Assine já
Destinos

Plataforma ‘Portuguese Wine Tourism’ já está no ar

Esta plataforma, que pretende ser um veículo para promover o enoturismo do país nos mercados internacionais, reúne toda a informação sobre a oferta nacional neste produto turístico.

Raquel Relvas Neto
Destinos

Plataforma ‘Portuguese Wine Tourism’ já está no ar

Esta plataforma, que pretende ser um veículo para promover o enoturismo do país nos mercados internacionais, reúne toda a informação sobre a oferta nacional neste produto turístico.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Enoturismo: O papel na recuperação do turismo em Portugal
Homepage
Enoturismo em destaque na 2.ª edição da FINE
Agenda
José Maria da Fonseca reabre espaços de enoturismo com novo programa para famílias
Homepage
Quinta da Aveleda eleita uma das melhores adegas do mundo por publicação dos EUA
Homepage

Anunciado em 2019, no âmbito do Plano de Ação para o Enoturismo 2019-2021, a plataforma digital “Portuguese Wine Tourism” está oficialmente no ar, segundo anunciou Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, na abertura da 5ª Conferência Mundial de Enoturismo da Organização Mundial do Turismo, que decorre em Reguengos de Monsaraz, no Alentejo, até sexta-feira.

Esta plataforma, que pretende ser um veículo para promover o enoturismo do país nos mercados internacionais, reúne toda a informação sobre a oferta nacional neste produto turístico. Este canal de comunicação  da oferta nacional de enoturismo está a ser dinamizado em cooperação com as Agências Regionais de Promoção Turística e com as empresas.

Siza Vieira indicou que, no âmbito do plano de desenvolvimento do enoturismo em Portugal, já foram apoiados 60 projetos hotéis temáticos, rotas, enotecas, museus, eventos, adegas, quintas e solares, entre outros. Num total de 90 milhões de euros, segundo anunciou por sua vez o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, na sua página de Linkedin.
Foram também realizadas formações que abrangeram mais de 4 mil pessoas em cerca de 90 ações, dotando-os de competências globais de organização, planeamento, gestão e execução de projetos para potenciar a experiência do visitante, bem como da utilização dos recursos turísticos da região na conceção da oferta do produto enoturismo. Este Plano de Ação do Enoturismo incluiu também o lançamento da campanha ‘Wine pairs with‘, que segundo o Turismo de Portugal alcançou 8 milhões de pessoas.

O ministro da Economia divulgou ainda a realização, em 2022, da 1ª edição da Semana do Vinho e Viagens a acontecer no Porto, que “será um dos melhores eventos de vinhos”.

O Plano de Ação do Enoturismo inclui ainda a criação de um “Conselho Estratégico Nacional”, que foi formalizado no decorrer da Conferência, de Comités Regionais de Acompanhamento e de um Think Tank empresarial para promover o alinhamento e a articulação das iniciativas de âmbito nacional, regional e empresarial.

(atualizada 16h01)

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Receitas turísticas de novembro ultrapassam pela primeira vez os mil milhões de euros

Os dados do Banco de Portugal (BdP) mostram que em novembro, pela primeira vez neste mês, as receitas turísticas ultrapassaram os mil milhões de euros, ultrapassando igual mês de 2019 em 35,1%, que tinha sido o melhor mês de novembro de sempre para o turismo nacional.

As receitas provenientes da atividade turística voltaram a subir no passado mês de novembro e, pela primeira vez, ultrapassaram os mil milhões de euros neste mês, que se tornou já no melhor novembro de sempre para o turismo nacional, com as receitas a somarem 1.226,67 milhões de euros, segundo os dados revelados esta quinta-feira, 19 de janeiro, pelo Banco de Portugal (BdP).

De acordo com o BdP, as receitas turísticas de novembro, que se encontram pelos gastos dos turistas estrangeiros em Portugal, ficaram 35,1% acima do apurado em igual mês de 2021 e ultrapassaram mesmo novembro de 2019, que tinha sido o melhor mês de novembro de sempre para o turismo nacional, em 24,4%.

