Assine já
Alojamento

Receitas nos serviços de alojamento caem 78% em janeiro

Na seção de alojamento, restauração e similares foi, precisamente, o alojamento a registar a maior quebra no toca ao volume de negócios.

Publituris
Alojamento

Receitas nos serviços de alojamento caem 78% em janeiro

Na seção de alojamento, restauração e similares foi, precisamente, o alojamento a registar a maior quebra no toca ao volume de negócios.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Alojamento, restauração e similares inverte a trajetória negativa e cresce em abril
Alojamento
Quarto Fotos de banco de imagens por Vecteezy
“Situação da hotelaria é muito grave e os apoios insuficientes”
Homepage
Número de hóspedes e dormidas acentuam queda do turismo no início de 2021
Alojamento
Atividade turística mantém quebra, mas menos acentuada
Alojamento

O volume de negócios nos serviços de alojamento caiu 78%, em janeiro de 2021, face a período homólogo de 2020, depois de, em dezembro, ter registado uma quebra de 64,9%, avançam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Já a restauração e similares contraiu 49,2% no período em análise (-36,2% em dezembro), fazendo com que a globalidade dos serviços de alojamento, restauração e similares, apresentar uma diminuição homóloga de 57% (-43,9% em dezembro).

De resto, o volume de negócios nos serviços registou, globalmente, uma variação homóloga de -16,7% em janeiro, 3,9 pontos percentuais (p.p.) inferior à registada no mês anterior. Os dados não ajustados de sazonalidade e de efeitos de calendário passaram de uma variação de -13,3% em dezembro para -19,2% no mês em análise.

Mas não foi somente nas receitas que os serviços de alojamento, restauração e similares apresentaram as maiores quebras. Também no índice de emprego estes serviços caíram, apresentando os dados do INE uma quebra homóloga de 19,8%, enquanto nas remunerações a e nas horas trabalhadas as descidas foram de 20% e 44,4%, respetivamente.

Na globalidade, a redução das horas trabalhadas, a variação passou de -11% em dezembro para -16,1% em janeiro. Os índices de emprego e remunerações apresentaram variações homólogas de -8,5%, -7,6% mais próximas dos valores de dezembro (-8,4%, -6,3% respetivamente).

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Destinos

Lisboa em destaque na gala europeia dos WTA

Lisboa arrecadou este sábado, 1 de outubro, os prémios de Melhor Destino Metropolitano à beira-mar, Melhor Destino City Break e Melhor Destino de Cruzeiros. O Porto de Lisboa foi ainda distinguido como o melhor da Europa.

A capital portuguesa esteve em destaque na última edição da gala europeia dos World Travel Awards (WTA), na qual arrecadou os prémios de Melhor Destino Metropolitano à beira-mar, Melhor Destino City Break e Melhor Destino de Cruzeiros.

“Os prémios que hoje Lisboa recebe refletem a aposta na qualidade do Turismo em Lisboa. Estamos a recuperar e a reposicionar Lisboa como uma capital cada vez mais atrativa em que o Turismo se cruza com outros setores como a Cultura, o Comércio, a Ciência ou a Inovação. Lisboa vence pela oferta diferenciadora em relação a outros destinos”, refere Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa e da Associação Turismo de Lisboa (ATL), citado em comunicado.

A gala europeia dos WTA decorreu este sábado, 1 de outubro, em Maiorca, Espanha, e, além dos prémios atribuídos à capital portuguesa, distinguiu também o Porto de Lisboa como  Melhor Porto de Cruzeiros da Europa.

Os WTA são considerados os “Óscares do Turismo” e resultam de uma votação online, na qual participou o público em geral e milhares de profissionais de Turismo e Viagens à escala global.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Presidente da APAVT admite um 2023 “menos robusto” no outgoing e em algum incoming europeu

“Prevemos um 2023, ao nível do mercado português, e de outros mercados emissores europeus, menos robusto que em 2022. Diria que a nossa operação de verão em 2023 é bem espectável que seja menos robusta”, alertou o presidente da APAVT.

Num encontro com jornalistas, sexta-feira em Lisboa, e respondendo a uma questão colocada pelo Publituris, Pedro Costa Ferreira apontou que, no verão do próximo ano “teremos, por um lado, a poupança forçada já gasta, e por outro lado, menor rendimento disponível decorrente da inflação e, sobretudo, do peso que tem as prestações para habitação própria da classe média portuguesa”.

Assim, o dirigente admite que os destinos de proximidade tenhas oportunidades nesta conjuntura. Neste caso apontou a Madeira e os Açores “podem ter uma oportunidade acrescida, pois como se sabe, durante a pandemia também a tiveram. Isto também pode voltar a incluir destinos do continente”.

Preocupado está também com os principais mercados emissores europeus para Portugal. “Já há notícias muito desagradáveis do Reino Unido no que diz respeito à desvalorização da libra, que é uma da espécie de inflação ainda maior. E temos do ponto de vista do mercado alemão um histórico, é que, assim que há uma perspetiva de menor rendimento disponível, há menor consumo. Aliás, a Alemanha já está a entrar em recessão. Estou a falar de dois mercados fortíssimos para Portugal, mas teremos que olhar também para outros mercados europeus”.

Por outro lado, acrescentou, “se olharmos para o olharmos para o mercado norte-americano e para a valorização do dólar, teremos uma oportunidade espetacular, e sabendo que este mercado, e todos os mercados de longo curso são estratégicos do ponto de vista do turismo português, quem sabe. não teremos aqui, nas dificuldades. Uma oportunidade para acelerarmos alguns aspetos”.

Costa Ferreira sublinha, no entanto, que a “incerteza é total”, referindo que estamos a dar respostas como o mundo é atualmente “com a inflação, com a guerra como está, mas nada está garantido. A incerteza é total”.

Em relação a este ano, o presidente da APAVT sublinha que “já está tudo praticamente gasto. Foi um dos componentes da expressão inflacionária em que vivemos e não nos apanhou de surpresa.

Indica que, em 2020 “dizíamos que ia haver uma poupança forçada e que o retorno ia ser off/on e foi, e dissemo-lo, contra a maioria de estudos de consultores e outros analistas que indicavam regressos mais atenuados no tempo. Nós sempre dissemos que se houvesse condições do ponto de vista pandémico que a procura voltaria num dia, e voltaria mais forte do que nunca, e foi oque aconteceu” salientou Pedro Costa Ferreira no encontro com jornalistas.

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Alojamento

Alojamento turístico atinge máximos históricos em agosto

Dados do INE, divulgados esta sexta-feira, 30 de setembro, mostram que os resultados do alojamento turístico em agosto correspondem aos “valores mensais mais elevados desde que há registo”.

Inês de Matos

O alojamento turístico nacional contabilizou 3,4 milhões de hóspedes e 9,9 milhões de dormidas no passado mês de agosto, resultados que, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), correspondem aos “valores mensais mais elevados desde que há registo”.

Os dados divulgados esta sexta-feira, 30 de setembro, pelo INE, traduzem crescimentos de 33,0% e 31,9%, respetivamente, face ao ano passado, bem como a subidas de 1,2% e 2,8% em comparação com o mesmo mês de 2019, que tinha sido, até aqui, o melhor de sempre.

O mercado interno contribuiu com 3,7 milhões de dormidas, o que representa uma descida de 11,4% face a mês homólogo do ano passado, que, segundo o INE, tinha correspondido a um “máximo histórico”. Já face a agosto de 2019, o mercado interno cresceu 8,2%.

Os mercados externos, por sua vez, totalizaram 6,2 milhões de dormidas, num aumento de 86,9% face a agosto do ano passado, ainda que tenha sido registada uma diminuição ligeira de 0,2% face ao mesmo mês de 2019.

Por tipo de alojamento, as dormidas na hotelaria, que representaram 81,1% do total, cresceram 32,1% face ao mesmo mês de 2021 e 2,8% em comparação com agosto de  2019, enquanto nos estabelecimentos de alojamento local, que representaram 13,8% do total, houve um aumentos de 39,0% face ao ano passado, ainda que, em comparação com agosto de 2019, se tenha notado uma descida de 3,8%.

