Edição digital
Assine já
PUB
Alojamento

Península Ibérica, Polónia e Alemanha lideram indústria hoteleira europeia

Com performances negativas estiveram as cidades italianas, francesas e belgas, estas últimas motivadas pelo ambiente de insegurança motivado pelos ataques terroristas de que foram alvo.

Raquel Relvas Neto
Alojamento

Península Ibérica, Polónia e Alemanha lideram indústria hoteleira europeia

Com performances negativas estiveram as cidades italianas, francesas e belgas, estas últimas motivadas pelo ambiente de insegurança motivado pelos ataques terroristas de que foram alvo.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos

 

Nos primeiros nove meses de 2016, a indústria hoteleira na Europa tem registado um crescimento tímido nos vários indicadores. Segundo o último relatório do Observatório de Destinos Europeus da European Cities Marketing com a MKG Hospitality, no período em questão, o RevPAR apresentou um ligeiro crescimento de 0,4% em relação ao mesmo período de 2015. No que diz respeito à Taxa de Ocupação, esta desceu um pouco (-0,5%). Contudo, o Average cresceu 1,1%.

Globalmente, o crescimento tem sido “tímido”, mas “permite ao continente europeu publicar resultados que são geralmente positivos, graças à península Ibérica, Polónia e Alemanha, em particular”, conclui o relatório.

Varsóvia registou um RevPAR de 8,9%, justificado pela organização da cimeira da NATO em Julho, POLMUN e Codemotion em Setembro.

Na Península Ibérica, as chegadas de turistas continuam a crescer sob o efeito, diz o relatório, da dinâmica interna (contexto económico melhorado) e do desvio de visitantes de destinos do Mediterrâneo afectados por ataques terroristas nos últimos meses (Turquia, Riviera Francesa, Egipto e Magreb…). Todas as cidades em Espanha (14,2%) e Portugal (8,7%), ganharam um forte crescimento do RevPAR, por exemplo, Madrid registou um aumento neste indicador de 8,1%, Barcelona e Bilbau em 12%, San Sebastian 17,6% e Lisboa 3,8%.

A Alemanha, por sua vez, segue uma tendência positiva de crescimento, + 4,5% do RevPAR. No entanto, apesar de uma forte actividade comercial, Berlim, Colónia, Dresden e Frankfurt estão a seguir uma tendência de decrescimento, enquanto Düsseldorf, Nuremberg e Leipzig registaram um aumento de 18,7%, 17,9% e 9,6%, respectivamente.

Com performances negativas estiveram as cidades francesas, italianas e belgas. Itália (-4,5%), registou uma queda no seu RevPAR em relação a 2015, quando a actividade foi sustentada pela Expo Milão e pela Bienal de Veneza. Estas duas cidades registaram, respectivamente, uma queda do RevPAR de 17,8% e 7,5%.

A Bélgica registou uma quebra nas suas performances hoteleiras, com o RevPAR a cair 14,8%. Bruxelas caiu 22,1%, principalmente devido a uma queda de 15,9 pontos na Taxa de Ocupação, após os ataques em Março. O RevPAR em Antuérpia caiu 7,8% e 2,9% em Ghent.

A França conheceu uma redução do RevPAR de 5,8%, impulsionada pelos dois fortes pólos turísticos (Paris e Nice) que tiveram, respectivamente, uma queda de 8,9 e 4,4 pontos na Taxa de Ocupação em relação ao ano passado. “O contexto de insegurança que invadiu a Bélgica e França desde os ataques continua a prejudicar as chegadas de turistas”, indica o relatório.

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos
PUB

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP

Fonte do grupo Air France-KLM garante que o grupo de aviação continua “muito interessado” na aquisição da TAP, negando as recentes notícias que davam conta de uma desistência devido à instabilidade política em Portugal.

Publituris

O Grupo Air France-KLM continua a acompanhar a privatização e está “muito interessado” na compra da TAP, garantiu fonte do grupo de aviação à agência EFE.

O grupo Air France-KLM está a acompanhar a situação em Portugal. Como já dissemos, estamos muito interessados no projeto de privatização da TAP e aguardamos os próximos passos”, disse à EFE fonte da empresa.

A fonte da Air France-KLM garante que o grupo de aviação não desistiu da compra da transportadora aérea nacional, negando assim notícias recentes que davam conta a desistência do negócio, devido à instabilidade política em Portugal.

Recorde-se que o processo de privatização da TAP foi suspenso devido à convocação de eleições antecipadas, devido à queda do XXIII Governo Constitucional, na sequência da demissão do primeiro-ministro António Costa.

No entanto, o programa do novo governo, liderado por Luís Montenegro, prevê que o “processo de privatização do capital social da TAP” seja relançado, ainda que sem avançar quaisquer prazos.

Além da Air France-KLM, também a Lufthansa e o Grupo IAG, que detém a British Airways e a Iberia, manifestaram interesse na aquisição da TAP.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Image by Freepik

Destinos

Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024

Depois de ter crescido 7%, em 2023, face ao ano anterior, para atingir 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), o WTTC prevê que o mercado das viagens e turismo nos EUA deverá subir 6,7% para 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros).

Victor Jorge

As estimativas avançadas, recentemente, pelo World Travel & Tourism Council (WTTC), para o setor das viagens e turismo nos Estados Unidos da América (EUA) apontam para um crescimento, ultrapassando os números pré-pandémicos de 2019.

Assim, no Economic Impact Research (EIR), o WTTC prevê que o setor das viagens e turismo nos EUA atinja 2,51 biliões de dólares (cerca de 2,34 biliões de euros), correspondendo a uma subida de 6,7% face a 2023 e mais 11,4% relativamente ao ano de 2019.

Este valor faz com que o contributo do setor das viagens e turismo nos EUA para a economia global do país atinja os 9%.

Já no que diz respeito ao emprego, as estimativas apontam para 18,8 milhões de pessoas a trabalhar no setor, o que equivale a 11,6% do mercado, ou seja, uma em cada nove pessoas estará a desenvolver a sua atividade laboral nas viagens e turismo.

Estes números fazem com que o emprego no setor aumente 4,2%, face a 2023, e mais 4,2% relativamente a 2019.

Mas as perspetivas para o setor das viagens e turismo nos EUA para o futuro também são promissoras, já que apontam para 3,1 biliões de dólares de valor (cerca de 2,9 biliões de euros), em 2034, o que equivale dizer que o setor aumentará o seu peso no Produto Interno Bruto (PIB) norte-americano em 9,5%, mais do que os 8,9% de 2019.

Também no emprego, o setor registará um aumento, antevendo-se que, em 2034, seja 20,95 milhões os norte-americanos a trabalhar nas viagens e turismo, equivalendo a 12,5% de toda a força de trabalho nos EUA, criando, comprando 2024 com 2034, a criação de 2,16 milhões de novos empregos.

Um ano de recuperação
Os números referentes a 2023 ditam uma recuperação do setor das viagens e turismo nos EUA, com uma subida de 7% face a 2022 (+4,4% relativamente a 2019) para atingir os 2,36 biliões de dólares (cerca de 2,2 biliões de euros), fazendo com que este setor pese 8,6% no PIB norte-americano.

No emprego, também os números mostram uma recuperação, com 18,03 milhões de pessoas a trabalhar no setor, representando 11,2% da força laboral do país, correspondendo a uma subida de 3,8% face a 2022 e mais 3,6% relativamente a 2019.

Quanto aos gastos dos visitantes, o EIR do WTTC mostra, contudo, que estes ainda não atingiram valores de 2019. Se no ano antes da pandemia, os gastos de visitantes internacionais totalizaram mais de 212 mil milhões de dólares (cerca de 198 mil milhões de euros), correspondendo a 7,1% do total das exportações, em 2023, esses gastos atingiram 156,1 mil milhões de dólares (pouco mais de 145 mil milhões de euros), ou seja, uma subida de 31,6% face a 2022, mas menos 26,4% relativamente a 2019.

A linha de evolução para 2024 estima uma subida para 191,6 mil milhões de dólares (cerca de 178,5 mil milhões de euros) nos gastos de visitantes internacionais, mais 22,7% face a 2023, ficando ainda 9,7% abaixo de 2019.