Tal como as receitas turísticas, também as importações do turismo, que são apuradas pelos gastos dos turistas portugueses no estrangeiro, somaram, em novembro, o valor mais elevado de sempre para este mês, chegando aos 394,98 milhões de euros, o que traduz uma subida de 22,4% face ao valor apurado em novembro de 2021 e de 8,5% em comparação com novembro de 2019.

E também o saldo da rubrica “Viagens e Turismo” aumentou em novembro de 2022 e somou 831,69 milhões de euros, valor que ficou 42% acima do apurado em igual mês de 2021 e 33,4% do registado em novembro de 2019.

O BdP indica que, em novembro,  “a rubrica de viagens e turismo, cujas exportações e importações cresceram, em termos homólogos, respetivamente, 35,1% e 22,4%”, contribuiu para a subida das exportações e das importações na balança de serviços, que registou mesmo um excedente e compensou “parcialmente” o aumento do défice da balança de bens.

Acumulado também sobe

Tal como em novembro, também o acumulado desde o início do ano traz boas notícias, uma vez que as receitas turísticas somam já 19.722,13 milhões de euros, o que traduz um aumento de 16,1% face aos 16.955,7 milhões de euros que tinham sido apurados em novembro de 2019.

As boas notícias são ainda comuns às importações do turismo, que somaram, em novembro, 5.116,18 milhões de euros, ultrapassando em 8,3% o valor de 4.722,2 milhões de euros acumulado até novembro de 2019.

No saldo da rubrica “Viagens e Turismo”, o aumento foi de 16,5%, uma vez que os 12.508,73 milhões de euros apurados no acumulado dos primeiros 11 meses de 2019 comparam agora com um valor que chega aos 14.569,97 milhões de euros.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

CML reafirma interesse em cobrar taxa turística a passageiros de cruzeiros ainda no 1º semestre

Tanto o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, como o vice-presidente da autarquia, Filipe Anacoreta Correia, têm manifestado interesse em que passe a ser cobrada uma taxa turística a passageiros que cheguem à capital em navios de cruzeiros.

A cobrança da taxa turística aos passageiros que desembarquem em navios de cruzeiros em Lisboa, é um contributo para “ter uma cidade melhor, com mais inovação e mais obras”, defende a autarquia, que avança que “tem sido uma negociação difícil”, apesar de estar prevista em regulamento, perspetivando que a situação se resolva “em breve”.

“Parece-nos inaceitável e incompreensível que os passageiros dos navios de cruzeiro não paguem a taxa turística, como está prevista, e, portanto, é uma matéria em relação à qual nós não abdicaremos e também esperamos que em breve, no decurso do primeiro semestre deste ano, seja concretizada”, afirmou o vice-presidente da Câmara de Lisboa, Filipe Anacoreta Correia, citado pela Agência Lusa.

Esta intenção que foi proferida na reunião da Assembleia Municipal de Lisboa, segue-se às recentes declarações do presidente da autarquia, Carlos Moedas, de que os turistas de cruzeiros também devem pagar dois euros quando desembarcam na cidade.

Na apresentação da Doca da Marinha, em Lisboa, que foi alvo de um plano de dinamização, Carlos Moedas lembrou a importância da taxa turística para a cidade, e dependeu que a cobrança de dois euros aos passageiros de cruzeiros à chegada a Lisboa é um contributo para “ter uma cidade melhor, com mais inovação e mais obras”.

“A taxa turística é isto: vamos ao Museu do Tesouro Real ou mesmo aqui e os turistas, com o pagamento da taxa, deixaram o contributo para o desenvolvimento da cidade, para a melhoria das condições e da oferta, nomeadamente, a nível cultural”, afirmou  autarca de Lisboa, sublinhando que os turistas que chegam a Lisboa nos cruzeiros também devem pagar taxa. “Para quem chega ao Terminal de Cruzeiros, dois euros não é nada”.

Como presidente em exercício devido à ausência de Carlos Moedas, Filipe Anacoreta Correia respondeu que a Câmara Municipal de Lisboa tem tido “um grande empenho” para que também na atividade dos navios cruzeiros possa ser cobrada a taxa turística, “que está prevista no regulamento, mas que não tem sido cobrada”.

“Tem sido uma negociação difícil, mas posso dizer que a câmara está determinada em relação a essa matéria”, assegurou o autarca, referindo que a justificação dada pelos operadores de cruzeiros para a não cobrança da taxa turística é que a mesma “tem que ser antecipada ao tempo da comercialização dos próprios cruzeiros”.

Na cidade de Lisboa, a taxa turística começou a ser aplicada em janeiro de 2016 sobre as dormidas de turistas nacionais (incluindo lisboetas) e estrangeiros nas unidades hoteleiras ou de alojamento local. Inicialmente era de um euro por noite, mas a partir de janeiro de 2019 aumentou para dois euros.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Turismo Industrial de S. João da Madeira assinala 11º aniversário com várias iniciativas

O Turismo Industrial de S. João da Madeira está a assinalar o seu 11º aniversário com várias atividades e visitas orientadas, a decorrer nas empresas e instituições parceiras deste programa municipal.

Este programa pioneiro de turismo industrial, iniciado em janeiro de 2012 pelo município de S. João da Madeira, que visa proporcionar a descoberta do património industrial e da indústria viva que caraterizam e diferenciam o território do concelho, engloba empresas como a Viarco – Fábrica Portuguesa de Lápis, Fepsa – Feltros Portugueses, Cortadoria Nacional de Pêlo, Heliotextil, Bulhosas, Flexitex, Molaflex, Belcinto, CEI – Companhia de Equipamentos Industriais, ERT – Têxtil Portugal, Mariano Shoes, Faurecia e Monte Campo.

Do roteiro de visitas do Turismo Industrial de S. João da Madeira, fazem ainda parte a Academia de Design e Calçado, Centro Tecnológico do Calçado de Portugal e Sanjotec, além de equipamentos municipais como o Museu da Chapelaria, o Museu do Calçado, a Torre da Oliva e a Oliva Creative Factory (onde se encontra o Centro de Arte Oliva).

Segundo avança a imprensa local, no ano passado, com o objetivo de dar continuidade ao processo de afirmação e crescimento deste projeto, a Câmara Municipal assinou, com a Entidade Regional de Turismo Porto e Norte de Portugal, a Declaração de Colaboração, no quadro da dinamização do Turismo Industrial em Portugal.

Refira-se, por outro lado que o Turismo Industrial de S. João da Madeira foi distinguido, no início de janeiro, com o Prémio de Mérito da Society for Historical Archaeology, passando, assim, a ser um dos quatro primeiros projetos portugueses a receberem este galardão internacional atribuído por essa organização educacional, fundada em 1967 e sediada nos Estados Unidos da América, que, desde 1988, reconhece, dessa forma, indivíduos e organizações que se distinguem na causa da arqueologia histórica.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Baixa Pombalina de Lisboa é candidata a Património Mundial da UNESCO

A Câmara Municipal de Lisboa está a formalizar a candidatura da Baixa Pombalina a Património Mundial, com o pedido junto da Comissão Nacional da UNESCO, fundamentando, segundo o presidente da autarquia, Carlos Moedas, como sendo “uma cidade única: histórica e inovadora, tradicional e cosmopolita”, e tendo em conta “a excecionalidade desta zona histórica” e os contributos para a história da humanidade.

“Estamos muito empenhados em obter a classificação da Baixa Pombalina como Património da Humanidade. Lisboa é uma cidade única: histórica e inovadora, tradicional e cosmopolita, com uma identidade singular, mas sempre aberta ao mundo”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, citado pela Lusa.

O autarca destaca os bens patrimoniais da cidade, “em particular aqueles que lembram a impressionante capacidade de resposta que o povo português teve ao terramoto de 1755, um dos mais destruidores de sempre”, considerando que “são dotados de um valor universal excecional e merecem ser distinguidos e protegidos”.

O processo de candidatura da Baixa Pombalina à distinção atribuída pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), para proteger os sítios de valor universal excecional, decorreu durante o ano de 2022 e o pedido acaba de ser formalizado, com a comunicação do interesse em que este conjunto monumental seja inscrito na Lista Indicativa de Portugal.

A Câmara Municipal de Lisboa considera “fundamental” a inscrição da zona na Lista Indicativa de Portugal, para que seja possível “uma futura classificação, justificada pela excecionalidade desta zona histórica e pelos seus contributos para a história da humanidade”.

Carlos Moedas acredita que estes bens materiais “são dotados de um valor universal excecional e merecem ser distinguidos e protegidos”. O pedido é formalizado com a comunicação do interesse de inscrever este conjunto na Lista Indicativa de Portugal.

Para o autarca, a Baixa Pombalina “é um sítio monumental único”, que inclui “múltiplos edifícios de reconhecido valor histórico e patrimonial, que representam diferentes épocas e conservam a sua autenticidade”, nos quais se incluem o Torreão Poente da Praça do Comércio, que “será alvo de requalificação para acolher um núcleo do Museu de Lisboa”.

Uma das vantagens desta classificação enumeradas pela autarquia é no âmbito da reabilitação do património, pela possibilidade de atribuição de incentivos e benefícios fiscais, isenção de taxas ou criação de um banco de materiais e de uma bolsa de projetistas com experiência de reabilitação. Por outro lado, destaca as mais-valias na proteção e conservação do conjunto edificado e ao nível da educação, pela possibilidade de promover campanhas de divulgação e de informação sobre o património.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Viagens Tempo e Turkish Airlines promovem famtrip a Istambul e à Jordânia

As Viagens Tempo vão promover, entre 21 e 28 de janeiro, uma famtrip a Istambul, na Turquia, e à Jordânia, que vai decorrer em parceria com a companhia aérea Turkish Airlines e que conta com a participação de nove agentes de viagens portugueses.

O operador turístico Viagens Tempo vai promover, entre 21 e 28 de janeiro, uma famtrip a Istambul, na Turquia, e à Jordânia, que vai decorrer em parceria com a companhia aérea Turkish Airlines e que visa dar a conhecer aos agentes de viagens portugueses “dois dos destinos ‘best-seller’” do operador turístico e que, segundo as Viagens Tempo, têm um “forte potencial para crescer ainda mais no mercado português”.

“Os agentes de viagens vão poder conhecer in loco a forma como operamos os nossos programas e, claro, familiarizar-se com os destinos”, explica o operador turístico ao Publituris, revelando que a viagem inclui três dias em Istambul e cinco dias na Jordânia.

Durante a famtrip, os agentes de viagens vão poder visitar a Mesquita Azul, o Palácio Topkapi e realizar um passeio de barco no Bósforo, em Istambul, enquanto na Jordânia estão previstas visitas a Petra, que é uma das 7 Maravilhas do Mundo, mas também ao Mar Morto e ao deserto de Wadi Rum, existindo ainda a oportunidade de conhecer o Aeroporto de Istambul em visita guiada e a Turkish Flight Academy, a academia de formação da Turkish Airlines.

De acordo com as Viagens Tempo, além de Istambul, esta famtrip pretende que os agentes de viagens conheçam também a Jordânia e as suas atrações turísticas, uma vez que se trata de um destino em que o operador tem vindo a apostar há vários anos e que tem “crescido ano após ano, quer em individuais quer em grupos fechados, contando já com um interessante número de grupos confirmados para este ano”.

“A estreita relação com os nossos representantes locais, com quem trabalhamos há mais de 10 anos, e o conhecimento profundo do destino permitem-nos ter um produto diversificado e com um elevado padrão de qualidade”, acrescenta o operador turístico, revelando que conta incluir na sua programação para 2023 um combinado Istambul e Jordânia.

“Contamos incluir na nossa programação de 2023 um combinado Istambul e Jordânia. Neste momento contamos já com diversos programas na Turquia e na Jordânia que podem ser consultados na nossa página www.viagenstempo.pt”, diz o operador ao Publituris.

Além dos representantes das Viagens Tempo e da Turkish Airlines, a famtrip vai contar com a participação do Publituris e de nove agentes de viagens, concretamente das agências Easy Go Holidays, Portugal With, Inatel Turismo, Portugal 2 Travel, Bestravel (Cascais), B Travel, FR Travel, Wamos / Top Atlântico Gaia Shopping e Eco Travel.

Os voos são realizados pela Turkish Airlines, com partida do aeroporto do Porto.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Air Canada muda-se para o Terminal A do aeroporto de Newark

A companhia aérea canadiana passou a operar no Terminal A do Newark Liberty International Airport (EWR), nos EUA, a partir de 12 de janeiro.

A Air Canada passou a operar, a partir de 12 de janeiro, no Terminal A do Newark Liberty International Airport (EWR), nos EUA, informou a companhia aérea canadiana em comunicado.

Devido à mudança, a Air Canada está a pedir aos seus passageiros com voos de conexão em Newark que verifiquem o terminal e a porta de embarque a que se devem dirigir.

No novo terminal, os passageiros da Air Canada que viajem em Classe Business ou que tenham acesso aos lounges da Star Alliance, vão poder aceder ao United Club Lounge, que vai ser inaugurado no final da primavera.

Mais informações aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Azores Airlines passa a ter seis famílias tarifárias distintas

O Grupo SATA ampliou a estrutura tarifárias da Azores Airlines, que passa a contar com seis famílias tarifárias, distribuídas por duas classes.

O Grupo SATA decidiu ampliar a estrutura tarifárias da Azores Airlines, que passa a contar com seis famílias tarifárias distintas que se distribuem por duas classes de serviço, concretamente Classe Económica e Classe Conforto (também conhecida como Classe Executiva).

Segundo uma nota informativa do grupo de aviação açoriano, a nova estrutura tarifária da Azores Airlines pretende “oferecer mais possibilidade de escolha aos passageiros e conferir melhor visibilidade sobre o portefólio de produtos e serviços que a companhia aérea oferece”.

“As tendências de consumo dos viajantes indicam que, cada vez mais, as necessidades, expetativas e prioridades dos passageiros diferem de acordo com o propósito e o momento em que realizam a viagem”, explica o Grupo SATA na informação divulgada, sublinhando que há diferenças nas necessidades dos passageiros que viajam em trabalho, lazer, em família, em viagens curtas ou mais longas.

Com esta alteração, a Azores Airlines passa a contar com quatro tarifas dentro da Classe Económica, concretamente Economy Simple, Economy Basic, Economy Flex e Economy TOP, assim como com outras duas na Classe Executiva.

Na Classe Económica, a tarifa Economy Simple é adequada para quem viaja apenas com bagagem de mão, enquanto a Economy Basic inclui bagagem de porão ou equipamentos desportivos, sendo ainda possível optar pela Economy Flex, que permite a alteração de datas e a escolha do lugar, bem como pela Economy Top, que, além de permitir alterações, possibilita reembolso, prioridade no check-in e na bagagem, e uma bagagem extra de porão.

Já na Classe Conforto (também conhecida como Executiva), a Azores Airlines disponibiliza a tarifa Comfort Light, que dá acesso ao conforto da cabine de classe executiva com algumas restrições na flexibilidade e com um valor mais económico, enquanto a Confort Plus é adequada para quem deseja usufruir de uma experiência de viagem completa, com mais bagagem de cabine e de porão, entre outros benefícios.

“Cada família tarifária contém atributos e serviços diferentes, que estarão disponíveis até ao último lugar da família existente na respetiva cabine. As classes tarifárias são geridas de forma dinâmica e de acordo com a procura. Esta nova circunstância permite maior dinâmica na oferta e a possibilidade de surgirem boas ocasiões para os passageiros”, explica o Grupo SATA, aconselhando os seus passageiros a estarem atentos “às promoções relâmpago, pois permitirão beneficiar de boas oportunidades”.

Inalterados mantêm-se os benefícios associados às tarifas económicas de Residente e Estudante, assim como as condições para os passageiros que já tenham “passagens aéreas adquiridas no anterior modelo”, uma vez que estas viagens mantêm as “condições adquiridas”.

A nova estrutura tarifária da Azores Airlines já se encontra disponível em todos os canais de venda da companhia aérea, bem como através das agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Cabo Verde: Empreendimento “Duargena five star living” vai nascer na ilha do Fogo

Com um investimento de 17,5 milhões de euros, vai nascer na ilha cabo-verdiana do fogo o empreendimento turístico e imobiliário “Duargena five star living”, cujo projeto acaba de ser apresentado às autoridades municipais locais.

O empreendimento, com uma área de mais de 40 mil metros quadrados, vai nascer na zona sul da cidade de São Filipe, e segundo notícia veiculada pela Agência de Notícias Inforpress, é uma iniciativa da engenheira Mónica Sofia, em parceria com investidores da República Checa.

O “Duargena five star living” terá 110 apartamentos, vilas de luxo, Spa, seis lojas, um restaurante, campos para desportos náuticos, três clubes de praia, mais de três dezenas de piscinas, monumentos, espaços verdes, sistema de tratamento das águas e energia renováveis.

Os imóveis são equipados sendo localizados numa zona integrada e sustentável e com uma vista direcionada para o mar e para a ilha Brava.

A ideia é lançar a primeira pedra em meados de abril deste ano para que as obras possam iniciar, esperando-se concretizar o investimento o mais depressa possível.

O “Duargena five star living” vai impulsionar vários outros projetos e em colaboração com o poder local e o Governo está-se a equacionar a possibilidade da expansão da pista do aeródromo de São Filipe e a sua transformação num aeroporto de médio porte capaz de dar vazão a este investimento e a outros.

Segundo o presidente da autarquia de São Filipe, a Nuías Silva, com a expansão do aeródromo e resolução do o problema de ligação Fogo e Brava diariamente vai-se criar um novo polo de desenvolvimento de turismo de qualidade e ligado à natureza e comodidade, alternativo ao turismo de sol e praia.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Aldeia de Álvaro oferece casa que flutua

A Aldeia de Álvaro, que faz parte da Rede das Aldeias de Xisto, tem agora um novo equipamento turístico e de alojamento. Trata-se do Floating Álvaro, a casa que flutua.

A casa que flutua é a sinergia perfeita entre a sustentabilidade, a paisagem natural e o respeito por toda a história da aldeia, abraçada pelo Rio Zêzere.

Segundo Pedro Castanheira, um dos rostos do projeto, queria que “fosse algo que respeitasse a paisagem natural da aldeia e que, em simultâneo, cuidasse do nosso planeta”. Assim, o Floating Álvaro foi desenhado com materiais de baixo impacto ambiental, utiliza tecnologia que reduz a pegada ecológica, conta com uma estação de tratamento de águas residuais por lamas ativadas e a embarcação é, ainda alimentada por energias renováveis.

Atracado na marina de Álvaro, a embarcação que serve diferentes propósitos, permite um passeio numa extensão de 30km em águas calmas e relaxantes. Em determinadas alturas do ano podem observar-se ruínas de casas que ficaram submersas pela construção da barragem trazendo ainda mais magia a esta Aldeia de Xisto sem sair de casa.

Esta é uma alternativa diferente e única para todos os que procuram equilíbrio e bem-estar durante todo o ano, incluindo “alturas em que as temperaturas são mais baixas, pois temos aquecimento a pellets que traz a comodidade necessária para um ambiente de verdadeiro conforto”, reforça Pedro Castanheira

Preparado de forma a que todos consigam desfrutar ao máximo desta conexão, o Floating Álvaro tem capacidade até seis pessoas, por 130 euros/ noite, cozinha equipada, casa de banho e ainda um espaço exterior para passar algumas horas a pescar, a ler ou a relaxar. A estadia pode ser conjugada com um passeio de uma hora pelo rio, por 60 euros/hora e tem capacidade para 12 pessoas. Para os que pretendem apenas fazer um passeio de barco podem contratar este serviço.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Turismo

Portugal espera repetir este ano crescimento do turismo acima do esperado de 2022

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados”, afirmou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.

Portugal apresenta-se na Feira de Turismo de Madrid (FITUR), com 92 empresas num expositor de 900 metros quadrados do Turismo de Portugal, além da presença das sete regiões turísticas do país (Porto e Norte, Centro, Alentejo, Algarve, Madeira e Açores) e diversos municípios e entidades intermunicipais em ‘stands’ próprios na FITUR, com a expectativa de repetir este ano o crescimento do setor acima do que tinha sido previsto para 2022 e de captar mais turistas em Espanha.

