Edição digital
Assine já
PUB
Turismo

Dia Mundial do Turismo 2023 vai ser consagrado aos investimentos verdes no setor

O tema escolhido pela Organização Mundial de Turismo (OMT) para celebrar a edição de 2023 do Dia Mundial do Turismo (DMT) é “Turismo e Investimentos Verdes”, que considera uma das principais prioridades para a recuperação do turismo, crescimento e desenvolvimento futuros.

Carolina Morgado
Turismo

Dia Mundial do Turismo 2023 vai ser consagrado aos investimentos verdes no setor

O tema escolhido pela Organização Mundial de Turismo (OMT) para celebrar a edição de 2023 do Dia Mundial do Turismo (DMT) é “Turismo e Investimentos Verdes”, que considera uma das principais prioridades para a recuperação do turismo, crescimento e desenvolvimento futuros.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados
Lusanova sugere seis viagens para desfrutar no outono
Distribuição
AEBB entra em projeto europeu para promover turismo náutico-cultural da bacia do Tejo
Destinos
Airbus recebe certificação EASA para o A321XLR
Aviação
Turkish Airlines apresenta nova suite Crystal Business Class
Transportes
Turismo de Portugal vai estruturar um novo Plano Turismo + Sustentável
Turismo
Costa Boal investe no Enoturismo em Favaios
Enoturismo
Feira Internacional de Mergulho de 18 a 20 de outubro na Cordoaria Nacional
Meeting Industry
Vindouro celebra o Douro em S. João da Pesqueira
Enoturismo
Britânicos procuram viagens de última hora
Destinos
Portugueses isentos de visto para estadas de até 60 dias na Tailândia
Destinos

O mundo vai celebrar o próximo Dia Mundial do Turismo, iniciativa da OMT que se assinala a 27 de setembro, com um apelo à necessidade de mais investimentos direcionados para as pessoas, para o planeta e para a prosperidade, com a temática global “Turismo e Investimentos Verdes”.

A OMT pretende que se encontrem soluções inovadoras que promovam e sustentem o crescimento económico e a produtividade, convergindo para as metas de​ sustentabilidade.

Por outro lado, a Organização Mundial do Turismo, que ainda não anunciou o local das celebrações oficiais da edição de 2023, espera que o mundo inteiro reflita sobre a imprescindibilidade da realização de investimentos que beneficiem as pessoas, numa aposta na educação e competências, o planeta (incidindo em infraestruturas sustentáveis e acelerando a transformação ecológica) e a prosperidade (promovendo a inovação, a tecnologia e o ​empreendedorismo).

O Dia Mundial do Turismo 2023 faz, assim, apelo à comunidade internacional, aos governos, instituições financeiras multilaterais, parceiros de desenvolvimento e investidores do setor privado, para todos se unirem em torno de uma nova estratégia de investimento num turismo cada vez mais sustentável.​

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Lusanova sugere seis viagens para desfrutar no outono
Distribuição
AEBB entra em projeto europeu para promover turismo náutico-cultural da bacia do Tejo
Destinos
Airbus recebe certificação EASA para o A321XLR
Aviação
Turkish Airlines apresenta nova suite Crystal Business Class
Transportes
Turismo de Portugal vai estruturar um novo Plano Turismo + Sustentável
Turismo
Costa Boal investe no Enoturismo em Favaios
Enoturismo
Feira Internacional de Mergulho de 18 a 20 de outubro na Cordoaria Nacional
Meeting Industry
Vindouro celebra o Douro em S. João da Pesqueira
Enoturismo
Britânicos procuram viagens de última hora
Destinos
Portugueses isentos de visto para estadas de até 60 dias na Tailândia
Destinos
PUB
Aviação

Airbus recebe certificação EASA para o A321XLR

Anunciado no Salão Internacional da Aeronáutica de Paris-Le Bourget, em 2019, o A321XLR da Airbus recebeu, recentemente, a certificação da EASA. Após mais de 1.450 horas de testes e 510 voos, a entrada em ação da versão “Xtra Long Range” da família A320 estará para breve.

