Assine já
Alojamento

The Lince Hotels & Resorts vai ter o seu primeiro cinco estrelas em Vila do Conde

Com abertura prevista para o terceiro trimestre de 2022 e fruto de um investimento de 12,5 milhões de euros, o The Lince Convento de Santa Clara & SPA vai estar direcionado para os segmentos de luxo corporate e lazer.

Raquel Relvas Neto
Alojamento

The Lince Hotels & Resorts vai ter o seu primeiro cinco estrelas em Vila do Conde

Com abertura prevista para o terceiro trimestre de 2022 e fruto de um investimento de 12,5 milhões de euros, o The Lince Convento de Santa Clara & SPA vai estar direcionado para os segmentos de luxo corporate e lazer.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Monte Verde Hotel nasce na Ribeira Grande em 2019
Homepage
Lançado concurso do REVIVE para Convento em Vila do Conde
Homepage
Abreu DMC é a agência oficial do Festival Eurovisão da Canção 2018
Alojamento
Funchal tem novo quatro estrelas
Homepage

A cadeia hoteleira The Lince Hotels & Resorts, que conta com dois hotéis nos Açores, na ilha de São Miguel, – o The Lince Azores e o The Lince Nordeste – , vai abrir no próximo ano aquele que será o seu primeiro cinco estrelas.

O The Lince  Convento de Santa Clara & SPA vai resultar da reconversão do Convento de Santa Clara, numa concessão por 50 anos que o grupo ganhou no âmbito do concurso Revive. Ao Publituris, Bernardo Mesquita, director geral de operações dos The Lince Hotels & Resorts, explica que se trata de uma unidade  com 85 quartos e suites inseridos numa zona em vias de classificação, com os quartos a apresentarem vistas sobre o rio Ave e o mar. O cinco estrelas vai também disponibilizar “amplos espaços exteriores, SPA com todas as valências, piscina exterior e restauração de qualidade em espaços repletos de história e elegância”.

“A recuperação do património e a ambição de fazer deste produto uma referência da hotelaria no Norte, foram os principais motivos para este investimento”, justifica Bernardo Mesquita, perspetivando que este será “um  produto de excelência em ambiente sofisticado e elegante, um serviço diferenciador”.

Com abertura prevista para o terceiro trimestre de 2022 e fruto de um investimento de 12,5 milhões de euros, o The Lince Convento de Santa Clara & SPA vai estar direcionado para os segmentos de luxo corporate e lazer, que procuram Vila do Conde, mas também as cidades próximas como o Porto, Viana do Castelo, Braga e Guimarães. O diretor-geral de operações prevê que a unidade hoteleira se torne “a referência para os eventos sociais na Região e, o ponto de encontro das pessoas que procurem sofisticação, elegância, conforto e requinte”.

Atentos ao  crescimento da  operação nos Açores, o grupo hoteleiro analisa possibilidades no continente, em cidades como o Porto e Lisboa, “assim como outras oportunidades que nos têm sido colocadas para avaliação”, indica.

Os investimentos do grupo passam também pela requalificação das suas unidades nos Açores.  “No final do corrente ano, iremos iniciar uma remodelação no The Lince Nordeste e a requalificação do espaço exterior do The Lince Azores, com a introdução de equipamentos de lazer de enorme relevância para os hóspedes”, adianta Bernardo Mesquita, considerando que este investimento “nos irá posicionar ainda melhor no sustentável destino Açores”.

Operação

Questionado acerca do estado atual da operação, o responsável releva que ambas as unidades têm registado procura tanto pelos açorianos, como pelos portugueses do continente, o queleva o mesmo a apontar um crescimento acima de 2020. “O The Lince Nordeste já está a ter procura pelo mercado externo, pelos continentais e, tendo fidelizado o mercado local, estes têm regressado para confirmar a nossa excelência gastronómica, tranquilidade do SPA e da região”, constata. Quanto ao The Lince Azores, depois de um “excelente” mês de junho, Bernardo Mesquita prevê que em julho e agosto se verifique um crescimento volume e na receita média quarto. “Estamos a posicionar o nosso produto e serviços numa categoria superior e, os hóspedes têm percepcionado este upgrade nos nossos hotéis”, assinala.

