Edição digital
Assine já
PUB
Turismo

Miguel Quintas anuncia candidatura à presidência da ASGAVT

Miguel Quintas, CEO do Consolidador.com e Chairman da Airmet anunciou, esta terça-feira, que é candidato à presidência da ASGAVT (Associação de Sócios-Gerentes das Agências de Viagens e Turismo) para o biénio 2023-2025, cujas eleições estão marcadas já para sexta-feira dia 26 de maio.

Publituris
Turismo

Miguel Quintas anuncia candidatura à presidência da ASGAVT

Miguel Quintas, CEO do Consolidador.com e Chairman da Airmet anunciou, esta terça-feira, que é candidato à presidência da ASGAVT (Associação de Sócios-Gerentes das Agências de Viagens e Turismo) para o biénio 2023-2025, cujas eleições estão marcadas já para sexta-feira dia 26 de maio.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Ano turístico vai ser melhor do que em 2023, mesmo com menor procura interna
Destinos
ANAV considera positivo o Programa ‘Acelerar a Economia’, mas diz que não agiliza apoios às PME
Turismo
Conselho Municipal do Turismo de Sesimbra toma posse
Destinos
Turismo europeu com novos máximos, com Portugal em destaque
Destinos
Candidaturas aos “Best of Wine Tourism 2025” decorrem até 17 de julho
Enoturismo
Solférias reforça oferta para o Sal com dois voos charter de réveillon
Distribuição
“A BTL 2025 será a edição com a maior oferta de empresas e postos de venda por parte da distribuição”, revela organização da feira
Meeting Industry
GuestReady revela que preços do AL sobem e ocupação chega aos 90% no início do verão
AL
Delta Air Lines anuncia parceria com a Riyadh Air e quer abrir voos para a Arábia Saudita
Aviação
Travelport lança Content Curation Layer para agências de viagens com tecnologia de IA
Distribuição

O gestor referiu, em comunicado, que a sua candidatura à presidência da ASGAVT, até ao momento, a única, tem como objetivo principal “defender os interesses de todas as agências de viagens em Portugal, sem qualquer exceção” e que tal passa por “criar um ambiente mais livre, mais transparente, mais inclusivo, mais concorrencial, mas acima de tudo, mais democrático no setor das agências de viagens”.

Sobre a lista que vai apresentar a sufrágio, Miguel Quintas assegura que “irá ser a mais inclusiva alguma vez vista no setor em Portugal, compreendendo agências participantes em associações e grupos concorrentes como por exemplo: Airmet, Airventure, By-Travel, DIT, GEA e Mercado das Viagens.

Neste sentido, o candidato acrescenta que “e um sinal claro que o setor, mesmo atuando em espaços e unidades concorrenciais diferentes, está unido em torno de um objetivo comum e que passa por conseguir dar uma resposta efetiva às suas necessidades diárias”, para realçar que acredita que “as agências de viagens em Portugal se irão rever nesta lista e nesta missão, cuja prioridade máxima é a sua individualidade e o setor que representam, sem espaço para quaisquer mecânicas de interesses económicos empresariais ou mesmo engenhos e artifícios de poder”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Ano turístico vai ser melhor do que em 2023, mesmo com menor procura interna
Destinos
ANAV considera positivo o Programa ‘Acelerar a Economia’, mas diz que não agiliza apoios às PME
Turismo
Conselho Municipal do Turismo de Sesimbra toma posse
Destinos
Turismo europeu com novos máximos, com Portugal em destaque
Destinos
Candidaturas aos “Best of Wine Tourism 2025” decorrem até 17 de julho
Enoturismo
Solférias reforça oferta para o Sal com dois voos charter de réveillon
Distribuição
“A BTL 2025 será a edição com a maior oferta de empresas e postos de venda por parte da distribuição”, revela organização da feira
Meeting Industry
GuestReady revela que preços do AL sobem e ocupação chega aos 90% no início do verão
AL
Delta Air Lines anuncia parceria com a Riyadh Air e quer abrir voos para a Arábia Saudita
Aviação
Travelport lança Content Curation Layer para agências de viagens com tecnologia de IA
Distribuição
PUB

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Turismo europeu com novos máximos, com Portugal em destaque

Segundo a análise mais recente da European Travel Commission (ETC), as chegadas e dormidas ultrapassaram os números de 2019 no primeiro semestre de 2019. Portugal aparece destacado, indicando ainda a ETC que os turistas deverão gastar mais 800 mil milhões de euros, em 2024 à medida que os planos dos viajantes estão cada vez mais diversificados.

