Edição digital
Assine já
PUB
Distribuição

“Conseguir pagar os reembolsos a todos os nossos clientes é o desafio da nossa sobrevivência”, alerta Costa Ferreira

Sobrevivência e criação de valor são as palavras-chave que vão marcar a distribuição turística no próximo ano, salienta o presidente da APAVT que participou na GEA Web Conference 2020.

Raquel Relvas Neto
Distribuição

“Conseguir pagar os reembolsos a todos os nossos clientes é o desafio da nossa sobrevivência”, alerta Costa Ferreira

Sobrevivência e criação de valor são as palavras-chave que vão marcar a distribuição turística no próximo ano, salienta o presidente da APAVT que participou na GEA Web Conference 2020.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
DUO Hotel Lisbon: A nova unidade hoteleira da Hilton em Lisboa
Hotelaria
Soltour lembra: “Este verão, a felicidade está aqui. Nos Bahia Principe Hotels & Resorts”
Distribuição
Conselho Executivo do Turismo da ONU reuniu-se para colocar o setor na agenda económica global
Meeting Industry
GEA destaca Marrocos em campanha de vendas
Distribuição
Azores Airlines já abriu rotas do Funchal para Toronto e Boston
Aviação
Portugal desce um lugar mas continua a ser um dos países mais pacíficos do mundo
Destinos
FEITUR com programação centrada na atividade turística, gastronomia e música
Destinos
TUI Portugal lança campanha de incentivo de vendas para o Dubai
Distribuição
DHM promove oferta de reuniões e incentivos junto de agências de negócios francesas
Alojamento
Lufthansa City Center leva 250 operadores e agentes de viagens a Braga e Guimarães
Destinos

2021 vai marcar o setor da distribuição turística com alterações profundas. Tentar antever e identificar que alterações vão ser essas foi o que norteou o tema de um dos painéis da Conferência da GEA  2020, que este ano se realizou apenas virtualmente.
Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT, que interveio no painel “As mudanças previsíveis na cadeia de valor na era pós-COVID desde o comportamento no consumidor até ao produto. Como adaptarmo-nos?”, sublinhou e alertou que,  no próximo ano, as agências de viagens vão  vender viagens através de vales de viagens não realizadas em 2020 ou de reembolsar os seus clientes até ao dia 31 de dezembro de 2021. “Conseguir, ao longo de 2021, pagar os reembolsos a todos os nossos clientes é um verdadeiro desafio de manutenção de postos de trabalho e de agências de viagens. É o desafio da nossa sobrevivência”, advertiu o responsável.
Para o presidente da APAVT, todo o trabalho “notável” que as agências de viagens realizaram no início da pandemia de repatriamento de turistas portugueses que estavam espalhados além-fronteiras não vai ser relembrado se “não formos capazes de reembolsar os valores que os clientes têm à nossa guarda”.

A centralidade do nosso problema em 2021, não é só a criação de valor, mas também a percepção por parte do nosso cliente de que esse valor é criado “, Pedro Costa Ferreira

É do cumprimento do plano de reembolsos previstos durante o próximo ano que vai depender também a sobrevivência das agências de viagens. O presidente da APAVT explica que o previsto início de retoma da atividade das agências de viagens vai passar pelos vales dos reembolsos a realizar aos consumidores. “Os vales estão já todos pagos pelos nossos clientes, são já dívidas nossas aos nossos clientes. Mas uma parte dos reembolsos dos nossos fornecedores já foram recebidos por nós e foram gastos em custos diretos necessários para não falirmos”, explicou o responsável à assistência.  Costa Ferreira sublinha ainda que este “vai ser um momento de grande dificuldade de tesouraria, sobretudo num momento em que o financiamento será mais difícil”.

E para o presidente da APAVT esta deve ser uma preocupação de todo o setor da distribuição turística. “Este ato de sobrevivência e esta necessidade de tesouraria não é apenas um desafio empresarial, é um desafio enquanto setor, porque se uma significativa parte de nós não conseguir sobreviver e reembolsar os seus clientes, por melhores que sejam aqueles que ficarem no mercado, o setor fica incomodado com uma ideia de falta de credibilidade”, alerta.

Contudo, o responsável, em resposta ao repto de Pedro Gordon, diretor-geral do Grupo GEA, salienta que existe uma necessidade de melhor continuar “o trabalho de comunicação das eventuais mais-valias das agências de viagens”. Além da sobrevivência, a criação de valor por parte das agências de viagens é também um dos aspectos fulcrais do setor no próximo ano. “A centralidade do nosso problema em 2021, não é só a criação de valor, mas também a percepção por parte do nosso cliente de que esse valor é criado”, esclarece.

Alterações na cadeia de valor
Costa Ferreira identifica que a atual crise tem um maior impacto, não tanto ao nível da oferta ou do consumidor, mas sim ao nível dos modelos de negócio em vigor. O presidente da APAVT adverte que o atual ambiente macroeconómico “afasta completamente o modelo de baixa margem e/ou assentes em crédito. Será inviável ter um modelo de viagens assente em baixa margem e/ou assente em crédito”. Como explica o responsável, “ninguém vai conseguir aumentar a margem ou vender sem crédito se não criar valor, seja por criatividade, por inovação, por diferenciação”.
Assim,  no futuro próximo, o líder associativo aponta que, “face a todas as alterações ao longo da cadeia de valor, nós temos uma urgência – sobrevivência – e uma importância – a criação de valor”.

“A verdade é que a segurança de quando há problemas de ter alguém, em quem o cliente final confia, é fundamental. Julgo que o cliente vai, cada vez mais, jogar pela segurança”, Nuno Mateus

Na perspectiva de Nuno Mateus, diretor-geral do operador turístico Solférias, o grande desafio nas operações do próximo ano vai ser a flexibilidade nos cancelamentos. “Vínhamos de um processo em que o cliente reservava com uma antecedência maior e, naturalmente, essa parte sentimos que está beliscada porque as pessoas não se importam de reservar para o verão”, indica, referindo que já se está a verificar alguma procura para a próxima época alta. No entanto, os clientes, sublinha, “querem ter garantias de que, no caso de haver alguma reviravolta, que haja uma salvaguarda”.

Nuno Mateus salienta ainda um aspecto que favorece as agências de viagens e operadores turísticos que é a segurança nas reservas que efectuam. “A verdade é que a segurança de quando há problemas de ter alguém, em quem o cliente final confia, é fundamental. Julgo que o cliente vai, cada vez mais, jogar pela segurança”.

Outo dos desafios para o responsável do operador turístico vai ser saber as regras de cada país. Para Nuno Mateus é imperativo e fundamental que exista uma uniformização dos processos de viagens e não que cada país aplique a sua regra, como se verifica atualmente.

Também um dos convidados do painel,  António Loureiro, diretor-geral da Travelport em Portugal, apoiou-se num inquérito promovido pela empresa tecnológica para antever o que será o ano de 2021. Segundo as conclusões do inquérito da Travelport, 34% dos inquiridos da faixa etária entre os 18-34 anos, que anteriormente não tinham as agências de viagens como veículo na marcação das suas viagens,  vai passar a contar com estas no processo.

“Uma parte considerável dos consumidores, apenas 5% valoriza a interação humana com o agente de viagens, o que significa que vamos ser obrigados a acelerar o que é a criação de valor e a forma como comunicamos”, destaca também o responsável da Travelport.

Viagens a familiares e amigos, viagens de pequenas e médias empresas no corporate; estadas mais longas; maior flexibilidade das regras de viagens são algumas das tendências apuradas pela análise da Travelport.

A representar a hotelaria na cadeia de valor, Pedro Ribeiro, diretor de marketing e vendas da Dom Pedro Hotels, constatou que, para o próximo ano, o segmento MICE é o que terá perspectivas de recuperação “mais complicadas”. “Antes do segundo semestre de 2021 será muito difícil que consigamos operar grupos de incentivos e conferências”, refere, explicando que as empresas estão mais apreensivas para retomarem estas iniciativas, mas que a partir de setembro poderá registar-se uma “forte procura” para este segmento de negócio. Pedro Ribeiro aproveitou o momento para também enaltecer o papel que as agências de viagens têm como promotores das unidades do grupo hoteleiro, realçando que esta “é uma parceria para manter”.

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
DUO Hotel Lisbon: A nova unidade hoteleira da Hilton em Lisboa
Hotelaria
Soltour lembra: “Este verão, a felicidade está aqui. Nos Bahia Principe Hotels & Resorts”
Distribuição
Conselho Executivo do Turismo da ONU reuniu-se para colocar o setor na agenda económica global
Meeting Industry
GEA destaca Marrocos em campanha de vendas
Distribuição
Azores Airlines já abriu rotas do Funchal para Toronto e Boston
Aviação
Portugal desce um lugar mas continua a ser um dos países mais pacíficos do mundo
Destinos
FEITUR com programação centrada na atividade turística, gastronomia e música
Destinos
TUI Portugal lança campanha de incentivo de vendas para o Dubai
Distribuição
DHM promove oferta de reuniões e incentivos junto de agências de negócios francesas
Alojamento
Lufthansa City Center leva 250 operadores e agentes de viagens a Braga e Guimarães
Destinos
PUB
Aviação

Azores Airlines já abriu rotas do Funchal para Toronto e Boston

Num comunicado enviado à imprensa, a Azores Airlines explica que estas operações, ambas com um voo direto por semana, se vêm juntar à que a companhia aérea já realizava desde o ano passado e que liga a Madeira a Nova Iorque.

Publituris

A Azores Airlines já inaugurou as operações que passam a ligar o Funchal, capital madeirense, às cidades de Toronto e Boston, no Canadá e EUA, respetivamente, e que contam ambas com um voo direto por semana.

Num comunicado enviado à imprensa, a companhia aérea do grupo SATA que realiza voos internacionais explica que estas novas rotas vêm juntar-se à que a transportadora já operava no ano passado e que liga a Madeira a Nova Iorque.

“Estas duas operações diretas representam o culminar de um trabalho consistente, em sintonia com os nossos parceiros nos Estados Unidos, no Canadá e no Arquipélago da Madeira, que permitiram voltar a ampliar a oferta para este Arquipélago com estes voos diretos, que se adicionam à operação de Nova Iorque e aos voos entre os Açores com destino à Ilha da Madeira, que a Azores Airlines tem assegurado ao longo dos anos”, destaca Graça Silva, diretora de Vendas, Marketing e Comunicação do Grupo SATA.

Ambas as operações contam com um voo por semana, com as partidas para Toronto a acontecerem às sextas-feiras, enquanto o regresso à Madeira tem lugar aos sábado, sendo que, no caso de Boston, as partidas desta cidade dos EUA acontecem às terças-feiras, com regresso às quartas-feiras.

“A estas ligações diretas, juntam-se sete ligações semanais, quer à partida de Boston ou de Toronto, via Ponta Delgada, das quais podem igualmente usufruir os passageiros que pretendam viajar da América do Norte para a Ilha da Madeira e vice-versa”, refere ainda a Azores Airlines, na informação divulgada.

Os bilhetes para estes voos já se encontram disponíveis para aquisição, através do Contact Center, website, balcões e lojas de vendas da SATA, assim como pelas agências de viagens.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Funchal-Amesterdão é uma das novidades da easyJet para o próximo inverno

A nova rota da easyJet entre o Funchal e Amesterdão arranca a 5 de novembro de 2024 e vai contar com dois voos por semana, ao longo de todo o ano.

Publituris

A easyJet anunciou que, no próximo inverno, vai abrir 60 novas rotas, incluindo a ligação Funchal-Amesterdão, nova rota que abre a 5 de novembro e que é a principal novidades para o inverno da companhia aérea em Portugal.

“O grande destaque a partir de Portugal vai para a nova rota entre o Funchal e Amesterdão, que levantará voo no dia 5 de novembro de 2024, pela primeira vez”, destaca a companhia aérea, revelando que esta operação vai contar com dois voos por semana e vai manter-se ao longo de todo o ano.

Segundo José Lopes, diretor-geral da easyJet Portugal, esta nova rota vai contribuir para “diversificar a oferta de destinos para os madeirenses”, ao mesmo tempo que facilita também “a entrada na ilha a turistas de outros pontos da Europa”.

“A easyJet mantém assim o seu compromisso em continuar a impulsionar e conectar o arquipélago da Madeira com o resto da Europa. É algo que é muito importante para nós e continuaremos a fazer os possíveis para, no futuro, adicionarmos mais rotas às que já estão disponíveis, uma vez que queremos que os nossos clientes tenham acesso a uma oferta cada mais vez diversificada”, acrescenta o responsável.

As reservas para a nova rota Funchal-Amesterdão já se encontram a decorrer, sendo que, além destes voos, a easyJet vai disponibilizar outras 12 rotas internacionais com saída da capital madeirense.

Além desta novidade, a easyJet vai operar outras 59 novas rotas no próximo inverno, naquele que é o maior lote de novas rotas anunciado pela companhia aérea para a temporada de inverno.

Entre as novidades, a companhia aérea destaca ainda o alargamento da sua rede a três novos aeroportos e a um novo país, concretamente Oslo e Tromsø, na Noruega, e Estrasburgo, em França.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Frame It

Destinos

“Quem vem ao Alentejo vem à procura de qualidade”

Anunciada que foi como “Região de Turismo Convidada” da BTL 2025, recordamos a entrevista a José Santos, presidente da Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo.

Victor Jorge

Tomou posse a 19 de julho de 2023, depois da lista [única] que encabeçou ter ganho com o lema “Nova Ambição para o Turismo do Alentejo e Ribatejo”, admitindo na altura que um dos primeiros objetivos passava por “manter a atractividade do destino turístico”.

No início do ano soube-se que o Alentejo fora a região que, em 2023, mais cresceu na procura interna, com os números do INE a indicar um crescimento de 7,8%, enquanto a média nacional se ficou pelos 2,1%.

Antes da temporada de verão, o Publituris esteve à conversa com José Santos, presidente da ERT do Alentejo e Ribatejo, para saber o que vai ser feito para aumentar este registo. A resposta foi: “Consolidar o Alentejo e ter mais promoção do Ribatejo”.

No plano político, no entanto, pede “um Estado mais inteligente”.

Está há menos de um ano à frente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo. Como é que caracterizaria estes primeiros meses de presidência?
Eu caracterizaria a mesma em três dimensões. A primeira recuperar um espaço de influência institucional da ERT que estava perdido naquilo que são as opções de desenvolvimento na região. Quando digo influência institucional, não é uma influência no sentido corporativo da entidade, no sentido menos positivo, é influência no e do turismo na definição de políticas, na presença em alguns órgãos de acompanhamento, que têm depois impacto em decisões que afetam o turismo.

Por exemplo, o Turismo do Alentejo não estava no Conselho Regional de Inovação, que é uma plataforma que tem importância na definição das políticas de inovação e dos fundos europeus, com impacto no turismo.

Mas não tinha porquê?
Não tinha porque não foi convidado. Mas estava o Turismo de Portugal. Passamos a vida a falar em descentralização, temos de aplicar o princípio da subsidiariedade. E dissemos, temos de estar no Conselho Regional de Inovação. E a CCDR convidou-nos e estamos. O Ribatejo também beneficiará dessa dinâmica.

Outro exemplo, há hoje um novo fundo da União Europeia, que é o Fundo da Transição Justa, que tem uma aplicação nos territórios que estão em processos de substituição de centrais termoelétricas, como é o caso, por exemplo, do Alentejo Litoral.

E no caso do Litoral do Alentejo, na Refinaria de Sines, há um fundo que, aliás, tem avisos específicos para os sistemas de incentivos para as Pequenas e Médias Empresas para a área do turismo, e foi criado um observatório para monitorizar esse processo de transição. Sendo esse fundo muito dirigido ao turismo, porque muita daquela transição será para um reforço da dinâmica turística, como é que o turismo não estava lá? Bem, dissemos, temos de estar, e hoje estamos, inclusive na Comissão Permanente desse observatório.

ERT mais interventiva
Portanto, a representatividade da ERT agora é diferente?
É. Mas dou-lhe outro exemplo. Estações Náuticas, ao nível do produto turístico. O Turismo Portugal pedia-nos relatórios sobre a governança deste produto e não tínhamos, porque estávamos afastados da gestão das Estações Náuticas. Hoje estamos já no centro do processo de desenvolvimento desse produto. Portanto, foi preciso investir muito tempo e fazer ver que o turismo não podia estar afastado desses processos. Portanto, primeira dimensão, recuperação e influência institucional.

Num segundo ponto, tivemos de abrir um novo ciclo de planeamento. Ainda que o quadro comunitário esteja com um arranque muito tímido, tivemos de nos posicionar e abrir novas frentes de trabalho. Hoje temos, por exemplo, 3,3 milhões de euros de candidaturas apresentadas. Só temos 20% de aprovações, o que é normal, mas já temos uma mobilização de fundos europeus e nacionais que estão agora a ser analisadas, até porque muitas delas são candidaturas ainda ao nível de pré-qualificação de estratégias.

Portanto, nestes oito meses foi necessário fazer aqui uma maratona para poder apresentar muitos projetos e alguns deles em rede, ou seja, candidaturas que nós coordenamos. Coordenamos com a Região do Turismo do Algarve, com câmaras municipais, com a Agência Regional de Promoção Turística, e em que nós assumimos a gestão e a liderança dessas candidaturas.

Há uma relação muito afetuosa entre os portugueses e o Alentejo, que se tem vindo a construir e a reforçar nos últimos 10 anos

Como é que se concilia o Alentejo com o Ribatejo, porque queiramos quer não, são territórios distintos?
Sem dúvida. De facto, não é um desafio fácil porque, como diz e bem, estamos a falar de territórios diferentes e também diferentes do ponto de vista do processo de afirmação e desenvolvimento turístico.

Na Lezíria do Tejo temos três hotéis de quatro estrelas. Temos 230 mil dormidas por ano. É 7% do total da NUT. Sendo que agora há um outro complicador, desde o 1 de janeiro que a Lezíria do Tejo já está numa nova NUT – Oeste e Vale do Tejo. Hoje gerimos uma área promocional Alentejo e Lezíria do Tejo, mas a NUT, administrativamente, só tem o Alentejo.

O princípio, de certa forma, vinha a ser trilhado já anteriormente, mas o que consolidámos é dizer claramente que são dois territórios diferentes, dois destinos diferentes, por isso há que autonomizar o marketing turístico do Ribatejo. Posso ter, conjunturalmente, algumas iniciativas transversais, e temos-las, mas a comunicação e o marketing têm de ser diferentes. Isso implica que tenho dois orçamentos: um para o Alentejo e outro para o Ribatejo. E não aplico proporcionalmente ao Ribatejo o valor de investimento para projetos e campanhas pelo seu peso, porque senão só aplicaria 7%, e aplico muito mais, porque obviamente estamos a falar de um território que precisa de ser mais apoiado. O Ribatejo estará como o Alentejo estava há 20 anos.

Alentejo para dentro e fora
Relativamente ao Alentejo, segundo os dados do INE, a região foi a que, em 2023, mais cresceu na procura interna. Os números indicam um crescimento de 7,8%, enquanto a média nacional se ficou pelos 2,1%. A que se deve esta performance do Alentejo?
Diria que há uma relação muito afetuosa entre os portugueses e o Alentejo, que se tem vindo a construir e a reforçar nos últimos 10 anos, em que, de facto, e talvez isso tenha sido ainda acelerado depois da pandemia, os portugueses olham muito para o Alentejo como um destino que é quase como um regresso às suas próprias raízes.

É uma região onde se consegue repensar aquilo que é a vida, definir os objetivos e os sonhos para o futuro, uma ligação à natureza. E aquilo que o marketing turístico do Alentejo tem de fazer é pôr esses valores em evidência. Diríamos que é amplificar essa perceção que os portugueses têm em termos da proposta de valor do destino.

Às vezes os hoteleiros dizem-nos, e com razão, não compliquem muito o marketing, porque o Alentejo tem uma imagem tão forte, tão consolidada, que aquilo que têm de fazer é apenas afirmá-la. Os portugueses sabem que existe um destino que é o Alentejo. Não têm de estar sempre a dizer que ele existe. De vez em quando, convém relembrar e afirmar.

A segunda razão é, obviamente, o trabalho, a melhoria da nossa oferta. A oferta turística tem crescido, tem-se qualificado. Desejaria que tivesse acelerado mais em alguns aspetos, por exemplo, naquilo que é o segmento Plus de 5 estrelas, em que nós, em 12 anos, passámos apenas de 4 unidades de 5 estrelas para 7, mas globalmente, hoje há um predomínio dos hotéis de 4 estrelas, alojamentos temáticos.

Mas acredita que quem vem para o Alentejo vem à procura dessas unidades de 5 estrelas, ou vem mais à procura daqueles espaços mais autênticos, mais genuínos?
Quem vem ao Alentejo vem à procura de qualidade. E posso encontrar a qualidade nos vários segmentos. Preciso é qualificar mais a oferta turística, é preciso reforçar mais a categoria Plus, ainda que saibamos hoje que encontramos em alguns turismos rurais ou em alojamentos locais, unidades que funcionam quase como hotel e que têm um nível de serviço de 5 estrelas ou superior.

Contudo, temos de, obviamente, garantir que, ao longo de toda a cadeia de oferta, há mais propostas diversificadas e temáticas. E a região tem conseguido isso. E também é com muita satisfação que eu vejo a entrada de novos players, alguns deles até nacionais. Para além de toda a nossa hotelaria independente, é bom ganharmos aqui algum músculo empresarial e escala. A renovação e a requalificação da nossa oferta têm sido também importantes para atrair novos públicos nacionais e internacionais. Isso ajudou aos 7,8% de crescimento, mas também temos crescido 18% na procura internacional e temos conseguido recuperar o número de hóspedes. Tivemos mais de 0,9% de hóspedes estrangeiros em 2023, comparado com 2019.

Mas os números do INE também indicam que estes primeiros meses de 2024 estão um pouco abaixo do que foi 2023. Isto, de alguma forma, confirma aquele velho problema da sazonalidade de certas e determinadas regiões?
Sim, ainda que estejamos a melhorar nesse indicador. A taxa de sazonalidade do Alentejo em 2023 foi de 38%, tinha sido, em 2022, de 40%. É verdade que ainda estamos um pouco distantes da média nacional, e se olharmos para destinos como o Centro ou o Norte, que têm taxa de sazonalidade na casa dos 36% e 35%, esse é um dos nossos objetivos. Isso implica termos mais turistas internacionais, porque, obviamente, a sazonalidade é muito afetada.

A procura de portugueses vale mais de dois terços no total da procura. Até tivemos uma ligeira redução do peso dos hóspedes. Os hóspedes estrangeiros, em 2023, representaram cerca de 32,5%. Temos um objetivo para 2027, de chegar aos 40%. É fundamental aumentarmos o índice de internalização do destino. Penso que esta redução da sazonalidade, de 40% para 38%, tem muito a ver com o aumento do mercado norte-americano. Ainda que seja um mercado que se concentra, também, mais na zona do litoral, que se estende muito ao longo do ano, mas o mercado norte-americano já foi, em 2023, o segundo mercado do Alentejo.

Penso que a Agenda do Turismo do Interior, à qual nos associámos através da nossa campanha, também criou um pouco este laço junto do público português.

A renovação e a requalificação da nossa oferta têm sido também importantes para atrair novos públicos nacionais e internacionais

Mas isso passa por ter mais eventos ou ter mais oferta? Mais oferta pode descaracterizar um pouco o destino?
Sim. Mais oferta alinhada com aquilo que é, como nós sabemos hoje, e acho que os empresários turísticos já perceberam isso, até ao nível dos próprios apoios. Não me refiro só aos apoios dos fundos, das políticas públicas, dos apoios da banca comercial. Há cada vez menos predisposição para emprestar dinheiro a projetos que não são sustentáveis, que não são responsáveis ambientalmente. Portanto, creio que o Alentejo Litoral tem muitos projetos que já foram aprovados há 10 ou 12 anos e que estão agora na sua fase de implementação.

Mas é preciso mais oferta, mais oferta ao longo do ano, mas também oferta ao nível de atividades e nós podemos ter, num prazo de 3 a 5 anos, um bom destino de golfe no Alentejo Litoral.

Mas falou que os EUA se tornaram o segundo mercado externo. Qual é o primeiro?
O primeiro é o mercado espanhol. Nós tivemos 99 mil hóspedes espanhóis nos nossos alojamentos turísticos, em 2023, em mais de 200 mil dormidas. Portanto, o mercado espanhol tem-se consolidado.

Já não é, como dizem os nossos colegas da Agência Regional de Promoção Turística, necessário explicar onde é que é o Alentejo, mas ainda há muito trabalho para fazer.

A Espanha é muito grande, a Agência tem, obviamente, também os seus meios limitados, mas vamos ter um plano de promoção, que foi preparado com a delegação do Turismo de Portugal em Madrid, só para aqueles territórios, porque temos a noção que ainda há muito potencial de clientes para o Alentejo.

Em 2025, vamos ter uma linha ferroviária que vai ligar, não só um comboio de mercadorias, mas um comboio de passageiros, Sines, Évora, Caia, Madrid. Há poucos meses, estava numa reunião com operadores marítimo turísticos, em Porto Covo, e um desses operadores dizia-me que tem clientes em Badajoz que são fiéis ao destino de Porto Covo, e que a partir da entrada em operação do comboio, virão mais vezes durante o ano ao Alentejo. Portanto, é uma oportunidade à qual nós temos de estar atentos.

Portanto, não é só a conectividade aérea, também é a ferroviária?
Esquecemo-nos dos comboios. O transporte ferroviário foi algo que desapareceu do nosso mindset, mesmo para o turismo. Hoje temos algumas franjas de mercado que olham para o comboio como um meio mais interessante devido às questões da sustentabilidade, principalmente nas gerações mais jovens.

Mas, falou dos mercados externos relativamente ao Alentejo. A região do Ribatejo é muito diferente das nacionalidades internacionais visitantes?
Não é muito diferente. O mercado espanhol é também um mercado prioritário. Ainda não temos os dados por mercado ou por nacionalidade de 2023, mas aquilo que sabemos do histórico é que existe um domínio do mercado espanhol. Há mais brasileiros do que norte-americanos que terá a ver com o facto de Pedro Álvares Cabral estar sepultado numa igreja em Santarém, recurso esse que não está suficientemente trabalhado e capitalizado e vamos procurar fazê-lo.

Portanto, a nossa ideia é ter mais promoção do Ribatejo na promoção do Alentejo.

Há muitos clientes do Ribatejo que vêm da Extremadura espanhola e, por isso, vamos ter uma promoção mais agressiva. Vamos ter parcerias com alguns periódicos da Extremadura para termos semanalmente cadernos/suplemento com a restauração do Alentejo, mas também vamos ter um suplemento para o Ribatejo.

No início de março, a ERT do Alentejo e Ribatejo lançou o portal Alentejo e Ribatejo Outdoor, com um calendário anual de eventos bastante preenchida. É através destas iniciativas que pretendem captar mais visitantes?
Há um desafio que é como transformar produto turístico potencial em produto turístico real, ou produto turístico territorial em produto turístico comercial. Nós temos desenvolvido muito trabalho na ERT, construindo infraestruturas como a rede de centros de cycling, que está no portal, uma rede de percursos pedestres, uma rede de áreas de serviço para autocaravanas, os Caminhos de Santiago, os Caminhos da Raia, para criar uma linha de descoberta do Alentejo junto à fronteira. Este ano vamos também dinamizar a Via Atlântico, uma ramificação dos Caminhos de Santiago até Porto Covo.

Criamos estas infraestruturas de produto, mas depois não conseguimos atrair negócio, não conseguimos atrair programas, DMC, operadores.

Falta a parte comercial?
Exatamente. E isso é muito importante para esbater a taxa de sazonalidade. No Alentejo tudo é muito longe e o próprio turismo, é um turismo às vezes de baixa densidade, não é fácil estabelecer laços comerciais entre a hotelaria e a animação.

Estamos muito apostados, e aliás, estamos já, em termos exploratórios, a trabalhar com a APAVT, no sentido de definimos um protocolo entre entidades de Enoturismo e a APAVT para trabalhar isso.

Hoje temos algumas franjas de mercado que olham para o comboio como um meio mais interessante devido às questões da sustentabilidade, principalmente nas gerações mais jovens

Um perdurar “cativante”
Quando foi apresentado o Relatório de Atividades da Região do Alentejo e Ribatejo admitia que “não obstante as dificuldades que nos têm sido colocadas, como as cativações decretadas este ano às verbas de investimento do nosso orçamento”, situação que dizia “não poder aceitar”, assinalava “continuarem firmes e empenhados no cumprimento da nossa missão e programa de ação”. As cativações perduram. O que é que elas impossibilitam de ser feito?
Começo por dizer que as cativações são uma ferramenta enraizada no processo orçamental português há muitos anos. Há governos que utilizam mais e outros menos. É, de certa forma, estrutural. E basicamente são um pouco cegas. Têm uma grande vantagem, é que não atingem os fundos europeus. Os fundos europeus são da Europa, não são do país.

Mas as cativações são um pouco cegas e atingem quer aquilo que é o nosso funcionamento, quer os nossos investimentos, investimentos esses financiados pelo Orçamento de Estado e receitas do Turismo de Portugal.

Percebo a utilidade da ferramenta das cativações para o funcionamento ao nível da despesa corrente. Agora para investimentos?

O Estado português tem de ser mais inteligente, mais racional. Isto não tem nada a ver com falta de escrutínio ou não conduzir bem a execução financeira ou orçamental de uma organização pública. Nós reportamos a nossa gestão orçamental ao Tribunal de Contas, Turismo de Portugal, Direção-Geral do Orçamento, Unileo. O que não posso aceitar é, eu ainda não ter contratualizado com o Turismo de Portugal um projeto que me iria dar 619 mil euros e ter 45% desse projeto cativo, que são investimentos, não é despesa corrente.

Portanto, creio e tenho sempre a esperança de estes processos orçamentais serem melhorados, aprimorados, flexibilizados, pelo menos para aquilo que são transferências de investimentos em promoção e animação de projetos contratualizados com o Turismo de Portugal, que as cativações não incidam nesses projetos. Senão, não somos um Estado inteligente.

Há uma posição concertada dos presidentes das ERT em relação a esta matéria?
Sim, creio que sim. O bolo orçamental afeto às ERT, os 16,5 milhões, já é o mesmo há alguns anos, alguns dos meus colegas entendem que esse valor deve ser reforçado, e eu admito que sim, mas eu coloco muito o ênfase na questão dos cativos. Se tiver a certeza que no dia 1 de janeiro vou gastar as verbas que estão no Orçamento de Estado aprovado para investimentos, isso dá uma estabilidade enorme, em termos de planeamento daquilo que pode ser o meu trabalho.

Agora, estamos em abril e ainda não sei exatamente com que dinheiro é que vou contar em termos do meu orçamento. Flexibilização nas autorizações prévias.

Utilizando aqui um termo muito conhecido, um Simplex para o turismo.
Sim, um Simplex inteligente. Senão, todas estas palavras que utilizamos, a inteligência, a subsidiariedade, a descentralização, a flexibilidade são palavras vãs.

No início do ano referia que faltava concretizar o arranque do novo PT 2030.
É verdade. Essa é outra pecha que está também em falta. É verdade que as transições dos quadros comunitários são sempre lentas. Mas creio que este está um pouco mais atrasado. Admito que o PRR colocou ainda mais pressão nas estruturas organizacionais dos serviços públicos, dos ministérios, não é fácil. Ainda assim, temos de ser objetivos.

Há um desafio que é como transformar produto turístico potencial em produto turístico real, ou produto turístico territorial em produto turístico comercial

Quando o Publituris fez um balanço de 2023 e pediu uma análise sobre o que poderia vir a ser 2024, indicava ou pedia que o turismo continuasse a ser uma prioridade política, económica do país. Olhando para o atual panorama, acredita que essa importância será dada?
Acredito sim. Repare, costumo dizer que, se noutras áreas do desenvolvimento económico e social do nosso país, como é a educação, a saúde, tivéssemos sido tão consistentes como temos sido no turismo, sem grandes alterações das políticas, teríamos um país diferente, para melhor.

Creio que, relativamente à política direta do turismo, essa prioridade se vai manter, até porque, a dependência do país do turismo é tão grande que os governantes não têm grandes opções e alternativas.

Aeroporto: Beja, Vendas Novas, Santarém
Como é que um presidente de uma ERT, que tem o Alentejo e o Ribatejo, havendo as hipótese de Beja e Santarém, jogou neste tabuleiro?
Joguei muito bem, joguei de uma forma muito discreta. Sabe que estava a aguardar pelo relatório da Comissão Técnica Independente, que clarificasse aquilo que era claro para mim, que obviamente o aeroporto de Beja nunca poderia ser o aeroporto que iria agora completar ou fechar o sistema aeroportuário nacional, pela questão da distância das acessibilidades. Sou muito pragmático nas minhas análises. O que não quer dizer que o aeroporto de Beja não possa ter um papel no turismo da região.

E é por isso que agora represento o Turismo do Alentejo no Conselho Consultivo do Aeroporto de Beja. Vamos realizar um pequeno estudo, com a gestão do aeroporto (VINCI). O aeroporto de Beja pode estar muito distante, mas pode e deve ser muito importante no segmento da aviação executiva.

Faz sentido olharmos para o aeroporto de Beja, porque só um destino pouco inteligente é que não olha para aquela infraestrutura e tenta perceber como é que pode ajudar no processo de aumentar visitas para a região.

Aproximamos da época de verão e um dos grandes problemas que o setor do turismo tem atravessado prende-se com os recursos humanos. Como dar a volta a esta dificuldade?
Creio que hoje o problema já não se coloca de uma forma tão aguda como se colocava imediatamente a seguir à pandemia. E, fundamentalmente, porque algumas medidas foram tomadas em termos de liberalização da imigração.

Coorganizámos, no dia 20 de fevereiro, em Évora, a primeira Bolsa de Empregabilidade do Turismo do Alentejo, e houve contactos muito estruturantes, muito interessante com as empresas. E percebemos que certos grupos hoteleiros já não estiveram lá, porque têm os seus problemas de recrutamento para o verão já resolvidos.

Claro que a importância da mão de obra estrangeira tem sido muito relevante. Diria que o problema já não é tão agudo.

Queremos realizar uma Bolsa de Empregabilidade específica para o Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, uma parceria que vamos propor ao Alto Comissariado para as Migrações para tentar integrar melhor os migrantes naquilo que são as estruturas turísticas e queremos desenvolver um programa de atração do talento para o Alentejo.

O aeroporto de Beja pode estar muito distante, mas pode e deve ser muito importante no segmento da aviação executiva

No Alentejo e Ribatejo há segmentos turísticos que está a destacar-se: o Enoturismo e o Turismo Industrial. Há novas abordagens a serem feitas?
A Comissão de Turismo Industrial, aliás, é uma excelente iniciativa do Turismo Portugal, e criou uma rede nacional que tem constituído uma boa plataforma para a troca de experiências e de boas práticas dentro dos vários territórios.

Tenho falado com alguns operadores turísticos e DMC, e a operação turística vê esta oferta do Turismo Industrial como algo interessante para enriquecer e diversificar alguns programas que têm.

No caso do Enoturismo, se não fosse este universo do vinho, não conseguiria levar aquelas zonas de baixa densidade turistas australianos, neozelandeses ou norte-americanos.

Há 25 ou 20 anos, o peso da componente de visitação turística nas adegas era inócuo, zero. Hoje começa a ter um peso e o Enoturismo é, talvez, a grande porta de entrada de turistas internacionais na região. E tem um potencial de crescimento muito significativo.

Não é por acaso que apresentámos uma grande candidatura, um valor de investimento público e privado superior a 40 milhões de euros, aos fundos europeus, para transformar o Alentejo e o Ribatejo num grande destino turístico internacional de Enoturismo.

Propusemos à Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo avançar com a candidatura do Baixo Alentejo à Cidade Europeia do Vinho. E estamos empenhados em promover a capital do vinho no Ribatejo.

Quais são, efetivamente, as prioridades a curto e médio prazo deste seu mandato?
Claramente, aumentar o peso do turismo do Alentejo no total do país. As nossas dormidas ainda valem 4,2% no total nacional. Ainda somos um destino pouco expressivo. Nós queremos chegar, em 2027, aos 5,1%. Isto significa termos mais oferta, o apoio a projetos qualificadores e diferenciadores de novo alojamento turístico na região e, obviamente, trabalhar bem, de uma forma cada vez mais profissional e otimizada, o marketing e a produção.

Além disso, aumentar o peso dos proveitos totais do turismo da região no total nacional. Esses proveitos valem 4,1%. Nós queremos que esse ratio seja de 5,2%, em 2027.

Queremos reforçar a proporção de hóspedes estrangeiros no total do turismo da região. Como disse, esse valor está agora em 32%. Em 2019 estava em 34%. Queremos chegar a 40%, em 2027.

Outro grande objetivo é reforçar o peso da procura externa na região, trabalhar melhor a procura turística fora da época alta. É verdade que hoje, às vezes, é um pouco contraproducente falar em época alta. Temos uma taxa de sazonalidade de 38%. Queremos reduzir para 34% até 2027.

O turismo no Alentejo tem de viver em todo o território. Ou pelo menos poderá viver em todo, porque há outras atividades económicas e obviamente o ordenamento do território tem de fazer a compatibilização entre os vários usos.

Agora, o que eu não posso aceitar é que o Estado que ative, atraia, apoie, incentive empresários a investirem as suas poupanças, os seus dividendos, e o próprio e depois o mesmo Estado aprove, licencie projetos contraproducentes de outras áreas económicas que vão limitar, estragar, condicionar, destruir a atratividade paisagística, ambiental e turística desse território. E neste momento há riscos que se colocam ao Alentejo.

Centrais solares, centrais fotovoltaicas, projetos de agricultura intensiva que não estou a dizer que o Alentejo não os deva receber. Mas há que compatibilizar uma coisa com a outra.

Dou-lhe um exemplo. Há um projeto de central fotovoltaica no concelho de Évora que, aliás, há um parecer negativo e inequívoco do Turismo de Portugal, e que vai pôr em causa a atratividade turística, paisagística e ambiental de forma irreversível, de empreendimentos turísticos, de adegas, localizados naquela zona.

Foi o que referi anteriormente, o Estado tem de ser inteligente. O Estado não pode dizer aos empresários turistas apostem aqui e depois licenciar ao lado grandes projetos de agricultura intensiva, que não têm nada a ver com aquilo que é a produção autónoma daquele território e que vão condicionar a atratividade turística daqueles territórios.

O ordenamento do território é a palavra-chave para os próximos anos. A região tem de conseguir conciliar vários usos e, claro, tem de haver lugar para a agricultura, caminhos para a transição energética. Mas essa transição energética não pode ser feita a qualquer custo. E não se pode fazer destruindo o turismo. E eu, enquanto presidente da Entidade Regional de Turismo, estou muito atento a isso, porque me preocupa.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

Portugal é o segundo país europeu em que os turistas têm estadias mais prolongadas

Um recente estudo do Mastercard Economics Institute indica que o número de dias passados em Portugal passou de 3,5 dias, em fevereiro de 2020 (antes da pandemia), para 6,1 dias em março de 2024

Victor Jorge

Portugal é o segundo país europeu em que os turistas têm estadias mais prolongadas. O número de dias passados em Portugal passou de 3,5 dias em fevereiro de 2020 (antes da pandemia), para 6,1 dias em março de 2024.

Os dados são do último relatório global “Travel Trends 2024” do Mastercard Economics Institute (MEI), que apresenta uma análise do setor em 74 mercados, com base em dados exclusivos de transações, agregados e anonimizados, incluindo do Mastercard SpendingPulse.

No Top 5 do número médio de estadias, em março de 2024, estão ainda a Grécia (6,8), no 1.º lugar, a Espanha no 3.º lugar (6), seguida da Croácia (5,8) e do Reino Unido (5,6).

Portugal é também um dos países onde o tráfego aéreo mais cresceu, comparativamente com 2019 (8%), ocupando o 3.º lugar do ranking europeu, à frente de países como Espanha (6,6%), e o 8.º lugar do ranking global, à frente de países como França (26.º), Itália (29.ª) ou Alemanha (35.º). Curiosamente o país ocupa ainda o 8.º lugar no Top 10 dos países que mais contribuíram para a recuperação do tráfego aéreo para os Estados Unidos, a seguir à Alemanha e à Irlanda.

Lisboa continua a ser a cidade preferida
O estudo analisou, ainda, as principais tendências de procura de destinos para o período entre junho e agosto deste ano de 2024. No caso de Portugal, Lisboa tem a preferência de espanhóis (158%), franceses (73%) e britânicos (63%). Faro também tem a preferência de espanhóis (53%) e o Porto é o principal destino para suíços e britânicos. Nas ilhas, o Funchal é mais procurado na Alemanha (53%) e Suíça (38%) e Ponta Delgada no Canadá (42%).

No Top 5 dos principais destinos procurados pelos portugueses para o mesmo período, surge Genebra, no primeiro lugar, seguido de Nice, Ibiza, Munique e Zurique, apesar da lista mais alargada incluir outros destinos como Menorca, Milão, Viena, Lyon e Málaga.

“As principais conclusões apontam para uma recuperação recorde do setor das viagens em 2024, apesar das oscilações das taxas de câmbio e das diferenças em termos do poder de compra, demonstrando que o desejo de viajar mantém-se mais forte do que nunca”, revela o estudo.

“De facto, durante os primeiros meses de 2024, o setor das viagens cresceu globalmente de forma assinalável com as companhias aéreas e os cruzeiros a registarem níveis recorde de utilização”, avança ainda o Travel Trends 2024” do Mastercard Economics Institute. Por outro lado, além deste nível recorde, verifica-se segundo os dados analisados pelo estudo, que os viajantes estão a prolongar as suas estadias por mais um dia em comparação com o período pré-pandemia.

Para além destes recordes, na Europa, na última década, verifica-se, ainda, que os turistas têm vindo a alterar as suas estadias dos meses de época alta (julho-agosto) para os meses de estações intermédias. Entre os países com a maior mudança em relação aos meses de pico do verão, estão a Croácia, Grécia, Portugal e a Itália. Mas mesmo nos países nórdicos, como a Dinamarca, a Suécia, a Finlândia e Países Baixos, a tendência é similar.

Isto sugere que não são apenas os verões mais quentes que estão a impulsionar esta mudança, mas também duas grandes alterações demográficas: por um lado mais reformados (livres de obrigações de trabalho) e, por outro, mais agregados familiares sem filhos (livres de calendários escolares).

O impacto dos EUA
O estudo da Mastercard conclui, ainda, que 2023 foi um “marco importante” para o turismo europeu, assinalando o ano em que foi alcançada uma recuperação total do número de dormidas, com 2,91 mil milhões de dormidas, em 2023, contra 2,88 mil milhões em 2019. O relatório da Mastercard também destaca o aumento significativo das chegadas de turistas dos EUA como um motor desta melhoria dos números. Por exemplo, as estatísticas oficiais mostram que a percentagem de viajantes provenientes desse país para Portugal cresceu de 6% para 9%; em Espanha aumentou de 4%, em 2019, para 5%, em 2023; e no Reino Unido de 13% para 16%. Já o aumento dos gastos no setor das viagens não é apenas resultado da inflação, mas também “do maior dinamismo económico, alimentado por um mercado de trabalho estável e por um desejo mais forte de viajar”.

