Edição digital
Assine já
PUB
TAP
Aviação

TAP retoma Bucareste e Budapeste

Companhia disponibiliza 13 frequências semanais para Budapeste e Bucareste.

Publituris
TAP
Aviação

TAP retoma Bucareste e Budapeste

Companhia disponibiliza 13 frequências semanais para Budapeste e Bucareste.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise

A TAP retoma esta noite os voos entre Lisboa e as cidades de Bucareste, na Roménia, e Budapeste, na Hungria, operações que vão vigorar durante o Verão IATA e que juntam 13 frequências semanais à oferta da companhia na Europa.

“A TAP volta a apostar na Europa, acompanhando desta forma as crescentes trocas comerciais e investimento entre Portugal e a Roménia, não esquecendo a importante comunidade romena residente em Portugal, uma das mais numerosas do país, e passando a servir uma das capitais europeias mais atrativas para o turismo – Budapeste”, explica a TAP em comunicado

A operação para Bucareste decorre a bordo de aviões A319 e A320 e terá seis voos semanais, aos primeiros minutos de segundas, quartas, quintas, sábados e domingos, com partidas de Lisboa às 00h15 e regresso de Bucareste às 7h00. Às sextas-feiras, a partida de Lisboa é feita às 10h45 e o regresso de Bucareste às 17h30.

Já os voos para Budapeste, que também decorrem em equipamentos A319 e A320, vão ser sete por semana, concretamente às segundas, terças, quartas, quintas e domingos, com partidas de Lisboa às 10h35 e regresso de Budapeste às 15h50, enquanto nas madrugadas de sábados e domingos, a partidas de Lisboa decorrem às 00h30 e o regresso de Budapeste às 05h50.

Até final de Outubro, quando termina o Verão IATA, a capacidade mensal de transporte de passageiros ronda os oito mil para Bucareste e nove mil para Budapeste, reforço que vai permitir que TAP possa transportar cerca de 80 mil Passageiros por ano entre Lisboa e a capital da Hungria e perto de 70 mil entre Lisboa e a capital da Roménia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Mais de uma centena de agentes de viagens experienciam o Scarlet Lady com a Mundomar Cruzeiros
Transportes
Pendular é um dos parceiros do futuro Surf Park Óbidos
Destinos
Porto entre as cidades mais baratas para uma “escapadinha” de fim de semana
Destinos
Pestana Hotel Group adquire a Quinta Perestrello na Madeira
Hotelaria
Egotravel dá pontapé de saída à operação charter de Djerba verão 2024 com serviço personalizado
Distribuição
Governo cabo-verdiano quer receber 1,2 milhões de turistas este ano
Destinos
Magnet Consolidator já disponibiliza o NDC da TAP
Distribuição
Macau regista mais de 2,6 milhões de visitantes em abril
Destinos
Vila Galé confirma início de obras no Paço Real de Caxias para junho
Hotelaria
EUA, Espanha, Japão, França, Austrália são as maiores economias turísticas do mundo
Análise
PUB
Aviação

Dubai espera bater novo recorde de passageiros no atual aeroporto

Os responsáveis pelo Dubai International Airport (DXB) esperam bater um novo recorde, com a movimentação de mais de 91 milhões de passageiros, em 2024.

Publituris

Depois de ter registado, no primeiro trimestre de 2024, mais de 23 milhões de passageiros a passarem pelo Dubai International Airport (DXB), correspondendo a um acréscimo de 8,4% face ao mesmo período de 2023, os responsáveis pela infraestrutura aeroportuária admitem bater novo recorde e chegar a mais de 91 milhões de passageiros neste ano.

Paul Griffiths, CEO dos Aeroportos do Dubai, refere, na apresentação de resultados do DXB), que “a trajetória de crescimento robusto no DXB continuou no primeiro trimestre do ano, com o hub a registar números verdadeiramente impressionantes. Graças, em parte, à proliferação de cidades que estão a ser adicionadas à nossa rede pelas nossas transportadoras Emirates e flydubai, nos últimos meses. À medida que o Dubai emerge como líder global na atração de talentos, empresas e turistas de todo o mundo, a nossa atenção continua a centrar-se na manutenção da dinâmica de crescimento e na melhoria da experiência geral no aeroporto para todos os passageiros que passam pelos nossos terminais. Com um forte início do segundo trimestre e uma perspectiva otimista para o resto do ano, revimos a nossa previsão para o ano para 91 milhões de passageiros, ultrapassando o nosso anterior recorde de tráfego anual de 89,1 milhões em 2018.”

