Assine já
Transportes

Ryanair abre quatro novas rotas para o verão em Portugal

No próximo verão, a Ryanair vai passar a ligar Faro a Madrid e a Valência, em Espanha, assim como o Porto a Bergerac, em França, e Ponta Delgada a Nuremberga, na Alemanha.

Publituris
Transportes

Ryanair abre quatro novas rotas para o verão em Portugal

No próximo verão, a Ryanair vai passar a ligar Faro a Madrid e a Valência, em Espanha, assim como o Porto a Bergerac, em França, e Ponta Delgada a Nuremberga, na Alemanha.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Brussels Airlines reforça voos para Portugal
Aviação
Ryanair liga Manchester a Ponta Delgada e Porto
Homepage
Ryanair liga Manchester a Ponta Delgada e Porto no Verão
Aviação
Brussels Airlines retoma voos para Faro, Lisboa e Porto em abril
Homepage
Brussels Airlines

A Ryanair anunciou esta terça-feira, 15 de março, que vai abrir quatro novas rotas em Portugal no próximo verão, passando a ligar Faro a Madrid e a Valência, em Espanha, assim como o Porto a Bergerac, em França, e Ponta Delgada a Nuremberga, na Alemanha.

“Esta adição eleva o número total de rotas da Ryanair em Portugal para o verão 2022 para 147, conectando cidades e regiões por toda a Europa, oferecendo aos nossos clientes mais opções de viagem”, destaca a companhia aérea low cost em comunicado.

Recorde-se que, no próximo verão, a Ryanair vai operar em 90 bases e realizar voos em mais de 2.400 rotas, estando as novas rotas de Portugal já disponíveis para reservas através do site da companhia aérea, em www.ryanair.pt.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Costa Cruzeiros promove itinerário à Terra Santa e Egito para membros do clube de fidelidade

A Costa Cruzeiros vai promover, a 4 de novembro, um itinerário especial apenas para membros do C|Club, o clube de fidelização da companhia, que vai decorrer no navio Costa Diadema e que passa pela Terra Santa e Egito.

Publituris

A Costa Cruzeiros vai promover, a 4 de novembro, um itinerário especial apenas para membros do C|Club, o clube de fidelização da companhia italiana, que vai decorrer a bordo do navio Costa Diadema e que passa pela Terra Santa e Egito.

“Para premiar a fidelidade dos passageiros do Club, a Costa criou um cruzeiro especial com partida no dia 4 de novembro de Barcelona a bordo do Costa Diadema. O itinerário inclui duas semanas para a Terra Santa, para visitar Jerusalém, e para o Egito, além dos mais marcantes destinos na Grécia, Malta e França”, indica a Costa Cruzeiros, num comunicado divulgado esta sexta-feira, 21 de outubro.

Além do itinerário, este cruzeiro destaca-se também pelas atividades e animação que inclui, com destaque para a presença a bordo dos três chefs Michelin Ángel León, Hélène Darroze e Arturo Brachetti, que vão participar em palestras e apresentações gastronómicas durante o cruzeiro, cujo ponto alto será o jantar das “estrelas”, com três menus à escolha confeccionados pelos chefs com pratos inspirados nos destinos visitados.

No cruzeiro participa também Arturo Brachetti, um artista italiano famoso e aclamado em todo o mundo, que é considerado a lenda viva do transformismo, e que vai apresentar “exclusivamente para os membros do Clube uma galeria de personagens de todo o mundo, para uma viagem fantástica”.

A programação também inclui apresentações musicais, como a da mais famosa banda cover dos ABBA, “THE SHOW”, uma homenagem à banda sueca, além de festas temáticas e muitas surpresas para os membros.

Além da gastronomia e entretenimento, o cruzeiro vai também disponibilizar diversas excursões organizadas, “algumas das quais criadas especialmente para o clube de cruzeiros”, segundo a Costa Cruzeiros.