Já para 2034, o EIR do WTTC prevê que os gastos dos visitantes internacionais ultrapassem já os de 2019, totalizando 286,2 mil milhões de dólares (cerca de 267 mil milhões de euros), representando uma subida média anual, entre 2024 e 2034, de 6,4%.

Nos gastos domésticos realizados pelos turistas, se em 2019 estes totalizavam 1,25 biliões de dólares (cerca de 1,16 biliões de euros), em 2023 regista-se uma subida de 4,2% face a 2022 e de 9,3% relativamente a 2019.

Para o atual ano de 2024, as previsões apontam para que os gastos feitos pelos turistas domésticos totalizem 1,43 biliões de dólares (cerca de 1,33 biliões de euros), significando uma subida de 4,1% face a 2023 e mais 13,8% relativamente a 2019.

Dentro de 10 anos, ou seja, em 2034, os gastos domésticos feitos pelos turistas domésticos deverão atingir 1,78 biliões de dólares (cerca de 1,66 biliões de euros), representando uma subida média, entre 2024 e 2034, de 2,2%.

México como destino preferido
O México manteve-se como o principal destino dos norte-americanos, embora baixando 1 ponto percentual (p.p.), caindo de 29%, em 2019, para 28%, em 2023. Também o Canadá viu o número de americanos a viajar para o país, representando 12%, em 2023, quando, em 2019, era de 12%.

No pódio dos destinos outbound houve, contudo, uma alteração, já que a França, em 3.º lugar, em 2019, caiu para 4.º lugar, trocando com o Reino Unido, representando ambos os países 4%, em 2023. Por último, em 5.º lugar surge, em 2023, a Espanha, com 3%, lugar que, em 2019, era ocupado por Itália.

Recorde-se que, em 2023, Portugal registou mais de 2 milhões de hóspedes provenientes dos EUA, correspondendo a uma subida de quase 500 mil face a 2022.

Já no que diz respeito às dormidas, foram mais de 4 milhões registadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), mais 1,2 milhões dormidas que em 2022.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá

Com estas ações, que arrancam na próxima semana, o Turismo do Algarve pretende “dar a conhecer a diversidade e a autenticidade da oferta do maior destino turístico português, onde os visitantes provenientes dos EUA têm apresentado um peso crescente”. 

Publituris

O Turismo do Algarve vai realizar, este ano, um total de 15 ações para estimular o fluxo de turistas provenientes da América do Norte, num calendário de iniciativas que arranca na próxima semana, com um evento que vai reunir dezenas de operadores turísticos norte-americanos.

De acordo com um comunicado do Turismo do Algarve, o objetivo é “dar a conhecer a diversidade e a autenticidade da oferta do maior destino turístico português, onde os visitantes provenientes dos EUA têm apresentado um peso crescente”.

O primeiro evento, acrescenta o Turismo do Algarve, será apenas o início de “um conjunto de ações inserido numa estratégia específica para os mercados dos Estados Unidos e do Canadá, de forma a potencializar os benefícios do aumento do número de voos que ligam o destino a estes mercados”.

“No total, virão a Portugal conhecer o Algarve cerca de 200 norte-americanos de várias proveniências geográficas”, refere o comunicado divulgado, explicando que as visitas ao Algarve vão acontecer enquanto “visitas de campo com operadores turísticos, jornalistas e influencers daquele país”.

O Turismo do Algarve acredita que será possível aumentar ainda mais o fluxo de turistas provenientes daqueles países, até porque, em 2023, só os turistas provenientes dos EUA foram responsáveis por 480 mil dormidas no destino, num aumento de 24,1% face a 2022 e um crescimento de 70,3% em relação a 2019.

O Turismo do Algarve diz que também em número de hóspedes, em 2023, foi atingido um valor próximo dos 180 mil, mais 27,3% do que em 2022 e mais 68% em comparação com 2019.

“Os EUA são já o sétimo mercado externo com mais peso na região. Os visitantes deste país, conjuntamente com os do Canadá, procuram, e encontram, no Algarve, alguns dos melhores campos de golfe e praias da Europa, no ponto mais ocidental do nosso continente, a menos de sete horas de viagem da costa leste daqueles países. As ações desenvolvidas pelo Turismo do Algarve visam acentuar a notoriedade do destino nas suas muitas valências apreciadas nos EUA e Canadá”, explica André Gomes, presidente do Turismo do Algarve.