O Airbus A321XLR, equipado com motores CFM-LEAP-1A, recebeu o Certificado da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA), preparando o caminho para a entrada em serviço da nova aeronave no final do verão. O certificado foi entregue por Florian Guillermet, diretor-executivo da EASA, a Isabelle Bloy, engenheira-chefe do A321XLR. A certificação da versão com motor Pratt & Whitney está prevista para o final de 2024.

Christian Scherer, diretor-executivo da divisão de Aeronaves Comerciais da Airbus, refere que o A321XLR “traz um novo valor para o mercado, expandindo as possibilidades para os clientes e passageiros das nossas companhias aéreas. Com o seu longo alcance, o A321XLR permite uma série de novas rotas diretas, oferecendo oportunidades naturais de crescimento aos nossos clientes e ao público que viaja”.

Segundo o responsável o A321XLR proporciona às companhias aéreas a “eficiência da uniformidade dentro da gama de produtos A320/A321 e a sua cabina versátil uma gama de possibilidades de serviço que são simplesmente únicas”.

Com a certificação a ser considerada um “um marco importante”, o próximo passo é preparar o avião para as primeiras missões comerciais com clientes de todo o mundo.

Em comunicado, a Airbus refere que O A321XLR fica “lado a lado com os widebodies na frota de uma companhia aérea. Introduz a flexibilidade para aumentar a capacidade, abrir novas rotas ou mesmo continuar a operar as existentes quando a procura é variável. Tudo isto gastando menos 30% de combustível por lugar do que os aviões da concorrência da geração anterior, e com cerca de metade do custo de viagem dos modernos widebodies. A nova cabina Airspace do A321XLR proporcionará aos passageiros um conforto de longo curso em todas as classes”.

De referir que o primeiro A321XLR completou o seu voo inaugural em junho de 2022, tendo-se seguido um extenso programa de testes que envolveu três aeronaves de teste. Até à data, foram encomendados mais de 500 Airbus A321XLR.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Turismo de Portugal vai estruturar um novo Plano Turismo + Sustentável

Findo o Plano Turismo +Sustentável 20-23, o Turismo de Portugal assume o desafio de estruturar um novo projeto, que continue a mobilizar os agentes e a sociedade para a promoção da sustentabilidade no turismo em Portugal, com o compromisso de apoiar o turismo a atingir os seus objetivos e metas no domínio da sustentabilidade.

O Turismo de Portugal, que apresenta o relatório d​e execução do Plano Turismo +Sustentável 20-23, vai estruturar um novo documento que continue a mobilizar os agentes e a sociedade para a promoção da sustentabilidade no turismo em Portugal.

O relatório de execução do Plano Turismo +Sustentável 20-23 inclui ​os principais resultados e conclusões daquele que o Turismo de Portugal, considera, na sua página oficial, ser o referencial estratégico, participativo e dinâmico, alargado e criativo, através do qual assumiu a responsabilidade de mobilizar os agentes e a sociedade para a promoção da sustentabilidade no turismo em Portugal.

De acordo com a mesma fonte, a execução das ações do plano foi acompanhada diretamente pelo Turismo de Portugal através de reuniões técnicas, tendo a conclusão dos projetos sido monitorizada ​junto das entidades responsáveis. No âmbito da respetiva gestão e monitorização, visando uma responsabilidade partilhada na concretização das metas, o plano contemplou, ainda, a dinamização de um Grupo de Acompanhamento para a Sustentabilidade.

Findo o Plano Turismo +Sustentável 20-23, o Turismo de Portugal assume o desafio de estruturar uma nova estratégia que continue a mobilizar os agentes e a sociedade para a promoção da sustentabilidade no turismo em Portugal, com o compromisso de apoiar o turismo a atingir os seus objetivos e metas no domínio da sustentabilidade.

Os objetivos serão priorizar a descarbonização, implementando planos de ação climática para minimizar o impacto ambiental;  Estimular uma cultura de consciencialização e responsabilidade, partilhando as melhores práticas de economia circular e proporcionando conhecimento sobre o impacte no território; Apoiar os agentes da cadeia de valor na adaptação aos desafios climáticos e no acesso a oportunidades de financiamento para iniciativas de descarbonização; Identificar oportunidades para a melhoria das práticas de mobilidade sustentável e emitir recomendações para a implementação de soluções inovadoras e eficientes; Capacitar e apoiar iniciativas para melhorar e requalificar os recursos humanos, bem como colmatar lacunas de competências sustentáveis.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Enoturismo

Costa Boal investe no Enoturismo em Favaios

Projeto envolve a compra de quinta com 5 hectares de vinha, para a construção de um hotel de 4 estrelas, com adega e restaurante, com o investimento a ultrapassar os três milhões de euros.