The Lince Nordeste

À semelhança de todo o setor hoteleiro, os The Lince Hotels & Resorts também têm registado desafios  na gestão durante este período pandémico, onde se destacam as reservas feitas com poucos dias de antecedência, a redução ainda da presença da operação turística de mercados emissores e a “escassa” operação de grupos. Porém, isto não afetou os recursos humanos das unidades do grupo, pois Bernardo Mesquita garante que mantevieram “as nossas equipas na íntegra,  tendo reforçado a formação o que nos coloca em posição de elevarmos a excelência do serviço”. “A equipa tem sabido muito bem responder a toda as alterações de normas e regras que foram criadas desde o ano passado. O cliente, tem sentido muita confiança e segurança nos nossos hotéis. Aliás, os hotéis são um excelente exemplo na boa preservação da higiene e segurança aos seus consumidores”, sustenta.

Quanto a previsões de melhorias efetivas, o diretor-geral de operações considera que “2021 é um ano ainda cheio de incógnitas para o que poderá ser o negócio do último trimestre”. No entanto, em 2022 as perspetivas são mais animadoras: “2022 será certamente um ano de forte crescimento para os Açores e para nós em particular. Estaremos com excelentes produtos e serviço para captarmos mais clientes”.

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Emirates volta a recrutar em Portugal

A companhia aérea do Dubai vai voltar a promover dois Open Days para recrutar tripulação em Lisboa e em Faro, que vão decorrer a 21 e 23 de novembro, respetivamente.

A Emirates vai voltar a promover uma ação de recrutamento em Portugal e, desta vez, leva os seus Open Days a Lisboa e Faro, que recebem as sessões de recrutamento a 21 e 23 de novembro, respetivamente.

De acordo com um comunicado da companhia aérea do Dubai, os candidatos devem apresentar-se no hotel Ramada Lisbon by Wyndham, em Lisboa, ou no Eva Senses Hotel, em Faro, acompanhados  dos documentos necessários.

Todos os requisitos para este processo de recrutamento estão disponíveis aqui, onde é também possível fazer uma candidatura prévia e enviar “o curriculum vitae (CV) atualizado e em inglês, assim como uma fotografia recente”.

A companhia aérea lembra que os candidatos selecionados, assim como toda a tripulação da Emirates, recebem formação nas instalações da companhia aérea no Dubai.

Os candidatos selecionados podem também contar com “um pacote salarial distintivo no mercado que inclui uma variedade de benefícios, tais como um salário isento de impostos, alojamento gratuito oferecido pela companhia, transporte gratuito de e para o trabalho, excelente cobertura médica, bem como descontos exclusivos em compras e atividades de lazer no Dubai”.

Os benefícios oferecidos abrangem também família e amigos, uma vez que a tripulação de cabina da Emirates desfruta de benefícios de viagem para si e para as suas famílias e amigos, para todos os destinos para os quais a companhia aérea voa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Azul lembra que ainda é necessário certificado de vacinação ou teste negativo para entrar no Brasil

A companhia aérea brasileira indica que os passageiros que se apresentarem no aeroporto sem um destes documentos “terão o embarque negado e deverão arcar com os custos da remarcação”.

A companhia aérea brasileira Azul veio esta segunda-feira, 14 de novembro, relembrar agentes de viagens e passageiros que ainda é necessário apresentou um certificado de vacinação completa ou um teste negativo à COVID-19 para viajar para o país, regra que se aplica tanto a passageiros brasileiros como internacionais.

De acordo com um comunicado da companhia aérea brasileira, os passageiros que se apresentarem no aeroporto sem um destes documentos “terão o embarque negado e deverão arcar com os custos da remarcação”.

A companhia aérea coloca-se à disposição dos agentes de viagens para esclarecer todas as dúvidas que possam existir e agradece a compreensão dos passageiros relativamente a esta exigência, que continua em vigor no Brasil.

As dúvidas podem ser esclarecidas através do e-mail [email protected] ou do número de telefone +351 211 350 520.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Site “Algarve Eventos” substitui “Guia Algarve”

O objetivo é “melhorar a experiência de quem nos visita, facilitar a interação com o destino e aumentar a eficiência da comunicação e da fruição dos espaços e acontecimentos da região”, diz João Fernandes, presidente da RTA.

Publituris

“Algarve Eventos” é o novo site e agregador de tudo o que acontece nos 16 concelhos da região, em substituição do “Guia Algarve”, até agora impresso mensalmente, e que pretende divulgar a oferta de lazer e cultural da região.

Divulgação de mais eventos, incluindo os de dimensão local, atualização em tempo real do que acontece na região e aumento do alcance da informação disponibilizada a turistas e residentes são algumas das vantagens que levaram o Turismo do Algarve a apostar neste formato disponível em https://eventos.visitalgarve.pt/.

Para além da significativa redução da pegada ecológica, associada à produção e distribuição do anterior guia, que só em papel consumia cerca de 21 toneladas por ano.

O novo site integra funcionalidades como pesquisa de eventos por categoria, data e concelho e ao abrir a página de um evento será possível adicioná-lo ao calendário, a uma wishlist ou até partilhá-lo nas principais redes sociais. Outra possibilidade será subscrever uma newsletter para receber diretamente os destaques da semana, bastando para isso seguir os passos aqui.

“Numa época em que as tendências de padrões de consumo revelam a preferência pelo acesso a conteúdos online, a expectativa com a disponibilização dos eventos num site bilingue, em inglês e português, é que resulte igualmente na atração de mais turistas para a região durante todo o ano, atenuando desta forma a sazonalidade”, refere a entidade em comunicado.

João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve, pretende que o novo site “enriqueça o conjunto de instrumentos de promoção turística e cultural do território que integram a marca Algarve”.

O responsável pela entidade salienta ainda que, “além de favorecer uma gestão célere e facilitada dos conteúdos, o site terá também uma navegação intuitiva, estando presente a preocupação com a disponibilização da informação em dispositivos móveis”.

O objetivo é, assim, “melhorar a experiência de quem nos visita, facilitar a interação com o destino e aumentar a eficiência da comunicação e da fruição dos espaços e acontecimentos da região», conclui João Fernandes.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP terá de reembolsar passageiros em mais de 122M€ por viagens canceladas nos EUA

A TAP e outras quatro companhias aéreas estrangeiras terão de reembolsar mais de 580 milhões de euros a passageiros cujas viagens foram canceladas ou significativamente atrasadas desde o início da pandemia.

Publituris

A TAP Air Portugal vai ter de reembolsar mais de 122 milhões de euros a passageiros e pagar uma multa de um milhão de euros por viagens canceladas nos Estados Unidos, anunciaram as autoridades federais norte-americanas.

Segundo a informação divulgada, a TAP Air Portugal e outras quatro companhias aéreas estrangeiras terão de reembolsar mais de 580 milhões de euros a passageiros cujas viagens foram canceladas ou significativamente atrasadas desde o início da pandemia.

O Departamento de Transportes dos EUA também multou as companhias aéreas em mais de 6,7 milhões de euros por atrasarem os reembolsos demasiado tempo, violando as regras de proteção ao consumidor.

As maiores companhias aéreas dos EUA, que respondem pela maior parte das reclamações relativas a reembolsos, evitaram multas e uma fonte das autoridades federais disse que nenhuma outra operadora norte-americana está a ser investigada por possíveis multas.

Os consumidores inundaram a agência com milhares de reclamações por não conseguirem reembolsos quando as companhias aéreas cancelaram um grande número de voos após a pandemia chegar aos Estados Unidos, no início de 2020. Esta foi, de longe, a principal categoria das reclamações.

“Quando os americanos compram uma passagem numa companhia aérea, esperam chegar ao nosso destino com segurança, confiabilidade e economia, e nosso trabalho é responsabilizar as companhias aéreas por essas expectativas”, disse o secretário dos Transportes, Pete Buttigieg.

Segundo este departamento, a Frontier Airlines é responsável por 215 milhões de euros de reembolsos e tem de pagar uma multa de 2,1 milhões.

A Air India pagará 117,7 milhões de euros em reembolsos e uma multa de 1,3 milhões, a Aeromexico 13,1 milhões de euros e uma multa de 872 mil euros, a El Al de Israel pagará 59,9 milhões e 872 mil de multa e a colombiana Avianca 74,4 milhões de reembolsos e mais de 726 mil euros de multa, informou o Departamento de Transportes.

“Temos mais ações de fiscalização e investigações em andamento e pode haver mais notícias sobre as multas”, disse Pete Buttigieg aos jornalistas.

No entanto, não haverá multas para outras companhias aéreas dos EUA porque elas responderam “logo após” o departamento de Transportes as ter alertado, em abril de 2020, para a obrigação de serem rápidas nos reembolsos, referiu Blane Workie, da proteção de consumidores de aviação do Departamento de Transportes.

Em 2020, a United Airlines teve o maior número de reclamações relativas a reembolsos – mais de 10.000. A Air Canada, a El Al e a TAP Air Portugal foram as seguintes na lista, todas com mais de 5.000, seguidas pela American Airlines e pela Frontier, ambas com mais de 4.000 reclamações.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Woman using wireless system on smart watch at atm cash machine

Tecnologia

Amadeus disponibiliza pagamentos eletrónicos com criação da Outpayce

A nova empresa no universo da Amadeus – Outpayce – representa mais um passo na evolução da linha de negócios de pagamentos de viagens.

Victor Jorge

A Amadeus acaba de solicitar ao Banco de Espanha uma licença de moeda eletrónica anunciando ao mesmo tempo a criação da Outpayce, subsidiária integral da Amadeus, demonstrando o compromisso em oferecer uma experiência de pagamento integrada e conectada durante toda a jornada.

De acordo com a companhia, “os pagamentos estão presentes em todas as etapas da viagem, desde a reserva online, ou com um agente de viagens, até o pagamento de bagagem extra no aeroporto ou check-out no hotel”. Garantir pagamentos contínuos, integrados e até invisíveis está a tornar-se, por isso, cada vez mais importante na experiência de viagem, admitindo que “a integração de pagamentos B2B entre empresas no ecossistema de viagens é um diferencial importante”.

Com a licença agora pedida, a Amadeus poderá prestar serviços regulados em Espanha e, posteriormente, no Espaço Económico Europeu. As empresas com licença de dinheiro eletrónico podem fornecer serviços de pagamento, como aceitar fundos de clientes, emitir cartões de débito pré-pagos ou oferecer transferências de fundos para uma conta de pagamento, entre outros. Como parte dessa estratégia, a atual unidade de negócios de pagamentos da Amadeus tornar-se-á a Outpayce, uma subsidiária integral da Amadeus, cujos ativos e funcionários serão transferidos para a nova entidade a partir de 1 de janeiro de 2023.

Em comunicado, a Amadeus refere que o objetivo da Outpayce será “fortalecer a sua oferta de pagamentos existente, bem como desenvolver um ambiente de pagamento integrado ao qual as empresas de viagens possam conectar-se para aceder às mais recentes inovações de tecnologia financeira”.

A Amadeus avança ainda que “as soluções de pagamento de hoje incorporarão ambientes de desenvolvimento abertos baseados em API que impulsionarão a inovação no setor de viagens, facilitando o serviço de pagamentos de terceiros e empresas de fintech ao setor”.

Assim, companhias aéreas, hotéis e vendedores de viagens que usam a plataforma poderão aceder uma ampla seleção de serviços de pagamento Amadeus e de terceiros por meio de uma única conexão. A plataforma atual oferece serviços de parceiros como Citi, Mastercard e Paypal, entre muitos outros, frisando a Amadeus que “continuará a trabalhar para expandir essa rede de parceiros”.

Através do licenciamento e da criação da Outpayce, o primeiro serviço regulamentado que a nova empresa da Amadeus oferecerá, assim que a licença for obtida, será a emissão de cartões pré-pagos virtuais dentro da sua solução B2B Wallet, que as agências de viagens usam para pagar fornecedores de viagens, bem como companhias aéreas e hotéis. “A emissão de cartões da Outpayce, juntamente com uma ampla gama de opções de outros emissores parceiros, proporcionará aos agentes de viagens mais opções e uma melhor experiência de pagamento”, diz a Amadeus.

David Doctor, até agora vice-presidente executivo de pagamentos da Amadeus, deixará o cargo para assumir a direção-geral da Outpayce a partir do primeiro dia de 2023.

O responsável admite que os pagamentos são “uma parte integral da experiência de viagens do princípio ao fim”, salientando que o objetivos da Amadeus com a Outpayce é “garantir uma experiência fluída, integrada e conectada nas viagens, seja no pagamento com cartões virtuais em espaços B2B ou se o viajante pretender pagar na moeda escolhida mediante serviços de câmbio”.

Doctor salienta ainda que, graças ao pedido de licença de dinheiro eletrónico e ao investimento em talento e tecnologia, “estamos bem posicionados para melhorar o nosso serviço aos clientes, bem como para expandir o leque de serviços, a abrangência geográfica e o número de clientes que servimos”.

Já Decius Valmorbida, presidente de Viagens da Amadeus, refere, no mesmo comunicado, que “as viagens estão a registar uma transformação digital única, significando isso que podemos conectar melhor as diferentes etapas do viajante”. O executivo conclui ainda que, “para que o setor aproveite ao máximo esta oportunidade, é fundamental simplificar a forma de pagamento durante a reserva, no aeroporto ou no hotel. Com este investimento, a Outpayce está preparada para simplificar os pagamentos em todo o trajeto da viagem.”

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

créditos: Luís Ferreira Alves (LFC)

Destinos

Lançado “Projeto Turismo e Arquitetura”

O programa lançado pela Casa da Arquitetura (CA) e o Turismo de Portugal assenta no princípio de que a arquitetura nacional é uma ferramenta e uma expressão privilegiada de promoção de Portugal a nível nacional e internacional.

Publituris

A Casa da Arquitetura (CA) e o Turismo de Portugal juntaram-se para criar um programa de visitas que seja uma referência no domínio do turismo dedicado à arquitetura contemporânea. Este programa está assente no princípio de que a arquitetura nacional é uma ferramenta e uma expressão privilegiada de promoção de Portugal tanto para o público português, como para o turismo internacional.

Esta parceria representa, num país com dois Prémios Pritzker, o que a arquitetura portuguesa contemporânea reúne como potencial turístico, propondo o programa uma travessia do território nacional, envolvendo as ilhas da Madeira e Açores, constituindo um primeiro passo num trabalho que se irá desenvolver continuamente no futuro.

O programa está dividido em dois eixos programáticos, sendo que o primeiro – “Visite Connosco – está orientada para visitas a edifícios selecionados em sete regiões  de Portugal, acompanhadas por monitores especializados preparados pela equipa da Casa da Arquitetura.

O programa inaugural destas visitas orientadas gira em torno do tema Mestres da Arquitetura Portuguesa, uma seleção de quatro percursos – Legado do Porto; Património nortenho; Lisboa em Continuidade; Lisboa, Monumental Ribeirinha – que marca o início de um conjunto em contínuo desenvolvimento passível de ser vendido em articulação com os promotores turísticos que operam no mercado nacional e internacional.

Já o segundo programa – “Visite por Si” – contempla visitas livres e autónomas, “à la carte”, apoiadas por um mapa interativo com 50 obras acompanhadas das informações fundamentais sobre os projetos selecionados.

Esta parceria entre o Turismo de Portugal e a Casa da Arquitetura “permite valorizar a arquitetura enquanto ativo do país, garantindo uma melhor divulgação para o público nacional e internacional numa clara missão de serviço público”, realça Nuno Sampaio, diretor-executivo da CA.

“A partir de hoje, os conteúdos preparados pelo Serviço Educativo da CA e os monitores formados pela instituição vão permitir que o público em geral visite arquitetura e também que o setor turístico usufrua de conteúdos que ajudem a mostrá-la a todos, num esforço de democratização do acesso à arquitetura”, conclui.

A relevância da Arquitetura enquanto elemento de promoção do país dentro e fora de portas é também assinalada pelo presidente do Turismo de Portugal. Segundo Luís Araújo, “a arquitetura é um elemento único e revelador da identidade, autenticidade e do reconhecimento de um país enquanto destino turístico. Os inúmeros exemplos de arquitetura de qualidade que existem no nosso país, a sua inovação e, muitas vezes, associação com a oferta turística, permitem reforçar o nosso objetivo de termos turismo em todo o território e ao longo de todo o ano, reforçando a missão de contribuir para a sustentabilidade do destino e do setor.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Espanha quer acabar com regra dos 90 dias para turistas britânicos

Após o Brexit foram diversas as limitações impostas aos turistas britânicos. Em Espanha, as entidades pretendem que Bruxelas levante a regra dos 90 dias para os turistas britânicos.

Publituris

Espanha quer eliminar o limite de 90 dias para visitantes do Reino Unido, permitindo que permaneçam no país indefinidamente.

Recorde-se que os visitantes de fora da União Europeia (UE) podem visitar os países do espaço Schengen por 90 dias a cada período de 180 dias.

Espanha irá pedir a Bruxelas que levante esta regra para os turistas britânicos, admitindo o secretário de Turismo da Espanha, Fernando Valdés, que esta restrição “vai contra os interesses da Espanha”, referindo à imprensa espanhola que se trata de uma regra que, infelizmente, não é algo que Espanha estabeleceu por si mesma ou pode-se livrar”.

Espanha pretende, agora, pressionar Bruxelas para isentar os turistas britânicos da regra, avançando a imprensa em Espanha que “é do interesse do país fazer lobby e convencer [a UE] a abrir uma exceção”.

Antes da pandemia, Espanha recebia cerca de 84 milhões de turistas por ano, com 17 milhões a viajarem do Reino Unido, caindo esse número com o início das restrições da pandemia.

No entanto, os números começaram a aumentar novamente este ano, com 1,8 milhões de britânicos a visitar Espanha no primeiro trimestre de 2022.

Com o turismo a representar cerca de 12% do PIB espanhol, o Brexit tornou as viagens entre os dois países mais difíceis, já que o Reino Unido sai dos acordos de livre circulação em toda a UE.

As negociações sobre autorizações de residência e turismo pararam e, em maio deste ano, expatriados britânicos foram proibidos de conduzir em Espanha utilizando as cartas de condução do Reino Unido após o fracasso das negociações.

No entanto, Espanha está ansiosa para ver o regresso dos britânicos, falando-se em detalhes de um acordo bilateral que permitirá que os trabalhadores do turismo permaneçam em Espanha durante a temporada de férias.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Portugal ganha 12 prémios nos World Travel Awards 2022

Porto, Lisboa, Madeira, Passadiços do Paiva, TAP, Olissipo Lapa Palace, Parques de Sinta – Monte da Lua, Dunas Dourada Beach Club, Pestana Palace Hotel, Dark Sky Alqueva e Amazing Evolution foram os distinguidos nos “óscares” do turismo mundial.

Publituris

Foi em Muscat, capital de Oman, mais concretamente no Al Bustan Palace Hotel, que Portugal foi, mais uma vez, galardoado na Gala da Grande Final do World Travel Awards (WTA) 2022.

Ao todo foram uma dúzia os “óscares” do turismo que Portugal recebeu, depois de na gala europeia ter ganho 30 prémios.

Eis os vencedores:

Melhor Destino de Cidade – Porto
Melhor Destino Metropolitano à Beira-mar – Lisboa
Melhor Destino Insular – Madeira
Melhor Atração de Turismo de Aventura – Passadiços do Paiva
Melhor Companhia Aérea para África – TAP Air Portugal
Melhor Companhia Aérea para América do Sul – TAP Air Portugal
Melhor Hotel Clássico – Olissipo Lapa Palace Hotel
Melhor Empresa de Conservação – Parques de Sintra – Monte da Lua
Melhor Golf & Villa Resort- Dunas Douradas Beach Club
Melhor Hotel de Luxo de Negócios – Pestana Palace Hotel
Melhor Projeto de Turismo Responsável – Dark Sky Alqueva
Melhor Operador de Hotéis Boutique – Amazing Evolution

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Ryanair e Amadeus em nova parceria de distribuição

As reservas na Ryanair através da plataforma Amadeus podem ser efetuadas a partir do final de 2022.

Victor Jorge

A Ryanair e a Amadeus estabeleceram uma nova parceria de distribuição que irá expandir o acesso da oferta da companhia aérea à base de clientes da empresa de tecnologia de viagens.

Operando 3.000 voos diários para 225 destinos em 36 países, a Ryanair transporta, atualmente, 115% do seu tráfego pré-pandémico, sendo que, com as empresas em toda a Europa a enfrentar crescentes pressões económicas e inflacionistas, as reservas com a Ryanair podem ser efetuadas através da Plataforma de Viagens Amadeus a partir do final de 2022.

Em comunicado é referido que “a parceria apoia a visão da Ryanair de aumentar a sua visibilidade e chegar aos clientes Amadeus, particularmente para viagens de negócios”. A integração com os fluxos e processos de reserva do Amadeus garantirá aos clientes uma elevada eficiência operacional na pesquisa, reserva e serviço de conteúdos da Ryanair, bem como a possibilidade de oferecer uma escolha mais ampla de opções de viagem a viajantes conscientes dos custos.

“A oferta alargada de viagens da Ryanair não só pode gerar poupanças substanciais para os clientes, como também os ajudará a gerir a sua pegada de carbono e a melhorar as suas credenciais ESG, com as mais baixas emissões de CO2 por passageiro/km de qualquer grande companhia aérea europeia, um feito sustentado pela sua estratégia de descarbonização Pathway to Net Zero by 2050”, refere-se no comunicado.