Devido à importância que estes turistas têm vindo a ganhar na região, o Turismo do Algarve incluiu o reforço da organização de ações promocionais junto deste mercado, durante os próximos meses, no seu plano estratégico, de forma a incentivar “um maior número de visitas à região e um importante contributo para assegurar a viabilização e até o prolongamento de futuras rotas”.

O objetivo era aproveitar o início dos voos da United Airlines para Faro, que entretanto foi adiado para 2025, mas esse adiamento não levou à alteração dos planos do Turismo do Algarve, até por a canadiana Air Transat procedeu a um aumento de frequências para Faro, registando-se ainda um “crescimento da procura por ligações indiretas ao Algarve”.

“O plano que desenvolvemos previa, obviamente, uma série de ações em torno do lançamento da rota da United Airlines com destino a Faro, mas não se esgota aí. Esta alteração de planos não condiciona a nossa estratégia de captação de turistas provenientes dos EUA. Há uma série de outras oportunidades que estamos a explorar e que terão igualmente impacto junto desse mercado”, acrescenta André Gomes, garantindo que a United Airlines continua entusiasmada por “adicionar o Algarve ao seu portefólio de destinos”, ainda que só no próximo ano.

O adiamento da abertura da nova rota da United Airlines levou também à alteração de “várias ações associadas ao lançamento” desta rota, que deviam acontecer entre abril e maio, mas que foram adiadas para o final do ano.

“Entre estas iniciativas, encontra-se o lançamento de uma campanha digital de promoção do destino e a organização de diversas visitas de imprensa direcionadas a jornalistas de publicações de referência. Esta iniciativa será agora encetada numa fase próxima à inauguração da rota Newark-Faro, reagendada para 2025”, refere ainda o Turismo do Algarve.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”

Esta formação destina-se a guias turísticos não credenciados, no âmbito do programa Formação + Próxima, e decorre em alinhamento com a estratégia de sustentabilidade da Câmara Municipal do Porto, que visa a descentralização dos fluxos turísticos.

Publituris

O programa de formação para guias turísticos no âmbito do programa municipal “Confiança Porto” – Passeios Turísticos Pedestres arrancou esta quarta-feira, 10 de abril, avança o portal Porto.pt.

Desenvolvida em parceria com a Escola de Turismo do Porto, esta formação destina-se a guias turísticos não credenciados, no âmbito do programa Formação + Próxima, e decorre em alinhamento com a estratégia de sustentabilidade estabelecida pela Câmara Municipal do Porto, que visa a descentralização dos fluxos turísticos em zonas de maior pressão da cidade.

Segundo a informação avançada pelo website Porto.pt, esta formação assume-se como um instrumento de transmissão para dar a conhecer aos formandos novas narrativas da cidade em zonas menos conhecidas, como a Marginal, a Boavista, a Foz e o Bonfim, na zona Oriental.

“Os guias de turismo possuem um papel de extrema relevância na disseminação da história do Porto e na descentralização dos fluxos dos visitantes para várias zonas da cidade, que merecem, igualmente, ser conhecidas”, afirmou Catarina Santos Cunha, vereadora do Turismo da Câmara Municipal do Porto, durante o arranque da formação.

De acordo com a governante municipal, a formação, que é ministrada por um especialista na área, vai contribuir para “qualificar e certificar a oferta e contribuir para acrescentar valor à experiência turística” na cidade.

A primeira sessão, decorrida em contexto de sala, foi dedicada à evolução urbana do Porto e ao Centro Histórico e vai servir de mote às próximas três sessões de visitas técnicas pelo território, designadamente a Zona Oriental – “Entre a Batalha e a Estação de Campanhã”, a zona de Miguel Bombarda – “O Bairro das Artes” e por fim a Zona Ocidental – “O espaço urbano de São João da Foz”.