Com experiência na produção de vinhos no Douro, Trás-os-Montes, e Alentejo, a Costa Boal Family Estates prepara-se, agora, para entrar no mercado do Enoturismo, com a aquisição da Quinta de Arufe, em Favaios, Alijó, com cerca de 5 hectares de vinha, para a implementação de um projeto, que inclui a construção de uma unidade turística “de nicho”.

O investimento envolve, além da produção de vinho, a recuperação de um edifício que se encontra em avançado estado de degradação, datado de 1920, onde será instalado o hotel de 4 estrelas, com 16 quartos (que terão nomes de castas), e incluirá, ainda, uma sala de provas, uma horta biológica e um restaurante panorâmico, com assinatura de chef.

O espaço fica junto à Estrada Nacional 322 e irá promover “a ruralidade e a cultura” desta freguesia do Douro. A arrancar ainda este ano, o projeto está orçado em mais de três milhões de euros e está previsto que nos inícios de 2026 as portas se abram para receber os primeiros hóspedes.

Com este projeto, assente na sustentabilidade, a Costa Boal pretende “promover o contacto direto com a natureza e o Douro, num ambiente familiar e intimista, onde reinem a calma e a tranquilidade, mantendo a aposta em produção de vinhos únicos”. O objetivo é ter uma oferta distinta, capaz de despertar o interesse do mercado nacional e internacional, com foco no Brasil, França e Reino Unido.

“Neste local, os hóspedes terão oportunidade de conhecer as várias atividades agrícolas da região, como as vindimas e o pisar das uvas nos lagares, e envolverem-se nas mesmas, absorvendo, desta forma, toda a cultura de uma das mais notáveis regiões portuguesas”, refere António Boal, responsável pela Costa Boal Family Estates.

A esta “portugalidade”, juntar-se-ão atividades e programas de animação turística, como provas e harmonização de vinhos, visitas guiadas ao Museu do Pão e Vinhos de Favaios, passeios de barco privados, trilhos pedestres e cycling.

“Queremos potenciar ao máximo o rendimento da exploração da propriedade, aproveitando as características naturais e a sua localização privilegiada, junto à Estrada Nacional 322-3, complementando-a com uma forte componente turística de excelência”, destaca o produtor.

As obras, no terreno, arrancam, já, este ano e deverão estar concluídas dentro de 24 meses, apontando a abertura para 2026.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Da esquerda para a direita: Hugo Teixeira Francisco, Bruno Teixeira, João Daniel Ramos

Distribuição

Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour

A Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação no capital da Geonatour no que diz ser um “reforço do compromisso com o turismo sustentável em Portugal”.

Publituris

Num movimento estratégico, a Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação significativa na Geonatour, fortalecendo assim a sua posição em soluções de turismo sustentável, abrindo este acordo um novo capítulo para ambas as empresas, com um foco renovado em inovação e sustentabilidade.

Hugo Teixeira Francisco, cofundador e CMO da Portugal Green Travel, destaca que a Geonatour já era uma parceira valiosa e fornecedora de serviços essenciais para eles. “A entrada no seu capital é um passo natural, dado o aumento significativo de turistas que procuram experiências autênticas, nomeadamente programação de caminhadas e atividades ao ar livre em Portugal. Com esta parceria, reforçamos o nosso compromisso com inovações tecnológicas e a digitalização do setor turístico, que são cruciais para promover um turismo mais responsável e integrado,” afirma Hugo.

Do lado da Geonatour, Bruno Teixeira, CEO e cofundador, considera que a entrada da Portugal Green Travel vai servir como uma “verdadeira alavanca para crescimento e inovação. Não só traz um forte alinhamento estratégico e compromisso com a sustentabilidade, como também nos permite expandir e melhorar a nossa oferta de serviços. Juntos, iremos desenvolver novos produtos que respeitam e promovem a riqueza natural e cultural dos territórios portugueses”.

