Assine já
Transportes

Sindicato alerta para “saída massiva de pilotos” se a TAP não rever termos do acordo de emergência

Sindicato que representa os pilotos da companhia aérea de bandeira nacional teme que as “melhores condições laborais oferecidas por outras companhias” levem os pilotos a abandonar a TAP.

Publituris
Transportes

Sindicato alerta para “saída massiva de pilotos” se a TAP não rever termos do acordo de emergência

Sindicato que representa os pilotos da companhia aérea de bandeira nacional teme que as “melhores condições laborais oferecidas por outras companhias” levem os pilotos a abandonar a TAP.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

A TAP pode vir a enfrentar uma “saída massiva de pilotos” se os termos do acordo de emergência não forem revistos, com o SPAC – Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil a alertar para as “melhores condições laborais oferecidas por outras companhias”, que podem levar os pilotos a abandonar a companhia aérea nacional.

“A principal preocupação do SPAC, no atual cenário de recuperação do mercado, é a potencial falta de pilotos para assegurar a operação do dia-a-dia no futuro próximo da TAP. Além dos despedimentos e saídas voluntárias, torna-se imperativo rever os termos do acordo de emergência que permitiu encarar o pior período da história recente da Aviação Comercial, mas que também tornou a TAP pouco atrativa face ao panorama internacional. Este cenário pode levar à saída massiva de pilotos, motivada pelas melhores condições laborais oferecidas por outras companhias”, indica o sindicato, em comunicado.

No comunicado divulgado, o SPAC, que esta quarta-feira, 5 de janeiro, participou numa reunião, promovida pelo ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, com representantes dos sindicatos do universo TAP e na qual esteve também presente Christine Ourmières-Widener, CEO da TAP, no âmbito da recente aprovação do plano de reestruturação da TAP em Bruxelas, destaca a atitude dos pilotos no processo de recuperação da companhia, que diz o sindicato, “se pautou e sempre se irá pautar como uma parte da solução para a viabilização da transportadora aérea nacional”.

O SPAC mostra-se também preocupado com o “cancelamento de inúmeros voos da TAP nas últimas semanas, com graves prejuízos para a empresa, para os seus clientes e para a economia e imagem do país”, uma vez que “estes cancelamentos refletem o desajuste do quadro de tripulantes de cabine face à necessidade operacional”.

“Teme o SPAC, a breve trecho, a transposição dessa realidade para o quadro de pilotos pela tendência de retoma verificada no mercado”, refere ainda o sindicato que, além dos pilotos da TAP, representa também pilotos de todas as companhias aéreas com base em Portugal, bem como associados noutros mercados internacionais.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Norwegian liga Copenhaga a Madrid

A nova rota da Norwegian terá dois voos semanais, enquanto o voo já existente para Oslo passa a ter quatro frequências por semana.

Publituris

A Norwegian passará a ligar a capital da Dinamarca (Copenhaga) ao aeroporto de Barajas, em Madrid, com uma frequência de dois voos por semana. Ao mesmo tempo, a companhia aérea norueguesa passa a ligar Oslo a Madrid com quatro voos semanais, duplicando, assim, a frequência.

Desta forma, os voos que ligam Madrid a Copenhaga terão voos às quinta-feiras e aos domingos a partir de 22 de junho de 2023.

A ligação Madrid – Oslo, continuará a ter dois voos por semana (segundas e sextas-ferias) até 16 de junho, passando a quatro frequências (segundas, quintas, sextas-feiras e domingo) a partir de 19 de junho.

Antes da pandemia, a Norwegian ja ligava Madrid a Copenhaga, rota que regressa ao programa de voos da companhia depois de uma ausência de quase três anos.

Magnus Maursund, Group Director for Network, Pricing & Optimization da Norwegian, salienta que “a temporada de verão que acabamos de deixar mostrou que o desejo de viajar nos países nórdicos é bastante grande, e esperamos que este desenvolvimento continue em 2023. Com um aumento no número de rotas e também no volume de frequências, estamos bem preparados para atender ao aumento esperado na procura por voos da Norwegian”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Projeto da futura marina de Setúbal prevê acolher 600 embarcações e superiates

O projeto para a marina de Setúbal prevê que possa receber superiates com uma dimensão até 50 metros de comprimento.

Publituris

02O estudo prévio da futura marina de Setúbal, infraestrutura com capacidade para acolher 600 embarcações, incluindo superiates com 50 metros, foi apresentado recentemente pela administração portuária aos eleitos locais, como resultado de um grupo de trabalho que também envolve a Câmara Municipal.

Na sessão de apresentação, realizada nas instalações da Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra (APSS), o presidente da Câmara Municipal de Setúbal, André Martins, salientou a “complexidade” do projeto, tendo em conta que o Estuário do Sado é uma “zona sensível” e que há necessidade de ter em consideração os seus impactes “na cidade e em particular na frente ribeirinha”, que tem vindo a ser requalificada.

“O nosso futuro comum depende muito de tudo aquilo que nós hoje temos aqui para fazer. Este é um projeto que transforma profundamente toda a zona ribeirinha da cidade e que tem influência em todo o concelho e em toda a região”, acentuou o autarca. “Naturalmente que nós gostávamos de ter visto a marina já estar em desenvolvimento há uns anos, mas sabemos da complexidade do que está em causa.”

André Martins sublinhou a necessidade de ainda serem dados passos para que do estudo prévio se passe à fase de projeto e que, depois, se atinja o “grande objetivo” de haver uma marina em Setúbal, equipamento que, como recordou, “está equacionado na nova revisão do PDM”, que espera ver ratificada em breve pelo Conselho de Ministros.

O estudo prévio, resultante do grupo de trabalho formado por técnicos municipais e da APSS, criado em 2014, prevê que a infraestrutura nasça entre o edifício do Mercado de Segunda Venda, junto da Doca dos Pescadores, e o edifício do Cais 3, junto da Doca das Fontainhas, e implique uma grande requalificação urbanística da zona envolvente à marina.

Prevê-se que a marina, que pretende ser uma infraestrutura de excelência de apoio à náutica de recreio, possa receber superiates com uma dimensão até 50 metros de comprimento.

O estudo prevê ainda a melhoria das condições para acolher navios de cruzeiro de pequena dimensão, incluindo a implementação de uma gare de passageiros no edifício do Mercado de Segunda Venda, e a disponibilização de uma área exclusiva para a operação de embarcações marítimo-turísticas.

Concurso internacional num ano
A intenção é lançar o concurso público internacional no prazo de um ano, após a conclusão da Proposta de Definição de Âmbito (PDA) do Estudo de Impacte Ambiental, também apresentada na sessão, e do desenvolvimento de todo o processo de avaliação de impacte ambiental do projeto. Até lá serão realizadas reuniões com entidades interessadas no projeto, nomeadamente ligadas aos setores da náutica e do turismo, do ambiente e da pesca com o objetivo de recolher contributos.

Após referir que o grupo de trabalho permite “encontrar as melhores soluções para a cidade e para a atividade portuária”, André Martins destacou a “visão e entendimento” existente entre a autarquia e a APSS e manifestou o desejo de que “este trabalho continue e que as zonas que ainda precisam de ser requalificadas possam vir a sê-lo”, numa perspetiva de “ligação harmoniosa” da cidade ao rio para usufruto da população.

O autarca reconheceu que a atividade portuária tem impactes, mas salientou “o trabalho que tem sido desenvolvido no sentido de minorar esses efeitos” e de estabelecer, “de uma forma clara”, quais as áreas em que a cidade pode usufruir do rio e as que estão dedicadas à atividade portuária.

O presidente do conselho de administração da APSS, Carlos Correia, considerou que, numa altura em que o porto se prepara para celebrar o seu centenário, em 18 de dezembro de 2023, este é “um projeto de enorme relevância para a APSS, para a Câmara Municipal de Setúbal e para a região”.

Segundo Carlos Correia, “o porto de Setúbal tem um papel fundamental na captação e valorização da náutica de recreio e do turismo na cidade e na região, tirando partido das condições naturais únicas do Estuário do Sado e da Serra da Arrábida”, e pretende promover “uma melhor integração na área urbana envolvente”, com a “melhoria da qualidade dos espaços urbanos para usufruto” de setubalenses e visitantes.

