Edição digital
Assine já
PUB
Aviação

TAP aumenta voos para o Brasil no verão 2024

Recife e Rio de Janeiro são os destinos da TAP no Brasil que vão receber o maior aumento de oferta no próximo verão, apesar da companhia contar aumentar também os voos para São Paulo, Belém, Brasília, Natal, Maceió, Porto Alegre e Salvador, assim como para Moçambique, América do Norte e Itália.

Publituris
Aviação

TAP aumenta voos para o Brasil no verão 2024

Recife e Rio de Janeiro são os destinos da TAP no Brasil que vão receber o maior aumento de oferta no próximo verão, apesar da companhia contar aumentar também os voos para São Paulo, Belém, Brasília, Natal, Maceió, Porto Alegre e Salvador, assim como para Moçambique, América do Norte e Itália.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Negócios no turismo voltam a cair no 1.º quadrimestre de 2024
Análise
30 anos de democracia sul-africana e potencial ilimitado de África marcam arranque da Africa’s Travel Indaba 2024
Destinos
“Melhores Aldeias Turísticas” 2024 da UN Tourism recebe mais de 260 candidaturas
Destinos
“Revenue e Distribuição” em debate no Porto
Agenda
As reações: CTP congratula-se com decisão. ANA reitera compromisso. Centro quer mais e melhores acessibilidades
Aviação
NAL: Será Alcochete. Obras na Portela são para avançar, já
Aviação
Sesimbra Oceanfront Hotel espera que mercado nacional suporte 50% da ocupação
Hotelaria
Portugal regista 13,5 milhões de dormidas e 5,6 milhões de hóspedes no 1.º trimestre
Destinos
Responsáveis do Magellan 500 lembram que o projeto de Santarém “é o único que evita vultosos investimentos”
Aviação
Pinto Lopes Viagens divulga novas “Viagens com Autores”
Distribuição

A TAP vai aumentar em 11 frequências por semana o número de voos para o Brasil, que passa a contar com um total de 91 voos por semana desde Portugal, informou a companhia aérea de bandeira portuguesa, que se prepara para aumentar também a operação na América do Norte, África e Itália.

Recife e o Rio de Janeiro são os destinos no Brasil que vão receber o maior aumento de oferta da TAP, uma vez que a capital do estado de Pernambuco passa de sete para 10 voos por semana, enquanto a cidade do Rio de Janeiro vai ter mais duas ligações por semana, passando de 10 para 12 ligações semanais.

Além destas duas cidades brasileiras, a TAP vai também aumentar a operação para  São Paulo, Belém, Brasília, Natal, Maceió, Porto Alegre e Salvador, que passam a contar com mais um voo semanal de e para Portugal.

“Com 91 voos semanais no pico do verão, ligando diretamente 11 das principais capitais do Brasil a Lisboa e ao Porto, a TAP reforça a sua presença no mercado, com uma oferta superior de produtos para o cliente entre o Brasil e a Europa”, sublinha a companhia aérea de bandeira nacional, na informação divulgada.

Além do Brasil, a TAP vai também aumentar a sua operação noutros destinos, a exemplo de África, estando previsto que a capital moçambicana passe de três para quatro voos por semana no próximo verão,

Na América do Norte, a TAP vai aumentar as operações de Toronto, no Canadá, para 13 voos por semana, bem como de São Francisco, nos EUA, que passa de cinco para seis voos semanais no pico do verão.

Já na Europa, o foco do aumento de operação será Itália, com a companhia aérea a revelar que “Roma ganha mais um voo diário, o que eleva a oferta para cinco operações diárias de e para a capital italiana, totalizando 35 frequências semanais”.

Também em Itália, a companhia aérea vai igualmente aumentar a operação para Florença, conhecida como a capital do Renascimento, e que passa para oito para dez frequências semanais.

“Este desenvolvimento está planeado sem recurso a contratação externa de aeronaves e é possível após uma primeira revisão da rede e reajustes em algumas frequências atuais”, acrescenta ainda a TAP.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Negócios no turismo voltam a cair no 1.º quadrimestre de 2024
Análise
30 anos de democracia sul-africana e potencial ilimitado de África marcam arranque da Africa’s Travel Indaba 2024
Destinos
“Melhores Aldeias Turísticas” 2024 da UN Tourism recebe mais de 260 candidaturas
Destinos
“Revenue e Distribuição” em debate no Porto
Agenda
As reações: CTP congratula-se com decisão. ANA reitera compromisso. Centro quer mais e melhores acessibilidades
Aviação
NAL: Será Alcochete. Obras na Portela são para avançar, já
Aviação
Sesimbra Oceanfront Hotel espera que mercado nacional suporte 50% da ocupação
Hotelaria
Portugal regista 13,5 milhões de dormidas e 5,6 milhões de hóspedes no 1.º trimestre
Destinos
Responsáveis do Magellan 500 lembram que o projeto de Santarém “é o único que evita vultosos investimentos”
Aviação
Pinto Lopes Viagens divulga novas “Viagens com Autores”
Distribuição
PUB
Análise

Negócios no turismo voltam a cair no 1.º quadrimestre de 2024

De acordo com os dados avançados pela GlobalData, os negócios no setor das viagens e turismo continua em baixa nos primeiros quatro meses deste ano.

A atividade de negócios do setor das viagens e turismo caiu 13,5% em janeiro-abril de 2024, face a igual período de 2023, avançam os dados da GlobalData.

O setor das viagens e turismo registou 217 negócios – fusões e aquisições (M&A), private equity e negócios de financiamento de risco – durante janeiro-abril de 2024, em comparação com o anúncio de 251 negócios durante o mesmo período do ano anterior.

Aurojyoti Bose, analista principal da GlobalData, salienta que a atividade de negócios no setor das viagens e turismo permaneceu “moderada”, devido às condições de mercado “incertas e às tensões geopolíticas em curso”, destacando o facto de “várias economias importantes, incluindo os EUA e a China, terem registado um declínio anual no volume de negócios”.

