Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

“Lisboa é a nova Miami para os brasileiros”

Em entrevista ao Publituris, John Rodgerson, CEO da Azul – Linhas Aéreas Brasileiras, revela que a rota que a companhia aérea opera para Lisboa está com uma elevada procura, uma vez que os turistas brasileiros olham para a capital portuguesa como “a nova Miami” e, por isso, não descarta um reforço da operação no verão.

Inês de Matos
Transportes

“Lisboa é a nova Miami para os brasileiros”

Em entrevista ao Publituris, John Rodgerson, CEO da Azul – Linhas Aéreas Brasileiras, revela que a rota que a companhia aérea opera para Lisboa está com uma elevada procura, uma vez que os turistas brasileiros olham para a capital portuguesa como “a nova Miami” e, por isso, não descarta um reforço da operação no verão.

Inês de Matos
Sobre o autor
Inês de Matos
Artigos relacionados
Azores Airlines abre novas rotas para a Europa e América do Norte em junho
Aviação
Albufeira promoveu-se nos EUA e juntou “várias dezenas” de participantes em Boston e Nova Iorque
Destinos
Huelva consolida posição como destino estrela em 2024 da Tour10
Distribuição
eDreams: Espanha é o país preferido dos portugueses para as férias de verão
Destinos
ANAV recebida pelo novo SET e representantes de vários partidos políticos
Distribuição
Aliança entre Paraty e Spazious oferece motor de reservas para grupos e eventos aos hotéis
Hotelaria
Lusanova leva agentes de viagens à Turquia e Índia
Distribuição
Aumento de movimentos na Portela implica estudo das obras necessárias
Aviação
unusual voyages celebra 1º aniversário com oferta de viagens
Distribuição
Solférias tem “preços mais baixos para o verão” na Disneyland Paris
Distribuição

A saída da pandemia tornou a Azul – Linhas Aéreas Brasileiras mais forte, quem o diz é John Rodgerson, CEO da companhia aérea, que revela que a Azul é já a maior transportadora no Brasil e está empenhada em expandir também a sua rede na Europa para equilibrar a operação com os EUA.

Em entrevista ao Publituris, o responsável fala também da importância do mercado português e da rota de Lisboa, onde a Azul conta com dois voos diários, mas que pode ser reforçada no verão, tendo em conta a elevada procura que regista, já que os turistas brasileiros olham para a capital portuguesa como “a nova Miami”, que todos querem visitar.

Mais difícil parece ser o regresso ao Porto, para onde a transportadora voava antes da pandemia, com John Rodgerson a revelar que a Azul está satisfeita com a parceria que mantém com a TAP e que, por isso, prefere concentrar a operação na capital portuguesa.

Nesta conversa, houve ainda tempo para falar dos objetivos da Azul Viagens, o operador turístico da Azul, que quer aumentar a venda de pacotes de viagens para Portugal no Brasil, assim como das inovações tecnológicas e das suas vantagens para a aviação, além do futuro, que John Rodgerson vê com otimismo, estimando mesmo que 2023 possa vir a ser “o ano mais forte” da história da transportadora brasileira.

Depois da pandemia, a Azul parece estar com uma energia renovada e tem lançado várias rotas domésticas e também internacionais. A capacidade pré-pandemia já foi toda recuperada?
É verdade, a Azul mudou com a pandemia, entrámos em vários mercados e que observámos é que a frequência entre duas cidades é menos importante do que voar para um maior número de cidades. Por isso, hoje, estamos em 158 cidades no Brasil, antes da pandemia estávamos em 119.

Hoje, a Azul tem uma malha muito mais distribuída no Brasil e a própria companhia aérea é 30% maior em termos de assentos face aquilo que tínhamos antes. Em 2019, éramos uma empresa bem menor do que aquilo que somos hoje, em que temos, mais ou menos, um terço do mercado no Brasil. Isso mostra que a Azul cresceu muito e mudou, também porque temos outro tipo de aeronave que nos tem permitido uma expansão no Brasil, distribuindo os brasileiros por todos os cantos do país.

Obviamente que também temos novos voos para a Europa, para Lisboa e vamos lançar um voo para Paris-Orly este mês [26 de abril], mas o que temos percebido é que a pandemia mudou a forma como as pessoas trabalham. Por isso, há menos viagens de negócios, muitas pessoas continuam a trabalhar de forma remota, o que também permite que as pessoas façam fins-de-semana mais prolongados e procurem mais o lazer.

É essa maior procura pelo lazer que tem levado a Azul a abrir tantas novas rotas no Brasil?
Sim, a aposta no lazer e a nossa capacidade para voar para várias cidades. Somos a única companhia aérea que, no Brasil, tem aviões ATR, também somos os únicos que têm Embraer no Brasil e isso permite que a Azul possa voar para cidades mais pequenas porque os nossos concorrentes não têm essa capacidade. Isso dá-nos a capacidade de distribuir os passageiros por mais cidades, ajudando muito mais o mercado brasileiro a crescer. Isso é algo que temos percebido e em que nos temos focado.

É isso que explica o lançamento da nova assinatura “O Céu é Azul”, de forma a mostrar essa abrangência da Azul no Brasil?
É verdade. É algo tão simples, mas que faz todo o sentido. Somos uma empresa que tem aeronaves brasileiras a voar nos céus do Brasil e somos quem mais voa dentro do Brasil.

