Assine já

Turkey, Istanbul – Blue Mosque

Destinos

Turquia e Grécia lideraram recuperação turística no verão

Segundo o mais recente estudo da ForwardKeys, além da Turquia e Grécia, Portugal foi um dos países que apresentaram melhor desempenho, ficando apenas 10% abaixo dos resultados de 2019.

Inês de Matos

Turkey, Istanbul – Blue Mosque

Destinos

Turquia e Grécia lideraram recuperação turística no verão

Segundo o mais recente estudo da ForwardKeys, além da Turquia e Grécia, Portugal foi um dos países que apresentaram melhor desempenho, ficando apenas 10% abaixo dos resultados de 2019.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Verão de 2020 deverá repetir-se em 2021
Análise
Europa: Recuperação turística vai ser lenta, particularmente nas viagens organizadas
Homepage
“Neste momento, mexer na organização das ERT seria dar um tiro no pé”
Homepage
TPNP estima que seja possível “começar a retoma” no final do 1.º semestre de 2021
Homepage

A Turquia e a Grécia lideraram a recuperação turística neste verão e apresentaram crescimentos de 9% e 2%, respetivamente, face ao verão de 2019 nas chegadas internacionais de turistas, de acordo com a mais recente pesquisa da ForwardKeys, que revelou os dados de julho e agosto.

De acordo com o estudo, tal como a Turquia e a Grécia, houve mais três países na Europa que se aproximaram bastante dos resultados de 2019, concretamente a Eslovénia, que ficou apenas 7% abaixo do resultado do período pré-pandemia, a Islândia, cujo resultado terá ficado a 8% de igual período de 2019, e Portugal, que ficou a 10% dos resultados de há três anos.

Mas, além dos resultados, o estudo da ForwardKeys indica também que os destinos europeus poderiam ter registado resultados ainda mais positivos se não se tivesse registado o caos no aeroportos que se prolongou por quase todo o verão.

Sem a interrupção que afetou muitos aeroportos europeus, a ForwardKeys estima que a recuperação nas reservas de voos intra-europeus teria sido cinco pontos percentuais acima da registada.

Por destinos, Istambul, na Turquia, liderou em termos de desempenho, registando um aumento de 2% nas chegadas internacionais, seguindo-se Atenas, na Grécia, que ficou 7% abaixo de igual período de 2019, bem como a capital islandesa de Reiquiavique e a cidade portuguesa do Porto, ambas com queda de 8%, e Málaga, cuja descida face a 2019 foi de 13%.

A ForwardKeys explica o positivo desempenho da Turquia com o declínio contínuo no valor da lira turca e a abertura do país ao mercado russo, que continuou a ser bem-vindo na Turquia numa altura em que os voos com origem na Rússia foram proibidos em quase toda a Europa, devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Apesar disso, a Grécia também registou um desempenho muito positivo, até porque, durante a pandemia da COVID-19, este foi um dos poucos países europeus que adotaram requisitos mais ligeiros.

Já o principal mercado de emissão de turistas foi o Reino Unido, numa tendência que se mantém para os próximos meses, com a ForwardKeys a explica que a procura de voos continua em alta para os três próximos meses, estando apenas 2% abaixo do período pré-pandemia.

“A recuperação da pandemia continuou apesar do caos nas viagens e das reduções de capacidade causadas pela escassez de funcionários. Neste momento, as reservas antecipadas para viagens de lazer mostram uma recuperação contínua nas viagens aéreas”, afirma Olivier Ponti, vice-presidente de insights da ForwardKeys.

O responsável mostra-se, contudo, cauteloso quanto ao futuro devido à guerra na Ucrânia, que está a afetar os preços da energia e as economias europeias, o que, provavelmente, vai ter reflexo na confiança dos consumidores e na procura corporativa.

“Dito isso, atualmente há uma concentração de reservas de voos durante os picos do outono e no Natal, o que pode levar a mais interrupções nos voos se as recentes dificuldades de recrutamento experimentadas pela indústria da aviação persistirem”, alerta ainda Olivier Ponti.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Ministro do Turismo da Jordânia visita Fátima no 2.º semestre para analisar parcerias

O crescimento do Turismo Religioso faz com que o novo ministro do Turismo da Jordânia, Markam Al-Queisi, visite Fátima no 2.º semestre deste ano para analisar a possibilidade de futuras parcerias em prol de ambos os destinos.

Victor Jorge

O ministro do Turismo da Jordânia, Makram Al-Queisi, referiu esta quarta-feira, durante o decorrer na FITUR Madrid, que se realiza até ao próximo dia 22 de janeiro, que virá a Portugal para estudar com as entidades de Fátima uma possível parceria “para benefício de ambos os destinos”.

Em entrevista ao Publituris, Makram Al-Queisi considera que ambos os destinos possuem “uma forte componente no Turismo Religioso” e que uma parceria seria “uma boa forma de promover os dois destinos em muitos mercados internacionais e estabelecer trabalho conjunto no segmento que tem vindo a crescer exponencialmente”.

De referir que Makram Al-Queisi, que foi nomeado ministro do Turismo e das Antiguidades da Jordânia há pouco mais de um mês, conhece Portugal, uma vez que exerceu o cargo de Embaixador Extraordinário não residente no nosso país em 2014.

“Fátima é um lugar único e sabemos as visitas internacionais que possui ao longo do ano”, referiu Makram Al-Queisi ao Publituris. “Naturalmente que o nosso interesse em Portugal não se limita a Fátima”, avançando o ministro jordano que em termos de operação turística, a Jordânia irá contar com um voo charter a partir de maio e que irá prolongar-se até novembro, começando com um voo semanal, esperando, contudo, “e dado os números que esperamos de turistas portugueses, esse voo poderá passar a bissemanal”.

A Jordânia recebeu, em 2022, mais de 4.000 turistas portugueses, número que as autoridades do Turismo da Jordânia esperam duplicar com esta operação entregue à Avoris.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Ministros Ibero-americanos do Turismo apostam na sustentabilidade e cooperação para relançar o setor

Os ministros ibero-americanos do Turismo, reunidos em Madrid (presencial e online) optaram pela sustentabilidade ambiental e pelo estreitamento das relações entre os países desta região para relançar o setor, após os anos da pandemia.

Responsáveis ​​do turismo de 14 países ibero-americanos reuniram-se na XXVI Conferência Ibero-Americana de Ministros e Empresários do Turismo (CIMET), encontro que tradicionalmente antecede à Fitur – Feira Internacional de Turismo, que abriu portas esta quarta-feira, em Madrid.

“A primeira responsabilidade de todos nós deve ser a conservação do planeta, e assim deve ser para todos os setores”, afirmou o diretor de Turismo do Banco de Desenvolvimento da América Latina, Óscar Rueda, citado pela Agência EFE.

A subsecretária de Turismo do Chile, Verónica Kunze Neubauer, também concordou com este propósito, tendo destacado a importância da sustentabilidade para o seu país, ao mesmo tempo que o definiu diretamente como um “destino totalmente sustentável”.

O ministro mexicano, Miguel Torruco, definiu o setor “como um grande meio de reconciliação para todas as comunidades”.

Os ministros e altos funcionários do Turismo presentes no encontro também apresentaram as suas linhas de ação para promover o “turismo de encontro” nos seus territórios.

Por sua vez, o co-presidente do CIMET, Eugenio de Quesada, sublinhou que “a promoção e internacionalização do setor do turismo é um esforço coletivo, de todos”, e destacou a importância do trabalho entre países para a defesa e promoção dos destinos.

Do governo espanhol, a secretária de Estado do Turismo, Rosana Morillo, sublinhou que “não só o setor está a reativar, como estamos a recuperar de forma mais forte”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Parque Nacional da Peneda-Gerês entre os 10 melhores da Europa para caminhadas

O Parque Nacional da Peneda-Gerês está classificado entre os 10 melhores parques naturais da Europa para caminhadas, segundo os resultados da mais recente pesquisa da Cotswold Outdoor.

Publituris

A pesquisa mais recente da Cotswold Outdoor, especialista britânica em equipamentos para atividade ao ar livre, identificou os principais cenários naturais da Europa que também proporcionam as melhores experiências de caminhada. Analisados mais de 80 parques nacionais europeus, tendo sido avaliados vários fatores nas categorias de popularidade, dificuldade e atividades/comodidades, o Parque Nacional da Peneda-Gerês foi revelado como o décimo melhor da Europa para caminhadas.

O Parque Nacional da Peneda-Gerês deve a sua classificação geral elevada ao facto de ser a sexta melhor escolha de atividades e comodidades, e também ser classificado como o oitavo mais popular da Europa.

O popular local de beleza do norte de Portugal oferece aos visitantes 96 trilhos para caminhadas, 10 parques de campismo e seis miradouros/pontos de referência.

Nas apostas de popularidade, o parque também está entre os dez mais populares da Europa, em oitavo lugar. Obtém uma média de pouco menos de 10.000 pesquisas anuais globais, tem uma classificação de 4,8 e sumou mais de 167.000 hashtags no Instagram.

Finalmente, no que diz respeito à dificuldade da caminhada, a distância média e a duração da caminhada do parque definitivamente não são para os fracos de coração, classificando-se na faixa intermediária de 19,7 km e 5,4 horas, respetivamente.

O Peak District e o Lake District (Reino Unido), Teide (Espanha), Calanques (França) e Krka (Croácia) compõem os cinco primeiros lugares, respetivamente.

De acordo com a análise, as caminhadas se tornaram uma tendência massiva nos últimos dois anos, comprovada ainda mais pelas tendências de viagem previstas para 2023, que indicam um aumento ao nível do turismo de aventura.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Novo presidente da Embratur quer reconquistar lugar de relevo do Brasil no panorama internacional

Marcelo Freixo anunciou, logo no primeiro dia enquanto presidente da Embratur, que o trabalho vai começar com uma reorganização interna da agência de promoção internacional.

Publituris

Marcelo Freixo já assumiu a presidência da Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo e estabeleceu a recuperação do lugar de relevo do Brasil no panorama internacional, incluindo no turismo, como principal prioridade do seu mandato, que arrancou na passada sexta-feira, 13 de janeiro.

“Após quatro anos de isolamento internacional ditado pela irresponsabilidade do anterior governo, o Brasil está novamente empenhado em retomar o seu papel de protagonista na promoção do diálogo, da cooperação e das questões ambientais e climáticas no plano internacional. Na Embratur, a nossa missão será colocar o turismo brasileiro no patamar de relevância expectável”, afirmou o novo presidente da Embratur.

Marcelo Freixo anunciou, logo no primeiro dia enquanto presidente da Embratur, que o trabalho vai começar com uma reorganização interna da agência de promoção internacional, que garanta “uma gestão técnica e transparente, com base nas boas práticas do mercado”.

Além disso, Marcelo Freixo quer também voltar a focar a Embratur “no marketing, na promoção e apoio à comercialização do Brasil no exterior, com base em inteligência de dados e big data, nas parcerias com os setores público e privado, nos investimentos em inovação, na inserção da agenda de sustentabilidade, ações climáticas e com foco nos resultados”.

O novo presidente da Embratur garantiu ainda que pretende trabalhar em conjunto com os ministros cuja atuação está diretamente relacionada com a modernização das políticas públicas e com programas voltados para a promoção do turismo no exterior.

“Além de integrar as ações da nossa agência na agenda de política externa e de vários ministérios do governo do Presidente Lula da Silva, retomaremos o diálogo com o mercado e as entidades que desenvolvem ações de promoção internacional. Vamos construir uma Embratur moderna, profissional, eficiente e comprometida com o desenvolvimento sustentável”, acrescentou o responsável.

Com 55 anos de idade, Marcelo Freixo é originário da região do Rio de Janeiro, é professor de História, foi eleito deputado estadual no Rio de Janeiro pela primeira vez em 2006 e deputado federal em 2018.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Feira de Emprego ‘Trabalhar num Navio’ regressa a 16 de março de 2023

A 8.ª edição da Feira Internacional de Emprego & Carreiras ‘Trabalhar num Navio’ já está confirmada e vai decorrer a 16 de março de 2023, no Hotel Olissippo Oriente, no Parque das Nações, em Lisboa.

Publituris

A 8.ª edição da Feira Internacional de Emprego & Carreiras ‘Trabalhar num Navio’ já está confirmada e vai decorrer a 16 de março de 2023, voltando a contar com entrada gratuita, informou a APORMAR – Agência Portuguesa de Marítimos, entidade responsável pela organização do evento.

A próxima edição desta feira de emprego dedicada às carreiras marítimas vai voltar também a contar com a participação “de várias companhias de navios e de ensino e formação marítima, antecipando o sucesso das edições anteriores”, lê-se na informação divulgada .

Segundo o comunicado enviado à imprensa, este evento é “fundamental para quem trabalha ou pretende trabalhar em navios de carga, cruzeiros, ferries, offshore e iates”.

A feira está também aberta a profissionais e estudantes das áreas de restauração, hotelaria, turismo, lojas, saúde, beleza, desporto, animação, audiovisual, entretenimento, segurança, convés, engenharia, máquinas, eletricidade, ar condicionado e manutenção hoteleira.

Nesta edição, a Feira Internacional de Emprego & Carreiras ‘Trabalhar num Navio’ vai decorrer no Hotel Olissippo Oriente, no Parque das Nações, em Lisboa, e inclui também um congresso com a apresentação e objetivos das empresas expositoras, cujo início está previsto para as 09h30.

As inscrições para o certame já se encontram a decorrer e podem ser realizadas online através do website do evento, que está disponível aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Saccharum hotel promove Wedding Open Day a 4 e 5 de fevereiro

O Saccharum, hotel que integra a coleção Savoy Signature, vai promover um Wedding Open Day, nos dias 4 e 5 de fevereiro entre as 11h00 e as 19h00.

Publituris

A unidade hoteleira na Calheta (Madeira) vai vestir-se a rigor para apresentação da cerimónia e do copo-de-água, pensados com todos os detalhes. Os casais poderão conhecer os diferentes espaços do hotel e os serviços exigidos para uma celebração perfeita.

No entanto a experiência romântica vai mais longe. O programa inclui uma visita a um dos quartos do hotel, já preparado para uma lua de mel, mas também as salas de eventos decoradas com romantismo para a ocasião. As zonas de cocktail, de cerimónia e a área da piscina principal também integram o roteiro.

Para recriar uma experiência ainda mais aproximada à realidade, a equipa do Saccharum providenciou uma exposição com diferentes carros, além de serviços de vestuário, de cabeleireiro e de maquilhagem. Depois, os noivos poderão ser fotografados e filmados por equipas profissionais destas áreas, além de usufruírem de animação ao vivo, cocktail, jantar, bolo de casamento e festa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

OMT: Chegadas internacionais de turistas vão acelerar em 2023 e aproximam-se dos níveis pré-pandémicos

Após uma recuperação mais forte do que o esperado em 2022, as chegadas internacionais de turistas podem retomar aos níveis pré-pandémicos na Europa e no Médio Oriente, este ano. No entanto, num contexto económico difícil, os turistas tendem cada vez mais ajustar os seus orçamentos e deslocar-se para destinos mais próximos do seu local de residência.

Publituris

De acordo com as previsões da OMT para 2023, as chegadas de turistas internacionais podem ficar entre 80% e 95% dos níveis pré-pandémicos este ano, dependendo da extensão da desaceleração económica, de como as viagens se recuperam na Ásia e no Pacífico e qual é a evolução da ofensiva russa na Ucrânia, entre outros fatores.

Segundo novos dados da OMT, mais de 900 milhões de turistas fizeram viagens internacionais em 2022, o dobro do verificado em 2021, embora esse número ainda esteja em 63% dos níveis pré-pandêmicos. Todas as regiões do mundo registaram aumentos notáveis ​​no número de turistas internacionais. O Médio Oriente teve o maior aumento relativo, com chegadas a subir para 83% dos números pré-pandémicos. A Europa atingiu quase 80% dos níveis pré pandemia, com 585 milhões de chegadas em 2022.

A África e as Américas recuperaram cerca de 65% dos visitantes pré-Covid, enquanto a região da Ásia-Pacífico recuperou apenas 23%, mantendo medidas mais rígidas relacionadas à pandemia que só começaram a ser suspensas nos últimos meses.

O primeiro Barómetro Mundial do Turismo da OMT de 2023 também analisa o comportamento por região e identifica os países com melhores resultados em 2022, incluindo vários destinos que já recuperaram os níveis de 2019.

De acordo com o secretário-geral da OMT, Zurab Pololikashvili, prevê-se “um ano forte para o setor, mesmo perante diversos desafios, incluindo a situação económica e a contínua incerteza geopolítica. As pessoas vão viajar em 2023 e a OMT espera que a procura por viagens domésticas e regionais permaneça forte e ajude a impulsionar a recuperação mais ampla do setor”.

A OMT estima ainda que o recente levantamento das restrições de viagens relacionadas com o COVID-19 na China, o maior mercado emissor do mundo em 2019, é um passo significativo para a recuperação do setor de turismo na Ásia, no Pacífico e mesmo no resto do mundo.

Ao mesmo tempo, a forte procura dos Estados Unidos, apoiada por um dólar americano forte, continuará a beneficiar os destinos na região e não só, enquanto a Europa continuará a desfrutar de fortes fluxos de viagens dos EUA, em parte devido a um euro mais fraco em relação ao dólar americano.

Por outro lado, a OMT indica que, na maioria dos destinos verificaram-se, em 2022, aumentos notáveis ​​nas receitas do turismo internacional, em vários casos superiores ao crescimento das chegadas, fator que tem sido apoiado pelo aumento do gasto médio por viagem devido a períodos de permanência mais longos, a disposição dos viajantes de gastar mais no destino e maiores custos de viagem devido à inflação. No entanto, a conjuntura económica poderá traduzir-se numa atitude mais cautelosa dos turistas em 2023, com redução de gastos, viagens mais curtas e deslocações mais próximas de casa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Britânicos e alemães estão a optar por reserva de férias em regime tudo incluído

A tendência é justificada pela necessidade de as famílias administrarem bem suas finanças numa situação de crise, e já há inúmeras reservas em carteira para o próximo verão em regime tudo incluído, segundo a ABTA (britânica) e a DRV (alemã).

Publituris

Diz a associação britânica das agências de viagens, em declarações prestadas ao jornal espanhol de turismo, Hosteltur, que “cerca de um terço dos turistas do Reino Unido que viajam para o estrangeiro planeiam fazer um regime tudo incluído em 2023”, populares entre todas as gerações, especialmente famílias com crianças pequenas, especificando que as reservas no país estão a aumentar para 40% entre os menores de 44 anos e 57% nas famílias jovens.

A razão desta mudança de tendência justifica-se pela necessidade de as famílias gerirem bem as suas finanças na situação de crise que se alastra pelo Reino Unido e restante Europa, por razões bem conhecidas como a pandemia de COVID-19 e a guerra na Ucrânia, e no caso britânico, somam-se também os efeitos do Brexit.

 

 

“Apesar do custo de vida mais elevado colocar pressão nas finanças das pessoas, muitos britânicos ainda querem ir de férias, e os planos tudo incluído revelam-se a opção preferida para ajudar as pessoas a controlar os seus gastos com viagens e férias este ano”, aponta a ABTA, citada pelo mesmo jornal, que acrescenta que, entre todos os destinos possíveis, muitos deles são no Mediterrâneo.

O mesmo está a acontecer em relação aos alemães. A DRV confirmou à Hosteltur, ainda que sem arriscar números nem proporções, “existem já numerosas reservas para o próximo verão”, e “devido à atual situação de elevados custos de energia e inflação, pode-se supor que o preço terá um papel ainda maior na escolha de um destino de férias este ano”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Tailândia relança campanha ‘Amazing New Chapters’ para atingir 25 milhões de turistas em 2023

Este ano, a campanha assume a denominação de “Visit Thailand Year 2023: Amazing New Chapters” para ajudar a Tailândia a alcançar a meta de 25 milhões de turistas internacionais e receitas de 66 mil milhões de euros.

Publituris

A Tailândia relançou a campanha “Visit Thailand Year: Amazing New Chapters” com o objetivo de chegar, este ano, à marca de 25 milhões de turistas internacionais, informou a Autoridade de Turismo da Tailândia (TAT).

Num comunicado enviado à imprensa, a TAT explica que a campanha, que está agora a iniciar o segundo ano, tem como “propósito garantir receitas turísticas superiores a 2,38 mil milhões de Baht (cerca de 66 mil milhões de euros) em 2023, o que representa uma recuperação de 80% das receitas obtidas em 2019”.

Por isso, este ano, a campanha assume a denominação de “Visit Thailand Year 2023: Amazing New Chapters”, representando um “compromisso da TAT e de todas os seus parceiros públicos e privados, bem como do povo tailandês, em manter a confiança dos turistas internacionais na Tailândia, recuperando o estatuto de destino preferido”, segundo Yuthasak Supasorn, governador da TAT.

No âmbito desta estratégia, a Tailândia vai voltar a marcar presença na FITUR, a feira de turismo de Espanha, que arranca esta quarta-feira, 18 de janeiro, em Madrid, e ao longo da qual os responsáveis da TAT vão “reunir com um grupo de operadores turísticos e agências de viagens portugueses, não só para lhes dar a conhecer a estratégia do turismo tailandês para este ano, mas também para conhecerem as expectativas do trade nacional sobre a evolução das vendas do destino em Portugal”.

Este ano, a Tailândia vai promover-se nos mercados de longo curso, como é o caso de Portugal, como um destino para desfrutar ao longo de todo o ano, apostando ainda em segmentos de mercado como as Luas-de-Mel, Saúde e Bem-estar, Golfe e Gastronomia.

Em 2023, a TAT vai ainda divulgar o novo conceito “Amazing 5F and More”, destinado a proporcionar experiências de viagem em novos segmentos como “Food, Film, Festival, Fight and Fashion“, garantindo ainda estar focada “na melhoria da qualidade dos produtos e serviços turísticos, a fim de conduzir a indústria do turismo tailandês a um crescimento sustentável”.

“Entre as principais atividades estão o projeto Good Host New Chapter Season 2, a certificação Amazing Thailand Safety and Health Administration (SHA) e ainda um leque de eventos centrados nos 5F já mencionados”, acrescenta a TAT.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo do Porto e Norte quer ter 5 caminhos de Santiago certificados até final do ano

O presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal apontou o final do ano como meta para a certificação de cinco caminhos portugueses para Santiago de Compostela, Galiza, que em 2022 foram percorridos por 93 mil peregrinos.

Publituris

Luís Pedro Martins, que falava aos jornalistas na sede do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), em Viana do Castelo, no final da assinatura do projeto cultural Caminho da Arte, referiu que, daqueles cinco, dois já estão certificados – o Caminho Português do Interior e o Caminho Português da Costa.

“Em fase final de certificação está o Caminho Português de Santiago Central-Caminho Primitivo. Esperamos anunciar em breve essa certificação. Temos outros dois – o Caminho Minhoto Ribeiro e Caminho Português Torres. Já temos muito trabalho feito para levar à certificação e gostaríamos de ter os cinco caminhos certificados até final de 2023. Vamos tentar”, afirmou.

De acordo com informação que consta da página oficial da Associação do Caminho Minhoto Ribeiro na Internet, aquele percurso “é um dos caminhos mais antigos, que liga o norte de Portugal à cidade do apóstolo Santiago”.

Segue “na maior parte da sua rota através daqueles caminhos, calçadas romanas e caminhos medievais”.

Este caminho “entronca com o território nacional no lugar de Cevide, freguesia de Cristóval, concelho de Melgaço, uma das mais antigas fronteiras terrestres”.

Já O Caminho de Torres liga a cidade de Salamanca a Santiago de Compostela e passa em grande parte pelo interior de Portugal. Trata-se de um percurso com quase 600 quilómetros.

O presidente da TPNP referiu que o objetivo é ter “pelo menos os cinco caminhos mais históricos certificados”.

“Neste momento, somos a região que tem mais caminhos certificados, apesar de não termos sido os primeiros. O processo de certificação começou no Alentejo, com o Caminho do Interior, mas [a região do] Porto e Norte rapidamente passou a ter dois caminhos certificados”, disse.

O responsável referiu que a certificação “significa garantir a segurança no caminho, sinalética e limpeza dos caminhos”.

Questionado sobre a certificação do Caminho da Geira, disse estar “em fase embrionária”, mas assegurou “já ter sido iniciado o trabalho com as autarquias”.

O Caminho da Geira, um dos mais antigos, começa em Braga com destino a Santiago de Compostela, com um percurso de cerca de 240 quilómetros.

O último caminho a ser certificado foi o da Costa, em fevereiro de 2022. O percurso tem 138 quilómetros de extensão e atravessa os concelhos do Porto, Matosinhos, Maia, Vila do Conde, Póvoa de Varzim, Esposende, Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira e Valença, e é o primeiro que a TPNP candidatou à comissão de certificação, após a assinatura em 2021 do memorando de entendimento com 10 autarquias da região.

Os Caminhos de Santiago são uma rota milenar seguida por milhões de peregrinos desde o início do século IX, quando foi descoberto o sepulcro do apóstolo Santiago.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.