Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

Certificado de vacinação deixa de ser exigido em hotéis e restaurantes mas mantém-se no controlo de fronteiras

O Conselho de Ministros aprovou também o fim do confinamento de contactos de risco, da recomendação de teletrabalho, dos limites de lotação e do teste negativo para acesso a eventos, recintos desportivos e bares e discotecas.

Publituris
Destinos

Certificado de vacinação deixa de ser exigido em hotéis e restaurantes mas mantém-se no controlo de fronteiras

O Conselho de Ministros aprovou também o fim do confinamento de contactos de risco, da recomendação de teletrabalho, dos limites de lotação e do teste negativo para acesso a eventos, recintos desportivos e bares e discotecas.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Sierra e PGIM anunciam joint venture em hotelaria com um hotel no Porto
Hotelaria
Bestravel promove Dubai e Tailândia com campanha “Viva o melhor dos dois mundos”
Distribuição
easyJet recebe mais um avião A321neo
Aviação
Turismo de Portugal, CMVM e IAPMEI assinam protocolo de colaboração
Turismo
Egotravel lança promoção especial para Agadir e Al Hoceima
Distribuição
Turismo de Saúde gera receitas de 2,3 mil milhões de dólares na Turquia em 2023
Destinos
Teresa Gonçalves demite-se da presidência da SATA
Transportes
“Temos trabalhado muito para dinamizar e dar a conhecer a SATA na América do Norte”
Transportes
Turkish Airlines fecha 2023 com recorde de 83,4 milhões de passageiros transportados
Aviação
Companhias da Norwegian Cruise Line Holdings ganham oito novos navios até 2036
Transportes

O Governo aprovou esta quinta-feira, 17 de fevereiro, em Conselho de Ministros, o fim da exigência de apresentação do certificado de vacinação para acesso a estabelecimentos de alojamento turístico e restauração, mas decidiu manter a sua apresentação no controlo de fronteiras.

De acordo com o comunicado do Conselho de Ministros e que foi divulgado esta quinta-feira à tarde, o país passa da situação de calamidade para alerta, que vai vigorar até às 23h59 do próximo dia 7 de março, mudança que levou também à aprovação de um decreto-lei que “altera as medidas aplicáveis no âmbito da pandemia da doença COVID-19”.

Além do fim da exigência do certificado de vacinação, “salvo no controlo de fronteiras”, o decreto-lei vem também eliminar o confinamento de contactos de risco, a recomendação do teletrabalho e os limites de lotação em estabelecimentos, equipamentos e outros locais abertos ao público, deixando também de existir “a exigência de teste com resultado negativo para acesso a grandes eventos, recintos desportivos, bares e discotecas”.
Os testes negativos continuam, no entanto, a ser necessários para visitas a lares e visitas a pacientes internados em estabelecimentos de prestação de cuidados de saúde, com exceção dos “portadores de certificado de recuperação ou de certificado de vacinação completa com dose de reforço”.
A utilização de máscara facial também continua a ser obrigatória nos espaços interiores, tal como acontece atualmente.
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Sierra e PGIM anunciam joint venture em hotelaria com um hotel no Porto
Hotelaria
Bestravel promove Dubai e Tailândia com campanha “Viva o melhor dos dois mundos”
Distribuição
easyJet recebe mais um avião A321neo
Aviação
Turismo de Portugal, CMVM e IAPMEI assinam protocolo de colaboração
Turismo
Egotravel lança promoção especial para Agadir e Al Hoceima
Distribuição
Turismo de Saúde gera receitas de 2,3 mil milhões de dólares na Turquia em 2023
Destinos
Teresa Gonçalves demite-se da presidência da SATA
Transportes
“Temos trabalhado muito para dinamizar e dar a conhecer a SATA na América do Norte”
Transportes
Turkish Airlines fecha 2023 com recorde de 83,4 milhões de passageiros transportados
Aviação
Companhias da Norwegian Cruise Line Holdings ganham oito novos navios até 2036
Transportes
PUB
Destinos

Turismo de Saúde gera receitas de 2,3 mil milhões de dólares na Turquia em 2023

As receitas provenientes do Turismo de Saúde na Turquia, que é atualmente considerada o sétimo destino do mundo para este tipo de turismo, subiram cerca de 400 milhões de euros de 2022 para 2023.

Publituris

A Turquia obteve receitas de 2,3 mil milhões de dólares com o Turismo de Saúde no ano passado, valor que subiu cerca de 400 milhões de euros desde 2022, quando este valor era de 1,9 mil milhões de dólares, avança o Ministério do Comércio da Turquia, citado pela imprensa turca.

A Turquia, que é atualmente considerada o sétimo destino do mundo para Turismo de Saúde e Médico, recebeu, no ano passado, um total de 1,4 milhões de turistas que visitaram o país com esta motivação, um número que também aumentou face aos 1,26 milhões de turistas que tinham visitado o país devido ao Turismo de Saúde em 2022.

A maior parte dos clientes do Turismo de Saúde na Turquia é proveniente de países do Médio Oriente, assim como da Alemanha, Reino Unido, Rússia, Azerbaijão, Cazaquistão, Turquemenistão, Uzbequistão e Afeganistão.

Recorde-se que as receitas provenientes do Turismo de Saúde na Turquia têm vindo a subir ano após ano e ultrapassaram, pela primeira vez, a marca dos mil milhões de dólares em 2019, quando somaram 1,5 mil milhões de dólares.

Além  do Turismo de Saúde, também as receitas globais provenientes da atividade turística têm vindo a subir na Turquia e, em 2023, atingiram os 54 mil milhões de dólares, num crescimento de perto de 17% face ao ano anterior.

A contribuir para o aumento das receitas turísticas na Turquia estiveram os turistas estrangeiros, que aumentaram 10.4% no ano passado, atingindo os 49,2 milhões, sendo que, se forem incluídas as visitas de cidadãos turcos que vivem fora do país, as entradas na Turquia chegaram aos 57 milhões no ano passado.

Atualmente, a Turquia conta com 175 instituições que oferecem serviços de saúde, incluindo mais de 40 com reconhecida acreditação internacional.

 

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Escolas do Turismo de Portugal abrem candidaturas até 16 de julho

As candidaturas exclusivas para alunos nacionais e residentes na UE que queiram frequentar cursos nas Escolas do Turismo de Portugal já se encontram a decorrer e vão estar abertas até 16 de julho.

Publituris

As candidaturas exclusivas para alunos nacionais e residentes na UE que queiram frequentar cursos nas Escolas do Turismo de Portugal já se encontram a decorrer e vão estar abertas até 16 de julho, avança o Turismo de Portugal.

Numa nota divulgada no seu website, o Turismo de Portugal indica que as candidaturas encontram-se abertas para Cursos de Especialização Tecnológica (CET), de nível cinco, assim como para Cursos de Dupla Certificação on-the-job e ainda para Cursos Profissionais, de nível 4.

As candidaturas aplicam-se a estudantes que sejam cidadãos da União Europeia ou que não tenham cidadania europeia mas sejam residentes em Portugal e detentores de autorização de residência em território nacional.

O processo de candidatura decorre online e pode ser realizada aqui, através do website das próprias escolas, devendo o candidato selecionar o curso e a escola a que se pretende candidatar.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Curral das Freiras ganha teleférico com o 2.º maior vão suspenso do mundo

O novo teleférico de Curral das Freiras, que oferece 3070 metros de percurso e um desnível de 230 metros, vai contar com o segundo maior vão suspenso do mundo, num investimento 100% privado, que chega aos 47 milhões de euros.

Publituris

O Curral das Freiras, no concelho de Câmara de Lobos, na Madeira, vai ganhar uma nova atração turística, uma vez que está a assistir à construção de um teleférico que vai contar com o segundo maior vão suspenso do mundo, num investimento 100% privado, que chega aos 47 milhões de euros.

“Este projeto inédito e pioneiro é estruturante para o turismo da Madeira e, em particular, para o desenvolvimento do Curral das Freiras, devido ao impacto direto na criação de emprego e no comércio local”, afirma Nuno Freiras, CEO do Madeira SkyPark Adventure.

Este teleférico, que vai contar com 3070 metros de percurso e um desnível de 230 metros, vai trazer benefícios económicos à Madeira superiores a “400 milhões de euros”, fruto do pagamento das rendas da concessão, assim como a receita fiscal, estima Nuno Freiras.

Devido ao projeto do teleférico, a Madeira SkyPark Adventure vai criar, logo à partida, 40 postos de trabalho diretos, além dos muitos indiretos, num projeto que assume um forte compromisso com a comunidade local, uma vez que vai “promover a cultura e o património locais e desenvolver as infraestruturas do ponto de vista da água e energia, com o reforço da capacidade na respetiva zona”.

“Do ponto de vista ambiental, todo o projeto será desenvolvido segundo as melhores práticas e políticas internacionais de ESG (ambiente, social e governance), nomeadamente as definidas pelo Banco Mundial, estando enquadrado por um estudo de impacto ambiental, que esteve em consulta pública e que concluiu não haver impactos associados”, refere o Madeira SkyPark Adventure, no comunicado divulgado esta segunda-feira, 8 de abril. 

O projeto envolve a colocação de dois teleféricos em Curral das Freiras, ambos com duas cabinas em sistema de vai-vem, um dos quais ligando o centro do Curral das Freiras ao Miradouros do Paredão, num percurso de 1012 metros de comprimento e um desnível de 789 metros, enquanto o outro teleférico vai ligar o Miradouro do Paredão à Boca da Corrida, numa distância de 3070 metros e um desnível de 230 metros. No primeiro teleférico, as cabines vão ter capacidade para transportar 15 pessoas, enquanto no segundo podem transportar até 50 pessoas.

O teleférico que vai ligar o Miradouro do Paredão à Boca da Corrida é o que vai contar com “o segundo maior vão suspenso do mundo, só superado pelo teleférico de Zugspitz na Alemanha, construído pela Doppelmayr, que é também a empresa responsável pela execução do projecto dos teleféricos do Curral das Freiras”.

Além dos dois teleféricos, o projeto contempla ainda um Centro de Interpretação da Natureza, que vai ser implementado em parceria com a Secretaria regional da Agricultura e Ambiente da Madeira, bem como um Parque Aventura para atividades radicais, complementado com um Zip Line (slide), num percurso de 2300 metros até ao Curral das Freiras, que será “o mais longo da Europa e o segundo mais longo do mundo, apenas superado pelo existente nos Emirados”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Curated Porto lança roteiros turísticos que integram projetos artísticos e criativos

A Câmara Municipal do Porto explica que o projeto Curated Porto “integra, numa primeira fase, 13 projetos de artesãos, artistas e novos criativos” e foca-se nos oito quarteirões turísticos da cidade, que foram recentemente apresentados pela autarquia.

Publituris

A Câmara Municipal do Porto vai lançar terça-feira, 9 de abril, no Museu Nacional Soares dos Reis, a partir das 9h15, o projeto Curated Porto, que visa a integração de projetos artísticos e criativos locais nos roteiros turísticos da cidade.

Num comunicado enviado à imprensa, a autarquia portuense explica que o projeto Curated Porto “integra, numa primeira fase, 13 projetos de artesãos, artistas e novos criativos, que se destacam pela criatividade, inovação, sustentabilidade e diversidade cultural” e foca-se nos oito quarteirões turísticos do Porto, que foram recentemente apresentados pela autarquia.

“Para a seleção dos projetos foi lançada uma call aberta que considerou diferentes áreas de criatividade, bem como a necessidade de os espaços e ateliers estarem abertos ao público. Além disso, definiu-se como condição a implantação dos negócios em diferentes quarteirões da cidade, tendo sido privilegiados aqueles que se encontram fora do circuito da Baixa e Centro Histórico do Porto”, acrescenta uma nota informativa divulgada pela Câmara Municipal do Porto.

Para Catarina Santos Cunha, vereadora de Turismo da Câmara Municipal do Porto, este projeto visa dar “resposta à crescente procura por experiências turísticas autênticas, responsáveis e diferenciadoras”, uma vez que a “organização de roteiros que contemplam esta oferta pretende não só responder a novas exigências de residentes e visitantes, mas também contribuir para o desenvolvimento da cidade através de um turismo mais consciente”.

A sessão de apresentação do projeto Curated Porto tem entrada livre mas requer inscrição prévia, que pode ser realizada aqui, e vai contar uma mostra dos 13 projetos abrangidos nesta fase, além de uma experiência gastronómica a cargo do chef Pedro Braga.

A apresentação vai contar ainda com um debate, pelas 11h15, sobre o tema “A Importância cultural e artística do projeto Curated Porto para a promoção da cidade enquanto destino criativo”, no qual está prevista a participação de Catarina Santos Cunha, vereadora do Turismo da Câmara Municipal do Porto.

Durante a tarde, está ainda agendada uma conferência que versará sobre a influência do Turismo Criativo para a dinamização da economia local, o desenvolvimento sustentável e a captação de novos segmentos.

O projeto é apoiado pelo Turismo de Portugal e conta com uma parceria com o podcast Portugal Manual para o lançamento de um episódio por semana, com cada um dos 13 artistas envolvidos no programa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo representará 11,4% da economia global em 2034

De acordo com as contas feitas pelo WTTC, o impacto do turismo no PIB global deverá ultrapassar os 10 biliões de euros em 2024. Dentro de 10 anos o peso deverá aumentar para 15 biliões de euros.

Victor Jorge

O World Travel & Tourism Council (WTTC) prevê um ano recorde para o turismo em 2024, com a contribuição económica global do setor a atingir um máximo histórico de 11,1 triliões de dólares (cerca de 10,2 biliões de euros), avança o Economic Impact Research (EIR) do organismo, indicando ainda que que as viagens e turismo contribuirão com mais 770 mil milhões de dólares (perto de 710 mil milhões de euros) em relação ao seu recorde anterior, reforçando a sua autoridade como uma potência económica global, gerando um em cada 10 dólares em todo o mundo.

À medida que o setor global ultrapassa a sua prosperidade pré-pandémica, o WTTC espera que 142 dos 185 países analisados ultrapassem os anteriores recordes nacionais.

Em parceria com a Oxford Economic, o mais recente EIR do WTTC mostra um setor repleto de oportunidades, que sustenta quase 348 milhões de empregos a nível mundial, representando um aumento de mais de 13,6 milhões de empregos em comparação com seu ponto mais alto em 2019.

Segundo a análise, os gastos dos visitantes internacionais aproximam-se do pico de 2019, atingindo 1,89 triliões de dólares (cerca de 1,7 biliões de euros), enquanto os turistas domésticos devem gastar mais do que em qualquer ano já registado, atingindo 5,4 triliões de dólares, ou seja, quase 5 biliões de euros.

Uma recuperação (in)esperada e rápida
“Apesar das incertezas económicas e dos abalos geopolíticos, o setor do turismo está a prosperar, tendo sido injetados quase 10 triliões de dólares (mais de 9,2 biliões de euros), igualando o máximo pré-pandémico, mostrando a sua resiliência e provando o seu papel fundamental na economia global”, refere o WTTC.

Representando 9,1% do PIB global, o equivalente a pouco mais de 9,9 triliões de dólares (cerca de 9,1 biliões de euros), em 2023, o peso do turismo foi o maior desde 2019, ficando apenas 4% atrás do registo desse ano.

O setor também reforçou a sua força de trabalho em mais 27,4 milhões de pessoas, elevando o total para quase 330 milhões de empregos em todo o mundo.

As despesas internacionais aumentaram 33,1%, atingindo 1,63 triliões de dólares (cerca de 1,5 biliões de euros), acentuando a recuperação para muitos países em todo o mundo, com as despesas domésticas a aumentarem mais de 18%, atingindo quase 5 triliões de dólares (mais de 4,6 biliões de euros).

E se 2023 foi um ano de transição, 2024 parece vir a ser um ano de confirmação, indicando o WTTC que este crescimento ocorre apesar de dois dos maiores mercados de turismo do mundo estarem a ficar para trás em termos de gastos de visitantes internacionais, com os EUA e a China a registarem um retorno muito mais lento dos gastos de turistas internacionais.

