Assine já
Destinos

Suécia levanta todas as restrições para viajantes da UE, incluindo não vacinados

A Suécia deixou esta quarta-feira, 9 de fevereiro, de exigir a apresentação do certificado de vacinação COVID-19 para que os viajantes da UE e espaço Schengen possam entrar no país.

Publituris
Destinos

Suécia levanta todas as restrições para viajantes da UE, incluindo não vacinados

A Suécia deixou esta quarta-feira, 9 de fevereiro, de exigir a apresentação do certificado de vacinação COVID-19 para que os viajantes da UE e espaço Schengen possam entrar no país.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Um em cada quatro destinos no mundo ainda tem restrições às viagens
Homepage
COVID-19: Governo restringe entrada de britânicos em Portugal
Homepage
Reino Unido endurece medidas de acesso ao país com novas multas e até pena de prisão
Homepage
OMT: Destinos voltam a apertar restrições às viagens
Homepage

O Governo sueco levantou esta quarta-feira, 9 de fevereiro, todas as restrições para viajantes provenientes da União Europeia e do espaço Schengen, numa medida que se aplica também aos viajantes não vacinados e que é justificada pelo facto das restrições à entrada já não serem consideradas uma forma proporcional de controlo da infeção.
De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, que cita um comunicado das autoridades suecas, o levantamento das restrições foi aprovado na segunda-feira, 7 de fevereiro, durante uma reunião extraordinária do Governo do país, e entrou em vigor na quarta-feira, dia 9, pondo fim às restrições que tinham entrado em vigor em dezembro, na sequência da identificação da variante Ómicron.
“As restrições de entrada já não são uma medida proporcional para controlar a infeção”, indica o comunicado divulgado pelo Governo da Suécia, que decidiu mesmo deixar de exigir a apresentação do certificado de vacinação aos viajantes da União Europeia e espaço Schengen que cheguem ao país.
De acordo com o Governo sueco, o levantamento das restrições é um alivio para os viajantes, principalmente para aqueles que vivem e trabalham nas regiões fronteiriças da península escandinava.
Apesar do levantamento de restrições para viajantes dos países da União Europeia e espaço Schengen, o controlo fronteiriço vai manter-se para viajantes provenientes de países terceiros, mantendo-se também a exigência de apresentação de certificado de vacinação, de acordo com as recomendações europeias.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

TripWonder estreia-se em Lisboa

A nova plataforma online que quer revolucionar a forma como viajamos, TripWonder, acaba de chegar a Lisboa.

Publituris

Com uma aposta em itinerários personalizados e na experiência e conhecimentos de pessoas locais, a TripWonder, que se estreia em Lisboa, quer mudar a forma como se viaja e como se experiência cada destino.

A nova plataforma promete, assim, mostrar os lugares mais escondidos de uma cidade, pouco turísticos que merecem mesmo a pena visitar, as melhores atrações para quem quer fugir das enchentes de turistas, ou que restaurantes recomendam os locais.

Para tal, isso, a startup portuguesa conta com uma plataforma com dezenas de “Locals” (pessoas locais) que a ajudam a garantir uma experiência totalmente personalizada e genuína, mesmo antes da chegada ao destino. No site da Tripwonder os “Travelers” poderão encomendar itinerários com base numa vasta seleção de interesses escolhidos por si previamente. Com essa informação os Locais registados na plataforma preparam as recomendações perfeitas com os conhecimentos de quem melhor conhece o destino.

Numa primeira fase, a startup decidiu apostar na cidade de Lisboa para lançar a sua nova plataforma online e conta já com mais de 26 lisboetas dispostos a desvendar todos os segredos da cidade.

Para quem está a pensar visitar a capital portuguesa, basta entrar no site da TripWonder, preencher o formulário com as informações necessárias, incluindo o destino, duração da viagem, categorias de interesse e orçamento, e a seguir é só selecionar um “Local” para desenhar o itinerário perfeito para a sua estadia.

A plataforma oferece ainda uma opção de criação de itinerários urgentes para pedidos de última hora que garantem um roteiro personalizado em apenas 24h.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

África quer transformar o turismo para crescimento e oportunidades

A África compromete-se a repensar o setor do turismo e o seu papel central na condução do crescimento e das oportunidades em todo o continente.

A 65ª sessão da Comissão Regional da OMT para África, que reuniu cerca de 25 Ministros do Turismo e representantes de alto nível de 35 países, bem como líderes do setor privado, teve lugar na Tanzânia. Poucos dias após a OMT celebrar o Dia Mundial do Turismo, o encontro abraçou o tema desse dia de ‘ Repensar o Turismo’ , com foco em inovação, branding, emprego e educação e parcerias.

No seu discurso de boas-vindas, o Secretário-Geral da OMT, Zurab Pololikashvili destacou “o turismo em África tem uma longa história de recuperação. E mostrou a sua resiliência novamente. Muitos destinos estão relatar fortes números de chegadas, mas devemos olhar além dos números e repensar como o turismo funciona para que o nosso setor possa aproveitar o seu potencial único de transformar vidas, impulsionar o crescimento sustentável e oferecer oportunidades em toda a África”.

A reunião da Comissão Regional da África foi realizada no momento em que a recuperação do turismo está em andamento em todo o continente.

De acordo com os dados mais recentes da OMT, nos primeiros sete meses do ano, as chegadas internacionais em toda a África aumentaram 171% em relação aos níveis de 2021, impulsionadas em grande parte pela procura regional.

Para ajudar os membros a capitalizar a retoma do setor e construir maior sustentabilidade e resiliência, a OMT está a priorizar empregos e formação juntamente com investimentos maiores e mais direcionados ao turismo.

As discussões na reunião da Comissão centraram-se na recuperação imediata e a longo prazo do turismo em todo o continente, inclusive através da redefinição do roteiro da Agenda da OMT para África 2030. Os principais tópicos destacados pelos participantes de alto nível incluíram a aceleração do turismo para o crescimento inclusivo, o avanço da sustentabilidade do setor e o papel das parcerias público-privadas para alcançar esses dois objetivos.

Paralelamente, também foi discutida a maior relevância da conectividade aérea, incluindo viagens aéreas de baixo custo no continente, bem como a necessidade premente de apoiar as pequenas e médias empresas na obtenção das ferramentas digitais e do conhecimento de que precisam para competir.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Mundial do Qatar impulsiona reservas de voos para a região do Golfo

As reservas para a região do Golfo estão a registar um crescimento exponencial para o período do Mundial de Futebol que se realiza de 20 de novembro a 18 de dezembro, no Qatar.

Publituris

O Campeonato do Mundo de Futebol do Qatar, a realizar de 20 de novembro a 18 de dezembro, está a impulsionar as reservas para o país do Médio Oriente, segundo indica uma análise realizada pela ForwardKeys.

Os números da consultora mostram que as reservas provenientes dos 31 países que participam no Mundial organizado pela FIFA para o Qatar, bem como para os Emirados Árabes Unidos (EAU), onde muitos dos fãs irão permanecer durante o evento, estão 10 vezes acima dos níveis pré-pandemia.

Em termos de crescimento, o país de origem com performance mais forte, para o período em que decorre a prova, são os Emirados Árabes Unidos, com um aumento 103 maior que no ano de 2016, ano que serve de benchmark, já que entre 2017 e 2021 as viagens entre os dois destinos estavam canceladas devido a uma crise diplomática.

Em segundo lugar, aparece o México, com uma procura 79 maior que no mesmo período de 2019, seguido da Argentina (+77 vezes) e Espanha (+53 vezes).

A forte performance dos EAU é explicada pela falta de alojamento no Qatar, esperando-se que muitas pessoas permaneçam nos EAU e voem durante o dia para o Qatar em dias de jogos. Atualmente, as viagens de um dia representam 4% de todas as chegadas ao Qatar durante o Campeonato do Mundo, 85% das quais têm origem nos Emirados Árabes Unidos.

Apesar da exigência de apresentar um teste COVID-19 negativo para entrar no Qatar, a popularidade do torneio é tanta que já foram feitas milhões de buscas online por voos para o país organizador do Mundial nos primeiros nove meses do ano. Segundo as contas da ForwardKeys, 12% são para viagens com origem nos EAU, 12% dos EUA, 7% de Espanha, 7% da Índia, 6% do Reino Unido e 6% da Alemanha.

O torneio, que se realiza pela primeira vez no Médio Oriente, “beneficiará toda a região do Golfo, já que as reservas de voos para os países da região durante toda a competição estão atualmente 16% acima do normal, enquanto para a fase de grupos as reservas estão 61% acima”, refere a ForwardKeys em nota de imprensa.

Uma análise mais aprofundada revela que muitos visitantes que se deslocam ao Campeonato do Mundo também estão a viajar para outros destinos na região. A ForwardKeys indica que “o número de viajantes que fica pelo menos duas noites no Qatar e, pelo menos mais duas noites noutro país da região do Golfo, é 16 vezes maior do que antes da pandemia em 2019”.

O Dubai é, de longe, o maior beneficiário dessa tendência, captando 65% das visitas, seguido de Abu Dhabi (14%), Jeddah (8%), Mascate (6%) e Medina (3%). Já o mercado de origem mais importante para estes “turistas regionais” são, segundo a análise da ForwardKeys, “os EUA, que é responsável por 26% das visitas, seguidos do Canadá (10%), Reino Unido (9%) e França, México e Espanha, cada um com 5%”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo de Portugal vence European Enterprise Promotion Awards

O Turismo de Portugal venceu o 1.º Prémio Nacional dos European Enterprise Promotion Awards – EEPA, na categoria de “Empreendorismo Responsável e Inclusivo”, em reconhecimento pela importância do selo Clean & Safe.

Publituris

O Turismo de Portugal venceu o 1.º Prémio Nacional dos European Enterprise Promotion Awards – EEPA, na categoria de “Empreendorismo Responsável e Inclusivo”, distinção que foi entregue ao instituto pelo lançamento do selo Clean & Safe, que surgiu durante a pandemia, como um instrumento de gestão de crises.

“O prémio reconhece o projeto como uma iniciativa pioneira e inovadora que tem contribuído de forma decisiva para a projeção e afirmação de Portugal como destino seguro”, indica o Turismo de Portugal, num comunicado enviado à imprensa esta segunda-feira, 10 de outubro.

Criado pelo Turismo de Portugal em 2020, o selo Clean & Safe pretendia “distinguir as atividades turísticas que assegurassem o cumprimento de requisitos de higiene e limpeza para prevenção e controlo do vírus COVID-19 e de outras eventuais infeções”.

A par do selo, foi também desenvolvida uma plataforma de gestão do projeto que registava e disponibilizava as respetivas adesões, tendo sido ainda delineado e concretizado um programa de formação e capacitação dirigido a todos os aderentes e que atingiu mais de 42 500 pessoas.

“Em plena crise pandémica, este projeto revelou-se mais do que uma mera ferramenta de preparação das empresas do setor do turismo para responder à emergência de saúde pública, assumindo um papel essencial na retoma da atividade turística e na manutenção da excelência de Portugal enquanto destino turístico”, considera o Turismo de Portugal, lembrando que este selo ultrapassou os 23.000 aderentes.

Em junho do ano passado, passou a estar também disponível uma versão do selo que funciona enquanto instrumento de “gestão de crises” e que mantém o foco na questão sanitária, mas que passou a prever “outras eventuais crises de saúde pública”, a exemplo de outras pandemias, assim como uma nova dimensão de segurança transversal às atividades turísticas, que abrange possíveis situações de risco decorrentes de incêndios rurais, inundações, sismos ou tsunamis, bem como de constrangimentos internacionais, como o cibercrime.

Recorde-se que os EEPA distinguem boas práticas de promoção do empreendedorismo na Europa e servem de inspiração para os agentes, quer a nível nacional, quer a nível europeu, por atuarem ativamente na criação de um ecossistema coletivo promotor do desenvolvimento empresarial.

Lançados pela Comissão Europeia em 2005, estes prémios são, mais que um simples concurso de empreendedorismo, uma iniciativa alinhada com as prioridades da estratégia Europa 2020.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema vai ser reforçado com 2ME

A proposta de Orçamento de Estado (OE) entregue, esta segunda-feira, pelo Governo na Assembleia da República, prevê o reforço de dois milhões de euros ao Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, que vai estar dotado de 14 milhões de euros em 2023.

Publituris

Segundo apurou a Lusa, a proposta do OE para 2023, entregue no parlamento e disponibilizada no `site` daquela instituição, prevê a “transferência de uma verba até ao montante de 12 milhões de euros, proveniente do saldo de gerência do Turismo de Portugal, com origem em reembolsos de beneficiários de fundos europeus, e de uma verba de dois milhões de euros, proveniente do Fundo de Fomento Cultural, para aplicação no reforço do capital do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema”.

A notícia da Lusa revela ainda que a intenção de o Governo reforçar o Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema, que prevê incentivos a produtoras estrangeiras que queiram filmar em Portugal, tinha sido anunciada em 11 de agosto pelo ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva. No entanto, o orçamento disponível para 2022 já tinha sido esgotado.

Segundo a mesma fonte, este ano houve 43 candidaturas a incentivos fiscais para filmagens em Portugal, no âmbito do Fundo de Apoio ao Turismo e ao Cinema (FATC), tendo sido atingido o teto máximo de 12 milhões de euros orçamentados para 2022.

Este mecanismo de financiamento recente, no âmbito do FATC, prevê incentivos às produtoras estrangeiras que queiram fazer filmes, séries ou outras obras audiovisuais em território português e com envolvimento de produtoras nacionais.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

ACTEP considera este um “bom momento” para agências de viagens de Portugal apostarem no turismo ‘outbound’ chinês

Para Yong Liang, presidente da Associação do Turismo Chinês em Portugal (ACTEP), esta é a “oportunidade certa” para aposta no turismo ‘outbound’ chinês.

Publituris

A poucos dias da realização do 20.º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (CPC), a partir do dia 16 deste mês, Yong Liang, presidente da Associação do Turismo Chinês em Portugal (ACTEP), salienta que a China “abre portas à entrada de agências de viagens portuguesas no seu importante mercado turístico de ‘outbound’”. A associação afirma ainda, em comunicado, que “o ajustamento político das agências de viagens estrangeiras na China é um sinal positivo de que a China está disposta a abrir ainda mais o mercado turístico de ‘outbound’ e reforçar as ligações com o resto do mundo, incluindo Europa e Portugal”, destacando a “oportunidade que será para as agências de viagens portuguesas”.

De acordo com o responsável da associação, as agências de viagens com investimento estrangeiro, que estejam já estabelecidas ou venham a estabelecer-se em Pequim, Xangai ou Chongqing, estão agora autorizadas a organizar operações turísticas para chineses viajarem para fora.

Esta decisão advém de uma decisão que o Conselho de Estado da China aprovou no dia 8 de outubro, relativa ao ajuste provisório de certas disposições do regulamento sobre a atividade das agências de viagens, que se manterão em vigor até 8 de abril de 2024.

Embora o turismo ‘outbound’ da China ainda esteja suspenso, Yong Liang considera que esta abertura é um sinal “muito positivo”, indicando que a China irá expandir ainda mais o seu mercado de ‘outbound’ e está disposta a “fortalecer ainda mais as ligações com o resto do mundo, incluindo a Europa e Portugal”, refere o presidente da ACTEP.

As agências de viagens com capital estrangeiro vão poder implementar o sistema de licenciamento para os turistas chineses viajarem para o estrangeiro, embora para obter as necessárias qualificações empresariais precisem de cumprir determinadas condições, designadamente a necessidade de um período prévio de dois anos de operação no país.

Por isso, Yong Liang admite que “este é um bom momento para as agências de viagens de Portugal com forte vontade de se expandir para o enorme mercado turístico chinês”, frisando que a criação de agências de viagens na China “não só pode proporcionar oportunidades para as empresas de turismo portuguesas organizarem turistas chineses para viajarem em Portugal e noutros países da Europa, mas também expandir-se mais na área do recetivo, quando turistas portugueses e de países de língua portuguesa forem à China para turismo”.

Contudo, e uma vez que o turismo de ‘outbound’ da China ainda não está aberto, o impacto direto deste ajustamento “não será imediato”, salienta o presidente da ACTEP. Mas, conclui, “agora é a oportunidade certa, depois, pode ser demasiado tarde para entrar, quando a epidemia diminuir”, manifestando a disponibilidade da ACTEP para ajudar as agências portuguesas nestes processos.

De resto, Yong Liang recorda que a China foi, antes da pandemia, “o maior mercado turístico do mundo e voltará a sê-lo em poucos anos”. “Todo o esforço promocional que a ACTEP agora fez será muito útil para garantir que Portugal está bem posicionado para esta recuperação, razão pela qual queremos envolver as autoridades turísticas portuguesas, nacionais e regionais e as agências de viagens portuguesas neste esforço”, conclui Yong Liang.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Vale do Lobo Wine Connection Tasting Experience em 2ª edição nos dias 22 e 23

Já estão confirmados mais de 40 expositores para a segunda edição do Vale do Lobo Wine Connection Tasting Experience, que terá lugar nos dias 22 e 23 deste mês.

Publituris

Este evento, que junta no mesmo espaço produtores e distribuidores de vinhos, bebidas espirituosas e produtos regionais, decorre no Auditorium de Vale do Lobo, no Algarve, nos dias 22 e 23 de outubro, entre as 16h00 e as 22h00.

Com mais de 40 expositores já confirmados, oriundos das várias regiões do país, o evento promete uma experiência de degustação de exceção, com a apresentação das últimas novidades e colheitas especiais de vinho nos dois dias do certame.

Após o que diz ter sido uma primeira edição de sucesso, em 2019, o Vale do Lobo Wine Connection Tasting Experience reserva em 2022 novidades para todos os gostos e preferências. Este evento foi especialmente desenvolvido a pensar não só nos verdadeiros apreciadores e profissionais da área, mas também no público em geral, que tem desta forma a oportunidade de conhecer, descobrir, degustar e adquirir as distintas propostas dos expositores presentes.

A nova edição inclui um serviço de catering da empresa Algarve Fine Food, disponível na área de foodcourt do evento, com muitas opções de petiscos, iguarias e sabores tradicionais. Outro dos atrativos do evento será a música ao vivo.

O “II Vale do Lobo Wine Connection Tasting Experience” integra o programa de eventos do resort algarvio de 2022, que inclui concertos ao ar livre, espetáculos exclusivos, mercados temáticos, bem como diversos eventos desportivos, atividades e experiências para famílias.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Algarve recebe 200 profissionais na Conferência Europeia dos Museus

Iniciativa da NEMO – Network of European Museum Organisations vai debater, em Loulé, “a forma como os museus podem ser mais inovadores, ágeis e flexíveis num mundo desafiante e em rápida mudança”.

Publituris

A cidade de Loulé recebe nos próximos dias, entre 9 e 11 de outubro, a Conferência Europeia dos Museus da NEMO – Network of European Museum Organisations 2022, iniciativa que vai trazer até à região cerca de 200 profissionais de 40 países, que vão debater no Algarve “a forma como os museus podem ser mais inovadores, ágeis e flexíveis num mundo desafiante e em rápida mudança”.

De acordo com um comunicado de Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que, em conjunto com a Câmara Municipal de Loulé, organiza a iniciativa em Portugal, esta será a 30ª edição da Conferência Europeia dos Museus da NEMO – Network of European Museum Organisations e vai abordar a temática a “A inovação começa a partir de dentro: Museus resilientes em tempos de disrupção”.

A sessão de abertura, que tem lugar na segunda-feira, 10 de outubro, a partir das 10h00, no Cineteatro Louletano, vai contar com a participação de Isabel Cordeiro, secretária de Estado da Cultura, assim como de David Vuillaum, presidente da NEMO, e Vítor Aleixo, presidente da Câmara Municipal de Loulé.

A guerra, a pandemia, a crise energética, a injustiça social e as alterações climáticas são alguns dos temas que vão estar em destaque durante o debate, que pretende “encorajar os museus a adotar a inovação como uma componente estrutural das suas ações, e dessa forma tornarem-se mais adaptáveis e resilientes”.

“A Conferência vai destacar as competências criativas que já existem no setor e procurar inspiração fora da área dos museus para encontrar novas abordagens, perspectivas e ideias”, acrescenta a DGPC.

Na mesma informação, a secretária de Estado da Cultura sublinha a importância  desta “reflexão em torno da inovação dos museus e da sua adaptação às mudanças sociais”, sublinhando que esta reflexão “deverá surgir do interior destas instituições para que, a partir de si mesmas, possam redefinir uma diferente forma de atuação e comunicação”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Aumento das taxas proposto pela ANA “prejudicará a recuperação do turismo em Portugal”, diz Ryanair

Tal como a TAP já o tinha feito, também a Ryanair vem agora criticar o aumento das taxas proposto pela ANA, considerando que irá “prejudicar irreparavelmente a competitividade de Portugal” e dá como exemplo o caso espanhol.

Publituris

A Ryanair condenou esta sexta-feira, 7 de outubro, a proposta da ANA de aumentar as taxas aeroportuárias em até 15%, a partir de 2023, admitindo que tal medida “prejudicará a recuperação do turismo em Portugal”.

“Não há justificação para um aumento de 15% nas já elevadas taxas aeroportuárias da ANA, especialmente quando o tráfego aéreo e turístico português ainda está a recuperar após a pandemia e deve ser apoiado com taxas aeroportuárias mais baixas”, considera a companhia aérea low-cost irlandesa, em comunicado.

Recorde-se que no dia 4 de outubro, a ANA, que pertence à francesa VINCI, confirmou que a apresentação de uma “proposta de atualização das taxas aeroportuárias reguladas com data de entrada em vigar a 1 de fevereiro de 2023, seguindo o novo modelo previsto no contrato de concessão para o período 2023 até ao final da concessão”.

De acordo com a Ryanair, este aumento proposto “irá prejudicar irreparavelmente a competitividade de Portugal, uma vez que os países vizinhos continuam a oferecer incentivos para estimular a recuperação do tráfego e do turismo” fazendo referência a Espanha onde a AENA “estende o seu esquema de recuperação do tráfego de Verão para o Inverno”.

Elena Cabrera, a Country Manager da Ryanair para Portugal, frisa que “não há justificação para o aumento excessivo das taxas aeroportuárias pela ANA, especialmente quando Portugal ainda está a recuperar da pandemia”.

A responsável pela operação d Ryanair no nosso país conclui ainda que “a ANA está a prejudicar irreparavelmente a competitividade de Portugal com este aumento excessivo e injustificado até 15% das taxas, o que não fará mais do que aumentar as tarifas aéreas e o tão necessário turismo em Portugal”.

Já anteriormente, a TAP tinha-se mostrado “bastante preocupada” com a intenção da empresa que gere os aeroportos nacionais de aumentar as taxas aeroportuárias, considerando que se trata de uma medida “desproporcionada” e que vai acabar por ter “impacto nos preços das viagens para os residentes em Portugal” e na competitividade do país enquanto destino turístico.

Na altura, a companhia aérea nacional considerara também que o impacto do aumento das taxas, somado à forte subida no preço dos combustíveis, vai levar a “um aumento dos custos das companhias aéreas”, que terá “impacto nos preços das viagens para os residentes em Portugal” e que pode também afetar “a competitividade de Portugal como destino turístico”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Reguengos de Monsaraz estabelece parceria com Universidade de Évora para conhecer perfil de visitantes do concelho

Parceria vai permitir o acesso a uma “plataforma de supercomputação que permite analisar na hora a informação estatística e do perfil do turista”. 

Publituris

A Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz  assinou um protocolo com a Universidade de Évora e com a Turismo do Alentejo para o desenvolvimento no concelho do Projeto PISTA – Partilha de Informação sobre Sustentabilidade do Turismo no Alentejo, através do qual vai ser possível definir o perfil dos visitantes do concelho.

De acordo com a autarquia, este projeto tem como base a Plataforma PISTA Digital, um sistema inteligente do turismo sustentável do Alentejo e Ribatejo, que vai ser implementado ainda este mês e que assenta numa “plataforma de supercomputação que permite analisar na hora a informação estatística e do perfil do turista”.

“A Plataforma PISTA será disponibilizada inicialmente aos postos de turismo e depois aos monumentos e aos agentes turísticos, possibilitando caracterizar os turistas que visitam o concelho e a região, partilhar a informação e ajudar nos processos de decisão”, refere um comunicado da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz.

Com este novo sistema, a partir deste mês, os funcionários dos postos de turismo do concelho vão recolher logo informação sobre o visitante, como a faixa etária, género e nacionalidade, sendo que, se houver disponibilidade, serão também colocadas questões sobre o nível de escolaridade, sobre como obteve o visitante conhecimento relativo ao concelho e se é a primeira vez que o visita, além do número de noites de pernoita, motivo da visita e que tipo de informação solicita no posto de turismo.

“A informação obtida vai ajudar nos processos de decisão da autarquia e será útil para definir que materiais de promoção e divulgação deve criar ou atualizar, que ajustes deve fazer aos horários de funcionamento e como gerir os recursos humanos dos locais turísticos, em que feiras e eventos de promoção turística deve participar, mas também para analisar os fluxos de turistas no concelho”, refere a Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz.

Através da plataforma, os agentes turísticos também vão poder obterMonsaraz dados estatísticos, conhecimento sobre os turistas, avaliação dos riscos, custos, impacto e limites da sua atividade, identificação de oportunidades de inovação e de melhores soluções para a utilização dos recursos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.