Pensando, por exemplo, no Amazonas, a Azul serve mais de 30 destinos no Amazonas, um estado do Brasil que nunca tinha sido servido antes. Muita gente quer salvar o Amazonas, mas costumo dizer que, primeiro, temos de conectar o Amazonas. Isso é o mais importante porque para salvarmos alguma coisa, temos de saber o que lá está a acontecer. E a Azul faz isso.

Há muito boa conetividade com a TAP e isso levou-nos a perceber que não precisávamos voar para duas cidades diferentes em Portugal

Recentemente, acabou a obrigatoriedade do uso de máscara facial a bordo dos voos da Azul. Essa decisão teve algum impacto na procura?
O Brasil foi um dos últimos países do mundo a tirar a máscara e, em fevereiro, finalmente podemos abolir a máscara a bordo.

Isso fez toda a diferença para a perceção do cliente e, por isso, agora há mais pessoas que se sentem mais confortáveis a voar porque não é divertido voar com máscara. Agora que não é mais preciso usar a máscara, com certeza que a procura aumentou.

No ano passado, também não podíamos servir snacks a bordo e o Brasil é um país grande, agora, imagine um voo de três ou quatro horas sem snacks e com máscara. Obviamente que havia pessoas que não queriam voar por causa disso e, agora, isso mudou.

Rotas internacionais
A Azul está também a abrir várias novas rotas internacionais, para a América Latina, como o Uruguai, mas também EUA e Paris. Qual é a importância destas novas rotas para a Azul?
São rotas importantes porque representam uma receita em dólares e muitos dos custos de uma companhia aérea são em dólares, como o combustível ou aeronaves. O facto de termos mais receita em dólares ajuda e é por isso que temos mais voos para os EUA do que para a Europa.

Voamos para Fort Lauderdale e Orlando de várias cidades no Brasil, como São Paulo, Minas Gerais, Recife, Manaus ou Belém.

Para a Europa, estamos focados em Lisboa, que tem dois voos diários, e agora vamos ter também um voo diário para Paris. Estamos a tentar equilibrar um pouco a operação porque estávamos muito focados, a nível internacional, nos EUA, e queremos equilibrar a operação com a Europa.

Também temos outros destinos regionais, como Montevideu, no Uruguai, mas tenho percebido que Lisboa é a nova Miami para os brasileiros. Antigamente, há 10 ou 15 anos, todos os brasileiros queriam viajar para Miami, mas agora Lisboa, Cascais e também o Porto são as novas Miami. Há muitos brasileiros a viajar e a comprar casa em Portugal porque é um país lindo e isso faz muita diferença nos nossos voos.

No caso de Paris, que é o nosso próximo destino, também temos vários brasileiros que querem voar diretamente. Na nossa lista de destinos, o primeiro em termos de procura sempre foi Lisboa, onde dobrámos e até triplicámos os voos em 2022, e o segundo destino era Paris.

Em Paris, mantemos a parceria com a TAP. A TAP voa para vários destinos no Brasil e nós ajudamos a distribuir os passageiros e vai acontecer a mesma coisa na Europa. Vamos conectar-nos com a TAP também em Paris.

A Azul está a receber novos aviões, já recebeu um A350 e tem mais alguns encomendados. Estes aviões vão ajudar na expansão para a Europa?
Ainda temos poucos desses aviões, mas sim, vamos usá-los nos voos para Orly e temos usado também para Orlando. Mas o nosso principal avião para voos internacionais é o A330 e vai continuar a ser. É a nossa principal frota e a maior parte dos nossos voos vão ser feitos nesses aviões.

Há uma elevada procura de brasileiros. Em todas as cidades onde voamos no Brasil há pessoas que querem visitar Portugal

Mercado português
Qual é, atualmente, a importância do mercado português para a Azul, nomeadamente nas rotas domésticas. O número de passageiros portugueses é significativo?
Pode crescer mais. A TAP serve atualmente 11 cidade no Brasil e somos parceiros em todas essas cidades. Por isso, temos pessoas em todas as 158 cidades para onde voamos no Brasil que querem conhecer Portugal e que estamos a ajudar a distribuir para as cidades para onde a TAP voa. Mas também é verdade que há muitos portugueses a viajar para o Nordeste, via São Paulo, onde se localiza o nosso hub de Viracopos.

Temos dois voos diários para Lisboa e, durante o pico, em janeiro, tivemos três voos diários, mas é verdade que temos mais brasileiros a viajar para visitar a Europa do que portugueses a visitar o Brasil. Esta é a minha perceção, mas com certeza que os portugueses também estão a conhecer mais o Brasil, através dos voos da Azul e da TAP.

Em relação a Lisboa, disse que a capital portuguesa está com uma procura muito elevada, isso poderá levar a um aumento de operação para atender à procura para o verão do hemisfério Norte?

Sim, é possível. Começámos a rota com um voo diário e, depois, fomos para o Porto, mas, assim que pudemos, duplicámos os voos em Lisboa, até porque há muito boa conetividade com a TAP e isso levou-nos a perceber que não precisávamos voar para duas cidades diferentes em Portugal.

Na temporada alta, é sempre mais fácil ter disponibilidade para aumentar os voos e há vários dias em que temos três voos diários entre Campinas, que é o nosso principal hub, e Lisboa. Isto acontece porque há uma elevada procura de brasileiros. Em todas as cidades onde voamos no Brasil há pessoas que querem visitar Portugal.

Como está a ocupação dos voos da Azul entre São Paulo e Lisboa e qual é a previsão para o verão do hemisfério Norte?
Os nossos voos costumam estar sempre acima de 80% de ocupação. É algo que costumamos divulgar mensalmente e, por norma, os voos internacionais estão sempre um pouco acima dessa média doméstica.

Percebi pelas suas palavras que não está nos planos da Azul um regresso tão cedo ao Porto, correto?

Não está porque temos uma boa distribuição com a TAP e, por isso, não é necessário, neste momento, voar diretamente para o Porto.

A TAP tem uma ponte-aérea entre Lisboa e o Porto que distribui os passageiros e isso leva-nos a acreditar que é melhor voar para Lisboa, uma vez que há maior conetividade para a Azul.

Quem sabe no futuro isso pode mudar, mas, por enquanto, estamos apenas focados em Lisboa e acho que um bom parceiro também faz isso. Portanto, voamos para onde o nosso parceiro é forte para ajudar a distribuir os passageiros em ambos os lados.

Azul Viagens em Portugal
E há algum outro destino português que possa interessar à Azul, pelo menos, no futuro?
Aquilo que estamos a pensar é em como vender mais pacotes para Portugal. Temos uma empresa de pacotes de viagens, a Azul Viagens, e queremos vender o Algarve, o Porto, Beja ou Fátima. Este é o nosso foco, não só para vender o voo, mas todo um pacote que inclui o voo, mas também carro e hotel. Acredito que esta venda de pacotes pode ser muito benéfica para a Azul.

O objetivo é afirmar a Azul Viagens, o operador turístico da Azul, também em Portugal?
Já temos algumas lojas em Portugal, mas queremos ter mais porque temos a capacidade de vender esses pacotes no Brasil.

Por exemplo, nos EUA, somos o maior vendedor no Brasil da Disney de Orlando, muitos brasileiros visitam a Disney de Orlando e queremos fazer o mesmo com Portugal. Podemos vender muito mais pacotes para Portugal, mas temos de melhorar esta parte do negócio, isso faria muito sentido e, por isso, estamos a procurar hotéis e outros parceiros em Portugal para ajudar a aumentar as possibilidades de venda.

Aquilo que estamos a pensar é em como vender mais pacotes para Portugal. Temos uma empresa de pacotes de viagens, a Azul Viagens, e queremos vender o Algarve, o Porto, Beja ou Fátima. Este é o nosso foco neste momento

Já há alguma coisa fechada ou as negociações ainda continuam?
Estamos a conversar com muita gente e temos de construir o conteúdo. Isso implica ir ao destino, tirar fotos e, depois, levar os nossos vendedores para Portugal para conhecerem o destino.

Isso acontece porque o Brasil ainda tem muito o conceito de loja física, onde o cliente se senta em frente ao vendedor. Na Europa, há mais o costume de usar o online, o Booking.com e outros, mas o Brasil ainda está alguns anos atrás e o brasileiro ainda gosta de olhar nos olhos do vendedor para comprar pacotes de viagem.

Importância da tecnologia
A Azul lançou, em agosto de 2022, um projeto para criar a primeira ponte aérea biométrica do mundo, entre São Paulo e o Rio de Janeiro. Como está a correr este projeto e que vantagens oferece a biometria à aviação?
Está a correr muito bem. Fala-se muito em transformação digital e naquilo que se vai fazer para tornar o negócio mais digital, e toda a gente contratou consultores e equipas especializadas, mas a coisa mais importante para a transformação digital foi a pandemia.

Com a pandemia, percebemos que as pessoas não queriam ter contacto com outras pessoas e isso levou a que mais de 75% dos nossos clientes já nem passem pelo balcão de check-in. Com a biometria, as pessoas chegam ao aeroporto e apenas têm de mostrar a sua cara, já não é preciso mostrar o boarding pass ou o passaporte. Tudo passou a ser feito por reconhecimento fácil, uma tecnologia moderna que funciona muito bem.

É uma forma de darmos um salto em frente e sermos uma empresa mais tecnológica. Mudámos o patamar nos últimos anos, somos a companhia aérea mais pontual do mundo, recebemos esse prémio em 2022, e isto tem muito a ver com o uso da tecnologia.

Temos visto, em vários lugares do mundo, o caos aéreo, seja na Europa ou nos EUA, e nós não tivemos essa experiência no Brasil, estamos até mais pontuais hoje do que aquilo que éramos antes da pandemia e muito disso tem a ver com a utilização da tecnologia.

A pontualidade valeu, inclusive, um prémio à Azul. Esses prémios são, de alguma forma, importantes para a imagem da companhia aérea junto dos passageiros?
Sim, é verdade. Recebemos o prémio da CIRIUM como companhia aérea mais pontual do mundo e isso aconteceu depois de termos também recebido um prémio do TripAdvisor, em 2019, para melhor companhia aérea do mundo. Isso faz com que a Azul seja reconhecida como uma empresa de qualidade, que é muito pontual e trata muito bem os clientes. Temos muito orgulho disso.

