Assine já
Transportes

Costa Venezia regressa ao Mediterrâneo

A companhia de cruzeiros fez algumas alterações à sua programação para 2022/2023.

Publituris
Transportes

Costa Venezia regressa ao Mediterrâneo

A companhia de cruzeiros fez algumas alterações à sua programação para 2022/2023.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

A Costa Cruzeiros apresenta algumas alterações na sua programação de cruzeiros e itinerários para a temporada de 2022-2023.

Umda das novidades tem que ver com o Costa Venezia que regressa da Ásia para o Mediterrâneo. Assim, a partir de maio de 2022, o Costa Venezia vai disponibilizar cruzeiros para a Turquia, com partida de Istambul. Também o navio Costa Toscana  irá passar a operar a partir de março de 2022.

“Enquanto se espera o retorno dos cruzeiros na Ásia, decidimos trazer o Costa Venezia de volta ao Mediterrâneo para oferecer um programa de cruzeiros verdadeiramente único e inédito, que só estará disponível na Costa Cruzeiros. O foco deste novo produto é a Turquia, com Istambul, uma das cidades mais bonitas do mundo. Em linha com o nosso plano de retoma gradual das operações, decidimos também adiar a entrada em funcionamento do nosso mais recente navio Costa Toscana, para março de 2022”, afirmou Roberto Alberti, diretor comercial da Costa Cruzeiros.

O novo programa do Costa Venezia na Turquia inclui três itinerários diferentes, todos com embarque e desembarque em Istambul. Desenhados para oferecer estadas mais longas nos portos de escala, os itinerários permitem aos passageiros desfrutarem mais demoradamente cada destino, e também visitar cidades ricas em história, ruínas antigas, locais que fazem parte do Património Mundial da UNESCO.

De 1 de maio a 13 de novembro de 2022, o Costa Venezia vai proporcionar dois itinerários de uma semana dedicados à Turquia e à Grécia, que se alternam, e que também podem ser combinados com um "super tour" de 15 dias com 8 escalas no porto superiores a 10 horas. O primeiro itinerário inclui uma paragem de dois dias e uma noite em Istambul,   Izmir e Bodrum, a ilha de Mykonos, e Atenas, na Grécia.

O segundo itinerário inclui duas escalas de dois dias e uma noite em Istambul e Kusadasi, na Turquia, antes de partir para explorar Rodes e Heraklion, na Grécia. No inverno de 2022-23, o Costa Venezia propõe um terceiro itinerário de 12 dias pela Turquia, Egipto, Israel e Chipre, que visitará Istambul, com paragem de dois dias e uma noite, e também Bodrum, Limassol, Haifa, novamente com uma paragem de dois dias e uma noite, Alexandria no Egipto e Kusadasi.

Os novos itinerários do Costa Venezia, que incluem os pacotes de voos e cruzeiros desde os principais países europeus e podem ser reservados a partir da primeira quinzena de outubro.

Já o novo navio Costa Toscana, o segundo navio da empresa movido por gás natural liquefeito, será entregue conforme previsto em dezembro de 2021, e entrará em operação a 5 de março de 2022. O itinerário que o navio oferecerá a partir dessa data não terá alterações, com cruzeiros de uma semana no Mediterrâneo Ocidental, passando por Savona, Marselha, Barcelona, ​​Valência, Palermo e Civitavecchia/Roma.

Os cruzeiros do Costa Toscana, originalmente programados para 18 de dezembro de 2021 até ao início de março de 2022, serão assegurados pelo Costa Luminosa, que descontinuará o seu longo programa de cruzeiros de inverno no Mediterrâneo devido às restrições atuais. A empresa de cruzeiros indica que está  a implementar o processo de informar os passageiros e agências de viagens afetados por estas mudanças.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Angola exonera Conselho de Administração da TAAG

Decisão do Presidente de Angola, João Lourenço, é justificada com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objetivos estratégicos.

