Edição digital
Assine já
PUB
Transportes

Ryanair aposta em 300 novos Boeing 737-MAX-10

A Ryanair encomendou 300 Boeing 737-MAX-10 ao fabricante norte-americano, no negócio avaliado em 40 mil milhões de dólares. O objetivo é, agora, chegar aos 300 milhões de passageiros até 2034 e criar mais de 10.000 novos empregos.

Victor Jorge
Transportes

Ryanair aposta em 300 novos Boeing 737-MAX-10

A Ryanair encomendou 300 Boeing 737-MAX-10 ao fabricante norte-americano, no negócio avaliado em 40 mil milhões de dólares. O objetivo é, agora, chegar aos 300 milhões de passageiros até 2034 e criar mais de 10.000 novos empregos.

Victor Jorge
Sobre o autor
Victor Jorge
Artigos relacionados
19ª Convenção GEA já tem data, mas falta anunciar local
Distribuição
Top Atlântico tem novas lojas
Agências
Os 5 melhores locais para mergulho em Portugal para promover o turismo de mergulho
Destinos
Small Portuguese Hotels integra mais três hotéis
Alojamento
CLIA foi ao Parlamento dar a conhecer medidas de sustentabilidade dos cruzeiros
Transportes
Governo aprova redução de 30% nas portagens eletrónicas no interior e onde não há alternativas
Destinos
Coimbra vai criar mais de 200kms de ciclovias
Destinos
Embratur e TAP em parceria para ampliar conectividade para o Brasil
Transportes
Feira “Grandes Escolhas Vinhos & Sabores” está de volta à FIL com aposta no enoturismo
Agenda
LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane
Transportes

A Ryanair encomendou esta terça-feira, 9 de maio, 300 Boeing 737-MAX-10 (150 unidades confirmadas e 150 em opção) a serem entregues entre 2027 e 2033. Finalizado o processo, trata-se de um negócio avaliado em 40 mil milhões de dólares, (mais de 36 mil milhões de euros) a preços correntes, tornando-se na maior encomenda já feita por uma companhia irlandesa a um fornecedor norte-americano.

A aeronave agora encomendada pela companhia lowcost irlandesa possui 228 lugares (21% mais que o B737NG), permitindo, segundo cálculos da Ryanair, criar mais 10.000 novos empregos entre pilotos, tripulação de cabine e engenheiros, de modo a atingir o objetivo de passar de 168 milhões de passageiros, no final de março de 2023, para 300 milhões de passageiros até 2034, correspondendo a um aumento de 80%.

A Ryanair espera que 50% destas novas aeronaves substituam os B737NG, o que permitirá à companhia aérea “continuar a operar como uma das frotas mais jovens, mais eficientes em termos de consumo de combustível e ambientalmente sustentáveis da Europa”.

Em comunicado, a Ryanair refere que, “além do crescimento de receitas muito significativo que este novo pedido oferece à Ryanair, os lugares extras (juntamente com maior eficiência de combustível e carbono) ampliarão ainda mais a vantagem de custo unitário da Ryanair sobre todas as companhias aéreas concorrentes da UE”.

Dada a “solidez do balanço” do Grupo Ryanair, a companhia prevê que o capex será “substancialmente financiado por fluxos de caixa internos, embora permaneça oportunista na estratégia de financiamento da frota”.

Para a Boeing, o CEO e presidente da companhia norte-americana, Dave Calhoun, “a parceria Boeing-Ryanair é uma das mais produtivas da história da aviação comercial, permitindo que ambas as empresas tenham sucesso e expandam viagens acessíveis para centenas de milhões de pessoas. Quase um quarto de século depois de as nossas empresas assinaram nossa primeira compra direta de avião, este acordo histórico fortalecerá ainda mais nossa parceria”.