Já no turismo em espaço rural e de habitação, cuja quota foi de 5,1%, houve um acréscimo de 14,2% em comparação com agosto do ano passado e um forte subida face ao mesmo mês de 2019, que chegou aos 26,6%.

Por mercados, o britânico, que representou 17,7% do total das dormidas de não residentes neste mês, apresentou uma subida 0,3% relativamente a agosto de 2019, enquanto o espanhol, que representou 17,6% do total, registou uma descida de 3,1%, e o francês, com uma quota de 12,9%, cresceu 0,9%.

O INE sublinha, no entanto, as subidas dos mercados alemão que, com uma quota de 9,2%, aumentou 3,4%, e norte-americano, cuja quota foi de 5,7% e “continuou a destacar-se (+28,3%) quando comparado com agosto de 2019, tendo apenas sido ultrapassado pelo mercado checo (+51,1%)”.

“Comparando com agosto de 2019, evidenciaram-se também os crescimentos registados pelos mercados suíço (+25,9%), dinamarquês (+24,6%) e romeno (+24,2%)”, indica ainda o INE, revelando também que “as maiores diminuições verificaram-se nos mercados brasileiro (-19,1%) e sueco (-9,8%)”.

Por regiões, a maioria das dormidas concentrou-se no Algarve (32,2%), seguindo-se a AM Lisboa (21,1%), o Norte (16,5%) e o Centro (11,6%), com o INE a frisar que “registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões” face a agosto do ano passado.

Já em comparação com agosto de 2019, “apenas o Algarve registou um decréscimo (-7,1%)”, diz o INE, que revela que “os aumentos mais expressivos ocorreram na RA Madeira (+16,9%) e no Norte (+15,9%)”.

Nas dormidas dos residentes, apenas na RA Açores e no Algarve houve decréscimos de 3,6% e 2,8%, respetivamente, tendo-se observado o maior “crescimento na RA Madeira (+53,3%), seguida do Norte (+14,4%) e Centro (+14,3%)”.

Já as dormidas de residentes aumentaram no Norte (+17,0%), RA Madeira (+9,3%) e RA Açores (+7,1%), enquanto as maiores diminuições ocorreram no Algarve (-9,4%) e Alentejo (-8,4%), enquanto na AM Lisboa a variação foi nula.

Em agosto, a estada média ficou nas 2,93 noites, o que corresponde a uma descida de 0,8% face a agosto do ano passado, com a maior descida a encontrar-se entre os residentes, onde este indicador caiu 6,8%, para 2,61 noites, enquanto nos não residentes houve uma descida de 0,4%, para 3,17 noites.

“Na RA Madeira e no Algarve, as estadas médias continuaram a atingir os valores mais elevados: 5,15 e 4,54 noites, respetivamente”, refere ainda o INE.

Já no acumulado até agosto, as dormidas aumentaram 133,8% face ao ano passado, com uma subida de 33,7% nos residentes e de 278,4% nos não residentes, enquanto na comparação com o mesmo período de 2019, houve uma descida de 3,0%, com o INE a indicar que esta quebra foi “consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-7,7%), dado que as de residentes cresceram 7,7%”.

Em agosto, 11,8% dos estabelecimentos de alojamento turístico estiveram encerrados ou não registaram movimento de hóspedes, quando em igual período do ano passado eram 18,6%.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

“O Peru pode ser um complemento ao turismo no Brasil”

À margem da “Travel Talk” que decorreu quinta-feira, 29 de setembro, na B the Travel Xperience, em Lisboa, o embaixador do Peru explicou porque é que o país é um bom complemento ao Brasil para o mercado português.

Inês de Matos

O embaixador do Peru em Portugal, Carlos Gil de Montes, considera que o “Peru pode ser um complemento ao turismo no Brasil” para o mercado português, uma vez que existem boas ligações aéreas entre os dois país e o Peru é um país que oferece “uma grande diversidade” e que conta com um povo “afetuoso e hospitaleiro”.

“Queremos poder oferecer mais Peru aos portugueses, dando-lhes um país que oferece alternativas. Os portugueses conhecem a América do Sul através do Brasil e acredito que o Peru pode ser um complemento ao turismo no Brasil. E creio que o complemento que podemos oferecer é a cultura e diversidade”, disse o embaixador aos jornalistas, à margem da Travel Talk dedicada ao Peru, esta quinta-feira, 29 de setembro, na B the Travel Xperience, em Lisboa.

Além da diversidade geográfica e cultural únicas de um país com 1,250 milhões de quilómetros quadrados, equivalente a Portugal, Espanha e França juntos, Carlos Gil de Montes explicou que também a gastronomia é hoje um dos argumentos do país a nível turístico.

“Quando falamos de cultura, falamos também de gastronomia e é um elemento importante que o Peru tem para difundir a sua cultura”, considerou, adiantando que, atualmente, o Peru tem também alguns dos “melhores restaurantes do mundo, são três entre os 50 melhores, um dos quais em segundo lugar”.

A proliferação de restaurantes de alto nível tornou mesmo a cidade de Lima, capital do país, num destino turístico, com o responsável a explicar que, atualmente, Lima “atrai muitos turistas que querem ficar na cidade para conhecer e experimentar os vários restaurantes da cidade”.

O embaixador do Peru em Portugal lamenta, no entanto, que não existam voos diretos entre os dois país, pelo que as melhores opções para os portugueses chegarem ao Peru é através de Madrid, Paris ou Amesterdão.

“Lamentavelmente, não temos voos diretos, seria o ideal, oferecia um plus ao turismo português que procura a América do Sul”, afirmou, considerando, no entanto, que, além dos voos através das capitais europeias, “se algum turista que for ao Brasil, quiser passar alguns dias no Peru, também existem opções”.

Apesar das dificuldades de voos, em 2019, o Peru tinha recebido cerca de 10 mil turistas portugueses, que procuraram essencialmente a zona de Cuzco devido aos vestígios arqueológicos e a Machu Picchu, número que foi, contudo, fortemente afetado devido à pandemia.

“Devido à pandemia esse número decresceu, mas esperamos que rapidamente possa normalizar. Acreditamos que vai ser um processo gradual”, explicou Carlos Gil de Montes, revelando que, até julho deste ano, o Peru tinha recebido cerca de mil turistas lusos.

Por isso, o embaixador do Peru em Portugal diz que vai continuar a promover o país em território nacional e conta voltar a participar na BTL, a principal feira do turismo português, já no próximo ano.

“Vamos promover o Peru permanentemente”, garantiu.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros lança folheto para o mercado português e promove itinerários com golfe

Companhia de cruzeiros apresentou esta sexta-feira, a bordo do Costa Fascinosa, em Lisboa, as propostas para o mercado português ao longo do próximo ano.

Inês de Matos

A Costa Cruzeiros lançou um novo folheto dedicado ao mercado português, denominado ‘O Melhor da Costa 2023’, que inclui as propostas da companhia de cruzeiros para os Emirados Árabes Unidos, Mediterrâneo, Ilhas Gregas e Norte da Europa ao longo do próximo ano.

“Temos um novo folheto, que se chama ‘O Melhor da Costa para 2023’. Lançámos este folheto em português, para mostrar quais são os melhores programas que temos para o mercado português”, explicou esta sexta-feira, 30 de setembro, Rafael Fernández, responsável de Comunicação da Costa Cruzeiros para Espanha e Portugal, durante uma apresentação a bordo do Costa Fascinosa.

De acordo com o responsável, este novo folheto inclui “também uma série de argumentos sobre porque se deve fazer um cruzeiro na Costa”, assim como as propostas da companhia que levam diretamente o passageiro “desde casa até ao porto de embarque”.

Incluído no novo folheto da Costa Cruzeiros está também um itinerário, em outubro do próximo ano, com partida e chegada a Lisboa, e que contempla 15 dias de duração e escalas em Cádis, Barcelona, Marselha, Savona, Valência, Lanzarote, St. Cruz de Tenerife e Funchal.

Além deste, a Costa Cruzeiros vai ainda promover um itinerário, em junho, com partida de Lisboa e oito dias de duração, que prevê escalas em Vigo, Le Havre, Kristiansand, Aahrus e chegada a Kiel.

Além dos itinerários portugueses, Rafael Fernández falou ainda sobre o novo programa Cruise & Golf que a companhia lançou para os adeptos do golfe e que permite “comprar um pacote de três ou quatro green fees em campos de golfe em Itália, França e Espanha”.

“Está a ter muito sucesso porque quem gosta de golfe pode jogar em três ou quatro campos distintos na mesma semana, sem os custos associados a essas viagens”, explicou o responsável, revelando que devido à elevada procura a companhia decidiu alargar esta oferta aos Emirado Árabes Unidos.

“Como está a ter muito sucesso, no próximo ano vamos também lançar este pacote nos Emirados Árabes Unidos. Vai ser possível jogar, até durante a noite, em campos do Dubai, Abu Dhabi, Omã ou Qatar”, acrescentou.

A apresentação dos destaque da programação da Costa Cruzeiros para o próximo ano decorreu esta sexta-feira, 30 de setembro, a bordo do Costa Fascinosa, navio que está a realizar um itinerário de posicionamento desde o Norte da Europa para o Mediterrâneo e que embarcou cerca de 50 passageiros na capital portuguesa.

Depois deste itinerário de reposicionamento, o Costa Fascinosa vai fazer mais dois cruzeiros com partida e chegada a Lisboa, a 30 de outubro e 19 de novembro, e duração de 11 e 13 dias, respetivamente. O primeiro itinerário prevê escalas em Gibraltar, Valência, Barcelona, Savona, Marselha, Málaga e Cádis, enquanto o segundo passa em Gibraltar, Valência, Barcelona, Savona, Marselha, Tanger, Casablanca e Cádis.

O Costa Fascinosa fica no Mediterrâneo até dezembro, altura em que será novamente reposicionado nas Caraíbas, onde vai passar o inverno.

Com 1508 cabines, das quais 524 com varanda, o Costa Fascinosa presta homenagem ao teatro e ao grande cinema, e que conta com parque aquático com nove piscinas e hidromassagens, casino, 12 bares, seis restaurantes, área infantil com temática Peppa Pig, percurso para corrida, campo de jogos, teatro e Spa.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

José Manuel Bolieiro defende para o destino Açores sustentabilidade e genuinidade

O presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro, defendeu que a região deve continuar a posicionar-se como destino de “desenvolvimento sustentável”, assegurando “genuinidade e manutenção do património” como marcas distintivas.

Publituris

“Temos um compromisso convicto com a nossa história, a nossa identidade e aqueles que são os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas”, declarou o líder açoriano, citado na página oficial do Governo Regional.

José Manuel Bolieiro, que falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, lembrou que há que “saber cativar” profissionais para o setor, com “melhores remunerações” e “formação contínua”, acrescentando que “quando nos queixamos da falta de mão-de-obra, temos de considerar que há necessidade de qualificação de recursos humanos, mas também há uma responsabilidade de saber cativar”.

Para cativar trabalhadores, acrescentou ainda, que é preciso garantir aos futuros e aos atuais, “para que não desistem da sua intervenção, motivação e realização pessoal e profissional na sua carreira com melhores remunerações, com qualificação e formação contínua e com obviamente tempo de lazer”.

José Manuel Bolieiro destacou ainda a necessidade, no campo do turismo, de não ser “adulterada a identidade e a natureza” dos Açores, havendo “total comprometimento com a preservação e valorização” da “natureza, identidade e história”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

47º Congresso da APAVT aposta mais uma vez em sessão exclusiva para agentes de viagens

O 47º Congresso da APAVT, que terá lugar de 8 a 11 de dezembro deste ano, em Ponta Delgada (Açores) vai apostar mais uma vez numa sessão exclusiva para os agentes de viagens, disse aos jornalistas o presidente da Associação, Pedro Costa Ferreira, num encontro sexta-feira, em Lisboa.

“Estamos muito focados na construção de um edifício diferenciador para os agentes de viagens associados da APAVT, portanto, temas como os nossos processos de certificação na área da sustentabilidade e na área do serviço ao cliente serão, certamente, centrais desta reunião”, defendeu o presidente da APAVT.

Além disso, explicou que “fazemos sempre um ponto de situação político, no fundo, um prestar de contas da direção, sobre o que fez no último ano, e uma troca de opiniões que para nós é muito importante, sobre as áreas de intervenção, e as principais dificuldades sentidas pelos agentes de viagens para o próximo ano, não deixaremos de acompanhar os processos de recuperação económico-financeira, até porque sempre tivemos consciência que as necessidades de tesouraria iriam acontecer sobretudo na altura da retoma, e não nos enganámos”, sublinhou.

Sobre este assunto, Pedro Costa Ferreira evidenciou que “não há atualmente apoios significativos no mercado, há é pagamentos significativos dos apoios que nos foram dados, em sede de créditos”, para adiantar que “as agências de viagens já começaram a pagar ao Turismo de Portugal, começarão em breve a pagar os empréstimos concedidos para pagamento dos vales dos clientes, portanto toda esta área relacionada com a recuperação económico-financeira, manteremos ativa na nossa análise, porque sentimos que é um diálogo que não deve ser esgotado”.

O dirigente apontou ainda que “os processos de apoios parecem estar muito centralizados em crédito, o que nós não queremos porque endividados já estamos, e parecem muito centralizados no Banco do Fomento, entidade que está demasiado afastada de nós do ponto de vista institucional, das práticas concretas e das oportunidades concretas dos agentes de viagens”.

É com satisfação que o presidente da APAVT tem assistido à participação nos congressos da Associação de um número cada vez maior de agentes de viagens. Acredita, assim, que “a sessão exclusiva com os agentes de viagens aparece porque cada vez há mais agentes de viagens a participar nos nossos congressos, e admito que cada vez há mais agentes de viagens, não apenas pela sessão, mas pela versatilidade de todo o congresso”.

Para o congresso dos Açores, Pedro Costa Ferreira deu conta que um hotel reservado exclusivamente para agentes de viagens já está esgotado, e a APAVT já está a reservar uma segunda unidade hoteleira, tudo indicando que “vamos ultrapassar os números do ano passado, em termos de agentes de viagens”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Destinos

Best Wine Selection valoriza vinhos do Dão

O programa “Best Wine Selection”, iniciativa que acaba de ser oficialmente apresentado no Solar do Vinho do Dão (Viseu), é um programa-piloto que visa a valorização do projeto “Enoturismo na Região Demarcada dos Vinhos do Dão”.

Publituris

A apresentação do programa foi presidida pela secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, que destacou a resiliência do setor da restauração e deu os parabéns pelos projetos apresentados. “Quero deixar uma palavra de alento para os empresários da restauração, que têm sido um pilar da recuperação operada, dinamizando toda a atividade económica. A oportunidade destes programas é mais uma boa desculpa para continuar a fazer bem feito. O que queremos é o melhor e para isso para temos que continuar a servir bem”, afirmou.

O programa Best Wine Selection tem como objetivo principal dignificar e promover os vinhos portugueses, neste caso os vinhos do Dão, gerando uma rede de restaurantes que garanta a satisfação dos seus clientes, através da oferta de vinhos de qualidade e da prestação de um serviço irrepreensível. Ao mesmo tempo, este programa é mais uma iniciativa-chave que vem valorizar o projeto “Enoturismo na Região Demarcada dos Vinhos do Dão”, lançado pela CIM Viseu Dão Lafões e integrando sinergias entre a AHRESP, o Turismo Centro de Portugal, a Viseu Marca e a CVR do Dão.

Fruto desta iniciativa os restaurantes da região Viseu Dão Lafões vão poder exibir um novo selo de qualidade, o “Best Wine Selection”, que atesta a excelência do serviço prestado no domínio dos vinhos do Dão.

Promover a oferta vitivinícola da região, incentivar o consumo de produtos regionais e qualificados, impulsionar as empresas de restauração e alojamento que integrem o programa e atrair turistas, consumidores e visitantes são objetivos complementares.

Para poderem ser candidatos ao programa “Best Wine Selection”, os restaurantes têm de ser previamente aderentes ao programa “Seleção Gastronomia e Vinhos”, também da AHRESP. Depois, devem manifestar o interesse na candidatura através do preenchimento de um boletim de inscrição, disponível no site da AHRESP.

Os restaurantes que integrem esta Rede passam a usufruir de várias vantagens, como o direito de exibirem uma placa e um diploma “Best Wine Selection”, respetivamente no exterior e no interior do estabelecimento. Também podem utilizar a marca “Best Wine Selection” para promoverem e divulgarem iniciativas próprias, aceder a canais de promoção inerentes ao próprio programa e serem incorporados no site das entidades parceiras, com ligação a outros sites de interesse turístico. Além disso, ficam abrangidos por estímulos a processos de modernização e de implementação de boas práticas.

O programa “Best Wine Selection” surge em linha com a proposta de ativação da Rota do Vinho do Dão, com iniciativas de qualidade e diferenciadoras, tirando partido de outras atividades com potencial turístico já em curso no território, nomeadamente ao nível da gastronomia, da valorização do património histórico, das tradições culturais e da vertente natureza, com particular incidência no inegável valor histórico e patrimonial vitivinícola existente na região do Dão.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

“Fazer!” é tema do 47º Congresso da APAVT em Ponta Delgada

“Fazer!”, numa perspetiva de “decisão, realização e construção”, é o tema do 47º Congresso da APAVT, revelou aos jornalistas, sexta-feira, em Lisboa, o presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo, Pedro Costa Ferreira. Como já havia sido anunciado, este congresso terá lugar de 8 a 11 de dezembro, em Ponta Delgada (Ilha de São Miguel – Açores).

“Estamos muito felizes e dispostos a fazer do tema a nossa prática de intervenção nos próximos anos: construir, construir, construir. Decidir e realizar. Um sangue que é muito nosso”, disse o presidente da APAVT, para realçar que estamos a edificar para as agências de viagens nossas associadas um quadro diferenciador”.

Pedro Costa Ferreira esclareceu que “uma vez mais é um congresso do turismo organizado por agentes de viagens. Do ponto de vista das suas temáticas e da adesão dos congressistas, não está apenas em redor dos agentes de viagens”, assim  “vamos outra vez fazer um ponto de situação do turismo como um todo, e uma tentativa de olhar para o futuro do setor”.

No entanto, conforme disse, “começa a ser como uma espécie de sala ao lado, um minicongresso dentro do congresso, que responde a uma cada vez maior participação dos agentes de viagens no congresso”. Trata-se de uma sessão exclusiva para agentes de viagens e “este ano vamos alargá-la no tempo e no espaço de intervenção. O congresso encerra dia 10 à hora de almoço e prosseguiremos durante todo o dia só com os agentes de viagens”, explicou.

Neste que é o terceiro Congresso da APAVT realizado na Região Autónoma dos Açores, sob a presidência de Pedro Costa Ferreira, “um enorme destino, mas com desafios que devem ser encarados, e teremos um painel dedicado à análise destas questões, assim como teremos um momento depois de conhecimento e vivência do destino turístico em si, que acontecerá da parte da tarde do segundo dia”, apontou.

No que diz respeito propriamente aos painéis, o dirigente sublinhou que “vamos desafiar muito os congressistas a falar menos do que te corrido pior, apenas o necessário, para expressarem sobre o que temos que fazer melhor e esperamos com isso contribuir para uma política mais próxima da realização e com menos momentos de anúncio”.

Assim, a questão do crescimento do país vai estar na sessão de abertura, numa tradição que “é muito nossa, que é dotar os congressistas de um pensamento mais global, mais geral, menos focado no próprio setor”.

Os grandes desafios do modo geral do turismo português estarão em painel  próprio, a necessidade de diversificação do produto, de novos mercados e de mais território vão ter também painel próprio, bem como os caminhos para os Açores, para além de uma sessão exclusiva para agentes de viagens.