A coisa mais importante para a transformação digital foi a pandemia

Expectativas para 2023
Quais são as expectativas da Azul para 2023, um ano que está a ser ameaçado pela inflação e perda de poder de compra?
Podemos olhar para os dados e ficar tristes ou olhar para eles com otimismo. Prefiro olhar com otimismo. Por exemplo, há muito tempo que os juros estão altos e há inflação, mas o preço do combustível está quase 20% mais barato do que há um ano. E esse é o nosso principal custo.

Por outro lado, há maior procura. A máscara deixou de ser obrigatória no Brasil há pouco mais de 30 dias. Portanto, o facto da máscara já não ser obrigatória e do preço do combustível estar mais baixo, leva a que mais pessoas queiram viajar, até porque muita gente não pode ver os seus netos nos últimos três anos e muitas pessoas que têm o sonho de conhecer a Europa não tiveram essa oportunidade por causa da pandemia.

Além disso, tanto os brasileiros como os europeus estão quase 100% vacinados, o que também ajuda a que as pessoas queiram viajar e leva a que a procura esteja, neste momento, muito boa. Por isso, estou muito otimista sobre este ano.

No ano passado, vivemos uma situação muito pior porque, de um dia para o outro, o preço do combustível aumentou muito por causa da guerra na Ucrânia. Mas, agora, o preço do combustível está a cair e a procura está alta e estou muito otimista de que vamos ter um ano muito bom, temos visto isso nos números que já temos e só estamos no quarto mês do ano.

No ano passado, foi diferente. Janeiro começou com a Ómicron e, depois, quando a Ómicron passou, começou a guerra na Ucrânia e o preço do combustível disparou 50%.

Este ano, não temos essas situações e, por isso, estou mais otimista. Acredito que vamos ter muito mais pessoas a viajar e o que está a acontecer deixa-nos muito animados para 2023.

2023 pode ser um novo ano de recordes?
Sim, 2023 vai ser um ano de recordes na receita, também deve ser para a rentabilidade e, por isso, estamos muito animados. A pandemia ajudou-nos a ficar mais fortes, somos mais pontuais, mais eficientes e não recebemos nenhuma ajuda governamental. Tivemos de sobreviver sem ajuda do Governo e isso ajudou-nos a sair da pandemia muito mais fortes. Por isso, acredito que 2023 vai ser o ano mais forte da nossa história.

A pandemia também nos ajudou a crescer na logística e, atualmente, por exemplo, levamos manga de todo o Brasil para Portugal. As pessoas que comem manga no sul de França não sabem, mas a verdade é que essas mangas foram transportadas por um avião da Azul. Essa parte desenvolveu-se muito e foi crucial para que as companhias aéreas tenham sobrevivido aos piores momentos da pandemia.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Artigos relacionados
Azores Airlines abre novas rotas para a Europa e América do Norte em junho
Aviação
Albufeira promoveu-se nos EUA e juntou “várias dezenas” de participantes em Boston e Nova Iorque
Destinos
Huelva consolida posição como destino estrela em 2024 da Tour10
Distribuição
eDreams: Espanha é o país preferido dos portugueses para as férias de verão
Destinos
ANAV recebida pelo novo SET e representantes de vários partidos políticos
Distribuição
Aliança entre Paraty e Spazious oferece motor de reservas para grupos e eventos aos hotéis
Hotelaria
Lusanova leva agentes de viagens à Turquia e Índia
Distribuição
Aumento de movimentos na Portela implica estudo das obras necessárias
Aviação
unusual voyages celebra 1º aniversário com oferta de viagens
Distribuição
Solférias tem “preços mais baixos para o verão” na Disneyland Paris
Distribuição
PUB
Aviação

Azores Airlines abre novas rotas para a Europa e América do Norte em junho

Em junho, a Azores Airlines abre novas rotas entre a América do Norte e os destinos do Porto e Funchal, assim como entre os Açores (Ponta Delgada) e o Algarve (Faro) e ainda entre os Açores (Ponta Delgada) e Itália (Milão).

A Azores Airlines, companhia aérea do Grupo SATA que realiza os voos internacionais, vai abrir várias novas rotas no próximo mês de junho, que prometem aumentar a conectividade entre a Europa e a América do Norte.

Num comunicado enviado à imprensa, o Grupo SATA explica que o “conjunto de novas operações diretas” incluem voos entre a América do Norte e os destinos do Porto e Funchal, assim como entre os Açores (Ponta Delgada) e o Algarve (Faro) e ainda entre os Açores (Ponta Delgada) e Itália (Milão).

No dia 1 de junho, a Azores Airlines dá início à rota direta entre Toronto e o Funchal, enquanto no dia seguinte, 2 de junho, começam os voos entre Nova Iorque e o Porto, bem como entre Ponta Delgada e Faro.

Já os voos entre o Porto e Boston arrancam a 4 de junho, no mesmo dia em que têm ainda início as ligações aéreas entre Boston e o Funchal, enquanto a operação entre Ponta Delgada e Milão, em Itália, começa no dia seguinte, 5 de junho. No dia 7 de junho, a Azores Airlines começa ainda a voar entre Toronto e o Porto.

“Por entre estas estreia-as a companhia aérea assinala, também, a retoma da operação entre os Açores (Ponta Delgada) e Londres, com a oferta de duas frequências por semana”, refere ainda um comunicado do Grupo SATA.

Segundo o grupo de aviação açoriano, “a concretização destas novas operações representa o culminar de um processo no qual a companhia aérea, entidades nacionais e regionais ligadas ao setor do turismo, agentes de promoção e de viagens e representantes locais, se têm fortemente empenhado”.

“Em resultado deste trabalho, os índices de procura registados permitem perspetivar um verão com possibilidade de superar a procura registada em 2023. Para além destas novas operações, a companhia aérea incrementou em cerca de 26% a sua operação regular para o verão de 2024 (doméstica e internacional) face à época de verão IATA do ano passado”, acrescenta o comunicado divulgado.

Para Graça Silva, diretora de Vendas, Marketing e Comunicação do Grupo SATA, as novas rotas proporcionam “mais oferta aos passageiros que desejam chegar aos Açores e mais oportunidades para os que pretendem viajar entre a Europa e os Estados Unidos”.

“São apostas que consolidam a trajetória sustentada de crescimento que se tem verificado na companhia aérea, nos últimos anos”, acrescenta a responsável, citada no comunicado enviado à imprensa.

O Grupo SATA lembra ainda que estas novas rotas vão contribuir para impulsionar o Stopover Azores, modalidade que possibilita uma estadia mais prolongada, até sete dias, na escala intermédia, antes da chegada ao destino final.

“A Azores Airlines é a companhia aérea que mais oferta disponibiliza para os Açores, ligando o Arquipélago à América do Norte, ao Continente Europeu, incluindo Portugal Continental e o Arquipélago da Madeira e, ainda, ao Arquipélago de Cabo Verde”, congratula-se ainda o grupo açoriano.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Aumento de movimentos na Portela implica estudo das obras necessárias

Uma recente resolução do Conselho de Ministros prevê o desenvolvimento de um plano detalhado de investimentos e a criação de um grupo de acompanhamento para o aumento da capacidade para 45 movimentos por hora no Aeroporto Humberto Delgado.

O aumento da capacidade para 45 movimentos por hora no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, vai motivar um estudo sobre as intervenções necessárias e vai ser acompanhado por um grupo de trabalho que inclui os Ministérios das Infraestruturas e da Defesa, avançou à Lusa fonte oficial do Ministério das Infraestruturas e da Habitação.

“A concretização do objetivo de 45 movimentos por hora, que deverá ocorrer de forma faseada, requererá o estudo das obras a efetuar e será acompanhado pelo grupo de acompanhamento”, avança a fonte oficial à Lusa.

A Lusa recorda que, na resolução do Conselho de Ministros publicada segunda-feira, o Governo indica o desenvolvimento de um plano detalhado de investimentos e a criação de um grupo de acompanhamento “com vista a atingir o objetivo de aumentar a capacidade dos 38 para os 45 movimentos por hora no Aeroporto Humberto Delgado” (AHD).

A resolução prevê que o grupo de acompanhamento seja coordenado pelo ministro das Infraestruturas e Habitação, contando ainda com a participação de um representante do Ministério da Defesa Nacional e de outras entidades envolvidas neste processo.

A resolução publicada na segunda-feira determina ainda que a Navegação Aérea de Portugal (NAV Portugal) apresente “um plano de expansão da capacidade do espaço aéreo de Lisboa com vista a atingir 45 movimentos, por hora, com possibilidade de acrescerem outros dois por tráfego aéreo de/para o aeródromo municipal de Cascais”.

À Lusa, fonte oficial da NAV disse ainda que a resolução do Conselho de Ministros “leva em consideração as condições identificadas pela NAV Portugal para incrementar o número de movimentos até uma capacidade declarada de 45 mov/hora no AHD” e que “entre estas encontram-se o Point Merge System agora implementado”, sendo que “a aquisição do novo sistema TopSky Tower dará o seu contributo para esse objetivo”.

A resolução que entrou em vigor prevê também a constituição de uma comissão de negociação, em substituição da que estava anteriormente prevista, que “irá abranger também outras matérias (além das identificadas na Resolução de Conselho de Ministros nº 201/2023, de 28 de dezembro), nomeadamente, uma permanente utilização civil do espaço afeto ao Aeródromo de Trânsito N.º 1 [Figo Maduro], além da parcela a desafetar do domínio público militar”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet lança campanha de verão com descontos até 15%

A campanha da easyJet conta com 15 mil lugares com descontos até 15% e aplica-se a viagens que decorram entre 3 de junho e 30 de setembro para vários destinos da easyJet à partida do Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo.

Publituris

A easyJet laçou esta terça-feira, 28 de maio, uma campanha de verão de última hora que conta com descontos até 15% e que é válida até à próxima segunda-feira, 3 de junho, em destinos selecionados da companhia aérea low cost.

“Para esta promoção, a companhia disponibiliza 15 mil lugares para quem ainda esteja a planear as suas férias de verão ou queira dar uma escapadinha de última hora”, lê-se numa nota divulgada pela easyJet.

A campanha aplica-se a viagens que decorram entre 3 de junho e 30 de setembro, e inclui vários destinos da rede da easyJet à partida dos aeroportos do Porto, Lisboa, Faro, Funchal e Porto Santo, como Marrocos, Ibiza ou Nantes.

Os bilhetes com preços promocionais no âmbito desta campanha de verão da easyJet já se encontram à venda e podem ser adquiridos aqui ou através da app da companhia aérea.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Programa de passageiro frequente da Air France-KLM lança oferta exclusiva para residentes em Portugal

O Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, associou-se à Loyalty Status Co. para lançar uma oferta exclusiva de equivalência de nível para os passageiros frequentes elegíveis residentes em Portugal.

Publituris

O Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, associou-se à Loyalty Status Co. para lançar uma oferta exclusiva de equivalência de nível para os passageiros frequentes elegíveis residentes em Portugal.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, esta “oferta vai permitir aos clientes com um determinado nível de passageiro frequente no programa de fidelização de uma das companhias aéreas elegíveis a possibilidade de solicitarem uma equivalência de nível”.

Desta forma, os passageiros elegíveis podem fazer o upgrade para o nível Flying Blue Silver, Gold ou Platinum, e “desfrutar dos benefícios exclusivos das categorias Elite ou Elite Plus durante 12 meses, mesmo que não tenham viajado com a Air France ou a KLM”.

Segundo a Air France-KLM, as vantagens desta oferta incluem  a obtenção de benefícios desde o check-in até ao embarque prioritários, incluindo a seleção gratuita de assentos ou o acesso às salas VIP SkyTeam para os associados Gold e Platinum.

Os clientes que cumpram os requisitos podem solicitar esta oferta aqui, enquanto os interessados que ainda não sejam membros do Flying Blue podem registar-se no programa aqui e, de seguida, preencher o formulário para o pedido de equivalência de nível.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Joaquim Robalo de Almeida, secretário-geral da ARAC

Transportes

ARAC lança Guia de Boas Praticas das Atividades de rent-a-car e rent-a-cargo

Segundo a ARAC, este guia “desempenha um papel crucial em várias frentes dentro do setor de locação de veículos, tanto de passageiros como de mercadorias”.

Publituris

A ARAC – Associação Nacional dos Locadores de Veículos lançou na passada quarta-feira, 22 de maio, o Guia de Boas Praticas das Atividades de rent-a-car e rent-a-cargo, lançamento que decorreu no Auditório da AMT – Autoridade da Mobilidade e dos Transportes.

Num comunicado enviado à imprensa, a ARAC explica que este guia “desempenha um papel crucial em várias frentes dentro do setor de locação de veículos, tanto de passageiros como de mercadorias”.

“Trata-se de um Guia desenvolvido com o intuito de promover padrões elevados de serviço, garantir a satisfação dos clientes e contribuir para um mercado moderno e eficiente, o qual foi elaborado com a participação de especialistas conhecedores da atividade desenvolvida por estas empresas de Mobilidade (entidade reguladora, órgão de defesa e representação dos consumidores e associação nacional de locadores de veículos)”, refere a ARAC na informação enviada à imprensa.

A apresentação deste novo Guia de Boas Praticas das Atividades de rent-a-car e rent-a-cargo contou com a presença de representantes das três entidades envolvidas na elaboração do documento, nomeadamente Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), Direcção-Geral do Consumidor (DGC) e da Associação Nacional dos Locadores de Veículos (ARAC).

Logo na abertura da cerimónia de lançamento, Ana Paula Vitorino, presidente da AMT, sublinhou a importância deste documento “para todas as empresas que pretendem exercer esta atividade de grande importância económica, constituindo o mesmo um
precioso documento de trabalho”.

Para a ARAC, este guia representa “um documento abrangente que cobre as áreas da operação de um serviço de rent-a-car e rent-a-cargo, desde a reserva até à devolução do veículo”, com foco em temas como a “Transparência e Clareza nos Contratos, Manutenção e Segurança dos Veículos”, “Tecnologia de pagamento e Contratos Digitais”, “Atendimento ao cliente”, “Tecnologia e Inovação”, “Plataformas de Reservas Online”, “Tecnologia de Mobilidade e Conectividade”, “Chaves Digitais e Aplicativos Móveis”, “SelfService e Quiosques digitais”.

“Não é apenas um conjunto de recomendações, é um compromisso com a excelência, pelo que entendemos que todos os operadores de aluguer de veículos sem condutor deverão adotá-lo como padrão mínimo para o exercício da sua atividade”, acrescenta a ARAC.

Além deste novo guia, a colaboração entre a ARAC, a AMT e a GDC deu também origem a uma minuta de cláusulas contratuais gerais, a uma minuta de cláusulas contratuais particulares e a um modelo de ficha de verificação da viatura alugada no check-out e
check-in.

“Certamente não ficaremos por aqui. Estamos certos de que sempre que seja necessária consultoria e elaboração de documentação útil às atividades de rent-a-car e rent-a-cargo,
estas três entidades responderão Presente”, afirma Joaquim Robalo de Almeida, secretário-geral da ARAC.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Air France revela primeiras novidades para o inverno 2024-2025 com novo destino no Brasil em destaque

No inverno 2024-2025, a Air France vai abrir três novas rotas para o Brasil, Suécia e Maldivas, que vão estar acessíveis aos passageiros portugueses através dos voos da Air France desde Lisboa e Porto, via Paris-CDG.

Publituris

A Air France já começou a revelar algumas das novidades que vão constar do seu calendário de inverno 2024-2025, com destaque para a abertura de três novas rotas para o Brasil, Suécia e Maldivas, que vão estar acessíveis aos passageiros portugueses através dos voos da Air France desde Lisboa e Porto, via Paris-CDG.

“A Air France continua a expandir a sua rede, oferecendo 5 rotas adicionais – incluindo 3 novas – a partir de Paris no inverno de 2024-25 (novembro de 2024 a março de 2025)”, destaca a companhia aérea num comunicado enviado à imprensa esta sexta-feira, 24 de maio.

Um dos principais destaques da Air France para o próximo inverno vai ser Salvador da Bahia, no Brasil, que passa a contar com três voos por semana a partir de 28 de outubro, às segundas, quintas e sábados, em aparelhos Airbus A350-900 com 324 lugares.

“A antiga capital brasileira, inscrita no Património Mundial da UNESCO, será o 5º destino da Air France no Brasil, depois do Rio de Janeiro, São Paulo, Fortaleza e Belém (este último, servido a partir de Caiena, na Guiana). No inverno de 2024, a Air France vai operar até 30 voos semanais de/para o Brasil”, refere a Air France na informação divulgada, onde se explica ainda que, graças a uma parceria comercial com a brasileira GOL, os clientes podem conectar-se facilmente a 40 destinos domésticos no Brasil.

Além da capital baiana, a Air France vai também começar a voar, este inverno, para Malé, nas Maldivas, disponibilizando até dois voos por semana, às sextas-feiras e domingos, durante o período festivo do fim de ano, ou seja, entre 20 de dezembro de 2024 e 5 de janeiro de 2025, que vão ser operados num avião Airbus A350-900 com 292 assentos.

As novidades da Air France para o inverno 2024-2025 ficam ainda completas com uma nova rota para Kiruna, na Suécia, que, a partir de 21 de dezembro de 2024, vai contar com  um voo por semana, aos sábados, num avião A319.

“Depois de Rovaniemi, Kittilä (Finlândia), Tromsø (Noruega) e Narvik Loften (Noruega, destino servido apenas no verão), Kiruna será o 5º destino da Air France na Lapónia. Localizada 200 quilómetros a norte do Círculo Polar Ártico, Kiruna é um ponto de partida ideal para desfrutar da natureza intocada da região e tentar observar as auroras boreais”, explica a Air France.

Além destas novidades, a Air France também vai continuar a reforçar a sua oferta para os Estados Unidos, alargando o serviço para Denver (Colorado, EUA) e Phoenix (Arizona, EUA) no inverno, com três voos semanais para cada cidade, a partir de Paris-CDG.

“Oferecida apenas no verão até agora, a ligação para Denver, e também a rota para Phoenix, nova no verão de 2024, será inaugurada a 23 de maio”, destaca ainda a companhia aérea.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Delta Air Lines celebra 5.º aniversário da rota Lisboa-Boston com 14 voos por semana entre Portugal e EUA

A rota da Delta Air Lines entre Lisboa e Boston conta com voos diários entre março e dezembro, aos quais se juntam voos diários entre a capital portuguesa e Nova Iorque -JFK.

Publituris

A Delta Air Lines está a celebrar o 5.º aniversário da rota Lisboa-Boston, operação que conta com um voo diário entre março e dezembro e que é complementada pelas ligações que a companhia aérea também opera entre Lisboa e Nova Iorque-JFK, totalizando 14 voos por semana entre Portugal e os EUA.

Num comunicado enviado à imprensa, a Delta Air Lines lembra que a rota Lisboa-Boston começou a ser operada em 2019 e, desde então, foram já transportados mais de 235.000 passageiros nestes voos.

“Com dois voos diários de Lisboa para os Estados Unidos e cerca de 860 lugares disponíveis todos os dias, a companhia oferece ligações convenientes de uma escala para destinos nos EUA e mais além, através dos seus principais hubs em Boston e Nova Iorque-JFK”, acrescenta a Delta Air Lines.

Este verão, os voos da Delta Air Lines são operados em aviões Boeing 767-300ER, aparelhos que representam um aumento de capacidade de 40 lugares face aos Boeing 757-200ER que a companhia aérea utilizava anteriormente.

“Boston é um dos nossos hubs internacionais de crescimento mais rápido e um destino popular para os clientes portugueses”, afirma Paul Hassenstab, diretor de Vendas EMEAI da Delta Air Lines, considerando que a celebração do quinto aniversário é “um grande marco” para esta rota, que “continua a ter um desempenho robusto”.

Satisfeito mostra-se também Carlos Abade, presidente do Turismo de Portugal, que defende que o quinto aniversário desta rota atesta o “compromisso de ligar Portugal aos Estados Unidos”, numa parceria que “tem fortalecido os laços entre os dois países e, também, contribuído para a dinamização da economia portuguesa porque facilita o acesso a Portugal e a toda a sua oferta turística”.

Os voos da Delta Air Lines partem de Lisboa diariamente às 12h45 e chegam a Boston às 15h30, enquanto em sentido contrário a partida da cidade norte-americana decorre às 23h15 para chegar a Lisboa às 10h45 do dia seguinte.

Já a rota de Nova Iorque-JFK, que também conta com voos diários e ao longo de todo o ano, parte de Lisboa às 10h00 e chega à cidade dos EUA pelas 13h00, enquanto em sentido contrário a partida de Nova Iorque acontece às 19h55, chegando a Lisboa às 08h00 do dia seguinte.

Os clientes que voam a partir de Lisboa podem escolher entre 55 destinos via Boston e 75 via Nova Iorque-JFK. As principais ligações para os viajantes portugueses incluem Los Angeles, São Francisco e Orlando, nos Estados Unidos, e San Juan, Porto Rico; Cancun, México; São Paulo, Brasil; e Nassau, Bahamas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Eurowings conta com “programa especial” para o Euro 2024

“Temos as melhores reservas para os meses de junho e julho”. É assim que o CEO da Eurowings, pertencente ao grupo Lufthansa, olha para os meses do Euro 2024 que decorre em terras alemãs.

Publituris

A Eurowings está otimista em relação ao próximo Campeonato Europeu de Futebol e espera um aumento das reservas em consequência disso. A filial da Lufthansa está a planear mais de 70 voos adicionais só para este evento e está a aumentar a sua capacidade com mais de 13.000 lugares adicionais, no que diz ser um “programa especial”.

“Temos as melhores reservas para os meses de junho e julho”, afirmou Jens Bischof, CEO da Eurowings, a propósito do período que abrange a realização do Euro 24.

O Euro 2024 terá lugar de 14 de junho a 14 de julho, admitindo o responsável da companhia, contudo, que, provavelmente, não irá criar frequências adicionais no tráfego aéreo doméstico.

“A verdadeira época de verão para a Eurowings começará com o início das férias escolares. Estamos perante um verão muito, muito bem sucedido”, afirmou Bischof, indicando que estão planeados mais de 600 voos por dia.

No total, a companhia aérea tem cerca de 120 aviões em funcionamento este verão e oferece mais 13% de lugares do que há um ano. A introdução da nova frota Airbus A320neo também foi concluída, para já, com 13 novos aviões.

Nos próximos dois anos, deverão ser entregues mais dois aparelhos. No entanto, a companhia aérea está, atualmente, em conversações com a Lufthansa sobre a expansão da frota.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP distingue os melhores parceiros de 2023

No evento anual, a TAP Air Portugal premiou os melhores parceiros de vendas de 2023 que promoveram a companhia dentro e fora do país.

Victor Jorge

A TAP Air Portugal homenageou esta quinta-feira, 23 de maio, os agentes de viagens que mais se destacaram na venda de bilhetes para voos da companhia, nos principais mercados onde atua, com a tradicional cerimónia de entrega dos TAP Awards.

O evento, presidido pelo chairman e CEO da TAP, Luís Rodrigues, contou com representantes do setor de viagens e turismo de Portugal, Brasil, Estados Unidos da América, África e dos principais mercados da Europa.

Os prémios TAP Awards foram entregues aos agentes de viagens que mais se distinguiram no último ano pelo volume de vendas realizado para voos da TAP, reforçando, assim, a companhia o reconhecimento da importância dos seus parceiros privilegiados de negócio para o desenvolvimento da atividade e dinamização da indústria de viagens e turismo e o contributo que dão para a consolidação das vendas e sustentabilidade da transportadora.

Os vencedores dos TAP Awards nas diferentes categorias foram:

LEISURE
Top Seller Global OTA – Etraveli
Top Seller Groups – Pinto Lopes
Top Seller Global Cruises – MSC Cruises

CORPORATE
Top Seller Global TMC – GBT AMEX
Top Seller Business Class Global TMC – BCD

EUROPA
Top Seller Itália – Gattinoni
Top Seller Business class Itália – Welcome Travel Group

Top Seller Reino Unido – Latitude Forty Travel
Top Seller Business Class – Travel Counsellors

Top Seller França – Selectour
Top Seller Business Class – Manor

Top Seller Alemanha – Aerticket
Top Seller Business Classe – Der Business Travel

Top Seller Espanha – AvorisSpain
Top Seller Business Class Espanha – El Corte Inglés

BRASIL
Top Seller Brasil – CVC Corp
Top Seller Business Class Brasil – BEFLY
Top TAP Partner Sales – Pontestur

AMÉRICA do NORTE
Top Growth América do Norte – Voyages à la Carte
Top Seller América do Norte – Expedia
Top Cruise Line América do Norte – Norwegian Cruise Line

ÁFRICA
Top Seller África – Realvitur
Top Seller Bussines Class África – Atlântida WTA Viagens
Top Growth All Cabins África – Travelstore

PORTUGAL
Top Seller Portugal – Wamos
Top Seller Business Class Portugal – Go4Travel
Top Seller South Atlantic Portugal – Abreu
Top Seller Tour Operator Portugal – Solférias

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

APG-IET integra Volotea

Neste verão, a Volotea vai operar “mais de 450 rotas” entre “mais de 100 cidades por toda a Europa” e passa agora a esta disponível para emissões interline.

Publituris

A APG Portugal anunciou a integração da Volotea no programa APG-IET, passando a companhia aérea low cost, com sede em Barcelona, a estar disponível para emissões interline com a chapa GP.

De acordo com a APG Portugal, a Volotea vai operar, neste verão, “mais de 450 rotas” entre “mais de 100 cidades por toda a Europa”, passando agora a esta disponível para emissões interline.

A Volotea, que no ano passado foi reconhecida como a melhor companhia Low-cost da Europa nos World Airline Awards, conta com uma frota composta por 41 aviões, entre 20 aparelhos Airbus A319 e 21 Airbus A320.

Com a integração da Volotea, o programa APG-IET passa a contar com 145 companhias aéreas, cuja oferta já está disponível para emissões interline com a chapa GP-275, através dos sistemas Galileo, Sabre, Amadeus e Worldspan.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.