Do lado da Ryanair, o CEO do grupo, Michael O’Leary, refere que “estas novas aeronaves, com tecnologia mais ecológica e com baixo consumo de combustível, oferecem 21% mais lugares, consomem 20% menos combustível e são 50% mais silenciosas do que nossos B737-NGs. Este pedido, juntamente com as nossas entregas ‘Gamechanger’ restantes, criará 10.000 novos empregos para profissionais de aviação altamente remunerados na próxima década, e esses empregos estarão localizados em todas as principais economias da Europa, onde a Ryanair é atualmente a companhia aérea nº 1 ou nº 2”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Artigos relacionados
19ª Convenção GEA já tem data, mas falta anunciar local
Distribuição
Top Atlântico tem novas lojas
Agências
Os 5 melhores locais para mergulho em Portugal para promover o turismo de mergulho
Destinos
Small Portuguese Hotels integra mais três hotéis
Alojamento
CLIA foi ao Parlamento dar a conhecer medidas de sustentabilidade dos cruzeiros
Transportes
Governo aprova redução de 30% nas portagens eletrónicas no interior e onde não há alternativas
Destinos
Coimbra vai criar mais de 200kms de ciclovias
Destinos
Embratur e TAP em parceria para ampliar conectividade para o Brasil
Transportes
Feira “Grandes Escolhas Vinhos & Sabores” está de volta à FIL com aposta no enoturismo
Agenda
LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane
Transportes
PUB
Destinos

Os 5 melhores locais para mergulho em Portugal para promover o turismo de mergulho

A poucos dias da realização do “Diving Talks”, e com o turismo de mergulho em crescendo, a organização revela os cinco melhores locais para mergulho em Portugal.

Com o Turismo de Mergulho a ganhar cada vez mais adeptos e relevância na oferta turística em Portugal, a organização do evento, que decorre entre os dias 6 e 8 de outubro, no Pavilhão das Galeotas do Museu da Marinha, em Lisboa.

A este propósito, o jornal PUBLITURIS publica, na próxima edição, uma entrevista a Arlindo Serrão, fundador e diretor da Portugal Dive, responsável pela organizaçáo do evento, em que refere que Portugal está bem posicionado no turismo de mergulho e que, quem nos visita é, de facto, um turista que acrescenta valor à economia.

O evento do próximo mês contará com a participação das personalidades mais relevantes do universo subaquático. Entre os convidados nacionais e internacionais sobressaem nomes como Becky Schott (fotógrafa inspiracional), Carolina Schrappe (recordista de mergulho livre), Jonathan Bird (cinematógrafo premiado), Karen Van Den Oever (recordista mundial de mergulho profundo em gruta), Kirk Krack (Presidente e Fundador da Performance Freediving International), Nuno Sá (repórter de imagem em documentários subaquáticos), Paula Lima (bióloga marinha com especialização em robótica), Phill Short (mergulhador profissional e explorador), entre outros, que irão partilhar as suas experiências e relatar algumas das suas aventuras.

O evento conta também com um Brands Day, um dia inteiramente dedicado às marcas, cujo propósito consiste em reforçar a sua importância, impacto e estratégia para a economia do território do mergulho.

O início desta edição é marcado pela realização de dois workshops, sobre Desempenho Humano e Organizacional e Fatores Humanos e Habilidades Não-Técnicas, que irão decorrer na Base Naval do Alfeite e contam com a presença de representantes da Marinha Portuguesa.

Por fim, aquela que é considerada a mais relevante coleção de fotografia subaquática, no setor do mergulho, a Underwater Photography Collection Exhibition, estará também exposta no Diving Talks com a possibilidade da revelação de algumas das mais fantásticas histórias por detrás de cada captura.

Os cinco locais apotados são:

Destroço do U-1277
O U1277 consiste num submarino nazi afundado ao largo do Porto, mais especificamente em Matosinhos, e que, atualmente, proporciona o mais icónico mergulho em destroço de Portugal. A história deste submarino remonta ao final da II Guerra Mundial quando, após a rendição da Alemanha e a ordem para se dirigirem ao porto aliado mais próximo da sua localização, a tripulação optou por afundar o submarino perto da costa de um país neutro, por forma a zelar pela sua segurança e prevenir a captura por mãos inimigas. Assim, a tripulação saltou para o mar, abriu as válvulas e afundou a embarcação. Apesar deste submarino representar a derrota da Alemanha, os seus tripulantes foram resgatados e acolhidos pelos pescadores da praia das Angeiras.

Sesimbra
A estreita ligação de Sesimbra ao mar remonta à atividade piscatória que, durante várias gerações, consistiu na principal ocupação dos seus habitantes. Com uma localização privilegiada, numa baía virada a Sul, Sesimbra possibilita a prática de mergulho durante praticamente todo o ano, bem como de outras atividades marítimo-turísticas. Inúmeros são os lugares, ao largo de Sesimbra, marcados pela incrível beleza do fundo do mar, podendo-se destacar a biodiversidade destes ecossistemas como foco principal desta paisagem.

