Edição digital
Assine já
PUB
Destinos

Reportagem | Cuba: impossível não se apaixonar por este país

Ir a Cuba é uma viagem no tempo e uma lição de história, já se sabe. As cidades, perdidas no tempo, parecem cenários de filmes e as praias são paraísos autênticos. Os cubanos são hospitaleiros e festivos. A isso, junta-se a música, a dança e o rum. Está feita a receita perfeita para umas férias de sonho.

Carina Monteiro
Destinos

Reportagem | Cuba: impossível não se apaixonar por este país

Ir a Cuba é uma viagem no tempo e uma lição de história, já se sabe. As cidades, perdidas no tempo, parecem cenários de filmes e as praias são paraísos autênticos. Os cubanos são hospitaleiros e festivos. A isso, junta-se a música, a dança e o rum. Está feita a receita perfeita para umas férias de sonho.

Carina Monteiro
Sobre o autor
Carina Monteiro
Artigos relacionados
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes
TTS disponibiliza a funcionalidade EasyPay para agências IATA GoLite
Distribuição
Macau recebe mais de 2,55 milhões de visitantes em junho
Destinos

Ir a Cuba é uma viagem no tempo e uma lição de história, já se sabe. As cidades, perdidas no tempo, parecem cenários de filmes e as praias são paraísos autênticos. Os cubanos são hospitaleiros e festivos. A isso, junta-se a música, a dança e o rum. Está feita a receita perfeita para umas férias de sonho.

Aos 28 anos, Eniel Navarro Leyva, um cubano natural da cidade de Baracoa, situada no extremo oriental da ilha, está pela primeira vez em Trinidad, cidade património da UNESCO. Eniel é jornalista e director de um canal televisivo regional, mas em Trinidad está como turista. Em frente à Casa da Música conversamos sobre o país, falamos da liberdade de imprensa, da situação económica dos cubanos e, claro, de viagens. Está encantado com Trinidad, que, na sua opinião, é a cidade que melhor preserva o património arquitectónico cubano. “É uma cidade parada no tempo com uma vida nocturna singular, muito activa, restaurantes com excelentes preços e cozinha de qualidade internacional e uma península com quilómetros de belas praias e, sobretudo, as pessoas são muito acolhedoras”, afirma. Eniel nem precisava de falar da hospitalidade cubana. Ao terceiro dia da viagem organizada pelo operador turístico Sonhando, e com a participação da Solférias, para um grupo de agentes de viagens, já todos reconhecíamos a hospitalidade cubana. Trinidad foi apenas uma das etapas desta longa viagem que deu a conhecer a oferta do operador para este destino.

Para aqueles que nunca visitaram Cuba, a expectativa para conhecer o país de Fidel Castro, dos charutos e do rum, é enorme. Cuba é muito ciosa dos seus símbolos, políticos e culturais, que inevitavelmente se cruzam ao longo da nossa viagem.

Havana, a sedutora
Havana é a primeira paragem. Se é para conhecer bem, então é preciso mais do que um dia para visitar a capital e centro administrativo, político e cultural do país. Mas tendo apenas um dia, então a visita obrigatória é ao centro histórico de Havana, conhecida como Havana Velha. Diz quem já cá esteve, que a recuperação dos edifícios é bastante notória, para a qual contribuiu a declaração de Património Mundial da UNESCO, em 1982, e mais tarde, em 2015, a eleição como uma das 7 cidades Maravilhas do Mundo na categoria de Cidades. Havana tem um certo ar decadente, mas, ao mesmo tempo, atraente, vibrante e sedutor, que nos faz querer conhecer mais e embrenharmo-nos pelas ruas ao som da salsa. O casco velho alberga praças, museus e cafés, deambular pelas ruas é uma viagem no tempo com os seus edifícios coloni ais. Os pontos principais são a praça San Francisco de Assis, onde se encontra a Igreja de São Francisco de Assis, agora transformada em museu e local onde se fazem espectáculos de música clássica, a Praça Velha, a Catedral e a Praça das Armas, todos a um distância a pé entre eles. Entre uma e outra praça, paragem para conhecer o café frequentado por Eça de Queirós na Calle de los Mercaderes e o Hotel Ambos os Mundos onde viveu o escritor Ernest Hemingway na década de 1930. O melhor é subir ao terraço do hotel para apreciar a vista, pedir um mojito ou uma cubata (o mesmo que uma cuba libre) e usufruir do ambiente. Ou se preferir, o famoso bar La Bodeguita del Médio é um dos pontos mais turísticos de Havana Velha. E porque estamos a falar de bares, porque não experimentar um Daikiri, no bar frequentado por Ernest Hemingway, o Floridita. Nesta viagem, o tempo foi curto para conhecer Havana, mas ainda houve possibilidade de conhecer a Praça da Revolução, um dos cartões-de-visita da cidade, imortalizada nas fotos tiradas à imagem de Che Guevara estampada no edifício do Ministério do Interior.

O povo cubano é hospitaleiro e festivo.

E como há clichés que valem a pena, uma das formas de conhecer Havana em grande  estilo é comprar um tour num dos carros clássicos de Cuba. Há de várias marcas e cores: Chevrolet, Buick, Ford, Dodge, Cadillac, entre outros. Os tours, na sua maioria, percorrem as principais atracções turísticas da cidade, como o Bairro Chino, Hotel Nacional, o Castillo del Moro  e o Malécon Habanero (passeio marítimo).

Trinidad, a bonita
Deixámos Havana para trás e o próximo destino é Trinidad, com paragem em Cienfuegos. Espera-nos, pelo menos, uma manhã de viagem. E é tempo de falar de Cuba com Jorge, o nosso guia, e fazer as perguntas que temos na cabeça. Como vivem os cubanos? O que pensam do novo presidente e quais as suas expectativas? Jorge vai respondendo a todas as inquietações de quem acompanha à distância a história do país. Insiste que Cuba vive num regime socialista, iniciado por Fidel Castro, continuado pelo irmão, Raul, e o que se espera agora de Miguel Díaz-Canel, o novo presidente, é que melhore as condições de vida do povo cubano. O acesso gratuito à educação e à saúde são as bandeiras do país que tem uma das mais baixas taxas de mortalidade infantil do mundo e cujo salário médio é de 600 pesos cubanos (20 euros). Sobre o Turismo, ficamos a saber que, em algumas empresas, 1% das gorjetas reverte para outras actividades não directamente relacionadas com a actividade turística, numa espécie de “uma mão lava a outra”.

O Palácio de Valle, em Cienfuegos

Chegados a Cienfuegos, encontrámos uma localidade costeira de casas senhoriais e apalaçadas, onde se destaca a baía e a marina, naquilo que podia ser uma Saint Tropéz cubana, já que foi fundada por franceses. Mas não, é conhecida como a Pérola do Sul. Cienfuegos é uma cidade diferente de todas as outras, já que apresenta uma topografia rectilínea. A cidade tem um centro histórico, também ele declarado património da UNESCO, em 2005. Aconselha-se a visita ao Palácio de Valle, com uma construção de estilo ecléctico que data dos fins do século XIX, sendo um símbolo da cidade. No palácio funcionam restaurante e bar. Vale a pena, pelo menos, subir ao terraço para apreciar a vista sobre a baía e beber um mojito.

Cienfuegos fica a 80 quilómetros de Trinidad, a próxima paragem, o que significa mais ou menos hora e meia de viagem. É preciso contar com todo o tipo de estradas e veículos, daí que circular em Cuba não seja comparável ao que estamos habituados e as distâncias levem mais tempo. Chegámos pelas 17h a Trinidad e o primeiro impacto não é o melhor. Se Havana parece parada no tempo, o que dizer de Trinidad? Trinidad não é daqueles casos de amor à primeira vista. Mas depois de conhecer, apaixonamo-nos. O autocarro deixa-nos o mais perto possível do centro histórico, mas ainda é preciso percorrer a pé algumas dezenas de metros até à praça central. Considerada a cidade museu de Cuba, Trinidad conserva a magia colonial da época e nem faltam as carroças puxadas por cavalos. Ruas empedradas, casas coloniais, com varandas e janelas generosas. Os cubanos resguardam-se do calor, mas as portas e as janelas protegidas com grades deixam-nos espreitar o seu interior. Recebem-nos com sorrisos e nem os turistas perturbam as suas rotinas. Uma mãe amamenta o filho à janela indiferente ao que se passa na rua.

Trinidad é considerada a cidade museu de Cuba.

À medida que nos aproximamos do centro, os edifícios estão mais cuidados e recuperados e começamos a perceber o charme desta cidade que não dá tudo logo à primeira vista. Passamos por várias casas que ostentam o símbolo de casas privadas que podem ser arrendadas, uma forma muito comum de alojamento na cidade. Trinidad foi fundada no século XVI e declarada Património da Unesco em 1988. Na praça central estão as principais atracções da cidade, como a igreja de La Santissima Trinidad e alguns museus, entre os quais o da Arquitectura. A poucos metros da praça, encontra-se a escadaria que nos leva à Casa da Música. Vários bares e esplanadas ladeiam o espaço. Ainda são 17h, mas fica a promessa que regressamos à noite onde o ambiente se faz ao som da salsa. Em Trinidad não se pode deixar de ir ao bar La Canchancharra e provar a bebida com o mesmo nome, feita à base de água ardente, mel, limão e gelo. A música é uma constante em Cuba, por todo o lado e a toda a hora, está para os cubanos, como o futebol para os brasileiros, como se tratasse de algo genético. Aliás, a música e a salsa. Os cubanos parecem ter nascido para dançar. E o primeiro contacto “a sério” com a salsa ocorreu na Casa da Música de Trinidad. Alguns de nós saltaram para a pista, onde nativos e turistas se misturam numa lógica de que a dança e a música aproximam as pessoas. 

Os Cayos

Nas águas cristalinas de Cayo Coco é possível mergulhar desde o barco ou fazer snorkeling

No dia seguinte, é tempo de despedida de Trinidad em direcção a Cayo Coco e Cayo Guillermo, ilhas tropicais localizadas no arquipélago de Jardines del Rey, ao largo do centro de Cuba. Conhecida pelas praias de areia branca e pelos recifes de coral, a costa norte está repleta de resorts com o regime de tudo incluído. Os Cayos estão unidos à ilha de Cuba através de uma estrada com 17 quilómetros de distância construída sobre o mar. Cayo Coco tem um aeroporto internacional, através do qual chegam a maior parte dos turistas que vão ficar alojados nos diversos resorts. Este destino foi um dos afectados pelo furacão Irma em Setembro do ano passado, e que obrigou inclusive ao cancelamento das operações da Sonhando para o destino. Quase um ano depois, os sinais da passagem do furacão pelos hotéis quase não se percebem. As unidades fizeram um trabalho extraordinário, num tempo recorde (apenas 62 dias) na recuperação das infraestruturas para voltarem rapidamente a receber hóspedes. O mesmo não se pode dizer da fauna e da flora. Para quem nunca visitou os cayos, talvez o choque não seja tão grande, no entanto é perceptível que a natureza foi madrasta. As árvores estão despidas, e flamingos, nem vê-los. De resto, as praias preservam a sua beleza natural. Além dos resorts, é possível fazer outras actividades no destino, conhecido para a prática de mergulho e de outros desportos náuticos ou passeios de barco.

Santa Clara e Varadero

Antes do destino final, Varadero, paragem em Santa Clara, que, à semelhança das outras cidades cubanas, tem uma praça central que concentra os principais edifícios e de diferentes períodos arquitectónicos. Mas a principal atracção de Santa Clara é o mausoléu do argentino Ché Guevara. O mausoléu de Che Guevara foi inaugurado em Outubro de 1997 quando chegaram a Cuba os restos mortais do guerrilheiro, 30 anos após sua morte na Bolívia e já foi visitado por mais de 4,5 milhões de pessoas. Ernesto Guevara nasceu em 14 de Junho de 1928, em Rosário, na Argentina. Filho de uma família de classe média alta, formou-se em Medicina na Universidade de Buenos Aires, em 1953. Juntamente com Fidel Castro, foi um dos ideólogos e comandantes que lideraram a Revolução Cubana, entre 1953-1959, que levou à queda do regime do general Fulgencio Batista. Santa Clara ficou para sempre ligado à história do comandante Che. A tomada da cidade em 1958 sob o comando de Guevara forçou a derrota de Fulgencio.

O mausoléu de Che Guevara já foi visitado por milhões de pessoas.

A viagem continua para Varadero. Situada numa península, de Hicacos, é o principal destino de sol e praia de Cuba. Varadero tem uma extensão de mais de 20 quilómetros de praia de areia branca e águas azul-turquesa, que além de calmas, têm temperaturas que rondam os 25°C, ideal para mergulhos e actividades aquáticas. Há também hotéis para todos os gostos (ver caixa). Varadero tem outros atractivos para oferecer além de umas férias de sol e praia. Há restaurantes de praia e várias actividades e festas organizadas diariamente pelos hotéis. Para os amantes da natureza, a norte de Varadero fica localizado o único parque submarino do país: Cayo Piedras del Norte, ideal para a prática de mergulho e snorkeling. Para aqueles que querem combinar sol com a história, nos arredores de Varadero podem visitar-se as cidades de Cárdenas, Matanzas e a Península de Zapata.

O plano de viagem era ambicioso, é preciso dizê-lo, condensar cinco destinos numa só uma viagem era uma tarefa difícil, mas, no final, a compensação, Varadero é um destino de sonho para relaxar.

* A jornalista viajou a convite da Sonhando


Como ir?

A operação charter da Sonhando, Solférias e iTravel para Varadero já começou no passado dia 2 de Junho e prolonga-se até 6 de Outubro, última data de partida. No caso de Varadero, às saídas são ao sábado e os voos operados pela Orbest. Para que o cliente não se surpreenda com o serviço que vai encontrar a bordo, nem sempre correspondente aos voos regulares, há serviços especiais que podem ser comprados antes da viagem. Por exemplo, por mais 89 euros é possível comprar o pacote Turista + que inclui assentos com mais espaço (primeiras filas e saídas de emergência), refeições premium, toalhitas refrescantes e auriculares, entre outros. Já a operação para Cayo Coco começou no dia 9 de Julho, e prolonga-se até 10 de Setembro, em voos operados às segundas-feiras pela EuroAtlantic, companhia aérea accionista da Sonhando. A companhia dispõe de classe executiva, o que é pouco habitual nos voos charter para Cuba durante o período do Verão. No conjunto, os operadores têm cinco mil lugares para venderem no período de Verão para Cuba. A programação dispõe ainda do circuito ‘Cuba Colonial’ (inclui Cayo Coco, Santa Clara, Trinidad e Havana); o combinado Havana e Varadero; e, desde o ano passado, que a operação para Cuba no Verão tem a parceria da MSC para a oferta de cruzeiros. Este ano estão disponíveis dois itinerários operados pelo navio MSC Armonia: Cuba e o Melhor do Mar das Caraíbas (inclui Havana, Montego Bay, George Town, Cozumel e Havana) e Os Trópicos entre Pirâmides e Fortalezas (inclui Havana, Belize, Ilha de Roatan, Costa Maya, Cozumel e Havana). Os preços incluem os voos para Varadero, transfers entre o aeroporto de Varadero e o porto de Havana e seguro de assistência de viagem. José Manuel Antunes, director-geral do operador Sonhando, é um apaixonado por Cuba. Contra todas as expectativas, retomou em 2014 os charters para Cayo Coco, que assumiu como uma paixão pessoal. “Tem sido um sucesso”, afirma. Sobre Cuba, José Manuel Antunes defende que é o melhor destino das Caraíbas, pela qualidade da praia, do mar e das pessoas. Desde que a operação se iniciou até agora, já vieram 9 mil passageiros e as reclamações são residuais. “As pessoas podem confiar no destino e há muitos repetentes sobretudo no segmento alto, porque as pessoas vêm e gostam”.

Onde Ficar?
A operação da Sonhando para Cuba está concentrada maioritariamente em três cadeias hoteleiras. São elas a Iberostar, Melia e Grand Memories. Mas também dispõe na sua programação da oferta do único hotel português no país, o Pestana Cayo Coco, e outros hotéis como o Royalton Hicacos Varadero.

Nesta viagem, visitámos diversos hotéis que estão na programação do operador. Em Havana, o grupo ficou hospedado no Iberostar Parque Central, hotel com uma arquitectura colonial e uma localização central junto ao Capitólio. Em alternativa, o Melia Havana ou o Melia Cohiba, que apesar de não serem tão centrais, dispõem de transporte regular para o centro da cidade. Alguns hotéis que visitámos, como é o caso do Cohiba (Havana) ou do Memories Varadero, encontram-se em remodelação, pelo que o melhor será confirmar se o cliente fica num quarto já remodelado. Em Cayo Coco, as opções também são variadas. Como já referido, o destino foi afectado pelo furacão Irma no ano passado, mas as unidades já se encontram recuperadas. O Melia Cayo Coco, com os seus bungalows sobre a lagoa natural de água salgada, foi um dos mais afectados, mas está recuperado. É uma unidade só para adultos. Já o Melia Jardines Del Rey (na foto) é para adultos e crianças. Tem uma arquitectura contemporânea, um ambiente moderno e muito confortável. Indicados para as famílias, os hotéis Pullman Cayo Coco e o Pestana Cayo Coco são também uma boa opção de alojamento. O Pullman dispõe de duas opções: o hotel onde estão a maioria dos quartos e uma secção apenas para adultos: o The Collection By Pullman constituída por junior suites, suites e private golden villa. Em Cayo Guillermo, o Meliá Cayo Guillermo é uma boa opção, o espaço exterior, assim como a praia e os seus passadiços sobre o mar criam um ambiente bastante agradável.

Melia Jardines Del Rey

Em Varadero, a estadia no Iberostar Varadero é bastante recomendável. É uma unidade de cinco estrelas capaz de satisfazer os clientes mais exigentes, sejam famílias ou casais. Os quartos têm áreas generosas e são confortáveis e a oferta de F&B é boa, assim como a praia. Com um estilo completamente diferente, apresenta-se o novo Iberostar Bella Vista Varadero. Enquanto o primeiro é mais clássico, o segundo é moderno e recente (tem pouco mais de um ano). Uma boa opção para férias em família.

O Paradisus Varadero é o único da marca premium de resorts da Melia indicado para famílias, dispondo de um serviço família.

O Royalton Hicacos é só para adultos e distingue-se pelo serviço de mordomo para todos os clientes e os altos standards de F&B. O Melia Marina Varadero é também uma boa opção de estadia. Sendo um resort com marina, surpreende pelo seu fácil acesso à praia.

Dicas

Em Cuba, existem duas moedas: os pesos cubanos (CUP) e os pesos (CUC). Os primeiros só são usados pelos habitantes. O Cuc é a moeda usado no turismo. A internet nos hotéis é disponibilizada através da compra de cartões que custam 1 Cuc e têm a duração de 60 minutos (podem ser usados em qualquer hotel ou espaço), desde que haja rede. Na hora de fazer a mala, não deve esquecer o repelente, e colocar na bagagem uma roupa um pouco mais formal para os jantares.

