Edição digital
Assine já
PUB
Eventos Publituris

Nomeados aos “Portugal Trade Awards 2022 by Publituris @BTL” conhecidos hoje a partir das 15h00

A partir das 15h00 serão conhecidos os 87 nomeados a votação para os “Portugal Trade Awards 2022 by Publituris @BTL”. As votações para os nomeados às 13 categorias estarão abertas até 4 de março e os vencedores serão conhecidos no dia 16 de março, a partir da 17h00, na BTL 2022.

Publituris
Eventos Publituris

Nomeados aos “Portugal Trade Awards 2022 by Publituris @BTL” conhecidos hoje a partir das 15h00

A partir das 15h00 serão conhecidos os 87 nomeados a votação para os “Portugal Trade Awards 2022 by Publituris @BTL”. As votações para os nomeados às 13 categorias estarão abertas até 4 de março e os vencedores serão conhecidos no dia 16 de março, a partir da 17h00, na BTL 2022.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Dossier Relacionado
BTL
Powered by
Logo image
Nova edição: A conferência sobre o novo viajante, Portugal Trade Awards, programação W2M, retoma da promoção turística do Brasil e a aposta tailandesa em Portugal
Eventos Publituris
BTL 2022 recebeu mais de 45 mil visitantes
BTL
O novo viajante “quer verdade e responsabilidade”, concluíram os oradores da conferência do Publituris na BTL
Eventos Publituris
Nova edição: Dois anos de pandemia, os vencedores dos Portugal Trade Awards do Publituris, as propostas dos operadores e dossier seguros
Eventos Publituris
“Teremos e vamos promover a Ucrânia enquanto destino turístico”
Distribuição
Rita Marques (SET) é “Personalidade do Ano” dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2022”
Prémios
Ministro da Economia na abertura da BTL: “Estamos a assistir a uma recuperação do turismo este ano”
BTL
Ucrânia é destino convidado no stand da APAVT/Travelport na BTL
BTL
Golegã lança nova marca turística na BTL
BTL
“Portugal está na moda, mas o estar na moda dá muito trabalho”
BTL
DossiersBTL

Estão encontrados os 87 nomeados, em 13 categorias, para os “Portugal Trade Awards 2022 by Publituris @BTL”.

Os nomeados para as 13 categorias a concurso foram encontrados pela redação do Publituris e estarão a votação a partir, as 15h00, do dia 18 de fevereiro de 2022, num site dedicado aos prémios.

Além das 13 categorias, haverá ainda um prémio para a “Personalidade do Ano”, prémio esse que não estará sujeito a votação e que é atribuído diretamente pela redação do Publituris.

A votação abre a 18 de fevereiro e estará aberta até dia 4 de março.

Os vencedores serão encontrados através de uma média ponderada entre o júri, composto pelo Conselho Editorial do Publituris (45%), assinantes do jornal (45%) e registados na newsletter diária (10%).

Nesse sentido, os novos registos no site/newsletter só foram permitidos até ao dia 18 de fevereiro, registos esses que voltarão a ser possíveis para o site/newsletter do Publituris após o final da votação, ou seja, no dia 5 de março de 2022.

Os vencedores serão conhecidos no dia 16 de março de 2022 (quarta-feira), a partir das 17h00, na BTL 2022, realizando-se ainda um cocktail de boas-vindas, com início às 16h00.

As categorias a votação são

Melhor Companhia de Cruzeiros

Melhor GSA Aviação

Melhor Agência Corporate

Melhor Venue para Eventos e Congresso

Melhor Parque Temático

Melhor Animação Turística

Melhor Eco Resort

Melhor Wine Hotel

Melhor Exclusive Hotel

Melhor Luxury Hotel

Melhor Alojamento Rural

Melhor Startup

Melhor Marina

Personalidade do Ano (atribuído diretamente pela redação do Publituris)

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Dossier Relacionado
Nova edição: A conferência sobre o novo viajante, Portugal Trade Awards, programação W2M, retoma da promoção turística do Brasil e a aposta tailandesa em Portugal
Eventos Publituris
BTL 2022 recebeu mais de 45 mil visitantes
BTL
O novo viajante “quer verdade e responsabilidade”, concluíram os oradores da conferência do Publituris na BTL
Eventos Publituris
Nova edição: Dois anos de pandemia, os vencedores dos Portugal Trade Awards do Publituris, as propostas dos operadores e dossier seguros
Eventos Publituris
“Teremos e vamos promover a Ucrânia enquanto destino turístico”
Distribuição
Rita Marques (SET) é “Personalidade do Ano” dos “Portugal Trade Awards by Publituris @BTL 2022”
Prémios
Ministro da Economia na abertura da BTL: “Estamos a assistir a uma recuperação do turismo este ano”
BTL
Ucrânia é destino convidado no stand da APAVT/Travelport na BTL
BTL
Golegã lança nova marca turística na BTL
BTL
“Portugal está na moda, mas o estar na moda dá muito trabalho”
BTL
PUB

Paço Real de Caxias | Créditos: Revive

Hotelaria

Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho

A data foi confirmada pelo presidente do grupo Vila Galé após a inauguração do mais recente hotel do grupo, o Vila Galé Isla Canela, em Huelva. A futura unidade hoteleira no Paço Real de Caxias, em Oeiras, vai contar com 120 quartos.

