Edição digital
Assine já
PUB
Aviação

Monarch está de regresso depois da falência há seis anos

A imprensa internacional avança que a Monarch Airlines tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Inês de Matos
Aviação

Monarch está de regresso depois da falência há seis anos

A imprensa internacional avança que a Monarch Airlines tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
TAP: CEO diz ser “grande defensor da privatização”
Aviação
Egotravel e Mercado das Viagens mostram Djerba a agentes de viagens
Distribuição
Porto e Norte adere a protocolo para promover turismo inclusivo e responsável
Destinos
Autocaravanismo: Yescapa e Goboony fundem-se e passam a oferecer 30 mil veículos
Transportes
Islândia introduzirá taxas turísticas para aliviar pressão sobre a “natureza intocada”
Destinos
GuestCentric prevê um inverno promissor para a hotelaria em Portugal
Análise
Ryanair lança promoção de Natal com bilhetes desde 24,99 euros
Aviação
Federação Portuguesa de Golfe lança app com informação sobre campos nacionais
Destinos
Reclamações no turismo aumentam 40% desde o início do ano
Destinos
Air France-KLM encomenda 50 Airbus A350
Aviação

A Monarch Airlines vai voltar a operar, avança a imprensa internacional, que diz que a marca tem atualmente um novo proprietário e um novo modelo de negócio, que promete fazer voltar a voar a companhia aérea que desapareceu há seis anos, depois de um processo de insolvência.

Apesar da informação sobre os planos para a Monarch Airlines ser ainda escassa, Daniel Ellingham foi recentemente nomeado presidente da companhia aérea e deu uma entrevista ao portal britânico Timeout, na qual se mostrou honrado por ser o escolhido para liderar o regresso da Monarch, 55 anos depois da sua fundação.

“É imensamente gratificante saber que, em breve, lançaremos uma empresa nova e sólida para o setor turístico do Reino Unido”, acrescentou o responsável, revelando que, nesta nova vida, a Monarch Airlines pretende prestar um serviço Premium, que se diferencie das companhias aéreas low cost britânicas pela qualidade.

O regresso da Monarch Airlines acontece numa altura em que a aviação está ainda a recuperar do impacto da pandemia da COVID-19, que parou os aviões em todo o mundo, mas Daniel Ellingham mostra-se confiante e acredita que existem oportunidades para todos os operadores aéreos.

“Existem inúmeras oportunidades que ainda não foram aproveitadas por outros operadores. Muitos deles cobrem alguns dos principais mercados da antiga Monarch, o que significa que há uma oportunidade para recém-chegados como nós avançarem e satisfazerem a procura”, acrescentou o presidente da Monarch Airlines.

A Monarch Airlines terá conseguido reunir investimento proveniente da União Europeia e Reino Unido, encontrando-se ainda numa fase inicial do seu regresso à operação, apesar de já ter reativado o seu website e ter começado a promover-se nas redes sociais, nomeadamente no Instagram, Twitter e Facebook.

Já o jornal espanhol HostelTur diz que a Monarch Airlines está, atualmente, a tentar estabelecer um domicílio fiscal no Aeroporto de Luton, em Londres, Reino Unido, onde se encontrava a sede da companhia aérea antes da falência, em 2017, e deverá também pedir licenças à autoridade britânica de aviação civil dentro de poucas semanas.

Para voltar a voar, a companhia aérea precisa também de aviões e tudo indica que estará já em negociações com outra empresa britânica para adquirir até 15 aparelhos A320, uma vez que, antes da insolvência, este era o modelo de avião em maior número na frota da companhia aérea.

Recorde-se que a Monarch Airlines entrou em insolvência em outubro de 2017, deixando mais de 110 mil passageiros sem voo de regresso, num processo que foi desencadeado depois da transportadora não ter conseguido renovar a licença de venda de pacotes turísticos por não ser possível fazer prova da sua sustentabilidade financeira.

Os problemas financeiros da companhia aérea começaram depois da instabilidade vivida no Norte de África com a Primavera Árabe, que afetou fortemente países como a Tunísia e o Egito, que eram dois dos principais destinos operados pela Monarch Airlines.