Recorde-se que o programa “Confiança Porto” – Passeios Turísticos Pedestres, está a ser implementado desde 2022, visa contribuir para qualificar a oferta turística ao nível dos conteúdos a transmitir aos turistas e organizar a distribuição espacial pelo território dos grupos participantes dos passeios turísticos pedestres.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Iberojet, Conversas com o Presidente (Sintra), Viagem à Turquia e Turismo Desportivo na edição 1509 do Publituris

Para esta edição, o jornal Publituris entrevistou António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Além disso, falámos com Diamantino Martins, viajámos até à Turquia, conversámos com Basílio Horta, e dedicamos o dossier ao Turismo Desportivo.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com a entrevista a António Loureiro, diretor-geral da Iberojet em Portugal. Tendo assumido, recentemente, a liderança da companhia aérea do Grupo Ávoris, António Loureiro referiu ao Publituris que o objetivo é “ajudar o mercado português”, mas acima de tudo, “consolidar” a presença e tornar a companhia “mais visível”.

Desbravar destinos para levar aos clientes é o que faz Diamantino Martins, profissional de turismo há vários anos e que fundou a empresa Polis que acabaria, há 10 anos, por vender apenas a área de viagens à Top Atlântico, ficando ligado ao grupo na qualidade de consultor. Além de continuar com a parte dos eventos e algum incomig da Polis, o gosto pelo bem receber levou Diamantino Martins a abraçar um outro projeto, agora no Alentejo que vai ocupar algum tempo, admitindo que “tinha o sonho de um dia ter um hotel, pequenino, mais boutique”.

Nas “Conversas com o Presidente”, o jornal Publituris falou com Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra. Para o autarca que se encontra no segundo e último mandato, “o turismo tem duas vertentes indissociáveis: a económica e a cultural”. EM qualquer uma, segundo Basílio Horta, “só poderá haver um vencedor: Portugal”.

Nas “Capas que fazem História”, no âmbito das comemorações dos 50 anos do 25 de abril de 1974, trazemos os principais destaques da edição de 15 de abril, ou seja, a última antes da data da revolução.

A viagem realizada à Turquia, a convite da Solférias, permitiu perceber que há muitas “Turquias” numa só. De resto, os agentes de viagens que participaram na famtrip à Turquia ficaram surpreendidos pela positiva com o destino, tendo, inclusivamente, feito diversas recomendações que passam pela visita em circuito pelas diferentes cidades repletas de história e cultura, à incontornável Capadócia, constatando, contudo, que em termos de praias, pelo menos em Antalya, e apesar dos empreendimentos turísticos serem de elevadíssima qualidade, não correspondem àquilo que um bom português gosta.

O “Dossier” desta edição destaca o Turismo Desportivo, ou melhor, a realização de grandes eventos desportivos e a captação de equipas e seleções para efetuarem estágios e preparações que é vista como uma nova forma de dinamizar o turismo global. Segundo os profissionais ouvidos, Portugal tem excelentes condições para o efeito, mas falta promover o destino para jogar neste campeonato.

Além do Pulse Report da guestcentric, numa colaboração com o Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Silvana Pombo (Highgate Portugal), Bonifácio Rodrigues (professor investigador), Nuno Couceiro (Ameno), e Joaquim Robalo de Almeida (ARAC).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

12.ª Expo Internacional de Turismo de Macau aguarda operadores de todo o mundo para explorar oportunidades de negócios

12.ª Expo Internacional de Turismo (Indústria) de Macau, que se celebra no ano do 25º aniversário do 25.º Aniversário do Estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM), realiza-se de 26 a 28 de abril na Cotai Expo, do The Venetian Macao, sob o slogan “Encontro na MITE: Descoberta, Intercâmbio, Interação!”, foi revelado em conferência de imprensa.

Publituris

Com uma escala maior e sete grandes destaques para criar mais oportunidades de negócio, a edição deste ano da Expo de Turismo de Macau acolherá operadores de turismo e sectores relacionados de todo o mundo.