A Índia continua a ser o principal país de destino do DXB, com o tráfego a atingir 3,1 milhões de passageiros, seguida da Arábia Saudita (2 milhões), do Reino Unido (1,5 milhões) e do Paquistão (1,1 milhões). Outros contribuintes significativos incluem os EUA (836.000), a Rússia (725.000) e a Alemanha (728.000). As principais cidades por número de passageiros incluem Londres com 961.000 passageiros, Riade (795.000) e Jeddah (669.000), seguidas de perto por Bombaim com 637.000 visitantes.

De referir que o Emirado anunciou, recentemente, que está a construir um novo terminal de passageiros no Al Maktoum International – o segundo aeroporto do Emirado, também conhecido como Dubai World Central (DWC) – à medida que o DXB se aproxima da sua capacidade total.

O novo DWC, com um investimento total de 128 mil milhões dirhams (mais de 32 mil milhões de euros), terá uma capacidade para 260 milhões de passageiros. Uma vez concluído, o aeroporto terá a maior capacidade do mundo e será cinco vezes maior do que o DXB, que atualmente ocupa o primeiro lugar no ranking mundial do tráfego internacional de passageiros.

O DXB está atualmente ligado a 256 destinos em 102 países através de 90 transportadoras internacionais. No primeiro trimestre deste ano, o aeroporto registou 109.238 movimentos de aeronaves, o que representa um aumento anual de 8,3% segundo a Dubai Airports.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Privatizar sim, mas Estado português “deve manter uma posição”, recomenda CEO da TAP

O CEO da TAP, Luís Rodrigues, admitiu ao Financial Times que no processo de privatização da TAP, o Estado deverá “manter uma posição, e que fizesse parte de todo o processo de desenvolvimento”.

Publituris

Com a decisão sobre o novo aeroporto arrumada, está em aberto a privatização da TAP Air Portugal. Ao Financial Times, Luís Rodrigues, CEO da companhia aérea, recomendou ao Governo português para “manter uma posição, e que fizesse parte de todo o processo de desenvolvimento”.

“Penso que um dia estaremos prontos para uma venda a 100%, mas vamos fazer isso passo a passo”, disse Luís Rodrigues à margem de um evento de celebração dos 75 anos do início dos voos da TAP entre Lisboa e Londres.

Dando como exemplo a necessidade de servir as regiões autónomas de Portugal, a Madeira e os Açores, o CEO da TAP admite que esta posição serviria para “para garantir que, se os atores mudarem, ninguém entra com uma agenda diferente”.

Recorde-se que, ainda no último Congresso da APAVT, em dezembro de 2023, Luís Rodrigues afirmaria que “é impensável ter uma empresa de aviação a atuar no mercado competitivo global a ser condicionada por um acionista, neste caso o acionista Estado. A forma mais óbvia e historicamente fácil de fazer isso é privatizá-la”.

Na altura, referia, igualmente, que não discutiria se a privatização deveria ser a “100% ou 80% ou se, dada a importância estratégica que tem para o país, seja o Estado a governar”. Contudo, neste último caso, o CEO da TAP considerou que é fundamental que se “criem regras que permitam que a empresa seja gerida livre dos entraves administrativos a que está sujeita no atual quadro”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair aumenta lucros para 1,92 MM€ e transporta 184 milhões de passageiros em 2024

O exercício de 2024 da Ryanair, terminado em março de 2024, foi marcado por crescimentos em todas as alíneas, desde as receitas aos lucros, passageiros, custos com combustível, etc.. Para 2025, as previsões apontam para os 200 milhões de passageiros, embora dependente das entregas dos aviões da Boeing.

Victor Jorge

A Ryanair registou, no exercício fiscal de 2024, um crescimento de 34% nos lucros, atingindo os 1,92 mil milhões de euros contra os 1,43 mil milhões de euros do ano anterior. Também as receitas cresceram, face ao exercício de 2023, totalizando, em março de 2024, 13,44 mil milhões de euros quando há um ano totalizavam 10,78 mil milhões de euros (+25%).

Em termos de aumentos, também os custos operacionais da Ryanair registaram um incremento, passando de 9,2 mil milhões de euros para 11,38 mil milhões de euros no ano fiscal que termina a 31 de março de 2024, correspondendo a uma subida de 24%.

Apesar das dificuldades em obter os aviões encomendados à Boeing, a Ryanair viu o número de passageiros passar dos 168,6 milhões, em 2023, para 183,7 milhões o que equivale a uma subida de 9%, indicando ainda a companhia lowcost que as vendas de “ancillaries” aumentaram 12% para atingir 4,3 mil milhões de euros, representando 23,40 euros por passageiros.

Do lado dos custos, destaque para o aumento de 32% no valor atribuído aos combustíveis, que representaram, no exercício de 2024, 5,14 mil milhões de euros, ou seja, mais 1,25 mil milhões que no ano anterior, indicando a Ryanair que mais de 70% das necessidades ao nível do combustível já estarão garantidas, significando isto uma poupança de 450 milhões de euros.

No que diz respeito à frota, a Ryanair refere, em comunicado, que a companhia tinha uma frota de 146 aviões B737 Gamechanger no final do ano, esperando “aumentar esta frota para 158 até ao final de julho, o que corresponde a menos 23 entregas por parte da Boeing face ao que está contratado”.

“Continuamos a trabalhar em estreita colaboração com o CEO da Boeing (Dave Calhoun), o CFO (Brian West) e a nova equipa de gestão de Seattle para melhorar a qualidade e acelerar as entregas de aviões B737”, reconhecendo a Ryanair que “continua a existir o risco de as entregas da Boeing poderem diminuir ainda mais”.

Quanto à operação para este verão de 2024, a Ryanair diz que a “a procura por viagens na Europa é forte e, apesar dos atrasos na entrega dos Boeing, iremos operar o nosso maior programa de verão de sempre com mais de 200 novas rotas (e 5 novas bases)”.

A companhia liderada por Michael O’Leary salienta, igualmente, que “a capacidade para o verão de 2024 para voos de curta distância na UE está condicionada pelo facto de as companhias aéreas concorrentes imobilizarem aviões A320 para reparação de motores P&W (estas interrupções prolongar-se-ão provavelmente até 2026) e de os fabricantes se esforçarem por recuperar as suas carteiras de entregas”.

Quanto à generalidade do mercado, a Ryanair prevê que a “consolidação das companhias aéreas europeias prossiga, com a aquisição da ITA (Itália) e da Air Europa (Espanha) a avançar e a venda da TAP (Portugal) a seguir”.

Para o exercício de 2025, a Ryanair espera aumentar o tráfego em 8%, para entre 198 e 200 milhões de passageiros, “sujeito ao regresso das entregas de Boeing aos níveis contratados antes do final do ano”.

“A nossa vantagem de custos sobre os nossos concorrentes continua a aumentar, apesar de esperarmos que os custos unitários no ano fiscal 2025 aumentem modestamente, uma vez que os custos, exceto combustível, “serão substancialmente compensados pelas nossas poupanças de hedge de combustível e pelo aumento das nossas receitas de juros”.

A companhia admite que, apesar da limitação da capacidade de voos de pequeno curso na UE, “a procura de voos no verão 2024 é positiva, com as reservas a registarem uma tendência superior à do ano passado”.

“Os preços recentes são mais baixos do que esperávamos, com o primeiro trimestre a exigir um maior estímulo dos preços do que no ano passado (em especial porque metade da Páscoa foi transferida para março e não para abril)”.

Assim, embora a estimativa seja limitada e o resultado dependa em grande medida dos preços do pico registados no verão, “continuamos cautelosamente otimistas quanto ao facto de as tarifas do verão se manterem estáveis ou ligeiramente acima do verão passado”.

O resultado final do ano fiscal de 2025 “dependerá em grande medida de se evitarem acontecimentos adversos durante o exercício, tais como guerras na Ucrânia e no Médio Oriente, perturbações extensas no controlo aéreo ou novos atrasos na entrega da Boeing”, conclui a Ryanair.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

Iberia integra novos Airbus A321XLR à frota no final do verão

Com a introdução destas aeronaves no final deste verão, a Iberia reforçará a sua rede de longo-curso. A primeira rota será operada na temporada de inverno, provavelmente, para os EUA.

Victor Jorge

No final do verão de 2024, a Iberia irá reforçar a sua frota de longo curso com a introdução dos Airbus A321XLR, admitindo que esta aeronave irá fazê-lo de forma “mais sustentável e inovadora, oferecendo a possibilidade de operar as rotas transoceânicas da companhia aérea com um avião narrow-body, ou seja, com um único corredor”.

Esta introdução dos A321XLR reforçará, segundo a Iberia, “a rede de destinos da companhia aérea com especial incidência na América, pois, para além de dispor de mais unidades com autonomia para efetuar viagens transoceânicas, o A321XLR permitirá uma utilização mais eficiente da frota, de acordo com a procura de cada um dos mercados da companhia aérea”.

Apontado como primeiro destino para a viagem de longo-curso, a Iberia indica destinos como “Washington DC e depois Boston”.

Uma das grandes novidades do A321XLR é a capacidade, como avião de um só corredor, para efetuar voos de longo curso, oferecendo ao mesmo tempo um serviço premium ao mesmo nível dos modelos de fuselagem larga como os A330 e A350 da frota da Iberia.

Este modelo terá 182 lugares dispostos em cabina Business e Económica, e incluirá várias melhorias que oferecem maior conforto aos passageiros, tais como compartimentos superiores maiores, que podem armazenar até 60 % mais malas de mão, seis estilos diferentes de iluminação da cabina e um painel inovador à entrada do avião, entre outros.

Na sua cabina Business, o A321XLR terá 14 lugares individuais à janela com acesso direto ao corredor. Além disso, os assentos oferecem o máximo conforto, com um assento “full flat” que se converte em cama, um amplo apoio de cabeça em pele, compartimentos para objetos pessoais e uma estrutura que oferece grande conforto e privacidade.

Todos os assentos Business têm um ecrã 4K individual de 18 polegadas, que oferece imagens mais nítidas e melhores tons no modo escuro. Tudo isso, acompanhado do melhor entretenimento a bordo.

Para maior conforto, cada lugar terá o seu próprio sistema de iluminação, que pode ser ajustado independentemente ao ambiente desejado, e cada lugar terá o seu número iluminado durante o modo noturno, para que possa ser mais facilmente encontrado.

Da mesma forma, o Airbus A321XLR terá 168 lugares na cabine Económica com o último modelo Recaro, o CL3810, que evoluiu a partir dos assentos dos atuais aviões de longo curso, com uma reclinação de quatro polegadas e apoios de cabeça em pele. Os assentos terão dois bolsos adicionais para guardar objetos pessoais.

Todas as cabinas do novo A321XLR oferecerão aos passageiros a possibilidade de trazerem os seus próprios auscultadores e de os ligarem através de Bluetooth. Além disso, dispõem de portas de carregamento USB tipo A e C melhoradas, enquanto os tabuleiros dos assentos permitem que os clientes coloquem os seus próprios dispositivos eletrónicos para poderem utilizá-los de forma mais confortável.

Como referido, o primeiro A321XLR deverá integrar a frota da Iberia após o verão, altura em que, juntamente com os sete aviões adicionais deste modelo que a Iberia receberá nos meses seguintes, permitirá à companhia aérea continuar a expandir a sua rede de destinos de longo curso, bem como aumentar a capacidade nas cidades para onde voa atualmente.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

Johan Lundgren deixa liderança da easyJet em 2025

Johan Lundgren, CEO da easyJet será substituído por Kenton Jarvis à frente da companhia aérea easyJet a partir de 2025.

Publituris

O Conselho de Administração easyJet anunciou, recentemente, a substituição do atual CEO, Johan Jundgren, por Kenton Jarvis à frente da liderança da companhia aérea, a partir de 2025.

CEO da easyJet desde dezembro de 2017, Johan Lundgren conduziu a companhia, segundo salienta Chester Hester, chairman da easyJet, “através dos imensos desafios do período COVID e estabelecendo uma estratégia clara e um plano de execução sólido, conquistando clientes, acionistas e os nossos colaboradores”.