O cruzeiro especial para membros do C|Club está praticamente esgotado, pelo que a companhia decidiu já colocar à venda a versão para 2023, que vai ter partida a 23 de junho, no Costa Favolosa, neste caso, num itinerário pelos fiordes noruegueses.

“A participação no programa apenas para membros, implica o registo no C|Club antes da realização da reserva”, indica a companhia de cruzeiros, explicando que a adesão ao clube e informação atualizada sobre as ofertas, promoções disponíveis, pontuação e nível, podem ser consultadas no site da Costa Cruzeiros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Portos dos Açores integra a CLIA

A Portos dos Açores anunciou que passou a integrar a CLIA – Cruise Lines International Association, considerada a maior associação comercial da indústria de cruzeiros do mundo.

Publituris

Segundo informação avançada em comunicado de imprensa da empresa que gere os portos dos Açores, trata-se da “primeira administração portuária nacional” a integrar esta associação, traduzindo “a crescente relevância que o mercado de turismo de cruzeiros tem assumido no arquipélago”.

A adesão à organização possibilita à entidade gestora portuária “cooperar diretamente, a partir de agora, com os maiores armadores/operadores de cruzeiro do mundo”, realça ainda a empresa, acrescentando que permite também estreitar parcerias e criar dinâmicas com vista à “consolidação do setor na região”.

A Portos dos Açores destaca, segundo notícia veiculada pela Agência Lusa, que uma das prioridades da empresa se tem traduzido na divulgação dos Açores como “local de eleição para os navios de cruzeiros de expedição”, um segmento que “já representa cerca de 46% do total de escalas de navios de cruzeiro no arquipélago”.

“Os visitantes destes navios de pequena dimensão também dinamizam a economia das várias ilhas, das maiores às mais pequenas, o que se traduz na procura por atividades de natureza ou marítimas, interagindo frequentemente com as empresas locais, para assegurar atividades outdoor, nomeadamente visitas, caminhadas, ‘whalewatching’, ‘sportfishing’ e mergulho, entre outras”, assinala a empresa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Cancelamento ou atrasos em voos a partir de Portugal impactam mais de 770 mil passageiros em setembro

Se em Portugal os cancelamentos e atrasos afetaram mais de 770 mil passageiros, em setembro, a nível europeu foram mais de 18 milhões os passageiros impactados.

Victor Jorge

De acordo com os dados mais recentes da AirHelp, dos 1,9 milhões de passageiros que partiram de Portugal, no mês de setembro, 771 mil sofreram algum tipo de perturbação no seu voo, seja cancelamentos ou atrasos.

Os números da organização especializada na defesa dos direitos dos passageiros aéreos, indicam ainda que 84 mil passageiros têm direito a algum tipo de compensação.

A nível europeu, mais de 18 milhões de pessoas viram os seus voos cancelados ou sofreram algum atraso, fazendo com que um milhão de passageiros tenha direito a uma compensação económica, ou seja, 34% do total de passageiros que sofreram perturbações.

Os dados da AirHelp revelam ainda que, apenas no mês de setembro, na Europa, viajaram mais de 53 milhões de pessoas.

A AirHelp recorda que “o verão de 2022 foi intenso no que respeita a perturbações em voos, situação provocada principalmente pelas greves convocadas por trabalhadores do setor aéreo”.

De maio a agosto deste ano, voaram desde Portugal um total de 7,4 milhões de passageiros. Destes, 2,8 milhões viram o seu voo cancelado ou atrasado, fazendo com que 267 mil passageiros ficassem elegíveis na obtenção de uma compensação económica. Ou seja, 38% do total de passageiros que sofreu perturbações nos seus voos têm direito a uma compensação.

