Assine já
Transportes

Indústria dos cruzeiros quer inclusão da construção de navios no próximo Net Zero Industry Act

Declaração conjunta, assinada por companhias de cruzeiros, estaleiros navais e fabricantes de equipamento marítimo, durante o encontro europeu da CLIA, em Paris, pede mais financiamento e apoio à construção naval sustentável.

Publituris
Transportes

Indústria dos cruzeiros quer inclusão da construção de navios no próximo Net Zero Industry Act

Declaração conjunta, assinada por companhias de cruzeiros, estaleiros navais e fabricantes de equipamento marítimo, durante o encontro europeu da CLIA, em Paris, pede mais financiamento e apoio à construção naval sustentável.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Douro Wine City: Régua celebra o vinho de 8 a 11 de junho
Press Releases
Praia D’El Rey Marriott Golf & Beach Resort desvenda novidades para desfrutar em junho
Press Releases
Publituris Portugal Travel Awards 2023
AL representou 40% do total de dormidas, em 2019, e hóspedes deixaram 8MM€ na economia nacional
Alojamento
Iberia defende voos de curta distância ao contrário da França
Transportes
Os nomeados na categoria de “Melhor Hotel Resort” nos Publituris Portugal Travel Awards 2023 são?
Eventos Publituris
Conheça “Os Melhores Hotéis de Quatro Estrelas” nomeados para os Publituris Portugal Travel Awards 2023
Eventos Publituris
Portugal mostra-se em São Paulo no maior evento sobre o destino no Brasil
Destinos
Setores ligados ao turismo lideram constituição de novas empresas no início de 2023
Destinos
Autarca de Mira formaliza candidatura ao Turismo do Centro a 19 de junho
Destinos

A indústria dos cruzeiros emitiu, durante a Cimeira Europeia 2023 da CLIA – Associação Internacional de Companhias de Cruzeiros, uma declaração conjunta que apela à Comissão Europeia e aos governos europeus que incluam a construção de navios e o setor da tecnologia marítima no próximo Net Zero Industry Act, de forma a que existam mais apoios à sustentabilidade para os cruzeiros.

Esta declaração conjunta, que foi assinada por companhias de cruzeiros, estaleiros navais e fabricantes de equipamento marítimo, durante o encontro europeu da CLIA, em Paris, assenta em quatro pontos fundamentais que visam acelerar a descarbonização do setor.

O “acesso mais rápido ao financiamento para a construção naval sustentável e para o fabrico de equipamento marítimo para apoiar a posição de liderança mundial da Europa neste setor” é o primeiro ponto desta declaração, que pede também a “expansão do apoio e dos incentivos aos programas de reequipamento e à utilização de energias renováveis para o setor marítimo”.

A criação de “um programa marítimo especializado como parte do Pacto Europeu para as Competências (EU Pact for Skills), para que as competências técnicas, digitais e verdes permaneçam na Europa” é outro dos pontos da declaração conjunta, que quer ainda colocar o “setor marítimo no centro da estratégia digital da UE para permitir a partilha de conhecimentos sobre as práticas avançadas de digitalização do setor”.

“As companhias de cruzeiros não disponibilizam apenas uma das mais populares opções de férias para os consumidores mas também já fazem parcerias com estaleiros e fornecedores de tecnologia marítima para alcançar a navegação zero emissões até 2050. Estão em curso projetos-piloto para testar novos combustíveis e soluções de propulsão, como baterias, tecnologia de células de combustível, biocombustíveis avançados e combustíveis sintéticos. Chegou o momento dos decisores políticos e governos europeus estabelecerem parcerias com o setor da tecnologia marítima”, considera Pierfrancesco Vago, presidente da CLIA.

De acordo com o responsável, o trabalho que os cruzeiros já fizeram e o conhecimento que já acumularam são “cruciais” para a sustentabilidade do setor e também da própria Europa, onde esta indústria tem ainda um elevado impacto económico.

No comunicado divulgado, a CLIA lembra que a “indústria dos cruzeiros gera um impacto económico significativo para as economias europeias”, não só porque o setor gerou, em 2021, um impacto económico de 41 mil milhões na Europa, apesar do reduzido volume de passageiros devido à pandemia, como pelos 315.000 postos de trabalho gerados.

Além disso, a CLIA diz que, nos próximos cinco anos, os estaleiros europeus vão construir os 62 navios de cruzeiro que estão atualmente encomendados, o que representa mais de 40 mil milhões de euros de investimento direto na Europa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Douro Wine City: Régua celebra o vinho de 8 a 11 de junho
Press Releases
Praia D’El Rey Marriott Golf & Beach Resort desvenda novidades para desfrutar em junho
Press Releases
Publituris Portugal Travel Awards 2023
AL representou 40% do total de dormidas, em 2019, e hóspedes deixaram 8MM€ na economia nacional
Alojamento
Iberia defende voos de curta distância ao contrário da França
Transportes
Os nomeados na categoria de “Melhor Hotel Resort” nos Publituris Portugal Travel Awards 2023 são?
Eventos Publituris
Conheça “Os Melhores Hotéis de Quatro Estrelas” nomeados para os Publituris Portugal Travel Awards 2023
Eventos Publituris
Portugal mostra-se em São Paulo no maior evento sobre o destino no Brasil
Destinos
Setores ligados ao turismo lideram constituição de novas empresas no início de 2023
Destinos
Autarca de Mira formaliza candidatura ao Turismo do Centro a 19 de junho
Destinos
Transportes

Iberia defende voos de curta distância ao contrário da França

Ao contrário da decisão francesa, que entrou em vigor no passado dia 23 de maio, de proibir voos domésticos no país, quando existe alternativa de comboio para uma viagem de duração inferior a duas horas e meia, a Iberia revela que, até que haja uma verdadeira intermodalidade com o comboio de alta velocidade, as rotas domésticas não serão suprimidas.

A companhia aérea espanhola defendeu, esta terça-feira, a importância de manter os voos domésticos em Espanha face ao debate aberto após a sua proibição em França e alertou que suprimir as cinco principais rotas de curta distância do país teria um impacto negativo tanto no papel do aeroporto de Barajas como um hub internacional de conetividade como na própria economia espanhola.

Uma proposta que seria muito complicada neste momento em Espanha, já que a eliminação dos voos domésticos obrigaria à implantação de um sistema intermodal que transportasse dez linhas de alta velocidade por hora até Barajas T4, segundo um estudo da PwC para a Iberia.

A análise da PwC indica que as rotas domésticas contribuem para a criação de riqueza e emprego em Espanha, já que para cada milhão de passageiros que utilizam esses voos, são gerados 102 milhões de euros de PIB e 1.852 empregos em tempo integral.

Se forem consideradas as cinco principais rotas domésticas com alternativa AVE (as ligações entre Madrid e Barcelona, ​​Málaga, Sevilha, Valência e Alicante), o impacto anual é de 329 milhões de euros.

Os voos domésticos representam menos de 1% das emissões totais de CO2 em Espanha, percentagem que também está a diminuir devido aos investimentos em combustível e aviação sustentável (SAF) e na renovação da frota, refere o mesmo relatório.

O estudo da PwC indica que a chegada da alta velocidade nas cinco rotas mais movimentadas implicou uma grande perda de quota aérea e uma redução das frequências de voo, pois os viajantes têm substituído o avião pelo comboio de alta velocidade.

Assim, entre 2007 e 2019 o número de passageiros que viajaram de avião nas cinco rotas estudadas diminuiu mais de metade, passando de 8,97 para 4,06 milhões.

No entanto, a Iberia diz que, embora o número de frequências tenha diminuído em média 65% nestas cinco rotas nos últimos 20 anos, os voos de curta distância continuam a ser “essenciais” para transferir passageiros para o hub Madrid-Barajas desde onde a Espanha está conectada com destinos internacionais, especialmente com a América Latina e os Estados Unidos.

Em conferência de imprensa, Beatriz Guillén, diretora de Vendas Globais da Iberia, citada pela imprensa espanhola, destacou o impacto positivo que estas rotas têm tanto no turismo em Espanha como na satisfação das necessidades dos quatro milhões de passageiros que utilizam todos os anos o hub de Madrid para conexões de longo curso.

A proibição de voos domésticos em França, quando existe alternativa de comboio para uma viagem de duração inferior a duas horas e meia, entrou em vigor no passado dia 23 de maio, após algumas polémicas que têm como pano de fundo o combate às alterações climáticas, e numa tentativa de reduzir as emissões de carbono no país, objetivo comum em toda a União Europeia (UE).

A proibição, que não afeta os voos de ligação, aplica-se a trajetos entre as mesmas cidades dos voos e que permitam a presença de mais de oito horas por dia no destino.

As novas mudanças foram aprovadas também para a utilização de jatos particulares para viagens curtas, que também estão proibidas, à medida que o país trabalha para tornar o transporte mais ecológico e justo para a população.

Conforme o Publituris já tinha noticiado, inicialmente, a medida foi contestada pela União dos Aeroportos Franceses (UAF) e pela filial europeia do Conselho Internacional de Aeroportos (ACI Europe), o que levou a Comissão Europeia a realizar uma investigação aprofundada relativamente à operacionalização do plano.

A proibição de voos de curta distância vigorará por três anos, após os quais deverá ser reavaliada pela Comissão.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines lança nova rota para Osaka a 12 de dezembro

A nova rota da Turkish Airlines para Osaka, no Japão, tem início a 12 de dezembro e vai contar com quatro voos por semana.

A Turkish Airlines anunciou a abertura de uma nova rota para Osaka, no Japão, a 12 de dezembro, numa operação que vai contar com quatro voos por semana, informou a transportadora aérea turca.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, a nova rota da Turkish Airlines vai ligar Istambul (IST), na Turquia, a Osaka (KIX), no Japão, e conta com voos às segundas, terças, sextas e domingos.

Os voos têm partida de Istambul pelas 02h35, chegando a Osaka pelas 20h05, enquanto em sentido contrário a partida da cidade japonesa está prevista para as 22h25, chegando a Istambul às 05h55.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP é a 3.ª melhor companhia aérea da Europa e a 13.ª melhor do mundo

A TAP foi considerada como a terceira melhor transportadora da Europa e 13.ª melhor do mundo pelo AirlineRatings.com, figurando no TOP 25 das melhores companhias aéreas do mundo.

A TAP integra o “TOP 25 Airlines”, anunciado esta segunda-feira, 5 de junho, pela AirlineRatings.com, no qual a companhia aérea de bandeira nacional se encontra colocada como a terceira melhor transportadora da Europa e 13.ª melhor do mundo.

O ranking da AirlineRatings.com elege as companhias aéreas que obtenham uma classificação de segurança de sete estrelas e demonstrem liderança em inovação para o conforto dos passageiros.

“Os editores da AirlineRatings.com, alguns dos mais experientes e premiados do mundo, procuram um nível consistente de serviço, inovação e envolvimento do pessoal de cada um dos principais potenciais candidatos a integrarem o TOP25”, indica a TAP, no comunicado divulgado.

O sistema de classificação de companhias usa uma escala de uma a sete estrelas em termos de segurança, com o sete a corresponder à classificação mais elevada, sendo que, em cada companhia aérea, é disponibilizada informação sobre o país de origem, o código da companhia, o URL de reservas e informações sobre o mapa de lugares a bordo.

“O sistema de classificação tem em conta uma série de fatores diferentes relacionados com as auditorias dos organismos que regem a aviação, as principais associações, bem como os dados de segurança das próprias companhias aéreas. Cada companhia aérea tem uma classificação de segurança discriminada para que possa ver exatamente a sua classificação”, acrescenta a TAP.

