Assine já
Transportes

El Al mantém voos entre Lisboa e Telavive também no inverno

Companhia aérea israelita retomou a operação entre Lisboa e Telavive a 5 de julho, depois da paragem ditada pela COVID-19.

Publituris
Transportes

El Al mantém voos entre Lisboa e Telavive também no inverno

Companhia aérea israelita retomou a operação entre Lisboa e Telavive a 5 de julho, depois da paragem ditada pela COVID-19.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
KLM lança voos directos para Bombaim no Inverno
Aviação
Croatia Airlines continua a voar para Lisboa no Inverno
Aviação
TAP aumenta oferta no inverno e anuncia 941 voos por semana
Homepage
Iberia mantém voos para as Maldivas no inverno
Homepage

A El Al vai manter no inverno a rota entre Lisboa e Telavive, em Israel, que tinha sido retomada a 5 de julho, depois da paragem motivada pela COVID-19, informou a ATR – Atividades Turísticas e Representações, que representa a companhia aérea israelita em Portugal.

De acordo com a informação divulgada, a rota conta com voos aos domingos e quartas-feiras até 27 de outubro e, a 1 de novembro, também está previsto um voo em cada sentido. A partir de 3 de novembro e até 23 de fevereiro de 2022, passa a existir apenas voos às quartas-feiras, enquanto no período entre 27 de fevereiro e 23 de março de 2022, há voos às quartas, quintas e domingos.

A partir de 27 de março e até 2 de junho, a El Al passa a contar com voos todos os dias, com exceção das sextas-feiras e sábados. Estes voos mantêm-se até 6 de junho, data em que passam a ser realizados às segundas, terças, quartas e quintas-feiras, até 1 de setembro de 2022.

Entre 4 e 22 de setembro, a companhia aérea israelita volta a contar com voos diários entre Lisboa e Telavive, com exceção das sextas-feiras e sábados, e realiza também voos nos dias 28 e 29 de setembro, enquanto de 2 a 6 de outubro as ligações são às segundas, quintas e domingos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Ryanair abre base na Madeira com dois aviões e 10 novas rotas no próximo verão

Companhia aérea low cost abre, no próximo verão, a sua quarta base em Portugal, num investimento de 200 milhões de euros, que vai criar 60 postos de trabalho diretos e 40 indiretos no arquipélago.

Inês de Matos

A Ryanair vai abrir uma base na Madeira, a quarta da companhia em Portugal, depois de Lisboa, Porto e Faro, num investimento de 200 milhões de euros, que prevê a colocação de dois aviões no arquipélago e a abertura de 40 novas frequências semanais e 10 rotas, cinco das quais diretas, informaram a Ryanair e a ANA Aeroportos de Portugal| VINCI Airports.

“Esta nova conectividade irá contribuir para a diversificação de mercados emissores e aumentará a resiliência das variações de mercado, fatores críticos para o turismo na Madeira”, destaca a ANA Aeroportos de Portugal| VINCI Airports, em comunicado divulgado esta terça-feira, 23 de novembro.

Com a nova base, a Madeira vai passar a contar com dois aviões da Ryanair em permanência, que vão ligar o arquipélago a Bruxelas Charleroi, Dublin, Lisboa, Londres Stansted, Manchester, Marselha, Milão Bergamo, Nuremberga, Paris Beauvais e Porto.

O anúncio da abertura da nova base foi feito em conferência de imprensa, que decorreu no aeroporto da Madeira e que contou com a presença de Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital; Miguel Albuquerque, presidente do Governo Regional da Madeira; Thierry Ligonnière, CEO da ANA Aeroportos de Portugal| VINCI Airports; e Eddie Wilson, CEO da Ryanair.

“O anúncio da base da Ryanair na Madeira para o verão de 2022 é uma excelente notícia para a Região Autónoma da Madeira. Esta base é o resultado de um trabalho de parceria com a Ryanair, com a Associação de Promoção Turística da Madeira e com o Turismo de Portugal. Para além de reforçar a parceria global existente entre a VINCI Airports e a Ryanair, esta base permitirá, pela abertura de 5 novos destinos rotas em 2022, um significativo aumento da conectividade aérea da Madeira, potenciando a diversificação de mercados turísticos”, refere Thierry Ligonnière, CEO da ANA|VINCI Airports.

Já Eduardo Jesus, secretário regional de Turismo e Cultura da Madeira, bem como presidente da Associação de Promoção da Madeira, considera que o reforço de acessibilidade é sempre uma “boa notícia” para a Madeira, que passa, assim, a contar com “mais oferta de lugares para novas ligações internacionais e para reforço de outras existentes”, num “incremento que responde às necessidades da população residente e aos propósitos do próprio destino turístico”.

A nova base vai também criar 60 postos de trabalho diretos e 40 indiretos no arquipélago e, segundo a Ryanair, representa o “compromisso da companhia aérea com Portugal e demonstra o seu impacto no desenvolvimento do turismo português”.

“Temos o prazer de anunciar a abertura da nossa nova base na Madeira, que irá proporcionar a conexão com 10 novos destinos, através de 2 aeronaves e 40 voos semanais, ligando a Madeira a cidades como Londres, Paris, Dublin, Milão e Manchester, durante todo o ano. Este investimento de 200$m não só impulsionará a economia de Portugal, ao contribuir para o crescimento do turismo regional, como também criará mais de 60 postos de trabalho diretos na região e mais de 400 postos de trabalhos indiretos no local na Madeira”, destaca  Eddie Wilson, CEO da Ryanair. 

Na informação divulgada, a ANA – Aeroportos de Portugal – VINCI Airports lembra que a Ryanair é a segunda maior companhia aérea a operar na rede de aeroportos ANA e a primeira nos aeroportos do Porto e de Faro.

A empresa que gere os aeroportos nacionais considera que a base da Ryanair vai impulsionar ainda mais o tráfego nos aeroportos da Madeira, que têm “apresentado nos últimos meses uma recuperação acima dos valores da rede aeroportos ANA”, de tal forma que, no verão, o número de passageiros no aeroporto da Madeira já alcançou 67% do tráfego no período homólogo de 2019.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Transavia também vai voar entre Amesterdão e Ponta Delgada a partir de abril de 2022

Voos entre Amesterdão e Ponta Delgada arrancam em abril de 2022, com uma ligação por semana, aos domingos.

Publituris

Depois de anunciar o lançamento de uma rota entre Paris e Ponta Delgada, nos Açores, no verão do próximo ano, a Transavia revelou agora que também vai voar entre a capital micaelense e Amesterdão, numa operação que arranca em abril do próximo ano e que vai contar com um voo por semana, aos domingos.

“A Transavia vai abrir uma nova rota entre Ponta Delgada e Amesterdão-Schiphol na próxima Primavera – a ser inaugurada em abril de 2022. Após anunciar, recentemente, uma nova rota de verão a ligar Paris e a ilha de São Miguel, nos Açores, a subsidiária low-cost do grupo Air France-KLM propõe agora uma ligação totalmente nova entre os Países Baixos e o arquipélago dos Açores”, lê-se num comunicado enviado pela companhia aérea à imprensa esta segunda-feira, 22 de novembro.

Na informação divulgada, a Transavia avança preços desde 72 euros para voos de ida e explica que a abertura da nova rota é possível devido à expansão da sua frota, principalmente em França, uma vez que vai passar de 40 aviões 737-800s no início de 2021 para 61 aviões a partir de abril de 2022.

“Globalmente, a filial low-cost do grupo Air France-KLM terá uma frota total de 89 aviões a voar para mais de 100 destinos na Europa”, acrescenta a Transavia, que alerta, no entanto, que o “programa de voos mantém-se em constante evolução e continua sujeito às condições sanitárias e às restrições impostas pelas autoridades dos países em causa”.

Os bilhetes já se encontram à venda e podem ser adquiridos através do site da companhia aérea, em www.transavia.com.

.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways Privilege Club e JetBlue TrueBlue de mãos dadas

A Qatar Airways e a JetBlue lançaram uma parceria, trazendo vantagens adicionais aos membros dos programas de fidelização de ambas as companhias aéreas:

Publituris

A Qatar Airways e a JetBlue lançaram uma parceria, trazendo vantagens adicionais aos membros dos programas de fidelização de ambas as companhias aéreas: Privilege Club e TrueBlue. 

Os membros do Qatar Airways Privilege Club podem, assim, ganhar Qmiles em voos operados pela JetBlue e os membros da TrueBlue podem somar pontos nos voos da Qatar Airways.
Por outro lado, os membros do Privilege Club podem agora voar para mais destinos nos Estados Unidos, Caraíbas e América Central, ligando-se à rede de 100 cidades da JetBlue, ao mesmo tempo que ganham Qmiles. Isto eleva o número total de destinos nas Américas para mais de 300 cidades. 

Os Qmiles podem ser utilizados para um conjunto de recompensas, incluindo
voos-prémio, melhoria de cabine, bagagem extra, uma estadia num dos mais de 350 mil hotéis contemplados nas recompensas Hotel & Car, e muito mais. 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Air Transat anuncia programa de voos para verão de 2022 e inclui Portugal

A Air Transat acaba de anunciar o seu programa de voos para o verão de 2022, que inclui 15 ligações para Portugal (Lisboa e Porto), desde Toronto e Montreal. 

Publituris

A Air Transat acaba de anunciar o seu programa de voos para o verão de 2022, que inclui 15 ligações para Portugal (Lisboa e Porto), desde Toronto e Montreal. 

No auge da temporada, a companhia aérea canadiana irá operar mais de 250 voos semanais para 44 destinos, entre os quais cinco para a capital portuguesa a partir de Toronto, e cinco desde Montreal, bem como três para a Porto a partir de Toronto, e dois de Montreal. 

De Toronto, além de 14 voos semanais para Londres, os clientes também poderão voar para 13 outros destinos europeus importantes como a Croácia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Holanda, Portugal, Espanha e Reino Unido. 

De Montreal, a companhia aérea terá sete voos diretos semanais para Londres-Gatwick e 14 para Paris. Um total de 19 destinos europeus serão acessíveis através de serviço direto de Montreal, incluindo províncias francesas e uma nova rota para Amsterdão. 

A Air Transat também fortalecerá a sua posição como a principal transportadora aérea internacional com partida de Jean Lesage, Aeroporto na cidade de Quebec, com voos exclusivos e sem escalas para duas capitais europeias: Paris e, pela primeira vez, Londres. 

No verão do próximo ano, além de voar para Fort Lauderdale e Orlando desde Toronto e Montreal, a Air Transat apresentará um novo serviço direto para a Califórnia com dois voos semanais de Montreal para San Francisco e três para Los Angeles. As ligações para a Flórida também serão aumentadas, com voos entre Montreal e Miami ao longo do ano. Os passageiros da cidade de Quebec também terão ligações diretas para Fort Lauderdale o ano todo. Haverá ainda operação para as Caraíbas. 

Na sua programação de verão agora anunciada, a Air Transat continuará a melhorar a oferta de voos domésticos. 

Entretanto, com a também canadiana WestJet, a Air Transat assinou um acordo de codeshare, que em breve permitirá aos clientes reservar viagens transatlânticas envolvendo ambas as companhias aéreas num único bilhete. Esta parceria, que começa a ser implementada no início de 2022, trará mais opções aos consumidores. 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Encontro mundial de aeroportos discute aviação pós-pandemia

Representantes da indústria aeroportuária mundial reúnem-se até amanhã, dia 24 em Cancun (México) para discutir o sector da aviação pós-pandemia.

Publituris

Representantes da indústria aeroportuária mundial reúnem-se até amanhã, dia 24 em Cancun (México), na WAGA 2021 – World Annual General Assembly & Exhibition, a principal conferência anual do setor. 

Sob o tema “Runway to Recovery: Reconnecting Aviation for a Sustainable Future”, a conferência que teve início esta segunda-feira, está a discutir aspetos de como os aeroportos no mundo estão a atravessar a pandemia da Covid-19 e os caminhos necessários com vista à sustentabilidade e à neutralidade na emissão de carbono.  