Jorge Rebelo de Almeida, fundador e presidente do grupo Vila Galé, confirmou ao Publituris que as obras no Paço Real de Caxias, em Oeiras, do qual o grupo hoteleiro ganhou a concessão no âmbito do programa Revive, vão começar no próximo mês de junho.

Após um período de limpeza da área, que de acordo com informações presentes no portal do Revive inclui 5.816,93 metros quadrados de construção, o grupo hoteleiro prepara-se para iniciar as obras a 18 de junho.

“Já entrámos na obra a limpar tudo, e agora vamos começar as demolições, porque uma boa parte do que existia em Caxias eram umas aberrações que lá estavam feitas, umas construções sem jeito nenhum”, referiu Jorge Rebelo de Almeida, indicando que “o arranque da obra está marcado para 18 de junho”.

Sem avançar valores de investimento, o fundador do Vila Galé referiu que o futuro hotel vai contar com 120 quartos “e uma área de convenções grande”, sendo que “a Câmara de Oeiras está a recuperar os jardins da Quinta Real de Caxias”.

“Toda aquela região vai ter uma transformação muito grande porque a Câmara de Oeiras, que é sempre pioneira, vai sempre muito à frente das outras, está a recuperar um património que é fabuloso”, afirmou Jorge Rebelo de Almeida.

Recorde-se que o concurso público para a concessão de exploração do Paço Real de Caxias foi lançado a 4 de agosto de 2022, sendo que, segundo as informações presentes no portal do Revive, o contrato foi assinado a 29 de fevereiro deste ano para um período de concessão de 50 anos, com uma renda mínima anual de 174.912 euros.

Construído em meados do século XVII, por iniciativa do Infante D. Francisco de Bragança, o Paço Real de Caxias foi posteriormente concluído pelo futuro rei D. Pedro V, que o utilizou como residência de férias da família real. Inicialmente incluía a quinta, os jardins geométricos de influência francesa, inspirados nos jardins do Palácio de Versalhes, e a cascata da segunda metade do século XVIII, como se pode ler na descrição do projeto presente na página do Revive, onde é também indicado que nos últimos anos o edifício acolheu serviços do Ministério da Defesa Nacional.

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Artigos relacionados
Eventos Publituris

Votação para os Publituris “Portugal Travel Awards” 2024 tem início a 27 de maio

Arranca no próximo dia 27 de maio a votação para as 22 categorias dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024. A votação só estará disponível aos assinantes do jornal Publituris e aos subscritores da newsletter diária. Por isso, registe-se até dia 24 de maio para votar.

Publituris

Os nomeados da 19.ª edição dos Publituris “Portugal Travel Awards” serão conhecidos na edição do próximo dia 24 de maio de 2024 do jornal Publituris, ficando o site para votação disponível a partir de segunda-feira, 27 de maio.

Nesta edição de 2024 há 177 nomeados em 22 categorias, existindo ainda o “Prémio Belmiro Santos”, atribuído diretamente pela redação do jornal Publituris.

As votações decorrerão, exclusivamente, no site dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024 e estarão disponíveis somente para os assinantes do jornal Publituris e subscritores da newsletter diária.

O júri, composto por 26 personalidades ligadas ao setor do turismo, em Portugal, também votarão online.

O registo na newsletter diária do Publituris só será permitido até dia 24 de maio de 2024, ficando o mesmo suspenso até ao dia 4 de julho de 2024.

Os vencedores resultam de uma média ponderada entre os votos do júri (45%), dos assinantes do jornal do Publituris (45%) e subscritores da newsletter diária (10%) e serão conhecidos no dia 4 de julho de 2024 numa cerimónia a realizar-se no Pestana Douro Riverside, no Porto, a partir das 19h00.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Privatizar sim, mas Estado português “deve manter uma posição”, recomenda CEO da TAP

O CEO da TAP, Luís Rodrigues, admitiu ao Financial Times que no processo de privatização da TAP, o Estado deverá “manter uma posição, e que fizesse parte de todo o processo de desenvolvimento”.

Publituris

Com a decisão sobre o novo aeroporto arrumada, está em aberto a privatização da TAP Air Portugal. Ao Financial Times, Luís Rodrigues, CEO da companhia aérea, recomendou ao Governo português para “manter uma posição, e que fizesse parte de todo o processo de desenvolvimento”.

“Penso que um dia estaremos prontos para uma venda a 100%, mas vamos fazer isso passo a passo”, disse Luís Rodrigues à margem de um evento de celebração dos 75 anos do início dos voos da TAP entre Lisboa e Londres.

Dando como exemplo a necessidade de servir as regiões autónomas de Portugal, a Madeira e os Açores, o CEO da TAP admite que esta posição serviria para “para garantir que, se os atores mudarem, ninguém entra com uma agenda diferente”.

Recorde-se que, ainda no último Congresso da APAVT, em dezembro de 2023, Luís Rodrigues afirmaria que “é impensável ter uma empresa de aviação a atuar no mercado competitivo global a ser condicionada por um acionista, neste caso o acionista Estado. A forma mais óbvia e historicamente fácil de fazer isso é privatizá-la”.

Na altura, referia, igualmente, que não discutiria se a privatização deveria ser a “100% ou 80% ou se, dada a importância estratégica que tem para o país, seja o Estado a governar”. Contudo, neste último caso, o CEO da TAP considerou que é fundamental que se “criem regras que permitam que a empresa seja gerida livre dos entraves administrativos a que está sujeita no atual quadro”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

Portugueses planeiam fazer férias em família, na praia e em regime de tudo incluído, revela a Revolut

O “Revolut Travel Report”, que apresenta dados sobre as preferências dos europeus quando se trata das férias, revela que Portugal continua a ser o destino preferido, sendo Espanha o país preferido dos portugueses para férias na Europa, e o Brasil, no que diz respeito a paragens mais longínquas.

Publituris

No caso dos portugueses, os resultados do estudo da Revolut, aplicação financeira global utilizada por mais de 40 milhões de clientes em todo o mundo e mais de 1,2 milhões de clientes em Portugal, revelam que a maioria irá fazer as suas férias de verão entre julho e agosto e que pretendem ficar pelo país. Para viagens fora de portas Espanha e Brasil são os destinos preferidos dentro e fora da Europa, respetivamente.

Os portugueses planeiam fazer férias em família, férias na praia e em regime de tudo incluído. No entanto, ainda que sejamos um povo muito ligado ao desporto, principalmente ao futebol, 1% admite ir de férias para acompanhar algum tipo de evento desportivo, indica a análise.

A aplicação perguntou a mais de 15 mil pessoas em 15 países, incluindo mil em Portugal, sobre os seus planos de viagem para o verão e, tal como os portugueses, os europeus também planeiam ir de férias para a praia (45%) e em família (33%).

A conclusão do estudo mostra que a maioria planeia as suas principais férias durante os meses de agosto (36%) e julho (19%). Setembro, que tem sido visto como o mês predileto para quem quer fugir às enchentes de verão, surge em terceiro lugar no pódio, com 13%. O mês dos arraiais, das sardinhas e das festas de rua é também o preferido de 7,8% dos portugueses inquiridos. Para quem gosta de relaxar com pouca gente à volta, os melhores meses para férias são outubro, que reúne 2,7%, dezembro 2% e novembro 1,4%, enquanto 7% dos inquiridos afirmaram não ter planos para fazer férias em 2024.

A análise dá ainda conta que 56% dos portugueses confirmam que “o que é nacional é bom” continua a ser verdade, uma vez que preferem passar as suas férias grandes no próprio país. No entanto, 2 em cada 10 pessoas inquiridas também afirmaram que optariam por umas férias na Europa. Sem surpresas, Espanha é o país mais escolhido pelos portugueses (10%), seguido de Itália (4,3%) e França (2,9%). Quando se trata de viajar para fora da Europa, 8,2% admitem fazê-lo este ano e o destino preferido é o Brasil (2,2%).

Por outro lado, fazer férias no próprio país é algo a que os europeus estão habituados – e até planeiam fazê-lo este ano. Quase metade dos europeus inquiridos admite ficar no país. Os croatas (72%) e os gregos (70%) são os que mais preferem ficar “em casa”, enquanto os suíços (21%) e os austríacos (25%) são os que menos o fazem.

Quanto aos europeus que preferem sair do país, Itália (5,3%), Grécia (4,4%), Espanha (4,3%), Croácia (2,9%) e França (2,3%) são os destinos preferidos. Para os que querem viajar para fora da Europa, os EUA (0,9%), o Egito (0,8%) e a Tailândia (0,5%) são os preferidos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Sonhando aposta na Tunísia e leva agentes de viagens a ver a realidade do destino

Com uma forte aposta na Tunísia este verão, o operador turístico Sonhando levou um pequeno grupo de agentes de viagens a ver a realidade do destino, pois acredita que só conhecendo as várias ofertas no local é possível vender com segurança. A viagem, de uma semana, que contou com um jornalista do Publituris, aconteceu no voo inaugural que Tunisair entre Lisboa e Tunes, marcando o regresso da companhia aérea tunisina a Portugal com uma operação semanal às segundas-feiras, pelo menos até outubro.

“É com grande entusiasmo que partilhamos o sucesso do voo inaugural da Tunisair entre Lisboa e Tunes, marcando o regresso dos voos regulares entre Portugal e a vibrante Tunísia. A Sonhando S.A. teve o privilégio de fazer parte deste momento histórico”, é assim que o operador turístico escreve nas redes sociais.

Avança ainda que “embarcámos juntamente com 10 agentes de viagens e um jornalista numa jornada inesquecível para explorar tudo o que a Tunísia tem para oferecer”, destacando que “com a Sonhando S.A., o seu sonho de explorar a Tunísia está mais próximo do que nunca”, até porque a aposta do operador turístico é grande e está disponível no mercado uma vasta programação.

Ana Tomás, da Sonhando, que acompanhou o grupo, lembrou, em declarações ao Publituris, que “a Tunísia é uma grande aposta” do operador turístico, que já programa o destino há vários anos. “Temos operações para Djerba quatro vezes por semana (2 de Lisboa e 2 do Porto), Monastir, em voos apenas do Porto, duas vezes por semana, além da parceria com a Tunisair nos voos regulares de Lisboa para Tunes”, disse, para acrescentar que a primeira partida desta operação teve início a 18 de maio para Djerba, e termina em outubro com os últimos voos da Tunisair, enquanto os charters vão até setembro.