A análise da GlobalData revela que o número de negócios anunciados nos EUA e na China diminuiu 26,4% e 57,1% durante janeiro-abril de 2024 em comparação com o mesmo período de 2023. Outros mercados importantes, como França, Japão e Itália, também registaram um declínio anual no volume de negócios. Já o volume de negócios para o Reino Unido, Coreia do Sul e Espanha permaneceu o mesmo.

De resto, de acordo com os dados da consultora, a maioria das regiões registou uma atividade de negócios moderada. O volume de negócios na América do Norte, Ásia-Pacífico, Médio Oriente e África e América do Sul e Central registou um declínio, enquanto na Europa se manteve praticamente inalterado.

Bose conclui que se assinalou uma “situação mista para diferentes tipos de negócios, com as fusões e aquisições a registarem um declínio, enquanto o volume de negócios de private equity apresentou melhorias durante janeiro-abril de 2024.”

Assim, o número de fusões e aquisições e de financiamento de risco diminuiu 9,4% e 31,7%, respetivamente, durante janeiro-abril de 2024 em comparação com janeiro-abril de 2023, enquanto o volume de negócios de private equity cresceu 37,5%.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

30 anos de democracia sul-africana e potencial ilimitado de África marcam arranque da Africa’s Travel Indaba 2024

A Africa’s Travel Indaba arrancou esta terça-feira, 14 de maio, em Durban, assinalando os 30 anos da democracia sul-africana e invocando o potencial ilimitado que o continente africano oferece ao turismo, sob o tema “Unlimited Africa”.

A ministra do Turismo da África do Sul, Patricia De Lille, inaugurou esta terça-feira, 14 de maio, a edição de 2024 da Africa’s Travel Indaba, uma das maiores feiras de turismo africanas e que este ano celebra os 30 anos da democracia sul-africana, assim como o potencial ilimitado que o continente africano oferece ao turismo, sob o tema “Unlimited Africa”.

A governante sul-africana, que começou por elogiar a cidade de Durban, em cujo Centro Internacional de Convenções Inkosi Albert Luthuli decorre mais uma edição da feira, lembrou que esta edição da Africa’s Travel Indaba acontece “num ano em que a África do Sul celebra 30 anos de liberdade e democracia”.

“Em todo o nosso belo país há muitas viagens ao longo da história que podemos fazer e precisamos que essas viagens sejam comercializadas de forma mais agressiva junto dos nossos visitantes, especialmente neste momento em que celebramos 30 anos de democracia”, afirmou Patricia De Lille, depois de nomear alguns dos locais de interesse turístico associados à luta contra o Apartheid que podem ser visitados por todo o país.

Segundo a governante, que pretende diversificar a oferta turística sul-africana, o turismo ligado à luta contra o Apartheid vem apenas demonstrar que, na África do Sul, as “possibilidades são ilimitadas” para o setor do turismo.

Tal como a África do Sul, também o continente africano tem, segundo Patricia De Lille, um vasto potencial turístico, algo que fica refletido no tema escolhido, este ano, para a feira de turismo de Durban, “Unlimited Africa”.

“O nosso potencial é ilimitado porque o nosso continente possui diversas paisagens, culturas e experiências que oferecem possibilidades ilimitadas de exploração e crescimento”, acrescentou a ministra do Turismo da África do Sul.

O potencial turístico africano volta a estar, este ano, em exposição na Africa’s Travel Indaba, que conta com a participação de 26 países africanos, incluindo a estreia do Burkina Faso, Eritreia e Guiné, numa lista de participantes ainda composta por Angola, Botswana, Costa do Marfim, República Democrática do Congo, Essuatíni, Etiópia, Gana, Quénia, Lesoto, Madagáscar, Malawi, Mauritânia, Maurícias, Moçambique, Namíbia, Ruanda, Senegal, África do Sul, Tanzânia, Togo, Uganda, Zanzibar e Zimbabué.

“Estes países representam um total de 344 produtos que serão apresentados, o que representa um aumento de 14% em comparação com os 301 produtos do ano passado”, congratulou-se ainda a governante.

A Africa’s Travel Indaba pretende ainda afirmar-se como um espaço de negócio e, este ano, conta com a participação de 1.200 expositores e 1.100 buyers provenientes de 55 países, incluindo dois de Portugal –  a Pinto Lopes Viagens e a Quadrante – o que, segundo Patricia De Lille, prova que esta é uma “feira verdadeiramente global”.

“Estamos confiantes de que a Africa’s Travel Indaba continuará a ser um ambiente fértil para fechar negócios que promovam parcerias e impulsionem o crescimento”, afirmou ainda a governante.

A Africa’s Travel Indaba 2024 decorre até quinta-feira, 16 de maio, em Durban.

*O Publituris viajou a convite do Turismo da África do Sul.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

“Melhores Aldeias Turísticas” 2024 da UN Tourism recebe mais de 260 candidaturas

A 4.ª edição das “Melhores Aldeias Turísticas” da UN Tourism recebeu um número recorde de candidaturas.

Mais de 260 aldeias de mais de 60 países, representando as cinco regiões do mundo candidataram-se à edição de 2024 das “Melhores Aldeias Turísticas” da UN Tourism 2024, correspondendo ao maior volume de candidaturas jamais recebido nas últimas quatro edições.

As candidaturas para a 4.ª edição das “Melhores Aldeias Turísticas” encerraram a 8 de maio. “Com base no sucesso das edições anteriores, a iniciativa deste ano voltará a inspirar as comunidades de todo o mundo a aproveitarem o poder do turismo como motor do desenvolvimento rural e do bem-estar”, salienta a organização.

Os Estados-Membros da UN Tourism foram convidados a apresentar um máximo de oito aldeias candidatas através das suas Entidades Nacionais de Turismo.

Tal como nas edições anteriores, as aldeias serão avaliadas por um Conselho Consultivo externo independente em domínios de avaliação como: Recursos culturais e naturais; Promoção e conservação dos recursos culturais; Sustentabilidade Económica; Sustentabilidade Social; Sustentabilidade ambiental; Desenvolvimento do turismo e integração da cadeia de valor; Governação e Priorização do Turismo; Infra-estruturas e conectividade; Saúde, segurança e proteção.

Os nomes das aldeias candidatas ainda não foram divulgados, sendo que as aldeias reconhecidas como as “Melhores Aldeias Turísticas”, bem como as selecionadas para participar no programa de atualização (Upgrade) serão anuncias no quarto trimestre deste ano.

Na edição de 2023, foram quatro as aldeias premiadas: Ericeira, Manteigas, Sortelha e Vila da Madalena, com Vila de Frades a ser selecionada para o “Upgrade Programme”.

Esta rede da UN Tourism inclui 129 aldeias reconhecidas como “Melhores Aldeias Turísticas” e 57 que participam ativamente no “Upgrade Programme”, representando 55 países, considerando a organização que se trata de “um agrupamento global único de comunidades locais que serve de plataforma para a partilha de experiências, o aumento do conhecimento e a promoção de parcerias para impulsionar o desenvolvimento rural através do turismo”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agenda

“Revenue e Distribuição” em debate no Porto

A cidade do Porto recebe, no próximo dia 27 de maio, um evento com o tema: “Revenue e Distribuição. Desafios do presente serão oportunidades no futuro?”.

A Climber RMS, a Mirai, a RM HUB e a SiteMinder vão organizar, no dia 27 de maio, no Porto, um evento dedicado ao tema “Revenue e Distribuição. Desafios do presente serão oportunidades no futuro?”.

O The Lodge Porto Hotel é o espaço escolhido para este encontro, que pretende explorar alguns dos desafios mais estruturantes nas áreas da receita e distribuição e como os mesmos podem estar a delinear novas tendências para o futuro da nossa indústria.

O evento contará com a presença do convidado Pedro Faria, Diretor de Performance Iberia da IHG e ainda com João Gameiro (diretor de Vendas, Climber RMS), Carla Costa (Senior Account Manager, Mirai), Pedro Mendes (Operations Manager, RM HUB) Edgar Foz (Business Development Manager, SiteMinder).

O evento terá início às 15h00 e término as 17h30, num ambiente descontraído, potenciando o networking e o espírito de partilha entre todos os convidados.

A participação é gratuita e com lugares limitados, pelo que os interessados devem garantir o seu lugar através de inscrição no website oficial do evento.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

As reações: CTP congratula-se com decisão. ANA reitera compromisso. Centro quer mais e melhores acessibilidades

As reações ao anúncio do primeiro-ministro, Luís Montenegro, relativamente à localização do Novo Aeroporto de Lisboa não se fizeram esperar. Aqui ficam as da CTP, ANA e Turismo do Centro.

Victor Jorge

Depois de os vários partidos políticos tomarem, desde logo, posição relativamente ao que foi anunciado por Luís Montenegro, também a VINCI, através da ANA – Aeroportos de Portugal, veio afirmar, em comunicado, “reitera o seu compromisso com o desenvolvimento do setor aeroportuário nacional em benefício do turismo e da economia e está inteiramente disponível para trabalhar, no imediato, nas soluções apresentadas pelo Governo”.

Desta forma, a ANA – Aeroportos de Portugal “vai dar seguimento ao processo de desenvolvimento desta decisão, nos termos do Contrato de Concessão”, que inclui “o aumento da capacidade do atual Aeroporto Humberto Delgado (AHD), até à entrada em funcionamento da nova infraestrutura, que visa continuar a desenvolver a conetividade aérea de Lisboa”, pode ler-se na nota.

Do lado da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), esta “saúda a decisão anunciada pelo Governo”, lembrando que a construção de um novo aeroporto na região de Lisboa tem sido “uma exigência da CTP nos últimos anos”.

Francisco Calheiros, presidente da CTP, contudo, adianta: “só espero que esta seja uma decisão definitiva e que não venha a ser colocada em causa por outros Governos, algo a que infelizmente já assistimos nos últimos anos”.

Embora admita que o anúncio sobre a decisão da localização do novo aeroporto seja “uma boa notícia”, a CTP não deixa de referir que a solução escolhida assenta numa infraestrutura “inexistente”, pelo que tudo aponta que Portugal “ainda tenha de esperar mais do que uma década para ter um novo aeroporto a funcionar em pleno”.

Quanto às obras no Aeroporto Humberto Delgado para aumento da capacidade de resposta, Francisco Calheiros salienta que a CTP necessita de ter “mais detalhes sobre esta decisão”.

O presidente da CTP questiona, no entanto, as obras agora anunciadas para o AHD: “sempre se afirmou que não era possível aumentar a capacidade do atual aeroporto de Lisboa. Se afinal tal é possível, porque não se fez antes? Nesta altura já poderíamos ter aumentado os slots disponíveis e o movimento de passageiros, bem assim como receita entretanto perdida”, conclui.

Na região Centro, que viu o Aeroporto de Santarém cair por terra, a Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal considera que” o Centro de Portugal e todos os que vivem nesta região – a maior do país – têm razões legítimas para se sentirem apreensivos”.

Assim, admitindo que “tem múltiplas razões de queixa a nível das acessibilidades”, os responsáveis da região consideram ser “fundamental que se encare com seriedade esta questão para o desenvolvimento do Centro de Portugal, em todas as áreas de atividade – no turismo, de forma evidente, mas também na indústria, na agricultura e em tantas outras”.

“Um aeroporto que, além de Lisboa, servisse os interesses do resto do país, como era a opção Santarém, teria sido mais adequado para a coesão territorial”, referem os responsáveis da Turismo do Centro de Portugal, lembrando que “vão continuar a ser a única região do país que não é servida por um aeroporto”.

Com 100 municípios, com grande parte deles no interior, a Turismo do Centro considera que a região é “mal servida por ferrovia”, apontando as obras da Linha da Beira Alta que se “eternizaram”.

Na rede viária, é assinalada a “prioridade” para se avançar com a transformação do IP3 em autoestrada, assim como executar o prometido IC31, entre a A23 e Espanha, via Monfortinho, entre outras obras, além de uma não-menos expansão das infraestruturas de carregamento para veículos elétricos e aumento da oferta de transporte público na região.

“São investimentos prioritários e que o país precisa de realizar, sob pena de as assimetrias regionais se agravarem”, concluindo os responsáveis da Turismo do Centro que “quem aqui vive, trabalha ou visita, não merece menos do que isto”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

NAL: Será Alcochete. Obras na Portela são para avançar, já

Depois de 50 anos de espera, um histórico “jamais” à Margem Sul, depois de ter sido anunciado pelo ex-ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, de várias opiniões, avanços e recuos, depois de uma CTI, eis que o primeiro-ministro, Luís Montenegro, anuncia Alcochete como localização para o Novo Aeroporto de Lisboa. Entretanto, avançam obras na Portela. Mas há pormenores que ficam ainda por explicar, principalmente, relativamente ao preço e ao pagador.

Victor Jorge

O Conselho de Ministros decidiu e o primeiro-ministro, Luís Montenegro, anunciou: a localização para o Novo Aeroporto de Lisboa (NAL) é no Campo de Tiro de Alcochete, mantendo-se, temporariamente, o Aeroporto Humberto Delgado. Isto com capacidade aumentada até que o “Aeroporto Luís de Camões”, nome avançado pelo próprio Luís Montenegro, esteja operacional.

Depois de mais de 50 anos de espera, a opção do Governo passa por um aeroporto único, quando estiver completamente construído e operacional, devendo, segundo a comunicação do Governo, “ser concebido para poder expandir-se (acomodando a procura a longo-prazo), estimulando economias de aglomeração e integrado com outros projetos de acessibilidade”.

A opção por um único aeroporto, avançada, de resto, pela Comissão Técnica Independente (CTI), permite “mitigar o impacto ambiental e social na região de Lisboa”, uma vez que a solução de dois aeroportos, afirma o Governo, “duplica os efeitos ambientais negativos e a solução única se localiza em zonas com baixa densidade populacional”. De resto, segundo as contas feitas e apresentadas pelo Governo, “Lisboa é a 2ª capital europeia com mais habitantes expostos a ruído aeronáutico”.

Esta escolha permite ainda acomodar os planos de expansão da TAP, cujas projeções preliminares são de “190-250 aeronaves em 2050”, prevendo-se que o NAL atue, no futuro, como “catalisador da atividade económica da zona do Arco Ribeirinho Sul, devido à intermodalidade entre aeroporto, ferrovia e rodovia com acesso a Sines (desenvolvendo o hub logístico nacional)”.

2 pistas = 6,1 milhões de euros
A nível de dimensão da nova infraestrutura aeroportuária, as recomendações, alinhadas com Contrato de Concessão do Aeroporto Humberto Delgado (AHD), apontam para um modelo de base assente em “duas pistas (com capacidade para 90 a 95 movimentos por hora) e possibilidade de expansão até quatro pistas, para uma estimativa de tráfego de passageiros que possa ultrapassar os 100 milhões em 2050”.

Outra das questões levantadas de imediato, até mesmo antes do anúncio de Luís Montenegro, prende-se com os custos desta obra. Segundo contas realizadas pelo Governo, “o custo total para duas pistas é de 3.231 milhões de euros”, para a primeira pista, e mais “2.874 milhões de euros, para a segunda pista”, o que totaliza a obra, para duas pistas, em 6.105 milhões de euros.

Além dos custos da obra que esperava decisão há mais de 50 anos, o fator tempo também foi alvo de análise de horas de emissão nos vários canais de televisão, imprensa e sites noticiosos, avançando o Governo com o ano de 2030 para que a primeira pista esteja terminada, sendo que a segunda entraria em funcionamento um ano depois, o que faz com que, num prazo de sete anos, o NAL teria as duas pistas construídas.

E se o fator preço e tempo estiveram em destaque, também a relação com a concessionária – VINCI – é preciso ter em conta, com o Governo a revelar que “está a negociar com concessionária para abreviar os prazos para a ANA concorrer ao novo aeroporto, como está previsto no contrato de concessão”.

Entretanto e não menos importante, enquanto o NAL estiver em construção, há um aeroporto (deficitário) em operação e a necessitar de obras urgentes. Assim, o Governo promete “promover o aumento da capacidade no Aeroporto Humberto Delgado (AHD) para atingir 45 movimentos por hora (atualmente não vai além dos 38) e investimentos nos terminais e acessibilidades, de acordo com o contrato de concessão da ANA”.

Reconhecendo que o AHD está em situação de “congestionamento operacional”, encontrando-se desde 2018 acima dos limites definidos pela Organização Internacional da Aviação Civil (ICAO, na sigla inglesa), os dados indicam que a complexidade das operações resulta em “atrasos e baixas classificações em avaliações de serviço ao passageiro”, indicando os questionários de qualidade de serviço de 2023 uma pontuação de 3,5 em 5, com a taxa de pontualidade à partida a ser de apenas 52,2% em 2022, e o AHD a ocupar a 19.ª posição no ranking de conectividade direta em 20 aeroportos, segundo dados da ACI de 2023. .

Por isso, justifica o Governo, “é imperativo dar resposta à crescente procura a curto prazo, cujas projeções apontam para o máximo de 39 milhões de passageiros em 2030” e de “49 milhões para 2040”.

Assim, o Plano de Investimentos faseado, segundo o previsto na RCM n.º 201/2023, de 28 de dezembro, indicam “investimentos necessários nas pistas, taxiways, placa de estacionamento, etc., investimentos nos terminais existentes e novos terminais, acessibilidades, e outros que melhorem a qualidade do serviço no AHD”.

Também está previsto “desenvolvimento, pela NAV de um plano de expansão do espaço aéreo de Lisboa, que considere a implementação do sistema ‘Point Merge’ e ‘TOPSKY’; um estudo de alternativas para maximizar a utilização do espaço do Aeródromo de Trânsito nº 1 (Figo Maduro), através da ANAC, em colaboração com o Ministério da Defesa Nacional”.