Em Portugal, a Monarch voava para Lisboa, Porto, Funchal e Faro, mas a maior parte da operação da companhia aérea concentrava-se no Algarve, para onde a transportadora contava com voos desde Leeds Bradford às terças, quartas, quintas, sábados e domingos, enquanto Gatwick, Luton, Birmingham e Manchester tinham voos diários.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
TAP: CEO diz ser “grande defensor da privatização”
Aviação
Egotravel e Mercado das Viagens mostram Djerba a agentes de viagens
Distribuição
Porto e Norte adere a protocolo para promover turismo inclusivo e responsável
Destinos
Autocaravanismo: Yescapa e Goboony fundem-se e passam a oferecer 30 mil veículos
Transportes
Islândia introduzirá taxas turísticas para aliviar pressão sobre a “natureza intocada”
Destinos
GuestCentric prevê um inverno promissor para a hotelaria em Portugal
Análise
Ryanair lança promoção de Natal com bilhetes desde 24,99 euros
Aviação
Federação Portuguesa de Golfe lança app com informação sobre campos nacionais
Destinos
Reclamações no turismo aumentam 40% desde o início do ano
Destinos
Air France-KLM encomenda 50 Airbus A350
Aviação
PUB

DR: Newsavia

Aviação

TAP: CEO diz ser “grande defensor da privatização”

Durante uma intervenção no World Aviation Festival, que está a decorrer em Lisboa, o CEO da TAP, Luís Rodrigues, mostrou-se confiante no sucesso da privatização da companhia aérea, cujo decreto-lei que vai detalhar a privatização deverá ser aprovado esta quinta-feira, 28 de setembro, em Conselho de Ministros.

O CEO da TAP, Luís Rodrigues, afirmou esta quarta-feira, 27 de setembro, que é “um grande defensor da privatização” da companhia aérea de bandeira nacional, cujo processo, acredita, “vai correr bem”.

“Acho que vai correr bem. Eu sou um grande defensor da privatização, não há dúvidas disso”, afirmou Luís Rodrigues, durante uma intervenção no World Aviation Festival, que está a decorrer em Lisboa e no qual a TAP é a companhia aérea oficial.

O CEO da TAP mostrou-se confiante no sucesso da privatização da companhia aérea, cujo decreto-lei que vai detalhar a privatização deverá ser aprovado esta quinta-feira, 28 de setembro, em Conselho de Ministros.

“Amanhã [quinta-feira] deverá ser um grande dia”, acrescentou o responsável, citado pela Lusa, reconhecendo hoje que “há sempre um passo depois do outro” nesse sentido.

O responsável da empresa sublinhou que esses passos estão a ser dados e que espera que “algures no próximo ano, já tenha sido feito um bocadinho mais”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Egotravel e Mercado das Viagens mostram Djerba a agentes de viagens

O operador turístico Egotravel e a rede de agências de viagens Mercado das Viagens levaram, durante uma semana, um grupo de uma dezena de agentes de viagens a descobrir o potencial turístico de Djerba, na Tunísia.

A viagem permitiu um encontro com a cultura, a história e as areias finas de praias banhadas por águas cristalinas de tons azul-turquesa que circundam esta ilha tunisina no Mediterrâneo, a mesma que inspirou Homero para a sua obra “A Odisseia”.

Em famtrip foi também uma oportunidade para dar a conhecer alguns dos mais significativos hotéis da vasta oferta hoteleira da ilha.

Sentir a adrenalina que é percorrer em 4×4 o deserto do Sahara e algumas das pistas que tornaram mundialmente famoso o mítico rally Paris-Dakar, o mesmo deserto que oferece passeios de camelo, caminhar pelo grande lago salgado de Chott el Djerid, visitar a ilha dos Flamingos, conhecer os costumes e a cultura berbere que se “esconde” nas aldeias trogloditas de Matmata, refrescar-se à sombra das palmeiras de um oásis, ou ainda sentirmo-nos atores do filme Star Wars quando chegamos ao “planeta” Tatouine, sem esquecer obviamente a agitação das compras em Hopumt Souk, a capital de Djerba, tudo isso constou da viagem.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Porto e Norte adere a protocolo para promover turismo inclusivo e responsável

O protocolo pioneiro estabelecido entre a Associação de Turismo do Porto e Norte e a VARIAÇÕES – Associação de Turismo LGBTI+ de Portugal visa promover o turismo inclusivo e responsável na região, numa parceria que vai também potenciar a campanha “Proudly Portugal”.

