Edição digital
Assine já
PUB
Análise

Na Europa: Itália cobiçada para investimentos hoteleiros

De acordo com o relatório Italian Hospitality Market realizado pela Deloitte numa amostra de mais de 400 players da hotelaria italiana, 2023 será um ano de investimentos recorde, atingindo os 100 milhões de euros

Publituris
Análise

Na Europa: Itália cobiçada para investimentos hoteleiros

De acordo com o relatório Italian Hospitality Market realizado pela Deloitte numa amostra de mais de 400 players da hotelaria italiana, 2023 será um ano de investimentos recorde, atingindo os 100 milhões de euros

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane
Transportes
CTI entrega avaliação de curto prazo da atual infraestrutura do aeroporto Humberto Delgado ao Governo
Transportes
CTP apoia criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela APAVT
Distribuição
Nova Edição: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London
Turismo
Edição Digital: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London
Edição Digital
Air Serbia abre voos sazonais para o Porto a 10 de novembro
Aviação
Governo aprova venda direta da TAP e quer alienar pelo menos 51% da companhia aérea
Aviação
Bestravel obtém certificação Checked by Deco
Distribuição
Universidade Europeia debate “A Hospitalidade de Amanhã” a 3 de outubro
Alojamento
Ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo arranca com quase 3 mil alunos
Emprego e Formação

A Itália confirma -se como um dos maiores mercados europeus no setor hoteleiro, com mais de 32 mil estruturas que atraem a atenção de investidores dispostos a apostar no crescimento do turismo no país. De acordo com o relatório “Italian Hospitality Market” realizado pela Deloitte numa amostra de mais de 400 players da hotelaria italiana, 2023 será um ano de investimentos recordes, atingindo os 100 milhões de euros.

A pesquisa revela um cenário extremamente positivo para o setor hoteleiro italiano, com grupos já presentes no país procurando ampliar a sua presença e novos investidores prontos para entrar no mercado, com o objetivo de crescer rapidamente.

A análise mostra que as regiões do norte e centro da Itália são preferidas por 58% dos investidores, pois oferecem ativos com retornos mais estáveis. Por outro lado, 86% dos grupos hoteleiros inquiridos manifestaram preferência pelas regiões centro e sul, considerados mercados menos saturados. As principais cidades, incluindo Roma, Milão, Florença e Veneza, são os destinos mais procurados por investidores e grupos hoteleiros.

A pesquisa analisou também os diferentes modelos de gestão adotados pelas estruturas hoteleiras, destacando que 33% preferem o modelo de gestão direta e o contrato de gestão. No entanto, a difusão do contrato de gestão é crescente graças à entrada de novos investidores com capital significativo. Este modelo permite-lhes alavancar o conhecimento especializado do setor, promovendo a sua propriedade através de canais internacionais e marcas reconhecidas, mas o risco do negócio ainda é visto como uma barreira significativa para muitos proprietários.

Um aspeto crucial que emergiu da pesquisa diz respeito à sustentabilidade ambiental. De facto, todos os envolvidos no inquérito reconhecem a importância do tema, mas surpreendentemente 60% dos entrevistados acreditam que o compromisso das empresas hoteleiras italianas com a sustentabilidade ainda é insuficiente. A consciência do impacto positivo de iniciativas sustentáveis ​​na redução de custos, principalmente relacionados à economia de energia, e no aumento de receitas é bem compreendida pelos players do setor. A adaptação das estruturas aos modernos critérios de sustentabilidade tornou-se um elemento essencial para se manter competitivo no cenário turístico internacional, refere a imprensa italiana que cita este estudo da Deloitte.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane
Transportes
CTI entrega avaliação de curto prazo da atual infraestrutura do aeroporto Humberto Delgado ao Governo
Transportes
CTP apoia criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela APAVT
Distribuição
Nova Edição: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London
Turismo
Edição Digital: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London
Edição Digital
Air Serbia abre voos sazonais para o Porto a 10 de novembro
Aviação
Governo aprova venda direta da TAP e quer alienar pelo menos 51% da companhia aérea
Aviação
Bestravel obtém certificação Checked by Deco
Distribuição
Universidade Europeia debate “A Hospitalidade de Amanhã” a 3 de outubro
Alojamento
Ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo arranca com quase 3 mil alunos
Emprego e Formação
PUB
Transportes

LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane

A moçambicana LAM vai passar a ligar Joanesburgo, na África do Sul, a Inhambane, capital da província com o mesmo nome, um dos principais pontos turísticos de Moçambique, anunciou a companhia aérea estatal.

De acordo com informação comercial divulgada pela transportadora aérea, o primeiro desses voos diretos acontece esta sexta-feira (29 de setembro), operando a companhia ainda ligações às quartas-feiras e aos domingos.

Em agosto, aquando do anúncio da retoma desta ligação, a ministra da Cultura e do Turismo sublinhou a importância desta rota, por se tratar do “principal destino de lazer” em Moçambique.

“Este retorno das Linhas Aéreas de Moçambique neste percurso é mais que acertado, dada a sua relevância na cadeia de valor para a consolidação e promoção do turismo nacional, pois, com a sua intervenção, abrem-se melhores perspetivas para o envolvimento e estímulo de mais intervenientes moçambicanos no turismo”, destacou Eldevina Materula.

Com 700 quilómetros de linha de costa com praias de águas cristalinas e dunas costeiras verdes, a província de Inhambane conta com 789 empreendimentos turísticos, segundo os números apresentados pela ministra, sublinhando que estes empregam “cerca de 7.000 trabalhadores, contribuindo com cerca de 10% do total de 8.154 empreendimentos e 70.718 trabalhadores” do setor em todo o país.

A moçambicana LAM prevê ainda retomar, em 20 de novembro, os voos de Maputo para Lisboa, anunciou anteriormente o administrador da empresa sul-africana que o Governo de Moçambique colocou desde abril a gerir a companhia de bandeira.

“Estamos a prever retomar essa rota a 20 de novembro. É vital e vai mudar o rosto da companhia”, afirmou em 14 de setembro, num encontro com jornalistas, em Maputo, o diretor-executivo da sul-africana Fly Modern Ark (FMA), Theunis Crous.

A LAM já tinha assumido anteriormente que está empenhada em obter as devidas autorizações para utilizar o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e horários de gestão de ‘slot’, para onde deixou de voar desde 2012, tendo então perdido essas licenças.

Theunis Crous referiu igualmente que a FMA já mobilizou 15 milhões de dólares (14 milhões de euros) de financiamentos para a operação atual da LAM, que está a ser alargada, com novas rotas e aeronaves, o que se traduz num aumento de passageiros, 57 mil atualmente, face à média anterior de 46 mil mensais.

A estratégia em curso, de revitalização da empresa, segue-se a anos de problemas operacionais relacionados com uma frota reduzida e falta de investimentos, com registo de alguns incidentes, não fatais, associados por especialistas à ineficiente manutenção das aeronaves.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

CTI entrega avaliação de curto prazo da atual infraestrutura do aeroporto Humberto Delgado ao Governo

A Comissão Técnica Independente (CTI) para o estudo da expansão aeroportuária de Lisboa entregou ao Governo, no início deste mês, uma avaliação de curto prazo do aeroporto Humberto Delgado, incluindo medidas para melhorar a eficiência da infraestrutura.

A coordenadora da CTI, Rosário Partidário, indicou que a entidade realizou “durante o mês de agosto, uma avaliação do aeroporto Humberto Delgado” de “curto prazo, porque identifica uma série de medidas e ações que podem ser tomadas para aliviar a situação com que o aeroporto Humberto Delgado se confronta neste momento”.

Esse relatório “já foi entregue ao Governo no início de setembro” para que o executivo, “conforme entenda, possa desde já começar a iniciar medidas no sentido de aliviar o aeroporto Humberto Delgado”, indicou à Lusa.

A responsável destacou, no entanto, que esse relatório, que deverá ser divulgado para a semana, “é integrante do relatório final” de avaliação das localizações para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa.

Rosário Partidário destacou que este relatório é “muito técnico”, mas que “naturalmente” a CTI está recetiva a qualquer comentário que possa ser enviado. A coordenadora não quis divulgar as medidas propostas, mas destacou que muitas são de “gestão”, para tentar aliviar “a sobrecarga que existe no aeroporto”.

A comissão disponibilizou um outro relatório, de fatores críticos para a decisão, que estabelece o quadro de avaliação estratégica “onde estão definidos os fatores críticos, os critérios e os indicadores” a usar na avaliação das opções estratégicas para a escolha da solução.

Este relatório começou a ser elaborado em maio, tendo sido sujeito a consulta pública, e recebeu cerca de 230 comentários, sendo que, destes, 63% eram sobre aspetos que a CTI não tinha considerado e que ajudaram no trabalho da comissão, adiantou.

Estes fatores críticos são a segurança aeronáutica, a acessibilidade do território, a saúde humana e viabilidade ambiental, a conectividade e desenvolvimento económico e o investimento público e o modelo de financiamento, lembrou.

Questionada sobre o peso de cada um destes fatores, Rosário Partidário disse que esta é uma metodologia que, selecionando apenas cinco fatores, “já os designa como prioritários”.

A coordenadora da CTI reiterou, no entanto, que a decisão final é do decisor, ou seja, do Governo, recordando que a comissão técnica independente tem “um mandato para avaliar opções estratégicas” que passa por “avaliar, entregar ao decisor a informação, as orientações, os conselhos, as recomendações” para a tomada da decisão.

“Se o decisor nessa altura, quiser dar mais valor à segurança aeronáutica” ou “ao investimento público e o modelo de financiamento ou à saúde e a viabilidade ambiental, naturalmente que é livre de o fazer”, explicou.

Em 27 de abril, a comissão técnica que está a estudar a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa anunciou nove opções possíveis para o novo aeroporto, que incluem as cinco definidas pelo Governo mais Portela + Alcochete, Portela + Pegões, Rio Frio + Poceirão e Pegões.

Uma resolução do Conselho de Ministros, aprovada no ano passado, definiu a constituição de uma CTI para analisar cinco hipóteses para a solução aeroportuária de Lisboa (Portela + Montijo; Montijo + Portela; Alcochete; Portela + Santarém; Santarém), mas previa que pudessem ser acrescentadas outras opções.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Victor Machado (Bluepeach)

Distribuição

CTP apoia criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela APAVT

A proposta de criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), recebe o apoio oficial da CTP.

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) apoia a iniciativa que a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) anunciou relativamente à criação oficial do “Dia Nacional do Agente de Viagens”.

Francisco Calheiros, presidente da CTP, refere diz “conhecer muito bem a importância e o papel dos agentes de viagens no desenvolvimento do turismo e da economia do país. São parceiros absolutamente fundamentais, de confiança, que desempenham um papel crítico na promoção de Portugal em todo o mundo. É exatamente por essa razão que é com muita alegria que acolho esta iniciativa da APAVT”.

O presidente da CTP afirma ainda que, “pelo nosso lado, daremos todo o apoio possível à APAVT na promoção desta iniciativa”.

O “Dia Nacional do Agente de Viagens”, proposto pela APAVT, visa celebrar o papel relevante desempenhado pelos agentes de viagens, designadamente, no interface entre a procura e a oferta turísticas, na promoção e distribuição do produto turístico português, dentro e fora de portas, bem como o serviço prestado aos residentes, na oferta de soluções de viagens e férias com fiabilidade, confiança e em segurança.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Nova Edição: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London

A próxima edição destaca o turismo na região do Porto e Norte, com entrevista a Luís Pedro Martins, presidente da TPNP. Além disso, revelamos os objetivos da TTS, da Highgate Portugal, o turismo de mergulho e antecipamos o próximo WTM London.

