muñoz, CEO da IAG7, em entrevista, acompanhado pela sua diretora no nosso país, Andreia Oliveira.

Porquê Portugal?
“O crescimento natural para nós, enquanto agência corporativa no sector de viagens de negócios foi Portugal, por diversos motivos: a proximidade geográfica e também como parte estratégica de alavancar e de fortificar relações estratégicas com os nossos clientes que têm negócios em ambos os países” acentuou o CEO da empresa, indicando ainda que “realizámos algumas ações específicas na Suécia e no Reino Unido apenas de forma tática, devido às necessidades dos clientes”. No entanto, “o nosso foco no imediato está em Portugal, onde estamos a crescer, mas onde estamos a começar a explorar oportunidades de aquisição para acelerar a nossa presença. Outras geografias virão mais tarde, mas não é uma urgência”.

“Começamos a procurar e a ver devagarinho, mas entendemos que precisamos de crescer num mercado em ascensão como é o português, com a incorporação de novas agências, em Lisboa ou no Porto. Achamos que agora é a oportunidade”, disse o gestor.

Apontou que o nosso país é um mercado que alcançou o ponto de amadurecimento ao nível de grandes agências de viagens de lazer, mas “como em Espanha, existem ainda muitas médias agências de corporate, então há uma oportunidade de criar uma grande empresa em Portugal”. Assim, “gostaríamos que fosse durante o 2024”, e para Andreia Oliveira, “num negócio que seja competitivo”.

O CEO da IAG7 sublinha que “os clientes pedem cada vez mais, é preciso muita tecnologia e há que pagá-la, então, é necessário ser um operador grande. O mesmo se passou no mundo do lazer em Portugal, já que os operadores são muito fortes, mas no business travel ainda não tanto e, aí, há um papel onde podemos jogar”.

Em 2022, o grupo IAG7 registou um volume de negócios de 270 milhões de euros, dos quais mais de 80% correspondem a viagens e eventos empresariais (business travel e MICE), “sendo esta a nossa principal área de negócio”, revelou, sublinhando que “o resto corresponde ao negócio B2B de venda a outras agências de viagens na consolidação de companhias aéreas (somos um dos principais consolidadores em Espanha, e outros serviços prestados a agências de viagens também na área do lazer”.

No ano passado, a faturação do grupo aumentou para cerca de 320 milhões de euros. “Crescemos com os clientes que incorporamos no final de 2023, e estamos também a ver algumas aquisições em Espanha para acelerar o crescimento. Temos de crescer mais rápido”, realçou Ángel Muñoz.

O ano de 2023 foi “fantástico para o setor em termos de recuperação comercial e, possivelmente, também de rentabilidade. Crescemos muito em 2023 como resultado do esforço comercial que realizámos desde 2021”, enfatizou o responsável, ressaltando que “o cenário de crescimento generalizado dos preços pode ter um impacto tanto na procura das empresas como das famílias, mas penso que este impacto se manifestará gradualmente ao longo de 2024. Se não ocorrerem acontecimentos extraordinários, 2024 continuará a ser um bom ano para as viagens de negócios, MICE e certamente também para as férias em lazer”.

Ángel Muñoz, CEO da IAG7, e Andreia Oliveira, diretora da IAG7 em Portugal
Foto: Frame It

Resposta positiva do mercado português
A diretora da agência em Portugal apontou, igualmente, que o corporate está a crescer muito no nosso país. “Cada vez mais as pessoas estão a voltar às viagens, aos eventos, cada vez mais as pessoas nos pedem mais serviços, o que não acontecia tanto antes da pandemia, por isso temos mais volume”.

A resposta positiva do mercado português “reflete não apenas a aceitação, mas a celebração das experiências únicas que proporcionamos aos consumidores e às empresas, tornando-nos uma escolha privilegiada no ambiente competitivo do nosso sector”, frisou Andreia Oliveira.

Salientou ainda que, “em solo português, os nossos serviços são mais do que uma resposta às necessidades; são uma estratégia para a excelência. Desde pacotes de viagens customizados para exploradores individuais até soluções corporativas adaptadas para empresas alicerçadas em tecnologia e integrações, cada serviço é uma expressão da nossa dedicação à qualidade. O aumento do setor em Portugal cria uma necessidade crescente por serviços turísticos diferenciados e competitivos, uma necessidade que estamos orgulhosamente capacitados a atender”.

Por sua vez, para Muñoz Portugal “não é apenas o palco de nossas operações, é um território em constante transformação onde a necessidade de serviços diferenciadores está intrinsecamente ligada ao crescimento do ambiente empresarial”, avançando que “estamos aqui não apenas como prestadores de serviços, mas como parceiros estratégicos para empresas e consumidores que procuram não apenas satisfazer, mas superar as expectativas num mercado cada vez mais dinâmico e globalizado. A nossa presença em Portugal é mais do que comercial; é uma celebração da parceria, da inovação e, acima de tudo, do compromisso em oferecer serviços que transcendem as expectativas do exigente público português”.

O cliente lazer da IAG7 vai estar sempre ligado ao business travel, disse o gestor, indicando que “são normalmente clientes corporate que, quando querem fazer lazer, como conhecem o nosso serviço personalizado, procuram-nos”. Por isso é que não querem, em Portugal, ter uma rede de lojas de rua. “Essas já existem e temos em Espanha 20. Queremos, sim, aumentar a nossa incorporação no segmento que dominados”, defendeu.

Foco nas tecnologias
O investimento em tecnologia vai continuar a aumentar, disse Ángel Muñoz que explicou que “somos proprietários de uma empresa de motores de busca e vendemos a outras agências de viagens. A importância é ter estas tecnologias nos processos porque é fundamental no segmento de business travel”.

Sobre esta matéria adiantou que “estamos a trabalhar na melhoria dos nossos processos internos para acompanhar o crescimento com eficiência, incluindo novas tecnologias internas.

A nossa contribuição para a RSE é também um foco, não só no aspeto ambiental, onde já fizemos muito trabalho, mas também no nosso impacto social dentro e fora da empresa. Por fim, a tecnologia está sempre presente para nós como soluções para os clientes (ferramentas de relatórios, ferramentas de auto-reserva, etc., com as nossas próprias soluções) e também para uso interno”.

Um dos capítulos principais da nova política de viagens é a sustentabilidade. Na opinião do responsável, “em primeiro lugar, compreender com o cliente quais são as suas prioridades de sustentabilidade e como compatibilizá-las com as viagens, uma vez que a primeira contribuição para a sustentabilidade é a racionalização das viagens. Depois, oferecemos ferramentas de informação sobre o impacto ambiental das suas viagens, com relatórios de consumo e estimativas de emissões de CO2. Também lhes oferecemos soluções de compensação de emissões, se tal for do seu interesse”.

A IAG7 é parceira da Travel Leaders, uma associação global de agências de business travel. O CEO da empresa considerou que “a nossa adesão é estratégica porque nos dá acesso a conhecimento e gestão global de viagens de negócios, bem como é um catalisador para apoiar a expansão internacional dos nossos clientes noutros países, com parceiros em mais de 80 países. Ao mesmo tempo, é uma fonte de crescimento para Espanha e Portugal, permitindo-nos fornecer serviços de viagens de negócios a outros clientes da Travel Leaders”. Por outro lado, tendo muito conhecimento em tecnologia “permite-nos aceder a todas essas ferramentas”.

Ao longo da entrevista, Muñoz ressalvou sempre que “hoje somos grandes, mas mantemos uma filosofia algo familiar, preocupados com a qualidade e o serviço, tendo a tecnologia muito presente”, daí que, sobre a sua equipa em Portugal, defende que “a Andreia é uma valente, iniciou o projeto connosco e estamos supercontentes com a sua prestação. Além disso, para nós, a relação com as pessoas e o contacto direto é muito importante, e esteve sempre claro que ela aposta no projeto, tendo começado do zero”.

O nosso foco no imediato está em Portugal, onde estamos a crescer, mas onde estamos a começar a explorar oportunidades de aquisição para acelerar a nossa presença no mercado. Outras geografias virão mais tarde, mas não é uma urgência”

Onde e como tudo começou
A empresa foi fundada em 2005, inicialmente com o nome comercial IA Viajes, que significa “Integración de Agencias de Viajes”. Nasceu da fusão de sete agências de viagens corporativas localizadas em Madrid. A G7 foi adicionada quando adquiriram uma agência de viagens corporativas e MICE com o nome de G7 Viajes. Na altura, “acreditámos que a melhor mensagem para o mercado era reforçar o nome das duas empresas, ficando assim IAG7 Viagens”, explicaram. As agências adquiridas pelo grupo IAG7 Viajes já não mantêm a sua designação comercial, nem funcionam de forma independente, todas estão ligadas e são geridas de forma unanime.

O gestor diz que ser o quarto maior em Espanha no segmento de business travel “é um orgulho, porque começámos muito pequeninos e acreditamos que fazemos as coisas bem. A proposta de serviço tem sido adequada, somos flexíveis, adaptamo-nos às necessidades do cliente, apostamos na tecnologia e no crescimento sustentável. Estes foram sempre os nossos objetivos. Também acreditamos que a dimensão é importante. É necessário ser grande para poder prestar serviços de maneira competitiva”, destacou.

Conforme assegurou os elementos diferenciadores do grupo são: “a especialização em viagens de negócios e MICE, que nos permite oferecer uma gama completa de soluções e serviços para uma empresa pública ou privada, PME ou grande empresa; flexibilidade e agilidade na tomada de decisões, o que permite adaptar a oferta comercial às necessidades específicas do cliente e gerir facilmente o pós-venda e as incidências; proximidade e conhecimento local, que permite a adaptação e o tratamento humano no serviço. Os restantes atributos, tais como a experiência, o conhecimento, ou a confiança, já existem, e já são um dado adquirido”, observou.

Mercado global em recuperação
A nível geral já se pode falar numa total recuperação do mercado das viagens? Respondendo a esta questão, Ángel Muñoz considerou que “é possível que o mercado das viagens de negócios, no seu conjunto, não tenha recuperado. Pelas informações que temos, e seguindo as publicações da associação GEBTA da qual fazemos parte, em Espanha o mercado está possivelmente 90% recuperado; sendo os pequenos e médios clientes os que recuperaram muito mais, e os clientes da dimensão das grandes multinacionais ainda não registam valores de recuperação tão elevados, talvez porque tenham aproveitado a oportunidade para modificar procedimentos no que diz respeito às suas políticas de viagem. No caso do MICE, parece que talvez os números de 2019 já tenham sido ultrapassados e haja mais volume do que antes da pandemia”, concluiu o nosso entrevistado.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Artigos relacionados
TAP distingue os melhores parceiros de 2023
Transportes
Nova Edição: Os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards 2024”. Conheça-os na edição 1512
Prémios
Edição Digital: Os nomeados dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. Conheça-os na edição 1512
Edição Digital
Marca NH Collection celebra os 10 anos em cinco hotéis na Europa incluindo Lisboa
Hotelaria
Operadores turísticos promovem campanha para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens
Distribuição
Coimbra: Projeto de turismo sustentável tem apoio de 4,9M€ da Comissão Europeia
Destinos
APG-IET integra Volotea
Aviação
AirHelp antecipa panorama dos voos em Portugal no verão
Transportes
Vamos Portugal chega ao mercado nacional do renting
Transportes
Praga continua entre os destinos de MICE mais procurados do mundo
Meeting Industry
PUB
Transportes

TAP distingue os melhores parceiros de 2023

No evento anual, a TAP Air Portugal premiou os melhores parceiros de vendas de 2023 que promoveram a companhia dentro e fora do país.

Victor Jorge

A TAP Air Portugal homenageou esta quinta-feira, 23 de maio, os agentes de viagens que mais se destacaram na venda de bilhetes para voos da companhia, nos principais mercados onde atua, com a tradicional cerimónia de entrega dos TAP Awards.

O evento, presidido pelo chaiman e CEO da TAP, Luís Rodrigues, contou com representantes do setor de viagens e turismo de Portugal, Brasil, Estados Unidos da América, África e dos principais mercados da Europa.

Os prémios TAP Awards foram entregues aos agentes de viagens que mais se distinguiram no último ano pelo volume de vendas realizado para voos da TAP, reforçando, assim, a companhia o reconhecimento da importância dos seus parceiros privilegiados de negócio para o desenvolvimento da atividade e dinamização da indústria de viagens e turismo e o contributo que dão para a consolidação das vendas e sustentabilidade da transportadora.

Os vencedores dos TAP Awards nas diferentes categorias foram:

LEISURE
Top Seller Global OTA – Etraveli
Top Seller Groups – Pinto Lopes
Top Seller Global Cruises – MSC Cruises

CORPORATE
Top Seller Global TMC – GBT AMEX
Top Seller Business Class Global TMC – BCD

EUROPA
Top Seller Itália – Gattinoni
Top Seller Business class Itália – Welcome Travel Group

Top Seller Reino Unido – Latitude Forty Travel
Top Seller Business Class – Travel Counsellors

Top Seller França – Selectour
Top Seller Business Class – Manor

Top Seller Alemanha – Aerticket
Top Seller Business Classe – Der Business Travel

Top Seller Espanha – AvorisSpain
Top Seller Business Class Espanha – El Corte Inglés

BRASIL
Top Seller Brasil – CVC Corp
Top Seller Business Class Brasil – BEFLY
Top TAP Partner Sales – Pontestur

AMÉRICA do NORTE
Top Growth América do Norte – Voyages à la Carte
Top Seller América do Norte – Expedia
Top Cruise Line América do Norte – Norwegian Cruise Line

ÁFRICA
Top Seller África – Realvitur
Top Seller Bussines Class África – Atlântida WTA Viagens
Top Growth All Cabins África – Travelstore

PORTUGAL
Top Seller Portugal – Wamos
Top Seller Business Class Portugal – Go4Travel
Top Seller South Atlantic Portugal – Abreu
Top Seller Tour Operator Portugal – Solférias

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Prémios

Nova Edição: Os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards 2024”. Conheça-os na edição 1512

A próxima edição do Publituris faz capa com os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024. Nesta 19.ª edição, há 177 nomeados em 22 categorias. Além disso, falamos das restrições no turismo, do ATM 2024, WTTC e de seguros de viagens.

Publituris

A última edição de maio do jornal Publituris destaca os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024. Nesta 19.ª edição, há 177 nomeados nas 22 categorias que estarão a votação a partir de segunda-feira, 27 de maio, no site dos prémios criado para o efeito e que estará online no dia do arranque da votação.

As categorias são: Melhor Companhia de Aviação, Melhor Companhia de Aviação Lowcost, Melhor Rent-a-Car, Melhor Operador Turístico, Melhor Rede de Agências de Viagens, Melhor Companhia de Cruzeiros, Melhor Cadeia Hoteleira, Melhor Hotel Cinco Estrelas, Melhor Hotel Quatro Estrelas, Melhor Hotel Resort, Melhor Boutique Hotel, Melhor Hotel de Cidade, Melhor Hotel MICE, Melhor Hotel de Praia, Melhor Turismo Rural, Melhor Enoturismo, Melhor Campo de Golfe, Melhor Parque Temático e Diversões, Melhor Empresa de Animação Turística, Melhor Marina, Melhor Destino Internacional, Melhor Região de Turismo Nacional.

Haverá ainda a lugar ao Prémio “Belmiro Santos”, atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Os vencedores serão conhecidos no dia 4 de julho, no Pestana Douro Riverside, no Porto, a partir das 19h00.

Os vencedores resultarão de uma média ponderada entre os votos do júri (45%), dos assinantes do jornal Publituris (45%) e subscritores da newsletter diária (10%).

Relativamente aos subscritores da newsletter diária, só serão contabilizados os votos dos registos efetuados até 24 de maio, ficando o registo suspenso até ao final da votação, ou seja, até dia 27 de junho de 2024.

O júri é composto por: Ana Jacinto (Secretária-geral da AHRESP); André Gomes (Presidente da Região de Turismo do Algarve); António Marques Vidal (Presidente da APECATE); Carla Salsinha (Presidente da ERT de Lisboa); Carlos Brandão (Presidente da ESHTE); Cristina Siza Vieira (Vice-presidente Executiva da AHP); Dália Palma (Gestora Coordenadora da BTL); Eduardo Jesus (Secretário Regional do Turismo da Madeira); Eduardo Miranda (Presidente da ALEP); Fernando Garrido (Presidente da ADHP); Francisco Pita (CCO da ANA – Aeroportos de Portugal); Francisco Serzedello (CEO da GR8 events); Jaime Quesado             (Economista e gestor); Joaquim Robalo de Almeida (Secretário-geral da ARAC); Jorge Costa (Presidente do IPDT); José Santos (Presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo); Lídia Monteiro (Vogal do Conselho Diretivo do Turismo de Portugal); Luís Pedro Martins (Presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal); Miguel Quintas (Presidente da ANAV); Nuno Abranja (Diretor do Departamento de Turismo do ISCE); Pedro Costa Ferreira (Presidente da APAVT); Raul Almeida (Presidente da Turismo do Centro de Portugal); Rodrigo Pinto Barros (Presidente da APHORT); Sérgio Guerreiro (Professor Convidado da NOVA SBE); Sofia Almeida (Coordenadora Vertical da Área Turismo & Hospitalidade da Universidade Europeia).

Também nesta edição, destacamos as medidas restritivas que estão a ser impostas para conter os fluxos de turistas, principalmente nas cidades europeias, que colocam constrangimentos aos operadores turísticos cujo core business são os circuitos culturais e viagens de grupo. Como é que estão a lidar com estas questões, nomeadamente das taxas turísticas, da burocracia, limitação do número de pessoas por guia, aumento constante, e quase sem aviso, do preço das entradas de grupos de turistas em monumentos e atrações turísticas, e a distância em que os autocarros, cada vez mais, são obrigados a ficar dos centros históricos de algumas cidades, foi o que o Publituris pretendeu conhecer, em conversa com diversos profissionais ligados à operação turística.

A viagem ao Arabian Travel Market (ATM) 2024, a convite do Turismo do Dubai, veio confirmar algo que já se suspeitava há muito. A região do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) não quer ficar somente por um destino turístico. Sejam os EAU, mas principalmente, o Dubai, pretendem tornar-se num hub global, no qual o turismo terá um papel fulcral.

Também no Dubai, tivemos uma conversa (curta) com Julia Simpson, presidente e CEO do World Travel & Tourism Council (WTTC), na qual se mostrou surpreendida (pela positiva) com os resultados obtidos pelo turismo em Portugal. Julia Simpson também mostrou uma certa curiosidade [a conversa foi tida antes de se conhecer a decisão sobre o novo aeroporto para a região de Lisboa] sobre como Portugal conseguirá manter esta performance. “Sem novo aeroporto, como irão crescer?” perguntou a CEO e presidente do WTTC, além de querer saber novidade sobre o processo de privatização da TAP.

O dossier desta edição é dedicado aos seguros de viagem. Depois de ultrapassado o período da pandemia, considerado por todos como o que criou uma das maiores crises económicas, especialmente nas viagens, a adaptação da oferta dos seguros foi não só necessária como obrigatória. Mas se antes os seguros de viagem eram vistos como uma precaução adicional, hoje são considerados indispensáveis para quem viaja.

Além do “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Sílvia Dias (Savoy Signature), Carlos Torres (jurista), e Pedro Castro (SkyExpert).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Os nomeados dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. Conheça-os na edição 1512

A próxima edição do Publituris faz capa com os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024. Nesta 19.ª edição, há 177 nomeados em 22 categorias. Além disso, falamos das restrições no turismo, do ATM 2024, e de seguros de viagens.

Publituris

A última edição de maio do jornal Publituris destaca os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024. Nesta 19.ª edição, há 177 nomeados nas 22 categorias que estarão a votação a partir de segunda-feira, 27 de maio, no site dos prémios criado para o efeito e que estará online no dia do arranque da votação.

As categorias são: Melhor Companhia de Aviação, Melhor Companhia de Aviação Lowcost, Melhor Rent-a-Car, Melhor Operador Turístico, Melhor Rede de Agências de Viagens, Melhor Companhia de Cruzeiros, Melhor Cadeia Hoteleira, Melhor Hotel Cinco Estrelas, Melhor Hotel Quatro Estrelas, Melhor Hotel Resort, Melhor Boutique Hotel, Melhor Hotel de Cidade, Melhor Hotel MICE, Melhor Hotel de Praia, Melhor Turismo Rural, Melhor Enoturismo, Melhor Campo de Golfe, Melhor Parque Temático e Diversões, Melhor Empresa de Animação Turística, Melhor Marina, Melhor Destino Internacional, Melhor Região de Turismo Nacional.

Haverá ainda a lugar ao Prémio “Belmiro Santos”, atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

Os vencedores resultarão de uma média ponderada entre os votos do júri (45%), dos assinantes do jornal Publituris (45%) e subscritores da newsletter diária (10%).

Relativamente aos subscritores da newsletter diária, só serão contabilizados os votos dos registos efetuados até 24 de maio, ficando o registo suspenso até ao final da votação, ou seja, até dia 27 de junho de 2024.

O júri é composto por: Ana Jacinto (Secretária-geral da AHRESP); André Gomes (Presidente da Região de Turismo do Algarve); António Marques Vidal (Presidente da APECATE); Carla Salsinha (Presidente da ERT de Lisboa); Carlos Brandão (Presidente da ESHTE); Cristina Siza Vieira (Vice-presidente Executiva da AHP); Dália Palma (Gestora Coordenadora da BTL); Eduardo Jesus (Secretário Regional do Turismo da Madeira); Eduardo Miranda (Presidente da ALEP); Fernando Garrido (Presidente da ADHP); Francisco Pita (CCO da ANA – Aeroportos de Portugal); Francisco Serzedello (CEO da GR8 events); Jaime Quesado             (Economista e gestor); Joaquim Robalo de Almeida (Secretário-geral da ARAC); Jorge Costa (Presidente do IPDT); José Santos (Presidente da Turismo do Alentejo e Ribatejo); Lídia Monteiro (Vogal do Conselho Diretivo do Turismo de Portugal); Luís Pedro Martins (Presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal); Miguel Quintas (Presidente da ANAV); Nuno Abranja (Diretor do Departamento de Turismo do ISCE); Pedro Costa Ferreira (Presidente da APAVT); Raul Almeida (Presidente da Turismo do Centro de Portugal); Rodrigo Pinto Barros (Presidente da APHORT); Sérgio Guerreiro (Professor Convidado da NOVA SBE); Sofia Almeida (Coordenadora Vertical da Área Turismo & Hospitalidade da Universidade Europeia).

Também nesta edição, destacamos as medidas restritivas que estão a ser impostas para conter os fluxos de turistas, principalmente nas cidades europeias, que colocam constrangimentos aos operadores turísticos cujo core business são os circuitos culturais e viagens de grupo. Como é que estão a lidar com estas questões, nomeadamente das taxas turísticas, da burocracia, limitação do número de pessoas por guia, aumento constante, e quase sem aviso, do preço das entradas de grupos de turistas em monumentos e atrações turísticas, e a distância em que os autocarros, cada vez mais, são obrigados a ficar dos centros históricos de algumas cidades, foi o que o Publituris pretendeu conhecer, em conversa com diversos profissionais ligados à operação turística.

A viagem ao Arabian Travel Market (ATM) 2024, a convite do Turismo do Dubai, veio confirmar algo que já se suspeitava há muito. A região do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG) não quer ficar somente por um destino turístico. Sejam os EAU, mas principalmente, o Dubai, pretendem tornar-se num hub global, no qual o turismo terá um papel fulcral.

Também no Dubai, tivemos uma conversa (curta) com Julia Simpson, presidente e CEO do World Travel & Tourism Council (WTTC), na qual se mostrou surpreendida (pela positiva) com os resultados obtidos pelo turismo em Portugal. Julia Simpson também mostrou uma certa curiosidade [a conversa foi tida antes de se conhecer a decisão sobre o novo aeroporto para a região de Lisboa] sobre como Portugal conseguirá manter esta performance. “Sem novo aeroporto, como irão crescer?” perguntou a CEO e presidente do WTTC, além de querer saber novidade sobre o processo de privatização da TAP.

O dossier desta edição é dedicado aos seguros de viagem. Depois de ultrapassado o período da pandemia, considerado por todos como o que criou uma das maiores crises económicas, especialmente nas viagens, a adaptação da oferta dos seguros foi não só necessária como obrigatória. Mas se antes os seguros de viagem eram vistos como uma precaução adicional, hoje são considerados indispensáveis para quem viaja.

Além do “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Sílvia Dias (Savoy Signature), Carlos Torres (jurista), e Pedro Castro (SkyExpert).

Leia aqui a edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Hotelaria

Marca NH Collection celebra os 10 anos em cinco hotéis na Europa incluindo Lisboa

A marca NH Collection, do grupo Minor, assinalou os 10 anos de existência em cinco hotéis na Europa, incluindo Lisboa. O encontro com fornecedores, clientes e parceiros, que decorreu esta quarta-feira, teve lugar no primeiro hotel da marca em Portugal, o NH Collection Lisboa Liberdade, e serviu também de pretexto para inaugurar a temporada de verão do Ático rooftop localizado naquela unidade hoteleira.

O Publituris aproveitou a ocasião para um “dedo de conversa” com Pedro Frazão, Cluster General Manager não só do NH Collection Lisboa Liberdade, como do AVANI Avenida Liberdade Lisboa Hotel.

“Estamos a comemorar este aniversário em cinco hotéis da marca NH Collection na Europa. De facto, a marca NH já existia, mas há 10 anos houve uma separação do produto entre a Collection num posicionamento mais alto e a NH num posicionamento mais corto, e o NH Collection Lisboa Liberdade foi escolhido por ser um ‘flagship’ em Portugal”, referiu Pedro Frazão, para avançar que “para nós é um orgulho termos sido escolhidos pela própria casa-mãe para assinalar o aniversário da marca”, com o trade, parceiros comerciais, DMC, amigos e clientes do hotel.

O cocktail serviu também de pretexto para inaugurar a temporada de verão 2024 do Ático rooftop localizado naquela unidade hoteleira, “espaço que até há dois anos a estratégia era de ser utilizado somente para clientes do hotel. Quando a nossa equipa veio para cá, a estratégia foi mudar, foi promover o espaço para fora, e começámos a trabalhar com alguns parceiros, nomeadamente uma empresa de comunicação que trabalha com o grupo Tivoli em Portugal ao nível das redes sociais e divulgação, com o grupo Olivier, e a nível artístico com uma empresa que se chama Arenas, que nos traz também não só a parte musical de DJ, como eventos musicais pequenos que também são realizados aqui”, explicou o diretor hoteleiro.

Pedro Frazão destacou ainda que “posicionámos a marca Ático, há dois anos mudámos o logo, as cores passaram a ser diferentes das do NH, por forma a distinguir o espaço e a vendê-lo não como um bar ou um rooftop do NH Collection, mas sim um espaço em si, como temos o Sky Bar no Tivoli de Lisboa, o nosso hotel irmão”, sublinhando que “tem sido um sucesso porque, de ano para ano, temos crescido a nível de receitas e do cliente externo, nomeadamente de outros hotéis próximos”.

O Cluster General Manager classifica o Ático como “um espaço muito interessante, muito cosy, que também é versátil porque, quando temos grupos exclusivos, e temos tido, podemos conjugar com a zona da piscina com a sala de baixo que tem um terraço, o que nos alargar o número de pessoas”.

O ‘flagship’ da marca em Portugal

O NH Collection Lisboa Liberdade, que abriu portas em 2003, é a primeira unidade hoteleira da marca em Portugal, posicionando-se, atualmente no segmento de luxo. Em termos de resultados, este boutique hotel, conforme avança o seu diretor geral, já representa bastante para a marca e para a empresa. “Não estamos no posicionamento do Tivoli, que é um Leading, mas digamos que na região de Lisboa, e no universo dos nossos hotéis, este é o segundo a nível de luxo, de preço, e de produto”, disse.

