Edição digital
Assine já
PUB
Aviação

Monarch está de regresso depois da falência há seis anos

A imprensa internacional avança que a Monarch Airlines tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Inês de Matos
Aviação

Monarch está de regresso depois da falência há seis anos

A imprensa internacional avança que a Monarch Airlines tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Vhils inaugura novo mural em Bruxelas com apoio do Turismo de Portugal
Destinos
APAVT está fora da BTL 2025
Distribuição
Objetivo da limehome é chegar às 500 unidades no Porto e expandir no resto do país
AL
‘Sorraia Fest’ reúne o melhor da Cultura Equestre
Destinos
Espanhola Paradores vai contar com plataforma de gestão hoteleira da Minsait
Tecnologia
Ryanair abre quarta base em Marrocos com rotas para Lisboa e Porto
Aviação
Abreu regressa com os Travel Talks em streaming
Distribuição
Aeroporto do Porto volta a ser o melhor de Portugal, diz AirHelp
Transportes
Alpino Atlântico garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025
Sentido Galo Resort garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025

A Monarch Airlines vai voltar a operar, avança a imprensa internacional, que diz que a marca tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Apesar da informação sobre os planos para a Monarch Airlines ser ainda escassa, Daniel Ellingham foi recentemente nomeado presidente da companhia aérea e deu uma entrevista ao portal britânico Timeout, na qual se mostrou honrado por ser o escolhido para liderar o regresso da Monarch, 55 anos depois da sua fundação.

“É imensamente gratificante saber que, em breve, lançaremos uma empresa nova e sólida para o setor turístico do Reino Unido”, acrescentou o responsável, revelando que, nesta nova vida, a Monarch Airlines pretende prestar um serviço Premium, que se diferencie das companhias aéreas low cost britânicas pela qualidade.

O regresso da Monarch Airlines acontece numa altura em que a aviação está ainda a recuperar do impacto da pandemia da COVID-19, que parou os aviões em todo o mundo, mas Daniel Ellingham mostra-se confiante e acredita que existem oportunidades para todos os operadores aéreos.

“Existem inúmeras oportunidades que ainda não foram aproveitadas por outros operadores. Muitos deles cobrem alguns dos principais mercados da antiga Monarch, o que significa que há uma oportunidade para recém-chegados como nós avançarem e satisfazerem a procura”, acrescentou o presidente da Monarch Airlines.

A Monarch Airlines terá conseguido reunir investimento proveniente da União Europeia e Reino Unido, encontrando-se ainda numa fase inicial do seu regresso à operação, apesar de já ter reativado o seu website e ter começado a promover-se nas redes sociais, nomeadamente no Instagram, Twitter e Facebook.

Já o jornal espanhol HostelTur diz que a Monarch Airlines está, atualmente, a tentar estabelecer um domicílio fiscal no Aeroporto de Luton, em Londres, Reino Unido, onde se encontrava a sede da companhia aérea antes da falência, em 2017, e deverá também pedir licenças à autoridade britânica de aviação civil dentro de poucas semanas.

Para voltar a voar, a companhia aérea precisa também de aviões e tudo indica que estará já em negociações com outra empresa britânica para adquirir até 15 aparelhos A320, uma vez que, antes da insolvência, este era o modelo de avião em maior número na frota da companhia aérea.

Recorde-se que a Monarch Airlines entrou em insolvência em outubro de 2017, deixando mais de 110 mil passageiros sem voo de regresso, num processo que foi desencadeado depois da transportadora não ter conseguido renovar a licença de venda de pacotes turísticos por não ser possível fazer prova da sua sustentabilidade financeira.

Os problemas financeiros da companhia aérea começaram depois da instabilidade vivida no Norte de África com a Primavera Árabe, que afetou fortemente países como a Tunísia e o Egito, que eram dois dos principais destinos operados pela Monarch Airlines.

Em Portugal, a Monarch voava para Lisboa, Porto, Funchal e Faro, mas a maior parte da operação da companhia aérea concentrava-se no Algarve, para onde a transportadora contava com voos desde Leeds Bradford às terças, quartas, quintas, sábados e domingos, enquanto Gatwick, Luton, Birmingham e Manchester tinham voos diários.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Vhils inaugura novo mural em Bruxelas com apoio do Turismo de Portugal
Destinos
APAVT está fora da BTL 2025
Distribuição
Objetivo da limehome é chegar às 500 unidades no Porto e expandir no resto do país
AL
‘Sorraia Fest’ reúne o melhor da Cultura Equestre
Destinos
Espanhola Paradores vai contar com plataforma de gestão hoteleira da Minsait
Tecnologia
Ryanair abre quarta base em Marrocos com rotas para Lisboa e Porto
Aviação
Abreu regressa com os Travel Talks em streaming
Distribuição
Aeroporto do Porto volta a ser o melhor de Portugal, diz AirHelp
Transportes
Alpino Atlântico garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025
Sentido Galo Resort garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025
PUB
Destinos

Vhils inaugura novo mural em Bruxelas com apoio do Turismo de Portugal

O novo mural de Vhils, denominado “This is Art”, contou com o apoio do Turismo de Portugal e é o mais recente exemplo de como a arte urbana por ser um atrativo turístico

O artista e pintor português Vhils inaugurou um novo mural em Bruxelas, que contou com o apoio do Turismo de Portugal, naquele que é o mais recente exemplo do apoio que o instituto tem vindo a dar à arte e à arte urbana nacionais, como “forma de reforçar a visibilidade e a diferenciação do país”.

O novo mural de Vhils, denominado “This is Art”, retrata um rosto feminino que, nas palavras do artista, contempla o futuro da Europa e a sua diversidade, fruto de várias revoluções democráticas, incluindo a portuguesa revolução dos cravos.

“Este projeto em particular eleva aspetos relevantes da identidade nacional, pelo que é um projeto que nos orgulha duplamente ter apoiado”, afirma Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal.

Segundo o Turismo de Portugal, o facto de Portugal ser um país com uma “enorme diversidade histórica, cultural e artisticamente influente” permite que o turismo desempenhe um “importante papel na afirmação e divulgação internacional da arte e dos artistas portugueses em estreita ligação com a oferta turística associada ao destino Portugal”.

“O trabalho do Vhils é um excelente exemplo da arte que a todos toca, expressando nas suas obras uma reflexão particular e irreverente sobre os lugares, as memórias, a história, ou a humanização, deixando uma marca indelével na cultura urbana em Portugal e a nível mundial”, acrescenta o Turismo de Portugal, num comunicado divulgado esta terça-feira, 9 de julho.

O turismo cultural é uma das tendências que cada vez mais atrai viajantes de todo o mundo, em busca de experiências genuínas, locais, enriquecedoras e inspiradoras, motivo pelo qual o Turismo de Portugal tem vindo a apoiar diversas iniciativas artísticas, a exemplo dos “Murais da Liberdade”, “Muro dos Oceanos”, “Portugal Manual – Curated Cultural Experiences”, ”SketchTour Portugal”, Tours Literários Portugueses e “Viagem a Portugal Revisited”, entre outras.

O Turismo de Portugal considera que “a arte urbana em Portugal tem-se destacado nos últimos anos enquanto expressão cultural vibrante e um poderoso motivo de atração turística”, uma vez que esta é uma “forma de arte que combina audácia e criatividade e que tem estado a revitalizar a cena cultural em várias cidades portuguesas, tornando-as mais atrativas para os viajantes”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

APAVT está fora da BTL 2025

A Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo (APAVT) não participará na próxima BTL, feira que se realiza de 12 a 16 de março de 2025.

A Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo (APAVT) está, nesta altura, fora da Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL 2025.

O Publituris confirmou esta decisão junto do presidente da associação, Pedro Costa Ferreira, que confirmou que “as condições financeiras que a BTL nos exigiu não permitem a continuidade da nossa presença”.

Questionado se esta posição poderá ser revertida, o presidente da APAVT afirma que “face ao histórico do processo, e aos argumentos da BTL, não vejo como poderemos regressar”, admitindo que, no que diz respeito à não participação de operadores e agentes de viagem, “parece-me óbvio que perderemos todos, incluindo a feira e os consumidores”.

Com a BTL a dividir-se entre três dias dedicados ao mercado B2B e dois (fim de semana) ao consumidor final (B2C), e face à possibilidade de os associados da APAVT perderem um ponto importante de venda, Pedro Costa Ferreira considera que “cada associado saberá reagir, de acordo com os seus objetivos e estratégia comercial. Todos eles, como nós, estão habituados a transformar eventuais problemas em soluções”.