Publituris

A última edição do mês de setembro do jornal PUBLITURIS faz capa com o “dossier” dedicado ao Turismo na região do Porto e Norte de Portugal. A começar, a entrevista ao presidente da região, Luís Pedro Martins, serve para confirmar que a expectativas relativamente à performance do turismo na região foram “suplantadas”.

Se até ao final do presente ano é esperada uma nova marca para a entidade, 2024 será o ano de “maturidade do marketplace”.

Ainda no “dossier”, falámos com alguns agentes da região que admitiram que o Porto e Norte tem vindo a afirmar-se, cada vez mais, como um destino diferenciador e que tem beneficiado – e muito – do crescente número de ligações aéreas, especialmente, à América do Norte.

A atividade de cruzeiros, por sua vez, tem vindo a recuperar e, no Norte do país, está mesmo a bater recordes, seja a nível fluvial ou marítimo. Com navios esgotados, aumento do número de escalas e de passageiros, as previsões apontam para que 2023 venha a ser mesmo um dos melhores anos de sempre.

Esta edição começa, contudo, os objetivos da TTS – Travel Technology & Solutions em Portugal, que passam por não só manter, mas também fortalecer a sua posição como parceiro tecnológico “confiável e inovador para as agências de viagens”.

No “Alojamento, entrevistámos Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal. Contando, atualmente, com 18 unidades hoteleiras no portefólio (Porto, Lisboa, Algarve e Sesimbra), a estratégia é continuar a expandir no país, principalmente nos grandes destinos portugueses onde já está presente.

Com a realização das “Diving Talks”, de 6 a 8 de outubro, quisemos saber como está o turismo de mergulho em Portugal. Arlindo Serrão, fundador e diretor da Portugal Dive, responsável pela organização das “Diving Talks”, admite que Portugal está bem posicionado no turismo de mergulho e que, quem nos visita, é de facto, um turista que acrescente valor à economia.

A pouco mais de um mês do arranque do World Travel Market (WTM) London 2023, Juliette Losardo, Exhibition Director do evento, falou ao PUBLITURIS sobre um WTM “renascido”, mas também “das novas preocupações na indústria das viagens”.

As opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor) e Ana Jacinto (secretário-geral da AHRESP).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London

A próxima edição destaca o turismo na regiao do Porto e Norte, com entrevista a Luís Pedro Martins, presidente da TPNP. Além disso, revelamos os objetivos da TTS, da Highgate Portugal, o turismo de mergulho e antecipamos o próximo WTM London.

Publituris

A última edição do mês de setembro do jornal PUBLITURIS faz capa com o “dossier” dedicado ao Turismo na região do Porto e Norte de Portugal. A começar, a entrevista ao presidente da região, Luís Pedro Martins, serve para confirmar que a expectativas relativamente à performance do turismo na região foram “suplantadas”.

Se até ao final do presente ano é esperada uma nova marca para a entidade, 2024 será o ano de “maturidade do marketplace”.

Ainda no “dossier”, falámos com alguns agentes da região que admitiram que o Porto e Norte tem vindo a afirmar-se, cada vez mais, como um destino diferenciador e que tem beneficado – e muito – do crescente número de ligações aéreas, especialmente, à América do Norte.

A atividade de cruzeiros, por sua vez, tem vindo a recuperar e, no Norte do país, está mesmo a bater recordes, seja a nível fluvial ou marítimo. Com navios esgotados, aumento do número de escalas e de passageiros, as previsões apontam para que 2023 venha a ser mesmo um dos melhores anos de sempre.

Esta edição começa, contudo, os objetivos da TTS – Travel Technology & Solutions em Portugal, que passam por não só manter, mas também fortalecer a sua posição como parceiro tecnológico “confiável e inovador para as agências de viagens”.