Já Kenton Jarvis está na companhia desde 2021, ocupando o cargo de CFO, cargo esse que manterá durante o período de transição e até ser encontrado um sucessor.

Lundgren refere que “há ainda coisas importantes a realizar durante o resto do ano, mas quando chegar a altura, deixarei a easyJet com um grande sentido de lealdade e de orgulho pelos progressos realizados e pelo potencial que a empresa tem para o futuro”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet favorável a novo aeroporto em Lisboa, mas atual precisa de responder a necessidades

A companhia aérea britânica easyJet vê com bons olhos a construção de um novo aeroporto em Lisboa, mas o presidente executivo, Johan Lundgren, defendeu que antes é preciso garantir que o aeroporto atual responde às necessidades.

Publituris

“Somos favoráveis à construção de aeroportos e [aumento de] capacidade. Mesmo que este seja um aeroporto que só vai estar pronto em 2030, segundo os planos, estamos positivos porque estamos muito comprometidos com Portugal, é um mercado muito importante para nós e queremos continuar o nosso crescimento” no país, afirmou à agência Lusa, durante uma conferência telefónica sobre os resultados do primeiro semestre de 2024.

O responsável vincou ser importante, em Portugal ou em qualquer outro país, “que se concentre em primeiro lugar e sobretudo na resiliência, na própria infraestrutura, para garantir que consegue responder à capacidade e à procura”.

Lundgren referiu que o aeroporto na capital portuguesa apresentou “dificuldades nesse aspeto”.

“A nossa mensagem para todos os aeroportos é que se foquem na infraestrutura existente e garantam que essa melhore antes de pensar em crescimento”, vincou.

O presidente executivo da easyJet alargou esta mensagem para além de Portugal, lamentando que “não é garantido que todos os aeroportos europeus atualmente” conseguem responder ao nível de capacidade e de passageiros existente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Governo cabo-verdiano espera estabilizar transportes aéreos interilhas até final do ano

O Primeiro-Ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva estima para “até o final do ano” ter a estabilização do setor dos transportes aéreos interilhas, após a saída da BestFly das operações no país, e anunciou que a criação da nova companhia aérea, de capitais públicos, vai permitir ter aviões adaptados à realidade nacional, com sistemas de subvenção e de compensação.

Publituris

O importante, de acordo com o chefe do Governo cabo-verdiano, “é garantirmos transporte, que não haja rotura, haja continuidade e crescimento”, realçou, citado pela imprensa local.

Neste momento, a TACV está a garantir a mobilidade, mas o Governo mantém a sua aposta na criação de uma nova empresa de capitais públicos, uma “solução mais estruturante, mais durável e sustentável”, sublinhou Ulisses Correia e Silva, reiterando que o governo vai avançar com o serviço público de concessão de operações que contempla a subvenção e compensação para as ilhas com menor fluxo de passageiros, mas “têm que ter ligações”.

A TACV deve receber novos aviões para aumentar a frota atualmente com 2 ATR. Neste sentido, indicou que está em estudo a introdução de um aparelho “mais ajustado” à dimensão de ilhas como São Nicolau, Maio e Boavista.

Quanto a transportes marítimos, o modelo vigente “está a dar respostas”, embora reconheça que precisa de ajustes.

O chefe do Governo refere que transportes aéreos e marítimos interilhas são áreas de soberania, onde não pode haver falhas ou descontinuidades.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

ERT de Lisboa congratula-se sobre a localização do NAL, mas considera obras no AHD “essenciais”

Depois de conhecida a decisão do Governo relativamente à localização do Novo Aeroporto de Lisboa, a ERT de Lisboa congratula a mesma, mas adverte para as obras no AHD que considera “essenciais”.

Publituris

A Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa (ERT-RL) congratulou a decisão célere do Governo que confirmou a escolha de Alcochete para a localização do aeroporto internacional de Lisboa, bem como o avanço das obras de expansão do Aeroporto Humberto Delgado.

“Foi com grande agrado que recebemos a notícia de uma decisão final sobre a localização do novo aeroporto”, refere Carla Salsinha, presidente da ERT-TL. “Mais do que o local escolhido, a ERT-RL sempre ressalvou a importância da celeridade neste processo para o desenvolvimento do país e do setor do turismo em particular”.