No ano passado, nos EUA, os gastos dos visitantes internacionais permaneceram mais de um quarto abaixo do pico de 2019, enquanto os gastos dos visitantes da China permaneceram quase 60% abaixo.

Julia Simpson, presidente e CEO do WTTC, salienta que, “embora exista o pano de fundo da incerteza, o setor das viagens e turismo continua a ser uma potência económica global”.

“Não se trata apenas de bater recordes, já não estamos a falar de uma recuperação – esta é uma história em que o setor está de volta ao seu melhor após alguns anos difíceis, proporcionando um impulso económico significativo a países de todo o mundo e apoiando milhões de empregos”, refere ainda Julia Simpson.

Contudo, a responsável máximo pelo WTTC admite que “há um risco: precisamos que os governos dos EUA e da China apoiem os seus setores nacionais das viagens e turismo. Os EUA e a China continuarão a sofrer, enquanto outros países estão a assistir a um regresso muito mais rápido dos visitantes internacionais”, termina.

Uma década de crescimento
Olhando para a frente, o WTTC prevê um futuro promissor para a próxima década, caracterizado por um crescimento robusto e oportunidades de carreira sem paralelo.

Até 2034, o setor irá impulsionar a economia global com uns impressionantes 16 triliões de dólares (perto de 15 biliões de euros), representando 11,4% de todo o panorama económico mundial.

Além do impulso económico, a indústria das viagens e turismo está também destinada a contribuir fortemente para a criação de emprego, dando emprego a 449 milhões de pessoas em todo o mundo. Cerca de 12,2% da força de trabalho estará ao serviço deste setor.

As contas do Economic Impact Research (EIR) do WTTC revelam ainda que mais de três quartos dos países analisados deverão ultrapassar o ponto alto de 2019, em termos de contribuição para o PIB.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Alojamento

Portugal acompanha crescimento das reservas feitas nas plataformas online de alojamento e é 5.º em 2023

De acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Eurostat, as plataformas online de reservas de alojamento foram responsáveis por mais de 678 milhões de noites, em 2023. Portugal aparece em 5.º lugar, com mais de 37,5 milhões de reservas.

Victor Jorge

Das 678,6 milhões de noites reservadas em plataformas online de alojamento como, por exemplo, a Airbnb, Booking, Expedia ou TripAdvisor, Portugal apresenta 37,5 milhões de reservas, no ano 2023, segundo os números apresentados pelo Eurostat, o que significa mais cerca de 4,3 milhões face às 33,2 milhões de noites de 2022.

Com os dados referentes ao quarto trimestre de 2023 (outubro, novembro e dezembro) ainda não disponibilizados pelo Eurostat, nos primeiros nove meses de 2023 Portugal surge com 30,5 milhões de noites reservadas, com 27,2 milhões no continente, pouco mais de 1,1 milhão nos Açores e 2,2 milhões na Madeira.

No continente, e no acumulado dos primeiros nove meses de 2023, a Área Metropolitana de Lisboa (AML) aparece em primeiro lugar, com perto de 9 milhões de noites reservadas em alojamento realizadas em plataformas online, seguindo-se o Algarve com 8,6 milhões, o Norte com 6,5 milhões, o Centro com 2,3 milhões, finalmente, o Alentejo com pouco mais de 744 mil.

Recorde-se que, em 2022, Portugal registou 33,2 milhões de noites reservadas nestas plataformas, sendo que em Portugal Continental se registaram 29,8 milhões de reservas, na Madeira 2,3 milhões e nos Açores quase 1,1 milhões.

Por regiões, em 2002, Lisboa surgia na liderança com 10,1 milhões, seguindo-se o Algarve com 9,1 milhões, o Norte com 7,2 milhões, o Centro com 2,6 milhões, e o Alentejo com pouco mais de 811 mil.

Contas feitas às reservas efetuadas por residente e não residentes, a balança cai, claramente, para os não residentes que realizaram perto de 33 milhões de reservas, em 2023, com os residentes a ficar com a menor fatia, pouco mais de 4,9 milhões.

O mês mais forte para estas reservas em Portugal é agosto, mês em que, em 2023, se registaram mais de 6,4 milhões de reservas, seguindo-se o mês de julho com 5,7 milhões, setembro com 4,1 milhões, junho com 3,5 milhões. O mês mais fraco aparenta ser janeiro com pouco mais de 1,3 milhões de reservas.

Portugal acompanha crescimento
Como já referido, na Europa as reservas efetuadas em plataformas online de alojamento somaram 678,6 milhões de noites, representando um aumento de 13,8% face às 596,5 milhões de 2022.

Os valores mensais das estadias reservadas através destas plataformas excederam o ano anterior em 11 dos 12 meses, com o último trimestre de 2023 a registar aumentos superiores a 20%. Concretamente, em outubro, registaram-se 55,3 milhões de dormidas em alojamentos reservados através de plataformas online, mais 21,9% do que em outubro de 2022. Em novembro, registaram-se 31,8 milhões de dormidas (+20,0% em relação a novembro de 2022), e em dezembro 45,3 milhões (+25,8% em relação a dezembro de 2022).

Entre os países com mais reservas neste tipo de plataformas, em 2023, a liderança pertence à França com mais de 152 milhões de reservas, seguindo-se a Espanha com 132 milhões, Itália com pouco mais de 100 milhões, Alemanha com 46 milhões, aparecendo Portugal em 5.º lugar.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Destinos

Capital da Lituânia lança nova campanha turística e recorre ao humor para desmontar estereótipos

A nova campanha turística é dirigida aos visitantes britânicos e alemães, e pretende mudar a opinião da Europa Ocidental sobre a capital da Lituânia, país que continua a ser visto como “pobre” e “fortemente associado à Rússia”.

Publituris

A cidade de Vilnius, capital da Lituânia, lançou uma nova campanha de promoção do turismo, denominada “Expectativas vs. Realidade.”, que recorre ao humor para desmontar estereótipos que os turistas internacionais possam ter sobre esta cidade da Europa de Leste.

“A nova campanha turística dirigida aos visitantes britânicos e alemães pretende mudar a opinião da Europa Ocidental sobre Vilnius”, indica em comunicado a Go Vilnius, agência de desenvolvimento turístico da capital lituana, explicando que a ideia é “gozar com os estereótipos que os estrangeiros têm frequentemente sobre a cidade”.

De acordo com a informação divulgada, a ideia surgiu depois de uma pesquisa mostrar que, apesar de até conhecerem a cidade pelo nome, os turistas provenientes de países com o Reino Unido ou a Alemanha criaram vários estereótipos relativamente a Vilnius, o que deriva, em grande parte, da Lituânia ter feito parte, no passado, a União Soviética.

“Tanto a capital como o país sofrem de estereótipos que derivam da época da Guerra Fria e que afetam a região da Europa Central e Oriental, que se libertaram da União Soviética”, acrescenta a Go Vilnius, sublinhando que muitos destes turistas julgam que a Lituânia é “um país pobre” e “atrasado”.

Outra pesquisa mostrou também que 10% dos cidadãos do Reino Unido e da Alemanha acreditam que a Lituânia ainda está “fortemente associada à Rússia” e outros tantos não sabem onde se localiza o país.

A ajudar ao fraco conhecimento que os turistas internacionais têm do país estão ainda as redes sociais que, segundo a Go Vilnius, transmitem ideias estereotipadas sobre os países da Europa de Leste, levando os utilizadores a pensar que estes destinos estão repletos de “vodka, batatas, céu cinzento e uma população hostil”.

No entanto, a Go Vilnius também apurou que, entre os britânicos e alemães que já visitaram a capital da Lituânia, 59% dizem querer regressar, pelo que, considera a agência de promoção e desenvolvimento turístico, por vezes é até positivo que os turistas tenham baixas expectativas quando visitam um destino.

“As baixas expectativas dos visitantes são rapidamente destruídas ao verem o quanto a Lituânia difere do rótulo negativo da Europa de Leste”, destaca a Go Vilnius, na informação divulgada.

A Go Vilnius lembra ainda que a Lituânia foi recentemente eleita como o país mais feliz do mundo para pessoas com menos de 30 anos, segundo o último Relatório Mundial sobre a Felicidade, tendo sido também considerada, em 2020, o primeiro país da UE em termos de crescimento real do PIB per capita e a 12ª economia mais livre do mundo. A nível geopolítico, a Lituânia é membro da NATO e da UE há 20 anos e aderiu à OCDE em 2018.

Por isso, esta campanha assenta num vídeo promocional que retrata justamente os estereótipos em relação à Europa de Leste e apresenta imagens repletas “de edifícios da era soviética, bêbados desfilando nas ruas, ladrões e vendedores obscuros – enquanto o narrador, satiricamente, descreve a cidade como uma pérola do Leste Europeu e um paraíso para fotógrafos”.

Na segunda parte do vídeo, Vilnius apostou em contradizer os estereótipos, mostrando que, na cidade, “a arquitetura e as ruas são coloridas em vez de cinza monocromáticas, que as delícias gastronómicas rivalizam com as melhores cozinhas da Europa e que existem inúmeras atividades internas e externas que reúnem multidões”.

“As imagens dos cartazes mostram contrastes nítidos entre as expectativas e a realidade, e exortam os transeuntes a estarem abertos a mudarem de ideia sobre Vilnius”, explica a Go Vilnius.

Segundo Dovilė Aleksandravičienė, CEO da Go Vilnius, esta é uma campanha de promoção turística “atípica”, uma vez que “nenhuma agência de turismo anunciaria um destino de forma satírica se estivesse próximo da realidade”.

“Quando questionados sobre Vilnius, muitos residentes internacionais não conhecem a cidade ou sabem muito pouco sobre ela. É normal que a nossa percepção dos lugares seja afetada pelo que é divulgado nos media e na cultura pop. Sejamos justos, a Europa Oriental tem muitos estereótipos provocados pelas dificuldades dos acontecimentos geopolíticos do século XX”, refere o responsável.

O objetivo desta campanha, acrescenta Dovilė Aleksandravičienė, é justamente o de “despertar o desejo das pessoas de verem como é a realidade” em Vilnius, uma vez que, “tal como a Lituânia, Vilnius apresenta uma realidade chocante para os visitantes, com a sua vibrante vida cultural, gastronómica e artística, o próspero ecossistema de startups, os empreendimentos empresariais internacionais e uma educação de alta qualidade”.

O vídeo promocional da nova campanha de promoção turística de Vilnius pode ser visualizado aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Abu Dhabi revela Estratégia de Turismo 2030

Departamento de Cultura e Turismo – Abu Dhabi revela Estratégia de Turismo 2030, que visa atrair mais de 39 milhões de visitantes e contribuir com 90 mil milhões de dirhams (Dhs) para o PIB dos Emirados Árabes Unidos (EAU).

Publituris

Abu Dhabi, conhecida pela sua jornada transformadora no setor do turismo, embarca numa nova era de expansão e desenvolvimento estratégico com a revelação da sua Estratégia de Turismo 2030. Aprovada por Sua Alteza Xeque Khaled bin Mohamed bin Zayed Al Nahyan, Príncipe Herdeiro de Abu Dhabi e Presidente do Conselho Executivo de Abu Dhabi, este plano ambicioso prepara o terreno para um progresso notável no panorama turístico do Emirado.

A nova estratégia estabelece objetivos ousados para elevar a posição global de Abu Dhabi como um destino privilegiado. Até 2030, o Emirado pretende atrair uns impressionantes 39,3 milhões de visitantes anualmente, e aumentar a contribuição do setor do turismo para o PIB para 90 mil milhões de  dirhams. O objetivo passa igualmente por gerar cerca de 178 mil novos empregos até 2030, à medida que toda a infraestrutura turística se desenvolve para satisfazer esta procura, expandir a disponibilidade de quartos de hotel de 34 mil em 2023 para 52 mil até 2030, e melhorar ainda mais o segmento de casas de férias para diversificar as opções de alojamento.

No centro da Estratégia de Turismo 2030 estão quatro pilares: Oferta e ativação da cidade, melhorando o calendário de eventos com atrações durante todo o ano, incluindo concertos, festivais e eventos familiares; Promoção e Marketing, expandindo o alcance internacional de 11 para 26 mercados e promovendo colaborações mais estreitas dentro do ecossistema turístico de Abu Dhabi; Infraestrutura e mobilidade, com o aumento da disponibilidade de quartos, capacidade de assentos nos voos e conectividade dentro do emirado; Visto, Licenciamento e Regulamentação, através da simplificação de processos para pedidos de vistos e autorizações para facilitar operações mais tranquilas para visitantes e empresas de turismo.

O impulso gerado em 2023 serve como uma prova do potencial turístico de Abu Dhabi. O ano passado, o setor do turismo registou um aumento notável, recebendo quase 24 milhões de visitantes. O aumento de 27% no número de hóspedes de hotéis e de 54% no número de hóspedes internacionais impulsionou a economia com uma contribuição aproximada de 49 mil milhões de Dhs para o PIB dos EAU.

SE Mohamed Khalifa Al Mubarak destacou que a Estratégia de Turismo 2030 “marca um momento crucial na jornada transformadora de Abu Dhabi, representando uma alavanca vital na nossa evolução contínua”. Apresentada em conjunto com os principais parceiros, a estratégia, conforme disse, “sublinha o nosso compromisso constante em promover o crescimento sustentável e o desenvolvimento estratégico no setor das viagens e do turismo”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Conteúdos turísticos preferidos dos portugueses nas redes sociais estão a Norte, Açores e Alentejo

Com as redes sociais a revelarem-se cada vez mais como plataformas onde os turistas procuram conteúdos, o recente estudo da Marktest destaca, em Portugal, o Norte, Açores e Alentejo, sendo que a nível internacional a Europa Ocidental é a mais pesquisada.

Publituris

De acordo com um estudo produzido pela Marktest – “Turismo e Redes Sociais” – o Norte de Portugal é a zona do país sobre a qual os portugueses mais gostam de ver conteúdos turísticos nas redes sociais, com a região a ser identificada por 67,5% dos utilizadores de redes sociais com idade entre os 25 e os 64 anos.

Nas posições seguintes deste ranking de conteúdos turísticos regionais preferidos pelos portugueses nas redes sociais surgem o arquipélago dos Açores, indicado por 61% dos inquiridos, e a região do Alentejo, apontada por 57% dos portugueses com redes sociais.

Fora do país, a Europa Ocidental é, com larga distância, a zona do globo sobre a qual os portugueses mais gostam de ver conteúdos turísticos, com mais de dois terços de referências entre os inquiridos neste estudo.

A América do Sul é a segunda zona mais indicada pelos inquiridos, somando perto de 45% de menções, ficando o pódio de conteúdos turísticos internacionais preferidos pelos portugueses nas redes sociais completo com a Ásia e a América do Norte, ex aqueo.

Além dos conteúdos produzidos pelas próprias regiões para se promoverem como destino turístico, o estudo procurou também perceber qual o grau de agrado dos utilizadores de redes sociais sobre conteúdos que a sua rede de amigos ou contactos partilha nas redes sobre as suas próprias experiências de viagens. E a conclusão deixa pouca margem para dúvidas: o grau médio de agrado é de 7,1, numa escala de 0 a 10.

Outra conclusão clara do estudo é a convicção da larga maioria dos inquiridos (74%) de que as redes sociais têm um efeito positivo na imagem e reputação dos destinos turísticos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo terá espaço especial na Semana da Sustentabilidade das Nações Unidas

O Evento Temático de Alto Nível sobre Turismo, convocado pelo Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas e em colaboração com o Turismo da ONU, terá lugar em Nova Iorque, no próximo dia 16 de abril, no âmbito da Semana da Sustentabilidade.

Publituris

O evento temático de alto nível sobre Turismo visa promover uma abordagem concertada sobre o fortalecimento da resiliência do setor ao mais alto nível e maximizar a sua contribuição para a agenda de sustentabilidade.

A sessão oferece aos Estados-Membros, observadores, sociedade civil, sistemas das Nações Unidas e outras partes interessadas uma plataforma para discutir estratégias, partilhar melhores práticas e experiências para promover o turismo sustentável e resiliente e a sua contribuição para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.