A Associação de Turismo do Porto e Norte, A.R. – Porto Convention & Visitors Bureau e a VARIAÇÕES – Associação de Turismo LGBTI+ de Portugal estabeleceram um protocolo pioneiro para promover o turismo inclusivo e responsável na região, numa parceria que vai também potenciar a campanha “Proudly Portugal”.

“A assinatura deste protocolo histórico ocorre precisamente no Dia Nacional da Sustentabilidade, reforçando o compromisso de ambas as partes em promover um turismo inclusivo e responsável”, destaca a associação, num comunicado enviado à imprensa.

De acordo com a associação VARIAÇÕES, aliança estratégica não só antecipa o EuroPride 2025 em Lisboa, como também ressalta o Porto e Norte como pioneiros na incorporação do turismo LGBTI+ como uma prioridade estratégica, até porque esta é a primeira entidade regional a estabelecer um protocolo com esta associação e a única que é membro da IGLTA, the International LGBTQ+ Travel Association.

“A região Porto & Norte é um exemplo ímpar em termos de promoção turística LGBTI+ em Portugal. Esta proatividade inédita já está a gerar frutos, nomeadamente na atração de novos investimentos para o setor”, afirma Diogo Vieira da Silva, presidente da VARIAÇÕES.

Recorde-se que o segmento LGBTI+ apresenta um potencial económico significativo, com estudos a indicar gastos globais que ultrapassam os 200 mil milhões de euros por ano.

“O momento é mais do que oportuno, considerando que eventos de grande visibilidade, como o EuroPride 2025, estão no horizonte. No entanto, o Porto & Norte já está a fazer história, estabelecendo um padrão de excelência e mostrando o caminho para outras regiões de Portugal”, considera a associação.

A VARIAÇÕES defende ainda que esta parceria representa, “não apenas um marco para o desenvolvimento turístico do Porto e Norte, mas também um sinal subtil, porém claro, da necessidade de mais iniciativas proativas e inovadoras em todo o território nacional”.

A assinatura da parceria contou com a presença de Luís Pedro Martins, presidente do Turismo Porto e Norte de Portugal, bem como de Catarina Santos Cunha, vereadora do Turismo da Câmara Municipal do Porto; Jan-Erik Ringertz, diretor-geral do The Yetman Hotel; e Diogo Vieira da Silva, presidente da VARIAÇÕES.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Autocaravanismo: Yescapa e Goboony fundem-se e passam a oferecer 30 mil veículos

A Yescapa, plataforma intermediária no aluguer de autocaravanas e campervans na Europa, fundiu-se com a holandesa Goboony, sua congénere, passando a disponibilizar uma frota de 30 mil veículos em mais de 10 países.

Segundo as duas empresas, o objetivo da fusão passa por ganhar poder com a atividade conjunta, posicionando-se como uma das três maiores empresas do setor a nível mundial.

Esta união cria a maior plataforma online de partilha de autocaravanas na Europa, que passa a contar com 30.000 veículos espalhados por mais de 10 países, e torna muito mais fácil planear e reservar uma escapadela num veículo de lazer em todo o território europeu.

Apesar de as plataformas continuarem a funcionar de forma independente, as empresas passam a trabalhar em estreita colaboração para prestar um serviço mais adequado às necessidades dos utilizadores.

Os quatro cofundadores da Yescapa e da Goboony, Benoit Panel, Adrien Pinson, Mark de Vos e Foppe Mijnlieff, respetivamente, serão acompanhados por Sérgio Branco, nomeado diretor geral do grupo. Com uma vasta experiência internacional no setor do turismo, este profissional integrou a liderança de vários grupos a partir da fusão de empresas, com o objetivo de contribuir para a sua consolidação e crescimento no mercado.

De acordo com o responsável, “o crescimento sustentado do turismo ao ar livre demonstra que ainda há muito espaço para crescer, particularmente no norte da Europa e em Portugal, onde acreditamos que haverá cada vez mais viajantes”

As plataformas que se avaliam em 100 milhões de euros e que cresceram 420% nos últimos quatro anos, preparam uma nova ronda de angariação de fundos, tendo recentemente recebido um investimento de 7 milhões de euros por parte da iXO Private Equity.

Refira-se que o “boom” do autocaravanismo significou para a Yescapa, em Portugal, em 2022, um crescimento de 40% do volume de reservas face ao ano transato, percentagem que ascendeu aos 58% no período compreendido entre maio e agosto. 45% das reservas foram realizadas pelas mãos de estrangeiros a viajar em Portugal, nomeadamente alemães, franceses, espanhóis e italianos. Este ano, a empresa verificou ainda um incremento de holandeses e belgas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Islândia introduzirá taxas turísticas para aliviar pressão sobre a “natureza intocada”

A Islândia tornou-se no mais recente país a anunciar a criação de uma taxa turística, considerando a primeira-ministra, Katrín Jakobsdóttir, que os turistas estão a “visitar a natureza intocada e, obviamente, isso cria uma pressão”.

A Islândia anunciou que irá introduzir taxas turísticas para ajudar a gerir o impacto do turismo e, mais importante, aliviar a pressão sobre os locais populares de “natureza intocada” que os visitantes frequentam.

Os detalhes exatos da medida ainda não foram revelados, mas a medida foi anunciada pela primeira-ministra Katrín Jakobsdóttir numa entrevista à Bloomberg Television.

“O turismo cresceu exponencialmente na Islândia na última década. E isso obviamente não está apenas a criar efeitos no clima, é também porque a maioria dos nossos hóspedes está a visitar a natureza intocada e, obviamente, isso cria uma pressão”, considera a primeira-ministra islandesa.

Katrín Jakobsdóttir indicou que os impostos não serão elevados e começarão como impostos municipais, à semelhança do que outros destinos já implementam, com mais opções a serem exploradas a partir daí. “Anunciamos que vamos aumentar os impostos sobre o turismo na Islândia. Para começar, não são impostos elevados, mas estamos a falar de impostos municipais, entre outros, para as pessoas que permanecem na Islândia”.

Ao avaliar o papel que o turismo irá desempenhar no ambicioso objetivo da Islândia de alcançar a neutralidade até 2040 e reduzir as emissões de gases com efeito de estufa em 40% até 2030, Jakobsdóttir referiu que as empresas de turismo já estão a tomar medidas para se tornarem sustentáveis. “Muitas das nossas empresas que trabalham no sector do turismo estão a encontrar formas de realmente passar para a economia circular, passar para os carros elétricos, para que a mudança aconteça, mas é um desafio, é realmente um desafio”, disse a primeira-ministra à Bloomberg.

O imposto previsto não visa dissuadir os turistas de visitar a Islândia, mas antes sensibilizar para a importância do turismo responsável. Ao longo dos anos, a Islândia teve algumas das campanhas turísticas mais criativas e engenhosas, fazendo referência aos mais recentes eventos socioculturais para destacar a natureza e as paisagens inspiradoras do país.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Análise

GuestCentric prevê um inverno promissor para a hotelaria em Portugal

A GuestCentric, marca de soluções de comércio eletrónico para hotéis, antecipa as previsões hoteleiras para o próximo inverno em Portugal, indicando que 2023 vai terminar com resultados positivos, enquanto o começo de 2024 apresenta-se promissor. As reservas de novembro apontam para uma melhoria significativa do negócio, a performance de dezembro já se apresenta melhor do que em 2022, e os preços dos hotéis em 2024 poderão acompanhar a taxa de inflação.

Após a época alta “extraordinária” com “resultados recorde”, a GuestCentric traça alguns cenários para a hotelaria, que permitem aos profissionais do setor definir e elaborar estratégias eficazes para o próximo inverno.

Assim, segundo a empresa, os dados preliminares de mercado apontam para uma procura crescente para os restantes meses de 2023, face a 2022, estando as reservas para outubro a acelerar, atingindo já 75% dos níveis do ano passado.

Igualmente, as reservas para novembro dão sinal de uma melhoria significativa do negócio, uma vez que estão a ser feitas cerca de um mês antes daquilo que se verificou no mesmo período de 2022. Apesar de ainda ser cedo para prever com muito detalhe, a performance de dezembro já se apresenta melhor do que em 2022.

De acordo com a GuestCentric, os preços dos hotéis em 2024 poderão acompanhar a taxa de inflação, prevendo-se um aumento de cerca de 5%. Enquanto os preços dos hotéis europeus mantêm-se cerca de 13% dos de 2022, nos Estados Unidos verificou-se este ano, um decréscimo de 6% nos preços até à data.

A empresa cita dados do The Hotelier PULSE, que dão conta que a maioria dos hoteleiros inquiridos, tanto na Europa como nos EUA, prevê que os preços médios diários continuem a aumentar no próximo ano. No entanto, mantém-se a dúvida se os hotéis conseguirão compensar o aumento dos seus custos operacionais, mesmo praticando preços mais elevados.

Embora os sinais atuais do mercado apontem para um ano de 2023 muito positivo, e um começo promissor para 2024, fatores como o aumento nos custos operacionais e a inflação podem perturbar mesmo os planos mais bem elaborados, sublinha a GuestCentric, aconselhando os hotéis a focar-se sobretudo na rentabilidade do seu negócio. “Para isso, devem monitorizar e tornar absolutamente prioritária a sua receita líquida – isto é, a receita sem comissões e outros custos de distribuição”.

E lembra que, no panorama económico atual, com os custos operacionais em constante aumento, “a otimização do canal de vendas diretas deve ser uma das principais estratégias dos hotéis para 2024, permitindo, em paralelo, reduzir os custos de distribuição de terceiros”. Também, o foco na receita líquida, otimizando o canal de vendas diretas, é fundamental para um negócio hoteleiro rentável e sustentável do ponto de vista financeiro.

A GuestCentric reafirma que o verão de 2023 foi um período de enorme movimento para a hotelaria nacional. Cita a Reuters, que revela que só no mês de maio, Portugal recebeu um número recorde de 1,7 milhões de visitantes estrangeiros. Os dados revelaram ainda que nos primeiros cinco meses de 2023 registaram-se 6,4 milhões de visitantes internacionais – um aumento de 12% comparativamente ao mesmo período de 2019.

Por outro lado, de acordo com os dados provenientes do portefólio da Small Portuguese Hotels (SPH) – uma marca da GuestCentric que representa mais de 140 unidades de alojamento – este verão verificou-se um forte aumento na procura por turistas nacionais, em relação a 2019. No mesmo período os preços na hotelaria dispararam, crescendo 10% nas estadias de turistas internacionais, enquanto os portugueses viram o preço das suas estadias em hotéis da SPH aumentar 8% face a 2022. As reservas diretas com os hotéis consolidaram-se enquanto canal preferencial – representando 67% da receita no caso dos hóspedes portugueses e 45% no caso de estadias de turistas estrangeiros.

Os dados da GuestCentric revelam que o volume de dormidas vendidas em agosto estava 12% acima dos níveis de 2022 e que, neste momento, as dormidas de setembro estão 10% acima do mesmo mês do ano anterior.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Ryanair lança promoção de Natal com bilhetes desde 24,99 euros

A promoção de Natal da Ryanair apresenta preços desde 24,99 euros e é válida para vendas até 31 de outubro, cujas viagens decorram entre 15 de dezembro e 7 de janeiro.

A Ryanair lançou uma nova promoção, desta vez, dedicada ao Natal, na qual está a disponibilizar preços desde 24,99 euros para viagens entre 15 de dezembro e 7 de janeiro, cujas vendas decorram até 31 de outubro, através do site da companhia aérea.

“A Ryanair tem o prazer de anunciar um presente de Natal antecipado para os nossos clientes com o lançamento da nossa alegre promoção de lugares, com tarifas disponíveis a partir de 24,99€ para viagens entre 15 de dezembro e 7 de janeiro. Na Ryanair nunca é demasiado cedo para conseguir uma pechincha de Natal”, afirma Jade Kirwan, chefe de comunicação da Ryanair.

A nova promoção da Ryanair está disponível para vendas até 31 de outubro, através do website da companhia aérea, que pode ser consultado aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Federação Portuguesa de Golfe lança app com informação sobre campos nacionais

A nova app recorre à georreferenciação para apresentar os campos nacionais para a prática da modalidade, disponibilizando ainda os contactos e horários dos vários campos existentes de norte a sul do país.

A Federação Portuguesa de Golfe (FPG) lançou uma nova app dirigida aos jogadores nacionais e estrangeiros, que conta com informação sobre todos os campos de golfe existentes no país.

Num comunicado enviado à imprensa, a FPG explica que a nova app recorre à georreferenciação para apresentar os campos nacionais para a prática da modalidade e foi desenvolvida pela Mindshaker, o parceiro tecnológico da Federação.

“A App Golfe Portugal é um guia completo de todos os campos de golfe do país, onde é possível conhecer as suas características, contatos e horários, bem como localizá-los geograficamente de norte a sul do país e ilhas”, indica a FPG, em comunicado.
A app Golfe Portugal é gratuita e está disponível para download na Apple Store  e Google Play.
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Reclamações no turismo aumentam 40% desde o início do ano

Segundo o Portal da Queixa, as companhias aéreas e os sites de reservas de viagens foram os principais responsáveis pelas mais de 3000 reclamações apresentadas desde o início do ano relativas ao setor do turismo, com destaque para a TAP, Ryanair e easyJet.

Desde o início do ano, o setor do turismo soma 3.000 reclamações, num aumento de 40% face a igual período de 2019, avança o Portal da Queixa, que divulgou esta terça-feira, 26 de setembro, uma análise das reclamações no setor por ocasião do Dia Mundial do Turismo, que se assinala esta quarta-feira, 27 de setembro.

Segundo o Portal da Queixa, as companhias aéreas e os sites de reservas de viagens foram os principais responsáveis pelas reclamações apresentadas, com a TAP, a Ryanair e a easyJet a surgirem no pódio das empresas com maior número de reclamações recebidas.

“Entre os dias 1 de janeiro e 26 de setembro deste ano, o Portal da Queixa recebeu 3.067 reclamações relacionadas com o setor do Turismo. Comparativamente com o período homólogo de 2019, verifica-se um crescimento na ordem dos 40% no número de reclamações. Em ano de pré-pandemia, foram registadas apenas 2.481 queixas”, indica o Portal da Queixa, em comunicado.

Na categoria ‘Hotéis, Viagens e Turismo’,  o maior volume de reclamações registado diz respeito às companhias aéreas, que somaram 35.3% das queixas apresentadas, seguindo-se os sites de Reservas de Viagens, com 26.3% das reclamações.

Os sites de Reservas de Alojamento, com 12.3% das queixas, ficaram na terceira posição entre os que maior número de reclamações receberam, seguindo-se as agências de viagens (8.9%) e os Marketplaces – Viagens, Produtos e Serviços, que acolheram 5.6% das reclamações.

Problemas com o reembolso (20.8%); a cobrança indevida (12.7%); a falta de qualidade do serviço/hospedagem (9.8%); a dificuldade no apoio ao cliente (7.3%); problemas com o cancelamento da reserva (6.7%) e com o cancelamento/alteração do voo (6.1%) foram, segundo o Portal da Queixa, os principais motivos para a apresentação de uma reclamação.

No caso das companhias aéreas, a TAP foi a transportadora mais visada, principalmente devido a problemas no reembolso; dificuldades com o cancelamento/alteração de voo; atraso em voo; perda ou problemas com bagagem e mau atendimento ao cliente.

“No Top3 das empresas com mais reclamações, a TAP assume o pódio com 11.4% das queixas recebidas desde o início do ano. Segue-se a Ryanair com 7.6%, e a Easyjet a recolher 5.2% de reclamações”, indica o comunicado divulgado pelo Portal da Queixa.

As três companhias aéreas registam também, segundo a mesma informação, baixos níveis de resolução dos problemas reportados pelos consumidores, uma vez que todas ficaram abaixo dos 16 pontos (em 100) no índice de satisfação, resultando numa reputação avaliada como “Insatisfatória”.