Publituris

O presidente de Angola, João Lourenço, exonerou todo o Conselho de Administração da TAAG - Linhas Aéreas de Angola e justificou a decisão com a necessidade de concretizar o plano de restruturação da empresa e os seus objetivos estratégicos.

Segundo uma nota da Casa Civil do Presidente da Republica de Angola, citada pela Lusa, cessam funções o Presidente do Conselho de Administração, Helder Preza, o presidente da Comissão Executiva, Rui Carreira, cinco administradores executivos e seus não executivos.

A nota, acrescenta a Lusa, remete a decisão para o Decreto Presidencial nº 186/20, de 17 de julho, que veio adequar o valor nominal do capital social da TAAG  e redefinir a estrutura acionista da empresa.

Com o referido decreto, a TAAG deixou de ser detida totalmente pelo Estado, uma vez que há "necessidade de se concretizar o Plano de Reestruturação” e “incentivar a política empresarial com o propósito de se efetivar os seus objetivos estratégicos”.

A Lusa diz ainda que a companhia aérea angolana foi fortemente atingida pelos efeitos da COVID-19, tendo registado uma quebra de 75% no número de passageiros transportados e acumulado prejuízos na ordem dos 372 milhões de dólares em 2020 (320 milhões de euros).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet abre primeiro lounge no aeroporto de Londres-Gatwick

Primeiro lounge da easyJet no aeroporto de Londres-Gatwick abre esta quinta-feira, 21 de outubro, e fica localizado no terminal norte da infraestrutura aeroportuária.

Publituris

A easyJet inaugura esta quinta-feira, 21 de outubro, o seu primeiro lounge no aeroporto de Londres-Gatwick, espaço que fica localizado no terminal norte da infraestrutura aeroportuária e que se afirma como "um espaço ideal para o trabalhar, relaxar ou entreter".

"Os passageiros terão acesso a espaços confortáveis para comer, beber, trabalhar ou até mesmo brincar antes do seu voo", refere a easyJet em comunicado, explicando que o novo lounge tem disponíveis pacotes de acesso de uma, duas e três horas, cujos preços começam nos 18,50 euros.

Neste lounge, que a easyJet abre em colaboração com o No1 Lounges, os passageiros têm acesso a uma "grande oferta de menus complementares quentes e frios com uma seleção de pratos atraentes, preparados na hora e servidos às suas mesas", além de uma gama de pratos self-service,  bebidas quentes e frias.

O lounge da easyJet em Gatwick, aeroporto onde a easyJet é a maior companhia aérea a operar, conta também com pratos inspirados no destino, que mudam a cada trimestre, assim como com uma carta de cocktails servidos na própria sala de espera.

O primeiro lounge da easyJet no aeroporto de Gatwick disponibiliza também Wi-Fi gratuito e áreas para trabalhar com pontos de recarga convenientes, assim como "uma escolha de lugares para jantar e um local para relaxar com bebidas refrescantes" e "áreas onde as famílias podem desfrutar e divertir-se, nomeadamente na sala de televisão e na sala de jogos".

"Este lançamento é oportuno, uma vez que estamos a verificar uma recuperação no Reino Unido, não só para viagens de lazer onde os destinos solares de Inverno se estão a revelar cada vez mais populares, como também para os viagens de negócios, que estão a regressar em maior número comparando com o período antes da pandemia", justifica Rachael Smith, Diretor de Propostas Comerciais e Inovação para a easyJet.

A easyJet refere ainda que "todos os passageiros que viajam através do Terminal Norte do Aeroporto de Londres Gatwick podem utilizar o lounge, reservando-o, independentemente da companhia aérea ou da classe do bilhete em que viajam", sendo também possível aceder ao espaço mesmo sem possuir reserva, bastando apresentar o cartão de embarque easyJet à entrada da sala de espera.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

El Al mantém voos entre Lisboa e Telavive também no inverno

Companhia aérea israelita retomou a operação entre Lisboa e Telavive a 5 de julho, depois da paragem ditada pela COVID-19.

Publituris

A El Al vai manter no inverno a rota entre Lisboa e Telavive, em Israel, que tinha sido retomada a 5 de julho, depois da paragem motivada pela COVID-19, informou a ATR - Atividades Turísticas e Representações, que representa a companhia aérea israelita em Portugal.

De acordo com a informação divulgada, a rota conta com voos aos domingos e quartas-feiras até 27 de outubro e, a 1 de novembro, também está previsto um voo em cada sentido. A partir de 3 de novembro e até 23 de fevereiro de 2022, passa a existir apenas voos às quartas-feiras, enquanto no período entre 27 de fevereiro e 23 de março de 2022, há voos às quartas, quintas e domingos.

A partir de 27 de março e até 2 de junho, a El Al passa a contar com voos todos os dias, com exceção das sextas-feiras e sábados. Estes voos mantêm-se até 6 de junho, data em que passam a ser realizados às segundas, terças, quartas e quintas-feiras, até 1 de setembro de 2022.

Entre 4 e 22 de setembro, a companhia aérea israelita volta a contar com voos diários entre Lisboa e Telavive, com exceção das sextas-feiras e sábados, e realiza também voos nos dias 28 e 29 de setembro, enquanto de 2 a 6 de outubro as ligações são às segundas, quintas e domingos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Groundforce assina contrato com seis novas companhias aéreas e renova com mais uma dezena

Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International passam a fazer parte da carteira de clientes da Groundforce Portugal.

Victor Jorge

A Groundforce Portugal assinou novos contratos de assistência em escala (serviços prestados em terra a aeronaves, passageiros e carga) com seis novas companhias aéreas, tendo renovado contrato com mais 10 operadores.

A carteira de clientes da Groundforce aumenta, assim, com a chegada da Lot Polish (Polónia), JetPak BVBA (Bélgica), Tarom (Roménia), Air Seven (Dinamarca), Swiss (Suíça), e Ukraine International, tendo as últimas duas passado a voar também para o Funchal.

Para além destes novos contratos, o companhia de handling nacional renovou ainda os contratos que já detinha com as companhias SATA (nas vertentes International, International Carga e Ticketing), Azul Airlines, Binter Canarias, Privilege Style, Enter Air, Air Moldova, Grupo TUI, Delta Airlines, Air Moldova e Ural Airlines, continuando como parceiro destes clientes nos aeroportos nacionais.

Arafat Tayob, diretor Comercial da Groundforce Portugal, destaca o grau de exigência de todas estas companhias no que diz respeito a vários parâmetros, destacando a “segurança, qualidade do serviço e valor”, esperando estar, “em breve”, em níveis anteriores à pandemia.

De referir que as perspetivas de retoma do mercado denotam, segundo avança a Groundforce, em comunicado, “uma recuperação a ritmo acelerado em todos os aeroportos nacionais onde a companhia está presente”, adiantando mesmo que nos meses do verão de 2021, “o tráfego assistido atingiu 56,1% do número de movimentos de 2019, representando um crescimento de 200% face a 2020”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Reabertura de fronteiras nos EUA é “tremendo impulso” para viagens de inverno da MSC Cruzeiros nas Caraíbas

Companhia de cruzeiros conta, este inverno, com três navios em operação nas Caraíbas e cujas saídas acontecem de portos norte-americanos na Flórida.

Publituris

A MSC Cruzeiros veio esta terça-feira, 19 de outubro, aplaudir a decisão dos EUA de reabrirem fronteiras para turistas internacionais já vacinados contra a COVID-19 a 8 de novembro, considerando que esta notícia é "um tremendo impulso" para os cruzeiros da companhia nas Caraíbas neste inverno.

"A terceira maior marca de cruzeiros do mundo descreveu a notícia como "um tremendo impulso" para os turistas europeus e outros turistas internacionais que desejam passar as férias no sol de Inverno das Caraíbas durante a temporada de Inverno de 2021/22", refere a MSC Cruzeiros, que conta com três navios colocados nas Caraíbas durante o próximo inverno.

MSC Seashore, MSC Meraviglia e MSC Divina são os navios da companhia de cruzeiros que estão colocados nas Caraíbas e que contam com partidas da Florida, e que, a partir de 8 de novembro, vão poder voltar a receber turistas não americanos.

“Aguardámos ansiosamente a data do governo dos EUA para reabrir o país para viajantes totalmente vacinados de muitas partes do mundo que adoram fazer cruzeiros. As Caraíbas são um destino popular para os nossos hóspedes de toda a Europa e outras regiões do mundo, especialmente durante o Inverno, e muitos deles poderão agora voar para Miami e Orlando para embarcar nos nossos três navios que oferecem uma variedade de itinerários diferentes nas Caraíbas, incluindo a Jamaica, a Costa Rica, o México e a nossa ilha privada exclusiva nas Bahamas, a Ocean Cay MSC Marine Reserve", destaca Gianni Onorato, CEO da MSC Cruzeiros.

De acordo com a companhia, tanto o MSC Seashore como o MSC Divina vão ficar colocados em Miami, com o primeiro navio a chegar a este porto americano no dia 20 de novembro. Já o MSC Meraviglia vai ficar colocado em Port Canaveral, em Orlando, a partir de 28 de novembro, sendo que todos os navios vão oferecer uma variedade de itinerários pelas Caraíbas, entre as três e as 11 noites, todos com escala na Ocean Cay MSC Marine Reserve, a ilha privada da companhia nas Bahamas.

Para estes itinerários, a MSC Cruzeiros disponibiliza também pacotes com voo incluído, que estão disponíveis à partida de várias cidades europeias.

A companhia recorda ainda que a reabertura de fronteiras nos EUA é válida para todos os cidadãos não americanos que já estejam completamente vacinados contra a COVID-19 com uma das vacinas aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), incluindo Pfizer, Moderna, Johnson & Johnson e AstraZeneca.

Também para embarcarem nos navios da companhia, os passageiros maiores de 12 anos de idade devem estar completamente vacinados e há mais de 14 dias, sendo que todos os passageiros com mais de dois anos de idade devem apresentar um teste com resultado negativo para a COVID-19 antes do embarque. Além disso, é ainda necessário possuir um seguro COVID-19, que cubra os riscos relacionados com a doença, como cancelamento de férias, interrupção, despesas de repatriamento, quarentena e assistência médica, bem como hospitalização e cobertura no caso de ser um contacto próximo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Movimento de passageiros dispara nos aeroportos nacionais em agosto mas continua 40% abaixo dos níveis pré-pandemia

Aeroportos nacionais contabilizaram 3,9 milhões de passageiros em agosto, crescimento de 76,3% face a igual mês do ano passado, mas que, face aos níveis pré-pandemia, continua a traduzir uma quebra de 39,9%.

Inês de Matos

No passado mês de agosto, o movimento de passageiros nos aeroportos nacionais cresceu 76,3%, chegando aos 3,9 milhões de passageiros, indica o Instituto Nacional de Estatística (INE), que realça, no entanto, que este indicador continua 39,9% abaixo dos níveis pré-pandemia.

Segundo o INE, agosto trouxe também um crescimento do número de aeronaves que aterraram nos aeroportos nacionais, num total de 17,4 mil aparelhos, o que indica uma subida de 39,9% face a agosto do ano passado.

"Neste mês atingiram-se os níveis mais elevados de aeronaves aterradas e passageiros movimentados desde o início da crise pandémica COVID-19", indica o INE, no comunicado divulgado esta terça-feira, 19 de outubro.

Ainda assim, face a igual mês de 2019, os números continuam a traduzir descidas, que chegaram aos 25,0% no número de aeronaves aterradas e aos 39,9% nos passageiros movimentados, embora menos expressivas do que tinham sido em julho, quando a quebra no número de aeronaves aterradas e no movimento de passageiros chegava aos 33,2% e 55,8%, respetivamente, face a julho de 2019.

Entre os passageiros que chegaram aos aeroportos nacionais em agosto, 74,4% corresponderam a tráfego internacional, quando em período homólogo essa percentagem era de 76,4%, tendo a maioria sido proveniente de aeroportos europeus (65,0%), enquanto entre os passageiros que embarcaram em território nacional, 75,6% corresponderam a tráfego internacional (77,2% no período homólogo), com os aeroportos europeus a serem também o destino da maioria destes passageiros (67,6%).

Já no acumulado do ano até agosto, os dados do INE indicam que houve uma diminuição de 9,2% no número de passageiros movimentados nos aeroportos nacionais face ao período homólogo do ano anterior, o que traduz uma recuperação significativa depois da quebra de 67,1% que tinha sido apurada no acumulado até agosto do ano passado.

No entanto, o INE indica que, "comparando com o mesmo período de 2019, a redução foi de 70,1%", até porque, no acumulado até agosto de 2019, o movimento de passageiros nos aeroportos nacionais tinha crescido 7,1%.

Até agosto, o aeroporto de Lisboa movimentou 44,9% do total de passageiros, o que corresponde a 5,5  milhões de passageiros, o que traduz um decréscimo de 22,3% face a igual período do ano passado. Já o aeroporto de Faro apresentou uma trajetória diferente e cresceu 3,8% no acumulado do ano, contabilizando 1,5 milhões de passageiros, com o INE a referir, contudo, que o valor está "ainda distante do registado no mesmo período em 2019 (6,3 milhões de passageiros, representando um decréscimo de 76,3%)".

Nos voos internacionais, França a foi o principal país de origem e de destino dos voos, registando, no entanto, decréscimos de -5,3% no número de passageiros desembarcados e de -8,2% no número de passageiros embarcados face ao mesmo período de 2020, seguindo-se o Reino Unido e a Alemanha, ainda que com "um volume significativamente mais reduzido de passageiros desembarcados e embarcados".

 

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Air France regressa ao Brasil e reforça oferta nos EUA no inverno

No total, a companhia aérea francesa vai disponibilizar voos para 182 destinos, incluindo 87 de longo-curso e 95 de curto e médio-curso, nesta temporada de inverno.

Publituris

A Air France está a está a reforçar a sua oferta para a época de inverno, temporada durante a qual estima disponibilizar voos para 182 destinos, incluindo 87 de longo-curso e 95 de curto e médio-curso, com destaque para o regresso da companhia aérea francesa ao Brasil, já esta sexta-feira, 22 de outubro, e para o reforço da oferta nos EUA, que se preparam para reabrir as fronteiras para turistas internacionais vacinados contra a COVID-19 a 8 de novembro.

No longo curso, e além das novas rotas para Zanzibar (Tanzânia), Colombo (Sri Lanka) e Muscat (Omã), a Air France revela que vai voar também para Banjul, na Gâmbia, com sete voos por semana, a partir de 1 de novembro.

Mas as maiores novidades são mesmo o regresso da companhia aérea francesa a destinos que foram encerrados devido à pandemia da COVID-19, como é o caso de Fortaleza, no Brasil, para onde a Air France volta a voar já esta sexta-feira, 22 de outubro, disponibilizando três voos por semana.

Além do Brasil, a Air France vai também retomar a operação para Mahé, nas Seychelles, com dois voos por semana a partir de 23 de outubro, assim como para a Cidade do Cabo, na África do Sul, com três ligações semanais a partir de 31 de outubro; Hong Kong, na China, com um voo por semana a partir de 5 de novembro; e ainda para Seattle, nos EUA, com três voos semanais a partir de 6 de dezembro.

Paralelamente, a transportadora aérea francesa vai também reforçar "gradualmente" a oferta disponibilizada nos EUA, onde as fronteiras voltam a abrir para turistas internacionais vacinados contra a COVID-19 a 8 de novembro, com a Air France a revelar que conta regressar a 90% da capacidade pré-pandemia e operar até 100 voos por semana para os 11 destinos que a companhia opera no país.

"A Air France vai fortalecer gradualmente a sua oferta de/para os Estados Unidos, onde serve 11 destinos (Nova Iorque-JFK, Boston, Washington-DC, Detroit, Atlanta, Chicago, Miami, Houston, Seattle, San Francisco, Los Angeles) com até 100 voos por semana. A partir de agora e até março de 2022, a Air France prevê regressar a uma oferta de cerca de 90% da capacidade proposta em 2019 (face aos 50% no verão de 2021), adicionando frequências para destinos importantes como Nova Iorque, Miami ou Los Angeles, e usando aviões de maior capacidade", explica a companhia em comunicado.

No longo curso, a Air France vai ainda ligar Paris-Orly a Saint-Martin a partir de 4 de dezembro, com três voos semanais, numa oferta que, segundo a companhia aérea, "complementa a que parte de Paris-CDG, elevando para 10 o número de voos semanais oferecidos para este destino".

A Air France conta também ampliar a oferta da Rede Regional das Caraíbas com a abertura de duas novas rotas a partir de Pointe-à-Pitre, concretamente Montreal, no Canadá, com dois voos por semana a partir de 23 de novembro, e Nova Iorque, nos EUA, também com dois voos semanais, mas com início no dia seguinte.

Este inverno, a Air France vai também colocar em serviço comercial o Airbus A220, novo aparelho da frota de curto e médio-curso da companhia aérea, que é mais amigo do ambiente e que vai começar a operar a 31 de outubro, 31 de outubro, para Berlim (Alemanha), Madrid e Barcelona (Espanha), Milão e Veneza (Itália) e, de seguida, ao longo o inverno, para Bolonha, Roma (Itália), Lisboa (Portugal) e Copenhaga (Dinamarca).

Já no curto e médio curso, a Air France vai oferecer dois novos destinos, já que, a partir de 1 de novembro, começa a voar com dois voos por semana para Tenerife, nas Canárias, enquanto a 4 de dezembro passa a disponibilizar dois voos semanais para Rovaniemi, na Lapónia, Finlândia, num operação que decorre até 5 de março.

Já os voos sazonais operados entre Paris-Charles de Gaulle e Sevilha (Espanha), Las Palmas (Ilhas Canárias, Espanha), Palma de Maiorca (Ilhas Baleares, Espanha), Tânger (Marrocos), Faro (Portugal), Djerba (Tunísia) e Cracóvia (Polónia) serão igualmente estendidas no inverno de 2021, enquanto a partir de Paris-Orly, vai ainda ser aberta uma rota para Berlim (Alemanha) a 31 de outubro, com um voo diário, em complemento à oferta a partir de Paris-Charles de Gaulle.

Para os passageiros portugueses, todos os destinos da Air France estão acessíveis através das rotas da companhia aérea entre Paris-CDG e Lisboa, Porto e Faro, sendo que, no caso da capital algarvia, os voos se mantém durante o inverno, numa oferta que, acrescenta a transportadora, é "complementada pela do seu parceiro dos Países Baixos, a KLM, com voos entre Lisboa ou Porto e Amesterdão-Schiphol".

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberia anuncia 70 voos por semana para os EUA com reabertura de fronteiras

Nova Iorque, Miami, Chicago, Boston e Los Angeles são os destinos norte-americanos que vão contar com um reforço da operação, a partir de 8 de novembro.

Publituris

A Iberia anunciou esta terça-feira, 19 de outubro, que vai operar 70 voos por semana entre Espanha e os EUA a partir de 8 de novembro, data em que os EUA voltam a permitir a entrada de turistas internacionais que já estejam vacinados contra a COVID-19.

"Nos EUA e noutros mercados onde as restrições da Covid estão a ser suspensas, a Iberia está a planear um regresso em grande, com 70 voos de ida e volta por semana de Espanha para os destinos dos EUA que têm sido servidos numa base reduzida durante a pandemia", indica a companhia aérea, em comunicado.

Segundo a informação divulgada, a companhia aérea vai reforçar os voos para Nova Iorque, Miami, Chicago, Boston e Los Angeles, rotas que já estavam a ser operadas antes da reabertura para turistas internacionais vacinados, mas que a companhia vai aumentar a partir de 8 de novembro.

Para Nova Iorque e Miami, a Iberia planeia operar 10 voos por semana, aos quais se juntam cinco para Chicago e outros três para Boston e para Los Angeles, sem esquecer também a operação da companhia aérea espanhola para Porto Rico, que conta com quatro voos por semana e na qual a Iberia conta com um acordo de joint-venture com a American Airlines, British Airways e Finnair.

Além destas rotas, a Iberia disponibiliza ainda 117 destinos nos EUA através de acordos de code-share com parceiros locais, a exemplo do acordo recentemente estabelecido com a Alaska Airlines e com a Level, na costa oeste dos EUA e que veio adicionar 37 destinos à oferta da Iberia nos EUA através deste tipo de acordos.

Para estimular as reservas, a companhia aérea está a disponibilizar uma tarifa promocional de 111 euros para voos de ida, valor que é válido para voos à partida de Madrid e destino a Miami, enquanto os voos de Madrid para Nova Iorque têm preços desde 123 euros e para Chicago começam nos 131 euros.

As tarifas promocionais são válidas para reservas apenas até esta quarta-feira, 20 de outubro, e destinam-se a viagens que decorram entre novembro e o final de março de 2022, através do site da companhia aérea, em iberia.com

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Celebrity Beyond chega na primavera de 2022 e vai ter uma mulher como comandante

Navio, que começa a navegar na primavera de 2022, vai realizar um itinerário inaugural de 10 noites, com partida de Southampton e no qual está incluída escala na capital portuguesa.

Publituris

O Celebrity Beyond, novo navio de cruzeiro da Celebrity Cruises, o terceiro da classe Edge, vai ser inaugurado em abril de 2022 e vai ter uma mulher como comandante, informou a companhia de cruzeiro em comunicado, sublinhando que Lisboa será uma das escalas da viagem inaugural do navio.

"A presidente e CEO da Celebrity Cruises, Lisa Lutoff-Perlo anunciou que a comandante Kate McCue, a primeira mulher comandante americana de um navio de cruzeiro, assumirá o comando do Celebrity Beyond, o terceiro navio da Classe Edge", lê-se no comunicado divulgado pela Melair Cruzeiros, que representa a Celebrity Cruises em Portugal.

Segundo a Celebrity Cruises, o navio, que tem a primeira viagem agendada para 27 de abril de 2022, vai ter a capital portuguesa como uma das escalas do seu itinerário inaugural, numa viagem de 10 noites, com partida de Southampton, que inclui também escalas em Bordéus, França; bem como em Sevilha, Málaga, Palma de Maiorca e Barcelona, ​​Espanha.

Após o itinerário inaugural, o Celebrity Beyond vai realizar diversos itinerários pelo Mediterrâneo, incluindo nove noites pela Riviera Italiana e Francesa, assim como itinerários de 10 noites pelas Ilhas Gregas até ao início de outubro, altura em que será posicionado nas Caraíbas.

 Além do facto de ter uma mulher como comandante, o Celebrity Beyond promete também "revolucionar a classe Edge", como indica a companhia de cruzeiros, que explica que a conceção deste navio contou com "uma equipa de sonho", com destaque para a designer britânica Kelly Hoppen CBE, para o designer americano Nate Berkus, para o chef Daniel Boulud e ainda para as experiências de bem-estar a bordo com produtos do Goop, que tem como CEO e fundadora Gwyneth Paltrow.

As vendas para os primeiros itinerários do Celebrity Beyond já se encontram a decorrer, sendo que, para mais informações está disponível o email [email protected] e o número de telefone 210 329 400.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Marcelo Bento (Azul): “A sofisticação do consumidor exigirá maior conhecimento do cliente”

Marcelo Bento, diretor de Planeamento e Alianças da Azul, um dos speaker do webinar da Airmet, acredita que a companhia terá uma capacidade aérea cerca de 120% maior em lugares que no verão de 2020.

Victor Jorge

Do outro lado do Atlântico, Marcelo Bento, diretor de Planeamento e Alianças da Azul, explicou, em breves palavras e como antevisão ao seminário da Airmet, a importância da partilha de informação.

Em muitos dos fóruns que têm sido realizados ao longo deste último ano e meio, “colaboração”, “cooperação”, “partilha” têm sido definições que têm ganho relevância e que, para muitos, serão imprescindíveis para o sucesso futuro? Como é que estas “novas exigências” poderão ser colocadas em prática pelas companhias aéreas?
A sofisticação do consumidor, com diferentes necessidades em momentos distintos de consumo, exigirá maior conhecimento do cliente, o que pode ser obtido com partilha de bases de dados, informações e oportunidades. Também, de forma a ser mais assertivo, as ofertas precisam ser ampliadas, exigindo a coordenação de diferentes produtos, de diferentes fornecedores, online e em tempo real, preferencialmente customizadas para o cliente. É impossível fazer isso sem uma estreita cooperação com diferentes atores da cadeia.

As empresas aéreas costumam ser alvo das primeiras pesquisas dos consumidores e podem, assim, intercetá-lo no início do processo decisório. Mas precisam preparar-se para interpretar, coordenar e oferecer uma proposta adequada aos anseios desse consumidor.

Como é que a empresa está neste momento de retoma das viagens em termos de posicionamento de mercado, produtos e operações?
A rede doméstica da Azul já está em franca recuperação e, no momento, opera acima da capacidade observada antes da pandemia da COVID-19. Neste verão, a Azul terá uma capacidade aérea cerca de 120% maior em lugares que no verão de 2020.

A aguda crise sofrida por todos desde março de 2020 e, em especial, pela indústria de transporte aéreo, deu-nos a oportunidade de rever toda a nossa estrutura de custos, organizacional e estratégias de receita. Saímos mais equilibrados, mais ágeis, com uma frota mais moderna, e com uma participação de mercado ampliada.

As nossas áreas de viagens e cargas tiveram franco crescimento durante a crise e têm apresentado uma crescente contribuição ao grupo Azul como um todo, mostrando a evolução das viagens em lazer, mais frequentes e mais sofisticadas, especialmente no âmbito doméstico. Também há que realçar a incrível evolução do e-commerce no país. Ainda temos grandes desafios na recuperação da malha e receitas da operação internacional, ainda bastante desafiadora.

Que mudanças espera no e para o turismo de forma geral e quais são, efetivamente, os maiores ensinamentos que retira desta crise para o futuro da sua atividade e negócio?
A evolução do ‘bleisure’ é uma nova realidade, permitindo a desconcentração das temporadas altas, viagens mais frequentes, e permanência mais longas nos destinos, procurando, também, adaptações dos equipamentos turísticos.

Também a valorização de experiências diferenciadas, que exigem produtos mais sofisticados, maior segmentação e conhecimento técnico da cadeia de distribuição será crescente. Com isso, a informação e tomada de decisão por referência tornam-se ainda mais relevantes e presentes, assim como o marketing direto e digital.

Numa era de bombardeio de informações, ofertas integradas, mais “ricas” e oportunas oferecem maior conversão, mas exigem conhecimento do cliente, do momento de compra, e grande coordenação entre diferentes fornecedores da cadeia turística.

Para participar no webinar de dia 20 de outubro, basta inscrever-se aqui.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.