A tendência demonstra que a procura pelos destinos de praia mais frequentados como a Grécia, Portugal e Espanha permanece estável, com estes países a registarem também um forte crescimento das viagens fora dos meses de pico do verão.

Experiências que contam
Ainda segundo o MEI Travel Report, os consumidores continuam a privilegiar os gastos com experiências em detrimento dos gastos com bens materiais, mesmo quando viajam. Os gastos com experiências totalizam agora 12% das vendas de turismo, de acordo com a SpendingPulse Destinations, que analisa as vendas no retalho em lojas físicas e online nas diversas todas as formas de pagamento – e que apresentou o pico mais alto em pelo menos cinco anos. Na posição cimeira estão os australianos que tendem a gastar um em cada cinco dólares em experiências e vida noturna em comparação com a média global, que está mais próxima de gastar um em cada 10 dólares.

Embora o Japão tenha sido o líder global dos principais destinos nos últimos 12 meses, Munique é o destino mais popular para este verão, motivado, em parte, por eventos desportivos que vão acontecer nesta altura (junho-agosto de 2024). De acordo com o Mastercard Economics Institute, a Albânia ocupa o terceiro lugar na lista dos destinos mais populares neste verão, sobretudo devido ao aumento de viajantes experientes que procuram atmosferas autênticas similares à vizinha Itália e Croácia, mas por menos dinheiro.

Nos cruzeiros, o estudo indica, igualmente, um regresso de uma forma notável com as transações globais de passageiros de cruzeiros a situarem-se cerca de 16% acima dos níveis de 2019 no primeiro trimestre. O aumento de procura por este segmento também é observado nos principais portos. Por exemplo, nos últimos 12 meses, as Bahamas receberam mais 2,9 milhões de passageiros que chegaram por mar, comparativamente com os níveis de 2019. Para muitos viajantes, a crescente diferença entre os preços de cruzeiros e hotéis, tem vindo a tornar os cruzeiros numa opção de viagem mais económica.

Para Natalia Lechmanova, Chief Economist Europe, Middle East & Africa, Mastercard Economics Institute, “a resiliência e adaptabilidade do setor das viagens, aliadas à procura persistente dos consumidores, traduziram-se numa forte recuperação do turismo”.

A responsável acrescenta ainda que “tal como acontece ao nível doméstico, os viajantes estão a privilegiar as experiências em vez de bens, também no exterior. Apesar disso, são cada vez mais exigentes e, por isso, escolhem destinos que lhes oferecem valor e autenticidade. Esta experiência permite-lhes fazer render os seus orçamentos de modo a prolongarem as suas estadias e poderem desfrutar ao máximo das experiências e maravilhas de cada destino”.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Distribuição

Nova Edição: Uma visão americana sobre o turismo em Portugal

As entrevistas ao presidente da United States Tour Operators Association (USTOA), Terry Dale, e Matthew Berna, presidente da Intrepid Travel, Americas, são destaque desta edição do Publituris. Além disso, visitámos a Tunísia e damos conta do estado do setor rent-a-car em Portugal. A isto juntamos ainda os nomeados dos Publituris “Portugal Travel Awards” 2024.

Publituris

A entrevista ao presidente da United States Tour Operators Association (USTOA) – o equivalente à APAVT portuguesa – Terry Dale, faz capa do Públituris 1513.

Reunida que esteve para a reunião anual do seu Conselho Executivo, na região Centro de Portugal, evento que incluiu uma visita de incentivo dos seus membros, Terry Dale admitiu que Portugal “está perfeitamente preparado para atrair viajantes exigentes que procuram mergulhar em novas culturas e gastronomia”.

O presidente da associação norte-americana afirmou ainda ao Publituris que, “Portugal oferece algo novo para aqueles que já experimentaram outras partes da Europa”.

Em Portugal, a participar na reunião da USTOA, esteve também Matthew Berna, presidente da Intrepid Travel, Americas, empresa de viagens de aventura para pequenos grupos que oferece mais de 1.100 passeios acompanhados em todo o mundo. Na opinião de Matthew Berna, “Portugal tem muito para oferecer”. Confirmação de que “Portugal está na moda” são os números apresentados pela Intrepid Travel, Americas, cujas vendas para Portugal aumentaram 11% em relação a 2023, demonstrando que “Portugal é popular neste momento”.

Nas “Capas que fazem História”, destaque para a edição de 15 de junho de 1974, na qual o então secretário de Estado do Comércio Exterior e Turismo (SECET), Rui Vilar, afirmava que “dada a situação geográfica do nosso país, a sua própria situação geográfica e as infraestruturas existentes, o esforço no campo económico terá de ser canalizado para o turismo de qualidade”.

Nesta edição trazemos, também e novamente, a listagem dos nomeados da 19.ª edição dos Publituris “Portugal Travel Awards”. Este ano há 177 nomeados em 22 categorias e a votação está em aberto até ao próximo dia 27 de junho em https://premios.publituris.pt/.

Os vencedores da edição de 2024 serão conhecidos no próximo dia 4 de julho, a partir das 19h00, no Pestana Douro Riverside, no Porto.

A Tunísia é o destino em destaque nesta primeira edição de junho. O Publituris foi rever o destino, pelas mãos do operador turístico Sonhando, que levou um pequeno grupo de agentes e viagens. As regiões turísticas de Monastir, Mahdia, Porto El Kantaoui, e Sidi Bou Said, no continente, e a incontornável Djerba, fizeram parte deste roteiro.

No “dossier” desta edição analisamos o setor “rent-a-car” que, depois de um verão positivo em 2023, volta a estar otimista também para a época alta deste ano, o que se deve ao regresso em força dos turistas a Portugal depois da pandemia. E, apesar da inflação e outros desafios, o otimismo é ainda justificado pela ajuda que as novas tecnologias têm dado a este setor, que já se está a preparar para incorporar, também a Inteligência Artificial.

Além do Pulse Report, numa parceria entre a GuestCentric e o Publituris, as opiniões pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Nuno Avelar de Sousa (Parque Aventura Sniper), e Miguel Pizarro (ISAG).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto crédito: Depositphotos.com

Transportes

Aeroportos nacionais crescem 5,9% e somam 13,6 milhões de passageiros no 1.º trimestre

Nos três primeiros meses de 2024, o tráfego aéreo internacional movimentou 11,1 milhões de passageiros, num aumento de 7,1% face a igual período do ano passado, com destaque para Faro, onde o tráfego internacional ascendeu a 92,7% do total.

Inês de Matos

Os aeroportos nacionais movimentaram, no primeiro trimestre de 2024, 13,6 milhões de passageiros, número que representa um aumento de 5,9% face a igual período do ano passado, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), em comunicado.

Os números do INE mostram que, nos três primeiros meses de 2024, os aeroportos portugueses receberam ainda 49,6 mil aeronaves em voos comerciais, o que traduz uma subida de 1,2% face a trimestre homólogo do ano passado.

No que diz respeito aos passageiros, foi Lisboa que concentrou a maioria dos movimentos, com 55,1% do movimento total de passageiros, o que representa 7,5 milhões de passageiros e traduz um aumento de 5,5%.

Já o aeroporto do Porto “concentrou o segundo maior volume de passageiros movimentados do país”, o que corresponde a 23% do total, indica o INE, explicando que, nesta infraestrutura aeroportuária, os movimentos de passageiros cresceram 7,3%, representando 3,1 milhões de passageiros.

Em Faro, o aeroporto contabilizou ainda 1,2 milhões de passageiros, o que representa 8,8% do total e traduz um aumento de 7,5%, enquanto na Madeira o volume de passageiros movimentados correspondeu a 1,0 milhões de passageiros, o que representa um aumento de 1,9%. Por sua vez, nos Açores, o movimento de passageiros cresceu 7,3% no aeroporto de Ponta Delgada, chegando aos 433 mil passageiros.

Nos três primeiros meses de 2024, o tráfego aéreo internacional movimentou 11,1 milhões de passageiros, num aumento de 7,1% face a igual período do ano passado e que representou 81,7% do tráfego total, com destaque para Faro, onde o tráfego internacional ascendeu a 92,7%, enquanto em Lisboa foi de 88,9% e, no Porto, chegou aos 86,6%.

“O número de aeronaves aterradas e o número de passageiros desembarcados diariamente no 1º trimestre de 2024, mantiveram-se, em média, acima dos valores registados no trimestre homólogo. O mês de março foi o que registou o maior desembarque médio diário de passageiros nos aeroportos nacionais (86,5 mil passageiros; +8,2%)”, indica o INE, no comunicado divulgado esta quinta-feira, 6 de junho.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Meeting Industry

Rita Marques nomeada presidente do Conselho Estratégico da BTL

A ex-secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, é a nova presidente do Conselho Estratégico da BTL.

Publituris

A Fundação AIP, entidade promotora da BTL, nomeou Rita Marques, ex-secretária de Estado do Turismo e atual presidente da Fundação Livraria Lello, para a Presidência do Conselho Estratégico da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL).

Este órgão consultivo reunirá “personalidades de reconhecido mérito e experiência profissional e terá como missão contribuir para o desenvolvimento de uma estratégia que permita à BTL consolidar e desenvolver a sua posição como um dos principais eventos do setor turístico na Europa, bem como garantir o seu alinhamento com o mercado e com os objetivos das empresas e entidades que nela participam”, revela a Fundação AIP, em comunicado.

O presidente da Fundação AIP, Jorge Rocha de Matos, justificou o convite endereçado, destacando a vasta experiência e competência de Rita Marques no sector, admitindo que “traz uma visão inovadora e um conhecimento profundo das dinâmicas do turismo nacional e internacional”.

De referir que a última edição da BTL obteve os melhores resultados de sempre, com mais de 79.000 visitantes, mais de 1.500 expositores, 85 destinos internacionais e 200 Hosted Buyers, oriundos de 42 mercados emissores que realizaram mais de 2.800 reuniões com empresas e entidades portuguesas.

Por sua vez, Rita Marques expressou entusiasmo ao aceitar o convite, sublinhando a importância da BTL para o desenvolvimento do turismo em Portugal. “Aceitei este desafio com grande honra e sentido de responsabilidade. A BTL é um evento crucial para a promoção do nosso turismo e estou empenhada em contribuir para que se torne ainda mais relevante e inovador”, declarou Rita Marques, destacando ainda a importância de “adotar estratégias que respondam às novas tendências e exigências do mercado turístico global”.

Recorde-se que a próxima BTL- Bolsa de Turismo de Lisboa está marcada para 12 a 16 de março de 2025 na FIL – Parque das Nações, em Lisboa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Portugal foi um dos mercados de lazer da UE que ultrapassaram tráfego pré-pandemia em abril

O relatório de tráfego aéreo de abril de 2024 do ACI Europe indica que o mercado da União Europeia esteve “muito perto de uma recuperação total dos seus volumes pré-pandemia” em abril, registando apenas uma descida de 1,1% face ao mesmo mês de 2019.

Inês de Matos

Portugal foi um dos mercados de lazer da União Europeia onde os níveis de tráfego de abril ultrapassaram o período pré-pandemia, com um crescimento de 13,6% face aos níveis de 2019, avança o relatório de tráfego aéreo de abril de 2024 do ACI Europe.

De acordo com este relatório, o mercado da União Europeia esteve “muito perto de uma recuperação total dos seus volumes pré-pandemia” em abril, registando apenas uma descida de 1,1% face ao mesmo mês de 2019.

No entanto, este relatório do ACI Europe diz que a evolução nos mercados da União Europeia decorreu a diferentes ritmos, tendo o maior crescimento recaído sobre os mercados que mais dependem do lazer e de visitas a amigos e familiares, num ranking onde, além de Portugal, figuram também os aeroportos da Grécia (+21,7%), Croácia (+20,9%), Polónia (+20,3%), Malta (+18,5%), Islândia (+17,2%) e Luxemburgo (+17%).

Já os aeroportos da Finlândia (-30,6%), Eslovénia (-29,5%), Eslováquia (-24,1%) e Suécia (-23,6%) permaneceram, segundo o ACI Europe, como “os mais distantes da recuperação dos volumes pré-pandemia”.

De uma forma global, o tráfego de passageiros na rede aeroportuária da União Europeia aumentou 7,7%, com os melhores desempenhos a registarem-se nos aeroportos da Estónia (+28%), da República Checa (+18%), da Eslovénia (+17%) e da Polónia (+17%).

A nível geral, Portugal foi, no entanto, um dos mercados com pior desempenho entre os países da União Europeia em abril, com um crescimento de apenas 2,4% face a abril do ano passado, juntando-se à Suécia (-0,1%), Irlanda (+0,6%) e Letónia (+1,8%) como um dos mercados em que este indicador menos cresceu.

Mercados de fora da União Europeia lideram desempenho

No geral, o tráfego de passageiros na rede aeroportuária europeia aumentou 8,5% face a igual mês de 2023, ficando apenas 0,2% abaixo dos níveis pré-pandemia, acrescenta o ACI Europe, que atribui este crescimento aos mercados de fora da União Europeia.

Nestes mercados, que assistiram a um aumento do tráfego de 13,4% em relação ao mesmo mês do ano passado, foram reportados “grandes aumentos” pelos aeroportos do Cazaquistão (+150%), Albânia (+67%), Uzbequistão (+54%) e  Turquia (+19%).

Os mercados de fora da União Europeia ultrapassaram os níveis pré-pandemia em 5,6%, isto apesar da “perda total do tráfego de passageiros nos aeroportos ucranianos”, em resultado da invasão da Rússia ao país vizinho, e das “reduções significativas” nos aeroportos de Israel (-42%) e da Rússia (-22%), também devido aos conflitos armados.

Já os aeroportos da Albânia (+261%), Uzbequistão (+171%), Cazaquistão (+83%) e Arménia (+86%) lideraram o crescimento dinâmico do bloco em comparação com os volumes de 2019.

Principais aeroportos da União Europeia viram tráfego aumentar 8,6%

Numa análise aos resultados dos principais aeroportos da União Europeia, percebe-se que o tráfego aumentou 8,6% em abril face a mês homólogo do ano passado, ainda que tenha permanecido 1,6% abaixo dos níveis pré-pandemia.

Os dados mostram que o aeroporto de Londres-Heathrow, que registou uma subida de 4,8% face a abril do ano passado mas uma descida de 1,4% em comparação com o mesmo mês de 2019, se manteve como o aeroporto europeu mais movimentado, seguido por Istambul, que teve um aumento de 10,5 face a abril de 2023 e de 22,4% em comparação com o mesmo mês de 2019, e onde o tráfego de passageiros ficou “muito acima do nível pré-pandemia”.

Na terceira posição ficou o aeroporto de Paris-CDG, que registou uma subida de 4,8% face a abril de 2023 mas uma descida de 11,5% comparativamente ao período pré-pandemia, seguindo-se os aeroportos de Amsterdam Schiphol, onde este indicar subiu 6,7% face a abril do ano passado mas desceu 10,4% em comparação com o mesmo mês de 2019, e ainda Madrid, onde o tráfego de abril subiu 10,6%, registando ainda um aumento de 6,7% face a abril de 2019.

Já o aeroporto de Roma-Fiumicino continuou a registar “o maior crescimento em relação ao mesmo mês do ano passado”, apresentando um aumento de 26,6% face a abril de 2023 e de 10,8% relativamente a abril de 2019.

Noutros aeroportos de grande dimensão da Europa, o destaque foi para os crescimentos registados em Antalya (+58% vs. abril de 2023 | +8,6% vs. abril de 2019), Istambul Sabiha Gökçen (+20,6% vs. abril de 2023 | +13,2% vs. abril 2019), Praga (+17,3% vs. abril de 2023 | -11% vs. abril de 2019), Munique (+17,1% vs. abril de 2023 | -14% vs. abril de 2019), Atenas (+16,2% vs. abril de 2023). |. +21,5% vs. março de 2019) e Budapeste (+16% vs. abril de 2023 | +4,1% vs. abril de 2019).

Desempenho positivo registaram ainda os aeroportos médios, que viram o tráfego subir 9,4% face ao período pré-pandemia, a exemplo dos aeroportos de Zadar (+105% vs. abril de 2023 | +45,3% vs. abril de 2019), Girona (+87,9% vs. abril de 2023 | -2,7% vs. abril de 2019), Tirana (+ 67,2% vs. abril de 2023 | +260% vs. abril de 2019, Sarajevo (+49% vs. abril de 2019), Chisinau (+44% vs. abril de 2023 | abril de 2019) e Erzurum (+43,2% vs. abril de 2023 | +22,8% vs. abril de 2019).

O ACI Europe diz ainda que, tal como nos últimos meses, as maiores bases Low Cost continuaram a apresentar um desempenho superior quando comparadas com os níveis pré-pandemia, com Memmingen a registar um aumento de 76,4%), enquanto Beauvais subiu 72%, Bérgamo cresceu 32,5% e Charleroi registou ainda um crescimento de 24,5%.

Por outro lado, refere também o ACI Europe, os pequenos aeroportos registaram o desempenho mais fraco, com um aumento de 4,4% no tráfego de passageiros em abril em comparação com o mesmo mês do ano passado, permanecendo 31,5% abaixo dos níveis pré-pandemia.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Aviação

Azores Airlines já retomou voos entre Ponta Delgada e Londres

Esta rota, que já tinha feito parte da operação da Azores Airlines no passado, conta com voos diretos entre Ponta Delgada e Londres-Gatwick até 26 de setembro, disponibilizando ligações às terças e quintas-feiras.

Publituris

A Azores Airlines, companhia aérea do Grupo SATA que realiza voos internacionais, retomou esta terça-feira, 4 de junho, a rota que liga Ponta Delgada, nos Açores, a Londres, no Reino Unido, numa operação sazonal que conta com dois voos por semana e que decorre até 26 de setembro.

“O primeiro voo entre Ponta Delgada e Londres, operado no Airbus A321ceo da Azores Airlines “Natural”, com matrícula CS-TKP, aterrou por volta das 12:35 (horas locais) no aeroporto de Gatwick, tendo regressado a Ponta Delgada, no mesmo dia, com aterragem no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, às 16:30 (horas locais)”, indica a companhia aérea, em comunicado.

Esta rota, que já tinha feito parte da operação da Azores Airlines no passado, conta com voos diretos entre Ponta Delgada e Londres-Gatwick até 26 de setembro, disponibilizando ligações às terças e quintas-feiras.

O primeiro voo desde Londres-Gatwick para Ponta Delgada aconteceu esta terça-feira, 4 de junho, e motivou uma cerimónia de recepção aos passageiros no Aeroporto João Paulo II, em Ponta Delgada, com oferta de uma simbólica flor de cor azul, em alusão às cores da Azores Airlines.

“A reabertura desta rota, para a qual temos elevadas expetativas, é um momento vivido com grande entusiasmo. Ligar os Açores a Londres significa aumentar a oferta de destinos aos nossos passageiros e continuar a potenciar a conectividade da nossa rede, cuja base assenta a meio do Atlântico, entre a Europa e a América do Norte, no Arquipélago dos Açores. É, simultaneamente, o sucesso de um trabalho conjunto com os nossos parceiros” destaca, Graça Silva, diretora de Vendas, Marketing e Comunicação do Grupo SATA.

Os voos da Azores Airlines contam com partidas às terças e quintas-feiras, com a saída de Londres a decorrer às 13h35 e a chegada a Ponta Delgada pelas 16h35, enquanto em sentido inverso as partidas de Ponta Delgada são às 07h35, chegando a Londres às 12h35.

Segundo o grupo de aviação açoriano, o horário desta operação permite usufruir do programa da Azores Airlines StopOver Azores, “que oferece a possibilidade de uma paragem intermédia até sete dias, antes de prosseguir viagem até ao destino final”.

Os bilhetes para esta rota já se encontram à venda e podem ser adquiridos através dos diferentes canais da SATA Azores Airlines (Contact Center, website, balcões e lojas de vendas), bem com através das agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Vê Portugal: SET aponta caminhos para o futuro do turismo e revisão da Lei 33

O secretário de Estado do Turismo, Pedro Machado, apontou, durante a abertura da 10.ª edição do Fórum do Turismo Interno “Vê Portugal”, alguns desafios que se colocam ao turismo, mas também caminhos para o futuro do setor. Além disso, indicou mudanças na Lei 33, muito aguardadas por todos.

Victor Jorge

Pedro Machado, atual secretário de Estado do Turismo (SET), e um dos mentores do Fórum do Turismo Interno “Vê Portugal”, que, em 2024, vai na 10.ª edição, apontou, no seu discurso de abertura no evento, como “grande desafio” a “combinação daquilo que é vulgarmente assumido como o crescimento sustentável com a qualificação da experiência turística”, admitindo que “essa não tem género, não tem fronteira, não tem barreiras geográficas. Essa é, de facto, uma assunção, uma responsabilidade, um desafio que é transversal ao turismo interno e ao turismo externo”.

Começando pelos produtos turísticos, Pedro Machado lembrou a missão das Entidades Regionais de Turismo (ERT), na “estruturação do produto”, assinalando que, em 2024, e fruto da Estratégia Turismo 2027, “existem 22 produtos turísticos na marca de Portugal trabalhados em 25 mercados internacionais”.

Pedro Machado aproveitou a ocasião para lembrar “três problemas estruturantes que sempre tivemos: sazonalidade, estadia média e litoralização da atividade turística”.

No primeiro caso, o SET admitiu que pode ser trabalhado com o mercado interno, sendo que na estadia média, “estamos a conseguir ultrapassar e a crescer”, para na litoralização da atividade turística “ouvirmos, hoje, palavras como coesão, baixa densidade, interior. Ou seja, problemas que Portugal vai conseguir resolver, naturalmente, muito pela dinâmica que hoje a atividade turística tem, mas onde a estruturação do produto é absolutamente essencial”.

Uma 33 que ninguém quer
Passando a um tema, sobre o qual se debateu durante vários anos, enquanto presidente da Turismo do Centro, cargo que exerceu ao longo de 17 anos, Pedro Machado começou por destacar a relevância das ERT e daquilo que já foi anunciado, ou seja, a revisão da Lei 33.

Considerando que a lei “não está isenta de erros”, desde logo, porque “o mandato da Comissão Executiva é de cinco anos e o mandato do Conselho de Marketing, que aconselha a Comissão Executiva, é de quatro, há um desfasamento”, mas que considera ser de “resolução fácil”.

“Coisa diferente tem a ver com o espírito e a autonomia que a [Lei] 33 deveria colocar na gestão diária das Entidades Regionais, a começar por rubricas de orçamento e de descativação”, assinalando mexidas para breve em todos estas matérias relacionadas com esta lei, mas que preferiu não adiantar sem haver timings para a sua concretização efetiva.

Para terminar, Pedro Machado deixou ainda quatro desafios para o futuro do turismo em Portugal. (i) “As ERT têm de ser mais integradoras e têm de ser mais colaborativas. Isto é, a assunção dos grandes temas que afetam hoje a atividade turística faz com que exista e continue a existir uma extraordinária cumplicidade entre os organismos regionais. Os objetivos são objetivos comuns. O objetivo do crescimento, o objetivo da sustentabilidade, o objetivo da internacionalização das empresas, o objetivo de crescer em valor, o objetivo de esbater-se a sazonalidade são objetivos comuns às cinco ERT”; (ii) inovação e pragmatismo. É irreversível o processo de transição, seja tecnológica, seja digital. Essa inovação que é incontornável, pode ser em produto, pode ser em marca, pode ser em território”; (iii) “ser disruptivo. A preparação de quem hoje lidera as ERT faz com que tenham de assumir novos desafios e por isso é importante colocar na revisão da [Lei] 33 a ideia das ERT se assumirem como organismos intermédios, que possam ter capacitação de programas comunitários, que facilitem o acesso daqueles e daquelas que nos seus territórios normalmente estão afastados dos grandes programas nacionais. Dotar as entidades profissionais dessa capacitação é não só reconhecer a sua relevância institucional, mas é mais do que isso. É dar a capacidade de descentralizarmos alguns temas do próprio Turismo de Portugal, porque o país, apesar de não ter aumentado em tamanho, é hoje mais desafiante”; (iv) modelo de governance. Hoje percebemos e sentimos que no modelo de governação das ERT existem desafios que cresceram. É preciso fazermos uma avaliação rigorosa sobre aquilo que é verdadeiramente o grau, o nível de profissionalismo que estamos a colocar na promoção turística, que é cada vez mais exigente. Temos de ter uma cautela redobrada para não fragmentarmos, não espartilharmos aquilo que são as marcas hoje mais maduras e que podem sofrer atropelos se entretanto começarmos a fragmentar e a espartilhar em ações mais isoladas. E nesta governance, cada vez mais, a atividade turística é por excelência uma atividade das empresas e dos empresários. O que significa que as empresas e os empresários devem aumentar o grau de participação naquilo que é o modelo de governance dos destinos regionais. Porque ERT e as Agências de Promoção Externa alavancam o seu trabalho naquilo que é a capacidade de ter mais empresas no campo da internacionalização”.

Nesse âmbito e reconhecendo que “temos hoje mais mercados, temos hoje mais produtos, temos hoje mais turistas, temos hoje mais rotas, temos hoje mais eventos”, Pedro Machado não deixou de frisar que “queremos no fundo crescer sustentáveis, qualificar a experiência, crescer em valor e hoje estamos particularmente atentos e sensíveis para as questões da sustentabilidade, mas mais ainda relativamente aos novos perfis dos novos turistas, inclusive dos turistas que não querem ser chamados de turistas”.

“Portugal não tem turistas a mais, ponto”, frisou o secretário de Estado, terminando a assinalar que “Portugal precisa de qualificar e diversificar muito o que é a experiência turística e em alguns casos precisa de reforçar a atratividade de pontos de interesse que se possam mostrar. E para isso, o trabalho de articulação com e entre as ERT com todos os organismos, no que é criar vantagem competitiva, económica e social é uma característica essencial para a consolidação do crescimento, da distribuição da riqueza e da coesão territorial do nosso território”.

E aos que deixam críticas de turismo a mais em Portugal, Pedro Machado concluiu: “imaginem por um mês Portugal sem turismo”.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.