Contudo, a presidente da ERT de Lisboa ressalva o “tempo previsto para a construção da nova infraestrutura”, considerando as obras de expansão no Aeroporto Humberto Delgado “essenciais para o país, de forma a evitar criar constrangimentos para o turismo”, acrescenta.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Aviação

NAV avança com reestruturação do espaço aéreo da Área Terminal de Lisboa

O “Point Merge System” entra em funcionamento esta madrugada e traz novo modelo de sequenciação de chegadas, com perfis de descida contínua, com a reestruturação a passar, também, pela criação de novas rotas mais otimizadas de entrada e saída das aeronaves, aproveitando zonas negociadas com Força Aérea.

Publituris

A NAV Portugal lança esta madrugada (de quarta para quinta-feira) o “Point Merge System (PMS), um novo modelo de sequenciação de chegadas à Área Terminal de Lisboa, e que vai trazer uma maior flexibilidade e previsibilidade na gestão do tráfego em toda a região.

Além do novo sistema de sequenciação, as alterações que são implementadas passam ainda pelo redesenho completo das rotas de entrada e saída das aeronaves do espaço aéreo de Lisboa. Esta é considerada “a maior reestruturação de sempre do céu de Lisboa”.

Com o lançamento do PMS, resultado de uma parceria com o Eurocontrol, a NAV vai substituir os tradicionais modelos de sequenciação de chegadas, onde as trajetórias vão aumentando de acordo com a necessidade de atraso, por uma sequenciação linear, assente em dois arcos cujos pontos são equidistantes do aeroporto, independentemente do local do arco em que cada avião se encontre.

Pedro Ângelo, presidente do Conselho de Administração da NAV Portugal, avança que “o Point Merge System” vai permitir que os fluxos de tráfego com origem ou destino ao aeroporto de Lisboa sejam geridos de forma mais otimizada, mais previsível e mais precisa, o que irá induzir maior segurança às operações”.

Esta mudança de paradigma avança depois da constatação de que os atuais níveis de tráfego tornaram o modelo tradicional de sequenciação de chegadas desajustado, obrigando ao recurso cada vez mais frequente a adaptações de rotas e a padrões de espera circulares, de modo a se conseguir gerir todo o fluxo de chegadas. Estas adaptações levam a sequenciações de chegada de perfis incertos e inconstantes e, logo, mais exigentes em termos ambientais, além de terem uma maior carga de trabalho associada tanto para o controlo de tráfego aéreo, como para tripulações.

Já com o “Point Merge System” será possível oferecer uma gestão mais intuitiva, sequencial, previsível e adaptada aos níveis de tráfego atuais e aos previstos a médio-prazo. Com o lançamento deste modelo de sequenciação a NAV Portugal vai oferecer às aeronaves na Área Terminal de Lisboa perfis de descida otimizados e contínuos, a velocidades controladas e sem patamares intermédios, acabando com o cenário onde os padrões circulares surgem como resposta recorrente. Com este passo, será possível ter uma maior previsibilidade em termos de hora de chegada e de distâncias a percorrer pelas aeronaves, além de uma maior otimização da gestão de combustível, velocidade e altitude. O lançamento do PMS vai também afastar as “zonas de espera” iniciais das aeronaves das regiões mais populosas da região de Lisboa, colocando estas zonas a uma altitude mais elevada, reduzindo o impacto visual e sonoro do sistema como um todo.

Reorganização do espaço aéreo e novas rotas
A implementação do “Point Merge System” na Área Terminal de Lisboa tornou-se possível depois de um acordo entre a NAV Portugal e a Força Aérea Portuguesa para a cedência de parte do espaço aéreo militar de Monte Real e de Sintra para o tráfego civil.

Com esta abertura de mais espaço na região de Lisboa para tráfego civil, foi possível à NAV avançar com o redesenho completo das rotas pré-definidas que os aviões devem seguir antes de aterrar ou depois de descolar da região.