Responderam ao convite da Sonhando, Azmina Santos, B Travel, Dora Seco, De volta ao mundo, João Morgado, Turitubucci, Bernardo Dias Bestravel, Sílvia Oliveira, Turiworld, Tânia Martins, Silva & Campogrande, Inês Carvalho, El Corte Inglés, Maria Pereira, Portugal Travel Center, Zolia Diaz, Abreu, e Cláudia Catroga, ClickViagens.

O grupo teve a oportunidade de explorar as estâncias turísticas mais procuradas na Tunísia como Monastir, Mahdia, Port El Kantaoui, Hammamet e a famosa Djerba, e ainda descobrir a cidade azul e branca de Sidi Bou Said às portas da capital Tunes, bem como inspecionar a vasta oferta hoteleira existe nesses locais, para todos os gostos e bolsos.

Toda a reportagem desta famtrip para conhecer em pormenor na próxima edição do Publituris, bem como as opiniões destes profissionais sobre o que retiveram do destino.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

75% dos europeus preveem viajar de maio a outubro

Os dados da European Travel Commission são otimistas para este verão, antevendo que 75% dos europeus têm nos seus planos viajar. Portugal capta mais novos visitantes dos que repetentes.

Victor Jorge

De acordo com o último relatório da European Travel Commission (ETC), “Monitoring Sentiment for Intra-European Travel”, a intenção de viajar entre maio e outubro de 2024 entre os europeus inquiridos atingiu 75%, representando um aumento de 3% em comparação com o mesmo período do ano passado.

37% dos inquiridos tencionam embarcar numa única viagem e 57% estão a preparar-se para duas ou mais escapadelas durante este período. Os destinos no Sul da Europa são preferidos por 43% dos viajantes, com Itália e Espanha no topo da lista.

De resto, é a Itália que lidera as preferências entre os viajantes europeus, com 8,4%, seguindo-se a Espanha (8,1%), França (7,1%) e Grécia (6,3%), perfazendo este Top quatro praticamente 30% das preferências dos turistas europeus.

Portugal aparece em 6.º lugar, com uma 4,4%, ainda atrás da Alemanha (5,4%), mas à frente de destinos como a Croácia (4,2%), Áustria (3,4%), Reino Unido (3,3%) e Turquia (3%), países que compõem este Top 10.

Já quando se analisa a repetição da viagem, Portugal aparece destacado como um dos destinos que capta mais visitantes novos (24%), ficando somente atrás da Grécia (27%) e à frente de Espanha (16%) ou Itália (18%). Por sua vez, quando se analisa a repetição da viagem, Portugal não tem o mesmo destaque, aparecendo com 12%, ou seja, na 9.ª posição entre os 10 destinos analisados. Espanha, Grécia e França são os destinos que mais repetem as visitas, com “nuestros hermanos” a registarem uma taxa de repetição de 20%, enquanto os outros dois destinos assinalam, ambos, uma taxa de 17%.

Com o tráfego aéreo europeu agora próximo dos níveis pré-pandémicos, a intenção de voar para os locais de férias atingiu os 55%, um aumento de 5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Entretanto, 28% dos viajantes planeiam chegar aos seus destinos de carro e 13% optam por viagens mais ecológicas de comboio ou autocarro.

Europeus decididos a viajar na primavera e no verão
“Apesar das preocupações com a segurança e dos constrangimentos financeiros, os europeus estão a dar mostras de uma resiliência notável quando se trata de viajar nesta época de verão” aponta a ETC. Assim, o entusiasmo pelas viagens é transversal a todas as faixas etárias acima dos 25 anos, chegando a atingir 81% entre os viajantes mais maduros (com mais de 55 anos).

Esta determinação, associada ao desejo de garantir férias a um preço mais favorável, conduz a reservas antecipadas. Cerca de 52% dos viajantes europeus (incluindo 56% dos que têm entre 18 e 24 anos) já reservaram total ou parcialmente as suas próximas viagens.

A duração de viagem mais popular é de quatro a seis noites, preferida por 36% dos inquiridos. Segue-se a duração de sete a nove noites (26%) e mais de dez noites (21%). Os orçamentos de viagem mantiveram-se consistentes em comparação com o ano anterior, com 42% dos inquiridos a planearem gastar até 1.000 euros por pessoa na sua próxima viagem, cobrindo os custos de alojamento e transporte.

Segurança é crucial na escolha de um destino
No meio de tensões geopolíticas, fenómenos climáticos extremos e incertezas económicas, a prioridade à segurança tornou-se primordial na tomada de decisões dos viajantes. Sentir-se seguro é o critério número um na seleção de um destino (16%), seguido de um clima agradável (13%), pechinchas e ofertas atrativas (11%), comunidades locais amigáveis (9%) e custo de vida mais baixo no destino (8%).

Apesar do forte desejo de viajar, 22% dos europeus estão preocupados com o aumento das despesas de viagem e 17% estão preocupados com as finanças pessoais no atual clima económico. Além disso, as tensões geopolíticas, como o conflito na Ucrânia e a agitação no Médio Oriente, estão a aumentar as ansiedades, com 12% e 10%, respetivamente, a manifestarem inquietação. As perturbações nas opções de transporte (10%), a sobrelotação (9%) e os fenómenos meteorológicos extremos (8%) são outras fontes importantes de preocupação.

Natureza e gastronomia local no topo das preferências
Uma percentagem significativa de viajantes europeus está a preparar-se para viagens intra-regionais durante maio-junho (34%) e julho-agosto (44%). Além disso, 17% planeiam viajar em setembro e outubro. As viagens de lazer estão a aumentar, com 74% a manifestarem o desejo de se divertirem – um aumento de 5% em relação ao ano passado.

Itália e Espanha encabeçam a lista dos destinos de verão deste ano, captando cada uma 8% do interesse dos inquiridos, seguidas de perto pela França (7%), Grécia (6%) e Alemanha (5%).

Este alinhamento reflete o desejo dos europeus por viagens de sol e praia (20%) e férias na cidade (16%), que surgiram como os tipos de férias mais populares para os meses seguintes. Os viajantes europeus referem a beleza paisagística (19%) como a sua experiência de férias preferida, seguida da gastronomia local (17%), do contacto com as culturas locais (15%) e da admiração de monumentos famosos (15%).

As ferramentas digitais mais importantes para o planeamento de viagens são os motores de pesquisa (23%), os sítios web de viagens (21%) e os mapas online (16%). Apesar disso, a percentagem de europeus que utilizam ferramentas de IA e aplicações baseadas em IA para o planeamento de viagens é atualmente de apenas 4%.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Objetivo: Tornar a marca Iberojet mais visível em Portugal

António Loureiro, que assumiu recentemente a liderança da Iberojet em Portugal, revelou ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença da companhia aérea do Grupo Ávoris em território nacional e “torná-la ainda mais visível”.

Em entrevista ao Publituris, o conhecido profissional da área das viagens e turismo, António Loureiro, recentemente nomeado diretor-geral da Iberojet, assegurou que o seu propósito é colocar a companhia aérea em Portugal no patamar correspondente à dimensão e ao impacto que o Grupo Ávoris tem no turismo a nível ibérico. “Entrei neste projeto exatamente para isso, para defender a posição da Iberojet em Portugal, torná-la ainda mais visível e fazer as pazes com algum histórico que não existia no passado com as entidades oficiais”. O propósito do novo diretor-geral é, precisamente, alterar essa imagem e criar uma relação mais estreita e mais colaborante com organismos como a ANA Aeroportos/Vinci Airports, a ANAC e a NAV.

Como se sabe a marca Iberojet gere-se em Portugal com a denominação Orbest e Evelop em Espanha. Assim, adiantou, “a nossa ideia, e obtivemos consentimento para isso, é tornar a Iberojet apenas uma única marca que acomodasse as duas designações que as empresas tinham até agora.

O Grupo, disse, “pediu para relançar a imagem da companhia, ajustá-la ao nosso estilo e torná-la ainda mais portuguesa, tal como a Ávoris que quer tornar-se cada vez mais portuguesa sob o ponto de vista do mercado. Foi por isso que aceitei”.

António Loureiro esclareceu que a Iberojet é uma companhia aérea charter que serve a operação do grupo espanhol Ávoris, “mas temos projetos e ambições para ir um pouco mais além. Com a dimensão do Grupo não faz sentido que a sua companhia de aviação se remeta apenas a transportador os seus operadores. Pode-se aproveitar muito mais”, destacou.

Avançar também para voos regulares
Nesse sentido, o responsável apontou que “o objetivo é manter a filosofia de charter, mas ter também uma componente de venda de voos numa perspetiva regular, para além de continuar a fazer ACMIS (aluguer de aviões com tripulação incluída, bem como os seguros e a manutenção) para várias empresas”.

Por outro lado, frisou, sem entrar em pormenores, que “estamos com outras ideias também para dentro da própria Iberojet, podendo constituir outras unidades de negócio muito interessantes, aproveitando a capacidade do Grupo Avoris, isto tudo numa perspetiva de consolidar a sua imagem em Portugal e fazê-la crescer, sem hostilizar ninguém. Sabemos que as aventuras espanholas em termos de viagens e turismo no nosso país, algumas correram mal por causa da arrogância e, este grupo é tudo menos arrogante. E só nessa base é que eu também entraria aqui”.

Estamos num processo de tornar o front-end da Iberojet muito mais apelativo e que permita vender ancillaries (produtos e serviços auxiliares) ou fast-tracks, de uma forma absolutamente normal, como se fosse uma companhia aérea regular. É uma área que, além de trazer muito revenue, permite tratar o passageiro de outra maneira e dar-lhe um “miminho” extra. Este processo está no bom caminho e acredito que vou conseguir fazer ali umas melhorias grandes

Outro objetivo do novo diretor-geral da companhia aérea do Grupo Ávoris em Portugal é melhorar o sistema de distribuição em voos charter. “Estamos num processo de tornar o front-end da Iberojet muito mais apelativo e que permita vender ancillaries (produtos e serviços auxiliares) ou fast-tracks, de uma forma absolutamente normal, como se fosse uma companhia aérea regular. É uma área que, além de trazer muito revenue, permite tratar o passageiro de outra maneira e dar-lhe um “miminho” extra. Este processo está no bom caminho e acredito que vou conseguir fazer ali umas melhorias grandes”, confidenciou.