O ano passado é já “o melhor de sempre do ponto de vista de receitas” do turismo português, com uma estimativa de mais de 22 mil milhões de euros, que comparam com os 18,4 mil milhões de 2019, o último sem qualquer impacto da pandemia de covid-19, disse aos jornalistas o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, em Madrid, na abertura da FITUR.

“Recuperámos antes do que prevíamos”, sublinhou o presidente da entidade responsável pela promoção de Portugal como destino turístico.

“Aquilo que estamos a prever para 2023 é continuar o crescimento que tivemos em 2022, obviamente, com grandes incertezas, da guerra na Ucrânia até à inflação. Mas acreditamos que estamos muito bem posicionados. Um exemplo disto é esta feira, a FITUR”, acrescentou Luís Araújo, que destacou que o mercado espanhol é atualmente o segundo maior para Portugal em número de hóspedes e o quarto em termos de receitas.

Em relação a Espanha há, assim, segundo Luís Araújo, “um trabalho a fazer” para aumentar as receitas, através de “segmentos específicos” do mercado.

De um ponto de vista mais global, a estratégia é “tentar diversificar ainda mais o núcleo de mercados” que são fundamentais para o turismo português, afirmou.

Para este objetivo, uma das chaves de crescimento está nas ligações aéreas, de que o turismo português depende por causa da localização geográfica do país.

“Temos conseguido retomar as rotas que tínhamos perdido em 2020 e 2021 e estamos já com os indicadores muito próximos [aos dos anos anteriores]. Este ano, 2023, vamos ultrapassar 2019. É uma das grandes âncoras para a retoma do setor”, afirmou o presidente do Turismo de Portugal.

Luís Araújo destacou que “o crescimento faz-se em todos os aeroportos” e deu como exemplo, precisamente, Espanha, país que teve ligações com os cinco aeroportos nacionais portugueses no ano passado, através da companhia aérea espanhola Iberia, “um fator ótimo de distribuição” de turistas, principalmente de mercados a que no passado Portugal não chegava, como o mexicano ou outros da América do Sul.

“O nosso papel é, em conjunto com cada um dos nossos aeroportos, e há ainda margem para crescer em muitos dos aeroportos, tentar demonstrar esta capacidade de atração para todas as regiões. Aquilo que nós entendemos é que existe obviamente um ‘hub’, que é Lisboa e faz esta distribuição, mas existem muitos motivos de interesse para muitos mercados para destinos como Algarve, o norte ou as ilhas”, afirmou.

Presente na FITUR está também o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços (SETCS), Nuno Fazenda, que destacou, em declarações aos jornalistas, a importância do mercado espanhol e a “forte presença” de empresas nacionais na feira de Madrid deste ano.

“O mercado espanhol é um mercado muito importante para o nosso país, é o segundo maior mercado em dormidas e o primeiro em algumas regiões, como o Norte, Centro e Alentejo. E, nesse contexto, temos também de trabalhar vários segmentos para crescer também em valor e crescer também no interior, no território do interior de Portugal”, afirmou.

O ministro da Economia, António Costa Silva, e a ministra espanhola do Turismo, Reyes Maroto, apresentam esta quinta-feira, 19 de janeiro, a Estratégia de Cooperação Transfronteiriça entre Portugal e Espanha para o setor do turismo, que foi acordada na última cimeira ibérica, em novembro passado.

“É um reforço para desenvolver também turisticamente o interior do nosso país”, sublinhou Nuno Fazenda, que considerou a região transfronteiriça “uma centralidade ibérica” que é necessário potenciar através da promoção turística, mas também do aumento e melhoria das ligações aéreas, rodoviárias e ferroviárias entre Portugal e Espanha, como está previsto, sublinhou, no âmbito de investimentos com fundos europeus dos planos de recuperação e resiliência.

O secretário de Estado manifestou-se “muito satisfeito” com a adesão de empresas e outras entidades a esta edição da FITUR, com vista à afirmação de Portugal como destino turístico no mercado espanhol.

Em paralelo, defendeu a continuidade na aposta dos mercados estratégicos para Portugal dentro e fora da Europa, onde está concentrada 80% da procura turística do país.

Neste contexto, deu como exemplo o sucesso recente da aposta nos Estados Unidos, que transformou este país no quinto com maior peso no turismo português.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.