Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

Iberia, British Airways e Qatar Airways unidas num dos maiores acordos de code-share de sempre

A Iberia acaba de se juntar à British Airways e à Qatar Airways em acordo de code-share conjunto com vista a melhorar as ligações que as três companhias aéreas oferecem aos seus clientes.

Publituris
Transportes

Iberia, British Airways e Qatar Airways unidas num dos maiores acordos de code-share de sempre

A Iberia acaba de se juntar à British Airways e à Qatar Airways em acordo de code-share conjunto com vista a melhorar as ligações que as três companhias aéreas oferecem aos seus clientes.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
CTP congratula-se com decisão de Marcelo que permite aprovação e entrada em vigor do OE 2024
Turismo
Cimeira Mundial de Associações das Agências de Viagens pôs foco nas relações com companhias aéreas
Meeting Industry
Turismo e restauração criaram quase mil empregos em Moçambique em três meses
Destinos
Tráfego aéreo continua a crescer em setembro, revelam dados da IATA
Transportes
Para atrair turistas chineses a solução é abolir os vistos
Destinos
Netviagens.pt renasce pela mão da Geostar
Agências
Grupo Emirates alcança lucros recorde no semestre
Transportes
Recuperação do turismo na Europa mantém-se desigual
Destinos
GlobalData: Negócios no setor das viagens e turismo cai 31,8% de janeiro-outubro
Análise
Intur dá destaque ao turismo do interior e Portugal marca presença
Meeting Industry

A Qatar Airways e a British Airways já operavam o que é considerado maior acordo comercial conjunto de companhias aéreas do mundo, que abrange 60 países, e a Iberia juntou-se a elas para melhorar as ligações que as três transportadoras aéreas oferecem aos seus clientes.

Como resultado da sua integração neste acordo comercial conjunto, no dia 11 de dezembro a Iberia começará a operar voos diários entre Madrid e o Aeroporto Internacional de Hamad, no Qatar. A rota será servida em aviões Airbus A330-200, com 288 lugares em classes Business e Económica.

Desta forma, os clientes poderão ligar-se a mais de 200 destinos através das três companhias aéreas mundiais. A Iberia e a Qatar Airways vão oferecer três frequências diárias entre Madrid e Doha, melhorando significativamente a ligação entre a Península Ibérica e os principais mercados do Médio Oriente, África, Ásia e Austrália.

A entrada da Iberia nesta aliança amplia as opções para os clientes com uma extensa rede de destinos, horários de voos e tarifas; conectividade altamente eficiente através de Doha, Londres e Madrid; e o conforto de cabines executivas reconhecidas no mercado, como a Qsuite da Qatar Airways, a Club Suite da British Airways e a Classe Executiva da Iberia.

Os clientes do Médio Oriente, África, Ásia e Austrália terão também mais oportunidades de voar para Madrid, Lisboa, Ibiza, Málaga, Gran Canaria e dezenas de outros destinos em Espanha e Portugal, indica a Iberia em nota de imprensa.

Por outro lado, haverá outros benefícios também relevantes da extensão deste acordo comercial conjunto: Os clientes dos programas de fidelização das três companhias aéreas – British Airways Executive Club, Iberia Plus e Qatar Airways Privilege Club – podem acumular e resgatar Avios, a moeda comum às três companhias aéreas, nas suas viagens. Os membros poderão transferir Avios entre contas e combinar os seus saldos para beneficiarem das vantagens oferecidas por cada programa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
CTP congratula-se com decisão de Marcelo que permite aprovação e entrada em vigor do OE 2024
Turismo
Cimeira Mundial de Associações das Agências de Viagens pôs foco nas relações com companhias aéreas
Meeting Industry
Turismo e restauração criaram quase mil empregos em Moçambique em três meses
Destinos
Tráfego aéreo continua a crescer em setembro, revelam dados da IATA
Transportes
Para atrair turistas chineses a solução é abolir os vistos
Destinos
Netviagens.pt renasce pela mão da Geostar
Agências
Grupo Emirates alcança lucros recorde no semestre
Transportes
Recuperação do turismo na Europa mantém-se desigual
Destinos
GlobalData: Negócios no setor das viagens e turismo cai 31,8% de janeiro-outubro
Análise
Intur dá destaque ao turismo do interior e Portugal marca presença
Meeting Industry
PUB
Turismo

CTP congratula-se com decisão de Marcelo que permite aprovação e entrada em vigor do OE 2024

A CTP manifesta o respeito pelas decisões apresentadas pelo Presidente da República, destacando o facto de o calendário apresentado permitir a aprovação e a entrada em vigor do Orçamento do Estado para 2024, bem como a prossecução do calendário do Programa de Recuperação e Resiliência.

Publituris

Numa breve nota de imprensa divulgada sexta-feira, a Confederação do Turismo de Portugal (CTP) manifesta o respeito pelas decisões apresentadas pelo Presidente da República, destacando o facto de o calendário apresentado permitir a aprovação e a entrada em vigor do Orçamento do Estado (OE) para 2024 e a prossecução do calendário do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR).

A CTP sublinha que, sem a aprovação do OE2024, “o país teria de viver um largo período numa gestão por duodécimos na atual conjuntura inflacionista, pelo que seria ainda mais difícil a vida para as empresas e para os portugueses, no âmbito de uma situação internacional e nacional de grande incerteza e tendo em conta que os indicadores económicos vão apontando para uma possível fase de recessão da economia”.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou na quinta-feira que, na sequência da demissão do primeiro-ministro, António Costa, optou pela dissolução da Assembleia da República em dezembro e pela marcação de eleições em 10 de março de 2024, possibilitando assim a aprovação global final, este mês, da proposta de Orçamento de Estado 2024.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Cimeira Mundial de Associações das Agências de Viagens pôs foco nas relações com companhias aéreas

A 7º Cimeira Mundial das Associações de Agências de Viagens, que reuniu, em Granada, quase 200 profissionais do setor dos cinco continentes, colocou foco nas relações com a IATA e as companhias aéreas, mas centrou também os debates na sustentabilidade, novas tendências e nos hábitos de consumo, bem como a inovação e tecnologia no setor das viagens (IA, segurança e legislação).

Publituris

A 7ª Cimeira Mundial das Associações de Agências de Viagens, organizada pela Confederação Espanhola de Agências de Viagens (CEAV), terminou esta sexta-feira em Granada e contou com a participação de quase 200 profissionais do setor. A APAVT esteve presente por uma delegação liderada pelo seu presidente, Pedro Costa Ferreira.

No último dia do encontro, que começou quarta-feira, dia 8, foi discutida a relação entre agências de viagens e companhias aéreas. Otto de Vries, CEO da ASATA (África do Sul), destacou a tensão entre os dois setores nos últimos dois anos e a necessidade de chegar a um acordo e olhar para o futuro considerando as oportunidades e não os obstáculos. Andrew Bowman, presidente da WTAAA – Aliança Mundial de Associações de Agentes de Viagens, concordou com a necessidade de trabalho conjunto “para ver o que os nossos parceiros comuns precisam”.

Por sua vez, Guillermo Correa Sanfuentes, presidente da FOLATUR – Fórum Latinoamericano de Turismo lembrou que a contribuição das agências para as companhias aéreas é “gigantesca” e muitas vezes “não é valorizada”.

No entanto, Maria Jesús López Solás, Chief Commercial, Network & Alliances Officer da Iberia acentuou que metade do que a companhia aérea vende neste momento é “graças às agências de viagens”, que descreveu como “parceiros estratégicos”, tendo concordado com a necessidade de desenvolver um bom relacionamento para o futuro.

O painel, no qual também participaram Juan Antonio Rodríguez, Diretor de Operações do FDS da IATA e Guillaume Teissonniére, Conselheiro Geral e Secretário de Empresa da ODIGEO, discutiu os sistemas de distribuição NDC. Teissonniére reconheceu a relutância das agências de viagens em mudar para este sistema porque “não temos incentivos”, enquanto Rodríguez defendeu “pegar o touro pelos chifres e fazer parte da transformação dos pagamentos para que seja “benéfico para todos”.

Depois das intervenções na sessão inaugural, nomeadamente, de Carlos Garrido, presidente do CEAV, o primeiro dia dos trabalhos contou com um debate, no qual Juan Antonio Gómez García, Head of Marketing Intelligence da Forward Keys, analisou o comportamento dos mercados globais, destacando a resiliência da indústria do turismo e a recuperação, que “continua apesar das incertezas”.

Noutra sessão, Frank Oostdam, presidente da ECTAA, Tulio Bernal, presidente da ANAV, Ajay Prakash, presidente da TAFI e Nicanor Sabula, CEO da AESATA, examinaram o futuro do turismo sustentável. Oostdam apresentou uma visão crítica, salientando que o setor das agências não está a responder adequadamente aos desafios da sustentabilidade e apelou à aceleração de ações. Neste sentido, Sabula referiu-se à influência que o agente de viagens pode exercer sobre os viajantes para que compreendam a pegada deixada pelas suas viagens e como podem mitigar o impacto ambiental que geram. Por sua vez, Bernal indicou que as agências de viagens podem escolher fornecedores que dêem importância à sustentabilidade: “companhias aéreas que se preocupam com a sua pegada de carbono, hotéis que têm uma excelente gestão da sua pegada hídrica…”. Por fim, Prakash apontou a possibilidade de procurar destinos sem aglomeração, tendência que parece ter-se acelerado após a pandemia. Todos concluíram que devemos “passar da conversa, que é interessante, para as ações, que são o que é realmente importante”.

As novas tendências de consumo em viagens foram também examinadas. Christian Boutin, vice-presidente sénior da Amadeus EMEA, apresentou um relatório da Amadeus que estabelece quatro categorias de viajantes: experimentalistas, criadores de memória, influenciadores e pioneiros. De todos eles, 44% querem chegar ao destino o mais rápido possível, 35% preocupam-se com a sustentabilidade e 34% dão muita importância à tecnologia. “Os viajantes de hoje esperam que as viagens sejam facilitadas com a tecnologia. “Muitos viajantes confiam mais na tecnologia depois da pandemia”, observou.

Por sua vez, Jean-Philippe Monod de Froideville, vice-presidente sénior de Assuntos Governamentais e Corporativos do Grupo Expedia, destacou que, segundo estudos da empresa, os viajantes passam em média cinco horas a pesquisar na Internet para escolher uma viagem, que também costumam reservar dois meses antecipadamente. Da mesma forma, 24% dos viajantes fazem as suas viagens para assistir a evento, outros 25% repetem o seu destino todos os anos e 37% são influenciados pela família, enquanto 17% são mais inspirados pelos amigos.

O comportamento dos mercados globais, destacando-se a resiliência da indústria do turismo e a recuperação, que “continua apesar das incertezas” foi também debatido, bem como a situação atual do turismo em diferentes áreas do mundo, sem esquecer o papel consultivo do agente de viagens, especialmente num contexto geopolítico como o atual, em que os viajantes por vezes têm receios “irrealistas” de viajar para determinadas áreas porque não conhecem a real situação. Um exemplo claro disto é África, indicaram os especialistas.

Trata-se da reunião mais importante que se realiza no setor das agências de viagens e operadores turísticos, que se realiza de dois em dois anos para discutir questões globais do setor.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo e restauração criaram quase mil empregos em Moçambique em três meses

Os empresários moçambicanos criaram quase mil novos postos de trabalho na área do turismo e restauração no terceiro trimestre de 2023, de acordo com dados do Ministério da Economia e Finanças.

Publituris

“Importa referir que durante o período em análise, entraram em funcionamento 33 novos empreendimentos turísticos, contra 31 de igual período de 2022, o que representa um incremento de 6,5%, tendo gerado cerca de 482 postos de emprego”, lê-se no balanço económico e social da execução do Orçamento do Estado até ao terceiro trimestre.

No mesmo período de 2022, o setor tinha criado 348 postos de trabalho, o que representa uma subida de 38,5% este ano.

“Ainda no contexto da promoção do turismo, entraram em funcionamento cerca de 45 novos estabelecimentos de restauração e bebidas. Estas novas instituições geraram cerca de 391 postos de emprego”, refere-se ainda no relatório.

Em 2022, Moçambique contava com 8.154 empreendimentos turísticos e 70.718 trabalhadores do setor em todo o país.

A ministra da Cultura e do Turismo, Eldevina Materula, afirmou em agosto que o setor apresenta “sinais claros da revitalização”, após as restrições da covid-19, mas também “sinais claros dos resultados da implementação do pacote de medidas de aceleração económica”, nomeadamente a “intervenção na área fiscal, estímulo à economia e melhoria do ambiente de negócios, transparência, governação e de aceleração de projetos de infraestruturas estratégicas”.

“Este é um sinal claro que as medidas tomadas pelo Governo estão a surtir efeitos na dinamização do nosso setor. Com estas medidas, temos claramente um novo padrão de turistas, sendo que as nacionalidades americana, britânica, portuguesa, chinesa e alemã destacam-se como as cinco principais entradas em Moçambique”, referiu a ministra, sobre os primeiros meses após a isenção de vistos para turistas de quase 30 países, implementada desde maio.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Tráfego aéreo continua a crescer em setembro, revelam dados da IATA

Os números da IATA apontam para um crescimento global superior a 30% no tráfego de passageiros face ao mesmo mês de setembro de 2022.

Publituris

O tráfego aéreo total manteve a sua trajetória de evolução no mês de setembro de 2023, tendo crescido 30,1% face ao mês homólogo de 2022, revela a International Air Transport Association (IATA), encontrando-se, no final do nono mês de 2023, nos 97,3% face ao registado no período pré-COVID, ou seja, faltando 2,7 pontos percentuais (p.p.) de setembro do ano passado.

O tráfego doméstico registou uma evolução de 28,3% no mês de setembro de 2023, comprando com o mesmo mês de 2022, ultrapassando, inclusivamente, os níveis do mês de setembro de 2019 em 5%.

Já o tráfego internacional subiu 31,2% quando comparado com o mesmo mês de há um ano, indicando a IATA que todos os mercados cresceram a duplo dígito na comparação anual, atingindo 93,1% dos níveis de 2019.

De acordo com Willie Walsh, diretor-geral da IATA, “o terceiro trimestre de 2023 terminou com resultados em alta, com uma procura doméstica recorde de passageiros para o mês de setembro e uma continuação do forte tráfego internacional”.

Por regiões, o tráfego de passageiros cresceu 92,6% face a setembro de 2022 na Ásia-Pacífico, continuando a ser a região que mais cresce a nível global, com a capacidade a crescer 82,1% e o load factor a subir 4,5 p.p. para 82,5%.

Na Europa, a evolução foi de 15,7% no tráfego de passageiros, com a capacidade a subir 14,9% e o load factor a aumentar 0,6 p.p. para 85,5%.

No Médio Oriente, a IATA aponta uma subida de 26,6% face a setembro de 2022, com a capacidade a crescer 23,7% e o load factor a somar mais 1,9 p.p. para 81,8%.

Nas Américas, enquanto a América do Norte o tráfego de passageiros aumentou 18,9%, com a capacidade a evoluir 18% e o load factor a crescer 1,4 p.p. para 85,8%, na América Latina, os aumentos foram de 26,8%, 24,7% e 1,4 p.p. para 85,8%, respetivamente.

Finalmente, em África, o tráfego de passageiros registou um aumento de 28,1% face a setembro de 2022, com a capacidade a crescer 29,9%, com o load factor a descer 1 p.p. para 72,6%.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Para atrair turistas chineses a solução é abolir os vistos

No Discovery Stage do WTM London 2023, dedicado ao turismo chinês, Adam Wu, diretor de operações da CBN Travel, deixou o recado: “para captar turistas chineses, há que acabar com os vistos”.  

Victor Jorge

Para as nações que queiram atrair visitantes chineses, a abolição da exigência de vistos é essencial, revelou Adam Wu, diretor de operações da CBN Travel, consórcio de entidades focadas no investimento externo, nas viagens outbound da China, bem como na facilitação do comércio tanto de importação como de exportação, durante o World Travel Market (WTM) London 2023.

Tendo como tema central o turismo chinês, Wu destacou que os chineses “geralmente irão onde houver menos barreiras”, concluindo que para tal, “basta remover os requisitos de visto”.

Durante a conferência, Wu afirmou que o turismo outbound chinês caiu drasticamente dos 155 milhões, em 2019, para 40 milhões no primeiro semestre de 2023, acrescentando que, neste período, “apenas 41,6% dos voos internacionais da China estavam a operar em comparação com 2019”.

Revelando que os chineses que viajaram nos primeiros seis meses de 2023, gastaram 24% mais do que em 2019, quando foi gasto um total de 254,6 mil milhões de dólares (cerca de 238 mil milhões de euros), Wu frisou ainda que “os chineses estão agora menos inclinados a viajar em grupos” e “pretendem experiências mais personalizadas”.

“Há 1,4 mil milhões de chineses e desses 380 milhões pertencem à classe média”, referiu. Por isso, “basta estar preparado para os chineses”, concluindo ainda que “o marketing nas redes sociais é fundamental para chamar a atenção dos viajantes chineses, sendo o Douyin, a versão chinesa do Tik Tok, um canal poderoso”.

*O jornal PUBLITURIS foi Media Partner do World Travel Market (WTM) London 2023

Foto crédito: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Agências

Netviagens.pt renasce pela mão da Geostar

O site de e-commerce de viagens Geostar.pt cede agora o seu lugar à Netviagens.pt, a primeira agência de viagens online no mercado nacional. O objetivo é que a marca volte a crescer e ocupar o lugar que granjeou durante a sua existência.

Publituris

A Netviagens, a primeira e maior agência de viagens online no mercado português renasce agora pela mão da Geostar, uma marca com mais de 20 anos no país. “Experiências que fazem clique” é a assinatura criada para a campanha de comunicação da marca.

A Geostar, manter-se-á dedicada ao segmento das viagens corporate, continuando a servir clientes empresariais como tem feito há décadas e a conquistar mercado nas viagens de negócios, congressos e incentivos onde sempre atuou.

Integrada no Grupo Wamos Portugal, organização com vasta experiência no setor do turismo nacional e internacional, a nova Netviagens.pt vem ocupar o canal das agências de viagens totalmente online e propõe uma forte aposta na tecnologia e na inovação com uma operação focada em facilitar a escolha e marcação de todo o tipo de viagens de férias e lazer.

A promessa da marca é ter um perfil orientado para o cliente, com foco na relação preço-qualidade, segurança na compra, rapidez de resposta, informação fácil e diversidade de oferta.

Margarida Blattmann, diretora de marketing da marca refere que “a nossa paixão são as viagens e a nossa missão é promover o acesso de todos os que gostam de viajar a experiências memoráveis de uma forma fácil, conveniente e a preços acessíveis”.

Sobre a assinatura criada para a campanha de comunicação da nova Netviagens, a responsável explica que “é um reflexo do nosso objetivo em ser o parceiro de viagem online dos nossos viajantes, nas sugestões de destinos e programas que colocamos no nosso site, nas ofertas que proporcionamos para viajarem mais, melhor e mais barato e na segurança e apoio que prestamos na retaguarda caso seja necessário”.

Destaca ainda que “somos uma agência que atua no mundo digital, mas somos uma equipa real e disponível, formada por pessoas com uma paixão e um conhecimento profundo em viagens, que quer garantir que no final o que resulta é uma experiência inesquecível para guardar na memória e partilhar com amigos e família”.

Quem quiser viajar através da Netviagens.pt pode encontrar uma oferta vasta de serviços de viagem totalmente online, desde voos simples, hotéis, à combinação de voo+hotel e pacotes de viagem com tudo incluído para os mais diversos destinos do planeta, tudo disponível de forma simples e intuitiva, ao alcance de um clique, indica a Wamos Portugal.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo Emirates alcança lucros recorde no semestre

O Grupo Emirates alcançou resultados recorde nestes primeiros seis meses do exercício de 2023-2024. A companhia aérea – Emirates – registou, igualmente, lucros e receitas em crescendo.

Publituris

O Grupo Emirates anunciou o seu melhor resultado financeiro semestral de sempre, reportando um lucro líquido semestral para 2023-24 de 10,1 mil milhões de Dirhams (2,7 mil milhões de dólares), ultrapassando em 138% resultado semestral de 4,2 mil milhões de Dirhams (1,2 mil milhões de dólares) no ano passado.

O Grupo também reportou um EBITDA de 20,6 mil milhões de Dirhams (5,6 mil milhões de dólares), uma melhoria significativa em relação aos 15,3 mil milhões de Dirhams (4,2 mil milhões de dólares) registados no mesmo período do ano passado.

As receitas do Grupo ascenderam a 67,3 mil milhões de Dirhams (18,3 mil milhões de dólares) nos primeiros seis meses de 2023-24, um aumento de 20% em relação aos 56,3 mil milhões de Dirhams (15,3 mil milhões de dólares) no ano passado. Este aumento foi impulsionado, segundo o grupo, “pela forte procura pelo transporte aéreo em todo o mundo, que tem apresentado uma trajetória ascendente desde que as restrições de viagem associadas à pandemia foram levantadas”.

Emirates voa (mais) alto
A Emirates, companhia aérea do grupo, continuou a aumentar as suas operações de voo globais, adicionando capacidade e ligações através do seu hub do Dubai para satisfazer a procura dos passageiros em todos os mercados.

O lucro da Emirates para o primeiro semestre de 2023-24 atingiu um novo recorde de 9,4 mil milhões de Dirhams (2,6 mil milhões de dólares), em comparação com o lucro do mesmo período do ano passado de 4 mil milhões de Dirhams (1,1 mil milhões de dólares).

A receita da Emirates, incluindo outras receitas operacionais, de 59,5 mil milhões de Dirhams (16,2 mil milhões de dólares) aumentou 19% em comparação com os 50,1 mil milhões de Dirhams (13,7 mil milhões de dólares) registados no mesmo período do ano passado. O desempenho recorde da companhia aérea é atribuível à “forte procura de viagens internacionais por parte dos passageiros em todos os mercados” e à capacidade da Emirates de “ativar a capacidade para corresponder à procura e oferecer aos passageiros serviços e valores excelentes”.

Relativamente aos custos operacionais diretos da Emirates (incluindo combustível), estes cresceram 9%, em linha com o aumento das operações. O combustível continua a ser o maior componente do custo operacional da companhia aérea (34%), em comparação com 38% no mesmo período do ano passado.

Impulsionado pela forte procura e pelo aumento das operações durante os seis meses, o EBITDA da Emirates cresceu 33% para 19,5 mil milhões de Dirhams (5,3 mil milhões de dólares) em comparação com 14,7 mil milhões de Dirhams (4 mil milhões de dólares) no mesmo período do ano passado.

Durante o primeiro semestre de 2023-24, a companhia aérea restaurou as operações do A380 para Bali, Pequim, Birmingham, Casablanca, Nice, Xangai e Taiwan.

Em julho, lançou serviços diários sem escala para Montreal, um novo destino e a segunda porta de entrada da companhia aérea no Canadá.

Expandindo as opções de conetividade para os passageiros, a Emirates celebrou e melhorou acordos de codeshare ou interline com oito companhias aéreas nos primeiros seis meses de 2023-24: Aegean Airlines, Air Canada, Etihad Airways, Kenya Airways, Philippine Airlines, Maldivian, Sri Lankan Airlines e United Airlines. A parceria de codeshare entre a Emirates e a Qantas, que viu mais de 15 milhões de passageiros beneficiarem de itinerários de voo conjuntos desde a sua criação em 2013, recebeu aprovação para uma nova extensão de cinco anos, até 2027.

Até 30 de setembro, nos seis meses de 2023-24, 10 aviões A380 saíram do programa de reequipamento da Emirates com interiores de cabine completamente renovados e os mais recentes produtos a bordo, incluindo lugares Premium Economy. Isso permitiu que a companhia aérea implementasse os seus serviços altamente procurados da Premium Economy em novas rotas, incluindo Nova York JFK, Houston, São Francisco, Los Angeles e Singapura.

A Emirates transportou 26,1 milhões de passageiros entre 1 de abril e 30 de setembro de 2023, um aumento de 31% em relação ao mesmo período do ano passado.

O Sheikh Ahmed, presidente e diretor-executivo da companhia aérea e do Grupo Emirates salienta que, para o segundo semestre de 2023-24, “esperamos que a procura dos clientes em todas as nossas áreas de negócio continue a ser saudável e manter-nos-emos ágeis na forma como empregamos os nossos recursos neste mercado dinâmico. Ao mesmo tempo, estamos a acompanhar de perto os ventos contrários, como o aumento dos preços dos combustíveis, o fortalecimento do dólar americano, a inflação e a geopolítica.”

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Recuperação do turismo na Europa mantém-se desigual

As chegadas de turistas internacionais à Europa ficaram apenas 3,2% abaixo dos níveis de 2019, indicam os dados da European Travel Commission (ETC). No entanto, a recuperação continua desigual, com 65% dos destinos ainda abaixo dos níveis pré-pandémicos ao nível das chegadas de turistas estrangeiros, esperando a ETC uma recuperação total em 2024, um ano antes do esperado, apesar do contexto de inflação persistente e instabilidade geopolítica.

Victor Jorge

Após um Verão de forte procura turística, as chegadas de turistas internacionais à Europa estão apenas 3,2% abaixo dos níveis de 2019, e as noites diminuíram 1,3% no período de janeiro a setembro. A recuperação está a ser impulsionada pelas viagens intra-europeias resilientes e pelo afluxo de turistas dos EUA que beneficiam de taxas de câmbio favoráveis, revela a última edição do relatório trimestral “Tendências e Perspectivas do Turismo Europeu” divulgado, recentemente, pela European Travel Commission (ETC).

Os dados acumulados do presente ano mostram que cerca de 1 em cada 3 destinos reportados ultrapassaram os níveis de 2019 de chegadas estrangeiras. A recuperação da Europa foi impulsionada principalmente pelos destinos do Sul da Europa e do Mediterrâneo, nomeadamente Sérvia (+15%), Montenegro (+14%), Portugal (+11%), Turquia (+8%), Malta e Grécia (ambos +7%). No entanto, cerca de 65% dos destinos reportados ainda estão abaixo dos valores pré-pandemia. As recuperações mais lentas são, particularmente, evidentes entre os países da Europa de Leste vizinhos da Rússia e da Ucrânia, e aqueles que normalmente dependem de viajantes russos. Os países bálticos registaram as descidas mais acentuadas: Estónia (-27%), Letónia (-30%) e Lituânia (-33%).

Miguel Sanz, presidente da ETC, salienta que, “apesar dos persistentes desafios económicos e geopolíticos, é encorajador observar a recuperação contínua do turismo europeu. No entanto, devemos reconhecer que a verdadeira medida do sucesso do turismo vai além do número de visitantes e de noites passadas num destino. É essencial considerar e avaliar também o seu impacto na natureza, nas empresas locais e na população residente”.

Recuperação total do turismo está à vista, mas …
A recuperação das viagens na Europa permaneceu resiliente durante a época de Verão, mesmo no meio de desafios significativos colocados pelo aumento da inflação, pelos elevados custos de vida, pelos fenómenos meteorológicos extremos e pelas greves nas companhias aéreas.

A persistente instabilidade geopolítica continua a ter repercussões nas perspectivas do turismo na Europa. A guerra em curso na Ucrânia ainda afeta os números de chegadas na Europa de Leste e o conflito em desenvolvimento em Israel coloca riscos na época baixa, especialmente para destinos como França, Turquia e Roménia, que são populares entre os viajantes israelitas.

No entanto, espera-se que as chegadas de estrangeiros à Europa continuem a recuperar até ao final de 2023, embora a um ritmo mais lento, atingindo 91% dos níveis pré-pandemia durante todo o ano de 2023, avançam os dados da ETC.

As previsões sugerem que as chegadas de turistas internacionais à Europa atingirão os níveis de 2019 em 2024, um ano antes do inicialmente previsto. Entretanto, os aeroportos europeus estão perto de alcançar uma recuperação completa na procura de passageiros.

Com base no relatório de tráfego de agosto da ACI Europe, o tráfego de passageiros na rede aeroportuária europeia diminuiu apenas 3,4% em comparação com o mesmo período de 2019.

Sazonalidade esbatida
Apesar do aumento das pressões financeiras, os consumidores continuam a dar prioridade aos gastos com viagens em detrimento de outras despesas discricionárias. No entanto, devido aos preços elevados, os turistas estão agora a dar maior ênfase à relação qualidade/preço quando consideram produtos e experiências turísticas.

Em particular, um número crescente de turistas está a optar por destinos considerados mais acessíveis. Os preços mais baixos e as taxas de câmbio favoráveis estão a impulsionar a recuperação do turismo em destinos como a Turquia e a Bulgária, enquanto destinos populares de férias organizadas, como Portugal e Espanha, também registam uma elevada procura. Geralmente, os europeus estão a considerar uma gama mais ampla de destinos do que no período pré-pandemia, com a Turquia, o Montenegro, a Albânia e a Croácia a apresentarem os melhores desempenhos em termos de dormidas em relação aos níveis de 2019.

Além disso, os viajantes estão cada vez mais a utilizar uma série de táticas para reduzir o custo global das suas férias. Muitos estão a optar por reservar transporte e alojamento com bastante antecedência ou a considerar viagens fora das épocas de pico, optando pelas temporadas baixas. As férias organizadas também estão a aumentar em popularidade, uma vez que proporcionam ao viajante a confiança de que todos os custos essenciais já foram contabilizados.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Análise

GlobalData: Negócios no setor das viagens e turismo cai 31,8% de janeiro-outubro

No acumulado dos oito primeiros meses de 2023, a atividade de negócios registou menos 290 transações face a igual período de 2022, revelam os dados da GlobalData.

Publituris

Um total de 621 negócios foram anunciados no setor das viagens e turismo a nível global durante janeiro-outubro de 2023, o que representou um decréscimo de 31,8% em comparação com os 911 negócios realizados durante o mesmo período do ano anterior, revelam os dados da GlobalData.

Uma análise da base de dados de transações financeiras da GlobalData também revelou que todos os tipos de negócios cobertos testemunharam um declínio no volume durante janeiro-outubro de 2023 em comparação com janeiro-outubro de 2022.

Por exemplo, o volume de negócios de fusões e aquisições (M&A) diminuiu 34,2% durante janeiro-outubro de 2023 em comparação com janeiro-outubro de 2022. Já o número de negócios de private equity e acordos de financiamento de risco anunciados durante janeiro-outubro de 2023 caiu em 32,1% e 24% numa comparação anual, respetivamente.

Aurojyoti Bose, analista-chefe da GlobalData, refere que “as guerras em curso, as tensões geopolíticas e as condições económicas incertas impactaram consideravelmente a atividade de negócios no setor das viagens e turismo em 2023.”

Todas as regiões registaram descidas nas atividades de negócios. O volume de negócios para a América do Norte diminuiu 42,9% durante janeiro-outubro de 2023 em comparação com janeiro-outubro de 2022. Da mesma forma, as regiões da Europa, Ásia-Pacífico, Oriente Médio e África, e da América do Sul e Central também testemunharam um declínio anual no número de negócios em 36,5%, 11,7%, 22,9% e 40% durante janeiro-outubro de 2023, respetivamente.

A atividade comercial também permaneceu moderada na maioria dos principais mercados globais. Por exemplo, os EUA, Reino Unido, Japão, França, Coreia do Sul, Austrália, Espanha e os Países Baixos registaram um declínio anual de 43,7%, 33,6%, 46,8%, 18,5%, 19,2%, 28,6%, 57,6% e 27,8%. % no volume de negócios, respetivamente, durante janeiro-outubro de 2023 em comparação com janeiro-outubro de 2022.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

Intur dá destaque ao turismo do interior e Portugal marca presença

A 26.ª edição da Intur, Feira Internacional de Turismo Interior, a realizar a 16 e 17 de novembro, em Valladolid, dará a conhecer a diversidade da oferta em destinos nacionais e internacionais.

Victor Jorge

A Intur, Feira Internacional de Turismo de Interior, arrancará na quinta-feira, 16 de novembro, num evento que pretende promover o turismo de interior na Península Ibérica que tem registado um desenvolvimento exponencial do ponto de vista qualitativo e quantitativo.

O primeiro dia do evento inicia-se com uma jornada para profissionais, Intur Negócios, um cenário de trabalho no qual se reunirão operadores turísticos, agências de viagens, hotéis, empresas de transporte, destinos, empresas de turismo ativo, gastronomia, vinhos, turismo de eventos, turismo de idiomas.

A Intur Negocios está dividida em três áreas: um mercado contratante, uma área de exposição e sessões de formação em que serão analisados aspetos como o impacto do património no turismo de interior, as chaves da promoção no exterior e como a gastronomia é uma poderosa alavanca para os destinos.

“A Intur é uma feira pioneira na promoção do turismo de interior que evolui, tal como o setor, para ser útil às empresas. Este objetivo foi o que nos levou a separar os conteúdos profissionais dos dirigidos ao público, o viajante em busca de destinos, em Intur Negocios e Intur Viajeros, duas propostas diferentes e diferenciadas”, explica o diretor-geral da Feria de Valladolid, Alberto Alonso.

A Intur Negocios contará com a presença de cerca de 70 operadores turísticos e agências de viagens que operam nos mercados europeu, asiático e americano. Estes operadores participam neste encontro em busca de diferentes opções para elaborar as suas propostas destinadas a grupos, turismo familiar, viagens à medida, etc. Os seus interesses são heterogéneos e vão desde o alojamento de todas as gamas até aos locais de eventos, spas e propostas de turismo ativo.

Já a Intur Talks, na sua segunda edição, é um espaço de análise de diferentes áreas do turismo de interior. Palestras curtas e ágeis, abertas ao diálogo com os participantes, estruturadas em diferentes blocos que abordarão, entre outras questões, o papel do turismo de reuniões, as alavancas para a promoção do turismo cultural no estrangeiro ou como promover o turismo interior em diferentes faixas etárias, o turismo de prata versus a geração Z.

Entre os participantes neste fórum estará Pedro Machado, presidente da Agência Regional de Promoção Centro de Portugal, que abordará os “Dez erros que não se devem cometer na promoção do turismo internacional”.

Já o último dia do evento, abrem-se as portas à Intur Viajeros, grande mostra em que as comunidades autónomas, cidades, províncias, vilas e condados apresentam ao público as infinitas opções para desfrutar da história, natureza, gastronomia, tradições e manifestações culturais que definem os seus territórios.

Mais uma vez, este ano, Portugal conta com uma participação notável e heterogénea, com destinos tão diferentes como o Algarve, Trás-os-Montes ou a Região de Lisboa, Alto Tâmega, Serra da Estrela, Pombal, entre muitos outros.

Nesta 26.ª edição da Intur, os visitantes encontrarão propostas de 1200 destinos. Quase todas as comunidades autónomas de Espanha estarão representadas na Intur Viajeros, bem como as regiões portuguesas, o gabinete de turismo cubano, o parque temático francês Futuroscope, empresas como a Tirolina das Minas, as adegas Campo Eliseo e Estancia Piedra, o Aquiestoy Caravaning, associações turísticas e culturais, associações de turismo rural, associações para a promoção do turismo acessível, etc.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.