Por sua vez, na Europa viajaram 310 milhões de pessoas, dos quais oito milhões podem solicitar uma compensação. “Este é um número elevado mesmo quando comparamos com o mesmo período pré-pandémico (2019) em que o número de afetados ascendeu aos seis milhões de passageiros”, considera Pedro Miguel Madaleno, advogado especialista em direitos dos viajantes.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Ryanair com 10 rotas que ligam Madeira à Europa no próximo Inverno

Nas contas da Ryanair, as duas aeronaves baseadas na Madeira para o Inverno de 2022 representam um investimento de 200 milhões de dólares (cerca de 205 milhões de euros), significando mais de 80 voos semanais e mais de 500 postos de trabalho, incluindo 60 empregos diretos.

Publituris

A Ryanair lançou, recentemente, a sua programação para o Inverno 2022 para a Madeira, anunciando 10 rotas de/para cidades europeias, tais como Bruxelas, Dublin, Londres e Milão.

Segundo a companhia aérea low-cost, “estas [rotas] irão conduzir o turismo durante todo o ano, para a Madeira, melhorando ao mesmo tempo a conectividade da ilha com as rotas domésticas para Lisboa e Porto, ao mesmo tempo que oferece ligações para os residentes madeirenses, com as tarifas mais baixas”.

Nas contas da Ryanair, as duas aeronaves baseadas na Madeira para o Inverno de 2022 representam um investimento de 200 milhões de dólares (cerca de 205 milhões de euros), significando mais de 80 voos semanais e mais de 500 postos de trabalho, incluindo 60 empregos diretos.

De resto, a companhia refere, em comunicado, que a base da Ryanair na Madeira representa um “compromisso em proporcionar tráfego de entrada, turismo e empregos locais durante todo o ano, ao mesmo tempo que melhora a conectividade vital para a economia da ilha”.

Na nota de imprensa pode ler-se ainda que, a fim de fazer crescer o turismo, a Ryanair, “ao contrário dos prestadores de serviços de hospitalidade na Madeira, precisa de certeza nos custos para investir a longo prazo, particularmente numa fase de recuperação pós-covid, pelo que o aumento proposto de 15% das taxas aeroportuárias pela ANA apenas irá danificar e potencialmente inverter o progresso já feito”.

A companhia liderada por Michael O’Leary considera ainda que “o aumento das taxas aeroportuárias resulta em custos de acesso não competitivos às regiões de Portugal, particularmente à ilha da Madeira, quando comparado com outros países europeus que continuam a oferecer incentivos de recuperação”.

Por isso, a Ryanair “apela” à ANA para que “abandone os aumentos propostos e, em vez disso, recompense as companhias aéreas que investem no aumento do número de passageiros com tarifas mais baixas, à semelhança do que a AENA, a Autoridade Aeroportuária Espanhola, fez ao alargar os seus incentivos de recuperação pós-covid para o período de Inverno”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aeroporto de Lisboa
Transportes

easyJet passa a operar no Terminal 1 do aeroporto de Lisboa

A ANA – Aeroportos de Portugal diz que a mudança, que inclui também a passagem da Eurowings e Vueling para o Terminal 2, visa “garantir uma utilização otimizada dos recursos aeroportuários”.

Publituris

A easyJet vai passar a operar no Terminal 1 do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, a partir de 30 de outubro, numa alteração que, segundo a ANA – Aeroportos de Portugal, visa “garantir uma utilização otimizada dos recursos aeroportuários”.

De acordo com a empresa que gere os aeroportos nacionais, esta mudança acontece depois de se terem registado “alterações das quotas de mercado das companhias aéreas” que operam na infraestrutura aeroportuária da capital portuguesa.

Para a easyJet, esta mudança não poderia ser vista com maior entusiasmo, uma vez que, indica a transportadora aérea low cost em comunicado, esta solução vem reforçar a posição da easyJet enquanto “companhia aérea número dois na capital portuguesa” e “oferece a todos os passageiros um maior conforto e torna a experiência de viagem mais fácil e melhor”.