Esta é, de resto, uma missão partilhada pelo Amadeus, e a nova parceria contribuirá para expor estas ofertas ambientalmente eficientes a um público ainda mais vasto.

Dara Brady, diretor de Marketing, Comunicação & Digital da Ryanair, refere que esta parceria “expande ainda mais a oferta da Ryanair e permite aos clientes corporativos em particular um maior acesso à nossa rede de ligações, altas frequências, desempenho pontual, e tarifas baixas, à medida que regressam a colaborar presencialmente com os colegas”.

Já Jose Luis Aragon, VP Regional de Distribuição Aérea da Europa da Amadeus, frisa, em comunicado, que esta parceria ilustra “o valor da nossa plataforma para transportadoras de baixo custo, oferecendo à companhia aérea o acesso à mais ampla rede de vendedores de viagens em todo o mundo e a tecnologia para os ajudar a tirar o máximo partido do canal indireto”, concluindo que “é outro exemplo do empenho em fornecer o mais amplo e relevante conteúdo de viagem de qualquer fonte tecnológica aos nossos vendedores de viagens, com uma integração suave e sem problemas nas suas ferramentas e processos quotidianos”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Nova política de passaportes impacta negativamente o mercado das viagens estudantis no Reino Unido

A eliminação da “List of Travellers” por parte do Governo britânico impossibilita a viagem de estudantes somente o Cartão de Identificação em vez de passaporte. Uma análise diz, agora, que o impacto pode chegar aos 1,7 mil milhões de euros para a economia britânica.

Victor Jorge

De acordo com uma análise realizada junto de 82 operadores turísticos europeus, o número de estudantes que visitaram os Reino Unido, em 2022, caiu 83% face a 2019.

Esta quebra deve-se à nova política de passaportes e à eliminação da “List of Travellers” pela qual os grupos organizados de estudantes, acompanhados de professores, podiam viajar até ao Reino Unido utilizando somente o Cartão de Identificação em vez de passaporte.

As contas feitas pelos responsáveis pela análise – Tourism Alliance, UKinbound, English UK, BETA e ETOA – avançam que esta realidade significa uma quebra de mais de 700 milhões de libras por ano (cerca de 800 milhões de euros) à economia britânica.

Os autores da análise referem que “existe agora uma exigência para que todos esses alunos devem ter um passaporte completo. Este é um documento que muitas crianças da UE normalmente não precisam para viajar pela maior parte da Europa, e muitas não têm este documento”.

Na análise é ainda salientado que “os números variam de país para país, mas, por exemplo, estima-se que apenas 35% das crianças italianas em idade escolar tenham passaporte. O custo (entre €50 e €120) e os encargos administrativos para obter esses documentos são uma barreira substancial para aqueles que consideram uma viagem ao Reino Unido”.

Em 2019, o Reino Unido recebeu 1,2 milhão de estudantes de países da UE que vieram para aprender inglês, conhecer a história e a cultura do país ou participar de eventos culturais e desportivos, calculando que tenham gasto cerca de mil milhões de libras (cerca de 1,2 mil milhões de euros) na economia local, sustentando perto de 17.000 empregos, admitindo-se que “são um componente significativo das atividades de ‘soft power’ do Reino Unido”.

A análise destaca ainda que “não se espera que o setor recupere, pois os operadores indicam que o número de grupos escolares que enviarão para o Reino Unido, em 2023, diminuirá em pelo menos 60%, o que significa uma perda adicional de receita para a economia do Reino Unido de 600 milhões de libras (cerca de 700 milhões de euros).

Richard Toomer, diretor executivo da Tourism Alliance, refere que “as viagens de grupo de estudantes eram um mercado importante para a economia do Reino Unido. Há muitas razões pelas quais esses grupos gostariam de visitar o Reino Unido para eventos desportivos, visitas culturais, eventos e muito mais. O que aconteceu com a outrora forte indústria de escolas de inglês do Reino Unido é um excelente exemplo dos danos causados por esta política e, como resultado, o país está a perder quase 1,5 mil milhões de libras [mais de 1,7 mil milhões de euros] em receita de exportação”.

Assim, Toomer conclui que “o Governo deve restabelecer a ‘List of Travellers’ urgentemente ou um esquema de viagens de grupo de jovens semelhante, reconhecendo o risco extremamente baixo representado por essas crianças viajantes, o custo insignificante e o impacto económico positivo”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.