Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

TAP cancela 360 voos devido à greve e estima perda de 8M€ em receitas

Apesar da greve ainda não estar totalmente garantida, a TAP não acredita que a mesma seja desconvocada e decidiu já cancelar perto de metade dos voos previstos para 8 e 9 de dezembro.

Publituris
Transportes

TAP cancela 360 voos devido à greve e estima perda de 8M€ em receitas

Apesar da greve ainda não estar totalmente garantida, a TAP não acredita que a mesma seja desconvocada e decidiu já cancelar perto de metade dos voos previstos para 8 e 9 de dezembro.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise

A TAP vai cancelar um total de 360 voos nos dias 8 e 9 de dezembro, devido à greve dos tripulantes de cabine, decisão que afeta cerca de 50 mil passageiros e que, estima a companhia aérea de bandeira nacional, deverá levar a uma perda de receita de oito milhões de euros.

Numa conferência de imprensa que decorreu na tarde desta quarta-feira, 23 de novembro, Christine Ourmières-Widener, CEO da TAP, revelou que o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), responsável pelo agendamento da greve, “decidiu manter a assembleia no dia 06 de dezembro, dois dias antes da greve”, considerando, no entanto, que independentemente do resultado e devido à dimensão da TAP, “será tarde para fazer algo devidamente organizado”.

Por isso, e apesar de não ter sido fácil, acrescentou a responsável da TAP, a companhia aérea tomou já “a decisão de cancelar 360 voos, nos dias 8 e 9 de dezembro”, o que corresponde a menos de metade dos cerca de 500 voos previstos para esse período.

Segundo Christine Ourmières-Widener, o cancelamento antecipado de grande parte dos voos programados para 8 e 9 de dezembro permite que a TAP possa  trabalhar com parceiros para encontrar alternativas para os clientes que tinham voos marcados para os dias de greve.

A CEO da TAP adiantou ainda que não acredita que o SNPVAC venha a desconvocar a greve agendada na assembleia de 6 de dezembro e revelou que a paralisação vai ter um “grande custo” para a empresa, prevendo-se que a companhia aérea perca cerca de oito milhões de euros em receitas.

Christine Ourmières-Widener revelou também que cerca de 25% dos passageiros com voos agendados para os dias da greve já procederam à alteração das suas viagens  “sem qualquer penalização e sem alteração de tarifa, para datas entre 28 de novembro e 19 de dezembro”.

Recorde-se que a greve agendada para 8 e 9 de dezembro deverá contar com uma oferta de serviços mínimos limitada, que não deverá abranger, nomeadamente, as ligações aéreas para as ilhas da Madeira e Açores, uma vez que o sindicato defende que existem alternativas asseguradas por outras companhias aéreas.

O SNPVAC considera que os voos de regresso diretamente para o território nacional para Lisboa e Porto, voos de emergência, voos militares e voos de Estado, nacional ou estrangeiro são considerados “como serviços mínimos a assegurar a satisfação das necessidades sociais impreteríveis, no período decretado de greve”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise
PUB
Transportes

Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros

A Mundomar Cruzeiros, agente geral da Virgin Voyages em Espanha e Portugal, promoveu uma viagem de familiarização a bordo do Scarlet Lady, navio que fará cruzeiros de sete noites a partir de Barcelona de maio a outubro de 2024.

Este evento permitiu que um total de 109 agentes de viagens, 20 embarcados em Barcelona para um cruzeiro de oito dias, e outros 89 se juntassem em Palma para desfrutar de três noites a bordo, experienciassem o Scarlet Lady, navio da Virgin Voyages.

Refira-se que a companhia Virgin Voyages reinventou o conceito de cruzeiro de luxo, oferecendo uma experiência exclusiva destinada a um público moderno e de espírito jovem, com ênfase na excelente gastronomia, serviço de qualidade, entretenimento, desporto, bem-estar e relaxamento, num ambiente sem crianças.

De acordo com Agustin Quesada, diretor executivo da Mundomar Cruzeiros, os participantes exploraram as instalações de última geração do Scarlet Lady e desfrutaram de entretenimento comparável a um festival de música, com produções originais e festas temáticas.

Matthew Lebbern, diretor de Vendas Internacionais da Virgin Voyages, deu as boas-vindas aos agentes de viagens com um cocktail de receção e a icónica saudação “Ahoy Sailors”, apresentando a abordagem revolucionária da empresa. Os convidados foram acomodados em cabinas com varanda, equipadas com tecnologia de ponta e redes vermelhas, desfrutando de vistas deslumbrantes sobre o Mediterrâneo.

De acordo com a filosofia de “luxo sempre incluído” da Virgin Voyages, os agentes de viagens experimentaram todos os benefícios disponíveis para os passageiros, tais como refeições de especialidade, Wi-Fi, gratificações, aulas de fitness, entretenimento e bebidas essenciais, tudo incluído no preço.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet disponibiliza mais de 17.000 voos de e para Portugal no verão 2025

A easyJet colocou esta terça-feira à venda o seu calendário de verão de 2025. Para e de Portugal a companhia inclui mais de 17.000 voos.

Publituris

A easyJet colocou esta terça-feira, 21 de maio, à venda o seu calendário de verão de 2025, disponibilizando mais de 29 milhões de lugares em 162.000 voos entre 3 de março de 2025 e 15 de junho de 2025.

Na operação, a companhia aérea inclui mais de 17.000 voos de e para Portugal, que já estão disponíveis para que os clientes possam fazer as suas reservas a preços acessíveis e antecipadamente em easyjet.com ou através da aplicação móvel.

Com voos para mais de 90 destinos à escolha em toda a Europa, Norte de África e Médio Oriente a partir de cinco aeroportos de Portugal continental e ilhas, José Lopes, diretor-geral da easyJet Portugal, refere que, deste modo, a companhia “procura continuar a impulsionar o setor do turismo e aviação e a criar momentos únicos junto dos seus clientes”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAAG abre loja de atendimento corporativo em Luanda

A companhia aérea angolana abriu uma loja de atendimento corporativo em Luanda, a TAAG Corporate, no âmbito do compromisso com a melhoria da experiência dos seus clientes e passageiros.

Publituris

A infraestrutura composta por dois balcões de atendimento prestará serviços de apoio ao cliente e venda de bilhetes, de segunda a sexta-feira, no período das 7h30 às 15h30, visando responder positivamente a um atendimento à medida, moderno e humanizado e melhorando significativamente a experiência da jornada do cliente.

Na inauguração do novo estabelecimento, o presidente da Comissão Executiva da TAAG, Nelson de Oliveira, disse que a companhia aérea “tem um programa de continuidade para a renovação da sua imagem e abertura de novas lojas de atendimento ao público, com o objetivo de melhorar o serviço prestado aos nossos clientes”.

Com esta inauguração, a TAAG passa a contar com três lojas de atendimento ao cliente em funcionamento, sendo duas no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro e uma no Condomínio Dolce Vita.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

MSC Cruzeiros oferece mais noites com o programa “Stay & Cruise” verão 2024

Os passageiros da MSC Cruzeiros podem, este verão, prolongar o seu cruzeiro com um novo pacote complementar que dá a possibilidade de desfrutar de duas ou três noites antes ou depois da viagem, juntamente com uma excursão de meio-dia pelas cidades de Atenas, Veneza, Roma, Miami e Nova Iorque, em 11 dos seus navios.

Publituris

Com o seu novo programa ‘Stay & Cruise’ para o verão 2024, a MSC Cruzeiros oferece aos seus passageiros a oportunidade de transformar o cruzeiro de sete noites em férias de nove ou dez noites.

O programa inclui um novo pacote adicional, que oferece aos passageiros a oportunidade de prolongar as suas férias de descoberta antes ou depois do cruzeiro de sete noites no mar com um alojamento adicional de duas noites com pequeno-almoço incluído num hotel de 4 estrelas em Atenas, Veneza e Roma ou num hotel de 3 estrelas em Miami, além da opção de duas ou três noites num hotel de 4 estrelas em Nova Iorque. O pacote inclui também uma excursão de meio-dia para descobrir as principais atrações da cidade.

A oferta inclui transferes terrestres privados, incluindo do aeroporto para o hotel e do hotel para o navio, para os passageiros que se hospedarem antes do cruzeiro. Da mesma forma, para os passageiros que ficam depois do cruzeiro, os transferes incluem transporte do navio para o hotel e do hotel para o aeroporto.

A oferta ‘Stay & Cruise’ está disponível em vários itinerários da MSC Cruzeiros no verão de 2024 no Mediterrâneo e Caraíbas. Para os viajantes que embarcam num cruzeiro no Mediterrâneo Ocidental ou Oriental e que pretendam descobrir a capital Roma, a oferta está associada ao MSC Divina, MSC Fantasia, MSC Musica, MSC Seaside, MSC Seaview a partir de Civitavecchia antes ou depois do cruzeiro.

Com a MSC Cruzeiros será possível usufruir dos pacotes especiais que incluem voos, transferes +cruzeiros de Lisboa para Roma e regresso a Lisboa. A juntar a este pacote, com a oferta ‘Stay& Cruise’ , o passageiro poderá elevar a sua experiência com uma estadia de duas noites antes ou depois do cruzeiro num hotel em Roma.

Para mais opções para os que navegam no Mediterrâneo Oriental, o pacote adicional para uma exploração alargada de Veneza está disponível antes ou depois do cruzeiro com o MSC Armonia, MSC Lirica e MSC Sinfonia a partir de Marghera-Veneza. Para complementar a viagem, a MSC Cruzeiros terá uma ampla oferta de pacotes especiais com voos+transfers+cruzeiros de Lisboa para Veneza e regresso à cidade de Lisboa. Com a oferta ‘Stay & Cruise’ pode-se usufruir de estadia de duas noites antes ou depois do cruzeiro num hotel em Veneza.

Os passageiros que viajam no MSC Opera, com partida do porto de Pireus, podem optar por prolongar as suas férias de descoberta em Atenas com uma estadia de duas noites antes do seu cruzeiro. Para complementar a oferta nesta região, a MSC Cruzeiros oferecerá pacotes especiais que incluem voos+transferes+cruzeiro de Lisboa para Atenas e regresso a Lisboa.

A oferta ‘Stay&Cruise’ está também disponível nos itinerários das Caraíbas a bordo do MSC Seascape com partida de Miami.

As viagens aéreas também podem ser reservadas com a MSC Cruzeiros e adicionadas aos pacotes ‘Stay& Cruise’ para permitir que os passageiros também reservem voos convenientes antes de uma viagem de cruzeiro.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Jorge Rebelo de Almeida defende solução “intercalar” para aeroporto da Portela

Com a localização do novo aeroporto já decidida para Alcochete, o fundador e presidente do grupo Vila Galé afirmou este sábado que é necessária uma solução que dê apoio ao aeroporto da Portela. Defendeu ainda a prioridade na criação de uma linha ferroviária de alta velocidade entre Lisboa e Madrid, ao invés de Lisboa-Porto-Vigo, além de comboios turísticos que distribuam os turistas pelo território.

Carla Nunes

Este sábado, 18 de maio, Jorge Rebelo de Almeida, fundador e presidente do grupo Vila Galé, defendeu que, decidida a localização do novo aeroporto em Alcochete, “numa primeira etapa, Portugal precisa de uma solução intercalar” que complemente a operação do aeroporto da Portela.

A declaração foi proferida na conferência de imprensa que precedeu a inauguração do mais recente hotel do grupo, o Vila Galé Isla Canela, em Huelva, ocasião em que Jorge Rebelo de Almeida referiu que “um novo aeroporto, além de ser uma infraestrutura cara, demora muito tempo a fazer, e por isso há que ter uma solução muito prática”.

De acordo com Jorge Rebelo de Almeida, esta solução passaria por “fazer uma pista com uma instalação logística baixa, pequena, para ir atendendo alguns charters, uma solução provisória”.

“A solução da Portela já devia estar feita, é outra vergonha nossa, mas não está. Portela tem ainda espaço para crescer, mas o horizonte de expansão do aeroporto é de dez anos, por isso, há que caminhar rápido”, defende.

Ainda no capítulo das infraestruturas, Jorge Rebelo de Almeida refere que “outra obra muito importante em Portugal é a ligação a Madrid” por via de uma linha ferroviária de alta velocidade. No seu entender, “para Portugal e Espanha é muito mais importante a ligação Lisboa-Madrid, porque há outra dinamização”, ao invés da solução apresentada de Lisboa-Porto e, mais tarde, Vigo.

“Pelas minhas contas, a solução Lisboa-Porto-Vigo nem sequer é rentável, creio que não é viável”, afirma.

Criar comboios turísticos para distribuir turistas pelo território

Na mesma conferência de imprensa, quando questionado sobre a sua opinião relativamente ao surgimento de cada vez mais alojamentos locais (AL) nas grandes cidades, Jorge Rebelo de Almeida apontou que “em Lisboa e no Porto o alojamento local tem sido muito bom para recuperar áreas da cidade muito degradadas”, acreditando que “quando há boas regras de mercado, [este] regula-se a si próprio”.

No entanto, admite que “nos hotéis a situação é diferente”, existindo a necessidade de “distribuir melhor o turismo e criar novas centralidades ao redor das cidades, para não tornar a vida de quem mora nos [centros urbanos] desagradável”.

Nesse sentido, o fundador do Vila Galé afirma que é preciso “imaginar soluções” para levar as pessoas a visitar o interior, indicando para isso a criação de comboios turísticos que transportem os “turistas concentrados nas grandes cidades” para outros pontos turísticos no interior.

“Não se diga que há turistas a mais, porque continua a haver espaço para crescer de forma ordenada. Não se pode prejudicar a procura”, termina.

A abertura do Vila Galé Isla Canela marca a chegada do grupo hoteleiro a Espanha, sendo que, atualmente, este conta com 44 hotéis: 32 em Portugal, dez no Brasil e um em Cuba.

*A Publituris Hotelaria viajou até Isla Canela, em Huelva, a convite do grupo Vila Galé.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Transportes

LATAM aumenta voos a partir de Guarulhos/São Paulo para sete destinos. Lisboa está incluída

A notícia fora avançada pelo portal brasileiro Panrotas e confirmada agora pela própria LATAM Brasil e que dá conta de um aumento de 38% no número de voos a partir do aeroporto de São Paulo, Guarulhos.

Publituris

A partir de outubro deste ano, a LATAM Airlines ampliar em 38% o número de voos internacionais para sete destinos da Europa, EUA e África do Sul. A notícia já tinha sido avançada pelo portal brasileiro Panrotas, mas ainda não tinha sido confirmada.

Agora, sabe-se que Lisboa está incluída nesta expansão de rotas, passando a capital portuguesa a receber não sete, mas oito voos semanais a partir de 28 de outubro, existindo a possibilidade de esse número aumentar para 11 a partir de 9 de dezembro.

Também as rotas para os EUA registarão um incremento como, por exemplo, a ligação entre Guarulhos e Orlando a passar de quatro para sete voos semanais, enquanto Los Angeles passa de três para quatro voos.

Já para África, nomeadamente para Joanesburgo (África do Sul), a LATAM Airlines irá passar o número de voos para cinco semanais em vez dos três atuais.

Na Europa, além do aumento de voos para Lisboa, também Milão e Roma registam uma expansão da operação, passando de cinco para seis voos semanais, enquanto a capital espanhol (Madrid) passará a receber 10 voos semanais em vez dos sete atuais.

Segundo a informação avançada pelo Panrotas, todos estes voos serão operados com recurso a aeronaves Boeing 777, com capacidade para 410 passageiros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

“Portugal Stopover” da TAP é o melhor, diz Global Traveler

O programa “Stopover” da TAP Air Portugal recebeu o prémio pela sexta edição consecutiva.

Publituris

O programa “Stopover” da TAP foi distinguido pela sexta vez consecutiva o melhor programa de “Stopover” pela revista Global Traveler, na 12.ª edição dos Leisure Lifestyle Awards.

O programa permite aos clientes da TAP viajarem para dois destinos pelo valor de um, ao incluir uma paragem de um a dez dias em Lisboa ou no Porto, a meio da viagem, na ida ou regresso, possibilitando a companhia ainda a realização de uma segunda paragem em Portugal durante o período de “Stopover”, oferecendo 25% de desconto em qualquer voo doméstico.

Os clientes “Portugal Stopover” têm acesso a ofertas exclusivas e descontos em 149 parceiros de todo o país, onde se incluem hotéis, restaurantes, atividades, passeios, museus e espaços culturais, shopping e serviços, entre outros.

Este programa da TAP Air Portugal tem como principais destinatários os mercados de longo curso da companhia, nomeadamente o brasileiro e norte-americano, mas está disponível em todos os mercados em que a TAP opera.

Refira-se que, atualmente, a companhia liga a Europa a 11 destinos no Brasil a partir de Lisboa e Porto, voando para São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Natal, Maceió, Porto Alegre, Recife e Salvador. Nas ligações à América do Norte, voa para Boston, Chicago, Miami, Newark, Nova Iorque, São Francisco e Washington, nos Estados Unidos, e Montreal e Toronto, no Canadá.

Os prémios da revista Global Traveler distinguem, anualmente, o que há de melhor no mundo das viagens de lazer e de lifestyle, premiando bens, serviços, destinos, hotéis, companhias aéreas, aeroportos, cruzeiros e muito mais. Os prémios foram atribuídos depois de um inquérito junto dos mais de 817 mil leitores entre 15 de julho de 2023 e 8 de março de 2024.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Objetivo: Tornar a marca Iberojet mais visível em Portugal

António Loureiro, que assumiu recentemente a liderança da Iberojet em Portugal, revelou ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença da companhia aérea do Grupo Ávoris em território nacional e “torná-la ainda mais visível”.

Em entrevista ao Publituris, o conhecido profissional da área das viagens e turismo, António Loureiro, recentemente nomeado diretor-geral da Iberojet, assegurou que o seu propósito é colocar a companhia aérea em Portugal no patamar correspondente à dimensão e ao impacto que o Grupo Ávoris tem no turismo a nível ibérico. “Entrei neste projeto exatamente para isso, para defender a posição da Iberojet em Portugal, torná-la ainda mais visível e fazer as pazes com algum histórico que não existia no passado com as entidades oficiais”. O propósito do novo diretor-geral é, precisamente, alterar essa imagem e criar uma relação mais estreita e mais colaborante com organismos como a ANA Aeroportos/Vinci Airports, a ANAC e a NAV.

Como se sabe a marca Iberojet gere-se em Portugal com a denominação Orbest e Evelop em Espanha. Assim, adiantou, “a nossa ideia, e obtivemos consentimento para isso, é tornar a Iberojet apenas uma única marca que acomodasse as duas designações que as empresas tinham até agora.

O Grupo, disse, “pediu para relançar a imagem da companhia, ajustá-la ao nosso estilo e torná-la ainda mais portuguesa, tal como a Ávoris que quer tornar-se cada vez mais portuguesa sob o ponto de vista do mercado. Foi por isso que aceitei”.

António Loureiro esclareceu que a Iberojet é uma companhia aérea charter que serve a operação do grupo espanhol Ávoris, “mas temos projetos e ambições para ir um pouco mais além. Com a dimensão do Grupo não faz sentido que a sua companhia de aviação se remeta apenas a transportador os seus operadores. Pode-se aproveitar muito mais”, destacou.

Avançar também para voos regulares
Nesse sentido, o responsável apontou que “o objetivo é manter a filosofia de charter, mas ter também uma componente de venda de voos numa perspetiva regular, para além de continuar a fazer ACMIS (aluguer de aviões com tripulação incluída, bem como os seguros e a manutenção) para várias empresas”.

Por outro lado, frisou, sem entrar em pormenores, que “estamos com outras ideias também para dentro da própria Iberojet, podendo constituir outras unidades de negócio muito interessantes, aproveitando a capacidade do Grupo Avoris, isto tudo numa perspetiva de consolidar a sua imagem em Portugal e fazê-la crescer, sem hostilizar ninguém. Sabemos que as aventuras espanholas em termos de viagens e turismo no nosso país, algumas correram mal por causa da arrogância e, este grupo é tudo menos arrogante. E só nessa base é que eu também entraria aqui”.

Estamos num processo de tornar o front-end da Iberojet muito mais apelativo e que permita vender ancillaries (produtos e serviços auxiliares) ou fast-tracks, de uma forma absolutamente normal, como se fosse uma companhia aérea regular. É uma área que, além de trazer muito revenue, permite tratar o passageiro de outra maneira e dar-lhe um “miminho” extra. Este processo está no bom caminho e acredito que vou conseguir fazer ali umas melhorias grandes

Outro objetivo do novo diretor-geral da companhia aérea do Grupo Ávoris em Portugal é melhorar o sistema de distribuição em voos charter. “Estamos num processo de tornar o front-end da Iberojet muito mais apelativo e que permita vender ancillaries (produtos e serviços auxiliares) ou fast-tracks, de uma forma absolutamente normal, como se fosse uma companhia aérea regular. É uma área que, além de trazer muito revenue, permite tratar o passageiro de outra maneira e dar-lhe um “miminho” extra. Este processo está no bom caminho e acredito que vou conseguir fazer ali umas melhorias grandes”, confidenciou.

Dois A330neo baseados em Lisboa
A Iberojet tem colocados dois aviões A330neo no aeroporto de Lisboa, um com executiva (18 lugares sempre como uma boa ocupação) e económica, e outro em full economy, mas “reforçamos sempre com outros aparelhos se for caso disso e, no futuro, a minha ideia é basear em Portugal ainda mais aviões, até pelos objetivos de crescimento que temos, mas desde que sejam criadas melhores condições no aeroporto de Lisboa, que é a base da nossa operação”. O sonho de António Loureiro é ter um A350 em Lisboa.

O nosso entrevistado considerou que “temos um equipamento bonito e muito recente, e o nosso padrão de serviço de bordo não tem nada a ver com uma companhia charter”. Apontou ainda que estes aviões têm tido um bom ritmo de voos, acelerando, como é óbvio, a partir do final de abril quando o Grupo coloca no máximo a sua programação de verão.

Beja, só se forem todos os operadores
No entanto, Loureiro, que como diz, nasceu no mundo da aviação, tem clara noção das dificuldades que se colocam no aeroporto de Lisboa para uma companhia aérea que pretenda crescer, e não descarta a possibilidade de operações também à saída do Porto. “Em 50 anos não se avançou politicamente e não se pensou. As pessoas puseram os partidos à frente dos interesses nacionais. E eu acho que agora estamos a pagar a fatura disso.

A minha grande pergunta, a pergunta que toda a gente faz é, o turismo aguenta até à construção do próximo aeroporto, mesmo se o decidirmos agora?”, questionou o profissional ainda a propósito do novo aeroporto. Sendo a Iberojet uma companhia charter, a questão que colocámos a António Loureiro é se não veria com bons olhos a empresa basear-se em Beja para poder crescer e abrir novos horizontes.

“É verdade que a companhia só cresce se tiver condições logísticas para o fazer, e o aeroporto é a principal condição”, disse, acentuando que Beja “poderia funcionar, mas para isso teria de haver condições efetivas, o que não acontece, pois não existem infraestruturas necessárias para operar, não tens lá a PSP de fronteiras, não tens catering, não tens uma série de componentes de handling, itens necessários para a operação”.

No entanto, “mesmo que existissem, bastava que um operador que seja que ficasse a operar à saída de Lisboa para o mesmo destino que opero, para nós ficarmos em desvantagem”. António Loureiro é categórico “Não estou a dizer que a empresa está a pensar em deslocar-se para o aeroporto de Beja, nada disso, até porque essa decisão compete aos nossos operadores. Temos problemas na operação, claro que sim, complica, mas acho que está na altura de começarmos (os operadores) a pensar todos, a falar entre todos, mas têm de ser todos. Não havendo um consenso será difícil uma decisão deste tipo”.

O objetivo é manter a filosofia de charter, mas ter também uma componente de venda de voos numa perspetiva regular, para além de continuar a fazer ACMIS (aluguer de aviões com tripulação incluída, bem como os seguros e a manutenção) para várias empresas

Outros destinos na calha
Este verão, a Iberojet vai operar voos charter de Lisboa para Cancun (México), Varadero e Santa Clara (Cuba), em estreia, La Romana, Punta Cana e Samaná (República Dominicana), ou seja, apenas operações de longo curso. “Não temos médio curso com equipamentos nossos, mas com o ritmo de desenvolvimento de alguns destinos, diria que este verão não, porque está feito, está fechado, mas é capaz de haver aí destinos de médio curso que justifiquem um avião deste tipo operado por nós. Mas será sempre por decisão dos operadores que integram o grupo, apesar de, na qualidade de diretor-geral da companhia ter a liberdade de dar os meus inputs, apresentar as nossas dificuldades operacionais e dar alternativas em função também dos contratos que temos”.

Equipa com experiência acumulada
António Loureiro deu-nos conta que o pessoal que está ligado à companhia aérea em Lisboa é português. “Uma coisa que eu gostei muito foi ver uma estabilidade relativamente às tripulações e a todas as equipas. Os nossos quadros têm muita experiência acumulada, profissionais que passaram por outras empresas e trouxeram todo esse know-how. Fiquei realmente impressionado com a qualidade desses profissionais”, destacou.

O diretor-geral da Iberojet em Portugal reconheceu que a relação com a companhia aérea em Espanha é “fantástica”. Sublinhou, para concluir, que “estamos a integrar equipas e a torná-las cada vez mais visíveis, num conceito de empresa ibérica, mas respeitando as fronteiras de cada um para um objetivo comum, o de tornar o Grupo Ávoris ainda mais sólido na sua componente aérea”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Transportes

easyJet reduz perdas, mas lucros continuam no vermelho no 1.º semestre

Apesar da melhoria dos resultados, a easyJet registou um resultado líquido negativo em 404 milhões de euros, no ano 1.º semestre de 2024, período em que disponibilizou mais de 4,8 milhões de lugares no nosso país.

Victor Jorge

Os resultados referentes ao 1.º semestre do exercício de 2024, terminado em 31 de março de 2024, da easyJet ditam receitas de 3,8 mil milhões de euros, uma melhoria 22% face aos 3,1 mil milhões obtidos em igual período do exercício anterior de 2023.

O grosso destas receitas provém, naturalmente, dos passageiros (bilhetes), no valor que soma 2,4 mil milhões de euros, correspondendo a uma evolução de 17% face a período homólogo de 2024, com as receitas dos “anciliaries” a ultrapassaram os mil milhões de euros (1.060 milhões de euros), mais 19% que em igual período do ano passado.

Em termos de lucros, a easyJet apresenta uma baixa nos mesmos de 16%, passando, assim, de 483 milhões de euros negativos para 404 milhões de euros negativos, admitindo “perspectivas boas para o verão”.

Os custos da easyJet aumentaram, por sua vez, em 13%, passando de 2,1 mil milhões de euros para 2,4 mil milhões de euros, neste semestre de 2024, com a fatia com combustível a ascender a cerca de 1,1 mil milhões de euros, quando em igual período de 2023 foi de 900 milhões de euros.

De resto, a companhia aérea lowcost diz-se “satisfeita com o desempenho financeiro do primeiro semestre, com boas perspectivas para o futuro”, admitindo-se “operacionalmente bem posicionada para o verão”.

Em termos de passageiros transportados nestes primeiros seis meses do exercício fiscal, a easyJet aponta para um crescimento de 11% face aos mesmos meses de 2023, passando de 33,1 milhões para 36,7 milhões de passageiros.

Relativamente a Portugal, a easyJet disponibilizou, no primeiro semestre de 2024, cerca de 4,8 milhões de lugares, representando um aumento de 5% na capacidade face ao período homólogo de 2023, avançando Johan Lundgren, CEO da easyJet, que “os investimentos do verão de 2023 na nossa rede no Porto e em Lisboa continuam a proporcionar melhorias nos lucros à medida que estas rotas amadurecem. Transportámos, a partir dos cinco aeroportos em Portugal – Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo -, durante este período (1.º semestre de 2024) mais de 4,3 milhões de passageiros de e para Portugal, um crescimento de 8% relativamente à primeira metade de 2023”.

Quanto ao que resta do exercício e esperando a easyJet a entrega de 16 aviões A320neo, o CEO da companhia refere que “”estamos agora absolutamente concentrados em mais um verão recorde, que deverá proporcionar um forte crescimento dos lucros no ano fiscal de 2024 e estamos no bom caminho para atingir os nossos objetivos a médio prazo”.

E refere ainda que a easyJet “está bem posicionada para apresentar um forte crescimento dos lucros ano após ano, impulsionado pela procura positiva do verão. As medidas tomadas ao longo do último ano permitiram-nos apresentar um melhor desempenho operacional, com a aceleração do pico do verão a progredir bem. Como marca de confiança, a easyJet está bem posicionada para capitalizar o ambiente positivo da procura, uma vez que os consumidores dão prioridade às viagens. Continuamos a expandir a nossa rede de aeroportos primários com 158 novas rotas lançadas no atual ano financeiro”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

TAAG assume operação exclusiva da rota Luanda-Lisboa

Realizados por dois Boeing 777-300ER, os voos bidiários entre as capitais de Angola e Portugal serão operadas em exclusivo pela TAAG, deixando de operar com o avião da HiFly.

Publituris

No seguimento do plano de manutenção e recuperação da frota, e no sentido de responder melhor às necessidades do mercado e à estratégia de negócio, a TAAG Linhas Aéreas de Angola assumiu, recentemente, a operação exclusiva da rota Luanda-Lisboa, com a sua frota internacional.

A ligação, que conta com dois voos diários, será operada por duas aeronaves Boeing 777-300ER com capacidade total para 293 passageiros distribuídos entre primeira classe, classe executiva e económica.

O referido serviço era anteriormente realizado com recurso a uma aeronave da companhia aérea HiFly, em regime de “wet lease”, devido à manutenção da frota internacional da TAAG, designadamente do modelo Boeing 777-300ER.

“Queremos agradecer à HiFly pela colaboração durante o período de vigência deste acordo, que assegurou o reforço da nossa operação e o bom funcionamento de uma rota prioritária para a TAAG”, Nelson de Oliveira, presidente do Conselho Executivo (PCE) da TAAG.

O responsável pela companhia de bandeira de Angola admite que o serviço de Luanda- Lisboa desempenha um “importante papel a vários níveis, desde a dinamização económica à coesão social”, salientando ainda que “esta solução representou um compromisso de, juntamente com a HiFly, garantir um serviço confiável e eficiente aos nossos passageiros”.

De referir que Portugal é um dos destinos preferenciais e a porta de entrada da Europa para diversos passageiros, entre turistas, famílias e tecido empresarial oriundos de Angola, África e América do Sul.

Paralelamente, Angola posiciona-se como um hub importante para receber e redirecionar tráfego vindo de Portugal para os diversos destinos no sul, ocidente e centro do continente africano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.