Fam trip

 No total foram 25 os elementos que viajaram a convite da Sonhando e da Soférias para Cuba. Um grupo grande, mas que esteve sempre bastante animado. Adriano Portugal (Orbita), Ana Luísa Luz (Sonhando), Ana Rita Lopes, (Viagens Abreu), Ana Rita Queiroz (Multidestinos), Ana Silva (By Travel), Carina Monteiro (Publituris), Carlos Carreira (Viagens Carreira), Custódia Carvalho (Top Atlântico Leiria), Dalila Silva (Viagens Abreu), Emília Parra (Geostar), Fernando Santos (Mercado das Viagens São João da Madeira), Joana Lopes (Rivieratur), João Real (Avic), José Luís Elias (Turisver), José Manuel Antunes (Sonhando), José Marques da Costa (Sonhando) Katy Lourenço (Sonhando), Magda Silva (By Travel), Maria João Elisário (Best Travel), Paula Moreira (Optimatours), Paulo Cordeiro, (Açoribérica), Rómulo Gonçalves (Clubtour), Rosário Santos (Solférias), Vânia Ferreira (Navitur) e Vera Caeiro (Em Viagem Évora).


Sobre o autorCarina Monteiro

Carina Monteiro

Mais artigos
Artigos relacionados
Moldávia passa a liderar o Conselho Global de Turismo Médico
Destinos
Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour
Distribuição
Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043
Aviação
Vinhos do Tejo mostram-se nas praias portuguesas até 13 de agosto
Enoturismo
ACI World e Airbus firmam parceria para reduzir impacto ambiental da aviação
Aviação
NOVA lança Pós-Graduação “Leading Tourism & Hospitality”
Emprego e Formação
Green Breeze alia luxo e sustentabilidade nas águas da Costa de Setúbal, Tróia e Arrábida
Transportes
Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre
Transportes
TTS disponibiliza a funcionalidade EasyPay para agências IATA GoLite
Distribuição
Macau recebe mais de 2,55 milhões de visitantes em junho
Destinos
PUB

Da esquerda para a direita: Hugo Teixeira Francisco, Bruno Teixeira, João Daniel Ramos

Distribuição

Portugal Green Travel adquire participação na Geonatour

A Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação no capital da Geonatour no que diz ser um “reforço do compromisso com o turismo sustentável em Portugal”.

Num movimento estratégico, a Portugal Green Travel acaba de adquirir uma participação significativa na Geonatour, fortalecendo assim a sua posição em soluções de turismo sustentável, abrindo este acordo um novo capítulo para ambas as empresas, com um foco renovado em inovação e sustentabilidade.

Hugo Teixeira Francisco, cofundador e CMO da Portugal Green Travel, destaca que a Geonatour já era uma parceira valiosa e fornecedora de serviços essenciais para eles. “A entrada no seu capital é um passo natural, dado o aumento significativo de turistas que procuram experiências autênticas, nomeadamente programação de caminhadas e atividades ao ar livre em Portugal. Com esta parceria, reforçamos o nosso compromisso com inovações tecnológicas e a digitalização do setor turístico, que são cruciais para promover um turismo mais responsável e integrado,” afirma Hugo.

Do lado da Geonatour, Bruno Teixeira, CEO e cofundador, considera que a entrada da Portugal Green Travel vai servir como uma “verdadeira alavanca para crescimento e inovação. Não só traz um forte alinhamento estratégico e compromisso com a sustentabilidade, como também nos permite expandir e melhorar a nossa oferta de serviços. Juntos, iremos desenvolver novos produtos que respeitam e promovem a riqueza natural e cultural dos territórios portugueses”.

As expectativas para os próximos anos são altas, e ambos os responsáveis estão confiantes de que esta parceria transformará o turismo em Portugal. Hugo Teixeira Francisco projeta que esta parceria colocará a empresa na vanguarda do turismo sustentável em Portugal. “Estamos a trabalhar para integrar completamente as nossas operações e maximizar as sinergias entre as nossas equipas. A nossa visão é a de que cada turista que visita Portugal através da nossa rede experimente uma conexão genuína e profunda com os territórios, beneficiando todas as partes envolventes de uma forma sustentável e com recurso a soluções tecnológicas 100% portuguesas”.

Já Bruno Teixeira acrescenta que a meta é “continuar a promover e valorizar o património natural através da plataforma Geonatour, garantindo que cada experiência seja única e verdadeiramente enriquecedora”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Boeing prevê procura por mais 44.000 novos aviões até 2043

De acordo com a Boeing, a procura por novas aeronaves deverá duplicar nos próximos 20 anos. 76% dos aviões a serem entregues devem ser de corredor único, e metade substituirá aviões mais antigos por modelos mais eficientes em termos de combustível.

Com as viagens aéreas em fase de total recuperação, a Boeing prevê um aumento de 3% nas entregas de aviões nos próximos 20 anos, com as transportadoras a necessitarem de quase 44.000 novos aviões comerciais até 2043, indicando ainda no “Commercial Market Outlook (CMO)” para 2024, que os mercados emergentes e a procura global de aviões de corredor único continuarão a ser os principais motores de crescimento do setor.

“A procura de viagens aéreas continua a ultrapassar o crescimento económico num mundo cada vez mais conectado”, refere o documento da Boeing, considerando ainda que, em comparação com 2023, “o tráfego aéreo de passageiros aumentará em média 4,7% ao ano nas próximas duas décadas”.

“Esta é uma era desafiadora e inspiradora para a aviação. O regresso a um crescimento de tráfego mais típico mostra a resiliência da nossa indústria, mesmo quando todos nós trabalhamos com a cadeia de abastecimento e restrições de produção em curso, entre outros desafios globais”, refere Brad McMullen, vice-presidente sénior de Vendas Comerciais e Marketing da Boeing.

Assim, o CMO da Boeing destaca que a frota comercial global deva crescer 3,2% ao ano, mais lentamente do que o tráfego aéreo, “uma vez que as companhias aéreas continuam a aumentar a produtividade através do aumento dos fatores de carga e da utilização de aviões mais horas por dia”.

No que diz respeito aos principais fatores de crescimento, o fabricante norte-americano estima que “o tráfego de passageiros no Sul da Ásia aumentará 7,4%, seguido do Sudeste Asiático (7,2%) e de África (6,4%), à medida que os mercados emergentes regressam às tendências históricas de crescimento durante o período de previsão”.

Prevê-se que a Eurásia lidere todos os mercados com o maior número de entregas de aviões (22% do total), seguida de perto pela América do Norte (20%) e pela China (20%).

Os aviões de corredor único constituirão 71% da frota de 2043, após 33.380 novas entregas, servindo rotas de curto e médio curso com maior versatilidade.

A frota global de aviões de fuselagem larga mais do que duplicará, com os aviões de dois corredores a representarem 44% da frota do Médio Oriente.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Lucros da Ryanair caem 46% no 1.º trimestre

A Ryanair apresentou, no primeiro trimestre de 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), lucros de 360 milhões de euros, uma quebra de 46% face aos 663 milhões de igual período do exercício anterior. No que diz respeito ao número de passageiros transportados, registou, no entanto, um aumento de 10%, alcançando os 55,5 milhões.