Mais de 360 das companhias aéreas foram analisadas no AirlineRatings.com, correspondendo ao transporte de 99% dos passageiros de todo o mundo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Free Stock photos by Vecteezy

Transportes

Companhias aéreas esperam transportar 4,35 mil milhões de passageiros este ano

As companhias aéreas esperam transportar este ano 4,35 mil milhões de passageiros em todo o mundo, perto do recorde de 4,54 mil milhões atingido em 2019, antes da pandemia, anunciou a principal Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA).

Reunida em assembleia geral em Istambul, na Turquia, a IATA indica que esta recuperação do tráfego aéreo, graças principalmente à reabertura da China, resultará num regresso das transportadoras aos lucros.

As transportadoras aéreas esperam chegar aos 9,8 mil milhões de dólares (9,1 mil milhões de euros) de lucro líquido este ano, o dobro do previsto inicialmente pela IATA, que também reduziu pela metade as suas estimativas de perdas para 2022, fixando-as em 3,6 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros).

O volume de negócios global das transportadoras aéreas deverá atingir os 803 mil milhões de euros, ao alcance dos 838 mil milhões em 2019, segundo a IATA, que reviu em alta as suas anteriores projeções em dezembro (779 mil milhões).

Ainda que as margens operacionais do setor continuem muito baixas este ano, em 1,2%, segundo a IATA, esses lucros – os primeiros desde o início da pandemia – marcarão uma melhoria em relação aos 42 mil milhões de dólares (39 mil milhões de euros) perdidos em 2021 e ao abismo de 2020 (137,7 mil milhões de dólares).

Contudo, a IATA alertou para o facto de nem todas as áreas geográficas voltarem este ano aos lucros.

Espera-se que as operadoras da América do Norte, Europa e Médio Oriente estejam em grande parte no verde, com 11,5, 5,1 e dois mil milhões de dólares, respetivamente.

Mas as empresas da região Ásia-Pacífico (-6,9 mil milhões de dólares), América Latina (-1,4 mil milhões) e África (-500 milhões) permanecerão deficitárias este ano, alertou a associação.

“O desempenho financeiro das companhias aéreas é melhor do que o esperado. A lucratividade mais forte é apoiada por vários desenvolvimentos positivos: a China suspendeu as restrições da covid-19 antes do esperado”, disse o diretor-geral da IATA.

Willie Walsh acrescentou que “as receitas de carga continuam mais altas do que antes da pandemia, mesmo que esse não seja o caso dos volumes” e que “os custos começam a abrandar”, exemplificando: “Os preços do combustível, ainda altos, contraíram no primeiro semestre”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros promove dois cruzeiros dedicados à pastelaria

A Costa Cruzeiros vai promover dois cruzeiros especiais que visam descobrir a arte da pastelaria pelas mãos dos seus grandes mestres. As viagens terão lugar no Mediterrâneo a bordo do Costa Toscana, de 9 a 16 de junho, e no Costa Fascinosa, de 21 a 31 de outubro, deste ano.

Publituris

Com o objetivo de promover o melhor da arte da pastelaria no mundo, a Costa Cruzeiros, em colaboração com a APEI (Associação dos Embaixadores da Excelência da Pastelaria Italiana), agendou, para este ano, dois cruzeiros dedicados aos “foodies”, onde estarão presentes alguns dos grandes mestres pasteleiros italianos e internacionais a bordo do Costa Toscana e do Costa Fascinosa.

O primeiro cruzeiro-evento, “Massari narra Iginio”, está programado para 9 a 16 de junho, no Costa Toscana, para um itinerário de uma semana no Mediterrâneo. Iginio Massari e os outros mestres da APEI vão estar a bordo, oferecendo aos passageiros workshops diários dedicados à pastelaria.

Com partida de Génova, o cruzeiro fará escalas em cidades como Marselha, Barcelona,​​Cagliari, Nápoles e Roma. Haverá também momentos dedicados aos mais pequenos, através da leitura de contos de fadas para os guiar num mundo de doces fantasias.

O segundo evento do género é a nova edição do “Panettone senza confini” (Panettone sem fronteiras) que, pelo terceiro ano consecutivo, vai estar a bordo de um navio da Costa Cruzeiros. De 21 a 31 de outubro, o Costa Fascinosa acolhe o desafio dedicado à sobremesa italiana mais icónica do país, no qual vão concorrer 15 pastelarias de todo o mundo. O itinerário de 10 dias, com partida e chegada a Savona, inclui escalas em Marselha, Málaga, Cádis, Lisboa, Gibraltar e Valência.

O cruzeiro, uma celebração de um dos produtos mais conhecidos do mundo, permitirá aos passageiros degustar o “panettone” de diversas maneiras. Os passageiros também vão ser os protagonistas do desafio, e poderão votar no melhor Panettone de Chocolate.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet retoma rota entre o Funchal e Basileia no inverno

A easyJet vai voltar a voar entre o Funchal e Basileia, na Suíça, no inverno, numa operação com dois voos por semana, a partir de 9 de dezembro, que regressa à rede da companhia aérea low cost depois de mais de três anos de ausência.

Publituris

A easyJet anunciou esta segunda-feira, 5 de junho, que vai voltar a voar entre o Funchal e Basileia, na Suíça, no inverno, numa operação que vai contar com dois voos por semana, a partir de 9 de dezembro.

Segundo José Lopes, diretor-geral da easyJet em Portugal, a companhia aérea está focada “em oferecer rotas mais diversificadas aos portugueses e em aumentar o número de turistas que vêm para Portugal e, assim, contribuir para o crescimento da economia nacional”.

Já Eduardo Jesus, secretário Regional de Turismo e Cultura da Madeira e presidente da Associação de Promoção da Madeira, mostra-se satisfeito com mais esta aposta da easyJet na região, que representa a retoma de uma rota que tinha deixado de ser operada por esta companhia há mais de três anos.

“É um contributo muito importante para o Inverno IATA, potenciando a chegada de mais viajantes, naquela altura do ano, de um país que tem uma grande comunidade madeirense, e, ao mesmo tempo, permitindo captar passageiros de outros aeroportos suíços, assim como de outras cidades limítrofes”, considera o governante madeirense.

Por sua vez, Francisco Pita, diretor Comercial da ANA – Aeroportos de Portugal | VINCI Airports, saúda a “aposta continuada ” da easyJet na Madeira, onde a companhia aérea opera voos domésticos mas também “voos diretos para vários destinos europeus, ao qual junta agora a Suíça, com esta nova ligação a Basileia”, que vai potenciar “o posicionamento da Madeira enquanto destino turístico”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Star Alliance tem novo CEO

Theo Panagiotoulias substitui Charlotta Wieland, quando da da Scandinavian Airlines (SAS), que assumira o cargo de forma interina, desde janeiro de 2023.

Publituris

Theo Panagiotoulias foi nomeado CEO da Star Alliance, sucedendo a Charlotta Wieland, Vice President of Alliances & Industry Affairs da Scandinavian Airlines (SAS), que tinha assumido o cargo de forma interina, desde janeiro de 2023.

Panagiotoulias tem mais de 25 anos de experiência internacional na indústria da aviação, transitando da Hawaiian Airlines, onde exercia o cargo de Vice President for Global Sales and Alliances desde 2014.

Antes disso, o novo CEO da Star Alliance passou pela Sabre Corporation como vice-presidente e diretor-geral (Ásia Pacífico), tendo ocupado, durante 15 anos, vários cargos comerciais, operacionais e de gestão na American Airlines.

Theo Panagiotoulias refere, em comunicado que, “mais de 200 milhões de clientes voam com as 26 companhias aéreas membros do grupo a cada ano, em mais de 16.000 voos por dia”, pelo que “continuaremos a inovar como a aliança de companhias aéreas líder mundial”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines e Icelandair estabelecem acordo de codeshare

A Turkish Airlines e a Icelandair estabeleceram um acordo de codeshare, através do qual vão oferecer uma melhor experiência de viagem aos seus passageiros e mais conexões na América do Norte.

Publituris

A Turkish Airlines e a Icelandair estabeleceram um acordo de codeshare, através do qual vão oferecer uma melhor experiência de viagem aos seus passageiros e mais conexões na América do Norte.

De acordo com um comunicado das companhias aéreas, com este acordo, os passageiros da Icelandair podem usar a rede da Turkish Airlines para Istambul, enquanto os passageiros da companhia aérea turca podem usar os voos da Icelandair para a Islândia e Canadá.

O acordo, acrescenta a informação divulgada pelas duas companhias aéreas, foi assinado durante a reunião geral da IATA, que termina esta terça-feira, 6 de junho, em Istambul, na Turquia.

Através deste acordo, os passageiros de ambas as companhias aéreas passam a gozar de conexões mais convenientes e com a vantagem de ser necessário apenas um único bilhete, sendo que também a bagagem é diretamente despachada até ao destino final.

“Estamos satisfeitos por assinar este acordo de codeshare com a Icelandair. Com este acordo, pretendemos melhorar as opções de viagem oferecidas aos nossos passageiros através das nossas redes. Estamos também encantados porque esta parceria com a Icelandair vai trazer grandes benefícios às duas companhias aéreas de uma perspectiva comercial”, refere Bilal Ekşi, CEO da Turkish Airlines.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

TAP inaugura voos para Menorca

Os voos da TAP para Menorca acontecem às segundas, quartas, sextas e domingos, em aviões Embraer 190, e aumentam para 12 o total de destinos para onde a companhia aérea de bandeira nacional voa em Espanha.

Publituris

A TAP inaugurou este domingo, 4 de junho, uma nova rota para Menorca, nas ilhas Baleares espanholas, operação sazonal que conta com quatro voos por semana, à partida de Lisboa, informou a transportadora.

Os voos da TAP para Menorca acontecem às segundas, quartas, sextas e domingos, partindo de Lisboa pelas 15h00, para chegar a Menorca às 18h00. Em sentido contrário, os voos partem de Menorca às 18h50, chegando à capital portuguesa às 20h00.

“A TAP Air Portugal alarga, assim, a sua oferta nas ilhas Baleares com as novas rotas de Lisboa para Palma de Maiorca, cujo voo inaugural aconteceu no passado dia 20 de maio, e para Menorca. A Companhia tem ainda ligações diárias a Ibiza, chegando a um total de 12 destinos em Espanha”, indica a TAP, num comunicado divulgado este domingo, 4 de junho.

Os voos para Menorca são operados em avião Embraer 190.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo Ibéria inicia operação sazonal e inclui Faro e Ponta Delgada

O Grupo Iberia deu início, no último fim de semana, a operação de grande parte das suas rotas de verão, com uma oferta de 15 destinos para satisfazer a procura de férias no mercado espanhol.

Publituris

Na sexta-feira começaram os voos para Faro, operados pela Iberia Regional/Air Nostrum, que arrancam com duas frequências semanais, passando depois a cinco por semana, para chegar a agosto, a uma frequência diária.

Ainda em relação à operação sazonal, a Iberia repete, pelo segundo ano consecutivo, voos para Ponta Delgada, nos Açores, de 3 de julho a 30 de setembro, com três frequências semanais em julho e agosto e duas em setembro.

A oferta do Grupo Iberia em Portugal completa-se com voos oferecidos ao longo do ano para Lisboa (36 frequências semanais), Porto (26 frequências semanais) e Funchal (sete frequências semanais).

Para além de Ponta Delgada a Faro, em Portugal, a Iberia juntamente com a Iberia Express e a Iberia Regional/Air Nostrum oferecem, durante o verão, voos diretos para Zagreb e Split na Croácia; Olbia, Catânia e Bari na Itália; Corfu, Creta, Mykonos e Santorini na Grécia, assim como Edimburgo, Keflavic e Bergen. Além disso, a companhia aérea espanhola, pela primeira vez, voará para Tirana, na Albânia, em voos charter comercializados pela World2Meet (W2M), todas as terças-feiras, de 20 de junho a 26 de setembro.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.