As expectativas para os próximos anos são altas, e ambos os responsáveis estão confiantes de que esta parceria transformará o turismo em Portugal. Hugo Teixeira Francisco projeta que esta parceria colocará a empresa na vanguarda do turismo sustentável em Portugal. “Estamos a trabalhar para integrar completamente as nossas operações e maximizar as sinergias entre as nossas equipas. A nossa visão é a de que cada turista que visita Portugal através da nossa rede experimente uma conexão genuína e profunda com os territórios, beneficiando todas as partes envolventes de uma forma sustentável e com recurso a soluções tecnológicas 100% portuguesas”.

Já Bruno Teixeira acrescenta que a meta é “continuar a promover e valorizar o património natural através da plataforma Geonatour, garantindo que cada experiência seja única e verdadeiramente enriquecedora”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043

De acordo com a Boeing, a procura por novas aeronaves deverá duplicar nos próximos 20 anos. 76% dos aviões a serem entregues devem ser de corredor único, e metade substituirá aviões mais antigos por modelos mais eficientes em termos de combustível.

Publituris

Com as viagens aéreas em fase de total recuperação, a Boeing prevê um aumento de 3% nas entregas de aviões nos próximos 20 anos, com as transportadoras a necessitarem de quase 44.000 novos aviões comerciais até 2043, indicando ainda no “Commercial Market Outlook (CMO)” para 2024, que os mercados emergentes e a procura global de aviões de corredor único continuarão a ser os principais motores de crescimento do setor.

“A procura de viagens aéreas continua a ultrapassar o crescimento económico num mundo cada vez mais conectado”, refere o documento da Boeing, considerando ainda que, em comparação com 2023, “o tráfego aéreo de passageiros aumentará em média 4,7% ao ano nas próximas duas décadas”.

“Esta é uma era desafiadora e inspiradora para a aviação. O regresso a um crescimento de tráfego mais típico mostra a resiliência da nossa indústria, mesmo quando todos nós trabalhamos com a cadeia de abastecimento e restrições de produção em curso, entre outros desafios globais”, refere Brad McMullen, vice-presidente sénior de Vendas Comerciais e Marketing da Boeing.

Assim, o CMO da Boeing destaca que a frota comercial global deva crescer 3,2% ao ano, mais lentamente do que o tráfego aéreo, “uma vez que as companhias aéreas continuam a aumentar a produtividade através do aumento dos fatores de carga e da utilização de aviões mais horas por dia”.

No que diz respeito aos principais fatores de crescimento, o fabricante norte-americano estima que “o tráfego de passageiros no Sul da Ásia aumentará 7,4%, seguido do Sudeste Asiático (7,2%) e de África (6,4%), à medida que os mercados emergentes regressam às tendências históricas de crescimento durante o período de previsão”.

Prevê-se que a Eurásia lidere todos os mercados com o maior número de entregas de aviões (22% do total), seguida de perto pela América do Norte (20%) e pela China (20%).

Os aviões de corredor único constituirão 71% da frota de 2043, após 33.380 novas entregas, servindo rotas de curto e médio curso com maior versatilidade.

A frota global de aviões de fuselagem larga mais do que duplicará, com os aviões de dois corredores a representarem 44% da frota do Médio Oriente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre

A Ryanair apresentou, no primeiro trimestre de 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), lucros de 360 milhões de euros, uma quebra de 46% face aos 663 milhões de igual período do exercício anterior. No que diz respeito ao número de passageiros transportados, registou, no entanto, um aumento de 10%, alcançando os 55,5 milhões.

Victor Jorge

No primeiro trimestre do exercício 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), a Ryanair registou uma quebra nos lucros, passando de 663 milhões de euros para 360 milhões de euros, representando uma descida de 46%.

As receitas também registaram uma descida, embora mais ligeira, de 1%, totalizando 3,63 mil milhões de euros contras os 3,65 mil milhões de euros de período homólogo do exercício transato, sendo que as receitas regulares diminuíram 6% para 2,33 mil milhões de euros, e as vendas acessórias (Ancillary) aumentaram 10% para 1,3 mil milhões de euros (cerca de 23,40 euros por passageiro).

Já os custos operacionais, aumentaram em 11%, passando os 2,94 mil milhões de euros, no final de junho de 2023, para 3,26 mil milhões de euros no sexto mês de 2024.

A companhia lowcost liderada por Michael O’Leary informa ainda que o número de passageiros transportados passou de 50,4 milhões, no final do primeiro trimestre do exercício de 2024, para 55,5 milhões no final do primeiro trimestre do exercício de 2025, representando um acréscimo de 10%, embora o load factor tenha descido um ponto percentual (p.p.), de 95% para 94%.

Em comunicado, Michael O’Leary destaca o aumento do número de passageiros transportados, “apesar dos múltiplos atrasos na entrega de aviões por parte da Boeing”.

“O grupo Ryanair tinha 156 B737 Gamechangers a 30 de junho e esperamos aumentar este número para mais de 160 até ao final de julho (menos 20 do que as entregas contratadas)”, avança a companhia, referindo que “registámos uma melhoria na qualidade e frequência das entregas durante o 1.º trimestre”. Embora reconheça o “risco de as entregas da Boeing atrasarem ainda mais”, a Ryanair espera garantir a entrega “atempada” dos restantes 50 aviões da Boeing antes do verão de 2025.

“Este verão, estamos a operar o nosso maior programa de sempre com mais de 200 novas rotas (e cinco novas bases)”, assinalando o prolongamento do contrato de aluguer operacional, até 2028, de três A320 com a Lauda, ao mesmo tempo que “continuaremos também a receber B737 até agosto e setembro, apesar de não podermos programar estes aviões para os voos de pico do verão”, diz a Ryanair no comunicado.

“Prevemos que a capacidade europeia de voos de curta distância permaneça limitada durante alguns anos, uma vez que os operadores de A320 estão a efetuar importantes reparações de motores P&W, os fabricantes se debatem com atrasos nas entregas e a consolidação das companhias aéreas prossegue, incluindo a aquisição da ITA (Itália) pela Lufthansa, recentemente aprovada, a aquisição adiada da Air Europa (Espanha) pela IAG e a venda iminente da TAP (Portugal)”.

Mantendo o objetivo de transportar 300 milhões de passageiros no ano fiscal de 2034, a Ryanair indica que os volumes de combustível para o ano fiscal 2025 estão cobertos em 75%, admitindo poupanças superiores a 450 milhões de euros. Além disso, revela que, “aproveitando a recente fraqueza do preço do petróleo”, a companhia aumentou a cobertura de combustível para o ano fiscal 2026 para quase 45%, assinalando que “esta forte posição de cobertura ajuda a isolar o grupo da volatilidade significativa dos preços dos combustíveis”.

Para o restante exercício de 2025, a Ryanair prevê que o tráfego de passageiros cresça 8%, podendo atingir os 200 milhões, “desde que não se registem atrasos na entrega dos Boeing”.

“Embora a procura no 2.º trimestre seja forte, os preços continuam a ser mais baixos do que esperávamos, e esperamos agora que as tarifas do destes próximos três meses sejam materialmente mais baixas do que no verão passado. O resultado final do primeiro semestre está, no entanto, totalmente dependente das reservas e das receitas finais em agosto e setembro. Como é normal nesta altura do ano, temos uma visibilidade quase nula do terceiro e quarto trimestres, embora o quarto trimestre não beneficie da Páscoa antecipada do ano passado”.

Assim, conclui, “é demasiado cedo para fornecer uma orientação significativa para os lucros do exercício de 2025, embora esperemos poder fazê-lo nos nossos resultados do primeiro semestre, em novembro. O resultado final de 2025 continua sujeito a evitar desenvolvimentos adversos durante o exercício, especialmente devido aos conflitos contínuos na Ucrânia e no Médio Oriente, à repetida falta de pessoal e restrições de capacidade do ATC ou a novos atrasos na entrega da Boeing”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Alojamento

Lisboa aprova aumento da taxa turística com entrada em vigor em setembro

Com a aprovação da proposta do PSD/CDS-PP, a taxa turística aplicada às dormidas em Lisboa vai passar de dois para quatro euros, a partir de 1 de setembro.