No primeiro trimestre do exercício 2025 (terminado a 30 de junho de 2024), a Ryanair registou uma quebra nos lucros, passando de 663 milhões de euros para 360 milhões de euros, representando uma descida de 46%.

As receitas também registaram uma descida, embora mais ligeira, de 1%, totalizando 3,63 mil milhões de euros contras os 3,65 mil milhões de euros de período homólogo do exercício transato, sendo que as receitas regulares diminuíram 6% para 2,33 mil milhões de euros, e as vendas acessórias (Ancillary) aumentaram 10% para 1,3 mil milhões de euros (cerca de 23,40 euros por passageiro).

Já os custos operacionais, aumentaram em 11%, passando os 2,94 mil milhões de euros, no final de junho de 2023, para 3,26 mil milhões de euros no sexto mês de 2024.

A companhia lowcost liderada por Michael O’Leary informa ainda que o número de passageiros transportados passou de 50,4 milhões, no final do primeiro trimestre do exercício de 2024, para 55,5 milhões no final do primeiro trimestre do exercício de 2025, representando um acréscimo de 10%, embora o load factor tenha descido um ponto percentual (p.p.), de 95% para 94%.

Em comunicado, Michael O’Leary destaca o aumento do número de passageiros transportados, “apesar dos múltiplos atrasos na entrega de aviões por parte da Boeing”.

“O grupo Ryanair tinha 156 B737 Gamechangers a 30 de junho e esperamos aumentar este número para mais de 160 até ao final de julho (menos 20 do que as entregas contratadas)”, avança a companhia, referindo que “registámos uma melhoria na qualidade e frequência das entregas durante o 1.º trimestre”. Embora reconheça o “risco de as entregas da Boeing atrasarem ainda mais”, a Ryanair espera garantir a entrega “atempada” dos restantes 50 aviões da Boeing antes do verão de 2025.

“Este verão, estamos a operar o nosso maior programa de sempre com mais de 200 novas rotas (e cinco novas bases)”, assinalando o prolongamento do contrato de aluguer operacional, até 2028, de três A320 com a Lauda, ao mesmo tempo que “continuaremos também a receber B737 até agosto e setembro, apesar de não podermos programar estes aviões para os voos de pico do verão”, diz a Ryanair no comunicado.

“Prevemos que a capacidade europeia de voos de curta distância permaneça limitada durante alguns anos, uma vez que os operadores de A320 estão a efetuar importantes reparações de motores P&W, os fabricantes se debatem com atrasos nas entregas e a consolidação das companhias aéreas prossegue, incluindo a aquisição da ITA (Itália) pela Lufthansa, recentemente aprovada, a aquisição adiada da Air Europa (Espanha) pela IAG e a venda iminente da TAP (Portugal)”.

Mantendo o objetivo de transportar 300 milhões de passageiros no ano fiscal de 2034, a Ryanair indica que os volumes de combustível para o ano fiscal 2025 estão cobertos em 75%, admitindo poupanças superiores a 450 milhões de euros. Além disso, revela que, “aproveitando a recente fraqueza do preço do petróleo”, a companhia aumentou a cobertura de combustível para o ano fiscal 2026 para quase 45%, assinalando que “esta forte posição de cobertura ajuda a isolar o grupo da volatilidade significativa dos preços dos combustíveis”.

Para o restante exercício de 2025, a Ryanair prevê que o tráfego de passageiros cresça 8%, podendo atingir os 200 milhões, “desde que não se registem atrasos na entrega dos Boeing”.

“Embora a procura no 2.º trimestre seja forte, os preços continuam a ser mais baixos do que esperávamos, e esperamos agora que as tarifas do destes próximos três meses sejam materialmente mais baixas do que no verão passado. O resultado final do primeiro semestre está, no entanto, totalmente dependente das reservas e das receitas finais em agosto e setembro. Como é normal nesta altura do ano, temos uma visibilidade quase nula do terceiro e quarto trimestres, embora o quarto trimestre não beneficie da Páscoa antecipada do ano passado”.

Assim, conclui, “é demasiado cedo para fornecer uma orientação significativa para os lucros do exercício de 2025, embora esperemos poder fazê-lo nos nossos resultados do primeiro semestre, em novembro. O resultado final de 2025 continua sujeito a evitar desenvolvimentos adversos durante o exercício, especialmente devido aos conflitos contínuos na Ucrânia e no Médio Oriente, à repetida falta de pessoal e restrições de capacidade do ATC ou a novos atrasos na entrega da Boeing”.

 

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

Foto: Câmara Municipal de Lisboa

Alojamento

Lisboa aprova aumento da taxa turística com entrada em vigor em setembro

Com a aprovação da proposta do PSD/CDS-PP, a taxa turística aplicada às dormidas em Lisboa vai passar de dois para quatro euros, a partir de 1 de setembro.

Publituris

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou esta sexta-feira, 19 de julho, o aumento da taxa turística para o dobro, ou seja, quatro euros, valor que começa a ser cobrado a partir de 1 de setembro, avança a Lusa.

Segundo a Lusa, a proposta do PSD/CDS-PP para aumento da taxa aplicada às dormidas em estabelecimentos de alojamento turístico na capital foi aprovada numa reunião privada do executivo municipal e contou com os votos contra do PCP, enquanto os restantes partidos votaram favoravelmente.

Apesar da aprovação e de ter estado em consulta pública ao longo de 30 dias, a proposta para aumento da taxa turística da capital terá ainda de ser submetida à assembleia municipal.

Esta proposta prevê o aumento de dois para quatro euros do valor cobrado por noite e por pessoa, nos estabelecimentos de alojamento turístico de Lisboa, e inclui também a atualização da taxa turística de chegada por via marítima, que passa de um para dois euros por passageiro, ainda que o valor que agora se propõe atualizar seja o que começou a ser aplicado este ano, com o início da cobrança desta taxa aos passageiros de cruzeiro. Esta taxa de chegada por via marítima deverá ser atualizada no dia seguinte ao da publicação da alteração ao Regulamento em Diário da República.

Recorde-se que, a 17 de abril, o executivo municipal aprovou a proposta de PSD/CDS-PP para submeter estas alterações a consulta pública, com a abstenção do PCP e os votos a favor dos restantes vereadores.

Nessa altura, a autarquia de Lisboa queria incluir também os parques de campismo na cobrança da taxa turística, mas o PS propôs a eliminação dessa medida, o que foi aprovado com os votos contra de PSD/CDS-PP e BE.