Santa Maria
Também os Açores oferecem inesquecíveis experiências de mergulho, com destaque para os encontros com as grandes mantas e os ainda maiores tubarões baleia, aqueles que são considerados os maiores peixes do mundo. A ilha de Santa Maria, também conhecida como as Caraíbas portuguesas, é considerada um dos melhores locais da Europa para a prática de mergulho, o que se deve, essencialmente, à possibilidade de partilhar o momento com seres vivos impressionantes. Entre os diversos locais emblemáticos, destacam-se o Ilhéu das Formigas e a Baixa do Ambrósio.

Corveta na Madeira
Após ter estado ao serviço da Marinha Portuguesa durante 43 anos, a embarcação Afonso Cerqueira, foi submergida na costa da Madeira. A corveta, agora apenas visitada por peixes e mergulhadores encontra-se a 25 metros de profundidade no Parque Marinho do Cabo Girão e constitui um recife artificial que visa potenciar o aumento de biodiversidade na zona oeste da ilha.

Corveta em Porto Santo
Também no arquipélago da Madeira, mas já na baía de Porto Santo existe uma outra embarcação afundada propositadamente pela mão do homem. A corveta General Pereira d’Eça, antigo navio da Armada Portuguesa, foi afundada em 2016 com o intuito de criar um recife artificial na região. O projeto, pioneiro em Portugal, é hoje um aclamado local de visita para a comunidade de mergulhadores.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Embratur e TAP em parceria para ampliar conectividade para o Brasil

O acordo prevê um plano de ações conjuntas de promoção de destinos do Brasil nas cidades que se conectam com o país a partir de Portugal em voos da TAP.

A Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur) e a companhia aérea TAP Air Portugal assinaram, recentemente, um Protocolo de Intenções para trabalhar conjuntamente no alargamento da conectividade aérea internacional com destino ao Brasil, através de voos operados pela companhia nos aeroportos de Lisboa e Porto.

O acordo assinado pelo presidente da Embratur, Marcelo Freixo, e pelo Carlos Antunes, diretor da TAP para as Américas, prevê que a Embratur atue com ações de promoção dos voos e de destinos brasileiros nas cidades que se conectam ao Brasil a partir dos voos operados pela TAP. O objetivo é ampliar a procura por estas rotas de turistas estrangeiros interessados em visitar o Brasil.

O plano de trabalho conjunto estabelece igualmente critérios de sustentabilidade e inovação, com regras de compliance e transparência, e prevê ações para os próximos anos, com foco em sustentar um aumento da oferta de voos para diferentes destinos do Brasil.

Para a Embratur, a parceria é estratégica para ampliar a chegada de turistas da Europa e África, através do hub aéreo da TAP Air Portugal em Lisboa e Porto, cidades em que a companhia portuguesa possui acordo de codeshare de rotas com outras aéreas europeias, permitindo que o turista chegue ao Brasil facilmente com a compra de um único bilhete.

“Estamos muito felizes com a assinatura deste acordo, que pautará a colaboração entre TAP e Embratur nos próximos anos. A empresa bandeira de Portugal é muito estratégica para nossa estratégia de atrair cada vez mais turistas europeus e africanos para o Brasil, principalmente para as regiões Norte e Nordeste, que podem ser alcançadas com uma rápida conexão em Portugal. Essa parceria, por óbvio, torna o Brasil ainda mais próximo de Portugal, país para o qual temos um olhar especial, estamos trabalhando para recuperarmos os patamares históricos de chegada de portugueses em nosso país.

Para Carlos Antunes, diretor da TAP para as Américas, “celebrar esta parceria com a Embratur é muito importante para nós e, é o materializar de uma estratégia da companhia que tem como objetivo a promoção internacional do destino Brasil nos países onde faz conexões. Atualmente, a TAP oferece 80 voos semanais, com saídas de 11 capitais brasileiras, e acabamos de anunciar o reforço de voos em 2024, onde vamos atingir um recorde – 91 voos por semana, uma média de 13 por dia”.

“A assinatura deste acordo com a Embratur é o reafirmar da TAP como a mais importante companhia aérea internacional a ligar o Brasil à Europa, a companhia Aérea europeia mais brasileira, e queremos continuar a ser cada vez mais”.

Atualmente, a TAP possui voos diretos de São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Natal, Maceió, Porto Alegre, Recife e Salvador, para Lisboa, além de conectar o Porto a São Paulo e ao Rio de Janeiro. No total, são 11 cidades do Brasil (13 rotas) que a TAP conecta diretamente à Europa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

LAM liga Joanesburgo ao destino turístico de Inhambane

A moçambicana LAM vai passar a ligar Joanesburgo, na África do Sul, a Inhambane, capital da província com o mesmo nome, um dos principais pontos turísticos de Moçambique, anunciou a companhia aérea estatal.

De acordo com informação comercial divulgada pela transportadora aérea, o primeiro desses voos diretos acontece esta sexta-feira (29 de setembro), operando a companhia ainda ligações às quartas-feiras e aos domingos.

Em agosto, aquando do anúncio da retoma desta ligação, a ministra da Cultura e do Turismo sublinhou a importância desta rota, por se tratar do “principal destino de lazer” em Moçambique.

“Este retorno das Linhas Aéreas de Moçambique neste percurso é mais que acertado, dada a sua relevância na cadeia de valor para a consolidação e promoção do turismo nacional, pois, com a sua intervenção, abrem-se melhores perspetivas para o envolvimento e estímulo de mais intervenientes moçambicanos no turismo”, destacou Eldevina Materula.

Com 700 quilómetros de linha de costa com praias de águas cristalinas e dunas costeiras verdes, a província de Inhambane conta com 789 empreendimentos turísticos, segundo os números apresentados pela ministra, sublinhando que estes empregam “cerca de 7.000 trabalhadores, contribuindo com cerca de 10% do total de 8.154 empreendimentos e 70.718 trabalhadores” do setor em todo o país.

A moçambicana LAM prevê ainda retomar, em 20 de novembro, os voos de Maputo para Lisboa, anunciou anteriormente o administrador da empresa sul-africana que o Governo de Moçambique colocou desde abril a gerir a companhia de bandeira.

“Estamos a prever retomar essa rota a 20 de novembro. É vital e vai mudar o rosto da companhia”, afirmou em 14 de setembro, num encontro com jornalistas, em Maputo, o diretor-executivo da sul-africana Fly Modern Ark (FMA), Theunis Crous.

A LAM já tinha assumido anteriormente que está empenhada em obter as devidas autorizações para utilizar o Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e horários de gestão de ‘slot’, para onde deixou de voar desde 2012, tendo então perdido essas licenças.

Theunis Crous referiu igualmente que a FMA já mobilizou 15 milhões de dólares (14 milhões de euros) de financiamentos para a operação atual da LAM, que está a ser alargada, com novas rotas e aeronaves, o que se traduz num aumento de passageiros, 57 mil atualmente, face à média anterior de 46 mil mensais.

A estratégia em curso, de revitalização da empresa, segue-se a anos de problemas operacionais relacionados com uma frota reduzida e falta de investimentos, com registo de alguns incidentes, não fatais, associados por especialistas à ineficiente manutenção das aeronaves.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

CTI entrega avaliação de curto prazo da atual infraestrutura do aeroporto Humberto Delgado ao Governo

A Comissão Técnica Independente (CTI) para o estudo da expansão aeroportuária de Lisboa entregou ao Governo, no início deste mês, uma avaliação de curto prazo do aeroporto Humberto Delgado, incluindo medidas para melhorar a eficiência da infraestrutura.

A coordenadora da CTI, Rosário Partidário, indicou que a entidade realizou “durante o mês de agosto, uma avaliação do aeroporto Humberto Delgado” de “curto prazo, porque identifica uma série de medidas e ações que podem ser tomadas para aliviar a situação com que o aeroporto Humberto Delgado se confronta neste momento”.

Esse relatório “já foi entregue ao Governo no início de setembro” para que o executivo, “conforme entenda, possa desde já começar a iniciar medidas no sentido de aliviar o aeroporto Humberto Delgado”, indicou à Lusa.

A responsável destacou, no entanto, que esse relatório, que deverá ser divulgado para a semana, “é integrante do relatório final” de avaliação das localizações para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa.

Rosário Partidário destacou que este relatório é “muito técnico”, mas que “naturalmente” a CTI está recetiva a qualquer comentário que possa ser enviado. A coordenadora não quis divulgar as medidas propostas, mas destacou que muitas são de “gestão”, para tentar aliviar “a sobrecarga que existe no aeroporto”.

A comissão disponibilizou um outro relatório, de fatores críticos para a decisão, que estabelece o quadro de avaliação estratégica “onde estão definidos os fatores críticos, os critérios e os indicadores” a usar na avaliação das opções estratégicas para a escolha da solução.

Este relatório começou a ser elaborado em maio, tendo sido sujeito a consulta pública, e recebeu cerca de 230 comentários, sendo que, destes, 63% eram sobre aspetos que a CTI não tinha considerado e que ajudaram no trabalho da comissão, adiantou.

Estes fatores críticos são a segurança aeronáutica, a acessibilidade do território, a saúde humana e viabilidade ambiental, a conectividade e desenvolvimento económico e o investimento público e o modelo de financiamento, lembrou.

Questionada sobre o peso de cada um destes fatores, Rosário Partidário disse que esta é uma metodologia que, selecionando apenas cinco fatores, “já os designa como prioritários”.

A coordenadora da CTI reiterou, no entanto, que a decisão final é do decisor, ou seja, do Governo, recordando que a comissão técnica independente tem “um mandato para avaliar opções estratégicas” que passa por “avaliar, entregar ao decisor a informação, as orientações, os conselhos, as recomendações” para a tomada da decisão.

“Se o decisor nessa altura, quiser dar mais valor à segurança aeronáutica” ou “ao investimento público e o modelo de financiamento ou à saúde e a viabilidade ambiental, naturalmente que é livre de o fazer”, explicou.

Em 27 de abril, a comissão técnica que está a estudar a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa anunciou nove opções possíveis para o novo aeroporto, que incluem as cinco definidas pelo Governo mais Portela + Alcochete, Portela + Pegões, Rio Frio + Poceirão e Pegões.

Uma resolução do Conselho de Ministros, aprovada no ano passado, definiu a constituição de uma CTI para analisar cinco hipóteses para a solução aeroportuária de Lisboa (Portela + Montijo; Montijo + Portela; Alcochete; Portela + Santarém; Santarém), mas previa que pudessem ser acrescentadas outras opções.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Victor Machado (Bluepeach)

Distribuição

CTP apoia criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela APAVT

A proposta de criação do “Dia Nacional do Agente de Viagens” pela Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), recebe o apoio oficial da CTP.

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) apoia a iniciativa que a Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) anunciou relativamente à criação oficial do “Dia Nacional do Agente de Viagens”.

Francisco Calheiros, presidente da CTP, refere diz “conhecer muito bem a importância e o papel dos agentes de viagens no desenvolvimento do turismo e da economia do país. São parceiros absolutamente fundamentais, de confiança, que desempenham um papel crítico na promoção de Portugal em todo o mundo. É exatamente por essa razão que é com muita alegria que acolho esta iniciativa da APAVT”.

O presidente da CTP afirma ainda que, “pelo nosso lado, daremos todo o apoio possível à APAVT na promoção desta iniciativa”.

O “Dia Nacional do Agente de Viagens”, proposto pela APAVT, visa celebrar o papel relevante desempenhado pelos agentes de viagens, designadamente, no interface entre a procura e a oferta turísticas, na promoção e distribuição do produto turístico português, dentro e fora de portas, bem como o serviço prestado aos residentes, na oferta de soluções de viagens e férias com fiabilidade, confiança e em segurança.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Nova Edição: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London

A próxima edição destaca o turismo na região do Porto e Norte, com entrevista a Luís Pedro Martins, presidente da TPNP. Além disso, revelamos os objetivos da TTS, da Highgate Portugal, o turismo de mergulho e antecipamos o próximo WTM London.

Publituris

A última edição do mês de setembro do jornal PUBLITURIS faz capa com o “dossier” dedicado ao Turismo na região do Porto e Norte de Portugal. A começar, a entrevista ao presidente da região, Luís Pedro Martins, serve para confirmar que a expectativas relativamente à performance do turismo na região foram “suplantadas”.

Se até ao final do presente ano é esperada uma nova marca para a entidade, 2024 será o ano de “maturidade do marketplace”.

Ainda no “dossier”, falámos com alguns agentes da região que admitiram que o Porto e Norte tem vindo a afirmar-se, cada vez mais, como um destino diferenciador e que tem beneficiado – e muito – do crescente número de ligações aéreas, especialmente, à América do Norte.

A atividade de cruzeiros, por sua vez, tem vindo a recuperar e, no Norte do país, está mesmo a bater recordes, seja a nível fluvial ou marítimo. Com navios esgotados, aumento do número de escalas e de passageiros, as previsões apontam para que 2023 venha a ser mesmo um dos melhores anos de sempre.

Esta edição começa, contudo, os objetivos da TTS – Travel Technology & Solutions em Portugal, que passam por não só manter, mas também fortalecer a sua posição como parceiro tecnológico “confiável e inovador para as agências de viagens”.

No “Alojamento, entrevistámos Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal. Contando, atualmente, com 18 unidades hoteleiras no portefólio (Porto, Lisboa, Algarve e Sesimbra), a estratégia é continuar a expandir no país, principalmente nos grandes destinos portugueses onde já está presente.

Com a realização das “Diving Talks”, de 6 a 8 de outubro, quisemos saber como está o turismo de mergulho em Portugal. Arlindo Serrão, fundador e diretor da Portugal Dive, responsável pela organização das “Diving Talks”, admite que Portugal está bem posicionado no turismo de mergulho e que, quem nos visita, é de facto, um turista que acrescente valor à economia.

A pouco mais de um mês do arranque do World Travel Market (WTM) London 2023, Juliette Losardo, Exhibition Director do evento, falou ao PUBLITURIS sobre um WTM “renascido”, mas também “das novas preocupações na indústria das viagens”.

As opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor) e Ana Jacinto (secretário-geral da AHRESP).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Edição Digital

Edição Digital: Dossier Porto e Norte com entrevista a Luís Pedro Martins, TTS, Highgate, Turismo de mergulho, WTM London

A próxima edição destaca o turismo na regiao do Porto e Norte, com entrevista a Luís Pedro Martins, presidente da TPNP. Além disso, revelamos os objetivos da TTS, da Highgate Portugal, o turismo de mergulho e antecipamos o próximo WTM London.

Publituris

A última edição do mês de setembro do jornal PUBLITURIS faz capa com o “dossier” dedicado ao Turismo na região do Porto e Norte de Portugal. A começar, a entrevista ao presidente da região, Luís Pedro Martins, serve para confirmar que a expectativas relativamente à performance do turismo na região foram “suplantadas”.

Se até ao final do presente ano é esperada uma nova marca para a entidade, 2024 será o ano de “maturidade do marketplace”.

Ainda no “dossier”, falámos com alguns agentes da região que admitiram que o Porto e Norte tem vindo a afirmar-se, cada vez mais, como um destino diferenciador e que tem beneficado – e muito – do crescente número de ligações aéreas, especialmente, à América do Norte.

A atividade de cruzeiros, por sua vez, tem vindo a recuperar e, no Norte do país, está mesmo a bater recordes, seja a nível fluvial ou marítimo. Com navios esgotados, aumento do número de escalas e de passageiros, as previsões apontam para que 2023 venha a ser mesmo um dos melhores anos de sempre.

Esta edição começa, contudo, os objetivos da TTS – Travel Technology & Solutions em Portugal, que passam por não só manter, mas também fortalecer a sua posição como parceiro tecnológico “confiável e inovador para as agências de viagens”.

No “Alojamento”, entrevistámos Alexandre Solleiro, CEO da Highgate Portugal. Contando, atualmente, com 18 unidades hoteleiras no portefólio (Porto, Lisboa, Algarve e Sesimbra), a estratégia é continuar a expandir no país, principalmente nos grandes destinos portugueses onde já está presente.

Com a realização das “Diving Talks”, de 6 a 8 de outubro, quisemos saber como está o turismo de mergulho em Portugal. Arlindo Serrão, fundador e diretor da Portugal Dive, responsável pela organização das “Diving Talks”, admite que Portugal está bem posicionado no turismo de mergulho e que, quem nos visita, é de facto, um turista que acrescente valor à economia.

A pouco mais de um mês do arranque do World Travel Market (WTM) London 2023, Juliette Losardo, Exhibition Director do evento, falou ao PUBLITURIS sobre um WTM “renascido”, mas também “das novas preocupações na indústria das viagens”.

As opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor) e Ana Jacinto (secretário-geral da AHRESP).

Leia a edição aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Agenda

Publituris Hotelaria e Construir organizam Hotels & Architects Suppliers a 3 de outubro

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço (ambas publicações do grupo WORKMEDIA) organizam no próximo dia 3 de outubro, no Hotel Mélia Aeroporto, o Hotels | Architects | Suppliers (HAS). Marcarão presença 45 empresas fornecedoras. 

Publituris

A revista PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista TRAÇO (publicações do grupo WORKMEDIA) alargaram o âmbito do Hotels & Suppliers, com a 7.ª edição a englobar a arquitetura, passando, assim, a denominar-se Hotels | Architects | Suppliers (HAS).

Neste evento, a realizar no dia 3 de outubro (terça-feira) no Hotel Mélia Aeroporto, a PUBLITURIS HOTELARIA e o jornal CONSTRUIR e revista Traço pretendem, por um lado, juntar os setores da arquitectura e hotelaria, que se interligam em vários momentos, e por outro, possibilitar o encontro entre equipas de compras e operação, destes setores, e as empresas fornecedoras em Portugal.

Durante este evento são promovidas reuniões ‘one-to-one’ entre os hoteleiros e os representantes de várias marcas e produtos com o intuito de criar parcerias, apresentar serviços e soluções e alargar a rede de networking.

Nesta 7.ª edição do agora Hotels | Architects | Suppliers (HAS), marcarão presença 45 empresas fornecedoras:

Jung
Saint-Gobain
Laser Build
Danosa
Sika
Morgado & Ca
Delabie
Otis
Interfer
Revigrés
SCP Pool
Systemair
Heliroma
Investwood
DK Flooring
House Frame
France Air
J. Pinto Leitão
Azulima
VM Zinc
Soprema
Aron Light
Oli
Galécia
Lusomatec
Tons de Pedra
Grohe
Grupo GM
Ledvance
Intergrau
Roca
ODD
Miele
Jacobs Douwe Egberts
Bindopor
Gergran|Délifrance
Comopi|Unissima
NSContract
Fagor Professional
Epoca
Listor|Pantim
Dinamic
Laskasas
La Redoute
Serlima

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

“Quem vaticinou uma hecatombe, enganou-se”

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal, destacou no discurso de abertura da conferência, no âmbito do Dia Mundial do Turismo, que “o turismo cresce e faz crescer”. Quanto à performance do setor do turismo nacional, o presidente da CTP deixou a certeza que, “quem vaticinou uma hecatombe, enganou-se”, pedindo, novamente, um alívio da carga fiscal. No que diz respeito ao aeroporto, a conclusão é simples: “decida-se já!”.

Victor Jorge

Na conferência “Turismo – Fator de Coesão Nacional”, evento organizado pela Confederação do Turismo de Portugal no âmbito do Dia Mundial do Turismo, realizada no Centro de Congressos do Algarve, Francisco Calheiros, presidente da CTP, começou por referir que “o setor voltou a superar os desafios”, deixando a “certeza de que, 2023 “será, novamente, um ano ótimo para o turismo nacional”, apesar das “incertezas da guerra e dos espartilhos da inflação”.

Considerando que a atividade turística é impactada por fatores externos, já que Portugal sofre com a crise que se vive por toda a Europa e mundo, Francisco Calheiros frisou que “também a política nacional criou expectativas que foram goradas”, fazendo referência à realidade de os portugueses “terem menos dinheiro no bolso e muitas vezes há pouco dinheiro para pensar em férias”.

“Todos pensámos que a ‘maioria’ possibilitaria reformas, temos um PRR com valores como nunca antes, um excedente orçamental e, contudo, as famílias, sentem dificuldades e com desafios para fazer face a custos básicos e ainda pensar em férias”.

“Mas o turismo resiste e contribui para esta coesão nacional que é tema desta conferência”, destacando que o turismo tem sido dos setores que “melhor se tem adaptado a esta nova realidade e desafios permanentes”, salientando, ainda, os números avançados pela Organização Mundial do Turismo que dão conta que o turismo nacional contribuirá com 40 mil milhões de euros para a economia portuguesa no presente ano.

O presidente da CTP deixou ainda a certeza de que é “preciso reforçar a estratégia para criar novas ofertas no turismo nacional”, Francisco Calheiros aproveitou ainda para salientar a importância e impacto das alterações climáticas no turismo, citando o secretário-geral da ONU, António Guterres: “agora que sabemos o quê, temos de trabalhar no como”.

Por isso, “há que minimizar o impacto das alterações climáticas e o poder central tem um papel fundamental”.

Papel fundamental tem, também, o Governo na decisão relativamente ao novo aeroporto, considerando Francisco Calheiros que “não podemos esperar mais. Sem ele o motor da economia poderá ‘gripar’”, deixando a pergunta: “que país termos se isso acontecer”.