O administrador recordou que os estudos para a futura concessão à iniciativa privada da construção e exploração da marina foram desenvolvidos em parceria com a Câmara Municipal e que uma marina com “condições de excelência para o acolhimento de um maior número de embarcações e de uma série de serviços de qualidade” é um objetivo estratégico da APSS e contribui para o desenvolvimento da atividade do turismo náutico.

Quanto à atividade de cruzeiros e mega-iates, “setor de enorme relevância ao nível do desenvolvimento turístico local”, está a ser ultimado o processo de certificação no cais de acostagem do molhe exterior da Doca dos Pescadores, enquanto se encontram em análise várias possibilidades de instalação de áreas de apoio para os passageiros, com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, a Alfândega e a Polícia Marítima.

“O licenciamento de um espaço com mais de 50 mil metros quadrados, em Santa Catarina, para implementação de um centro náutico de excelência, que irá disponibilizar um conjunto de serviços complementares à futura marina de Setúbal”, é outro projeto destacado por Carlos Correia, que vê na Câmara Municipal “um parceiro determinante” e assegura que os projetos da APSS são sempre baseados “na defesa e salvaguarda das questões ambientais”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Nova edição: Entrevistas APAVT, SETCS, TPNP, FITUR, Emirates e Réveillon

A próxima edição do jornal Publituris publica neste número várias entrevistas. A primeira é ao presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, a poucos dias do 47. Congresso da associação. Entrevistados foram, também, Rita Marques, na altura ainda SETCS, e Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, por altura do WTM London, bem como Maria Valcare, diretora da FITUR, e David Quito, country manager da Emirates. O dossier desta edição é dedicado ao “Réveillon”.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagem e Turismo (APAVT), a poucos dias do arranque do 47.º Congresso da associação que se realiza nos Açores, de 8 a 11 de dezembro.

Ao Publituris, Pedro Costa Ferreira admitiu não acreditar que 2023 acompanhe o crescimento do setor do turismo registado em 2022, até porque “incerteza” é a palavra-chave para o ano que vem. Também para 2023 não é esperada uma decisão relativamente ao novo aeroporto, embora saliente que, antes de uma primeira reunião da Comissão de Acompanhamento, a localização já esteja decidida, uma vez que há que defenda Alcochete.

No que diz respeito à TAP, o presidente da APAVT diz que o que a associação “precisa, é de uma TAP que consiga desenvolver o processo de crescimento e que consiga segurar o ‘hub’ português”, além de “ter êxito no processo de recuperação”.

O Publituris marcou presença, enquanto Media Partner, no World Travel Market London 2022. Nas inúmeras conferências realizadas durante o evento, não faltaram temas como os recursos humanos, tecnologia, sustentabilidade, os “novos” turistas” e o “novo” turismo. Contudo, a palavra “incerteza” esteve presente em todos os painéis num evento marcado pela necessidade de “repensar o turismo”.

Entrevistada imediatamente após o final da Conferência dos Ministros do Turismo, durante o World Travel Market London 2022 (WTM), a agora ex-secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Rita Marques, entretanto substituída por Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida, admitiu que “em momento algum identificamos a necessidade, depois de dois anos volvidos de pandemia, de melhorar ou alterar substancialmente a nossa estratégia”. Por isso, o otimismo para 2022 é grande e a possibilidade de se atingir os 20 mil milhões de euros em receitas é ainda maior.

Provavelmente na última entrevista que deu enquanto SETCS, Rita Marques salientou que, “mais do que ‘rethink tourism’, o que temos de fazer é execute the strategy’. Agora será outro a executá-la.

Também durante o WTM 2022, falámos com Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que admitiu que o turismo está “finalmente de regresso”. A poucos dias de receber o prémio ‘Gold Trophy’ pelo filme promocional ‘The Majestic Adventures of Ofelia de Souza’, nos New York Festival TV & Film Awards, salientou que, sem guerra a região estaria a crescer a “números incríveis”. Contudo reconhece que “é importante não esquecer a necessidade de manter um plano B, porque não havendo uma pandemia, há uma guerra e haverá uma retração de muitas economias”.

Ainda na seção “Meeting Industry”, e a menos de dois meses do arranque do evento que dá o pontapé de saída no universo das feiras de turismo no mundo, Maria Valcare, diretora da FITUR, diz que “o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra, é o crescimento sustentável”. Com várias FITUR dentro da FITUR, a novidade da edição de 2023 está na aposta no turismo desportivo com a FITUR Sports.

O “dossier” desta edição é dedicado ao Réveillon, momento alto para o turismo, que começa a ressentir-se do aumento dos preços provocado pela inflação, mas não no que à venda de viagens de Fim de Ano diz respeito. O Publituris conversou com oito operadores turísticos e agências de viagens, que garantem o crescimento da procura por programas nesta época muito desejada para destinos como a Madeira, Brasil e Cabo Verde. Num contexto de crise, o setor torna-se mais competitivo, mas “continua a existir mercado para todo o tipo de produtos”.

Constrangido por “limitações económicas e pandémicas”, o viajante português manifesta preocupação pelos grandes fluxos de passageiros nos aeroportos, taxas de ocupação das companhias aéreas e dos hotéis e, especialmente, pela questão da segurança sanitária (e agora também física) dos destinos a eleger. Agências e operadores “reajustam a oferta à procura expectável”, em função da “disponibilidade e necessidades dos clientes” que, “mais seletivos e exigentes”, não dispensam a celebração com jantar e festa caraterística do Réveillon.

E a um mês da grande festa que celebra a Passagem de Ano em quase todo o mundo, a Publituris reúne algumas das melhores programações turísticas que para o Réveillon 2022.

Nos “Transportes”, a comemorar uma década em Portugal, a Emirates está a viver um período positivo e a registar taxas de ocupação elevadas na rota de Lisboa, que volta a contar com dois voos diários.

David Quito, country manager da Emirates para Portugal, admite que “Portugal é, hoje, um destino fundamental para a Emirates, apesar do período negro da pandemia”.

Além dos “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor), Miguel Mello do Rego (Allianz Partners Portugal), Sílvia Dias (Savoy Signature), Pedro Castro (SkyExpert), contando ainda com o “Observatório”, de António Paquete (economista e consultor de empresa), e de uma “Análise” de Luiz S. Marques (Dreams – Universidade Lusófona).

Boas leituras!

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 43

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Edição digital: Entrevistas APAVT, SETCS, TPNP, FITUR, Emirates e Réveillon

A próxima edição do jornal Publituris publica neste número várias entrevistas. A primeira é ao presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, a poucos dias do 47. Congresso da associação. Entrevistados foram, também, Rita Marques, na altura ainda SETCS, e Luís Pedro Martins, presidente do TPNP, por altura do WTM London, bem como Maria Valcare, diretora da FITUR, e David Quito, country manager da Emirates. O dossier desta edição é dedicado ao “Réveillon”.

Publituris

A próxima edição do jornal Publituris faz capa com uma entrevista a Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagem e Turismo (APAVT), a poucos dias do arranque do 47.º Congresso da associação que se realiza nos Açores, de 8 a 11 de dezembro.

Ao Publituris, Pedro Costa Ferreira admitiu não acreditar que 2023 acompanhe o crescimento do setor do turismo registado em 2022, até porque “incerteza” é a palavra-chave para o ano que vem. Também para 2023 não é esperada uma decisão relativamente ao novo aeroporto, embora saliente que, antes de uma primeira reunião da Comissão de Acompanhamento, a localização já esteja decidida, uma vez que há que defenda Alcochete.

No que diz respeito à TAP, o presidente da APAVT diz que o que a associação “precisa, é de uma TAP que consiga desenvolver o processo de crescimento e que consiga segurar o ‘hub’ português”, além de “ter êxito no processo de recuperação”.

O Publituris marcou presença, enquanto Media Partner, no World Travel Market London 2022. Nas inúmeras conferências realizadas durante o evento, não faltaram temas como os recursos humanos, tecnologia, sustentabilidade, os “novos” turistas” e o “novo” turismo. Contudo, a palavra “incerteza” esteve presente em todos os painéis num evento marcado pela necessidade de “repensar o turismo”.

Entrevistada imediatamente após o final da Conferência dos Ministros do Turismo, durante o World Travel Market London 2022 (WTM), a agora ex-secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Rita Marques, entretanto substituída por Nuno Jorge Cardona Fazenda de Almeida, admitiu que “em momento algum identificamos a necessidade, depois de dois anos volvidos de pandemia, de melhorar ou alterar substancialmente a nossa estratégia”. Por isso, o otimismo para 2022 é grande e a possibilidade de se atingir os 20 mil milhões de euros em receitas é ainda maior.

Provavelmente na última entrevista que deu enquanto SETCS, Rita Marques salientou que, “mais do que ‘rethink tourism’, o que temos de fazer é execute the strategy’. Agora será outro a executar essa estratégia.

Também durante o WTM 2022, falámos com Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que admitiu que o turismo está “finalmente de regresso”. A poucos dias de receber o prémio ‘Gold Trophy’ pelo filme promocional ‘The Majestic Adventures of Ofelia de Souza’, nos New York Festival TV & Film Awards, salientou que, sem guerra a região estaria a crescer a “números incríveis”. Contudo reconhece que “é importante não esquecer a necessidade de manter um plano B, porque não havendo uma pandemia, há uma guerra e haverá uma retração de muitas economias”.

Ainda na seção “Meeting Industry”, e a menos de dois meses do arranque do evento que dá o pontapé de saída no universo das feiras de turismo no mundo, Maria Valcare, diretora da FITUR, diz que “o fio condutor comum a tudo o que a FITUR mostra, é o crescimento sustentável”. Com várias FITUR dentro da FITUR, a novidade da edição de 2023 está na aposta no turismo desportivo com a FITUR Sports.

O “dossier” desta edição é dedicado ao Réveillon, momento alto para o turismo, que começa a ressentir-se do aumento dos preços provocado pela inflação, mas não no que à venda de viagens de Fim de Ano diz respeito. O Publituris conversou com oito operadores turísticos e agências de viagens, que garantem o crescimento da procura por programas nesta época muito desejada para destinos como a Madeira, Brasil e Cabo Verde. Num contexto de crise, o setor torna-se mais competitivo, mas “continua a existir mercado para todo o tipo de produtos”.

Constrangido por “limitações económicas e pandémicas”, o viajante português manifesta preocupação pelos grandes fluxos de passageiros nos aeroportos, taxas de ocupação das companhias aéreas e dos hotéis e, especialmente, pela questão da segurança sanitária (e agora também física) dos destinos a eleger. Agências e operadores “reajustam a oferta à procura expectável”, em função da “disponibilidade e necessidades dos clientes” que, “mais seletivos e exigentes”, não dispensam a celebração com jantar e festa caraterística do Réveillon.

E a um mês da grande festa que celebra a Passagem de Ano em quase todo o mundo, a Publituris reúne algumas das melhores programações turísticas que para o Réveillon 2022.

Nos “Transportes”, a comemorar uma década em Portugal, a Emirates está a viver um período positivo e a registar taxas de ocupação elevadas na rota de Lisboa, que volta a contar com dois voos diários.

David Quito, country manager da Emirates para Portugal, admite que “Portugal é, hoje, um destino fundamental para a Emirates, apesar do período negro da pandemia”.

Além dos “Check-in”, as opiniões desta edição pertencem a Jaime Quesado (economista e gestor), Miguel Mello do Rego (Allianz Partners Portugal), Sílvia Dias (Savoy Signature), Pedro Castro (SkyExpert), contando ainda com o “Observatório”, de António Paquete (economista e consultor de empresa), e de uma “Análise” de Luiz S. Marques (Dreams – Universidade Lusófona).

Boas leituras!

Leia a edição aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Turkish Airlines lança Gift Card

A Turkish Airlines lançou um novo serviço, o Gift Card, que pode ser carregado com o valor pretendido e oferecido a amigos ou familiares.

Publituris

A Turkish Airlines lançou um novo serviço, o Gift Card, que pode ser carregado com o valor pretendido e oferecido a amigos ou familiares, informou a companhia aérea turca em comunicado.

“Com este serviço, a companhia aérea permite que cada pessoa possa oferecer um cartão presente personalizado aos seus familiares e amigos, carregando-o com o valor pretendido”, lê-se no comunicado divulgado pela transportadora turca.

O Gift Card da Turkish Airlines tem uma validade de dois anos, só pode ser adquirido através da app ou do website da companhia aérea e é válido apenas para produtos e serviços determinados pela Turkish Airlines.

Todas as condições do Gift Card podem ser consultadas online aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Air France abre nova rota para a Tanzânia e reforça ligações na África Oriental no verão

A Air France vai abrir, no próximo verão, uma nova rota para Dar Es Salam, na Tanzânia, que vai operar em continuação ao serviço para Zanzibar, e decidiu também reforçar as ligações a Zanzibar, Nairóbi e Antananarivo.

Publituris

A Air France vai abrir, no próximo verão, uma nova rota para Dar Es Salam, na Tanzânia, que vai operar em continuação ao serviço para Zanzibar, e decidiu também reforçar as ligações a Zanzibar (Tanzânia), Nairobi (Quénia) e Antananarivo (Madagáscar), destinos da África Oriental que vão estar também disponíveis para os passageiros portugueses da transportadora francesa.

Num comunicado enviado à imprensa, a Air France revela que a nova rota para Dar Es Salam arranca a 12 de junho de 2023, em continuação do serviço para Zanzibar (também na Tanzânia), e vai contar com três ligações por semana, realizadas num avião Boeing 787-9, com 30 lugares em classe Business, 21 em Premium Economy e 225 na Economy.

Na informação divulgada, a Air France explica que Dar Es Salam é atualmente a capital económica e maior cidade da Tanzânia e, além da nova rota da Air France, conta também com voos da KLM, parceira da transportadora francesa, que realiza um voo diário desde Amesterdão, em continuação do serviço para Zanzibar, às quintas-feiras e domingos, assim como em continuação do serviço para Kilimanjaro (também na Tanzânia) nos restantes dias da semana.

“O horário de voos, coordenado entre as duas companhias, permite aos clientes desfrutar de uma escolha mais ampla”, acrescenta a companhia aérea francesa.

Além da nova rota, a Air France vai também reforçar a operação para outros destinos da África Oriental, a exemplo de Zamzibar, que passa a contar com três voos por semana a partir do verão de 2023, mais um do que no verão de 2022, uma vez que, diz a Air France, o novo serviço de Dar es Salaam “vai resultar num aumento nas frequências entre Paris-CDG e Zanzibar”.

A partir de 12 de junho de 2023, a Air France vai também aumentar o número de voos para Nairobi, capital do Quénia, que passa a contar com um “serviço direto em ambos os sentidos, operado em Boeing 787-9, com um voo diário de/para Paris-CDG – face aos atuais 6 voos/semana”.

Mais a sul, a Air France vai ainda oferecer um extenso programa a iniciar no próximo verão entre Paris-CDG e Antananarivo, em Madagáscar, que vai contar com cinco voos diretos por semana, contra os quatro atuais.

Segundo a Air France, “os voos de/para Madagáscar vão ser operados pela primeira vez em Airbus A350-900, a nova joia da frota de longo curso da companhia, equipada com 34 assentos na classe Business, 24 na Premium Economy e 266 na Economy”.

No próximo verão, novidade vai também ser a continuação dos voos entre Paris-CDG e Nova Iorque – Newark (EUA), uma vez que, a 12 de dezembro, a companhia vai inaugurar um novo serviço ao longo de todo o ano, com um voo diário operado em Boeing 777-200 ER.

A 9 de janeiro de 2023, a Air France conta ainda retomar a ligação entre Paris-CDG e Hong Kong (China), que se encontra ainda suspensa, e que, segundo a companhia aérea francesa, vai contar com três voos por semana às segundas, quintas e sábados (regresso às terças, sextas e domingos), operados em Boeing 777-300ER.

Todos os destinos estão disponíveis para os passageiros portugueses da Air France, graças às ligações que a companhia aérea disponibiliza à partida de Lisboa ou do Porto, através do seu hub em Paris-CDG.

Os detalhes do programa de voos e as tarifas podem ser consultados em airfrance.pt.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Movimento de passageiros domésticos no Brasil ultrapassa outubro de 2019

Em outubro, o Brasil contabilizou 7,19 milhões de passageiros em voos domésticos, número que, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil (Anac), já ultrapassou o total registado em igual mês de 2019.