No “Alojamento”, entrevistámos Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal. Contando, atualmente, com 18 unidades hoteleiras no portefólio (Porto, Lisboa, Algarve e Sesimbra), a estratégia é continuar a expandir no país, principalmente nos grandes destinos portugueses onde já está presente.

Com a realização das “Diving Talks”, de 6 a 8 de outubro, quisemos saber como está o turismo de mergulho em Portugal. Arlindo Serrão, fundador e diretor da Portugal Dive, responsável pela organização das “Diving Talks”, admite que Portugal está bem posicionado no turismo de mergulho e que, quem nos visita, é de facto, um turista que acrescente valor à economia.

A pouco mais de um mês do arranque do World Travel Market (WTM) London 2023, Juliette Losardo, Exhibition Director do evento, falou ao PUBLITURIS sobre um WTM “renascido”, mas também “das novas preocupações na indústria das viagens”.

As opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor) e Ana Jacinto (secretário-geral da AHRESP).

Leia a edição aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Air Serbia abre voos sazonais para o Porto a 10 de novembro

A rota sazonal da Air Serbia arranca a 10 de novembro e vai contar com dois voos por semana, às segundas e sextas-feiras, até 29 de março de 2024.

Publituris

A Air Serbia anunciou esta quinta-feira, 28 de setembro, que vai abrir uma rota sazonal para o Porto a partir de 10 de novembro, ligando Belgrado à cidade Invicta, numa operação com dois voos por semana, informou a companhia aérea da Sérvia.

Os voos entre Belgrado, capital da Sérvia, e o Porto vão decorrer às segundas e sexta-feiras, têm 03h45 de duração e vão ser operados num avião Airbus A319, com capacidade para 144 passageiros.

Às segundas-feiras, as partidas de Belgrado estão agendadas para as 13h50, chegando ao Porto às 16h35, enquanto em sentido contrário as partidas da cidade Invicta são às 17h35, chegando à capital da Sérvia às 22h00.

Já às sextas-feiras, os voos partem da capital sérvia pelas 07h50 e chegam ao Porto às 10h35, estando a partidas da cidade portuguesa agendadas para as 11h30, com chegada a Belgrado pelas 15h55, sempre em horários locais.

Os voos da Air Serbia entre Belgrado e o Porto vão decorrer até 29 de março de 2024 e já se encontram disponíveis para reserva.

Para assinalar o anúncio da abertura da nova rota, a companhia aérea vai ter, nos próximos 13 dias, uma oferta especial para as primeiras reservas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Governo aprova venda direta da TAP e quer alienar pelo menos 51% da companhia aérea

Segundo Fernando Medina, ministro das Finanças, a percentagem do capital da companhia aérea que será alienada ainda não está definida, mas o objetivo é vender a transportadora em 2024, com preferência pelas empresas do setor.

Publituris

O Governo aprovou esta quinta-feira, 28 de setembro, o decreto-lei de privatização da TAP e que prevê a venda direta de, pelo menos, 51% do capital da companhia aérea, revelou Fernando Medina, ministro das Finanças, na conferência de imprensa que decorreu após o Conselho de Ministros.

“Não está ainda definido se será privatizado 51%, 60%, 70%, 80% ou, até como o senhor primeiro-ministro já admitiu, 100%”, afirmou o governante, explicando que a percentagem a privatizar será determinada de acordo com o cumprimento dos objetivos estratégicos definidos pelo executivo.

Fernando Medina, que participou na conferência de imprensa ao lado de João Galamba, ministro das Infraestruturas, explicou que o objetivo do Governo é concluir a privatização em 2024, ainda que isso esteja dependente da negociação com a Comissão Europeia.

O governante garantiu ainda que o crescimento e desenvolvimento do hub de Lisboa será um dos critérios tidos em conta para a escolha do futuro comprador da TAP e que a preferência do executivo vai para as empresas do setor.

Após a conferência de imprensa, o Conselho de Ministros emitiu um comunicado que também adianta algumas informações sobre a venda da transportadora de bandeira nacional, nomeadamente o facto da modalidade escolhida para a alienação de capital ser a venda direta.

“Entende-se que esta modalidade é a que melhor salvaguarda o interesse nacional, indo ao encontro da estratégia definida para o setor, assente numa maior estabilidade da estrutura acionista e na preservação do valor e da importância da companhia para o país”, explica a informação divulgada.

O processo de privatização contempla também os trabalhadores da companhia aérea, uma vez que está prevista “uma oferta pública de venda dirigida exclusivamente a trabalhadores da TAP”, que deverá ser de 5% do capital.

No comunicado do Conselho de Ministros, o Governo diz ainda que “o processo de reprivatização foi precedido de uma avaliação prévia da empresa, concretizada por duas entidades independentes” e que o mesmo “não prejudica a vigência do plano de reestruturação da TAP aprovado pela Comissão Europeia, o qual tem um horizonte temporal até 31 de dezembro de 2025”.

A privatização da TAP volta a ser tema oito anos depois da primeira venda da companhia aérea, que aconteceu em 2015, quando o Governo de Pedro Passos Coelho alienou 61% do capital da TAP ao consórcio Atlantic Gateway, liderado por Humberto Pedrosa e David Neeleman.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Bestravel obtém certificação Checked by Deco

A rede de agência de viagem Bestravel já exibe a menção Checked by Deco, uma iniciativa da Deco e da APAVT que avalia as práticas comerciais das empresas, nas suas lojas e canais digitais, para uma maior proteção dos direitos dos consumidores e um mercado mais transparente.

Publituris

Com esta certificação as agências de viagens Bestravel garantem ainda mais confiança e segurança ao seu cliente, que acompanha a marca ao longo dos 20 anos, garantindo que os consumidores beneficiam de uma oferta ainda mais transparente e segura, indica a rede em nota de imprensa.

A atribuição desta distinção teve lugar numa agência Bestravel situada na Parede, na presença de Ana Avelar, diretora de Desenvolvimento de Negócio, e Ricardo Teles, diretor operacional da rede de gestão, do diretor-executivo da APAVT, Ricardo Figueiredo, e do presidente da Deco, Luís Silveira Rodrigues.

Segundo Ricardo Teles, “esta distinção é um marco importante na história, posicionamento e estratégia da Bestravel e na relação de credibilidade e transparência que queremos garantir e estabelecer com os nossos clientes”, para destacar que “acreditamos que é, sem dúvida, mais um dos eixos diferenciadores de quem escolhe uma agência de viagem Bestravel”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Universidade Europeia debate “A Hospitalidade de Amanhã” a 3 de outubro

“A Hospitalidade de Amanhã – Tendências e Inovações” é o tema de um debate que a Universidade Europeia vai promover a 3 de outubro, no âmbito das Executive Talks promovidas pela instituição de ensino superior.

Publituris

A Universidade Europeia vai debater, a 3 de outubro, “A Hospitalidade de Amanhã – Tendências e Inovações”, iniciativa que decorre no âmbito das Executive Talks promovidas pela instituição de ensino superior, com início pelas 18h30, no auditório da Universidade Europeia, no Campus da Quinta do Bom Nome, em Carnide, Lisboa.

“No âmbito das comemorações do Dia Mundial do Turismo (27 de setembro), a Universidade Europeia organiza este encontro de profissionais do setor com o objetivo de promover uma análise crítica, a partilha de ideias e o uso eficaz de ferramentas e processos inovadores”, informou a Universidade Europeia, em comunicado.

Segundo a Universidade Europeia, o evento vai reunir “profissionais de renome na área da hospitalidade e gestão, oferecendo um espaço dinâmico para o intercâmbio e reflexão sobre as tendências para o futuro, a inovação e o seu impacto na mudança no setor”.