Entre as principais alterações efetuadas a estas rotas, destaque para a criação de rotas de saída do Aeroporto Humberto Delgado para Oeste, o que faz com que as aeronaves que se dirijam para esses destinos possam virar diretamente logo após descolar, sem mais delongas, e também a criação de uma segunda rota de saída para as aeronaves com destino para a Europa, que passam agora a ter à disposição duas rotas de saída segregadas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

As reações: CTP congratula-se com decisão. ANA reitera compromisso. Centro quer mais e melhores acessibilidades

As reações ao anúncio do primeiro-ministro, Luís Montenegro, relativamente à localização do Novo Aeroporto de Lisboa não se fizeram esperar. Aqui ficam as da CTP, ANA e Turismo do Centro.

Victor Jorge

Depois de os vários partidos políticos tomarem, desde logo, posição relativamente ao que foi anunciado por Luís Montenegro, também a VINCI, através da ANA – Aeroportos de Portugal, veio afirmar, em comunicado, “reitera o seu compromisso com o desenvolvimento do setor aeroportuário nacional em benefício do turismo e da economia e está inteiramente disponível para trabalhar, no imediato, nas soluções apresentadas pelo Governo”.

Desta forma, a ANA – Aeroportos de Portugal “vai dar seguimento ao processo de desenvolvimento desta decisão, nos termos do Contrato de Concessão”, que inclui “o aumento da capacidade do atual Aeroporto Humberto Delgado (AHD), até à entrada em funcionamento da nova infraestrutura, que visa continuar a desenvolver a conetividade aérea de Lisboa”, pode ler-se na nota.

Do lado da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), esta “saúda a decisão anunciada pelo Governo”, lembrando que a construção de um novo aeroporto na região de Lisboa tem sido “uma exigência da CTP nos últimos anos”.

Francisco Calheiros, presidente da CTP, contudo, adianta: “só espero que esta seja uma decisão definitiva e que não venha a ser colocada em causa por outros Governos, algo a que infelizmente já assistimos nos últimos anos”.

Embora admita que o anúncio sobre a decisão da localização do novo aeroporto seja “uma boa notícia”, a CTP não deixa de referir que a solução escolhida assenta numa infraestrutura “inexistente”, pelo que tudo aponta que Portugal “ainda tenha de esperar mais do que uma década para ter um novo aeroporto a funcionar em pleno”.

Quanto às obras no Aeroporto Humberto Delgado para aumento da capacidade de resposta, Francisco Calheiros salienta que a CTP necessita de ter “mais detalhes sobre esta decisão”.

O presidente da CTP questiona, no entanto, as obras agora anunciadas para o AHD: “sempre se afirmou que não era possível aumentar a capacidade do atual aeroporto de Lisboa. Se afinal tal é possível, porque não se fez antes? Nesta altura já poderíamos ter aumentado os slots disponíveis e o movimento de passageiros, bem assim como receita entretanto perdida”, conclui.

Na região Centro, que viu o Aeroporto de Santarém cair por terra, a Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal considera que” o Centro de Portugal e todos os que vivem nesta região – a maior do país – têm razões legítimas para se sentirem apreensivos”.

Assim, admitindo que “tem múltiplas razões de queixa a nível das acessibilidades”, os responsáveis da região consideram ser “fundamental que se encare com seriedade esta questão para o desenvolvimento do Centro de Portugal, em todas as áreas de atividade – no turismo, de forma evidente, mas também na indústria, na agricultura e em tantas outras”.

“Um aeroporto que, além de Lisboa, servisse os interesses do resto do país, como era a opção Santarém, teria sido mais adequado para a coesão territorial”, referem os responsáveis da Turismo do Centro de Portugal, lembrando que “vão continuar a ser a única região do país que não é servida por um aeroporto”.

Com 100 municípios, com grande parte deles no interior, a Turismo do Centro considera que a região é “mal servida por ferrovia”, apontando as obras da Linha da Beira Alta que se “eternizaram”.

Na rede viária, é assinalada a “prioridade” para se avançar com a transformação do IP3 em autoestrada, assim como executar o prometido IC31, entre a A23 e Espanha, via Monfortinho, entre outras obras, além de uma não-menos expansão das infraestruturas de carregamento para veículos elétricos e aumento da oferta de transporte público na região.

“São investimentos prioritários e que o país precisa de realizar, sob pena de as assimetrias regionais se agravarem”, concluindo os responsáveis da Turismo do Centro que “quem aqui vive, trabalha ou visita, não merece menos do que isto”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.