Dois A330neo baseados em Lisboa
A Iberojet tem colocados dois aviões A330neo no aeroporto de Lisboa, um com executiva (18 lugares sempre como uma boa ocupação) e económica, e outro em full economy, mas “reforçamos sempre com outros aparelhos se for caso disso e, no futuro, a minha ideia é basear em Portugal ainda mais aviões, até pelos objetivos de crescimento que temos, mas desde que sejam criadas melhores condições no aeroporto de Lisboa, que é a base da nossa operação”. O sonho de António Loureiro é ter um A350 em Lisboa.

O nosso entrevistado considerou que “temos um equipamento bonito e muito recente, e o nosso padrão de serviço de bordo não tem nada a ver com uma companhia charter”. Apontou ainda que estes aviões têm tido um bom ritmo de voos, acelerando, como é óbvio, a partir do final de abril quando o Grupo coloca no máximo a sua programação de verão.

Beja, só se forem todos os operadores
No entanto, Loureiro, que como diz, nasceu no mundo da aviação, tem clara noção das dificuldades que se colocam no aeroporto de Lisboa para uma companhia aérea que pretenda crescer, e não descarta a possibilidade de operações também à saída do Porto. “Em 50 anos não se avançou politicamente e não se pensou. As pessoas puseram os partidos à frente dos interesses nacionais. E eu acho que agora estamos a pagar a fatura disso.

A minha grande pergunta, a pergunta que toda a gente faz é, o turismo aguenta até à construção do próximo aeroporto, mesmo se o decidirmos agora?”, questionou o profissional ainda a propósito do novo aeroporto. Sendo a Iberojet uma companhia charter, a questão que colocámos a António Loureiro é se não veria com bons olhos a empresa basear-se em Beja para poder crescer e abrir novos horizontes.

“É verdade que a companhia só cresce se tiver condições logísticas para o fazer, e o aeroporto é a principal condição”, disse, acentuando que Beja “poderia funcionar, mas para isso teria de haver condições efetivas, o que não acontece, pois não existem infraestruturas necessárias para operar, não tens lá a PSP de fronteiras, não tens catering, não tens uma série de componentes de handling, itens necessários para a operação”.

No entanto, “mesmo que existissem, bastava que um operador que seja que ficasse a operar à saída de Lisboa para o mesmo destino que opero, para nós ficarmos em desvantagem”. António Loureiro é categórico “Não estou a dizer que a empresa está a pensar em deslocar-se para o aeroporto de Beja, nada disso, até porque essa decisão compete aos nossos operadores. Temos problemas na operação, claro que sim, complica, mas acho que está na altura de começarmos (os operadores) a pensar todos, a falar entre todos, mas têm de ser todos. Não havendo um consenso será difícil uma decisão deste tipo”.

O objetivo é manter a filosofia de charter, mas ter também uma componente de venda de voos numa perspetiva regular, para além de continuar a fazer ACMIS (aluguer de aviões com tripulação incluída, bem como os seguros e a manutenção) para várias empresas

Outros destinos na calha
Este verão, a Iberojet vai operar voos charter de Lisboa para Cancun (México), Varadero e Santa Clara (Cuba), em estreia, La Romana, Punta Cana e Samaná (República Dominicana), ou seja, apenas operações de longo curso. “Não temos médio curso com equipamentos nossos, mas com o ritmo de desenvolvimento de alguns destinos, diria que este verão não, porque está feito, está fechado, mas é capaz de haver aí destinos de médio curso que justifiquem um avião deste tipo operado por nós. Mas será sempre por decisão dos operadores que integram o grupo, apesar de, na qualidade de diretor-geral da companhia ter a liberdade de dar os meus inputs, apresentar as nossas dificuldades operacionais e dar alternativas em função também dos contratos que temos”.

Equipa com experiência acumulada
António Loureiro deu-nos conta que o pessoal que está ligado à companhia aérea em Lisboa é português. “Uma coisa que eu gostei muito foi ver uma estabilidade relativamente às tripulações e a todas as equipas. Os nossos quadros têm muita experiência acumulada, profissionais que passaram por outras empresas e trouxeram todo esse know-how. Fiquei realmente impressionado com a qualidade desses profissionais”, destacou.

O diretor-geral da Iberojet em Portugal reconheceu que a relação com a companhia aérea em Espanha é “fantástica”. Sublinhou, para concluir, que “estamos a integrar equipas e a torná-las cada vez mais visíveis, num conceito de empresa ibérica, mas respeitando as fronteiras de cada um para um objetivo comum, o de tornar o Grupo Ávoris ainda mais sólido na sua componente aérea”.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Hotelaria

Mais de 1.000 hotéis à venda em Portugal no primeiro trimestre de 2024

Segundo contas feitas pela CASAFARI, nos primeiros três meses de 2024, existiam 1.038 hotéis à venda em Portugal, mais 31% face aos 791 no mesmo período de 2023. Faro Porto e Lisboa lideram as cidades com mais unidades à venda.

Publituris

O número de unidades hoteleiras disponíveis para venda e para arrendamento cresceram nos primeiros três meses deste ano face ao período homólogo. Se no primeiro caso (venda), existiam 1.038 hotéis à venda no final do 1.º trimestre de 2024, correspondendo a mais 31% que os 791 de igual período do ano passado, no segundo caso (arrendamento), existiam 62 unidades hoteleiras para arrendar (+48% face aos primeiros três meses de 2023).

Os números são avançados pela CASAFARI, plataforma europeia de dados imobiliários, que revelam as principais conclusões de um estudo feito sobre o mercado hoteleiro em Portugal. A análise foi feita com base nos dados disponíveis na plataforma e comparou o primeiro trimestre de 2024 a igual período do ano anterior, procurando avaliar o comportamento mais recente destes ativos tanto ao nível da venda como do arrendamento.

A nível regional, Faro, Porto e Lisboa apresentavam o maior número de unidades hoteleiras disponíveis para venda (289, 120 e 96, respetivamente). Em sentido contrário, existem várias regiões com apenas uma unidade hoteleira disponível para venda, como Trofa, Penafiel, Paredes, entre outras.

Sintra, Lourinhã e Matosinhos destacam-se como as regiões do país com as maiores subidas percentuais, com a oferta a ser sete vezes maior, por exemplo, em Sintra, enquanto Odivelas, Baião e Coimbra apresentavam variações negativas.

O preço médio por m2 de hotéis para venda em Portugal ascendia a 3.319 euros no primeiro trimestre deste ano, uma subida de +18% face aos 2.818 euros registados em igual período do ano passado. A nível regional, Cascais, Sintra e Lisboa apresentam o preço médio por m2 mais elevado do país (7.213 euros, 6.995 euros e 6.175 euros, respetivamente). Em sentido inverso, Paredes, Amarante e Penafiel apresentavam os preços médios por m2 mais baixos no território nacional.

A nível percentual, Lourinhã, Madeira e Guarda surgem com as maiores subidas. Já Marco de Canaveses, Castelo Branco e Beja apresentam variações negativas do preço médio por m2 no primeiro trimestre de 2024.

Mais oferta no arrendamento, mas a preços mais baixos
Nos primeiros três meses de 2024 existiam 62 hotéis disponíveis para arrendamento, número que representa um aumento de +48% face aos 42 registados em igual período do ano passado.

A nível regional, Lisboa, Faro e Porto apresentavam o maior número de unidades hoteleiras disponíveis para arrendar (18, 12 e 11, respetivamente). Em sentido inverso, Aveiro, Santarém, Viseu, Viana do Castelo, Beja, entre outras, apresentam apenas uma unidade hoteleira disponível para arrendamento.

Cascais, Porto e Lisboa evidenciam-se com as maiores subidas percentuais, enquanto Sintra, Matosinhos e Évora apresentavam variações negativas no primeiro trimestre de 2024.

O preço médio por m2 de hotéis para arrendamento em Portugal ascendia a 24 euros no primeiro trimestre deste ano, uma quebra de -43% face aos 41 euros registados em igual período do ano passado.

A nível regional, Cascais, Leiria e Oeiras são as regiões com o preço médio por m2 mais elevado do país (425 euros, 196 euros e 26 euros, respetivamente). Por outro lado, Bragança, Viseu e Aveiro apresentavam os preços médios por m2 mais baixos.

A nível percentual, Vila Real, Setúbal e Coimbra registaram as maiores subidas. Mas Aveiro, Santarém e Leiria apresentavam variações negativas do preço médio por m2 no período em análise.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet reduz perdas, mas lucros continuam no vermelho no 1.º semestre

Apesar da melhoria dos resultados, a easyJet registou um resultado líquido negativo em 404 milhões de euros, no ano 1.º semestre de 2024, período em que disponibilizou mais de 4,8 milhões de lugares no nosso país.

Victor Jorge

Os resultados referentes ao 1.º semestre do exercício de 2024, terminado em 31 de março de 2024, da easyJet ditam receitas de 3,8 mil milhões de euros, uma melhoria 22% face aos 3,1 mil milhões obtidos em igual período do exercício anterior de 2023.

O grosso destas receitas provém, naturalmente, dos passageiros (bilhetes), no valor que soma 2,4 mil milhões de euros, correspondendo a uma evolução de 17% face a período homólogo de 2024, com as receitas dos “anciliaries” a ultrapassaram os mil milhões de euros (1.060 milhões de euros), mais 19% que em igual período do ano passado.

Em termos de lucros, a easyJet apresenta uma baixa nos mesmos de 16%, passando, assim, de 483 milhões de euros negativos para 404 milhões de euros negativos, admitindo “perspectivas boas para o verão”.

Os custos da easyJet aumentaram, por sua vez, em 13%, passando de 2,1 mil milhões de euros para 2,4 mil milhões de euros, neste semestre de 2024, com a fatia com combustível a ascender a cerca de 1,1 mil milhões de euros, quando em igual período de 2023 foi de 900 milhões de euros.

De resto, a companhia aérea lowcost diz-se “satisfeita com o desempenho financeiro do primeiro semestre, com boas perspectivas para o futuro”, admitindo-se “operacionalmente bem posicionada para o verão”.