No seu discurso na conferência de imprensa para apresentar a 12.ª Expo de Turismo e o conteúdo do programa de atividades, a diretora da Direção dos Serviços de Turismo de Macau (DST), Maria Helena de Senna Fernandes, revelou que “por ocasião do 25.º aniversário do estabelecimento da Região Administrativa Especial de Macau, a dimensão da Expo de Turismo irá aumentar de dois para três pavilhões em relação à edição anterior, para uma área de exposição de 30 mil metros quadrados. O horário de abertura diário prolonga-se por mais uma hora, em comparação com o ano passado, para receber mais operadores e compradores de todo o mundo”. Considerando que entre junho e agosto, é uma época alta para o turismo, a Expo de Turismo “terá lugar em abril de cada ano, permitindo aos expositores de todo o mundo aproveitar as oportunidades antes das férias de verão, a fim de gerar mais a eficácia para a sua participação na Expo de Turismo”, realçou a diretora da DST, para apontar, conforme avança notícia publicada na página oficial do Governo de Macau “espera-se que, em conjunto com os parceiros da indústria turística de todo o mundo, avancemos para um novo patamar de benefícios mútuos e de desenvolvimento sustentável da indústria turística.”

Com o apoio do Ministério da Cultura e Turismo da China, do Gabinete de Ligação do Governo Popular Central na RAEM e do Comissariado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República Popular da China na RAEM, a 12.ª Expo de Turismo (Macao International Travel (Industry) Expo – MITE) conta com a organização da Direção dos Serviços de Turismo (DST), e a coordenação da Associação das Agências de Viagens de Macau.

A Expo de Turismo esforça-se por criar um veículo forte que reúna diferentes elementos de “turismo +”, promovendo oportunidades de cooperação em várias áreas, em articulação com a estratégia de desenvolvimento diversificado adequado “1 + 4” do Governo da RAEM, enriquecendo o conteúdo de um centro mundial de turismo e lazer. A 12.ª Expo de Turismo atraiu a participação de operadores turísticos nacionais e estrangeiros, contando, até à data, com mais de 600 expositores, cerca de 500 compradores e mais de 1.300 stands.

A área da “Zona de Exposição 1 + 4” aumentou para mais do dobro, em comparação com a edição anterior, e continua a promover o desenvolvimento das quatro principais indústrias, nomeadamente a de big health, a de finanças modernas, a de tecnologias de ponta e a de convenções, exposições, comércio, cultura e desporto.

Para promover e concretizar a elevação da qualidade e o alargamento da dimensão da Expo de Turismo, foi aumentada a sua eficácia em três aspetos. A área de exposição aumentou mais de 30% em relação à edição anterior, permitindo um acréscimo em mais de 50% do número de stands, o horário de funcionamento foi prolongado para satisfazer as necessidades diversificadas do mercado e, de acordo com as características do público e procura na compra da edição anterior, foi instalada uma zona de exposição dos produtos turísticos da “Rua de Macau”, reunindo operadores turísticos com vários descontos promocionais, com vista a dinamizar o consumo no evento.

Durante a Expo de Turismo deste ano, serão realizados mais de 40 seminários de promoção de produtos e destinos turísticos, fóruns e atividades, para continuar a trazer aos residentes e visitantes as informações e produtos turísticos mais recentes de Macau e do resto do mundo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Indústria europeia de viagens e turismo une-se para combater as mudanças climáticas

Representantes de várias associações europeias do setor das viagens e turismo, reunidos em Rodes, na Grécia, assinaram uma declaração destinada a combater as alterações climáticas na indústria.

Publituris

Apoiada por destacadas organizações europeias ​​como A4E, ACI Europe, CLIA, ECTAA, EEIA, ERA, HOTREC, IAAPA, IRU e Ruraltour, a declaração conjunta realça o compromisso de tomar medidas decisivas para práticas sustentáveis ​​em viagens e turismo.

“A crise climática está aqui e põe-nos à prova a todos. O turismo não é exceção. Com a declaração conjunta de hoje, a indústria europeia de viagens e turismo está a embarcar num caminho sustentável para as alterações climáticas, ao mesmo tempo que apela aos decisores da UE para que ajam para ajudar o crescimento sustentável do setor, em benefício da economia e da sociedade”, considerou Alexandros Vassilikos, presidente da HOTREC, citado pela imprensa internacional.

“As alterações climáticas são uma ameaça real para o setor da hotelaria e restauração. Devemos fazer a nossa parte e trabalhar em conjunto para mitigar o impacto. A declaração de hoje mostra que a indústria europeia de viagens e turismo está empenhada e unida para agir para prevenir as alterações climáticas”, disse, por sua vez, Marie Audren, CEO da HOTREC.

A declaração serve como um guia abrangente para a colaboração, destacando a necessidade urgente de descarbonização, cooperação reforçada e envolvimento significativo com os decisores políticos. À medida que se aproximam as eleições europeias, os líderes da indústria apelam aos decisores para que deem prioridade às iniciativas de turismo sustentável e atribuam rubricas orçamentais específicas para apoiar estes esforços.

Ao nível da descarbonização, pretende-se implementar planos robustos de ação climática a nível organizacional e industrial para reduzir o impacto ambiental, enquanto firmam os compromissos para atingir as metas de descarbonização até 2050, em linha com as declarações de Glasgow e Toulouse.

Promover a consciencialização e a responsabilidade através da partilha de melhores práticas e do fornecimento de conhecimentos especializados para acelerar os esforços de descarbonização em todo o setor, bem como ajudar as pequenas e médias empresas a adaptarem-se aos desafios climáticos e a acederem a oportunidades de financiamento para iniciativas de descarbonização, e ainda apoiar iniciativas para melhorar as competências da força de trabalho e colmatar lacunas de competências sustentáveis ​​através de programas de educação e formação, são outras questões destacadas no documento final saído da reunião de Rodes.

Há igualmente o compromisso de realizar reuniões regulares para avaliar o progresso e fortalecer a colaboração entre as partes interessadas, com o objetivo de moldar um cenário regulatório favorável com os decisores políticos europeus e nacionais.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Passageiros de cruzeiros chegam aos 31,7 milhões em 2023 e ultrapassam valores pré-pandemia

Um recente relatório da CLIA – Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros prevê que os números continuem a aumentar nos próximos anos e que, até 2027, o volume global de passageiros de cruzeiros chegue aos 39,4 milhões.

Publituris

No ano passado, o volume global de passageiros de cruzeiros chegou aos 31,7 milhões, ultrapassando em 7% os números pré-pandemia, avança a CLIA – Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros.

“Os cruzeiros continuam a ser um dos setores de turismo mais resilientes e de crescimento mais rápido, recuperando mais rapidamente do que as chegadas de turistas internacionais e dando um forte contribuinte para as economias locais e nacionais”, sublinha Kelly Craighead, presidente e executivo-chefe da CLIA.

De acordo com o relatório da CLIA sobre o estado da indústria de cruzeiros em 2024, os EUA foram, no ano passado, o maior mercado emissor de cruzeiristas, com 18,1 milhões de passageiros, seguindo-se a Europa com 8,2 milhões de passageiros.

Já o Reino Unido somou 2,2 milhões de cruzeiristas, o que representa um aumento de 15% face aos 1,9 milhões de passageiros de cruzeiros que tinham sido identificados em 2019.

Em relação ao tipo de cruzeiros, o relatório da CLIA indica que foram os cruzeiros de expedição que mais cresceram entre 2019 e 2023, período durante o qual o número de passageiros que navegam nestes itinerários aumentou 71%.

Os números são positivos e assim devem continuar nos próximos anos, uma vez que a CLIA estima novos aumentos dos passageiros de cruzeiros ao longo dos próximos quatro anos, chegando aos 39,4 milhões de passageiros em 2027.

O relatório da CLIA revela também que o desejo de realizar um cruzeiro está a aumentar, uma vez que, segundo uma pesquisa de março, 82% dos inquiridos que já tinham realizado um cruzeiros disseram que gostariam de voltar a realizar uma viagem deste tipo, enquanto 71% dos viajantes internacionais disseram que estavam a pensar fazer o seu primeiro cruzeiro.

O estudo mostrou ainda que as agências de viagens continuam a ser fundamentais para a venda de cruzeiros, uma vez que 73% dos inquiridos que já realizaram cruzeiros disseram que os agentes de viagens têm um “impacto significativo” na sua decisão de fazer um cruzeiro, principalmente pelo “conhecimento e experiência” que detém neste tema.

A possibilidade de visitar vários destinos numa única viagem e a boa relação custo-benefício são, segundo este estudo, as principais vantagens dos cruzeiros apontadas pelos passageiros.

“O cruzeiro oferece o melhor valor de férias que existe, com experiências incríveis proporcionadas aos hóspedes por uma força de trabalho multinacional talentosa e dedicada de quase 300.000 profissionais marítimos”, destaca Kelly Craighead.

Tal como a procura, também a oferta vai aumentar, com a CLIA a estimar que a capacidade global de cruzeiros cresça pelo menos 10% nos próximos quatro anos, passando de um total de 677 mil camas para 745 mil em 2028, uma vez que existem planos para a chegada de, pelo menos, mais 56 navios, num investimento da indústria que chega aos 38 mil milhões de dólares.

“Com pelo menos 56 novos navios a entrar em operação entre 2024 e 2028, há vastas oportunidades para carreiras em cruzeiros, que apresentam uma impressionante taxa de retenção de funcionários de mais de 80%”, conclui o responsável da CLIA.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

A partir de 29 de junho: Vai ser possível viajar em Classe Business nos programas da Jolidey

A partir do próximo dia 29 de junho, vai ser possível viajar em Business Class nos programas do operador turístico Jolidey entre Lisboa e Punta Cana, La Romana na República Dominicana, Cancun (México), Santa Clara (Cayo Santa Maria) e Varadero em Cuba.

Publituris

Estas operações serão realizadas num dos A330-900Neo da Iberojet, companhia aérea charter do mesmo grupo, a Ávoris, que conta com cabine em classe Business com 18 lugares, permitindo uma experiência de viagem única, desenhada para oferecer comodidade aos passageiros mais exigentes.

Com uma ampla gama de serviços e comodidades exclusivas, esta classe eleva o padrão da viagem, garantindo que a mesma seja agradável desde o momento em que entra a bordo do avião até à chegada do destino final, indica o operador turístico em comunicado.

A Jolidey avança ainda que, a principal vantagem de viajar em classe business radica no espaço e na privacidade oferecida aos passageiros. Os assentos espaçosos e reclináveis permitem esticar-se e relaxar durante o voo, proporcionando um ambiente tranquilo e confortável para descansar ou trabalhar.

Os passageiros que optarem pela classe business vão contar com um conjunto de serviços personalizados, tais como check-in e embarque prioritários, lugar premium, snack frio premium (pequeno almoço quente em voos noturnos), reserva de lugar, necessaire de viagem e auriculares, duas bebidas alcoólicas a cada refeição, refrescos, água e sumos durante todo o voo, fast track (apenas disponível aeroporto de Lisboa), bem como set de manta e almofada premium, bebida de boas-vindas (sumo natural ou vinho) em voos com partida de Lisboa e sanduíche entre serviços.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

ESHTE apoia criação de escola de Turismo na Guiné-Bissau

A Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (ESHTE) vai apoiar a Guiné-Bissau na criação, na ilha de Bolama (arquipélago dos Bijagós), de uma escola de turismo.

Publituris

A anúncio foi feito pelo ministro guineense da Educação, Henri Mané, que falava em Bissau no ato da assinatura do protocolo que formaliza a parceria com a instituição portuguesa de ensino.

O ministro guineense destacou, conforme avança a Lusa, que a futura escola de turismo será em Bolama para “tirar vantagens das ilhas Bijagós”, zona de beleza rara e de vida exótica na Guiné-Bissau, lembrando ainda que “a educação é a base para o desenvolvimento e o turismo pode alavancar a nossa economia”.

Por sua vez, o presidente do Conselho de Administração da ESHTE, Carlos Brandão, que representou a instituição na cerimónia afirmou que, após a assinatura do protocolo para a criação da escola, esta poderá estar em funcionamento no prazo de um ano.

Citado pela Lusa, Carlos Brandão destacou que “o objetivo é dotar a Guiné-Bissau de um estabelecimento de ensino superior dedicado ao turismo, que, como se sabe, é um setor de banda muitíssimo larga”, realçando que tal como ajudou no crescimento da economia portuguesa, o setor do turismo também poderá contribuir para a Guiné-Bissau.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.