O evento conta com a participação de mais de 60 palestrantes com ampla experiência e conhecimento da indústria, como líderes de aeroportos membros de ACI World. A cerimônia de abertura contou com a presença de Juan Carlos Salazar, secretário-geral da Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO). 

O encontro terá como foco os desafios e as iniciativas já em curso nos esforços da recuperação sustentável da indústria aeroportuária. Neste contexto, os painéis abordarão temas como a integração nos aeroportos de aviões movidos a SAF e outras fontes alternativas; as eficiências que a indústria está a desenvolver para atingir as metas da sustentabilidade; como as novas tecnologias e a inovação surgem para apoiar a recuperação; as necessidades e mudanças nas expetativas dos clientes dos aeroportos no pós-Covid-19;  o papel do setor privado no desenvolvimento dos aeroportos neste momento; e a regulamentação econômica do setor. 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair pela primeira vez no Aeroporto da Madeira

Segundo o canal Aviação TV, está para já confirmada, para esta segunda-feira, a primeira aterragem de uma aeronave da companhia de baixo custo irlandesa, Ryanair, no Aeroporto da Madeira

Publituris

Segundo o canal Aviação TV, está para já confirmada, para esta segunda-feira, a primeira aterragem de uma aeronave da companhia de baixo custo irlandesa, Ryanair, no Aeroporto Cristiano Ronaldo na Madeira. 

O canal sobre aviação e espaço partilhou na sua página do Facebook que o Boeing 737 Max 8-200 tem chegada prevista para as 16h26 locais com partida de Dublin e com saída terça-feira pelas 15h00.  

Apesar de anda não se tratar do início dos voos regulares da companhia para a Madeira, a Aviação TV refere que a Ryanair solicitou slots para a operação para o Funchal para o decorrer deste Inverno IATA. Ainda não existem detalhes sobre esta futura operação regular. 

No site de recrutamento associado à transportadora de baixo custo, já se encontram vagas disponíveis para a manutenção de linha no Funchal, o que confirma a preparação para operações futuras na região. 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet aumenta capacidade em Portugal em 31 mil lugares na época festiva

No final de 2021 e primeiros meses do próximo ano, a easyJet vai reforçar a operação de e para Portugal com mais 31 mil lugares nas rotas da Alemanha, França, Suíça, Reino Unido e Luxemburgo.

Publituris

A easyJet anunciou um reforço da capacidade nas rotas de e para Portugal, que chega aos 31 mil lugares, durante a época festiva e os primeiros meses de 2022, que abrange as ligações a várias cidades europeias, muitas das quais contam com vastas comunidades portuguesas residentes.

“Sabemos que grande parte dos emigrantes do nosso país apresenta o desejo de regressar às suas origens durante todo o ano, mas que nem sempre possuem disponibilidade. Por isso, tendo como objetivo proporcionar aos nossos clientes os reencontros com familiares e amigos, reforçamos a capacidade de voos de aeroportos portugueses para várias cidades europeias”, refere José Lopes, diretor geral da easyjet para Portugal, citado num comunicado enviado à imprensa.

A easyJet vai reforçar as rotas entre Portugal e a Alemanha, França, Suíça, Reino Unido e Luxemburgo, com a companhia aérea a destacar as ligações a Basileia, na Suíça, nas quais vai disponibilizar mais quatro mil lugares nas ligações entre esta cidade suíça e o Porto, entre 14 de dezembro e 9 de janeiro.

Já entre Lisboa e Basileia, a easyJet vai colocar à disposição dos passageiros mais mil lugares entre 18 de dezembro e 8 janeiro, o mesmo número de lugares em que será também aumentada a rota entre Faro e Basileia, entre 17 de dezembro e 7 de janeiro.

Além deste aumento de capacidade para Basileia, a easyJet vai também reforçar o número de lugares disponibilizados entre janeiro e março para vários outros destinos europeus, num acréscimo que abrange as rotas entre o Funchal e Berlim, o Funchal e Londres-Gatwick, além de várias outras rotas do Porto, nomeadamente para Nantes, Luxemburgo e Zurique.

“Desta forma, durante os primeiros meses do ano disponibilizamos cerca de 31 mil lugares para ligações a países como Alemanha, França, Suíça, Reino Unido e Luxemburgo, onde sabemos que vive grande parte dos portugueses emigrados”, acrescenta José Lopes.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Nova injeção de 150 milhões na TAP não é “descontrolo”, afirma ministro Pedro Nuno Santos

O ministro das Infraestruturas, Pedo Nuno Santos, diz-se frustrado pela “sistemática” má interpretação relativamente ao assunto TAP.

Publituris

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, esclareceu que a nova injeção de 150 milhões de euros na TAP está prevista no montante total de 3.200 a 3.700 milhões de euros e não se trata de “descontrolo” no apoio à companhia aérea.

“Estamos a falar de 150 milhões que estão incluídos nos 3.200 milhões de euros, não está a acontecer nenhum descontrolo sobre a verba que está a ser injetada na TAP”, explicou o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, em declarações aos jornalistas à margem da cerimónia de assinatura de contrato entre a Medway, a Stadler e a Tratavagonka para a aquisição de 16 locomotivas e 113 vagões, citado pela agência Lusa.

Estas declarações surgem na sequência da notícia avançada pelo Jornal Económico, dando conta que a TAP iria “receber mais 150 milhões para compensar danos da COVID”, montante que deverá entrar na companhia aérea nas próximas semanas.

“Foi decidido e apresentado ao país um determinado montante para injetar na TAP, no quadro do seu plano de reestruturação, e quando foi apresentado era entre 3,2 e 3,7 mil milhões de euros. Nós, em princípio, ficaremos no limiar inferior e, portanto, o valor que estamos a falar no total é sempre este, não é mais do que este”, apontou o governante, que se admitiu frustrado, por considerar que o Governo é “sistematicamente” mal interpretado e mal traduzido para a opinião pública, relativamente ao que está a ser feito na TAP.

“Parece que cada vez que sai um novo número, que é mais um adicional face ao que estava esperado ser injetado na TAP e eu gostava que nós pudéssemos – através, nomeadamente, da comunicação social – conseguir esclarecer, para não se criar a ideia de que de x em x meses há um deslizar no montante que está a ser injetado na TAP e que se está a injetar mais do que era esperado. Não é verdade”, afirmou o ministro.

Segundo Pedro Nuno Santos, o que se passa é que as tranches vão sendo transferidas à medida que são aprovadas pela Direção-Geral da Concorrência europeia (DG Comp), sendo que uma parte dos 3.200 milhões de euros é paga através do regime de compensação COVID-19.

Questionado sobre as notícias que têm sido avançadas na comunicação social, de que a Comissão Europeia está a exigir que a TAP abdique de 12 ‘slots’ (vagas que permitem à companhia aérea marcar uma aterragem ou descolagem, num intervalo de tempo pré-determinado), e não das seis previstas no plano de reestruturação entregue pelo Governo e que ainda aguarda ‘luz verde’ de Bruxelas, Pedro Nuno Santos não confirmou a informação.

“Tem de haver uma faixa horária para o avião sair e tem de haver uma faixa horária para o avião voltar e, por isso, nós estamos sempre a falar de pares, desse ponto de vista não há grande diferença. Vamos é esperar para saber qual é o número, porque eu não confirmo esse número que saiu na comunicação social, de 12, não confirmo mesmo e, por isso, temos que esperar”, explicou.

(Lusa)

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Brussels Airlines tem “nova cara”

A companhia aérea belga admite que esta nova imagem mostra a sua prontidão para desafios futuros.

Publituris

A Brussels Airlines apresentou, recentemente, uma nova identidade de marca, confirmando a posição no mercado como a transportadora doméstica da Bélgica. Cores atualizadas, um novo logotipo e pintura de aeronave são o símbolo visual do novo capítulo da companhia aérea, afirmando, assim, a sua prontidão para desafios futuros e enfatizando novamente a importância da marca belga.

Como consequência da crise do COVID-19, a Brussels Airlines acelerou e intensificou em 2020 o seu plano de transformação “Reboot Plus”, de forma a abrir caminho para uma empresa preparada para o futuro e capaz de enfrentar a concorrência, com uma estrutura de custos sólida e saudável.

Após a reestruturação, a empresa iniciou a segunda fase de seu plano “Reboot Plus”, com a Brussels Airlines a voltar a sua atenção para o futuro com “investimentos estratégicos numa experiência aprimorada para o cliente, novas tecnologias, digitalização, novas formas de trabalhar e o desenvolvimento dos colaboradores”, lê-se no comunicado.

A Brussels Airlines encontra-se em plena transformação para se tornar “uma companhia aérea saudável e lucrativa, que oferece perspetivas aos seus clientes, parceiros e funcionários, uma companhia aérea com foco constante no meio ambiente e na redução da sua pegada ecológica”, refere a companhia no mesmo comunicado.

A nova identidade da marca inclui uma nova versão da assinatura vermelha e azul da Brussels Airlines, agora num vermelho mais profundo e um tom mais escuro de azul. O pontilhado “b”, que enfeita a cauda da frota, dá lugar a nove pontos de diferentes tamanhos em forma de quadrado, para representar a diversidade dos seus clientes, dos seus destinos e dos seus colaboradores. Nenhum ponto é igual. O logotipo atualizado também usa uma fonte nova e mais moderna. As duas palavras da marca agora estão empilhadas, com a palavra “brussels” a ganhar maior relevo com seu tamanho maior para enfatizar a identidade belga da companhia aérea. A nova pintura da aeronave mostra um logotipo pontilhado na cauda, um novo corpo branco e uma continuação de pontos em diferentes tons de azul e cinza.

Peter Gerber, CEO da Brussels Airlines, afirma que a companhia pretende “marcar claramente o início da nova Brussels Airlines. Para os nossos clientes, que merecem o melhor, mas também para nossos funcionários, que estão comprometidos com a transformação que estamos a promover e para a qual contribuem todos os dias”.

O responsável máximo pela companhia refere ainda que “com essa nova identidade de marca, estamos prontos para mostrar aos nossos clientes, funcionários, parceiros e todos os demais públicos que estamos a virar uma página. Como uma das quatro companhias aéreas da rede do Grupo Lufthansa, estamos a construir o caminho para um futuro promissor.” Por isso, Gerber conclui que “vemos esta nova identidade de marca como um símbolo de confiança na nossa empresa ao enfatizar a nossa identidade como a transportadora doméstica da Bélgica”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Movimento de passageiros nos portos europeus cai para metade em 2020

Apontando as fortes restrições devido à pandemia da COVID-19, os dados do Eurostat indicam uma quebra de 188 milhões de passageiros nos portos da UE.

Victor Jorge

De acordo com os dados revelados pelo Eurostat, o número total de passageiros embarcados e desembarcados nos portos da União Europeia (UE) ascendeu a 231 milhões, correspondendo a menos 188 milhões que no ano anterior de 2019, frisando a análise da entidade estatística europeia que esta quebra se deveu, fundamentalmente, “às fortes restrições colocadas no terreno devido à pandemia de COVID-19”.

Depois de quedas regulares entre 2008 e 2014, exceção feita ao ano de 2013, em que se registou uma subida de 0,3% face a 2012, o número total de passageiros embarcados e desembarcados nos portos da UE recuperou nos últimos cinco anos para atingir o pico de 419 milhões em 2019.

No que diz respeito aos portos, o Top 20 é responsável por 36% do total de passageiros (des)embarcados durante 2020 nos portos da UE. O ranking é liderado pelo porto italiano de Messina, com 7,7 milhões de passageiros, seguido por outro porto italiano (Reggio Di Calabria) com 7,5 milhões de passageiros. No terceiro e quarto lugares aparecem dois portos gregos (Paloukia Salaminas e Perama), ambos com 5,7 milhões de passageiros.

Certo é que todos os portos registaram quebras em 2020 face a 2019, com a maior descida a ser registada pelo porto de Calais, em França, com -61% face a 2019, caindo sete posições no ranking.

Portos como Similarly, Helsinquia (Finlând), Piraeus (Grécia), Tallinn (Estónia), Helsingborg (Suécia) e Helsingør (Elsinore; Dinamarca) registaram quebras superiores a 50% de 2019 para 2020.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.