Em termos de clientes, “apesar de continuar a ser muito forte a nível do mercado espanhol, origem da cadeia hoteleira NH, com a integração do grupo Tivoli conseguimos crescer muito no Brasil e em outros mercados da América Latina como a Argentina, Chile, mas também temos muito mercado americano”. O mercado português também consta, mas não está na lista dos maiores.

Localizado na mais luxuosa artéria de Lisboa, junto das melhores lojas, das marcas de luxo e dos restaurantes mais trendy da cidade, no NH Collection Lisboa Liberdade oferece aos seus clientes, para além do Ático, restaurantes e bares, 83 quartos incluindo 25 suites “o que nos permite posicionarmos, também ao nível dos quartos, num patamar bastante interessante”, considerou, acentuando que “estamos no melhor sítio da Avenida de Liberdade o que nos permite também ter a procura que temos e o  posicionamento que temos, mas também nos dá muito trabalho, porque temos que ter a oferta ao mesmo nível e, cada vez mais estamos a fazer esse trabalho”.

Pedro Frazão revelou ainda ao Publituris que as taxas de ocupação são “altíssimas”, e que o hotel

fecha o ano com cerca de 85% de ocupação, uma vez que em Lisboa “já não se pode falar em sazonalidade”. Por outro lado, evidenciou que “o preço tem aumentado consideravelmente de ano para ano, e estamos a falar, desde a saída da pandemia, numa média de crescimento entre 10 e 15% de preço”.

O NH Collection Lisboa Liberdade é, essencialmente, um hotel de lazer, embora a marca possua algumas unidades destinadas ao corporate em alguns destinos, pois dispõe apenas de duas salas de reuniões pequenas.

Apesar dos anos de existência, a unidade hoteleira tem-se atualizado ao nível da oferta. “A partir de novembro deste ano vamos remodelar todas as casas de banho e as portas e sistemas de portas vão ser mudados, e lá para 2026/2027, vamos começar a negociar com a proprietária do edifício, porque a marca apenas tem a gestão, a concessão, que termina em 2028, por mais 10/15 anos e, a partir daí, é que se vão fazer as obras de remodelação total”, assegurou o diretor geral, que indicou ainda que cada casa de banho vai-nos custar 11 mil euros e sendo 83 nos quartos e duas nas áreas públicas.

Pedro Frazão, que se dirigiu aos convidados na companhia de Francisco Braga, Director of Sales – Portugal Urban da Minor Hotels, concluiu, em declarações ao Publituris, que dirige “um hotel desafiante, com boa pontuação dos clientes e trabalhamos muito o detalhe, ou seja, começámos a implementar uma série de detalhes nos quartos, não só a nível decorativo, mas também de serviços”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Distribuição

Operadores turísticos promovem campanha para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens

Os operadores turísticos associados da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) vão promover uma campanha especial de descontos para assinalar o Dia Nacional do Agente de Viagens, que se celebra, pela primeira vez em Portugal, a dia 30 de maio.

Publituris

A “Campanha da Semana do Agente de Viagens”, que decorrerá de 30 de maio a 9 de junho, oferece aos consumidores, através das agências de viagens, uma variedade de promoções e descontos em pacotes turísticos. Esta iniciativa visa proporcionar ofertas vantajosas tanto para os consumidores finais quanto para as próprias agências de viagens.

Além desta campanha dos operadores, a APAVT está também empenhada em celebrar a profissão do agente de viagens com um conjunto de outras iniciativas. Um novo micro-site dedicado ao Dia Nacional do Agente de Viagens, que pode ser acedido aqui, foi lançado para destacar a importância e os benefícios de utilizar os serviços de uma agência de viagens.

Neste micro-site, os visitantes encontrarão informações sobre a profissão, incluindo uma breve resenha histórica, as vantagens de recorrer a uma agência, e explicações para desmistificar alguns dos mitos comuns sobre esta atividade.

As comemorações do Dia Nacional do Agente de Viagens iniciam-se, conforme já tinha sido anunciado, com uma festa no Rooftop do Hotel Mundial, em Lisboa, no dia 28 de maio, das 18h00 às 21h00, exclusiva para associados da APAVT, que conta com o apoio do Turismo da Madeira, do Turismo do Centro de Portugal, do Turismo do Alentejo e da SGS. De acordo com a Associação, o evento, que já conta com mais de 200 inscrições confirmadas, terá a presença do secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, além de inúmeros amigos e parceiros da APAVT.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

DCIM100MEDIADJI_0132.JPG

Destinos

Coimbra: Projeto de turismo sustentável tem apoio de 4,9M€ da Comissão Europeia

A Câmara Municipal de Coimbra e a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra, entre outros parceiros, viram aprovada uma candidatura à European Urban Initiative com um projeto de turismo sustentável intitulado “COIMBRA ST LLM”, que implica um financiamento de 4,9 milhões de euros para a sua implementação.

Publituris

A candidatura vai permitir o desenvolvimento de ferramentas de monitorização e de apoio ao desenvolvimento de práticas turísticas mais sustentáveis, que vão contribuir para responder a desafios associados à mobilidade, à criação de emprego, à qualidade do serviço prestado e à perceção dos residentes sobre o impacto do turismo, avança a autarquia de Coimbra no seu site oficial.

Refira-se que a European Urban Initiative é uma iniciativa europeia que visa apoiar cidades na implementação de projetos inovadores para tornar as áreas urbanas mais sustentáveis, inclusivas e resilientes, apresentando um projeto de turismo sustentável.

O projeto de Coimbra destacou-se entre as 112 candidaturas apresentadas por 12 estados-membros da União Europeia. Coimbra destaca-se como a única cidade portuguesa selecionada.

Este projeto, elaborado numa parceria entre a CM Coimbra e a CIM-RC, é liderado pela autarquia e tem ainda como parceiros o Turismo de Portugal, a Universidade de Coimbra, o Instituto Politécnico de Coimbra, o Instituto Pedro Nunes, a Present Technology e a Inova +. Estes parceiros vão, agora, trabalhar em conjunto na implementação das ações e das medidas propostas.

“Esta inédita aprovação de um projeto camarário desta índole e desta dimensão, em Coimbra, extra quadros comunitários clássicos e numa lógica de captação de instrumentos de financiamento diretamente dirigidos pela Comissão Europeia, reunindo todos os parceiros e apoios que o tornaram possível, vai colocar Coimbra de uma forma inovadora no radar turístico nacional, internacional e das instituições europeias, incluindo a própria Comissão Europeia, e muito contribuirá para a afirmação criativa da marca Coimbra, concorrendo de forma sólida para o desenvolvimento turístico, económico, cultural e ambiental do concelho de Coimbra”, refere o presidente da autarquia, José Manuel Silva, citado na notícia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

APG-IET integra Volotea

Neste verão, a Volotea vai operar “mais de 450 rotas” entre “mais de 100 cidades por toda a Europa” e passa agora a esta disponível para emissões interline.

Publituris

A APG Portugal anunciou a integração da Volotea no programa APG-IET, passando a companhia aérea low cost, com sede em Barcelona, a estar disponível para emissões interline com a chapa GP.

De acordo com a APG Portugal, a Volotea vai operar, neste verão, “mais de 450 rotas” entre “mais de 100 cidades por toda a Europa”, passando agora a esta disponível para emissões interline.

A Volotea, que no ano passado foi reconhecida como a melhor companhia Low-cost da Europa nos World Airline Awards, conta com uma frota composta por 41 aviões, entre 20 aparelhos Airbus A319 e 21 Airbus A320.

Com a integração da Volotea, o programa APG-IET passa a contar com 145 companhias aéreas, cuja oferta já está disponível para emissões interline com a chapa GP-275, através dos sistemas Galileo, Sabre, Amadeus e Worldspan.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

AirHelp antecipa panorama dos voos em Portugal no verão

Com a chegada do verão e após analisar os dados dos voos no mesmo período do ano passado, a AirHelp faz uma previsão de como será o panorama em Portugal. Avisa que, greves já anunciadas e Jogos Olímpicos de França podem ter um grande impacto.

Publituris

Apanhar um voo para as férias de verão pode ser um desafio. Durante este período, verifica-se um aumento das viagens aéreas e, com isso, um aumento do número de atrasos e cancelamentos.

Assim, para prevenir ou evitar contratempos, a AirHelp deixa alguns conselhos. Para não começar logo com as férias arruinadas, a empresa propõe que selecione o melhor aeroporto de partida, aumentando as hipóteses de chegar ao destino sem grandes percalços. De acordo com os dados da organização, os aeroportos portugueses que apresentam menores taxas de perturbações são: do Porto, Faro do Pico com 72% dos voos sem perturbações, enquanto, do lado oposto, os aeroportos de Lisboa, Horta e Ponta Delgada são aqueles que se apresentam com piores opções, com 52%, 64% e 68% dos voos a sofrer algum tipo de perturbação, respetivamente.

Outro conselho é privilegiar as companhias aéreas que apresentaram menor número de voos com perturbações (e que viajem para o local selecionado). Em Portugal, no verão de 2023, as companhias aéreas mais fiáveis em termos de pontualidade foram, por esta ordem: Eurowings com 97% dos voos a não sofrer qualquer constrangimento; a Binter Canarias com 88% dos voos sem perturbações; e, por fim, Jet2.com com 82% dos voos a operar sem problemas. Já a TAP registou algum tipo de perturbação em 44% dos voos.

Escolher os melhores dias e horas para voar é de ter também em conta. As segundas-feiras são consideradas um dos piores dias para voar, uma vez que as companhias aéreas tendem a registar uma maior taxa de cancelamentos em comparação com outros dias. Além disso, a elevada procura que ocorre aos fins-de-semana – de sexta-feira a domingo – pode significar maiores dificuldades para os viajantes. Por isso, as terças e quartas-feiras, com menor procura, são geralmente os melhores dias para voar. Paralelamente, a AirHelp recomenda voar de manhã cedo porque, à medida que o dia avança, há um ‘efeito bola de neve’ que acumula os incidentes do dia.

De acordo com os dados da AirHelp, entre junho e setembro de 2023, em Portugal, mais de 13 milhões de passageiros viajaram de avião, dos quais mais de cinco milhões de viajantes (aproximadamente 38%) sofreu algum tipo de perturbação no seu voo (atraso ou cancelamento). Destes cinco milhões, mais de 287 mil passageiros tiveram direito a uma indemnização (que pode ir até 600 euros por passageiro).

Para além do panorama nacional, quem viajar para França, terá de redobrar a sua atenção, dado que se prevê que os constantes avisos de greve dos sindicatos nacionais e os Jogos Olímpicos possam ter um impacto menos positivo no tráfego aéreo europeu.

Face a um período com habituais desafios, é possível que estes números aumentem significativamente, no mesmo período do presente ano, indica a empresa tecnológica que trabalha para melhorar a experiência dos passageiros aéreos durante uma perturbação de voo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Vamos Portugal chega ao mercado nacional do renting

Criada em Espanha, em 2019, a Vamos Portugal tem como objetivo tornar-se na plataforma líder e de referência em renting online de veículos, apostando em soluções perfeitamente direcionadas aos seus diferentes clientes.