A iniciativa começa pelas 18h30, com a acreditação dos participantes e welcome coffee, seguindo-se, às 19h00, uma intervenção de boas-vindas com Hélia Gonçalves Pereira, reitora da Universidade Europeia.

Pelas 19h10, tem início a sessão de abertura deste debate, que vai contar com a participação de Laurinda Alves, jornalista, escritora e professora, bem como uma mesa redonda, sob o tema “Hospitalidade: Tendências e Inovações”, com a participação de Rita Machado, vice-presidente de vendas e marketing da Great Hotels of the World, e Francisco Siopa, Executive Pastry Chef no Penha Longa Resort e Embaixador Nacional da CALLEBAUT. O evento termina depois das 19h50, quando tem início uma sessão de perguntas e respostas.

A iniciativa é gratuita mas requer inscrição prévia, que pode ser realizada aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

Ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo arranca com quase 3 mil alunos

O Turismo de Portugal assinalou o Dia Mundial do Turismo com o início oficial do ano letivo nas Escolas de Hotelaria e Turismo. As aulas arrancaram com cerca de três mil alunos.

Publituris

Para assinalar este momento, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, visitou a Escola de Faro, para uma aula inaugural.

Este ano, perto de três mil alunos vão iniciar o seu percurso de formação em turismo nas Escolas do Turismo de Portugal, distribuídos por 12 cursos lecionados em português e quatro em inglês, nas áreas de Cozinha, Pastelaria, Padaria, Restauração e Bebidas, Hotelaria/Alojamento, Informação e Animação Turística.

Em 2022-2023, um total de 2.182 alunos frequentaram a Rede de Escolas na formação inicial. Para o ano letivo 2023-2024, foram registadas 2.916 candidaturas no Regime Geral e 862 candidatos internacionais no Regime Especial de Acesso e Ingresso de Estudantes Internacionais, o que representa aumentos de 22% e 52%, respetivamente, face ao ano letivo anterior.

Refira-se que a formação profissional é uma das apostas do Turismo de Portugal na valorização da profissão, desempenhando um papel essencial na resposta à necessidade de trabalhadores no setor. “A procura por estratégias para atração e retenção de talentos é, por isso, um foco constante, tanto nas escolas como nas empresas do turismo”, destaca o Turismo de Portugal em nota de imprensa.

Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal, sublinha que “assumimos a convicção de que mais educação e formação são o caminho para uma melhor integração no mercado de trabalho, num setor onde 94% dos alunos conseguem uma integração imediata no mercado de trabalho ou reforçam a sua formação”.

A par disto, assegura Carlos Abade, “continuamos a apostar em perspectivas de carreira mais atrativas e na defesa de remunerações e condições de trabalho de qualidade.”

O comunicado refere ainda que, em 2023, face ao ano anterior, a remuneração bruta mensal por trabalhador neste ramo de atividade aumentou 6%. Citando informação da Declaração Mensal de Remunerações transmitida pelas empresas à Segurança Social e da Relação Contributiva dos subscritores da Caixa Geral de Aposentações, o Turismo de Portugal lembra que, este ano, o aumento na atividade de Alojamento e Restauração foi de 5,6%, superior à média da economia que ficou pelos 2,9%.

Da mesma forma, considera que a promoção do crescimento das qualificações, da atratividade das profissões e do número de profissionais de turismo é também o grande propósito da Agenda para as Profissões do Turismo, uma iniciativa do Governo composta por diversas medidas que já se encontram em curso.

As 12 Escolas de Hotelaria e Turismo, espalhadas de norte a sul de Portugal, têm capacidade para acolher cerca de quatro mil alunos em formação inicial, e estão preparadas para formar profissionais em diversas áreas operacionais e de gestão, respondendo às necessidades do mercado, dada a oferta formativa ampla e diversificada que promovem.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.