Publituris

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou esta sexta-feira, 19 de julho, o aumento da taxa turística para o dobro, ou seja, quatro euros, valor que começa a ser cobrado a partir de 1 de setembro, avança a Lusa.

Segundo a Lusa, a proposta do PSD/CDS-PP para aumento da taxa aplicada às dormidas em estabelecimentos de alojamento turístico na capital foi aprovada numa reunião privada do executivo municipal e contou com os votos contra do PCP, enquanto os restantes partidos votaram favoravelmente.

Apesar da aprovação e de ter estado em consulta pública ao longo de 30 dias, a proposta para aumento da taxa turística da capital terá ainda de ser submetida à assembleia municipal.

Esta proposta prevê o aumento de dois para quatro euros do valor cobrado por noite e por pessoa, nos estabelecimentos de alojamento turístico de Lisboa, e inclui também a atualização da taxa turística de chegada por via marítima, que passa de um para dois euros por passageiro, ainda que o valor que agora se propõe atualizar seja o que começou a ser aplicado este ano, com o início da cobrança desta taxa aos passageiros de cruzeiro. Esta taxa de chegada por via marítima deverá ser atualizada no dia seguinte ao da publicação da alteração ao Regulamento em Diário da República.

Recorde-se que, a 17 de abril, o executivo municipal aprovou a proposta de PSD/CDS-PP para submeter estas alterações a consulta pública, com a abstenção do PCP e os votos a favor dos restantes vereadores.

Nessa altura, a autarquia de Lisboa queria incluir também os parques de campismo na cobrança da taxa turística, mas o PS propôs a eliminação dessa medida, o que foi aprovado com os votos contra de PSD/CDS-PP e BE.

Entretanto, o PS já tinha anunciado que aprovaria a proposta, mas não deixou de avisar que a taxa turística “não pode servir para remendar as contas da autarquia”, exigindo, por isso, que a autarquia esclareça qual será o “destino do adicional de 40 milhões de euros”, resultante do aumento proposto.

Em resposta, o gabinete de Carlos Moeda, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, esclareceu r que as verbas arrecadadas com a Taxa Municipal Turística se destinam a contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos munícipes de Lisboa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

SATA concentra serviços de atendimento ao cliente nos balcões de aeroporto e Contact Center

O Grupo SATA explica que esta medida “insere-se num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo”.

Publituris

Nos Açores, a SATA Air Açores e Azores Airlines vão passar a concentrar, a partir de 1 de agosto, os seus serviços de atendimento ao cliente nos balcões de aeroportos e através do Contact Center, medida que, segundo o Grupo SATA, se insere “num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo”.

“A iniciativa insere-se num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo, composto por acções que visam incrementar a sua eficiência, aumentar a receita e incrementar a produtividade e a rentabilidade dos recursos humanos e materiais, mantendo o foco no serviço prestado ao cliente”, lê-se num  comunicado divulgado pelo grupo de aviação açoriano.

O Grupo SATA acrescenta que esta medida visa também “melhorar o serviço de atendimento aos clientes, reforçando os canais que se encontram mais próximos dos passageiros, bem como aumentar a capacidade no atendimento através do Contact Center”.

“Estes dois canais enfrentam relevantes desafios de resposta aos clientes que necessitam urgentemente de ser colmatados”, refere ainda o grupo de aviação açoriano, na informação divulgada esta sexta-feira, 19 de julho.

A reorganização do modelo de atendimento vai implicar “a transferência dos serviços e dos recursos humanos das atuais lojas em centro urbano, para concentrar, sempre que possível, os meios físicos e humanos nos balcões de atendimento nas estruturas aeroportuárias da companhia nos Açores”, o que deverá permitir “canalizar esforços para oferecer um serviço de atendimento presencial ou remoto, cada vez mais eficiente aos clientes das transportadoras”.

O Grupo SATA diz ainda que vai também continuar a apostar nos “canais de contacto digitais”, a exemplo do site comercial das transportadoras, disponível aqui, e através do qual é ainda possível realizar “um conjunto de operações comerciais, como efetuar reservas e compra de bilhete, aquisição de serviços adicionais, ou consultar informação sobre os serviços disponibilizados”.

O grupo de aviação açoriano lembra também que as suas companhias aéreas contam com “uma rede de balcões de atendimento nas nove estruturas aeroportuárias do Arquipélago dos Açores, bem como nos aeroportos de Lisboa e Porto”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Prémios

Nova Edição: Fotorreportagem dos Portugal Travel Awards, Living Tours, Tunísia e dossier MICE

A nova edição do Publituris recorda, em fotorreportagem, os Portugal Travel Awards. Além disso, saiba os planos da Living Tours, a estratégia da Tunísia para chegar aos 100 mil turistas portugueses e um dossier sobre o segmento MICE em Portugal.

Publituris

A última edição do mês de julho do jornal Publituris faz capa com a fotorreportagem dos Portugal Travel Awards 2024. Veja ou reveja os melhores momentos da festa do turismo que, pela primeira vez, se realizou na cidade do Porto, no Pestana Douro Riverside. Além da entrega dos prémios aos vencedores, também houve tempo para a festa e networking.

Esta edição revela, igualmente, os planos que a Living Tours tem para o futuro. Com uma faturação prevista de 30 milhões de euros para 2024, a Living Tours é, atualmente, uma das maiores empresas nacionais na área dos DMC e animação turística e tem planos ambiciosos para continuar a crescer, revelou ao Publituris Rui Terroso, CEO e fundador da empresa. O lançamento de novos produtos e a expansão com oferta própria para todo o território nacional são algumas das novidades para breve desta empresa que quer também continuar a internacionalização além da Península Ibérica.

O ministro tunisino do Turismo e Artesanato, Mohamed Moez Belhassine, que esteve recentemente em Portugal a representar o seu país na FIA Lisboa 2024, em que a Tunísia esteve em destaque na qualidade de país convidado, concedeu uma entrevista ao Publituris, em que passou em revista o atual estado do turismo, avançou as estimativas para o setor este ano, que tudo leva a crer, baterá os resultados recordes de 2019, mas também falou da estratégia do Governo para os próximos anos.

O dossier desta edição é dedicado ao MICE. Portugal está bem posicionado no ranking da International Congress and Convention Association (ICCA), aparecendo em 9.º lugar a nível mundial. O segmento MICE no nosso país continua a trajetória ascendente, mas, de acordo com os profissionais ouvidos, é preciso desenvolver mais e melhor as infraestruturas, bem como a conectividade, para que o país possa atingir lugares mais altos.

Além de ouvidos vários players que atuam no mercado MICE, o Publituris falou, igualmente, com o presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade, que admite que “a oferta relacionada com a MICE Industry alcançou já um excelente nível de reconhecimento internacional” e que as estratégias adotadas têm tido “resultados positivos”.

Já Carla Salsinha, presidente da Entidade Regional de Turismo de Lisboa, cidade que aparece em 2.º lugar a nível europeu no ranking da ICCA, salienta que “a questão não é, de todo, levar eventos para outras localizações”, mas sim “que outras localizações conquistem mais eventos”.

Além do Check-in, as opiniões desta edição pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Sílvia Dias (Savoy Signature), António Paquete (economista) e Carlos Torres (jurista e professor na ESHTE).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Eventos Publituris

Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens

4 de julho foi a data dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. No dia em que publicamos os melhores momentos na edição em papel, fica aqui o registo digital do evento.

Publituris

A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards decorreu no passado dia 4 de julho no Pestana Douro Riverside, na primeira vez que os prémios viajaram até à cidade do Porto.

Conhecidos que são os 22 vencedores, em 177 nomeados, e entregue o prémio “Belmiro Santos” a Raul Martins, fica o registo fotográfico no formato digital para ver e rever.

Resta-nos felicitar, mais uma vez, todos os nomeados, dar os parabéns aos vencedores, e agradecer ao main sponsor novobanco, apoios do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Câmara Municipal do Porto, aos patrocinadores Pestana Hotel Group, Consolidador.com, Mawdy, Europastry, Nescafé, Lufthansa LGSP, Grohe, e aos parceiros GR8 events, Movielight, Multislide, Workgroup.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.