Victor Jorge

O setor do turismo na Europa continua no trilho da recuperação no segundo trimestre de 2024, com as chegadas internacionais a crescerem 6% face a igual período de 2019, enquanto as dormidas registam uma evolução de 7% face a igual período do ano pré-pandemia, sendo que relativamente ao período homólogo de 2023 os incrementos são ainda mais assinaláveis: +12% 1 10%, respetivamente.

Na última edição do relatório trimestral da ETC, os dados indicam que tanto os destinos tradicionais como os não tradicionais do Sul da Europa e do Mediterrâneo continuam a ser as escolhas mais populares para os turistas na Europa. Registaram-se aumentos notáveis nas chegadas, em comparação com os níveis de 2019, em destinos menos conhecidos, como Sérvia (+40%) e Bulgária (+29%), bem como em destinos favoritos de longa data incluindo Malta (+37%), Portugal (+26%) e Turquia (+22%), considerando a comissão que “o sucesso contínuo destes destinos deve-se, em parte, à sua oferta comum de experiências e a condições climatéricas geralmente favoráveis”.

Os países nórdicos também revelam uma atração crescente, com as dormidas de estrangeiros a aumentarem na Dinamarca (+38%), Noruega (+18%) e Suécia (+9%), revelando “um sucesso crescente fora do Sul da Europa e em destinos relativamente mais caros”.

Em contrapartida, a região do Báltico continua a debater-se com dificuldades, com a Letónia (-24%), a Estónia (-16%) e a Lituânia (-15%) a registarem ainda chegadas internacionais muito abaixo de 2019.

Miguel Sanz, Ppesidente do ETC, considera ser “encorajador ver a crescente diversificação do panorama do turismo europeu neste trimestre”. O responsável pela ETC, cargo que já foi ocupado pelo português Luís Araújo, refere ainda que “este facto beneficia tanto os destinos emergentes como os pontos de interesse estabelecidos que podem potencialmente enfrentar uma sobrelotação. Além disso, o aumento do número de turistas em zonas menos conhecidas ajudará as pequenas empresas que ainda estão a recuperar da pandemia ou que se debatem com o aumento dos custos operacionais devido ao atual contexto económico”.

Custos e pessoal dificultam recuperação
Contudo, nem tudo são boas notícias, já que são vários os desafios que o setor das viagens enfrenta. Os profissionais do turismo ouvidos pela ETC referem como principais problemas o aumento dos custos de alojamento, das operações comerciais e dos voos, bem como a escassez de pessoal. Apesar do seu impacto contínuo, estes desafios diminuíram em comparação com o trimestre anterior.

Com os aumentos dos custos das empresas a conduzirem a um aumento geral das despesas de viagem, a ETC prevê que os visitantes gastem 800,5 mil milhões de euros na Europa este ano, mais 13,7% do que no ano passado. Esta evolução resulta do aumento dos preços de exploração, do regresso de turistas com despesas elevadas da região da Ásia-Pacífico e da forte procura de eventos e de viagens combinadas de negócios e lazer. O setor do alojamento, por sua vez, beneficiou especialmente no primeiro semestre do ano, com uma subida de 5,4% nas receitas por quarto disponível e de 1,8% nas taxas de ocupação.

Os aumentos mais significativos nos gastos dos viajantes, no acumulado do ano, registam-se em Espanha (25%), Grécia (25%), Itália (20%) e França (16%). Outros países, como a Croácia, a Bulgária e a Roménia, esperam ver estadias médias mais longas em 2024 do que no ano anterior, o que também resultará num aumento das receitas do turismo.

Diversificação como impulsionadora do turismo europeu
O relatório identifica uma diversificação crescente do turismo europeu, com os destinos emergentes e os mercados emissores a aumentarem a sua quota de mercado. Entre os fatores que contribuem para esta tendência contam-se “a procura de destinos não tradicionais com uma boa relação qualidade/preço, o regresso dos viajantes da região Ásia-Pacífico e a crescente disponibilidade de viagens de comboio”, refere a ETC.

Embora os EUA continuem a ser o mercado emissor de longo curso com melhor desempenho, regista-se um aumento notável dos mercados da Ásia Oriental, especialmente da China. “As cidades europeias estão a revelar-se particularmente atraentes para os visitantes chineses, uma vez que se espera que a China se torne o mercado emissor de destinos urbanos com crescimento mais rápido em 2025, ultrapassando os EUA”.

Verifica-se também um aumento do número de viajantes que optam por viagens fora de época e por destinos menos conhecidos, impulsionados pela procura de uma boa relação qualidade/preço e de experiências únicas e autênticas. Em particular, a Albânia e o Montenegro registaram um aumento notável da quota de mercado, com um aumento de 86% e 31%, respetivamente, desde 2019.

