Aeroportos recuperam em agosto mas ainda têm quebras superiores a 50%

Por a 16 de Outubro de 2020 as 12:13

O movimento nos aeroportos portugueses manteve a tendência de recuperação no passado mês de agosto, ainda que se tenham registado quebras diárias superiores a 50% no número de passageiros processados, segundo a estatística rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgada esta sexta-feira, 16 de outubro.

Segundo os dados apresentados pelo INE, os aeroportos nacionais contabilizaram, em agosto, o movimento de 2,2 milhões de passageiros, total que representa um decréscimo de 65,9% face a igual período do ano passado, mas ainda menos acentuado que em julho, quando a quebra tinha sido de 79,5%.

O INE destaca o decréscimo registado no número de passageiros provenientes em voos do Reino Unido, que chegou aos 69,1% em agosto, depois de em julho já ter caído 85,5%, o que se explica com “o anúncio da inclusão de Portugal na lista de países seguros para viajar”, que aconteceu a 20 de agosto e que, segundo o INE, contribuiu “para uma menor redução do número de passageiros desembarcados entre os dias 21 e 31 de agosto (-47,2%), quando comparada com a registada entre 1 e 20 de agosto (-79,7%)”.

No total, os aeroportos nacionais receberam, em agosto, 12,4 mil aeronaves em voos comerciais, o que representa uma variação homóloga de -46,4%, depois de em julho e junho ter chegado aos -62,0% e -86,6%, respetivamente.

“É visível o impacto da pandemia COVID-19 e das medidas adotadas ao nível do espaço aéreo a partir do início da segunda quinzena do mês de março, registando-se uma ligeira recuperação a partir do mês de julho, acentuando-se no mês de agosto, apesar de ainda se registarem reduções diárias superiores a 35% no número de aeronaves aterradas e a 50% no número de passageiros desembarcados”, sublinha o INE.

Já no acumulado de janeiro a agosto, aterraram nos aeroportos nacionais 66,9 mil aeronaves em voos comerciais, o que representa uma descida de -56,7% face ao mesmo período de 2019, e foram movimentados 13,4 milhões de passageiros, numa quebra de 67,1%.

Por aeroportos, o destaque vai para Lisboa, que movimentou 52,5% do total de passageiros entre janeiro e agosto, o que corresponde a sete milhões de passageiros, o que indica uma descida de 66,3%.

“Considerando os três aeroportos com maior tráfego de passageiros, o aeroporto do Faro foi o que evidenciou maior decréscimo do número de passageiros movimentados entre janeiro e agosto de 2020 (-77,1%)”, refere ainda o INE.

No acumulado dos oito primeiros meses do ano, França foi o principal país de origem e de destino dos voos, seguindo-se o Reino Unido, ainda que com “a maior redução do número de passageiros desembarcados e embarcados face ao período homólogo (-74,0% e -74,1%, respetivamente)” e apesar da recuperação evidenciada em agosto.

Já a Alemanha e a Espanha trocaram de posições em relação ao mês anterior e relativamente à origem e destino, ocupando a terceira e quarta posições, respetivamente, enquanto a Suíça se manteve na quinta posição deste ranking.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *