Assine já
Destinos

Madeira espera ocupação superior a 85% na Páscoa

O secretário regional de Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, estima que, no mês em que se assinala a Páscoa, a ocupação ultrapasse os 85% e diz que a guerra na Ucrânia abrandou as reservas, mas não levou a cancelamentos.

Publituris
Destinos

Madeira espera ocupação superior a 85% na Páscoa

O secretário regional de Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, estima que, no mês em que se assinala a Páscoa, a ocupação ultrapasse os 85% e diz que a guerra na Ucrânia abrandou as reservas, mas não levou a cancelamentos.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Madeira não espera ocupação acima de 35% na Páscoa
Homepage
Fim de ano: Madeira com ocupação hoteleira de 92%
Destinos
Madeira
Madeira espera ocupação de 40% e 50% no Natal e fim de ano
Homepage
Concentração da promoção numa única entidade foi fundamental para a Madeira
Homepage

A taxa de ocupação da hotelaria madeirense deverá superar, em abril, mês em que se assinala a Páscoa, os 85%, estima o Governo Regional da Madeira, revelando que, apesar de um “abrandamento nas reservas”, a guerra na Ucrânia não provocou cancelamentos na região.

“Relativamente ao conflito militar, nós não estamos a sentir cancelamentos”, disse à Lusa Eduardo Jesus, secretário regional de Turismo e Cultura da Madeira, esclarecendo que, numa primeira fase, houve um “abrandamento das reservas”, ainda que estas tenham continuado “sempre a crescer, o que não prejudica o desempenho do setor”.

De acordo com o responsável, em abril, mês em que se assinala a Páscoa, que este ano se festeja no dia 17, a taxa de ocupação das unidades de hotelaria madeirenses deverá ultrapassar os 85%, com destaque para os mercados doméstico, assim como do Reino Unido e Alemanha.

“Os três principais países que vão operar a Madeira em abril de 2022 são Portugal, com mais de 103.000 lugares, o Reino Unido com 43.000 lugares e a Alemanha com 30.000 lugares”, revelou o responsável, referindo que os números espelham a “consolidação da recuperação” do setor na Madeira, que foi iniciada no segundo semestre de 2021, após a quebra registada devido à pandemia de COVID-19.

Eduardo Jesus adiantou à Lusa que, em abril, a Madeira deverá também ter em operações 85 rotas aéreas, que envolvem 33 companhias, num total 1.177 frequências (mais 28% do que em 2019) e 218.300 lugares nos aviões (mais 39%), com ligação a 46 aeroportos em 21 países (mais dois do que em 2019).

“A Páscoa é, sem dúvida alguma, um momento em que a Madeira vai ter uma procura bastante grande”, acrescentou o responsável, reforçando que as perspetivas da região são “animadoras” e levam a acreditar na “consolidação da recuperação”.

O governante regional reconhece que o facto de a Madeira estar geograficamente distante do conflito militar entre a Rússia e a Ucrânia contribui para a sua afirmação como “destino seguro”, mas adianta que as autoridades não se empolgam em tirar proveito dessa circunstância, uma vez que a Madeira “é um destino seguro por si”.

No entanto, o impacto da guerra também se faz sentir na Madeira, uma vez que, com o início do conflito militar, as operações charter que existiam entre as capitais russa e ucraniana e o Funchal, e que deviam levar até à Madeira cerca de 14.000 turistas destes países até outubro, foram imediatamente suspensas.

Apesar disso, Eduardo Jesus continua a dizer que os mercados do Leste europeu continuam a ser uma aposta para a Madeira, até porque, em 2021, cerca de 8% do turismo foi oriundo dos países do Báltico e da Europa de Leste.

Segundo o responsável, não houve cancelamentos por parte dos mercados do Leste europeu, apesar do conflito militar ter motivado um abrandamento das reservas, ainda que os indicadores mostrem que os turistas que procuravam os países da Europa central e de leste estão agora a procurar destinos na Europa ocidental.

“Significa que há uma visão de que a Península Ibérica e respetivas ilhas poderão beneficiar da deslocação deste fluxo turístico, procurando mais distância do conflito”, disse Eduardo Jesus.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

30% dos espanhóis admite cancelar férias de verão

A inflação e a subida de preços são as razões principais invocadas pelos espanhóis para o cancelamento das férias deste verão.

De acordo com a plataforma global Appinio, 30% dos espanhóis decidiram cancelar as suas férias de verão, depois de um início de 2022 que previa uma retoma gradual para níveis pré-pandémicos.

A inflação e o respetivo aumento dos preços são as causas indicadas pela plataforma para esta “nova” realidade e que terá impacto na decisão dos espanhóis.

Mas se os dados recolhidos indicam que 30% dos espanhóis decidiram cancelar as férias deste verão, os números indicam, igualmente, que 40% viram obrigados a adiar os planos para as férias pelas mesmas razões, ou seja, aumentos dos preços, enquanto 57% admite vir a encurtar o período que dedicou às férias por motivos económicos e financeiros.

Outro dado resultante do inquérito realizado pela Appinio revela que a maioria dos espanhóis (79%) realizará as férias “dentro de portas”, optando pelo “sol e praia”, ao passo que somente 7% admite escolher destinos fora de Espanha.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Fotos de banco de imagens por Vecteezy
Destinos

Barcelona introduz taxa para autocarros turísticos

Os autocarros de turismo passaram a ter de pagar uma taxa de 2,5 euros para poderem parar para apanhar e deixar sair passageiros em Barcelona, valor que começou a ser cobrado a 1 de julho.

Os autocarros de turismo passaram a ter de pagar uma taxa de 2,5 euros para poderem parar para apanhar e deixar sair passageiros, valor que começou a ser cobrado a 1 de julho e que permite paragens até 10 minutos na zona central da cidade e junto às principais atrações turísticas de Barcelona.

De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, a medida foi decidida pela autarquia da cidade e prevê que os pedidos de paragem ou estacionamento, assim como os respetivos pagamentos, sejam realizados através de uma app para motoristas profissionais.

A Câmara Municipal de Barcelona diz que as receitas obtidas com esta taxa vão ser canalizadas para “financiar ações que promovam a mobilidade sustentável”, tal como está previsto na portaria que oficializou esta taxa.

Além do pagamento da taxa, os autocarros de turismo só podem parar ou estacionar nas chamadas ‘Zonas Bus’, onde existem espaços reservados para o efeito, que se encontram junto às principais atrações turísticas da cidade, como a Sagrada Família, a Cidade Velha, o Park Güell ou a Pedrera.

Atualmente, em toda a cidade de Barcelona, existem 35 ‘Zonas Bus’, que totalizam 162 lugares de estacionamento para autocarros de turismo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Header Stock photos by Vecteezy
Destinos

48% dos portugueses planeiam férias neste verão

Quase metade dos portugueses prevê gozar férias neste verão de 2022, com os períodos mais destacados a incidir nas 2.ª quinzenas de julho e agosto.

Quase metade dos portugueses (48%) pretende fazer férias nos meses de verão, correspondendo a uma subida de 25 pontos percentuais (p.p.) face ao ano passado, avança o estudo Observador Cetelem Consumo 2022.

Estes números são semelhantes ao período vivido antes do primeiro confinamento devido à COVID-19, em março de 2020, mas ainda longe dos valores de 2019, altura em que 71% dos portugueses tencionava ir de férias.

Entre os que demonstraram mais intenção em ir de férias estão os portugueses com idades compreendidas entre os 25 e os 44 anos (60%) e pertencentes às classes mais altas destacando o Observador Cetelem que esse número cresce junto dos que “mantiveram o poder de compra”.

Dos portugueses que tencionam ir de férias no verão, 54% planeiam tirar duas semanas, sobretudo, os inquiridos entre os 25 e os 44 anos (60%), revelando o estudo que cerca de 20% dizem que vão optar por tirar uma semana de férias, sendo esta intenção maior (30%) junto dos mais jovens (18 aos 24 anos).

Relativamente à altura do verão escolhida para gozar as férias, os períodos mais procurados são na 2.ª quinzena de julho (32%) e a 2.ª quinzena de agosto (27%).

Do outro lado da balança, ou seja, os que não tencionam ir de férias ou ainda não sabem se vão, apontam as dificuldades financeiras como sendo o principal motivo. O estudo indica que 34% dos inquiridos revelam não tencionar ir de férias, admitindo 18% que ainda não sabem se vão, principalmente, os inquiridos com mais de 65 anos (70%).

Quando questionados qual a razão para não terem férias este verão, 52% dos inquiridos revelam que é por não terem condições financeiras para tal, sendo que este motivo é o mais apontado pelos ouvidos com idades entre os 55 os 74 anos (63%).

Mas não são só as dificuldades financeiras apontadas para uma eventual não ida de férias este verão. 28% dos inquiridos indicaram preferirem ir de férias noutros períodos ou, pura e simplesmente, por não terem férias nessa altura do ano (14%). O receio ao nível da segurança face à situação internacional foi apontado somente por 9% dos inquiridos, sendo que são os mais jovens os que mais temem pela sua segurança (14%).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Festival “Termas é Monfortinho” apresenta mais de 50 atividades

O Festival Termas é Monfortinho, no concelho de Idanha-a-Nova, que vai acontecer entre 15 de julho e 25 de setembro, apresenta uma programação com mais de 50 atividades.

Durante dois meses e meio haverá música, cultura e tertúlias e gastronomia, num evento gratuito, que resulta de uma parceria entre o complexo termal de Termas de Monfortinho, Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, Filarmónica Idanhense, Entidade Regional de Turismo do Centro e Associação Ibérica de Turismo do Interior, dá nota a imprensa local.

O diretor do evento, Miguel Martins, explicou, citado pela imprensa da região, que “queremos que se afirme como um festival do Centro de Portugal e, em seguida, do país. E também de Espanha, que são os nossos vizinhos por natureza. Trabalhamos sempre com Espanha em mente e a comunicação do Festival também está a ser feita aí”.

Este responsável sublinhou ainda que o evento tem um único objetivo: “Promover o melhor que Idanha tem. É um festival para todos aqueles que nos visitam. Durará quase três meses para todos beneficiarem do programa que preparámos com mais de 50 atividades”, disse na apresentação do projeto.

O presidente da Câmara de Idanha-a-Nova, Armindo Jacinto, também destacou que “será um grande festival porque junta aquilo que é a nossa cultura com a oferta do território e a dinâmica dos empresários e entidades que colaboram”.

Além da música, serão organizadas tertúlias em torno dos mais diversos temas, como o futuro das termas e do termalismo, nutrição, gastronomia, as relações transfronteiriças, usos e costumes locais, a rota do contrabando, caminhadas, a riqueza geológica local, alimentação saudável, turismo de Interior, entre outros.

Por sua vez, o presidente da Entidade Regional de Turismo do Centro de Portugal, Pedro Machado considerou que “este festival combate o problema da estadia média dos turistas e os efeitos da sazonalidade”, para salientar que “o Interior é um luxo do Século XXI”, por ter “a componente da segurança, da saúde, do bem-estar, do espaço físico e da serenidade”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Header Stock photos by Vecteezy
Destinos

Portugal e Europa lideram reservas dos portugueses para as férias de verão

Funchal, Ponta Delgada, Lisboa e Porto são, de acordo com a eDreams, as cidades mais escolhidas para visitar este verão, enquanto no estrangeiro a maior parte das reservas destina-se a França, Espanha, Itália, Reino Unido e Suíça.

Publituris

A eDreams revelou esta terça-feira, 5 de julho, que a maioria das reservas registadas na plataforma indica que os portugueses estão a optar por destinos nacionais para as férias de verão, enquanto nas viagens para o estrangeiro a maioria das preferências recai na Europa.

Funchal, Ponta Delgada, Lisboa e Porto são, de acordo com a eDreams, as cidades mais escolhidas para visitar este verão, enquanto no estrangeiro a maior parte das reservas destina-se a França, Espanha, Itália, Reino Unido e Suíça.

“A eDreams pôde ainda perceber que as cidades que os portugueses mais vão visitar este Verão são Paris, Barcelona, Londres, Madrid e Milão”, indica a plataforma de reservas, num comunicado enviado à imprensa.

Além dos destinos europeus, a eDreams refere que há também três países não-europeus que se destacam entre as escolhas dos portugueses, concretamente Brasil, Marrocos e Estados Unidos.

A eDreams diz também que a maior parte (36%) dos viajantes vai permanecer nos destinos cerca de três a quatro dias, “o que é indicativo de preferência por umas férias relativamente curtas”, enquanto 26% vão passar entre sete a 13 dias de férias, 19% entre cinco e seis dias, e apenas 5% estará fora por mais de 21 dias.

Já Portugal aparece em destaque nas escolhas dos turistas estrangeiros, com a eDreams a constatar que “nos últimos anos, Portugal tem-se consolidado enquanto destino de eleição para muitos turistas, o que não é exceção em 2022”.

França, Alemanha, Reino Unido, Suíça são os países onde a procura por férias em Portugal mais se destaca, assim como Espanha, com Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Ponta Delgada a lideraram as preferências.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

IPDAL promove XIII Fórum do Turismo “Portugal-América Latina

Promovido pelo IPDAL, o XIII Fórum do Turismo “Portugal-América Latina” vai ter lugar no próximo dia 07 de julho, quinta-feira, no Lux Lisboa Park Hotel.

Publituris

Trata-se da iniciativa empresarial mais antiga do Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas (IPDAL) onde se reúnem anualmente os principais atores do turismo português e latino-americano.

Realizados desde 2009, estes fóruns do Turismo constituem, segundo a organização, “a principal plataforma multi stakeholder e de alto nível em Portugal, dedicada a promover os intercâmbios turísticos com uma das regiões mais dinâmicas do mundo no setor, de maneira direcionada aos principais atores e decisores portugueses”.

O IPDAL indica ainda que, tratando-se de uma iniciativa de proximidade e alto nível, onde o acesso é exclusivo a convidados, e sendo direcionada apenas aos mais influentes representantes do turismo português e latino-americano, o fórum contará com cerca de 50 convidados.

Alguns dos oradores desta edição são a secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, o vice-ministro do Turismo da Colômbia, Ricardo Galindo Bueno, o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo e a presidente da Pro Colombia, Flavia Santoro.

Os objetivos do Fórum são promover o incoming e o outgoing de turistas entre Portugal e América Latina, juntando os embaixadores da região com os principais players portugueses do setor.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Clérigos by Night está de regresso até 16 de outubro

Até 16 de outubro, é possível subir ao cimo da Torre dos Clérigos à noite, na iniciativa Clérigos by Night, que abre as portas desta atração portuense aos turistas entre as 19h00 e as 23h00.

Publituris

Até 16 de outubro, é possível subir ao cimo da Torre dos Clérigos, icónico monumento da cidade do Porto, à noite, na iniciativa Clérigos by Night, que abre as portas desta atração portuense aos turistas entre as 19h00 e as 23h00.

Durante a iniciativa Clérigos by Night, o complexo dos Clérigos vai estar recheado de eventos que arrancam logo pelas 16h00, quando os sinos tocam a rebate o Hino à Alegria da 9.ª Sinfonia de Ludwig Van Beethoven.

Mais tarde, pelas 18h00, tem início o espetáculo “Spiritus”, um evento de video mapping com 30 minutos, criado pelo atelier OCubo para a Irmandade dos Clérigos, enquanto ao lado, as visitas à Torre dos Clérigos decorrem entre as 19h00 e as 23h00.

As visitas decorrem em grupos de até 35 pessoas, têm um preço de cinco euros e são realizadas a cada 30 minutos, estando a última visita de cada noite programada para as 22h30.

“Ao fim de dois anos de grandes dificuldades para todos, sente-se de novo o pulsar do Porto, com os turistas a encherem de novo as ruas da cidade. Estamos a registar afluências ao nível de 2019, o que nos motiva a retomar na Igreja e na Torre alguns dos momentos de maior adesão do público, como é o caso dos Clérigos by Night”, explica Manuel Fernando, presidente da Irmandade dos Clérigos, considerando que esta iniciativa é também uma forma de partilhar a cidade e a cultura portuguesa com os turistas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Embratur promove o Pantanal e a sua biodiversidade

Porque não só de praias se faz o turismo do Brasil, a Embratur – Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo destaca o Pantanal, conhecido como um dos maiores reservatórios de biodiversidade do mundo, na sua lista de promoção em Portugal.

Publituris

O Brasil oferece diversos locais onde se pode conhecer mais da fauna e flora. Seja explorar florestas ou conhecer a vida de animais selvagens, o país é o local indicado para expandir os horizontes ligados à natureza.

Assim, numa altura de crescente preocupação com o meio ambiente, a Embratur apresenta o Pantanal, um dos maiores reservatórios de biodiversidade do mundo e o principal santuário de vida selvagem do continente aos turistas portugueses.

Refira-se que o Pantanal é uma região natural que engloba a maior zona húmida tropical do mundo, assim como os maiores campos inundados. Está localizada principalmente no estado brasileiro de Mato Grosso do Sul, mas estende-se ao Mato Grosso e algumas zonas da Bolívia e do Paraguai. Espalha-se por uma área estimada entre 140 mil e 195 mil quilómetros quadrados. Existem vários ecossistemas sub-regionais no Pantanal, cada um com caraterísticas hidrológicas, geológicas e ecológicas distintas.

O Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal foi registado pela UNESCO como Património Natural Mundial e Reserva da Biosfera em 2000, compreendendo o Parque Nacional Mato-Grossense do Pantanal e as Reservas Particulares de Proteção Natural Acurizal, Penha e Dorochê.

Segundo o “convite” da Embratur, os  turistas portugueses podem ficar a conhecer não só um local único de biodiversidade mas também experienciar a maior concentração de vida selvagem do continente americano. O final do outono brasileiro, que se vive no mês de junho, é a altura ideal para visitar o Pantanal e garante emoções fortes, uma vez que a seca faz com que os animais se desloquem para a beira dos rios para beber água, tornando mais fácil ver jaguares, crocodilos e muito mais de perto. Outro ponto positivo de ir ao Pantanal nesta época do ano é o facto de ser mais fácil circular nas zonas, uma vez que as estradas de terra não estão tão inundadas como é habitual.

Uma das atividades mais populares no Pantanal é o spotting noturno, que pode ser feito de carro ou barco. Como muitos animais têm hábitos noturnos, este é um período ideal para encontrar jacarés, lobos e os famosos jaguares pintados, um dos símbolos do Brasil.

Os destinos oferecem experiências únicas em alojamentos em ecolodges que promovem uma maior imersão na natureza. Há muitas atividades em que os visitantes podem participar, tais como conhecer comunidades indígenas, permanecer nas quintas de conservação, e provar a cozinha local.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Viagens de avião deverão atingir 65% dos níveis de 2019 no 3.º trimestre de 2022

Os destinos de praia estão entre os mais escolhidos pelos viajantes para o terceiro trimestre de 2022, ao contrário das cidades, segundo avança a ForwardKeys. Funchal e Lisboa aparecem no estudo feito para o WTM, embora a cidade da Madeira apareça com resultados mais positivas que a capital de Portugal.

Publituris

Um relatório realizado pela ForwardKeys para o World Travel Market (WTM) sobre as perspectivas de viagens de avião para o verão, revela que no terceiro trimestre do ano – julho, agosto e setembro -, as viagens aéreas globais devem atingir 65% do nível registado antes da pandemia em 2019. No entanto, esta recuperação é “irregular”, com algumas partes do mundo a sair muito melhor do que outras e alguns tipos de viagens, principalmente férias na praia, sendo muito mais populares do que as visitas urbanas e passeios turísticos.

A região do mundo para a qual a ForwardKeys aponta uma recuperação mais forte é a África e o Oriente Médio, apontando a consultora que as chegadas no terceiro trimestre devem atingir 83% dos níveis de 2019. Seguem-se as Américas, onde se espera que as chegadas de verão cheguem a 76%, e depois a Europa com 71%, e, finalmente, a Ásia-Pacífico com apenas 35%.

Destinos de praia lideram no verão de 2022
A preferência atual por férias na praia é bem ilustrada por uma comparação dos dez principais destinos de praia e urbanos da Europa, classificados pelas reservas de voos do terceiro trimestre de 2022 em relação a 2019, embora no computo geral, os números indiquem uma descida de 3% entre o terceiro trimestre de 2022 e o mesmo período de 2019.

Em termos de destinos de praia os dados indicam uma liderança de Antalya (Turquia), com uma evolução de 81% face ao mesmo período de 2019, à frente de Tirana (Albânia), com +36%, e Mykonos (Grécia) +29%.

O Funchal aparece neste Top 10, com um crescimento na procura de 11% face ao mesmo trimestre de 2019.

No que toca aos destinos urbanos, a descida é maior do que nos destinos de praia, com uma quebra de 25% face ao terceiro trimestre de 2019, com a única cidade com variação positiva a pertencer a Nápoles, com um aumento de 5%. Istambul (Turquia) mantém igual ao período pré-pandémico analisado, ficando à frente de Atenas (-5%) e Lisboa -8%), embora a ForwardKeys reconheça que estas cidades funcionem como “portas de entrada para resorts de praia”.

Uma tendência semelhante é exibida nas Américas, onde as reservas de viagens aéreas para o Caribe, América Central e México, no terceiro trimestre de 2022, estão 5% acima dos níveis de 2019, enquanto as reservas de voos para a América do Sul e para os EUA e Canadá ficam, respetivamente, 25% e 31% atrás do que eram em 2019. Os destinos com melhor desempenho são Costa Rica (+24%) à frente da Jamaica (+17%) e República Dominicana (+13%).

Custos não impedem vontade de viajar
“O entusiasmo para viajar novamente a nível internacional é tão forte que um aumento nas tarifas aéreas teve relativamente pouco impacto na procura”, frisa a ForwardKeys na análise. Por exemplo, a tarifa média dos EUA para a Europa aumentou mais de 35% entre janeiro e maio, sem nenhuma desaceleração percetível nas taxas de reserva. E essas tarifas ficaram quase 60% acima do ano anterior. As tarifas para viagens curtas e intra-regionais (ou seja, dentro das Américas) também aumentaram substancialmente (+47%), o que é menos do que para as viagens longas.

Já as perspectivas relativamente às viagens de verão para África e Médio Oriente devem-se, segundo à ForwardKeys a uma combinação de fatores. “Vários aeroportos do Médio Oriente atuam como ‘hubs’ para viagens entre a Ásia-Pacífico e a Europa, o que levou o Médio Oriente a beneficiar da recuperação das viagens intercontinentais, principalmente impulsionadas por pessoas que retornam aos países asiáticos para visitar amigos e parentes”.

O encerramento do espaço aéreo russo também contribuiu para o aumento do tráfego nos ‘hubs’, verificando-se, por exemplo, um aumento de 23% no Cairo que aumentou a conectividade com os mercados europeus. Também a Nigéria (+14%), Gana (+8%) e Costa do Marfim (+1%) beneficiam de grandes diásporas na Europa e nos EUA que estão a ver os expatriados a regressarem aos países para visitarem amigos e familiares.

A ForwardKeys destaca ainda Cabo Verde como destino que está a atrair com sucesso visitantes de longa distância da Europa.

Olivier Ponti, vice-presidente de Insights da ForwardKeys, conclui que “com as restrições às viagens a serem levantadas em 2022, a conectividade restabelecida e a confiança do consumidor recuperada, a procura por viagens internacionais está a aumentar mais uma vez, marcando um afastamento da tendência de viagens domésticas que dominou em anos recentes”.

Por isso, diz que, “no terceiro trimestre deste ano, os turistas estão relativamente mais interessados em deixar a pandemia para trás com uma pausa relaxante na praia do que consumir cultura, cidades e passeios”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Certificado digital e teste negativo deixam de ser obrigatórios nos voos para Portugal

As companhias aéreas deixam de estar obrigadas a exigir aos passageiros, aquando do embarque de voos com destino ou escala em Portugal continental, à apresentação de comprovativo de realização de teste, Certificado Digital COVID UE ou de certificados de vacinação ou recuperação emitidos por países terceiros, aceites ou reconhecidos em Portugal.

Publituris

Os passageiros de voos com destino ou escala em Portugal deixam de ter de apresentar o certificado digital ou teste negativo à COVID, informou hoje a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC).

Em comunicado, a ANAC refere que, na sequência da entrada em vigor do despacho conjunto n.º 8022-D/2022, de 30 de junho, “as transportadoras aéreas deixam de estar obrigadas a exigir aos passageiros, aquando do embarque de voos com destino ou escala em Portugal continental”, a apresentação de comprovativo de realização de teste para despiste da infeção por Sars-CoV-2 com resultado negativo, de certificado digital covid UE ou de certificados de vacinação ou recuperação emitidos por países terceiros, aceites ou reconhecidos em Portugal.

“Com a entrada em vigor deste novo regime as transportadoras áreas e os passageiros deixam de estar sujeitos às medidas restritivas, aplicáveis em matéria de tráfego aéreo, no âmbito do combate à pandemia provocada pelo vírus Sars-CoV-2, que duraram até 30 de junho de 2022”, refere.

O despacho n.º 8022-D/2022, publicado na quinta-feira, 30 de junho, em Diário da República, revoga o despacho n.º 4829-A/2022, de 22 de abril, que determinava “as medidas aplicáveis em matéria de tráfego aéreo, aeroportos, fronteiras marítimas e fluviais e define os termos e requisitos do respetivo sistema de verificação, bem como a supervisão do seu funcionamento”.

Segundo se lê no diploma que entrou em vigor, “a situação epidemiológica vivida em Portugal na sequência da pandemia da doença COVID-19 tem-se mantido relativamente estável, resultado da elevada cobertura vacinal, da emergência de novos fármacos para a doença grave e de um maior conhecimento sobre a infeção”.

Adicionalmente, “também no contexto internacional, nomeadamente no quadro da União Europeia, a evolução da situação epidemiológica deixou de justificar a adoção de medidas excecionais em matéria de tráfego aéreo, aeroportos e fronteiras marítimas e fluviais”.

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, tinha anunciado na conferência de imprensa realizada após o último Conselho de Ministros, que o período de isolamento por COVID-19 iria passar de sete para cinco dias e que deixaria de ser exigido o certificado digital para entrar no país.

“Fora estas duas alterações, a passagem de sete para cinco dias e deixar de ser exigido certificado em viagens, as regras permanecem as mesmas, com a indicação de uso de máscara nos transportes públicos e com a recomendação de utilização de máscara quando estamos em contacto com pessoas mais vulneráveis, quando temos sintomas ou quando sabemos que tivemos um contacto de maior risco”, precisou.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.