“Ter o pior aeroporto do mundo seria catastrófico para a TAP”

Por a 11 de Dezembro de 2018 as 12:12

O presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, concorda com Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), em relação ao risco que Lisboa corre de vir a ter o pior aeroporto do mundo, o que, afirmou, seria “catastrófico” para a companhia aérea de bandeira nacional.

“Corremos esse risco, mas espero que isso não aconteça. Para a TAP, se isso vir a acontecer, é catastrófico”, afirmou o responsável esta terça-feira, 11 de Dezembro, durante a conferência “Sucesso Made In Portugal”, promovida pelo Dinheiro Vivo.

Antonoaldo Neves foi um dos oradores convidados e, quando confrontado com os problemas do aeroporto de Lisboa, concordou com o presidente da CTP, que há poucos dias tinha afirmado, em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF, que Lisboa corre o risco de vir “a ser o melhor destino do mundo com o pior aeroporto do mundo”.

O presidente executivo da TAP concorda e diz que, em termos de pontualidade, o aeroporto da capital é já o 22.º pior do mundo, motivo pelo qual considera urgente que se discutam os planos para a Portela, até mais do que a solução complementar do Montijo.

“O Montijo não é uma solução de longo prazo, é pontual”, afirmou, considerando que “a Portela vai ser sempre o hub principal”, até porque “a TAP não cabe no Montijo” e porque, “nos próximos 10 anos, o volume de investimentos previsto para a Portela é maior que no Montijo”.

“O desafio é a Portela, é importante construir o Montijo, mas a Portela é do tamanho de Orly, é maior que qualquer aeroporto brasileiro e, por isso, o país precisa de discutir a Portela, e não sei quais são os planos para a Portela”, afirmou, considerando que esta é uma “oportunidade única” para que o país escolha se quer ser “um grande hub global”.

Antonoaldo Neves considera que “a falta de investimento [na Portela] foi levada ao limite” e por isso apela a um entendimento entre as várias partes envolvidas, “para que o país perca o menos possível”.

Em relação aos atrasos da TAP, Antonoaldo Neves voltou a assumir a culpa da companhia, mas partilhou a responsabilidade com a infraestrutura aeroportuária, afirmando que só por não existir uma saída rápida, a TAP é prejudicada em “milhões de euros por ano”.

“Por não termos uma saída rápida para o avião, perdemos 0,8 minutos por descolagem, é muito e custa milhões de euros por ano”, explicou.

3 comentários

  1. Jose Mauricio

    13 de Dezembro de 2018 at 15:27

    Enquanto não se construir um aeroporto novo de raíz andamos apenas a brincar aos aviões. A solução de Alcochete é sem duvida a melhor. Se nada for feito neste sentido o país não vai crescer e a TAP também não.

  2. Concha Roncon

    12 de Dezembro de 2018 at 11:47

    O quê é que têm a ver os espanhóis com a Portela? Alguns aproveitam qualquer tema para hostilizar os nossos vizinhos sem necessidade!

  3. João Martins Vieira

    12 de Dezembro de 2018 at 8:08

    Este brasileiro deve saber muito de parafusos e martelos usados nos bate chapas de aviões no Brasil mas não entende nada de planeamento estratégico urbano e de transportes. Há muitos anos que se estuda a existência de um aeroporto hub na região de Lisboa (pelo menos desde 1966), mas nunca dentro da cidade cuja população já não aguenta mais a poluição sonora e atmosférica. É preciso partir rapidamente para uma solução definitiva de acordo com os nossos interesses e não os dos espanhóis e brasileiros.

Deixe aqui o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *