Assine já
Transportes

Ryanair lança nova rota entre Lisboa e Veneza no verão de 2022

A Ryanair anunciou a abertura de uma nova rota entre a capital portuguesa e a cidade italiana de Veneza, que vai contar com cinco voos por semana, no próximo verão.

Publituris
Transportes

Ryanair lança nova rota entre Lisboa e Veneza no verão de 2022

A Ryanair anunciou a abertura de uma nova rota entre a capital portuguesa e a cidade italiana de Veneza, que vai contar com cinco voos por semana, no próximo verão.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados

A Ryanair vai abrir uma nova rota entre Lisboa e Veneza, Itália, no próximo verão, disponibilizando cinco voos por semana, informou a companhia aérea low cost em comunicado.

De acordo com a informação divulgada pela transportadora, o anuncio do lançamento da rota Lisboa-Veneza surge na sequência da abertura da nova base da Ryanair em Veneza, que entrou em operação esta semana.

"Estamos encantados por anunciar esta nova rota de Lisboa para Veneza, operando cinco voos semanais no verão de 2022. A Ryanair continua empenhada em reconstruir a indústria do turismo portuguesa e em reforçar a conetividade internacional, enquanto continuamos a crescer na Europa e as viagens regressam aos níveis pré-COVID-19", refere Jason McGuinness, diretor comercial da Ryanair.

Para assinalar o anuncio da abertura da nova rota no próximo verão, a Ryanair lançou uma promoção especial, com preços desde 19,99 euros, válida para viagens até final de outubro de 2022 e cujas reservas devem ser realizadas até à meia-noite do próximo sábado, 9 de outubro, através do site www.ryanair.com.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Qatar Airways abre segunda rota para a Ucrânia a 9 de dezembro

Companhia aérea do Qatar vai realizar três voos por semana para Odessa, a segunda cidade na Ucrânia a contar com voos da Qatar Airways, depois de Kiev.

Publituris

A Qatar Airways vai abrir, a 9 de dezembro, voos para Odessa, na Ucrânia, naquela que é a segunda rota da companhia aérea de bandeira do Qatar para o país, depois de Kiev, segundo informação divulgada pela transportadora esta segunda-feira, 25 de outubro.

Os voos da Qatar Airways para Odessa vão decorrer três vezes por semana, às terças, quintas e sábados, em aviões A320, com 12 lugares em classe business e 120 assentos em classe económica.

Os voos para Odessa partem da capital do Qatar pelas 08h30 e chegam à cidade ucraniana pelas 12h45, enquanto em sentido contrário a partida de Odessa decorre pelas 16h45, chegando a Doha às 22h50.

"Operamos para a Ucrânia desde agosto de 2017 e o lançamento dos voos para Odessa é um marco na nossa história no país. Odessa é a pérola do Mar Negro e estamos ansiosos por trazer visitantes de todo o mundo para explorar a sua rica história cultural", afirma Akbar Al Baker, CEO da Qatar Airways.

Além dos voos para a Ucrânia, a Qatar Airways tem vindo também a retomar várias das rotas que tinha abandonado devido à pandemia da COVID-19 e, atualmente, já voa para 140 destinos em todo o mundo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Levantamento de restrições faz disparar voos para os EUA

Às primeira informações sobre o levantamento das restrições, a ForwardKeys denota um crescimento nas reservas para os EUA. Para o Natal, há expectativas de um crescimento ainda maior.

Victor Jorge

Uma recente análise da ForwardKeys revela que as reservas de voos, para o mês de novembro, para os EUA dispararam após dois anúncios de que o destino seria reaberto para viajantes estrangeiros vacinados, depois de, em meados de outubro, as reservas semanais ultrapassarem 70% dos níveis pré-pandêmicos.

O primeiro anúncio foi feito no dia 20 de setembro, quando a Casa Branca informou que visitantes do Reino Unido, Irlanda, dos 26 países Schengen, China, Índia, África do Sul, Irã e Brasil teriam autorização para entrar nos EUA, sem estarem sujeitos a quarentena, desde que totalmente vacinados. Isso causou uma reação imediata, com as reservas semanais do Reino Unido a aumentar 83%, do Brasil a crescer 71% e da UE a dispararem 185%.

O segundo anúncio foi feito em 15 de outubro, quando o secretário de imprensa assistente do presidente dos Estados Unidos, Kevin Munoz, apontou o dia 8 de novembro em que as restrições seriam aliviadas. A partir daí, as reservas semanais subiram ainda mais, aumentando 15% no Reino Unido, 26% na UE e 100% no Brasil.

“Ao analisar a distribuição de reservas confirmadas, para chegada em novembro e dezembro, desses três mercados de origem (Brasil, UE e Reino Unido), houve dois picos evidentes”, refere a análise da ForwardKeys. O primeiro pico foi para viagens imediatamente após o alívio das restrições durante a semana com início em 8 de novembro, atingindo 15% das reservas. O segundo pico foi durante o Natal, atingindo 16% das reservas durante a semana do Natal e 14% na semana anterior.

Juan Gómez, Head of Market Intelligence da ForwardKeys, adianta, em nota de imprensa, que “estes dados demonstram, mais uma vez, a enorme procura reprimida por viagens. Assim que as pessoas souberam que teriam permissão para visitar os EUA novamente, reservaram e um número substancial reservou viagens para assim que fosse possível voar para os EUA”.

O responsável da ForwardKeys faz ainda notar que “as reservas aumentaram ainda mais depois de ser indicada uma data específica”, admitindo que “isso não é totalmente surpreendente por duas razões: primeiro, a certeza de uma data específica inspira confiança, e, em segundo lugar, aqueles que queriam viajar antes do final de novembro não podiam se dar ao luxo de fazer um compromisso até que tivessem certeza de que poderiam viajar quando quisessem”.

Gómez conclui que “nas próximas semanas, veremos um aumento acentuado nas reservas para os EUA no período de Natal”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Transportes

Norwegian elimina restrições temporárias no programa CashPoints

Com o aumento do número de viajantes nos últimos meses e uma tendência positiva nas futuras reservas, a Norwegian reabriu o programa CashPoints no seu formato original.

Publituris

A Norwegian anunciou, recentemente, a eliminação de todas as restrições temporárias ao uso de CashPoints (pontos de Reward da Norwegian, programa de fidelidade da empresa), a partir de segunda-feira, 1 de novembro. A empresa já havia anunciado que as restrições temporárias iriam acabar quando o mercado melhorasse. “Agora, e devido ao aumento do número de viajantes nos últimos meses e uma tendência positiva nas futuras reservas, é hora de reabrir o programa no seu formato original”, refere a empresa em nota de imprensa.

“Sempre dissemos que restauraríamos o nosso programa de fidelidade nos termos originais quando o mercado e a procura melhorassem. Os nossos membros Norwegian Reward podem reutilizar todos os seus pontos ganhos quando reservarem a sua próxima viagem connosco”, adianta Geir Karlsen, CEO norueguês.

O Norwegian Reward foi reconhecido e premiado - em várias ocasiões - como o melhor programa de benefícios internacionalmente, devido aos seus termos simples e claros e à facilidade com que os membros podem ganhar e usar pontos. Existem atualmente 9,2 milhões de membros no Norwegian Reward.

“Com uma tendência positiva contínua no número de passageiros nas nossas rotas na Noruega e na Europa, estamos a reabrir o nosso programa de fidelidade no formato original”, destaca Karlsen.

Assim, a partir de segunda-feira, 1 de novembro, os saldos de CashPoints ganhos pelos membros do Norwegian Reward podem ser resgatados integralmente na compra de voos. No Norwegian Reward, um CashPoint é o mesmo que uma coroa norueguesa e não há restrições quanto ao número de lugares disponíveis por voo para aqueles que desejam usar os pontos adquiridos.

A Norwegian estendeu ainda e automaticamente a validade de todos os CashPoints que expiraram em 2021 até 31 de dezembro de 2022.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

LATAM lança promoção com voos desde 465 euros para o Brasil

Promoção é válida para reservas até esta terça-feira, 26 de outubro, e abrange também voos em classe executiva.

Publituris

A LATAM Airlines lançou uma nova promoção para voos entre a Europa e a América do Sul, cujos preços começam nos 465 euros por pessoa para viagens de ida e volta para o Brasil, numa oferta que é válida para reservas até esta terça-feira, 26 de outubro.

O preço apresentado é válido para viagens em classe económica, mas a LATAM Airlines disponibiliza também preços para voos em executiva, cujos valores começam nos 999 euros por pessoa, também para voos de ida e volta.

A promoção da LATAM Airlines já inclui taxas aeroportuárias e impostos, e aplica-se apenas a voos operados pela própria companhia aérea, estando sujeita à disponibilidade de lugares existente.

Além do Brasil, a promoção da LATAM Airlines está também disponível para outros destinos da América do Sul, cujas condições já se encontram disponíveis através dos GDS.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

“Ainda levará um tempo para colocarmos o Brasil no mapa dos destinos turísticos dos europeus”, admite a TAP

Num webinar que debateu os “Desafios do pós-COVID”, no painel da aviação ficou patente a recuperação que o setor está a registar. A tecnologia ou digitalização foi outro dos aspetos destacados como essenciais para o futuro do setor.

Publituris

*texto de Beatriz Teizen

A pandemia da COVID-19 ainda não acabou, mas, depois de quase dois anos, o setor de turismo vê uma melhoria, com a retoma das viagens e a reabertura das fronteiras. “Quais são os desafios pós-covid?”. “Quais as mudanças que se esperam na indústria, com foco na aviação e distribuição Estes foram os temas principais abordados no seminário luso-brasileiro, promovido pela Airmet Brasil e Portugal, que teve no Panrotas Brasil e Publituris os media partners e moderadores.

“Os últimos meses foram um calvário, mas agora estamos na tal retoma. Fomos semanalmente monitorizando o ‘mindset’ dos viajantes, país a país, à medida que os destinos reabriam, para irmos repondo as nossas operações. A TAP vai operar 80% neste inverno, em relação a 2019, estando previstas, para as rotas no Brasil, 51 frequências desde Portugal”, revelou Paula Canada, diretora de marketing e vendas da TAP Air Portugal.

A responsável da companhia aérea nacional referiu ainda que “o tráfego está a responder muito bem, temos muita procura reprimida e houve uma procura enorme de viagens. Em setembro, tivemos um aumento de 70% nas vendas a partir do Brasil. Mas, na Europa, ainda levará um tempo para colocarmos o Brasil no mapa dos destinos turísticos dos europeus”. “Neste momento, não é o destino mais procurado para férias”, salientou Paula Canada.

A executiva também tocou no ponto em relação ao planeamento das viagens que, devido ao ambiente de muitas incertezas, “os passageiros compram os bilhetes com um ou dois meses de antecedência”, admitindo que “esta foi uma das maiores alterações no hábito do consumidor de viagens aéreas”.

Recuperação brasileira
Ao nível das companhias aéreas brasileiras, estas estão a superar, aos poucos, a maior crise da história da aviação mundial. A Azul, por exemplo, voltou recentemente a um equilíbrio nas suas operações domésticas, mas ainda enfrenta um grande desafio no internacional, enquanto as viagens nacionais regressaram, depois de muito tempo e algumas idas e vindas, adiantando Marcelo Bento, diretor de Relações Institucionais da área, que, depois da temporada de janeiro de 2021 ter sido “foi bastante boa, tivemos a segunda vaga em março, que nos pegou em cheio”. Certo é que de agosto em diante, “estamos a recuperar muito forte e rapidamente”, pelo que, em outubro, “estamos a voar a 106% da nossa capacidade em lugares domésticos relativamente ao período pré-pandemia”. Marcelo Bento admite, mesmo que, na época alta, “teremos 120% dos lugares”, o que será “a maior temporada de verão da história da Azul”.

Segundo Bento, o tráfego é predominantemente de lazer, ou para pequenos negócios, além da indústria pesada”, destacando ainda que “os centros financeiros, consultorias, bancos e grandes empresas, que são os que mais remuneram, ainda não voltaram a viajar”.

Quanto ao internacional, o executivo diz que a companhia ainda está muito “cautelosa”. Nunca parámos de operar em Portugal e EUA”, embora reconheça que a operação era “bem reduzida”. Antes da pandemia, eram três voos diários entre Brasil e Portugal, agora estão com cinco por semana, passando a sete em breve”. Ou seja, “ainda há um déficit muito grande”.

Além disso, há também a questão do modelo híbrido e do crescimento significativo do bleisure, que veio para ficar. Sem contar a explosão de interesse dos próprios brasileiros de conhecer o Brasil, de buscar produtos diferentes, exclusivos, culturais e muita experiência. “Tendência que veio para ficar e que levará os agentes de viagens a terem de se especializar ainda mais”.

Tecnologia e customização
Essencial mais do que nunca, as empresas precisaram de adaptar-se e adotar todas as tecnologias necessárias para sobreviver à crise. Transformação digital foi a chave e o setor do turismo foi, inclusivamente, o que mais se adaptou no período da pandemia.

“Foram várias as tendências que sugiram e as companhias aéreas e outros players do setor precisaram de se transformar para atender às novas necessidades do cliente. Focar em digitalização, modernização, trazer sistemas para a nuvem, além de outros investimentos, foi essencial”, destacou o presidente de Travel Channels da Amadeus, Decius Valmorbida.

O responsável da Amadeus focou ainda a importância da “personalização das viagens”, de se conseguir “vender mais em cada viagem, diferenciar o produto e trazer o consumidor para pagar um pouco mais”. De acordo com Valmorbida, estes fatores tornam-se “uma urgência na retoma e isso envolve empresas de tecnologia, de distribuição e aéreas” No fundo, “é focar menos em volume e mais em como vender melhor”.

Valorização do agente de viagens
“Durante este período de pandemia, os vendedores on-line, os OTA e as próprias companhias aéreas tiveram grandes problemas de atendimento aos clientes. Por isso, no nosso segmento, teremos de repensar muito essa questão, já que diversos consumidores tiveram experiências negativas com as plataformas e não tiveram suporte, começou por referir o diretor da Flytour Gapnet, Rui Alves, no início da sua intervenção.

Como consequência, isto levou o viajante a ter “uma postura refratária em relação às vendas on-line, passando a procurar muito mais informação e controlo da sua viagem”, admitiu Rui Alves.

Isto leva o responsável da Flytour a destacar o “papel consultivo” do agente de viagens, considerando-o “imprescindível para que os passageiros voltem a viajar com segurança. Diante disso, as consolidadoras atuaram muito como “um verdadeiro para-raios no atendimento”, passando a ser vistas como “um suporte para as companhias aéreas, aumentando o seu papel de promotor”. Por isso, “a importância do agente de viagens remete ao fortalecimento do consolidador”, afirmou.

Para Alves, o agente tem de procurar “aumentar o acesso à tecnologia” e os consolidadores têm um “papel importante nesse apoio aos profissionais que não conseguem ter acesso a recursos tecnológicos próprios”.

Além disso, considera, “o on-line continua a ser importante como elemento de informações”, embora reconheça que “os agentes precisarão ter presença tanto no on-line, quanto no off-line”.

Por isso, e finalizando, Rui Alves acredita que o agente que “não tiver uma presença omnichannel terá mais dificuldade para atuar do que aqueles que estão preparados”, sendo certo que “as complementaridades se valorizam agora nesse momento”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

KLM lança mapa interativo para ajudar passageiros a conhecerem requisitos de viagem

Novo mapa interativo da KLM “mostra os requisitos de viagem com base no país de partida e no status de vacinação dos clientes”.

Publituris

A KLM lançou um mapa interativo, denominado "Para onde posso voar?", que pretende ajudar os passageiros da companhia aérea a conhecerem os requisitos de viagem exigidos nos destinos para onde vão viajar.

"As regras e as restrições de viagem mudam constantemente e variam de país para país, sendo assim essencial que os viajantes tenham as informações das suas viagens atualizadas.
A KLM acaba, por isso, de lançar um mapa "Para onde posso voar?", que mostra os requisitos de viagem atuais em cada país na rede da KLM", explica a companhia aérea dos Países Baixos, em comunicado.

De acordo com a informação divulgada pela KLM, o novo mapa interativo, disponível através do link https://www.klm.pt/travel-guide/where-can-i-fly-to, "mostra os requisitos de viagem com base no país de partida e no status de vacinação dos clientes, para que estes possam escolher o próximo destino rapidamente".

Para consultar os requisitos de viagem, os passageiros da KLM devem aceder ao link do mapa interativo e escolher um aeroporto de partida, podendo depois consultar os requisitos dos vários destinos servidos pela companhia aérea.

"Os clientes vacinados podem, de seguida, clicar no botão “Tenho a vacinação completa”, para ver os requisitos de viagem adequados ao seu estado. Depois de selecionarem um destino, são direcionados para o nosso site TravelDoc, onde podem aceder aos requisitos de viagem detalhados para aquele local", explica a KLM.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Delta Air Lines nomeia novo vice-presidente para a Europa, Médio Oriente, África e Índia

Nicolas Ferri assume funções a 1 de novembro, com responsabilidade na supervisão das “iniciativas estratégicas-chave comerciais e de experiência do cliente” da Delta Air Lines na região.

Publituris

A Delta Air Lines nomeou Nicolas Ferri como vice-presidente para a Europa, Médio Oriente, África e Índia (EMEAI), com efeitos a partir de 1 de novembro, com responsabilidade na supervisão das "iniciativas estratégicas-chave comerciais e de experiência do cliente", incluindo a joint-venture entre a Delta, Air France, KLM e Virgin Atlantic.

De acordo com a Delta Air Lines, Nicolas Ferri está na Delta Air Lines há 10 anos e já desempenhou "cargos de liderança em todas as alianças da companhia aérea e divisões internacionais e comerciais".

Entre os cargos que Nicolas Ferri ocupou na Delta, destacam-se as funções de vice-presidente para a América Latina e vice-presidente de Alianças das Américas, onde foi responsável pelo P&L (Profit & Loss Statement; rentabilidade) da região e pela integração da Delta com os seus parceiros da aliança nas Américas.

Durante este período, o responsável foi também destacado para a Aeromexico, que é parceira da Delta, onde ocupou o cargo de diretor comercial (CCO) e exerceu funções de supervisão nas áreas de Gestão de Receitas, Planeamento de Rede, Estratégia Corporativa, Distribuição, Vendas Globais, Alianças, e-commerce, Atendimento ao Cliente e Fidelização.

"É um momento crucial em que me junto à equipa EMEAI, para liderar os nossos esforços regionais à medida que os EUA retomam as viagens internacionais”, destaca o responsável, que se afirma "desejoso" por iniciar funções e "desenvolver a joint-venture transatlântica líder Delta/Air France/KLM/Virgin Atlantic".

O novo vice-presidente EMEAI da Delta Air Lines vai ficar sediado em Paris e, segundo a companhia aérea, "traz consigo uma ampla experiência no setor, tendo vivido e trabalhado em 10 países da Europa, América Latina, América do Norte e Ásia", sendo por isso fluente em inglês, francês, espanhol, alemão e português.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Operação da Wamos Air Madrid/Punta Cana já está disponível no Galileo

Voos da Wamos Air para Punta Cana já podem ser reservados em sistema, com preços desde 705 euros.