Para “controlar” tudo isto será constituído um Grupo de Acompanhamento para o processo de expansão de capacidade do AHD que será liderado por um membro do Governo da área governativa das Infraestruturas, além de ser composto por representantes das várias entidades envolvidas no processo, nomeadamente ANA, NAV e ANAC.

É com base nesta “elevada variabilidade nas projeções de tráfego para cenário base apresentadas por várias entidades – cenários otimistas e conservadores adicionam incerteza na evolução da procura” que o Governo adverte para o facto de ser “essencial criar uma estratégia que permita acomodar a evolução da procura de forma a acomodar os vários cenários”, sendo que, em todo caso, é considerado que “a operação do AHD está muito acima do nível indicado para aeroporto ‘single runway’”.

Outro dos fatores que pesaram nesta decisão prenderam-se com o facto de o novo aeroporto localizar-se “inteiramente em terrenos públicos”, dispor de Declaração de Impacte Ambiental (embora atualmente caducada), apresentar maior proximidade ao centro de Lisboa e ter maior proximidade às principais vias rodoviárias e ferroviárias.

Além de um novo aeroporto, Alta Velocidade e nova travessia
Finalmente, o projeto está integrado com as Linhas de Alta Velocidade ferroviária (LAV), permitindo ao AHD capturar passageiros das rotas aéreas subjacentes e melhorar o acesso ao Aeroporto Francisco Sá Carneiro como aeroporto preferencial para passageiros na região Centro.

Possuindo como fundamentos a “descarbonização dos transportes, transferência modal para modos de transporte energeticamente eficientes, desenvolvimento económico, a coesão territorial e social, impulsionar de forma decisiva o setor ferroviário, cumprir o PNI 2030, bem como do Plano de Trabalho do Corredor Atlântico”.

O objetivo passará por oferecer uma alternativa de transporte ferroviária competitiva, estabelecendo como objetivo tempos de percurso de 1h15 para Porto-Lisboa; 50 minutos para Porto-Vigo, e três horas para o trajeto Lisboa-Madrid.

Além da promessa de uma nova infraestrutura aeroportuária, o desenvolvimento da Linha de Alta Velocidade Ferroviária, também uma nova travessia sobre o rio Tejo foi anunciada, permitindo “libertar os constrangimentos de capacidade da infraestrutura ferroviária nas ligações a sul; aumentar a competitividade dos serviços ferroviários entre Lisboa e a região sul, Alentejo e Algarve, com redução de cerca de 30 minutos face aos percursos atuais, bem como aumento da frequência dos serviços”, além de ser considerada “essencial no âmbito das acessibilidades ao Novo Aeroporto de Lisboa”.

Assim, além da Ponte 25 de Abril, da Ponte Vasco da Gama, a solução rodoferroviária do Eixo Chelas-Barreiro ainda está sob avaliação.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Hotelaria

Sesimbra Oceanfront Hotel espera que mercado nacional suporte 50% da ocupação

O antigo Sesimbra Hotel & Spa abriu oficialmente portas como Sesimbra Oceanfront Hotel pelas mãos da Highgate, que investiu mais de um milhão de euros em renovações no hotel e fê-lo subir ao patamar das cinco estrelas. Agora, a expectativa é a de que o hotel capte o mercado nacional, além do norte-americano.

Carla Nunes

Esta terça-feira, 14 de maio, a Highgate inaugurou oficialmente o Sesimbra Oceanfront Hotel, após investir mais de um milhão de euros na renovação da unidade hoteleira, dentro do pacote de 51 milhões de euros que tem previsto investir em renovações nos hotéis sob a sua alçada.

Agora, a perspectiva do diretor-geral da unidade, Tiago Féteira Rodrigues, é a de que o mercado nacional suporte 50% da ocupação do Sesimbra Oceanfront Hotel, com o mercado norte-americano a liderar nos mercados internacionais.

A renovação do hotel, que começou em novembro do ano passado e terminou no final de janeiro deste ano, visou os 92 quartos das alas norte e sul do hotel, mas também a zona de receção e de restaurante, uma mudança acompanhada por um novo conceito de Food & Beverage (F&B) desenhado por Bruno Rocha, responsável pelo desenvolvimento de conceitos de restauração da Highgate.

Após esta renovação, o hotel transitou para as cinco estrelas, tornando-se assim a primeira unidade hoteleira deste segmento em Sesimbra.

Receção do Sesimbra Oceanfront Hotel | Créditos: DR

No entanto, o capítulo de remodelações ainda não terminou. Até ao final de maio, a Highgate espera ter concluída a renovação do spa do Sesimbra Oceanfront Hotel, que contará com sauna, banho turco, hidromassagem vertical e piscina interior, além de um ginásio separado da área de spa. Já até ao final do ano, o hotel deverá fazer uma intervenção da fachada, através da pintura de paredes, polimento dos corrimões e tratamento da pedra exterior, além de um novo sistema “anti-gaivotas”.

Das renovações já terminadas, visíveis na inauguração oficial do hotel, destaque para os quartos, onde os anteriores tons de bordô e cinzento deram lugar ao azul, sendo que as casas de banho passaram a contar com duches ao invés de banheiras e amenities de refill em vez de unidoses – ora da L’Occitane, no caso dos quartos deluxe, ora da Bvlgari, nas suites.

Quarto do Sesimbra Oceanfront Hotel | Créditos: DR

Já na área de restauração, cuja chefia está a cargo de Vera Silva – que após sete anos transita do Palácio do Governador – o destaque vai para o restaurante Mar Luso e o Poké Bar. Aqui, o objetivo da Highgate passou por criar novos conceitos, neste caso inspirados numa figura da região, o navegador Sebastião Rodrigues Soromenho, que no século XVI navegou de Acapulco a Manila, passando por Califórnia, São Francisco e México. Através dessas viagens, Bruno Rocha bebeu inspiração para criar uma oferta de F&B onde a cozinha da América Central é cruzada com os produtos locais no restaurante Mar Luso. Já no Poké Bar, o destaque vai para refeições ligeiras, no conceito culinário havaiano poke.

“A renovação não foi só trocar móveis e decoração, esta pretendeu reposicionar o hotel. Reclassificámos o hotel para fazer dele o primeiro hotel de cinco estrelas de Sesimbra e também para criar novos conceitos no restaurante e no bar. Não queremos só atrair turistas, queremos atrair turistas e mostrar-lhes o que é Sesimbra”, declarou Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal, durante a cerimónia de inauguração.

Restaurante Mar Luso | Créditos: DR

Preço será ajustado para criar diferenciação

Com a passagem do hotel para o segmento cinco estrelas, Tiago Féteira Rodrigues, o mais recente diretor-geral da unidade, admite que ainda há “muitos desafios” pela frente, uma vez que “o mindset cinco estrelas não aparece com uma quinta estrela na parede”.

Em entrevista aos jornalistas, o diretor-geral aponta para a necessidade de continuar a apostar em “mercados para a época baixa”, indicando que, neste caso, “o mercado nacional é importante porque vai suportar 50% da nossa ocupação”.

No entanto, Tiago Féteira Rodrigues não coloca de parte o mercado internacional, sobretudo o norte-americano – com o Sesimbra Oceanfront Hotel a constar numa plataforma da Prefered Hotel and Resorts – mas também o mercado do norte da Europa, como o dinamarquês, finlandês, sueco, alemão. Como refere, “é este [último] mercado que procura o sul da Europa em época baixa”.

“Apontamos muito para o mercado internacional, sobretudo o americano, porque sabemos que tem uma capacidade de investimento brutal e que muitas vezes acaba por ser simpático para as equipas nesta questão de gratificar no final do serviço”, afirma o diretor hoteleiro.

Nas perspectivas de ocupação, Tiago Féteira Rodrigues afirma que, “claramente”, nos meses de junho, julho, agosto e setembro “Sesimbra vende-se por si só”, antecipando uma ocupação “a rondar os 85% a 90%”. Aqui, a perspetiva é a de “equilibrar a balança para conseguir prestar um bom serviço sem a necessidade do red line dos 100%”.

“Percebendo que a partir de setembro, outubro e novembro a procura vai reduzir, sabemos que aos fins-de-semana, com bom tempo, Sesimbra vai estar cheio. Mas aí temos de ser mais realistas e perceber que as taxas de ocupação à ronda dos 50% a 55% serão o mais correto”, explica Tiago Féteira Rodrigues.

Poké Bar do Sesimbra Oceanfront Hotel | Créditos: DR

Por enquanto, os preços ainda não estão ajustados ao novo segmento do hotel, uma vez que “o cinco estrelas só foi anunciado agora”. No entanto, o diretor-geral do Sesimbra Oceanfront Hotel aponta já para a necessidade de a unidade hoteleira se diferenciar “dos restantes hotéis da região, como o SANA, o FourPoints, o Hotel do Mar”. Como afirma, “continuam a ser excelentes hotéis, mas nós como cinco estrelas temos de ir a um patamar acima”.

“Esta notícia do cinco estrelas foi maravilhosa para a vila, porque aí [os restantes hotéis] também vão conseguir reposicionar o preço e subir o seu ADR”, termina.

Leia também:
Highgate Portugal investe 51,5M€ em rebrandig e posicionamento dos hotéis que gere
Sesimbra Hotel & Spa contrata novo diretor
Highgate Portugal investe 1M€ no 5 estrelas Sesimbra Oceanfront Hotel

Sobre o autorCarla Nunes

Carla Nunes

Mais artigos
Destinos

Portugal regista 13,5 milhões de dormidas e 5,6 milhões de hóspedes no 1.º trimestre

Os números da atividade turística, em Portugal, continuam a subir. Prova disso são os números de março e dos primeiros três meses de 2024.

Publituris

No terceiro mês de 2024, Portugal registou 2,3 milhões de hóspedes e 5,7 milhões de dormidas, gerando 405,8 milhões de euros de proveitos totais e 303,3 milhões de euros de proveitos de aposento. Isto equivale dizer que nos hóspedes a evolução, face a igual período de 2023, foi de 12,2%, enquanto nas dormidas foi de +12,8%. Já nos proveitos totais e nos aposentos, as subidas foram de 20,1% e 21,1%, respetivamente.

Considerando a generalidade dos meios de alojamento (estabelecimentos de alojamento turístico, campismo e colónias de férias e pousadas da juventude), os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para 2,4 milhões de hóspedes e 6,1 milhões de dormidas, em março, correspondendo a crescimentos de 12,2% e 12,9%, respetivamente. As dormidas de residentes aumentaram 10,9% e as de não residentes cresceram 13,8%.

De acordo com os dados do INE, “estes resultados foram influenciados pela estrutura móvel do calendário, ou seja, pelo efeito do período de férias associado à Páscoa, que este ano se repartiu entre março e abril, enquanto no ano anterior se concentrou apenas em abril”.

No 1º trimestre de 2024, as dormidas atingiram 13,5 milhões e registaram um crescimento de 7,1% (+3,9% nos residentes e +8,7% nos não residentes), a que corresponderam aumentos de 15% nos proveitos totais e de 15,2% nos de aposento.

Nestes primeiros três meses, os proveitos totais atingiram 912,7 milhões de euros e os relativos a aposento ascenderam a 670,5 milhões de euros.

Lisboa lidera e Lagoa destaca-se
Do total de 5,7 milhões de dormidas nos estabelecimentos de alojamento turístico, 61,7% concentraram-se nos 10 municípios com maior número de dormidas em março.

O município de Lisboa concentrou 23,2% do total de dormidas, atingindo 1,3 milhões (+8,8%, após +8,2% em fevereiro), com o contributo das dormidas de não residentes (+11,1%), dado que as dormidas de residentes decresceram 3,4%. Este município concentrou 27,9% do total de dormidas de não residentes em março.

O Funchal foi o segundo município em que se registaram mais dormidas (515,3 mil dormidas, peso de 9%), tendo sido, entre os principais, o que registou um crescimento mais modesto (+2,8%, após +4,4% em fevereiro). Para este crescimento, contribuíram as dormidas de não residentes (+6,2%), dado que as dormidas de residentes diminuíram 14,7%.

No Porto, as dormidas totalizaram 486 mil (8,5% do total), acelerando para um crescimento de 14,6% (+1,2% nos residentes e +17,5% nos não residentes).

Considerando os 10 municípios com maior número de dormidas em março, em todos eles as dormidas de não residentes superaram as dos residentes.

Lagoa destacou-se entre os 10 principais municípios, apresentando um crescimento de 45,6%, com contributos expressivos das dormidas de residentes (+35,8%) e de não residentes (+47,5%). O município de Portimão registou um crescimento de 19,8%, apresentando evoluções das dormidas de residentes e de não residentes superiores à média nacional (+14,1% e +21,3%, respetivamente).

Neste grupo, há ainda a registar decréscimos nas dormidas de residentes em Ponta Delgada (-5,8%) e Cascais (-3,2%). Em sentido contrário, Albufeira destacou-se pelo crescimento expressivo das dormidas de residentes (+37,4%).

A Grande Lisboa foi a região que mais contribuiu para a globalidade dos proveitos (36% dos proveitos totais e 38,2% dos proveitos de aposento), seguida do Algarve (18,4% e 17,1%, respetivamente) e do Norte (15,8% e 16,2%, pela mesma ordem).

Todas as regiões registaram crescimentos nos proveitos, com os maiores aumentos a ocorrerem no Centro (+37,4% nos proveitos totais e +34,8% nos de aposento), no Alentejo (+33% e +32,2%, respetivamente) e no Oeste e Vale do Tejo (+28,9% e +30,4%, pela mesma ordem).

Em março, registaram-se crescimentos dos proveitos nos três segmentos de alojamento. Na hotelaria, os proveitos totais e de aposento (pesos de 87,3% e 85,4% no total do alojamento turístico, respetivamente) aumentaram 19,3% e 20,5%, pela mesma ordem.

Nos estabelecimentos de alojamento local, registaram-se aumentos de 21,1% nos proveitos totais e 19,2% nos proveitos de aposento (quotas de 9,3% e 11,1%, respetivamente).

No turismo no espaço rural e de habitação (representatividade de 3,4% nos proveitos totais e de 3,5% nos de aposento), os aumentos foram mais expressivos, atingindo 39,0% e 45,7%, respetivamente.

RevPAR em alta
No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) atingiu 50,1 euros em março, registando um aumento de 15,2% face ao mesmo mês de 2023 (+4,7% em fevereiro).

Os valores de RevPAR mais elevados foram registados na Grande Lisboa (90,6 euros) e na RA Madeira (71,9 euros), tendo os maiores crescimentos ocorrido no Centro (+28,3%), no Alentejo (+26,4%) e no Oeste e Vale do Tejo (+23,1%).

Em março, este indicador cresceu 16,9% na hotelaria (+5,7% em fevereiro) e 32,2% no turismo no espaço rural e de habitação (+8,7% em fevereiro). No alojamento local, registou-se um crescimento mais modesto, de 5,1% (-1,0% em fevereiro).

No conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 96,9 euros (+11,7%, acelerando 5,6 pontos percentuais (p.p.) face a fevereiro).

A Grande Lisboa destacou-se com o valor mais elevado de ADR (129,5 euros), seguida pela RA Madeira (97,1 euros). Todas as regiões registaram crescimentos neste indicador, com os maiores aumentos a ocorrerem na Península de Setúbal (+16,6 %), no Centro (+15,6%) e no Algarve (+15,4%).

Em março, o ADR cresceu 12,6% na hotelaria (+6,6% em fevereiro), 5,3% no alojamento local (+2,0% em fevereiro) e 14,7% no turismo no espaço rural e de habitação (+9,2% em fevereiro).

No 1º trimestre de 2024, o RevPAR atingiu 39,8 euros (+9,0%) e o ADR 89,1 euros (+8,9%). Os valores de ADR mais elevados no 1º trimestre verificaram-se na AM Lisboa (116,1 euros) e na RA Madeira (89,8 euros). Os maiores aumentos registaram-se no Algarve (+13,6%), na Península de Setúbal (+11,2%) e no Centro (+10,1%).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Responsáveis do Magellan 500 lembram que o projeto de Santarém “é o único que evita vultosos investimentos”

Mesmo antes do primeiro-ministro, Luís Montenegro anunciar ao país a decisão relativamente à localização do novo aeroporto que servirá a Área Metropolitana de Lisboa, os responsáveis do Magellan 500 lembraram que o projeto “foi concebido sem fundos públicos”.

Victor Jorge

Conhecida que foi a localização para a nova infraestrutura aeroportuária para a Área Metropolitana de Lisboa (AML), mesmo antes do anúncio do primeiro-ministro, Luís Montenegro, os responsáveis pelo projeto de Santarém reafirmaram-se “disponíveis e a trabalhar no sentido de proporcionar ao país uma solução para a expansão da capacidade aeroportuária, servindo a Grande Lisboa e o Centro de Portugal”.

Em nota de imprensa, os responsáveis do Magellan 500 lembraram, igualmente, que o projeto foi “concebido sem fundos públicos, quer na sua conceção quer no seu futuro desenvolvimento”, além de ser “o único que aproveita as infraestruturas de acesso ferroviárias e rodoviárias existentes e que foram construídas com muito esforço, ao longo das últimas décadas”.

Além disso, pode ainda ler-se que o Magellan 500 é “o único projeto que evita vultosos investimentos de muitos milhares de milhões de euros do Estado/contribuintes em novas infraestruturas”, tratando-se, na opinião dos seus promotores, “o único projeto que permite também ganhar tempo, tendo em conta a premência aeroportuária: evita o tempo e o esforço da construção de novas infraestruturas de acesso ferroviárias e rodoviárias”.

Recordando, também, tratar-se de um investimento “totalmente privado” que “não dependente de grandes obras públicas e que pode estar operacional em cinco anos”, os promotores do projeto de Santarém asseguram, também, que este “assegura uma efetiva escalabilidade que responde a todos os desafios futuros que possam vir a ser necessários”.

Por isso, e salientando que “o setor aeroportuário está liberalizado na União Europeia”, destacam o facto de o projeto Magellan 500 ser “o único localizado fora da atual concessão, proporcionando cenários alternativos únicos para o setor aeroportuário nacional”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

Pinto Lopes Viagens divulga novas “Viagens com Autores”

A Pinto Lopes Viagens lança cinco novas “Viagens com Autores” lideradas pela curadora e investigadora em práticas artísticas e culturais contemporâneas Helena Mendes Pereira, o crítico gastronómico Fortunato da Câmara e o artista plástico e historiador de arte Vasco Medeiros.

Publituris

Joaquim Magalhães de Castro vai liderar o circuito “Expedição aos Himalaias – Na senda dos Jesuítas Portugueses – Capítulo I”, uma viagem inédita lançada aquando dos 400 anos da Descoberta do Tibete pelo padre António de Andrade, um feito português pouco conhecido do público em geral e que será explorado neste novo circuito que decorre de 15 de setembro a 3 de outubro de 2024.

Esta expedição tem como objetivo recriar alguns dos trajetos efetuados pelos jesuítas portugueses do início do século XVII, pioneiros europeus nos Himalaias, desfrutando simultaneamente de algumas das mais belas e extraordinárias paisagens do planeta. Neste caso, a sugestão passa por seguir alguns dos passos dados pelo Padre António de Andrade, natural de Oleiros (Castelo Branco), e pelo Irmão Manuel Marques, natural de Mação (Santarém). Em 1624, eles foram os primeiros europeus a chegar ao Tibete, tendo Andrade dado notícia dessa nova realidade geográfica-cultural a todo o mundo ocidental. Nesta viagem acompanhada por Joaquim Magalhães de Castro serão recriadas algumas das etapas concretizadas por esses intrépidos mundos, a melhor forma de assinalar os 400 anos desse feito único no historial das grandes viagens da Humanidade.

A par desta novidade, a Pinto Lopes Viagens lança cinco novas “Viagens com Autores” lideradas pela curadora e investigadora em práticas artísticas e culturais contemporâneas Helena Mendes Pereira, o crítico gastronómico Fortunato da Câmara e o artista plástico e historiador de arte Vasco Medeiros, proporcionando aos viajantes diferentes experiências e formas de conhecer ou reconhecer diferentes destinos.

“Inhotim: o maior museu ao ar livre do mundo”, será o tema da viagem liderada por Helena Mendes Pereira, que decorre de 9 a 17 de novembro deste ano. O Instituto Inhotim é a sede de um dos mais importantes acervos de arte contemporânea do Brasil e considerado o maior museu a céu aberto do mundo. Um museu de arte contemporânea e Jardim Botânico com uma localização privilegiada – entre os ricos biomas da Mata Atlântica e do Cerrado, e as paisagens exuberantes ao longo dos 140 hectares, proporcionando aos visitantes uma experiência única ao misturar arte e natureza. Aproximadamente, 700 obras de mais de 60 artistas, de quase 40 países, são exibidas ao ar livre e em galerias no meio de um Jardim Botânico com mais de 4,3 mil espécies raras, provenientes de todos os continentes.

Por sua vez, a “curso de História de Arte cap. iv – a escola de Nova Iorque”, com Vasco Medeiros terá lugar de 21 a 17 de outubro. Nova Iorque e os seus museus concedem o dom do olhar absoluto sobre mais de dez séculos de história ininterrupta da arte e o vislumbre de alguns dos mais icónicos símbolos da pintura e da arquitetura do século XX.

Entre Lyon, a capital gastronómica da França, e Dijon e Beaune, cidades que pulsam no coração da Borgonha, vamos encontrar uma região onde o saber viver à francesa se traduz em grandes produtos regionais como o queijo Comté ou a Mostarda de Dijon, pratos locais que conquistaram o país e vinhos de prestígio mundial. A cozinha do chefe Paul Bocuse, figura emblemática da gastronomia francesa, surge nesta viagem ao seguirmos alguns locais e fornecedores que fizeram parte da sua rica e intensa história de vida. Vai ser possível descobrir quem foram as “Mães de Lyon” que conquistaram o Guia Michelin, e o berço da grande cozinha francesa do séc. XX que influenciou gerações de chefes. Em Dijon há uma ‘cidade’ completa dedicada à gastronomia à espera de ser explorada. Uma livraria recheada de grandes livros temáticos, aprender receitas numa das escolas francesas mais reconhecidas, e conhecer os sabores de uma região que ama a boa mesa. Lyon, Beaune e Dijon são destinos gastronómicos e de produtos certificados que marcam a história da França. A viagem, encabeçada por Fortunado da Câmara realiza-se de 24 a 27 de junho, que vai acompanhar também o circuito “Málaga e o Riofrío” entre 8 e 11 de outubro.

A Costa do Sol faz brilhar alguns dos melhores produtos da Andaluzia, a partir de Málaga. Uma viagem onde os sabores do mar tomam conta das mesas locais. Andaluzia é mar, sol e sofisticação, e entre Málaga e Granada, surgiu em Riofrío o primeiro caviar sustentável e ecológico do mundo, que será dado a conhecer e degustar em vários estilos.

O crítico gastronómico fará ainda a viagem “Milão, Alba e Turim”, de 20 a 23 de novembro. A Lombardia e região do Piemonte sempre foram motivo de influência mágica na gastronomia italiana. O prestígio dos melhores queijos, vinhos e frutos secos, ou a sedução cremosa de risotos, a leve doçura de um panetone bem levedado, e o cobiçado mistério da trufa branca de Alba, são memórias difíceis de apagar. No horizonte deste circuito, os arrozais de Vercelli junto ao rio Pó vão cruzar-se com os bosques de Alba e as vinhas de Barolo, enquanto à mesa estarão os melhores sabores do Piemonte em modo Slow Food.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.