Do ponto de vista de alguns oradores e intervenientes já confirmados, o congresso contará, no painel de crescimento com presença do deputado da Iniciativa Liberal, Carlos Guimarães Pinto, Pedro Siza Vieira e Nadim Habib, da Nova SBE. A APAVT diz que não dispensa o presidente da SATA, Luís Rodrigues, Álvaro Covões no painel da diversificação de produto, novos mercados e mais território, bem como o presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves.

Catarina Valência, especialista em património cultural, fará, igualmente, uma intervenção na tentativa de colocar este património cultural nas práticas turísticas. A presença, pelo Turismo de Portugal, num dos painéis, participará o vogal Filipe Silva, enquanto Margarida Almeida, CEO da Amazing Evolution, desenvolverá alguns aspetos relacionados, entre outros, “com a tendência preocupante do aumento do preço associada a quebra de serviço”, avançou Pedro Costa Ferreira. A nível internacional, para já está confirmada a presença do presidente da ECTAA, na sessão de encerramento.

Finalmente, “é também nossa tradição o espírito de network e de fortalecimento de relações entre as pessoas”. Neste âmbito, numa das noites do congresso, está programado um espetáculo com uma dimensão bastante grande, do mágico Luís de Matos.

O presidente da APAVT destacou que “o Congresso tem uma dimensão entre 600 e 700 pessoas, uma dimensão perfeitamente razoável e indicada para os objetivos do congresso. Não buscamos um crescimento contínuo e sem sentido”, adiantando que “as inscrições já começaram e estão a decorrer em muito bom número. Diria que em melhor ritmo do que o ano passado”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
AHRESP
Alojamento

OE2023: AHRESP apresenta 25 propostas ao Governo para “salvaguardar as empresas”

A aplicação temporária da taxa reduzida do IVA nos serviços de alimentação e bebidas é uma das medidas apresentada pela associação.

Publituris

Dada a aproximação da apresentação do Orçamento de Estado para 2023 (OE2023), a 10 de outubro, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) propôs ao Governo 25 medidas “para salvaguardar as empresas e contribuir para o fortalecimento da economia portuguesa”, conforme se pode ler em comunicado enviado às redações.

As medidas propostas incidem em cinco eixos estratégicos: fiscalidade, capitalização das empresas, incentivo ao consumo, apoio ao investimento e qualificação e dignificação do emprego, sendo que o documento com a enumeração de todas as propostas encontra-se disponível para consulta no website da AHRESP.

Destas, a associação destaca quatro medidas que considera prioritárias: a aplicação temporária da taxa reduzida do IVA nos serviços de alimentação e bebidas; instrumentos de apoio à capitalização das empresas; apoios ao investimento na eficiência energética e na transição digital e mecanismos/plataformas que apoiem e facilitem a contratação de trabalhadores, nomeadamente a contratação organizada de imigrantes.

“A AHRESP considera que é essencial a inclusão de medidas ambiciosas e significativas para as empresas e para as famílias, de forma a minimizar o impacto da inflação e do aumento dos custos da energia e dos combustíveis”.

Como prosseguem em comunicado, a associação aponta que apesar “do pico da atividade dos meses de verão, as margens de negócios estão completamente esmagadas – os custos energéticos aumentaram 24% e os produtos alimentares 15,4%, enquanto na restauração e similares os preços aumentaram 4.5%”. Apoiando-se nestes dados do INE, a AHRESP conclui que “a grande maioria das empresas optou por absorver uma parte desse aumento de custos para não lesar em demasia os seus clientes, pelo que as margens estão no seu limite”.

Neste contexto, a associação alega que é “imperioso” proteger “o poder de compra dos consumidores, mas também a tesouraria das empresas, que ainda não retomaram os níveis pré-pandemia e são agora sujeitas a um novo contexto de adversidade económica e financeira”.

Numa nota final, a AHRESP defende que “o OE2023 deverá ser um instrumento determinante na defesa das atividades económicas do Canal HORECA, pois só assim será possível garantir que o contributo dado pelo Turismo para a recuperação económica pós-pandemia não tenha sido em vão, assegurando-se a sustentabilidade dos negócios e a manutenção dos postos de trabalho”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.