O crescente interesse em viajar fora dos circuitos habituais também se reflete nas pesquisas online para viagens na Europa, que destacaram o apelo dos cenários naturais das ilhas, como a Madeira, em Portugal, e Magerøya, na Noruega, com ambos os destinos a registarem um aumento correspondente nas chegadas e nas dormidas.

A sustentabilidade foi um dos principais fatores de reputação positiva para os destinos neste trimestre, enquanto o discurso mais negativo se centrou nos impactos sociais e ambientais da sobrelotação nos locais de turismo tradicionais.

Ao mesmo tempo, o aumento da capacidade ferroviária está a abrir a porta aos viajantes para explorarem novas experiências e destinos. A empresa ferroviária nacional da Alemanha – Deutsche Bahn -, por exemplo, registou um aumento de 21% nas rotas internacionais entre 2019 e 2023, beneficiando principalmente os países vizinhos. Os serviços do Eurostar regressaram aos níveis de passageiros anteriores à pandemia e o operador ferroviário espanhol Renfe informou ter vendido 500 mil bilhetes nos seis meses seguintes ao lançamento da sua linha internacional para França.

De referir que estes três operadores têm planos para aumentar a capacidade nos próximos anos, o que realça a importância crescente dos caminhos-de-ferro no turismo europeu.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

Solférias reforça oferta para o Sal com dois voos charter de réveillon

O operador turístico Solférias, em colaboração com os seus parceiros habituais (Soltrópico e Abreu) anuncia o reforço da sua programação para a ilha do Sal (Cabo Verde) com dois voos especiais charter de réveillon, com saídas de Lisboa e do Porto.

Publituris

Para a Solférias, que desde a primeira hora apostou em Cabo Verde e se tornou no grande especialista na programação para este destino, reforça a sua aposta e prepara uma completa oferta para o réveillon 2024/2025, neste caso, na ilha do Sal.

Além da sua programação de inverno 24/25 em voos regulares TAP e Cabo Verde Airlines, o operador turístico lançou esta quinta-feira no mercado, e em colaboração com os seus parceiros habituais (Soltrópico e Abreu) dois voos especiais charter de réveillon, à saída de Lisboa e do Porto.

O voo charter do Porto parte a 26 de dezembro e tem regresso marcado para o dia 2 de janeiro, enquanto o de Lisboa sai a 27 de dezembro, com regresso previsto a 3 de janeiro de 2025. Ambas as operações serão realizadas com a companhia aérea Privilege Style em A321 com 214 lugares em classe económica. Todos os programas já se encontram disponíveis para reserva.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

“A BTL 2025 será a edição com a maior oferta de empresas e postos de venda por parte da distribuição”, revela organização da feira

Conhecida a posição da APAVT relativamente à não participação na BTL 2025, Pedro Braga, diretor-geral dos Eventos Próprios do CCL – FIL, considera que “a participação nas mesmas condições em termos do espaço anteriormente ocupado se tornou inviável pelos compromissos entretanto assumidos com outros expositores”. Contudo, esperando que “no futuro voltem a estar reunidas as condições para um entendimento que permita o regresso da APAVT à BTL”, a organização diz estar a registar “um aumento muito acentuado da procura de espaço por parte das empresas do setor da distribuição”.

Victor Jorge

Depois de conhecida a decisão da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) de não participar na Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL 2025, Pedro Braga, diretor-geral dos Eventos Próprios do CCL – FIL, “lamenta” a posição da associação, tendo em conta que “a APAVT sempre foi um parceiro estratégico da BTL, que em muito contribui para o sucesso e crescimento do maior e melhor evento do setor do turismo em Portugal”, esperando, contudo, que “no futuro voltem a estar reunidas as condições para um entendimento que permita o regresso da APAVT à BTL”.

Sabendo-se que o espaço ocupado pela APAVT era o maior stand privado da feira, Pedro Braga refere que “serão encontradas soluções que permitirão mitigar e até superar, em termos da área da distribuição presente, a oferta habitualmente disponível”.

“Estamos sempre disponíveis para o diálogo, mas, neste momento, e atenta a posição que nos foi comunicada pela APAVT, consideramos que a participação nas mesmas condições em termos do espaço anteriormente ocupado se tornou inviável pelos compromissos entretanto assumidos com outros expositores”, assinala o responsável pelo Eventos Próprios do CCL – FIL.

Apesar desta posição da APAVT, Pedro Braga indica que, até ao momento, “registamos um crescimento muito acentuado por parte das empresas de distribuição para a edição de 2025 da BTL”.

“Para além da muito valiosa e importante presença da APAVT, a BTL sempre contou com muitos outros expositores na área da distribuição que habitualmente ocupam uma área de 5.000m2 de oferta no B2C”, frisa Pedro Braga.

A mais de sete meses do arranque da feira, que se realiza de 12 a 16 de março na FIL, o responsável pelo evento destaca que, para 2025, “estamos a registar um aumento muito acentuado da procura de espaço por parte das empresas do setor da distribuição”, referindo que “alguns destes expositores são associados da APAVT, que já tinham espaço próprio fora do stand da APAVT, e que, neste contexto, nos têm contactado para aumentar o seu espaço para a BTL 2025. Outros, são expositores que habitualmente marcavam presença através da APAVT e que agora manifestam interesse em assegurar diretamente a sua presença na BTL”. Além disso, diz Pedro Braga, “registamos ainda uma significativa procura por parte de novas empresas do setor que reconhecem na BTL uma plataforma fundamental para as suas vendas e crescimento”.

Por isso, afirma que a BTL 2025 “será a edição com a maior oferta de empresas e postos de venda por parte da distribuição, o que permitirá aos visitantes, que já reconhecem na BTL o seu momento anual de compra de férias, encontrar as melhores ofertas e os melhores destinos”.

“Não obstante, e porque reconhecemos e valorizamos o trabalho desenvolvido pela APAVT, reiteramos a nossa total disponibilidade e interesse para viabilizar uma presença institucional, enquanto representante dos seus associados, na maior montra do setor do turismo em Portugal”, conclui Pedro Braga.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

ARAC denuncia “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas

A ARAC diz que, nos últimos anos, têm surgido plataformas que disponibilizam autocaravanas particulares, “frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade”, o que pode prejudicar os consumidores e a imagem do país enquanto destino turístico de excelência.

Inês de Matos

A Associação Nacional dos Locadores de Veículos (ARAC) veio esta terça-feira, 9 de julho, alertar os consumidores e denunciar a existência de “concorrência desleal de operadores não regulamentados” no aluguer de autocaravanas, o que afeta negativamente as empresas que cumprem a lei e pode prejudicar “a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”.

Num comunicado enviado à imprensa, a associação que representa o rent-a-car em Portugal, em cuja legislação está inserida a regulação das autocaravanas, lembra existe “um conjunto de obrigações para garantir a legalidade, a proteção dos consumidores e a transparência contratual” no aluguer destes veículos.

“No entanto, nos últimos anos, têm surgido várias plataformas de aluguer que disponibilizam autocaravanas pertencentes a particulares, frequentemente sem respeitar a legislação que regulamenta esta atividade. Estes veículos, muitas vezes com um grande número de anos de uso, não cumprem os requisitos legais necessários e operam num quadro legal e fiscal pouco claro, prejudicando os consumidores que os utilizam”, lamenta a associação.

A ARAC diz que tem vindo a denunciar esta situação às “autoridades competentes”, ainda que, até ao momento, não tenham existido “resultados eficazes”, numa situação que a associação diz que “prejudica os consumidores” e a reputação do país.

“Dado o crescimento turístico em Portugal, é fundamental que as entidades públicas relacionadas com a mobilidade, o turismo e as autoridades policiais e fiscais atuem de forma coordenada para resolver este problema. Esta situação não só prejudica os consumidores, como também afeta negativamente a reputação de Portugal como um destino turístico de prestígio”, defende a ARAC.

A associação concorda que a “atividade de aluguer de autocaravanas em Portugal apresenta um potencial significativo de crescimento e desenvolvimento” mas defende que “é essencial assegurar que este crescimento seja sustentável e regulamentado, de forma a proteger os consumidores e manter a reputação de Portugal como um destino
turístico de excelência”.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Portugueses planeiam gastar mais nas férias

Segundo o Observador Cetelem, os portugueses têm, este verão, um orçamento de 1.005,57 euros para as férias de verão, o que representa um aumento de 54 euros face ao verão do ano passado, mas uma descida de 347 euros comparativamente às férias de 2019.

Publituris

Os portugueses estão a pensar nas férias e, segundo o Observador Cetelem, cerca de um quarto dos turistas nacionais planeia gastar mais neste verão, com o orçamento a chegar aos 1.005,57 euros, o que representa um aumento de 54 euros face ao verão do ano passado, mas uma descida de 347 euros comparativamente às férias de 2019.

“Os resultados do mais recente Observador Cetelem, marca comercial do grupo BNP Paribas Personal Finance, sobre as intenções para as férias de verão revelam que ¼ dos portugueses tenciona gastar mais do que no ano passado durante o período de férias de verão, enquanto 20% planeiam gastar menos e 48% o mesmo”, apurou o Observador Cetelem.

Segundo esta pesquisa, a estadia representa a maior parcela dos gastos com as férias de verão, cerca de 450 euros em média, seguida da viagem, que representa perto de 300 euros, e ainda das refeições, que devem custar cerca de 250 euros.

É nas atividades de lazer que os turistas portugueses contam gastar menos dinheiro nestas férias de verão, com o Observador Cetelem a apurar que o orçamento para este tipo de gasto ronda os 170 euros.

O estudo diz também que cerca de metade dos turistas nacionais vai utilizar o cartão crédito para pagar as despesas das férias de verão, um número inferior quando comparado com 2022 (64%).

O número de portugueses que está a planear férias fora do país também aumentou, ainda que a maioria dos turistas nacionais continuem a preferir destinos nacionais, até porque a escolha do destino também tem interferência no orçamento, o que leva a que para 49% dos portugueses o custo financeiro seja o fator com mais influência na hora de escolher o destino.

“Porém há ainda outros motivos que “pesam” na decisão: correspondência com “o tipo de férias pretendido” (27%), a” atratividade do destino” (17%) e a “recomendação de familiares e amigos” (4%)”, acrescenta o Observador Cetelem.

Depois, há ainda 8% de portugueses que afirmam que não planeiam fazer férias nos meses mais quentes do ano, apontando a falta de condições financeiras (39%) e também o facto de os preços serem mais elevados nesta altura do ano (13%).

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Consórcio estuda criação do primeiro centro de hidrogénio para a aviação em Espanha

Airbus, Aena, Air Nostrum, Iberia, Exolum e Repsol uniram esforços para estudar a criação do primeiro centro de hidrogénio para a aviação em Espanha.

Publituris

Seis empresas – Airbus, Aena, Air Nostrum, Iberia, Exolum e Repsol – uniram forças para enfrentar os principais desafios da implantação da aviação movida a hidrogénio em Espanha.

Esta é a primeira vez que uma colaboração reúne toda a cadeia de valor, desde a produção de energia primária até às operações em terra com hidrogénio, com duas companhias aéreas a bordo e numa rede completa de aeroportos ao mesmo tempo.

Esta colaboração proporcionará aos parceiros uma visão holística da aeronave movida a hidrogénio e da forma como esta pode ser integrada no ecossistema aeroportuário.

Em comunicado, o consórcio informa que “não se centrará apenas no abastecimento e nas infraestruturas de hidrogénio, mas também nos requisitos específicos das operações em terra nos aeroportos”. O objetivo final é promover e apoiar o crescimento do ecossistema da aviação a hidrogénio em Espanha.

“Na Airbus, a descarbonização da aviação é um dos nossos objetivos mais importantes e a implantação de aeronaves comerciais movidas a hidrogénio com o seu ecossistema é uma dessas alavancas fundamentais. Dado o grande potencial da Espanha em termos de energias renováveis e produção de hidrogénio com baixo teor de carbono, é essencial que a indústria da aviação como um todo colabore para garantir uma futura cadeia de abastecimento de hidrogénio de ponta a ponta até aos aeroportos”, afirma Karine Guenan, vice-presidente do Ecossistema ZEROe da Airbus.

Do lado da Aena, a diretora de Sustentabilidade, Ana Salazar, acrescenta que “a descarbonização do setor do transporte aéreo é uma prioridade para a Aena”, considerando ainda que esta colaboração “permitir-nos-á compreender melhor como se poderá materializar no futuro o processo de fornecimento de hidrogénio aos aeroportos espanhóis, a fim de estabelecer um roteiro para enfrentar os principais desafios apresentados pela introdução deste novo vetor energético em ambiente aeroportuário”.

María José Sanz, diretora de Qualidade e Ambiente da Air Nostrum, explica, por sua vez, que o compromisso é de “estar ao lado dos criadores de novas tecnologias destinadas a descarbonizar o transporte aéreo. Como companhia aérea regional, podemos ser relevantes no projeto porque temos as condições necessárias para nos tornarmos os primeiros implementadores da tecnologia do hidrogénio, graças à dimensão dos nossos aviões e à distância média que voamos”.

Teresa Parejo, diretora de Sustentabilidade da Iberia, destaca que “a colaboração entre os diferentes atores é necessária para avançar na descarbonização do setor”, admitindo que “o hidrogénio fará previsivelmente parte do futuro da aviação, que virá mais tarde e complementará o desenvolvimento de combustíveis sustentáveis; para alcançar esse futuro, temos de começar a dar os primeiros passos agora”.

Andrés Suárez, Global Strategy & Innovation Lead da Exolum, refere que a empresa está “comprometida com o desenvolvimento e operação de infraestruturas que contribuam para impulsionar a transição energética e a descarbonização da mobilidade aérea em todas as suas áreas e, especialmente, com a implantação do hidrogénio como uma solução energética futura para o sector”.

Luis de Oyarzabal, diretor sénior de Novos Negócios da Repsol, termina assinalando que o hidrogénio renovável é “fundamental na nossa estratégia de descarbonização. Não só o utilizaremos nas nossas aplicações industriais, como também prevemos o seu potencial no domínio da mobilidade. Para promover este mercado, consideramos essencial colaborar com os melhores parceiros, reunidos neste centro, para tirar o máximo partido da oportunidade que temos”.

Refira-se que a Airbus lançou o programa “Hydrogen Hub at Airports” para promover a expansão da infraestrutura de hidrogénio na aviação. Até à data, foram assinados acordos com parceiros e aeroportos em 13 países, incluindo Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Nova Zelândia, Noruega, Singapura, Espanha, Coreia do Sul, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Parque Aquático de Amarante investe 2M€ em novas atrações ao celebrar 30 anos

O Monster Lotus e o Vertigem são os dois novos escorregas de assinatura que fazem agora parte do leque de atrações do Parque Aquático de Amarante, que atrai ao município mais de 220 mil pessoas por ano, número que deverá crescer, significativamente, esta temporada, depois do investimento realizado, orçado em cerca de dois milhões de euros, no ano em que celebra o seu 30º aniversário.

Publituris

Helder Silva, diretor geral do Parque Aquático revela que “um projeto desta dimensão, que celebra este ano 30 anos, tem, obrigatoriamente, que se ir renovando anualmente”, para acrescentar que “isso implica estar atento às novidades do setor e ter recursos humanos e financeiros que nos permitam investir naquilo que sentimos que são as necessidades dos nossos visitantes”, projetando uma época balnear fervorosa. As reservas já estão disponíveis, online, com preços dinâmicos, que incluem descontos que podem ir até aos 40% face ao preço de tabela.

Com 130 metros de comprimento, o Monster Lotus, um escorrega com boias triplas, ideal para partilhar aventuras com amigos e familiares, torna-se, a partir deste verão, no maior escorrega do Parque Aquático de Amarante, prometendo descidas hilariantes repletas de diversão. Já os mais destemidos poderão optar por uma experiência em queda livre, feita em velocidade foguete, no Vertigem, com 15 metros de altura. A estas novidades, juntam-se, ainda, aumentos significativos de áreas verdes, mais espaços de restauração e uma nova zona de solário bem como uma aposta rigorosa na animação diária do parque nortenho, num investimento próximo dos dois milhões de euros.

No ano em que celebra 30 anos de vida, o Parque Aquático de Amarante, atualmente com mais de 20 atrações, incluindo sete piscinas, estima receber um número diário de visitantes próximo dos três mil. O balanço destas décadas, segundo o diretor-geral, é “francamente positivo”, destacando a trilogia – inovação, social e económico – como os principais aliados do sucesso alcançado.

“Desde o início que mostramos ser inovadores, primeiro pelo conceito e, depois, pelo espírito audacioso que sempre tivemos, com a aposta em novidades distintivas, que fazem deste parque uma referência além-fronteiras”, defende o responsável que avança que “somos um elemento criador de emprego e formação, sobretudo junto das camadas mais jovens, e um dos principais impulsionadores da sustentabilidade na região, adotando medidas que vão ao encontro das preocupações ambientais e que promovam a inclusão social”, afirma Helder Silva.

No que respeita ao impacto económico, os efeitos são, também, visíveis, com um crescimento significativo do número de visitantes por temporada. “Há meros seis anos, teríamos cerca de 140 mil visitantes, enquanto atualmente temos mais de 220 mil por temporada”, que se estende até 15 de setembro, continua o responsável, que destaca a construção da piscina de ondas e o alargamento realizado, em 2019, como os investimentos principais para a reputação atual do Parque Aquático de Amarante, que o colocam ao lado de outros parques de renome na Europa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

APAVT está fora da BTL 2025. “Não vejo como poderemos regressar”, afirma presidente da associação

A Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo (APAVT) não participará na próxima BTL, feira que se realiza de 12 a 16 de março de 2025.

Victor Jorge

A Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo (APAVT) está, nesta altura, fora da Bolsa de Turismo de Lisboa – BTL 2025.

O Publituris confirmou esta decisão junto do presidente da associação, Pedro Costa Ferreira, que confirmou que “as condições financeiras que a BTL nos exigiu não permitem a continuidade da nossa presença”.

Questionado se esta posição poderá ser revertida, o presidente da APAVT afirma que “face ao histórico do processo, e aos argumentos da BTL, não vejo como poderemos regressar”, admitindo que, no que diz respeito à não participação de operadores e agentes de viagem, “parece-me óbvio que perderemos todos, incluindo a feira e os consumidores”.

Com a BTL a dividir-se entre três dias dedicados ao mercado B2B e dois (fim de semana) ao consumidor final (B2C), e face à possibilidade de os associados da APAVT perderem um ponto importante de venda, Pedro Costa Ferreira considera que “cada associado saberá reagir, de acordo com os seus objetivos e estratégia comercial. Todos eles, como nós, estão habituados a transformar eventuais problemas em soluções”.

Questionado se a APAVT poderá mudar a sua posição, o presidente da associação respondeu: “A APAVT não tomou uma posição, apenas não conseguiu satisfazer as exigências financeiras da BTL”.

Recorde-se que na BTL 2024, o stand da APAVT foi o maior espaço privado, com uma área de 1.200 metros quadrados, contando com a presença de 80 expositores, incluindo nove operadores turísticos, 60 agências de viagens, duas empresas de rent-a-car, companhias aéreas e DMC.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Transportes

Aeroporto do Porto volta a ser o melhor de Portugal, diz AirHelp

De um total de 239 aeroportos analisados, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro é o primeiro aeroporto português em 117.º lugar. O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, é considerado o pior aeroporto português.

Publituris

O Aeroporto Francisco Sá Carneiro volta a ser considerado o melhor aeroporto de Portugal. Segundo a análise realizada pela AirHelp – formada por aproximadamente 240 aeroportos de 70 países distintos de todo o mundo e recolhidos dados sobre chegadas e partidas entre 1 de maio de 2023 e 30 de abril de 2024 – o aeroporto do Porto obteve uma pontuação global de 7,60, alcançado 7,30 na pontualidade; 8,20 na consideração dos clientes e 7,90 na qualidade da sua área de restauração e lojas. De uma forma geral, a pontuação global deste aeroporto melhorou, já que, em 2023, apresentou uma pontuação de 7,52, tal como os parâmetros de pontualidade e consideração dos clientes, tendo piorado somente na qualidade da sua área de restauração e lojas.

Em segundo lugar no ranking nacional, o Aeroporto de Faro obteve uma pontuação global de 7,27, enquanto o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, continua a ser o pior aeroporto de Portugal, com uma pontuação global de 6,59.

A nível global, contudo, o Aeroporto Francisco Sá Carneiro passou do 91.º lugar, em 2023, para o 117.º lugar, enquanto as infraestruturas aeroportuárias de Faro e Lisboa desceram, respetivamente, da 137.ª para a 185.ª posição, e do 191.º para o 234.º lugar, pela mesma ordem.

É na Ásia, mais precisamente na cidade de Doha (Catar) que se situa o melhor aeroporto do mundo, segundo o ranking da AirHelp. O Doha Hamad International Airport obteve uma pontuação global de 8,52, considerando 8,30 na pontualidade; 8,70 nas avaliações dos passageiros; e 8,90 para a qualidade das instalações comerciais e de restauração. Em 2023, este aeroporto ficou na quinta posição.

Em segundo lugar na classificação está o aeroporto sul-africano da Cidade do Cabo, com uma pontuação de 8,50. Por fim, em terceiro lugar, encontra-se o Aeroporto de Chubu, Nagoya (Japão), com uma pontuação de 8,49. Este aeroporto foi avaliado pela primeira vez pela AirHelp e teve uma entrada direta para o Top 3 do ranking.

De referir que, para determinar a classificação dos aeroportos, a AirHelp considera três áreas: a pontualidade (60%), a consideração dos clientes (20%) e a qualidade das suas áreas de restauração e lojas (20%).

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Europa cresce a duplo dígito nas chegadas internacionais em julho e agosto

Uma recente análise da ForwardKeys, em parceria com a ETOA, revela que os meses de julho e agosto deverão ultrapassar recordes anteriores, apontando crescimentos de duplo dígito para os mercados de longo curso da Ásia-Pacífico e EUA.

Publituris

“A Europa está preparada para um verão excecional”, indica uma análise da ForwardKeys, em parceria com a European Tourism Association (ETOA), com o turismo recetivo europeu a ultrapassar recordes anteriores.

Globalmente, as chegadas internacionais à Europa, em julho e agosto, registam um crescimento anual de 12%, um pouco acima da média mundial (+11%), com esta evolução a ser impulsionada, principalmente, pelas viagens intra-regionais com um aumento de 10% em relação a 2023 e um afluxo significativo de visitantes de mercados de longo curso da Ásia-Pacífico (+11%) e dos EUA (+21%).

Segundo a ForwardKeys, os aumentos nas pesquisas de voos e nas reservas de bilhetes indicam “um forte interesse pelos destinos europeus, apesar dos efeitos persistentes dos desafios económicos globais, devido, em parte, aos grandes eventos que se realizam durante a época de verão”.

No entanto, esta incerteza económica pode refletir-se num crescimento mais rápido dos lugares em classe económica (+11%), em comparação com os bilhetes de classe premium, que se mantêm aos mesmos níveis de 2023 (+1%).

Cidades ganham ao sol e praia
A Europa Central e Oriental estão a registar o crescimento mais rápido no turismo inbound, após um período de reativação tardio devido à guerra na Ucrânia. Este verão, a região espera um aumento notável de 23% no volume de turistas em relação ao ano passado. O Norte da Europa também está no bom caminho para crescer a um ritmo mais rápido (+12%) do que os destinos do Sul da Europa (+10%), refletindo uma tendência mais ampla de recuperação em todas as sub-regiões europeias.

Os destinos urbanos estão a liderar o renascimento do turismo na Europa, ultrapassando as tradicionais férias de sol e praia, indicando a análise que cidades como Munique (+37%), que beneficia de eventos desportivos importantes este verão, estão a registar um crescimento significativo face a 2023. O padrão é equilibrado nas sub-regiões europeias, com aumentos substanciais em todo o continente incluindo Viena (+23%), Edimburgo (+19%), Madrid (+16%) e Veneza (+16%).

Embora as estadias de média duração continuem a representar a maior parte das chegadas intra-regionais (63%), as viagens curtas de uma a três noites registam o maior crescimento no período em análise, com +23%, representando 16% de todas as estadias. As viagens longas – mais de duas semanas – registam um crescimento mais modesto de +5%.

A força asiática e norte-americana
A região da Ásia-Pacífico está a começar a mostrar sinais de reativação, com um crescimento impressionante das chegadas provenientes da China (+64%) e Japão (+53%) em comparação com 2023. Embora os volumes globais ainda estejam abaixo dos níveis pré-pandémicos, as melhorias na conectividade aérea conduziram a um aumento das viagens a partir destes países.

A China, em particular, é responsável por uma parte muito maior da capacidade de lugares do que antes da pandemia (+12 p.p.), em parte devido ao facto de a conectividade entre a China e os EUA continuar a estar limitada, o que significa que as companhias aéreas chinesas estão a utilizar a sua frota de aviões de grande porte em rotas para a Europa.

As viagens com vários destinos também estão a ser procuradas pelo mercado da Ásia-Pacífico neste verão de 2024, destacando a análise da ForwardKeys os pares de cidades como Budapeste-Viena (+118%), Milão-Munique (+106%), Praga-Amesterdão (+71%) e Istambul-Atenas (+63%), refletindo a popularidade dos destinos europeus urbanos para os viajantes asiáticos que procuram combinar atividades culturais, históricas e de compras.

Eventos globais impulsionam turismo
Certo é que os eventos estão a desempenhar um papel crucial no aumento da procura turística. As chegadas à Alemanha – anfitriã do Euro 2024 – apresentam um crescimento de 19% em comparação com o mesmo período em 2023. A procura de viagens durante os Jogos Olímpicos de Paris também é superior à do ano passado, com os mercados com melhor desempenho a incluir a China (+124%), o Japão (+57%), Alemanha (+32%) e os EUA (+25%).

O efeito da digressão “Eras” da cantora Taylor Swift também é notório, revelando um aumento significativo nas chegadas em torno das datas dos concertos em comparação com o período de verão no seu conjunto – incluindo Estocolmo (+136% vs +15%), Varsóvia (+203% vs +31%) e Londres (+45% vs +12%).

Estas mudanças, ligadas a datas de eventos específicos, revelam a importância dos grandes eventos para impulsionar o crescimento, mesmo em períodos de recessão económica, uma vez que a procura continua a ser elevada para experiências “únicas na vida”. Os destinos com infraestruturas bem desenvolvidas, como estádios, salas de espetáculos ou locais de festivais, podem beneficiar significativamente desta realidade.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.