Assim, “se a escolha recair numa nova infraestrutura criada de raiz, que levará 12 anos a construir”, o presidente da CTP frisou que se “tem de avançar já para o Montijo”.

Finalmente, Francisco Calheiros terminou a intervenção pedindo um alívio da carga fiscal para as pessoas e empresas e uma maior ajuda na recapitalização das mesmas”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Turismo

Ministro da Economia anuncia novos apoios para o turismo e diz que não há “impossíveis” para o setor

António Costa e Silva, ministro da Economia e do Mar, aproveitou a conferência organizada pela CTP, no âmbito do Dia Mundial do Turismo, para anunciar novos pacotes de financiamento (num total de 100 milhões de euros) para o setor do turismo nacional. No seu discurso, o ministro frisou que “não há impossíveis e o setor do turismo provou-o com a performance que tem conseguido”.

Victor Jorge

António Costa e Silva, ministro da Economia e do Mar, anunciou esta quarta-feira, dia 27 de setembro, durante a Conferência “Turismo – Fator de Coesão Nacional”, organizada pela Confederação do Turismo de Portugal (CTP), no âmbito do Dia Mundial do Turismo, um novo pacote de financiamento ao setor do turismo.

São 100 milhões de euros que estarão disponíveis para o setor do turismo, divididos entre 50 milhões de euros na Linha “Turismo +Sustentável” para empresas que apostem em boas práticas ao nível da sustentabilidade e em políticas de poupança de água, financiamento que atinge um máximo de 750 mil euros e que poderá ser a 20% a fundo perdido; 30 milhões de euros para a “Linha +Algarve”, desenhada para empresas que pretendam requalificar os seus ativos turísticos; e mais 20 milhões para empresas que queiram desenvolver a sua atividade e que possuam dificuldades na capitalização.

De resto, na sua intervenção, o ministro da Economia e do Mar destacou o papel das empresas como “motor central da economia portuguesa e na diversificação da mesma”, destacando neste aspeto, o contributo do setor do turismo e das suas empresas e empresários, bem como a resiliência dos mesmos.

António Costa e Silva aproveitou a presença nesta conferência para salientar o que se dizia sobre a “impossibilidade” de voltar aos números conseguidos pelo setor do turismo nacional em 2019, concluindo que, “afinal, o impossível aconteceu”.

“O setor atingiu receitas superiores a 21 mil milhões de euros no ano 2022, um crescimento de mais de 15% face a 2019, o que prova que, de facto não há impossíveis”.

Relativamente ao aeroporto para a região de Lisboa, António Costa e Silva aproveitou o discurso inaugural do presidente da CTP, Francisco Calheiros, para frisar que “não podemos viver numa sociedade da indecisão”, reforçando que “as conexões aéreas são e serão fundamentais para o setor do turismo”.

Por isso, assinalou que “o pior de tudo é não decidir”, deixando a esperança de uma “decisão para breve”.

Descrevendo os números atingidos pelo setor do turismo ao longo de 2022 e nos primeiros sete meses de 2023, o ministro da Economia e do Mar fez referência ao trabalho que tem vindo a ser desenvolvido com o Turismo de Portugal, no sentido de saber “o que iremos fazer com o turismo do futuro e como atrair novos e mais turistas e como reconfigurar a oferta”.

Para tal, António Costa e Silva referiu que os “desígnios são claros: 70% das pessoas querem viajar para destinos cada vez mais sustentáveis e 43% estão dispostas a pagar mais para ter essas experiências”.

O objetivo, por isso, é “afirmar Portugal e o seu turismo com um selo de sustentabilidade que terá de estar no topo das preocupações”, admitindo que “a coesão territorial é um fator essencial para atingir os objetivos”.

Referindo ainda que “80% da população vive no litoral” e que “mais de 70% do PIB é produzido no litoral”, o ministro, que esteve em representação do primeiro-ministro, António Costa, destacou que o turismo “pode ser a grande ferramenta de desenvolvimento nacional”, já que “multiplica a economia e é transversal à mesma”.

Além da questão da coesão territorial e das políticas para o Interior, António Costa e Silva destacou ainda o papel que a digitalização deverá e terá no futuro do turismo e nesse sentido, concluiu que “a digitalização promove o desenvolvimento e cria um melhor conhecimento sobre e para o setor do turismo”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.