Publituris

Em outubro, o Brasil contabilizou o movimento de 7,19 milhões de passageiros em voos domésticos, número que, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil do Brasil (Anac), já ultrapassou o total registado em igual mês de 2019, antes da pandemia, quando 5,94 milhões de passageiros tinham viajado em voos domésticos no Brasil.

Segundo os dados divulgados pela Anac, em outubro, os voos domésticos no Brasil contaram com um aumento de 21% ao nível de passageiros, enquanto a procura apresentou uma subida de 18,3% e a oferta cresceu 14,9%.

No acumulado desde o início do ano, o Brasil contabiliza já 65,7 milhões de passageiros em voos domésticos, número que ultrapassa o total registado ao longo de todo o ano passado, quando este indicador se ficava pelos 59,5 milhões de passageiros.

Já os voos internacionais levaram até ao Brasil 1,42 milhões de passageiros em outubro, número que compara com os 518,5 mil passageiros movimentados em outubro de 2021 e que traduz uma recuperação de 75% face a mês homólogo de 2021.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Azores Airlines chega pela primeira vez a um milhão de passageiros num ano

A Azores Airlines alcançou esta terça-feira, 29 de novembro, a marca de um milhão de passageiros, naquela que foi a primeira vez que a transportadora açoriana chegou a este resultado num único ano.

Publituris

A Azores Airlines, companhia aérea do Grupo SATA que realiza os voos internacionais, alcançou esta terça-feira, 29 de novembro, a marca de um milhão de passageiros, naquela que foi a primeira vez que a companhia aérea açoriana chegou a este resultado num único ano.

“Trata-se de um dia simbólico para todos os que trabalham para tornar possível o crescimento da operação aérea da Azores Airlines. E nada pareceu fazer mais sentido do que partilhar o nosso entusiasmo e o sucesso alcançado com os
passageiros que escolhem viajar connosco. Afinal, sem a confiança que os nossos passageiros depositam em nós, não teríamos alcançado esta marca histórica na companhia aérea, de mais de 1 milhão de passageiros transportados num só ano”, congratula-se Luís Rodrigues, presidente do Grupo SATA.

Para assinalar a marca, a Azores Airlines promoveu uma cerimónia em que o presidente do Grupo SATA entregou ao passageiro um milhão um “boarding pass” redimensionado em honra da ocasião e um certificado de presença neste voo especial.

Recorde-se que, a 3 de agosto de 2022, o grupo SATA atingiu a marca de 1 milhão de passageiros transportados no cômputo da atividade das duas companhias aéreas, SATA Air Açores e Azores Airlines, num registo que foi alcançado antes
do que se previa, já que as companhias aéreas do Grupo SATA superaram as expectativas no que respeita à recuperação do tráfego no período pós-pandémico.

No verão de 2022, as duas companhias aéreas transportaram mais passageiros do que no ano pré-pandémico de 2019, motivo pelo qual o resultado agora alcançado pela Azores Airlines vem “reforçar a tendência crescente da procura pelos serviços proporcionados pela companhia aérea”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

easyJet reduz perdas anuais em 80%

A easyJet registou um resultado liquido negativo de 194,3 milhões de euros no último ano fiscal, que terminou a 30 de setembro, valor que traduz uma redução de 80% das perdas registadas em igual período do ano passado.

Publituris

A easyJet registou um resultado liquido negativo de 194,3 milhões de euros no último ano fiscal, que terminou a 30 de setembro, valor que traduz uma redução de 80% das perdas registadas em igual período do ano passado.

Antes de impostos, o prejuízo da easyJet chegou aos 239 milhões de euros, valor que compara com as perdas de 1191 milhões de euros que a companhia aérea low cost britânica tinha apresentado em no final do anterior ano fiscal.

De acordo com a Lusa, que cita um comunicado da companhia aérea enviado à Bolsa de Valores de Londres, a redução das perdas ficou a dever-se ao bom desempenho da easyJet no último verão, que permitiu aumentar os lucros totais da companhia aérea para 6.634 milhões de euros, num crescimento de 295% face ao ano anterior.

“A EasyJet tem um bom desempenho em tempos difíceis”, afirma Johan Lundgren, CEO da easyJet, sublinhando que a forte receita registada no quarto trimestre do ano foi determinante para a melhoria dos resultados anuais.

Já os prejuízos operacionais foram de 31 milhões de euros, o que traduz uma forte recuperação face 1.046 milhões de euros contabilizados no mesmo período do ano passado.

A 30 de setembro, o ativo líquido da easyJet ascendia aos 2.912 milhões de euros, enquanto a dívida liquida da companhia aérea low cost chegava aos 770 milhões de euros.

O CEO da easyJet considera que, com estes resultados, a transportadora está bem posicionada para regressar aos lucros, apesar do ambiente de “alto custo” que a aviação está a viver.

No último ano fiscal, a easyJet transportou também 69,7 milhões de passageiros, o que corresponde a um aumento de 242% em relação ao ano anterior, enquanto a taxa de ocupação foi de 85,5%, face a 72,5% no ano anterior.

A companhia aérea revelou ainda que, neste ano fiscal, ofereceu uma capacidade de 81,5 milhões de lugares, num total de 320 aeronaves operadas até 30 de setembro.

Passageiros crescem também nas rotas de Portugal

Os resultados da easyJet foram também positivos ao nível dos passageiros transportados nas rotas portuguesas da companhia aérea, uma vez que, nas 71 rotas operadas no ano fiscal de 2022, a easyJet alcançou “um novo recorde de 7.431 928 passageiros”, o que traduz um crescimento de 174%.

“Foi registado um crescimento de 174% no número de passageiro em Portugal, valor que ultrapassa os níveis registados em 2019, tornando-se no melhor ano fiscal de sempre da easyJet em Portugal (+ 3% do que o recorde anterior – FY19 ano pré-pandemia)”, acrescenta uma nota da companhia aérea.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

LATAM Boeing 787-9 Dreamliner photographed on May 13, 2016 from Wolfe Air Aviation Learjet 25B.

Transportes

LATAM Airlines lança NDC a partir de 1 de maio de 2023

Novo sistema de distribuição da LATAM Airlines para as agências de viagens entra em vigor a 1 de maio de 2023 e, até lá, decorre um período de transição.

Publituris

A LATAM Airlines anunciou que, a partir de 1 de maio de 2023, o seu atual modelo de distribuição vai mudar, passando o conteúdo a companhia aérea a ser disponibilizado através do NDC by LATAM, uma nova ferramenta que recorre à tecnologia New Distribution Capability (NDC) para disponibilizar o portefólio da transportadora às agências de viagens.

De acordo com um comunicado da companhia aérea sul-americana, um dos grandes desafios tecnológicos atuais passa por conseguir “entregar conteúdo e serviços de venda e pós-vendas de alta qualidade” através dos canais da LATAM Airlines, pelo que a companhia aérea optou por desenvolver uma solução com base na mesma arquitetura dos seus canais diretos, o NDC by LATAM.

“Apresentamos o NDC by LATAM, uma nova ferramenta que utiliza a tecnologia New Distribution Capability (NDC) que permite acessar o nosso portefólio de produtos ampliados e o melhor conteúdo para agências, sem cobrança adicional na tarifa, com uma experiência única, dinâmica, num só lugar e em tempo real”, explica a LATAM Airlines.

Até 1 de maio de 2023, a LATAM Airlines vai passar por uma fase de transição do modelo de distribuição, período ao longo do qual espera que existam dúvidas por parte das agências de viagens, convidando, por isso, os agentes a contactarem a companhia aérea para esclarecer todos os detalhes.

“Estamos seguros que esta nova ferramenta nos levará a uma nova forma de acesso ao nosso conteúdo mediante a qual poderemos alcançar os nossos objetivos”, reafirma a LATAM Airlines, que remete mais detalhes sobre a mudança para uma data posterior e mais próxima do dia 1 de maio de 2023.

Até lá, os agentes de viagens podem ficar a conhecer melhor o novo NDC by LATAM através do site da companhia aérea para o trade, disponível aqui, ou através de contacto direto com o seu responsável de vendas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.