Entretanto, o PS já tinha anunciado que aprovaria a proposta, mas não deixou de avisar que a taxa turística “não pode servir para remendar as contas da autarquia”, exigindo, por isso, que a autarquia esclareça qual será o “destino do adicional de 40 milhões de euros”, resultante do aumento proposto.

Em resposta, o gabinete de Carlos Moeda, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, esclareceu r que as verbas arrecadadas com a Taxa Municipal Turística se destinam a contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos munícipes de Lisboa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

SATA concentra serviços de atendimento ao cliente nos balcões de aeroporto e Contact Center

O Grupo SATA explica que esta medida “insere-se num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo”.

Publituris

Nos Açores, a SATA Air Açores e Azores Airlines vão passar a concentrar, a partir de 1 de agosto, os seus serviços de atendimento ao cliente nos balcões de aeroportos e através do Contact Center, medida que, segundo o Grupo SATA, se insere “num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo”.

“A iniciativa insere-se num plano mais abrangente e compreensivo que tem como objetivo assegurar a sustentabilidade da empresa a médio e longo prazo, composto por acções que visam incrementar a sua eficiência, aumentar a receita e incrementar a produtividade e a rentabilidade dos recursos humanos e materiais, mantendo o foco no serviço prestado ao cliente”, lê-se num  comunicado divulgado pelo grupo de aviação açoriano.

O Grupo SATA acrescenta que esta medida visa também “melhorar o serviço de atendimento aos clientes, reforçando os canais que se encontram mais próximos dos passageiros, bem como aumentar a capacidade no atendimento através do Contact Center”.

“Estes dois canais enfrentam relevantes desafios de resposta aos clientes que necessitam urgentemente de ser colmatados”, refere ainda o grupo de aviação açoriano, na informação divulgada esta sexta-feira, 19 de julho.

A reorganização do modelo de atendimento vai implicar “a transferência dos serviços e dos recursos humanos das atuais lojas em centro urbano, para concentrar, sempre que possível, os meios físicos e humanos nos balcões de atendimento nas estruturas aeroportuárias da companhia nos Açores”, o que deverá permitir “canalizar esforços para oferecer um serviço de atendimento presencial ou remoto, cada vez mais eficiente aos clientes das transportadoras”.

O Grupo SATA diz ainda que vai também continuar a apostar nos “canais de contacto digitais”, a exemplo do site comercial das transportadoras, disponível aqui, e através do qual é ainda possível realizar “um conjunto de operações comerciais, como efetuar reservas e compra de bilhete, aquisição de serviços adicionais, ou consultar informação sobre os serviços disponibilizados”.

O grupo de aviação açoriano lembra também que as suas companhias aéreas contam com “uma rede de balcões de atendimento nas nove estruturas aeroportuárias do Arquipélago dos Açores, bem como nos aeroportos de Lisboa e Porto”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Prémios

Nova Edição: Fotorreportagem dos Portugal Travel Awards, Living Tours, Tunísia e dossier MICE

A nova edição do Publituris recorda, em fotorreportagem, os Portugal Travel Awards. Além disso, saiba os planos da Living Tours, a estratégia da Tunísia para chegar aos 100 mil turistas portugueses e um dossier sobre o segmento MICE em Portugal.

Publituris

A última edição do mês de julho do jornal Publituris faz capa com a fotorreportagem dos Portugal Travel Awards 2024. Veja ou reveja os melhores momentos da festa do turismo que, pela primeira vez, se realizou na cidade do Porto, no Pestana Douro Riverside. Além da entrega dos prémios aos vencedores, também houve tempo para a festa e networking.

Esta edição revela, igualmente, os planos que a Living Tours tem para o futuro. Com uma faturação prevista de 30 milhões de euros para 2024, a Living Tours é, atualmente, uma das maiores empresas nacionais na área dos DMC e animação turística e tem planos ambiciosos para continuar a crescer, revelou ao Publituris Rui Terroso, CEO e fundador da empresa. O lançamento de novos produtos e a expansão com oferta própria para todo o território nacional são algumas das novidades para breve desta empresa que quer também continuar a internacionalização além da Península Ibérica.

O ministro tunisino do Turismo e Artesanato, Mohamed Moez Belhassine, que esteve recentemente em Portugal a representar o seu país na FIA Lisboa 2024, em que a Tunísia esteve em destaque na qualidade de país convidado, concedeu uma entrevista ao Publituris, em que passou em revista o atual estado do turismo, avançou as estimativas para o setor este ano, que tudo leva a crer, baterá os resultados recordes de 2019, mas também falou da estratégia do Governo para os próximos anos.

O dossier desta edição é dedicado ao MICE. Portugal está bem posicionado no ranking da International Congress and Convention Association (ICCA), aparecendo em 9.º lugar a nível mundial. O segmento MICE no nosso país continua a trajetória ascendente, mas, de acordo com os profissionais ouvidos, é preciso desenvolver mais e melhor as infraestruturas, bem como a conectividade, para que o país possa atingir lugares mais altos.

Além de ouvidos vários players que atuam no mercado MICE, o Publituris falou, igualmente, com o presidente do Turismo de Portugal, Carlos Abade, que admite que “a oferta relacionada com a MICE Industry alcançou já um excelente nível de reconhecimento internacional” e que as estratégias adotadas têm tido “resultados positivos”.

Já Carla Salsinha, presidente da Entidade Regional de Turismo de Lisboa, cidade que aparece em 2.º lugar a nível europeu no ranking da ICCA, salienta que “a questão não é, de todo, levar eventos para outras localizações”, mas sim “que outras localizações conquistem mais eventos”.

Além do Check-in, as opiniões desta edição pertencem a Francisco Jaime Quesado (economista e gestor), Sílvia Dias (Savoy Signature), António Paquete (economista) e Carlos Torres (jurista e professor na ESHTE).

A versão completa desta edição é exclusiva para subscritores do Publituris. Pode comprar apenas esta edição ou efetuar uma assinatura do Publituris aqui obtendo o acesso imediato.

Para mais informações contacte: Carmo David | [email protected] | 215 825 430

Nota: Se já é subscritor do Publituris entre no site com o seu Login de assinante, dirija-se à secção Premium – Edição Digital e escolha a edição que deseja ler, abra o epaper com os dados de acesso indicados no final do resumo de cada edição.

Boas leituras.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Eventos Publituris

Veja ou reveja os Publituris Portugal Travel Awards 2024 em imagens

4 de julho foi a data dos Publituris Portugal Travel Awards 2024. No dia em que publicamos os melhores momentos na edição em papel, fica aqui o registo digital do evento.