Em termos de passageiros transportados nestes primeiros seis meses do exercício fiscal, a easyJet aponta para um crescimento de 11% face aos mesmos meses de 2023, passando de 33,1 milhões para 36,7 milhões de passageiros.

Relativamente a Portugal, a easyJet disponibilizou, no primeiro semestre de 2024, cerca de 4,8 milhões de lugares, representando um aumento de 5% na capacidade face ao período homólogo de 2023, avançando Johan Lundgren, CEO da easyJet, que “os investimentos do verão de 2023 na nossa rede no Porto e em Lisboa continuam a proporcionar melhorias nos lucros à medida que estas rotas amadurecem. Transportámos, a partir dos cinco aeroportos em Portugal – Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo -, durante este período (1.º semestre de 2024) mais de 4,3 milhões de passageiros de e para Portugal, um crescimento de 8% relativamente à primeira metade de 2023”.

Quanto ao que resta do exercício e esperando a easyJet a entrega de 16 aviões A320neo, o CEO da companhia refere que “”estamos agora absolutamente concentrados em mais um verão recorde, que deverá proporcionar um forte crescimento dos lucros no ano fiscal de 2024 e estamos no bom caminho para atingir os nossos objetivos a médio prazo”.

E refere ainda que a easyJet “está bem posicionada para apresentar um forte crescimento dos lucros ano após ano, impulsionado pela procura positiva do verão. As medidas tomadas ao longo do último ano permitiram-nos apresentar um melhor desempenho operacional, com a aceleração do pico do verão a progredir bem. Como marca de confiança, a easyJet está bem posicionada para capitalizar o ambiente positivo da procura, uma vez que os consumidores dão prioridade às viagens. Continuamos a expandir a nossa rede de aeroportos primários com 158 novas rotas lançadas no atual ano financeiro”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Transportes

Mais de 13,5 milhões de passageiros passaram por aeroportos portugueses no 1.º trimestre de 2024

Se no mês de março a movimentação de passageiros nos aeroportos nacionais ascendeu a 5,3 milhões, no primeiro trimestre ultrapassou os 13,5 milhões.

Victor Jorge

Em março de 2024, nos aeroportos nacionais movimentaram-se 5,3 milhões de passageiros, correspondendo a uma variação positiva de 8,1% face a igual mês do ano de 2023.

Segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o início de 2024 continuou a verificar máximos históricos nos valores mensais de passageiros nos aeroportos nacionais, tendo o terceiro mês do presente ano registado o desembarque médio diário de 86,5 mil passageiros, valor superior ao registado em março de 2023 (80 mil; +8,2%).

Em março de 2024, 82,2% dos passageiros desembarcados nos aeroportos nacionais corresponderam a tráfego internacional, atingindo 2,2 milhões de passageiros (+9%), na maioria provenientes do continente europeu (68,4% do total), correspondendo a um aumento de 7% face a março de 2023. O continente americano foi a segunda principal origem, concentrando 9,2% do total de passageiros desembarcados (+25%).

Relativamente aos passageiros embarcados, 81,4% corresponderam a tráfego internacional, perfazendo um total de 2,1 milhões de passageiros (+9,3%), tendo como principal destino aeroportos no continente europeu (68,7% do total), registando um crescimento de 7% face a março de 2023. Os aeroportos no continente americano foram o segundo principal destino dos passageiros embarcados (8,7% do total; +27%).

Segundo avança o INE, “o movimento diário de aeronaves e passageiros é tipicamente influenciado por flutuações sazonais e de ciclo semanal. Os valores diários mais elevados são geralmente encontrados no período de verão e o sábado foi, no ano passado, o dia da semana com maior número de passageiros desembarcados”.

Já no primeiro trimestre de 2024, o número de passageiros movimentados aumentou 5,9% para 13,6 milhões de passageiros, a que corresponde mais 756 mil passageiros, e uma subida de 54,3% face aos 8,3 milhões de passageiros de igual período, mas de 2022.

Considerando o volume de passageiros desembarcados e embarcados em voos internacionais no primeiro trimestre de 2024, França foi o principal país de origem e de destino dos voos, apesar de ter registado decréscimos no número de passageiros desembarcados e embarcados face ao mesmo período de 2023 (-2,4%; -2,6%). Reino Unido, Espanha e Alemanha ocuparam a 2.ª, 3.ª e 4.ª posição, respetivamente, como principais países de origem e de destino. Brasil ocupou a 5.ª posição como principal país de origem e Itália como principal país de destino.

No primeiro trimestre de 2024, o aeroporto de Lisboa movimentou 55,1% do total de passageiros (7,5 milhões), +5,5% comparando com o primeiro trimestre de 2023. O aeroporto do Porto concentrou 23% do total de passageiros movimentados (3,1 milhões) e aumentou 7,3%, enquanto a infraestrutura aeroportuária de Faro registou um crescimento de 7,5% 1,2 milhões) de passageiros.

De referir ainda quem, em março de 2024, aterraram nos aeroportos nacionais 18,2 mil aeronaves em voos comerciais, correspondendo a uma subida de 2,1% face ao mesmo período de 2023.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.