“Estamos bastante satisfeitos e orgulhosos com a passagem da easyJet para o Terminal 1 no Aeroporto de Lisboa, o que significa mais um grande passo para o nosso crescimento sustentado em Portugal, nomeadamente em Lisboa. Esta oportunidade, aliada à nossa recente expansão de operações na capital portuguesa, proporciona uma melhor experiência de viagem, sobretudo para os passageiros que viajam em trabalho e que, por isso, se deslocam com uma maior frequência entre as cidades europeias”, afirma José Lopes, country manager da easyJet Portugal.

Mas, além da passagem da easyJet para o Terminal 1, há mais mudanças previstas no aeroporto de Lisboa a partir de 30 de outubro, uma vez que também a Eurowings e a Vueling mudam de terminal de partida, passando a operar no Terminal 2 do aeroporto lisboeta.

Para mais informações, a ANA – Aeroportos de Portugal pede aos passageiros que contactem a companhia aérea ou consultem o website do aeroporto de Lisboa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Antonoaldo Neves é o novo CEO da Etihad Airways

Depois da saída da TAP, Antonoaldo Neves fundou a P2D Travel, uma start-up no universo das viagens. Agora assume a liderança da Ethiad Airways.

Publituris

O ex-CEO da TAP, Antonoaldo Neves, é o novo CEO da Ethiad Airways, substituindo no cargo Tony Douglas.

Depois de ter liderado a companhia aérea portuguesa, entre 2018 e 2020, Antonoaldo Neves fundou a P2D Travel, redenominada Oner Travel, uma start-up no universo das viagens. Antes da passagem pela TAP, Antonoaldo Neves, de 47 anos, tinha exercido o cargo de CEO da brasileira Azul, de 2014 a 2017.

Agora, o fundo de investimento ADQ, do Abu Dhabi, que se tornou recentemente proprietário do grupo de aviação, por transferência do governo dos Emirados Árabes Unidos, nomeou Antonoaldo Neves que referiu à Reuters “entusiasmado pela nova função” na Etihad, que classifica como uma empresa “globalmente reconhecida na indústria”, mostrando-se ainda confiante em prosseguir na companhia um “caminho de crescimento sustentável”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo SATA melhora resultados comerciais e operacionais no trimestre do verão

As companhias aéreas do Grupo SATA, a Azores Airlines e a SATA Air Açores, apresentaram uma melhoria nos resultados comerciais e operacionais no trimestre do verão, que permitiu uma aproximação aos resultados de 2019.

Publituris

As companhias aéreas do Grupo SATA, a Azores Airlines e a SATA Air Açores, apresentaram uma melhoria nos resultados comerciais e operacionais no trimestre do verão, que permitiu uma aproximação aos resultados de 2019.

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, 19 de outubro, o grupo de aviação açoriano revela que a Azores Airlines obteve um EBITDA (Resultados Antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações) de 18,1 milhões de euros entre julho e setembro, enquanto as receitas chegaram aos 90,2 milhões de euros.

“Estes valores comparam muito favoravelmente com o trimestre equivalente de 2019, ano anterior à pandemia, em que a companhia registou EUR 7,3 milhões de EBITDA com Receitas totais de EUR 64,6 milhões”, indica o Grupo SATA.

Tal como os resultados comerciais, também os resultados operacionais apresentaram uma melhoria, com a companhia aérea do Grupo SATA que realiza voos internacionais a transportar, entre julho e setembro, um total de 421 mil passageiros, o que traduz uma subida de 25,7% face a igual período de 2019, quando a companhia tinha transportado 335 mil passageiros.

“Determinante para o desempenho neste Verão de 2022 foram o desenvolver de uma estratégia comercial de forte proximidade com passageiros e agentes de mercado e um desempenho operacional robusto que possibilitou à Azores Airlines ultrapassar os graves problemas operacionais que marcaram o Verão nos vários aeroportos europeus e americanos”, acrescenta o grupo, revelando que, apesar do contexto difícil, a companhia “conseguiu concretizar a generalidade da sua operação”, apesar da pressão adicional sobre a pontualidade.