Publituris

A Wamos Air anunciou que a operação entre Madrid e Punta Cana, na República Dominicana, já se encontra disponível no GDS Galileo para consulta de voos e 'Fare Quote' automático e conta apresentar novidades também em relação às rotas para Cancun e Varadero, em breve.

"Os voos de Madrid para Punta Cana para dezembro poderão já ser reservados em sistema, a partir de 705 euros", indica a companhia aérea do grupo Wamos, que opera à partida de território espanhol, numa nota divulgada esta sexta-feira, 22 de outubro.

O preço já inclui taxas de aeroporto e, segundo a companhia aérea, "futuramente" haverá também novidades em relação a outras rotas operadas pela Wamos Air, nomeadamente para Cancun e Varadero, no México e em Cuba, respetivamente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Norwegian Cruise Line traz roadshow a Lisboa a 3 de novembro

Iniciativa vai dar a conhecer as “novidades, promoções atuais e novos roteiros” da Norwegian Cruise Line (NCL), decorrendo em Lisboa a 3 de novembro, entre as 9h15 e as 11h30.

Publituris

A Norwegian Cruise Line (NCL) vai promover um roadshow que passa por várias cidades espanholas e que vai também ter lugar em Lisboa, a 3 de novembro, e no qual a companhia de cruzeiros norte-americana vai dar a conhecer as "novidades, promoções atuais e novos roteiros da marca".

"Os temas destas reuniões focam o bem-sucedido e inovador programa Free at Sea, assim como outras promoções relevantes e interessantes para o consumidor final", indica a NCL, explicando que a iniciativa pretende também "dar aos agentes a oportunidade de se atualizarem sobre os serviços que comercializam".

Segundo comunicado da NCL, o roadshow decorre no âmbito do programa Partners First e arranca ainda em outubro, em Espanha, chegando à capital portuguesa a 3 de novembro, onde vai ter lugar entre as 9h15 e as 11h30, com a participação de Virginia González, Business Development Manager, e Roberto Cabello, Business Development Manager da Oceania Cruises.

A companhia de cruzeiros norte-americana refere ainda que o programa do evento tem por base quatro pilares, concretamente ‘Reconhecimento e Recompensa’, ‘Formação’, ‘Comunicação’ e ‘Colaboração Facilitada’.

Os agentes de viagens interessados em participar no roadshow da NCL devem registar-se através do e-mail [email protected], indicando os seus dados pessoais, assim como a agência a que pertencem.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

CEO da United Airlines antevê subida do preço dos bilhetes devido ao custo do combustível

O CEO da United Airlines, Scott Kirby, alerta que “os preços mais altos do combustível da aviação levam a preços mais altos nos bilhetes”.

Publituris

O CEO da United Airlines, Scott Kirby, considera que a subida do preço dos combustíveis deverá levar a um aumento do preço dos bilhetes na aviação e admite que também a companhia aérea norte-americana deverá "passar por isso".

"Os preços mais altos do combustível da aviação levam a preços mais altos nos bilhetes”, afirmou o responsável esta quarta-feira, 20 de outubro, em entrevista à televisão norte-americana CNBC.

De acordo com o responsável, o preço do combustível está a bater todos os recordes e, no caso da aviação, ultrapassou mesmo, esta terça-feira, os 2,32 dólares por galão, bastante acima dos 2,02 dólares que eram pagos no quatro trimestre de 2019, antes da COVID-19, ou dos 2,14 dólares por galão no terceiro trimestre deste ano.

Apesar da subida, Scott Kirby diz que é "normal" que os preços subam com o aumento da procura, embora se mostre preocupado com o impacto deste aumento de preços nos resultados da aviação.

Ainda assim, o CEO da United Airlines acredita na recuperação do setor, até porque se espera um aumento das reservas para o fim-do-ano e em resultado do alivio das restrições às viagens nos EUA.

Scott Kirby mostra-se também confiante nos resultados da United Airlines, uma vez que a companhia aérea norte-americana conta reduzir, em 2022, os custos face a 2019, com exceção dos custos com o combustível.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.