Questionado se a APAVT poderá mudar a sua posição, o presidente da associação respondeu: “A APAVT não tomou uma posição, apenas não conseguiu satisfazer as exigências financeiras da BTL”.

Recorde-se que na BTL 2024, o stand da APAVT foi o maior espaço privado, com uma área de 1.200 metros quadrados, contando com a presença de 80 expositores, incluindo nove operadores turísticos, 60 agências de viagens, duas empresas de rent-a-car, companhias aéreas e DMC.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
AL

Objetivo da limehome é chegar às 500 unidades no Porto e expandir no resto do país

A limehome, operadora de apartamentos turísticos na Europa, anuncia a sua atividade em Portugal com cinco novas propriedades no Porto e em Évora, com um total de 48 apartamentos. O objetivo é alcançar rapidamente as 500 unidades na Invicta e expandir no resto do país. A carteira europeia cresce em 800 unidades no primeiro trimestre de 2024.

“Continuamos em busca de parceiros, tal como de novas propriedades em Portugal e, especificamente, na área metropolitana do Porto”, refere Xulio Rey, responsável pela expansão da limehome no nosso país e Espanha”, para avançar que “prosseguimos o ambicioso objetivo de alcançar rapidamente as 500 unidades aqui e queremos crescer no país”. O responsável reconhece que, com a maior popularidade de alojamentos alternativos à oferta hoteleira tradicional, há um aumento da procura por este tipo de estadia, especialmente por quem prefere uma experiência mais autêntica e local.

Uma majestosa casa tipicamente portuguesa, no nº 204 da Rua de Dom Manuel II, na cidade do Porto, integra 8 unidades numa localização estratégica, a poucos minutos a pé do centro histórico da cidade. A proximidade com o Palácio de Cristal, e seus jardins, faz dela o local ideal para quem quer assistir aos diversos eventos que ali se organizam. A renovação do edifício foi coordenada para manter elementos arquitetónicos distintivos, como tetos e janelas, preservando a sua essência, ao mesmo tempo que oferece todo o conforto de um apartamento contemporâneo.

A limehome está, também, na Rua Conceição 55, no coração da cidade e a poucos minutos a pé das grandes atrações turísticas. Rodeada por ruas cheias de restaurantes, bares, lojas e encantadores becos, esta localização conta com um total de 17 apartamentos de design moderno e cuidado.

Em Évora, estão contratadas três novas propriedades, num total de 23 unidades. Dois destes projetos têm lugar na Rua de Machede, e o terceiro é no Largo dos Penedos. Estrategicamente localizados, os apartamentos oferecem um bom acesso aos pontos mais emblemáticos da cidade e proporcionam aos hóspedes a oportunidade de explorar Évora a pé, mergulhando no seu encanto histórico e cultural. Todas as propriedades têm piscina, tornando-se perfeitas para descansar em dias quentes.

A nível internacional, a limehome aumentou a sua carteira em quase 14% no primeiro trimestre de 2024. No final de março, a empresa tinha assinado contratos relativos a um total de 800 novos apartamentos, elevando assim a sua carteira europeia a ultrapassar os 6.800 apartamentos. Além de Portugal, a maioria dos novos contratos de arrendamento estão em Espanha, Áustria e Itália.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

‘Sorraia Fest’ reúne o melhor da Cultura Equestre

O ‘Sorraia Fest’ está de regresso, de 12 a 14 de julho, e promete levar à Reserva Natural do Cavalo Sorraia, em Alpiarça, a beleza da Arte Equestre, num dos cenários mais bonitos do Ribatejo, e que se dedica à preservação desta espécie única no nosso país.

Este evento anual, que tem vindo a ganhar cada vez mais reconhecimento pela sua atmosfera festiva e ligação à Cultura Equestre, promete três dias de diversão e entretenimento, com provas de equitação, atividades ligadas à tradição, assim como, atividades e animações especiais para as crianças, garantindo diversão para toda a família.

Organizado e promovido pela Câmara Municipal e pela Junta de Freguesia de Alpiarça, o ‘Sorraia Fest’ conta com um programa diversificado, desde espetáculos de folclore a atuações de DJ’s e música ao vivo. Com foco principal na Arte Equestre, uma imagem de marca da cultura ribatejana, este evento terá provas equestres, picarias e demonstração de forcados, sem nunca esquecer a gastronomia local, que estará representada com degustação de vinhos, e nas tasquinhas com os pratos da cozinha e doçaria tradicionais de Alpiarça.

Nos últimos anos, o ‘Sorraia Fest’ tem crescido em popularidade, atraindo um público significativo de toda a região, tornando-se numa tradição já bem enraizada no concelho. Nesse sentido, Sónia Sanfona, presidente da Câmara Municipal de Alpiarça, não tem dúvidas de que “o ‘Sorraia Fest’ é a festa que celebra as tradições ribatejanas e a singularidade das nossas gentes. Traz-nos o melhor da Cultura Equestre, e ao mesmo tempo, possibilita a quem nos visita saber mais acerca desta espécie primitiva e única que é o Cavalo Sorraia, e o que tem sido feito ao longo dos anos para a mantermos e preservarmos.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Tecnologia

Espanhola Paradores vai contar com plataforma de gestão hoteleira da Minsait

A empresa tecnológica Minsait vai ajudar a Paradores espanhola a enfrentar de forma eficaz os desafios colocados pela digitalização no setor do turismo. A sua plataforma de gestão hoteleira vai facilitar a adaptação rápida e eficiente da empresa pública de turismo às inovações tecnológicas.

A Minsait, empresa de transformação digital da Indra, e a Paradores, cadeia hoteleira com cerca de uma centena de estabelecimentos hoteleiros em Espanha, anunciam a assinatura de um acordo para a implementação da plataforma tecnológica de gestão hoteleira PMS e PoS na empresa pública de turismo. O objetivo é melhorar a gestão das suas operações, agilizar o sistema de reservas e facilitar a sua adaptação às inovações tecnológicas do setor de forma mais rápida e eficiente.

O projeto, que tem uma duração prevista de 24 meses e inclui mais 60 meses de serviço, irá dotar a Paradores com a capacidade para enfrentar de forma eficaz os desafios colocados pela digitalização e melhorar a experiência dos seus clientes.

A solução da Minsait, presente em cadeias hoteleiras de todo o mundo, ajudará a Paradores na gestão de reservas com um sistema integrado para todas as operações, agilizando os processos de check-in e check-out, a tomada de decisões e a simplificação dos serviços.

Além disso, o sistema permite incorporar alterações e funcionalidades adicionais à medida que novos desenvolvimentos tecnológicos surgem de forma mais ágil e sem custos acrescidos.

Outra das vantagens da plataforma implica diretamente os clientes: através dos canais disponíveis, como email, mobile, web e redes sociais, os programas de fidelização e as ofertas serão melhorados e personalizados, o que permitirá responder às expectativas dos utilizadores da rede Paradores.

A plataforma que a Minsait está a implementar para a cadeia hoteleira utilizará uma única base de dados centralizada para gerar previsões e facilitar a tomada de decisões com base nas preferências dos clientes.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair abre quarta base em Marrocos com rotas para Lisboa e Porto

A nova base da Ryanair em Tanger, Marrocos, começou a operar ainda em maio, conta com duas aeronaves baseadas e um total de 25 rotas, incluindo 13 novas ligações aéreas, uma das quais para Lisboa e outra para o Porto.

Publituris

A Ryanair  abriu esta terça-feira, 9 de julho, uma nova base em Marrocos, localizada em Tanger e que é a quarta da companhia aérea low cost naquele país do Norte de África, informou a transportadora, em comunicado.

De acordo com a informação divulgada pela companhia aérea, a base de Tanger, que começou a operar ainda em maio, conta com duas aeronaves baseadas e um total de 25 rotas, incluindo 13 novas ligações aéreas, uma das quais para Lisboa e outra para o Porto.

O comunicado divulgado pela Ryanair destaca que a nova base de Tanger motivou um investimento de cerca de 200 milhões de euros e vai disponibilizar voos para oito novas cidades europeias e cinco novos destinos marroquinos, já neste verão de 2024.

A Ryanair sublinha também que a nova base de Tanger vai permitir criar 600 novos empregos locais, incluindo 60 para pilotos e tripulantes de cabine, aumentando ainda em 70% a capacidade na cidade marroquina.

“O investimento da Ryanair em Marrocos ultrapassa agora mais de 1,4 mil milhões de dólares em aeronaves – apoiando mais de 5.000 empregos diretos e indiretos e proporcionando crescimento económico em 12 cidades, incluindo Rabat, Marraquexe, Fez, Agadir, Tetouan, Essaouira e Nador”, lê-se na informação divulgada pela companhia aérea.

Segundo Eddie Wilson, CEO da Ryanair, com a abertura da nova base em Tanger, a Ryanair vai operar mais de 170 rotas em Marrocos, numa oferta que conta com tarifas baixas e que, espera o responsável, deverá contribuir para impulsionar o “turismo e a conectividade” aérea no país.

“Esperamos continuar a apoiar a economia de Marrocos, bem como a conectividade regional e internacional, posicionando Tânger como um destino líder de verão com os seus museus, medina, souq e, claro, as suas belas praias”, acrescenta o responsável.

Baden Baden, Barcelona, Carcassonne, Eindhoven, Lisboa, Manchester, Memmingen e Porto são as novas rotas internacionais que a Ryanair abriu na base de Tanger, às quais se juntam ainda rotas domésticas para Agadir, Essaouira, Marrakesh, Ouarzazate e Oujda.

Para assinalar a abertura da base, a Ryanair lançou uma promoção cujos preços começam nos 159 dirham (cerca de 15 euros) e que é válida para viagens que decorram até outubro de 2024. As vendas decorrem aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Abreu regressa com os Travel Talks em streaming

As Abreu Travel Talks estão de volta com as conversas descontraídas sobre viagens em que várias figuras públicas nacionais contam as suas experiências.

Publituris

As Abreu Travel Talks estão de regresso às plataformas de streaming e o primeiro episódio conta com a participação de Bruno Nogueira. O humorista e ator aceitou o desafio e juntou-se à Agência Abreu para a gravação, ao vivo, do primeiro episódio desta segunda temporada. A melhor altura para viajar, os destinos preferidos e peripécias vividas são contadas na primeira pessoa por Bruno Nogueira, que recorda experiências em países como o Japão, Argentina, Marrocos, entre outros.

Rodrigo Gomes, Roberta Medina, Ljubomir Stanisic e Mónica Franco, Luís Castro, chef Kiko, Isabela Valadeiro, Pedro Ribeiro, Mariana Monteiro e Joana Marques completam o leque de convidados das restantes Abreu Travel Talks, gravadas em estúdio.

Dirigido a todos os apaixonados por viagens – mas também a quem não o seja e pretenda apenas saber mais sobre a sua figura pública favorita -, estas conversas apresentam-se como um espaço de partilha e primam pelo ambiente descontraído, sem qualquer guião definido ou convenções, onde cada um revela o que mais aprecia quando viaja.

Tal como na primeira temporada, as 10 Abreu Travel Talks desta nova edição, serão disponibilizadas, semanalmente, nas plataformas do Spotify, Apple e Youtube.

“O que move estas pessoas quando viajam? Será a cultura e a história? A gastronomia? A atração pela novidade? Voltamos com esta 2.ª temporada das Abreu Travel Talks para conhecer as experiências únicas que os nossos convidados têm para partilhar”, refere Pedro Quintela, diretor-geral de Vendas e Marketing da Abreu.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Transportes

Aeroporto do Porto volta a ser o melhor de Portugal, diz AirHelp

De um total de 239 aeroportos analisados, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro é o primeiro aeroporto português em 117.º lugar. O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, é considerado o pior aeroporto português.

Publituris

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro volta a ser considerado o melhor aeroporto de Portugal. Segundo a análise realizada pela AirHelp – formada por aproximadamente 240 aeroportos de 70 países distintos de todo o mundo e recolhidos dados sobre chegadas e partidas entre 1 de maio de 2023 e 30 de abril de 2024 – o aeroporto do Porto obteve uma pontuação global de 7,60, alcançado 7,30 na pontualidade; 8,20 na consideração dos clientes e 7,90 na qualidade da sua área de restauração e lojas. De uma forma geral, a pontuação global deste aeroporto melhorou, já que, em 2023, apresentou uma pontuação de 7,52, tal como os parâmetros de pontualidade e consideração dos clientes, tendo piorado somente na qualidade da sua área de restauração e lojas.

Em segundo lugar no ranking nacional, o Aeroporto de Faro obteve uma pontuação global de 7,27, enquanto o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, continua a ser o pior aeroporto de Portugal, com uma pontuação global de 6,59.

A nível global, contudo, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro passou do 91.º lugar, em 2023, para o 117.º lugar, enquanto as infraestruturas aeroportuárias de Faro e Lisboa desceram, respetivamente, da 137.ª para a 185.ª posição, e do 191.º para o 234.º lugar, pela mesma ordem.

É na Ásia, mais precisamente na cidade de Doha (Catar) que se situa o melhor aeroporto do mundo, segundo o ranking da AirHelp. O Doha Hamad International Airport obteve uma pontuação global de 8,52, considerando 8,30 na pontualidade; 8,70 nas avaliações dos passageiros; e 8,90 para a qualidade das instalações comerciais e de restauração. Em 2023, este aeroporto ficou na quinta posição.

Em segundo lugar na classificação está o aeroporto sul-africano da Cidade do Cabo, com uma pontuação de 8,50. Por fim, em terceiro lugar, encontra-se o Aeroporto de Chubu, Nagoya (Japão), com uma pontuação de 8,49. Este aeroporto foi avaliado pela primeira vez pela AirHelp e teve uma entrada direta para o Top 3 do ranking.

De referir que, para determinar a classificação dos aeroportos, a AirHelp considera três áreas: a pontualidade (60%), a consideração dos clientes (20%) e a qualidade das suas áreas de restauração e lojas (20%).

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Alpino Atlântico garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025

O Alpino Atlântico Ayurveda Hotel, no Caniço-de-Baixo, ilha da Madeira, foi novamente distinguido com a certificação Gold da Travelife para o triénio 2023 2025

Brand SHARE

Esta certificação internacional, que é atribuída mediante uma meticulosa auditoria, reconhece o compromisso do Alpino Atlântico em minimizar o seu impacto ambiental, melhorar o impacto económico e social para as pessoas na sua comunidade, respeitar e proteger os direitos humanos e práticas laborais justas, e salvaguardar o bem-estar dos animais e a biodiversidade.

De ressalvar que o Alpino Atlântico Ayurveda Hotel é um pequeno hotel para retiros de medicina Ayurveda, onde os tratamentos incluem a aromaterapia, a fitoterapia e a nutrição vegetariana, sendo esta certificação mais uma prova do trabalho positivo desenvolvido de forma consistente em prol da sustentabilidade ambiental e social.

Importante referir que a Travelife é um organismo internacional de certificação de sustentabilidade de alojamento, respeitado por ser imparcial e sólido, obrigando a 100% de conformidade com um conjunto abrangente de requisitos reconhecidos pelo GSTC (O Conselho Global de Turismo Sustentável que gere os Critérios GSTC, ou seja, normas globais para viagens e turismo sustentáveis; bem como fornece acreditação internacional para organismos de certificação de turismo sustentável). A conformidade é verificada através de uma auditoria completa no local de cada propriedade de 2 em 2 anos.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos

Sentido Galo Resort garante Travelife Gold para o triénio 2023-2025

Os hotéis Sentido Galomar e Sentido Galosol, no Caniço-de-Baixo, ilha da Madeira, foram novamente distinguidos com a certificação Gold da Travelife para o triénio 2023-2025

Brand SHARE

Esta certificação que é atribuída, mediante uma meticulosa auditoria, reconhece o compromisso do Sentido Galo Resort em minimizar o seu impacto ambiental, melhorar o impacto económico e social para as pessoas na sua comunidade, respeitar e proteger os direitos humanos e práticas laborais justas, e salvaguardar o bem-estar dos animais e a biodiversidade.

De ressalvar que o Sentido Galo Resort é já uma referência a nível internacional de sustentabilidade, acumulando prémios e certificações como o Eco Trophea, GreenKey, sendo esta certificação mais uma prova do trabalho positivo desenvolvido de forma consistente em prol da sustentabilidade ambiental e social.

Importa referir que a Travelife é um organismo internacional de certificação de sustentabilidade de alojamento, respeitado por ser imparcial e sólido, obrigando a 100% de conformidade com um conjunto abrangente de requisitos reconhecidos pelo GSTC (O Conselho Global de Turismo Sustentável que gere os Critérios GSTC, ou seja, normas globais para viagens e turismo sustentáveis; bem como fornece acreditação internacional para organismos de certificação de turismo sustentável). A conformidade é verificada através de uma auditoria completa no local de cada propriedade de 2 em 2 anos.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.