Já as agências de viagens apresentam o melhor índice de satisfação da categoria ‘Hotéis, Viagens e Turismo’, com o Portal da Queixa a destaca a Rickytravel (Agência de Viagens), que conta com um nível de reputação “Excelente” e uma avaliação de 94.5 pontos. Já a Top Atlântico ficou na segunda posição, com um índice de satisfação de 85.7 pontos, enquanto a Traventia (Site de Reserva de Alojamentos) completa o pódio, com 82.7 de pontuação.

Para Pedro Lourenço, fundador do Portal da Queixa e CEO da Consumers Trust, a reputação do setor do turismo tem sido colocada em causa pela falta de apoio ao cliente, pela desorganização e incapacidade de resolução dos problemas, quer pela desinformação e pela apatia dos reguladores.

“As férias representam um dos principais momentos de lazer, na vida das pessoas, exercendo enorme pressão junto de todos os prestadores de serviços de turismo, devido às expectativas de sucesso criadas no momento inicial da jornada dos consumidores. Por essa razão, todos os anos, são milhares as reclamações dirigidas aos vários intervenientes, desde os agentes de viagens, sites de reservas, companhias aéreas e as cadeias hoteleiras, pelos mais variados motivos, contudo, a maioria tem a desinformação e falta de apoio ao cliente como principais motivos, o que revela a desorganização e incapacidade de resolução de problemas, colocando em causa a confiança e a reputação do setor”, defende o responsável.

Pedro Lourenço considera que os reguladores são “impotentes” face às ofertas publicadas na internet, nomeadamente nas reservas em plataformas digitais, “que devem ser combatidas através de ações que incrementem a literacia digital dos consumidores”.

 

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Air France-KLM encomenda 50 Airbus A350

O grupo Air France-KLM encomendou, recentemente, 50 Airbus A350 com as entregas previstas entre 2026 e 2030.

O grupo Air France-KLM acaba de realizar uma encomenda de 50 Airbus A350, juntando-lhe os direitos de compra para mais 40 aeronaves, com o objetivo de acelerar a renovação da frota de longo curso, tornando-se, assim, no operador com mais aviões da família A350.

A encomenda dos novos aviões abrange os A350-900 e A350-1000 que deverão ser entregues entre 2026 e 2030, considerando o grupo que “esta será uma ordem evolutiva, proporcionando flexibilidade para alocar aeronaves dentro do portfólio de companhias aéreas, de acordo com a dinâmica do mercado e as condições regulatórias locais”.

Benjamin Smith, CEO da Air France-KLM, refere que este novo pedido será “um passo importante na renovação da frota do grupo. O Airbus A350 é uma aeronave de última geração com um excelente histórico na Air France, onde se tornou rapidamente um favorito entre passageiros e tripulantes desde a sua entrada em serviço em 2019. É a solução perfeita para as necessidades da rede do grupo e apresenta desempenhos excecionais”. Para o responsável máximo da Air France-KLM, trata-se de uma aeronave “mais silenciosa, mais eficiente em termos de combustível e mais económica em comparação com gerações anteriores”, admitindo que será “fundamental para ajudar o grupo a atingir as ambiciosas metas de sustentabilidade, incluindo -30% de emissões de CO2 por passageiro-quilómetro até 2030”.

As novas aeronaves irão substituir os Airbus A330 e os Boeing 777, somando-se a atual encomenda a uma já existente de 41 A350-900 feita para a Air France, dos quais 22 aviões já foram entregues.

Além da encomenda destas aeronaves, a Air France-KLM também será um dos primeiros clientes dos Airbus A350 Full Freighter, tendo encomendado oito destas aeronaves para renovar e expandir a frota de carga.

Com estas encomendas conjuntas, totalizando até 99 aviões, a Air France-KLM tornar-se-á no maior operador a utilizar a família A350.

O grupo informa ainda que, até 2028, a quota de aviões de nova geração da Air France-KLM ascenderá a 64%, comparado com os 5% em 2019.

Até 25 de setembro, a Air France-KLM operava uma frota de 533 aeronaves para mais de 300 destinos em todo o mundo. Com o atual acordo, o grupo terá mais de 220 aeronaves encomendadas, incluindo 100 aeronaves da família Airbus A320neo, com as primeiras entregas previstas para o final de 2023.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.