O grupo de aviação açoriano diz ainda que os “resultados continuaram a ser fortemente impactados pela conjugação do aumento de preço dos combustíveis com a desvalorização do euro face ao dólar”, uma vez que, até setembro, o preço do combustível subiu 91,4%, para praticamente o dobro face a 2019.

“Nos primeiros nove meses do ano, o custo de combustível representa 36,5% dos custos versus 18,8% em 2019”, refere ainda o Grupo SATA, revelando que, apesar disso, no trimestre do verão, a Azores Airlines registou um resultado liquido de 3,3 milhões de euros.

Tal como a Azores Airlines, também a SATA Air Açores “teve um excelente desempenho neste período”, que foi marcado pelo aumento da mobilidade inter-ilhas, o que “exigiu a introdução de uma nova aeronave Dash Q400 para
responder ao aumento da procura”.

A companhia do Grupo SATA que realiza os voos entre as ilhas do arquipélago registou, no trimestre do verão, um EBITDA de 5,8 milhões de euros, valor que compara com os 2,9 milhões de euros apurados em igual período de 2019.

Já as receitas da SATA Air Açores chegaram aos 31,2 milhões de euros, valor que traduz uma forte melhoria face aos 22,5 milhões de euros apurados no mesmo período de 2019.

A nível operacional, também se registaram melhorias na SATA Air Açores, que transportou 336 mil passageiros no trimestre do verão, mais 19,0% do que os 283 mil transportados em período homólogo de 2019.

Apesar de menos exposta à questão do preço do combustível, também na SATA Air Açores o custo desta rubrica subiu e chegou aos 8,2 milhões de euros entre julho e setembro, o que representa “o dobro dos 4,1 milhões de euros em 2019”. Já o resultado liquido do trimestre de verão foi contabilizado em 3,9 milhões de euros.

Na informação divulgada, o Grupo SATA diz ainda que, este ano, o principal desafio prende-se “com a tesouraria da operação”, uma vez que o elevado preço do combustível, aliado ao enfraquecimento do euro, à ausência de compensação nas Obrigações de Serviço Público para o Continente e aos elevados encargos da divida histórica, “condicionam continuamente a atividade, absorvendo uma parte desproporcional dos recursos libertos”.

Ainda assim, o grupo de aviação açoriano considera que, a concretizarem-se as reservas de tráfego, e consequente receita no último trimestre do ano, “ambas as companhias aéreas devem registar o melhor ano de sempre nestas rubricas, bem como uma melhoria de Resultados Operacionais face a 2019”.

“No global, apesar dos fatores adversos, a recuperação da SATA está em linha
com o traçado no Plano de Restruturação aprovado pela Comissão Europeia”, acrescenta o grupo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

MSC Opera

Transportes

MSC Opera vai servir de hotel durante Mundial do Qatar

O MSC Opera vai estar atracado no porto de Doha, capital do Qatar, entre 19 de novembro e 19 de dezembro, juntando-se ao MSC World Europa e ao MSC Poesia durante este período.

Publituris

A MSC Cruzeiros vai colocar o MSC Opera em Doha, no Qatar, durante a realização do Mundial de Futebol de 2022, que vai decorrer neste país do Médio Oriente em novembro e dezembro, servindo como um navio-hotel para alojar os fãs do futebol durante a competição futebolística.

“O navio ficará atracado no porto de 19 de novembro a 19 de dezembro e juntar-se-á ao MSC World Europa e ao MSC Poesia durante este período”, revela a companhia de cruzeiros, num comunicado divulgado esta quarta-feira, 19 de outubro.

O navio vai estar disponível para estadias com um mínimo de duas noites e as reservas já podem ser realizadas, através das agências de viagens ou do site da companhia de cruzeiros, em www.msccruzeiros.pt.