Publituris

A 19.ª edição dos Publituris Portugal Travel Awards decorreu no passado dia 4 de julho no Pestana Douro Riverside, na primeira vez que os prémios viajaram até à cidade do Porto.

Conhecidos que são os 22 vencedores, em 177 nomeados, e entregue o prémio “Belmiro Santos” a Raul Martins, fica o registo fotográfico no formato digital para ver e rever.

Resta-nos felicitar, mais uma vez, todos os nomeados, dar os parabéns aos vencedores, e agradecer ao main sponsor novobanco, apoios do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Câmara Municipal do Porto, aos patrocinadores Pestana Hotel Group, Consolidador.com, Mawdy, Europastry, Nescafé, Lufthansa LGSP, Grohe, e aos parceiros GR8 events, Movielight, Multislide, Workgroup.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Autarca do Porto critica localização do novo aeroporto de Lisboa

Segundo Rui Moreira, a localização proposta para o aeroporto “tem tantos problemas como tem o Montijo”, o que leva o autarca do Porto a mostrar-se “nada otimista” face à construção da nova infraestrutura aeroportuária da capital portuguesa.

Publituris

O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, criticou esta quarta-feira, 17 de julho, a escolha do Campo de Tiro de Alcochete para localização do novo aeroporto de Lisboa, afirmando-se “nada otimista” em relação à construção da nova infraestrutura aeroportuária da capital portuguesa.

“Não tenho nenhum otimismo relativamente ao aeroporto de Lisboa. Não tenho otimismo por variadíssimas razões. Em primeiro lugar, vamos ver o que é que vai dar o Estudo de Impacto Ambiental que vai ter que ser refeito”, disse o autarca aos jornalistas em Esposende, à margem do debate “O novo aeroporto de Lisboa e a Linha de TGV”, organizado pela Associação Empresarial do Minho (AEMinho).

Segundo Rui Moreira, a localização proposta para o aeroporto “tem tantos problemas como tem o Montijo”, a começar pelo facto de ser “uma das maiores aquíferas da Europa”, mantendo-se ainda “o problema das aves ou da migração entre os estuários do Tejo e do Sado”, bem como da existência de “dezenas de milhares de sobreiros”.

“A meu ver, a localização é errada, porque é uma distância excessivamente grande da capital, e depois porque é um aeroporto que está previsto para qualquer coisa como a triplicação do tráfego”, explicou o presidente da Câmara Municipal do Porto.

Rui Moreira mostrou-se também reticente face ao número de passageiros que o novo aeroporto de Lisboa terá capacidade para receber, defendendo que é difícil “imaginar como é que Lisboa e a Península de Setúbal vão ter capacidade para ter o triplo das pessoas” e que isso não é “razoável”.

“Bem sei que há muita gente que acha que as pessoas do Porto não devem dar opiniões sobre coisas de Lisboa, mas isto é um projeto nacional”, disse ainda o autarca do Porto, explicando que a sua opinião tem por base estudos encomendados quando era presidente da Associação Comercial do Porto (ACP).

Para Rui Moreira, o novo aeroporto vai ter ainda o problema de “ter uma companhia aérea que acredite” num grande ‘hub’ internacional, uma vez que, disse ainda, não sabe ser a TAP vai ter “músculo” que justifique a existência de um hub.

Já relativamente à linha ferroviária de alta velocidade entre Porto e Lisboa, para a qual foi esta quarta-feira aprovado um financiamento de 813 milhões de euros por parte da União Europeia, Rui Moreira acredita que desta vez irá mesmo acontecer, após “uma história que começa em 1995”.

“São muitos anos, muitas proclamações, muitos anúncios, portanto vamos ver se desta vez as coisas arrancam mesmo”, afirmando que a região não pode “continuar a depender da Linha do Norte, que é claramente insuficiente para mercadorias e para passageiros, não tem a velocidade desejada”.

Para Rui Moreira, “o avião não é conveniente em curtas distâncias e vai ser proibido em distâncias inferiores a 400 quilómetros”, prevendo-se também uma menor utilização das autoestradas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Foto: Depositphotos.com

Destinos

14% da procura turística feminina está nas mulheres que viajam sozinhas

As mulheres que viajam sozinhas representam 14% do total da procura turística feminina, avançando uma análise da Mabrian e do The Data Appeal Company-Almawave Group que a segurança e a variedade das experiências disponíveis no destino são fatores decisivos na escolha para a “viagem perfeita”.

Publituris

As mulheres que viajam sozinhas são cada vez mais, um segmento crescente e muito atrativo. Na realidade, 14% das mulheres viajam sem qualquer companhia de familiares, amigos ou companheiros/as, o que se traduz em hábitos, necessidades e expectativas, bem como produtos e serviços turísticos específicos, revelam os dados de um estudo realizado pela Mabrian e da The Data Appeal Company-Almawave Group que analisa a procura por parte das mulheres que viajam sozinhas a nível global, identificando, ao mesmo, tempo, cinco fatores-chave que definem o perfil deste segmento.

Carlos Cendra, partner e diretor de Marketing e Comunicação da Mabrian, explica que “as mulheres que viajam sozinhas refletem uma mudança cultural que surgiu antes da pandemia e ganhou força com a ascensão das viagens de experiências, em que o bem-estar ativo está no centro das preferências”.

Os dados mostram, também, que, embora a maioria das mulheres viajantes escolha o verão para os seus planos a solo, os meses de junho e setembro são os preferidos, refletindo, assim, “o potencial deste segmento durante a época média”, assinala ainda o responsável da Mabrian.

Para compreender o que molda este segmento, a Mabrian analisou dados consolidados de todo o ano de 2023 referente aos 10 principais mercados de origem globais para o segmento de mulheres que viajam sozinhas. Já o “The Data Appeal” examina as tendências atuais da procura de mulheres que viajam sozinhas para a atual época de verão para os principais destinos europeus, com base em voos reservados entre 1 de junho e 30 de setembro de 2024.

Certo é que, segundo Mirko Lalli, CEO e fundador da The Data Appeal Company, “as mulheres que viajam sozinhas estão a aumentar”. Com base nos dados de reserva do GDS, Lalli destaca vários exemplos importantes, como a Itália, país que desde junho de 2023, recebeu mais 1,1% de mulheres que viajam sozinhas, “um segmento que deve representar 21,7% de todos os turistas que visitam destinos italianos nos próximos seis meses.” A mesma tendência é observada noutras capitais europeias, “como Paris, Amesterdão e Londres, também projetadas para receber mais de 30% de mulheres que viajam sozinhas nos próximos seis meses”.

As cinco tendências identificadas pela Mabrian e The Data Appeal Company são:

1 – De onde vêm as mulheres que viajam sozinhas? As europeias lideram o ranking das mulheres que viajam sozinhas. De acordo com os dados da Mabrian, as mulheres que viajam sozinhas vêm principalmente da Alemanha, Reino Unido, França, EUA e Itália, completando o Top 10 países como Espanha, Austrália, Brasil, Polónia e Japão. A análise da Data Appeal, mostra ainda que mais de 30% dos viajantes alemães e britânicos que reservaram voos para viajar este verão são mulheres que viajam sozinhas.

2 – Quais são os seus destinos preferidos? Três em cada quatro viajantes do sexo feminino escolhem destinos domésticos. Os países preferidos das mulheres que viajam sozinhas são a Alemanha, a Itália, a Espanha, o Reino Unido, a França, os EUA, o Japão, a Polónia, o Brasil e a Austrália. Esta classificação reflete o peso das viagens domésticas nas escolhas destas mulheres viajantes. De facto, 75% das mulheres viajantes dos 10 principais mercados para mulheres que viajam sozinhas escolhem destinos domésticos, embora existam diferenças notáveis em função do país de origem.

No que diz respeito à reputação e à perceção online, as mulheres que viajam sozinhas tendem a classificar bem os destinos da sua preferência, mas esses índices são inferiores aos dos viajantes médios, como indicam as pontuações de sentimento da The Data Appeal Company. Por exemplo, a pontuação de sentimento da Alemanha é de 85 pontos (em 100 possíveis) entre os viajantes médios, mas para as mulheres que viajam sozinhas, a pontuação é de 81, tal como em Itália (87 vs. 84), Espanha (85 vs. 82), Reino Unido (85 vs. 79) e França (84 vs. 79).

Neste particular, Mirko Lalli assinala que “as prioridades das mulheres que viajam sozinhas quando escolhem um destino de viagem estão por trás destas pontuações ligeiramente mais baixas, uma vez que a procura deste segmento depende de questões como a perceção social, fatores culturais ou mesmo a disponibilidade de alojamento, atrações e experiências que reflitam as expectativas e necessidades das mulheres”.

3 – A segurança é um fator relevante para as mulheres que viajam sozinhas. “Para este segmento de mulheres viajantes, as cidades são uma alternativa muito completa, porque têm uma oferta turística variada e diversificada, com diferentes níveis de preços, num ambiente cosmopolita e aberto que elas percecionam como seguro e reconhecível”, refere Carlos Cendra.

De facto, como mostra o Índice de Perceção de Segurança (PSI) da Mabrian, a segurança é um dos aspetos fundamentais para a escolha de um destino: as 10 cidades preferidas por este segmento de mulheres viajantes são todas percebidas como destinos seguros, como refletido pelos seus PSI particularmente elevados, que variam entre 85 e 98 pontos em 100 possíveis.

4 – Quem são os mais aventureiros? Espanholas, italianas e japonesas. Quase metade das mulheres espanholas que viajam sozinhas (48%) escolhem destinos internacionais, tal como 36% das italianas e 34% das japonesas; uma tendência consistente observada nas reservas para o verão de 2024 para a Europa, analisadas pela The Data Appeal Company. De facto, cerca de 30% dos viajantes espanhóis que voam para destinos britânicos este verão são mulheres que viajam sozinhas; semelhante às mulheres japonesas, que representam 25% do total de reservas de verão para Itália ou Reino Unido.

Em contrapartida, sete em cada dez francesas e polacas preferem destinos no seu próprio país quando viajam sozinhas, tal como 77% das britânicas e 85% das alemãs, americanas e australianas. Apenas 8% das brasileiras que viajam sozinhas escolhem destinos internacionais. “Escolher destinos próximos, tanto domésticos como de curta distância, é uma forma de quebrar o gelo para eventualmente escolherem outros lugares mais distantes ou exóticos para as suas próximas viagens”, assinala Cendra.

5 – Os destinos urbanos são os preferidos das mulheres que viajam sozinhas. O turismo urbano é especialmente relevante entre este segmento de viajantes. Como mostram os dados, nove das dez cidades mais visitadas por mulheres que viajam sozinhas são cidades europeias, e apenas Espanha apresenta duas cidades neste ranking, liderado por Londres, Paris, Tóquio, e seguido por Madrid, Roma, Berlim, Varsóvia, Barcelona, Lisboa e Milão.

Entre os cinco países mais visitados por mulheres que viajam sozinhas (Alemanha, Itália, Espanha, Reino Unido e França), os destinos preferidos são cidades bem conectadas, que estão na lista de desejos de viajantes de todo o mundo, que também oferecem uma rica combinação de experiências de viagem, especialmente planos culturais e atrações.

Foto: Depositphotos.com
Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet vai abrir voos para Luxor e Sharm El Sheikh no inverno

Luxor e Sharm El Sheikh, no Egito, assim como Oslo, capital da Noruega, são os novos destinos que a easyJet lançou para o próximo inverno, em voos à partida do Reino Unido.

Publituris

A easyJet vai abrir duas novas rotas entre o Reino Unido e o Egito, passando a ligar Gatwick a Luxor a partir de 11 de novembro, assim como Liverpool e a estância turística de Sharm El Sheikh, a partir de 14 de fevereiro.

De acordo com a publicação britânica Travel Weekly, ambas as rotas vão contar com dois voos por semana, decorrendo a ligações a Luxor às segundas e quintas-feiras, enquanto os voos desde Liverpool para Sharm El Sheikh são às segundas e sextas-feiras.

Além dos dois novos destinos no Egito, a easyJet anunciou também a abertura de voos entre Manchester e Oslo, capital da Noruega, que arrancam a 15 de novembro, bem como desde Liverpool para Oslo, com início a 29 de novembro.

As novas rotas da easyJet para a capital da Noruega também vão contar com dois voos por semana, com as ligações a decorrerem, em ambos os casos, às segundas e sextas-feiras.

“Estamos muito satisfeitos por lançar ainda mais novas rotas desde aeroportos em todo o Reino Unido para uma fantástica variedade de destinos de lazer, o que significa que estamos agora a oferecer mais de 41 novas rotas, incluindo três novos destinos na nossa rede a partir deste inverno”, afirma Ali Gayward, country manager da easyJet no Reino Unido.

Os novos voos para o inverno estão já a ser comercializados pela easyJet Holidays, o operador turístico que pertence à companhia aérea low cost, que está a oferecer pacotes para Luxor, alguns dos quais com cruzeiro no Nilo incluído, assim como para oferta de city-break em Oslo.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.