Publituris

A Vamos Portugal é a nova plataforma de renting em Portugal, apresentando-se como a solução alternativa à atual vertente de negócios implementada no nosso país. Criada em Espanha, em 2019, por Mario Carranza, empresário espanhol com uma década de experiência no sector da mobilidade e da tecnologia, a plataforma Vamos alarga, agora, a sua área de intervenção à totalidade do espaço ibérico, fruto da criação da Vamos Portugal, entidade que no nosso país estará sob a direção de Anderson Miranda.

Assumindo objetivos ambiciosos, mas perfeitamente definidos, a Vamos Portugal pretende oferecer uma experiência totalmente digital à sua carteira de clientes – 7.100 entidades, entre particulares e estruturas profissionais como PMEs, Frotistas e Rent-a-Car e plataformas TVDE – permitindo-lhes a aquisição de veículos em renting de uma forma rápida e fácil, com soluções à medida, num pacote do tipo tudo incluído, associada a rendas mensais específicas, transparentes e perfeitamente balizadas.

“Apercebemo-nos de que, embora as pessoas adorem automóveis, nem toda a gente pretende, de facto, ter um em seu nome, fruto de todos os custos associados e das demais obrigatoriedades inerentes à posse de uma viatura, seja ela de âmbito particular ou profissional”, refere Anderson Miranda, cofundador e diretor-geral da Vamos Portugal.

Fortemente apostada na digitalização e na implementação de processos simples e imediatos, operados em ambiente online, a Vamos Portugal aposta num portal dedicado – em www.vamos.pt – através do qual apresenta parte significativa da sua oferta de viaturas e de soluções, num processo suportado por uma equipa de profissionais, aptos a ajudar os interessados a encontrarem soluções à medida das suas necessidades.

Sedeada nos arredores de Lisboa, a Vamos Portugal iniciou as suas operações em solo nacional em abril de 2024, contando, à data, com uma equipa de oito colaboradores, sob a direção de Anderson Miranda (diretor-geral) e da respetiva equipa de gestão, composta por Tiago Mendonça (diretor de Operações), Susana Varandas (diretora Comercial) e Brigite Correia (responsável de Pós-Venda).

A Vamos Portugal pretende fazer crescer, no curto prazo, em face dos contratos que têm neste momento em fase de lançamento ou execução, a operação não só em Portugal Continental, como nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Praga continua entre os destinos de MICE mais procurados do mundo

A capital checa melhora, ano após ano, no segmento do MICE, não só em termos do volume de reuniões e conferências ali realizadas, mas também do número de delegados que chegaram para esses eventos. Em 2023, foram realizados quase cinco mil eventos profissionais em Praga, com a presença de quase 700 mil pessoas. Numa comparação internacional, Praga também ficou em sexto lugar no ranking dos destinos MICE mais procurados do mundo, tendo superado cidades como Madrid, Seul, Londres, Berlim ou Tóquio.

Publituris

Em 2023, de acordo com dados do Prague Convention Bureau e do Czech Statistical Office, um total de 4.889 reuniões e conferências foram realizadas na cidade, com a participação de 691.103 delegados, representando um aumento de 25% e 12%, respetivamente. Porém, ainda não o suficiente para superar o ano recorde de 2019.

“Em termos de número de delegados, estamos com quase 97% do desempenho de 2019, mas do volume de eventos, estamos apenas com 82%”, afirma Roman Muška, diretor geral do Prague Convention Bureau, organização que representa oficialmente a indústria do MICE de Praga. O responsável acrescenta que estes dados apenas confirmam a tendência dos últimos anos: menos reuniões e conferências, mas com uma participação muito maior de delegados. “Nas nossas estatísticas vemos que o número de eventos com a presença de 500 ou mais delegados tem aumentado ano após ano. Ao mesmo tempo, vemos uma subida na duração média de um evento, para uma média de quatro dias, contra os de dois dias“.

Nos seus documentos de estratégia turística, Praga estabeleceu-se como alvo de uma clientela de elevado poder aquisitivo, especialmente os delegados das reuniões que, por um lado não sobrecarregam o destino na alta temporada turística, já que os congressos são frequentemente realizados nos meses de primavera e outono, mas também têm em média até três vezes mais gastos em comparação com os turistas comuns. A atração de uma clientela sofisticada também é bem-sucedida graças à retoma de eventos internacionais especializados a Praga.

De acordo com dados do Bureau, o número de reuniões e conferências internacionais em Praga aumentou 54%, equilibrando assim a proporção de eventos internacionais (49,3%) e locais (50,7%).

“A maioria dos eventos vem do continente europeu (88%). No entanto, se focarmos em países individuais, em 2023, os Estados Unidos da América voltaram ao primeiro lugar como país de origem após quatro anos, seguidos pelo Reino Unido, Alemanha, França e Bélgica”, explica Roman Muška.

O responsável explica que, para seguir no topo dos destinos de reuniões no futuro é preciso continuar desenvolvendo e investindo na indústria de reuniões.

“Além dos congressos associativos, nos quais estamos focados há muito tempo e que são apoiados sistematicamente pela autarquia de  Praga na forma de vários incentivos, não podemos negligenciar o segmento de conferências corporativas e eventos de incentivo, que têm altas taxas de gastos nos destinos e, portanto, encaixam-se no direcionamento da cidade para clientes de alto poder aquisitivo”, comenta.

A partir de 2022, pode-se observar um renascimento da indústria de reuniões não só em Praga, mas também noutros destinos globais. Além disso, de acordo com o recente “Relatório dos 60 Anos da ICCA” da Associação Internacional de Congressos, o número de congressos mais do que duplicou nos últimos 60 anos, pelo que a competição que Praga enfrenta é imensa.

Em 2024, segundo estimativas de especialistas, a indústria de congressos deverá superar os números de 2019 em 37% em termos de número de delegados e 1% em termos de eventos.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.