A MSC Cruzeiros sublinha que o MSC Operaoferece um conforto e uma hospitalidade única com uma grande variedade de lounges e locais de entretenimento”, com destaque para o La Cabala Piano Lounge, o Teatro dell` Opera para entretenimento noturno, uma grande variedade de restaurantes, spa, ginásio, assim como piscinas e banheiras de hidromassagem localizadas ao longo dos nove decks do navio.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

LATAM Boeing 787-9 Dreamliner photographed on May 13, 2016 from Wolfe Air Aviation Learjet 25B.

Transportes

CEO da LATAM admite que recuperação demorará mais dois anos

O CEO da LATAM considera que “um dólar forte, custos altos com os combustíveis e a contínua falta de apoio financeiro por parte dos governos” farão com que a recuperação só se dará em 2024.

Publituris

Durante o ALTA Airline Leaders Forum, organizado em Buenos Aires, na Argentina, Roberto Alvo, CEO da LATAM Airlines, admitiu que a companhia demorará mais dois anos para atingir a “normalidade total”.

“As pressões que a indústria tem de suportar ainda não se recuperam totalmente e isso significa que a indústria ainda não deixou a grande crise para trás”, referiu o responsável.

As pressões indicadas por Roberto Alvo incluem “um dólar forte, custos altos com os combustíveis e a contínua falta de apoio financeiro por parte dos governos”. Assim, além do custo financeiro que muitas companhias aéreas latino-americanas sofreram durante a pandemia, Alvo espera “normalidade total” para o setor até o final de 2024.

Este regresso à “normalidade”, no entanto, “não significa que os viajantes não retornarão mais cedo”, considerou Alvo, prevendo que a recuperação total do tráfego aéreo de passageiros aconteça até ao final do próximo ano.

De referir que, em agosto, dados da IATA mostraram que o tráfego de passageiros na América Latina recuperou para quase 90% dos níveis de 2019, tornando a América Latina o mercado de viagens aéreas com maior recuperação – em termos de tráfego de passageiros – do mundo, à frente da América do Norte, que representava 89% do tráfego pré-pandemia.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

NAV Portugal garante que novo sistema de gestão de tráfego aéreo vai permitir operação “mais eficiente e sustentável”

Segundo a empresa que gere o tráfego aéreo nacional, este sistema permite melhorar a “capacidade para otimizar rotas e a prazo recuperar atrasos, e assim contribuir para poupar combustível e reduzir a pegada de carbono”.

Publituris

A NAV Portugal está a mudar para o TOPSKY, novo sistema de gestão de tráfego aéreo que, segundo a empresa, vai permitir “uma operação mais eficiente e sustentável”.

“Hoje migrámos para um novo sistema de gestão de tráfego aéreo: o inovador TOPSKY vai reforçar ainda mais o nosso impacto para um mundo mais eficiente e sustentável. Permite-nos reforçar a segurança da nossa atividade, com mais tecnologia que suporta a nossa equipa para melhores e mais rápidas decisões”, indica a NAV Portugal.

De acordo com a empresa que gere o tráfego aéreo nacional, este sistema vai também permitir melhorar a “capacidade para otimizar rotas e a prazo recuperar atrasos, e assim contribuir para poupar combustível e reduzir a pegada de carbono”.

A NAV Portugal diz que a migração para o TOPSKY foi “árdua e trabalhosa”, tendo sido preparada ao longo de dois anos, num trabalho que nem o contexto pandémico parou.

Apesar do trabalho árduo, a NAV Portugal diz estar agora melhor preparada e disponível para “o crescimento incessante do tráfego aéreo, os desafios tecnológicos do Céu Único Europeu e o mundo em constante mudança”.

A empresa que gere o tráfego aéreo nacional garante ainda que tudo vai fazer para “minimizar qualquer perturbação que esta necessária transição possa causar”, ainda que esteja previsto um alargamento temporário do horário noturno nos aeroportos do continente e da Madeira, até às 02h00 e a partir das 05h00, de forma a “garantir todos os requisitos de segurança”.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.