Assine já
Alojamento

AM Resorts vai operar resorts na Europa com a NH Hotel Group

Maiorca terá sido a localização escolhida para a abertura da primeira unidade, no próximo ano.

Publituris
Alojamento

AM Resorts vai operar resorts na Europa com a NH Hotel Group

Maiorca terá sido a localização escolhida para a abertura da primeira unidade, no próximo ano.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
airBaltic e Turkish Airlines em codeshare para voos diretos entre Letónia e Turquia
Transportes
Turismo melhor que esperado justifica revisão das previsões para Portugal, diz FMI
Turismo
Thailand Travel Mart Plus está de volta de 31 de maio a 2 de junho
Meeting Industry
Associação Portuguesa do Turismo Residencial e Resorts mostra-se contra extinção das ARI
Alojamento

A cadeia de hotelaria norte-americana AM Resorts e o grupo de hotelaria espanhol NH Hotel Group vão juntar-se para operar conjuntamente resorts turísticos na Europa, avança o Hosteltur, revelando que já terão sido mesmo assinados contratos nesse sentido.

De acordo com o Hosteltur, a AM Resorts vai trazer para a Europa duas das suas seis marcas, nomeadamente Secrets Resorts & Spas, destinada apenas a adultos, e Dreams Resorts & Spas, para famílias, sendo ainda criada uma nova marca de três estrelas, a Amigo Hotels & Resorts, cujo conceito será totalmente diferente das restantes marcas da cadeia.

Recorde-se que a parceria entre a AM Resorts e a NH Hotel Group não é nova e é estabelecida nos mesmos termos da aliança que os parceiros mantêm na República Dominicana desde 2011 e segundo a qual a AM Resorts assume a gestão comercial e da marca, enquanto o NH Hotel Group fica com a gestão operacional.

Os primeiros resorts ao abrigo desta parceria devem abrir no próximo ano e o Hosteltur avança Maiorca como a primeira localização escolhida.

Recorde-se que, em Janeiro, durante a FITUR, o Publituris entrevistou Claudio Zboznovits, Vice-President of Global Sales & Business Development da AM Resorts, e já na altura o responsável não descartava a hipótese de a cadeia vir a abrir hotéis na Europa, afirmando que “todos os destinos do mundo são uma hipótese” para a AM Resorts.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Distribuição

eDreams ODIGEO regista 16,2 milhões de reservas e aumenta rentabilidade no último ano fiscal

A eDreams ODIGEO atingiu vários recordes no último ano fiscal, incluindo os níveis mais elevados de sempre de reservas, incluindo no canal mobile, receitas e subscritores. O crescimento das vendas, aliado à melhoria das margens, resultou numa “aceleração da rentabilidade”.

Publituris

A eDreams ODIGEO registou, no ano fiscal que terminou a 31 de março de 2023, um total de 16,2 milhões de reservas, valor que ficou 29% acima do anterior recorde, que tinha sido alcançado em 2022, e que foi ainda 42% mais alto que no período pré-pandemia.

“A empresa atingiu vários recordes no período indicado, incluindo os níveis mais elevados de sempre de reservas, reservas pelo canal mobile, receitas e subscritores. O crescimento contínuo e rápido das vendas, associado a uma melhoria acentuada das margens, resultou numa aceleração da rentabilidade”, resume a eDreams ODIGEO.

A agência de viagens online congratula-se com os resultados alcançados, uma vez que os mercados de viagens na Europa e no mundo ainda continuam abaixo dos níveis anteriores à pandemia, enquanto a eDreams ODIGEO está a superar os níveis pré-pandemia há sete meses consecutivos.

Na atividade comercial, a eDreams ODIGEO também alcançou resultados positivos, com “um crescimento rápido e contínuo da margem de receitas e uma melhoria acentuada das margens, resultando numa rentabilidade em alta”, tendo alcançado receitas de 569,6 milhões de euros,  num aumento de 49%, suportado no crescimento das reservas. Já a margem de receita somou 621 milhões de euros, registando um acréscimo de 47% num só ano.

“A empresa registou um forte crescimento da rentabilidade”, indica a eDreams ODIGEO, revelando que as “margens melhoraram acentuadamente” e aumentaram oito pontos percentuais desde o início do ano, enquanto o lucro marginal e o lucro marginal cash se situaram nos 113.2 milhões de euros e 164.7 milhões de euros, respetivamente, num aumento correspondente de 71% e 53% em relação ao valor do exercício de 2022.

Para os resultados agora apresentados, destaca a empresa, muito contribuiu o Prime, o primeiro e maior programa de subscrições de viagens do mundo, que apresentou um desempenho notável com a adição de 1.7 milhões de novos subscritores, ultrapassando os 4.3 milhões no final do quarto trimestre, o que representa mais 64% do que há apenas um ano.

Os resultados positivo permitiram ainda reduzir os prejuízos registados, que somaram 34,7 milhões de euros, numa descida de 33,6% face a período homólogo, valor que compara com os 52,3 milhões de euros de prejuízo que a empresa tinha apresentado no último ano fiscal.

Os bons resultados levam também a eDreams ODIGEO a reafirmar os seus objetivos para 2025, ano em que a empresa espera ter já mais de 7.25 milhões de membros Prime, cerca de 80 euros de Receita Média Por Utilizador (ARPU, na sua sigla em inglês) e um EBITDA Cash superior a 180 milhões de euros.

“Estamos muito satisfeitos por podermos reportar resultados extraordinários em mais um ano de sucesso na nossa execução estratégica. Mesmo com os desafios colocados pelas condições do mercado, continuámos a registar um desempenho superior ao do setor das viagens e melhorámos significativamente a rentabilidade do nosso negócio, que foi principalmente impulsionada pela nossa plataforma de subscrições exclusiva”, congratula-se Dana Dunne, CEO da eDreams ODIGEO.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Header Stock photos by Vecteezy
Destinos

Orçamento dos portugueses para férias de verão cresce 5% em 2023

Segundo o 22.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance, realizado em parceria com a IPSOS, os portugueses contam com com um orçamento de 1624 euros para as férias de verão, o maior valor dos últimos cinco anos, mas que continua abaixo da média europeia.

Publituris

Este verão, os portugueses contam com um maior orçamento para férias de verão, apurou o 22.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance, realizado em parceria com a IPSOS, que concluiu que a verba de que os turistas lusos dispõem este ano cresceu 5% face ao ano passado.

De acordo com este estudo, os portugueses contam, este ano, com um orçamento de 1624 euros para as férias de verão, o maior valor dos últimos cinco anos, mas que continua abaixo da média europeia, que se situa nos 1918 euros.

Este estudo, que pretende oferecer uma perspectiva global dos planos de férias em diversos países da Europa, EUA, Canadá e Austrália, revela ainda que 78% dos portugueses estão a fazer planos para as férias de verão, ainda que a elevada inflação se apresente como um desafio para a concretização desses planos.

“Portugal é o país Europeu em que o receio da inflação é maior (84%)”, revela o 22.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance, sublinhando que, apesar dos planos, apenas 35% dos respondentes portugueses já reservaram as suas férias.

“Tendo em atenção o contexto económico de inflação, quase metade dos inquiridos vai adaptar o seu plano de viagem, reduzindo o budget nas despesas de alojamento (46% opta por um alojamento mais barato)”, refere ainda o estudo.

Entre os portugueses que têm planos de férias, a maioria (54%) prefere destinos no estrangeiro, o que corresponde a um aumento de dois pontos percentuais face aos resultados do ano passado, com a Espanha (23%), França (11%) e Itália (9%) a apresentarem-se como os destinos de férias preferidos para o verão.

Além dos que preferem o estrangeiro, o estudo apurou ainda que 47% dos portugueses contam fazer férias em território nacional, resultado que marca um regresso aos valores pré-pandemia.

Os portugueses continuam também a preferir o carro como principal meio de transporte nas férias (47%), ainda que Portugal tenha sido também o país europeu que registou um maior crescimento na utilização do avião, que registou um aumento de sete pontos percentuais na procura.

Novidade é também o facto de, cada vez mais, as cidades serem procuradas como destinos de férias (39%), sendo Portugal o país europeu onde esta tendência está mais acentuada, apesar da praia continuar a ser a escolha mais popular, reunindo 59% das preferências.

Quanto à duração das férias, o estudo que a duração média deverá ser de cerca de duas semanas, sendo idêntica na Europa, Austrália e Canadá, mas com o valor em Portugal a aumentar 0,3 nos últimos dois anos, sendo, atualmente, um dos “países europeus em que esta tendência foi mais acentuada, registando este ano um valor de 1,9 semanas”.

O 22.º Barómetro Anual de Férias de Verão da Europ Assistance procurou também saber como está a preocupação dos turistas lusos em relação à sustentabilidade das suas viagens e apurou que, em 2023, os portugueses são “dos mais empenhados, a nível europeu, em continuar a contribuir para a diminuição dos impactos ambientais, económicos e sociais das suas viagens, a par com Espanha e Itália”.

“94% dos portugueses quer adotar comportamentos que promovam a utilização dos recursos locais, enquanto 93% dos inquiridos quer tentar reduzir a quantidade de resíduos no país de destino e apoiar a economia local”, indica o estudo.

E porque a Europ Assistance se dedica aos seguros, o estudo perguntou ainda aos inquiridos quais as coberturas equacionadas na hora de contratar um seguro de viagem, apurando que a maioria dá primazia às despesas médicas (83%), a bagagem e objetos pessoais (80%).

“Entre os benefícios que gostariam de considerar numa apólice, os portugueses destacam alertas de segurança em tempo real (70%), aplicação móvel que disponibilize informação sobre serviços relacionados com viagem e apólice (69%), portal web com informações sobre serviços relacionados com viagem e apólice (67%), acesso ao lounge do aeroporto em caso de atraso do voo (65%) e serviços de telemedicina (58%)”, refere ainda o estudo.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Tripulantes portugueses da easyJet voltam à greve

A greve dos tripulantes portugueses da easyJet arranca esta sexta-feira, 26 de maio, mas também abrange o domingo, 28 de maio, assim como terça-feira, 30 de maio, e ainda o primeiro e o terceiro dias de junho.

Publituris

Os tripulantes de cabine da easyJet em Portugal iniciaram esta sexta-feira, 26 de maio, uma nova greve de cinco dias que vai decorrer nestes últimos dias de maio e também em alguns dias de junho, uma vez que os trabalhadores acusam a companhia aérea de “precarização e discriminação” face aos outros países.

Além desta sexta-feira, a greve dos tripulantes da easyJet abrange também o domingo, 28 de maio, assim como terça-feira, 30 de maio, e ainda o primeiro e o terceiro dias de junho.

Recorde-se que, no início de maio, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) disse que a easyJet continua a considerar os tripulantes das bases portuguesas trabalhadores menores” perpetuando a sua “precarização e discriminação relativamente aos colegas de outros países”.

Por isso, o sindicato apresentou um novo pré-aviso de greve, numa paralisação que deverá afetar  “todos os voos realizados pela easyJet” nestes dias, assim como os “demais serviços a que os tripulantes de cabine estão adstritos”, cujas “horas de apresentação ocorram em território nacional com início às 00h01 e fim às 24h00 de cada um dos dias” mencionados.

“As propostas de alteração às prestações pecuniárias já anteriormente apresentadas pela empresa continuam senão piores, muito aquém do limiar do aceitável para garantir trabalho digno aos tripulantes de cabine”, indicou o SNPVAC, que considera que acrescentando que “a easyJet continua ‘surda’ às dificuldades económicas sentidas pelos seus tripulantes, devido aos baixos rendimentos, em face ao reconhecido aumento do custo de vida, o que asfixia os trabalhadores e põe em causa o bem-estar e conforto das suas famílias”.

O sindicato considera que a situação é ainda pior porque “noutros países e bases onde a empresa apresenta nível de rentabilidade inferior ao verificado em Portugal, os colegas obtiveram aumentos significativos”.

O SNPVAC defende também que, um a vez que existem alternativas, nomeadamente nos voos para os Açores e Madeira, “não existem serviços mínimos a assegurar”.

A easyJet reagiu ao pré-aviso de greve lamentando a paralisação e garantindo que a “proposta atual do sindicato é impraticável” e reafirmou que os valores pagos aos seus tripulantes “está acima da média salarial nacional”.

“Vamos fazer todos os possíveis para mitigar o impacto que possa ter nos nossos clientes, incluindo fazer alterações nos voos antes da greve”, assegurou ainda a companhia aérea em comunicado, garantindo que vai contactar os clientes afetados por SMS ou ’email’.

A transportadora disse ainda que todos os clientes cujos voos sejam cancelados “são elegíveis para um reembolso ou mudança gratuita para um novo voo”, recomendando que confirmem o estado dos seus voos.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Taxa turística de Cabo Verde rende 1M€ por mês

No primeiro trimestre de 2023, Cabo Verde arrecadou três milhões de euros com a taxa turística, o que corresponde a cerca de um milhão de euros por mês, o dobro do arrecadado em igual período do ano passado.

Publituris

No primeiro trimestre de 2023, Cabo Verde arrecadou três milhões de euros com a taxa turística, o que corresponde a cerca de um milhão de euros por mês, o dobro do arrecadado em igual período do ano passado, avança a Lusa.

Os dados relativos à taxa turística de Cabo Verde surgem num relatório do Ministério das Finanças sobre a execução orçamental até março, que mostra que as receitas da contribuição turística ascenderam, em três meses, a mais de 334 milhões de escudos (três milhões de euros), o equivalente a 35,3% do orçamentado pelo Governo para todo o ano de 2023, num total de 946 milhões de escudos (8,6 milhões de euros).

A Lusa lembra que o valor supera também o do período pré-pandemia, uma vez que, em 2019, a taxa turística tinha rendido a Cabo Verde cerca de 83 milhões de escudos (749 mil euros) por mês.

O desempenho representa ainda um crescimento de 92,4% face aos três primeiros meses de 2022, cuja arrecadação foi então de 178 milhões de escudos (1,6 milhões de euros), o que reflete um “aumento substancial da procura turística no trimestre”, justifica-se ainda no relatório.

Recorde-se que a taxa turística foi introduzida em Cabo Verde em maio de 2013, obrigando as unidades hoteleiras e similares a cobrar 220 escudos (dois euros) por cada pernoita até 10 dias, a cada turista com mais de 16 anos. O valor aumentou posteriormente 25%, passando para 276 escudos (2,50 euros) por noite, conforme previsto no Orçamento do Estado para 2023.

Os hotéis cabo-verdianos receberam em 2022 um recorde de 835.945 turistas e mais de quatro milhões de dormidas, segundo dados anunciados no final de março pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com o relatório de Movimentação de Hóspedes em Cabo Verde em 2022, com as estatísticas do turismo produzidas pelo INE, o número de hóspedes ultrapassou no ano passado o recorde anterior, que foi de 819.308 turistas em 2019, antes da pandemia, e cresceu ainda 394% face aos 169.068 turistas em 2021.

As receitas com a taxa paga obrigatoriamente pelos turistas em Cabo Verde caíram para metade de 2020 para 2021, renovando mínimos de 145 milhões de escudos (1,3 milhões de euros), segundo um relatório anterior do Ministério das Finanças. Em 2022 cresceram para 735,1 milhões de escudos (6,6 milhões de euros).

Em 2019, este imposto tinha garantido um máximo histórico de 992 milhões de escudos (8,9 milhões de euros) em receitas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Coimbra recebe congresso internacional sobre Diversidade & Sustentabilidade no Turismo

Este congresso internacional decorre entre 30 de maio e 1 de junho e vai levar até Coimbra mais de 200 investigadores, estudantes, profissionais e especialistas da área do Turismo.

Publituris

A Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) vai acolher, entre 30 de maio e 1 de junho, o congresso internacional “Diversidade & Sustentabilidade – Oportunidades e Ameaças” (DSOTT`23), iniciativa que vai levar até Coimbra mais de 200 investigadores, estudantes, profissionais e especialistas da área do Turismo.

O programa deste congresso internacional inclui quatro sessões plenárias, um hackathon, 33 sessões paralelas nas quais mais de 120 investigadores oriundos de 26 países vão apresentar mais de 150 pesquisas, estando ainda previstas várias visitas a espaços da cidade e da região.

O encontro é organizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, pela Universidade Europeia e pela Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, em parceria com a Women Research Network, a primeira rede internacional de mulheres investigadoras e docentes da área do Turismo.

“Este evento vai permitir marcar no mapa internacional o papel de Portugal como um país onde a investigação e a indústria do turismo são uma referência”, explica Cláudia Seabra, docente da FLUC e investigadora do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território (CEGOT) da Universidade de Coimbra (UC), defendendo que este encontro vai transformar Coimbra num “local de reflexão sobre os conceitos de diversidade e sustentabilidade, nas perspectivas da Ciência e da Indústria”.

O DSOTT`23 conta com o Alto Patrocínio da Secretaria de Estado do Turismo, Comércio e Serviços; do Turismo de Portugal; da Turismo Centro de Portugal; da Câmara Municipal de Coimbra; da Águas de Coimbra; do Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território; e do Centro de Investigação, Desenvolvimento e Inovação em Turismo.

O programa e todas as informações sobre este congresso internacional estão disponíveis aqui.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Emprego e Formação

ADHP e by THF apresentam nova formação de gestão humana e inteligência emocional

A ADHP – Associação dos Diretores de Hotéis de Portugal e a by THF (“Teach How to Fish”) vão organizar uma iniciativa de formação online dedicada à gestão humana e à inteligência emocional. A formação, que decorre a 6 e 7 de junho, será dividida em duas sessões de quatro horas em regime pós-laboral, das 17h30 às 22h00, com um intervalo de 30 minutos.

Publituris

Desta forma, o curso “Desafios na Gestão Humana: Inteligência Emocional, prevenir o burnout” tem como principais objetivos “ajudar os formandos a desenvolver habilidades para reconhecer e compreender emoções, adquirir ferramentas para a gestão de emoções e melhorar a comunicação interpessoal e a resolução de conflitos”, como a associação indica em comunicado. Outro dos objetivos passa por “dotar os participantes de um modelo de gestão para evitar estados-limite como a síndrome de burnout”.

A formação será ministrada por Melanie Carreira, da by THF, criadora de conteúdos nas áreas do bem-estar emocional e da programação neurolinguística, com formação em psicologia clínica dinâmica.

Esta ação destina-se a líderes, gestores e coordenadores de equipa que pretendam adquirir conhecimentos, estratégias e ferramentas para trabalhar no âmbito da inteligência emocional – sendo que a formação não terá um custo associado. Cada participante pode fazer um contributo pecuniário, que ficará ao seu critério, já que a organização pretende “fomentar o contributo social que a by THF promove no contexto do seu modelo de impacto social”.

“A promoção de ações formativas é um dos eixos orientadores da nossa ação, que ambiciona contribuir para o bom desenvolvimento futuro da profissão de diretor de hotel. Esta ação reveste-se de um cariz especial, de carácter social, onde os participantes contribuem com o valor que pretenderem, sendo que o resultado líquido da ação de formação será aplicado ou reinvestido ao abrigo de programas do modelo de impacto ‘Teach How to Fish’ by THF”, refere Fernando Garrido, presidente da ADHP.

Num ano especial, em que a ADHP celebra 50 anos de existência, a associação afirma ter vindo a apostar “numa estratégia renovada para a formação”.

“Num setor como o nosso – um setor de pessoas para pessoas –, a empatia e a gestão de emoções são competências da maior importância para termos profissionais completos, felizes e capazes de compreender os outros”, acrescenta o presidente da ADHP.

Para mais informações sobre a formação, os interessados podem enviar um email para [email protected].

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Agência Abreu é Marca de Confiança há 23 anos consecutivos

A “qualidade, relação custo/benefício e ética de marca” foram os pontos fortes que valeram à Agência Abreu a atribuição do selo Marca de Confiança, que lhe é atribuído há 23 anos consecutivos.

Publituris

A Agência Abreu renovou esta quinta-feira, 25 de maio, o selo Marca de Confiança na categoria Agências de Viagens, distinção que arrecada há 23 anos consecutivos pela “qualidade, relação custo/benefício e ética de marca”.

“A consolidação como a Marca de referência entre as Agências de Viagens, prova que todos os esforços que envidámos nos últimos anos cumpriram o propósito e, por isso, continuamos merecedores da Confiança dos nossos Clientes”, considera Pedro Quintela, diretor de Vendas e Marketing da Agência Abreu.

A Agência Abreu reuniu mais de 70% da votação, na categoria Agências de Viagens, na votação promovida pela Selecções do Reader’s Digest, que promove a atribuição do Selo Marcas de Confiança.

O Estudo ‘Marcas de Confiança’ divulga as Marcas, Personalidades e Organizações, Instituições e Profissões, Sociedade e Marcas Ambiente em que os Portugueses mais confiam.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

AnadoluJet abre voos diários entre Istambul e Roma

A capital italiana é o 38 destino da AnadoluJet, companhia aérea low cost da Turkish Airlines, à partida do aeroporto turco de Istanbul Sabiha Gökçen.

Publituris

A AnadoluJet, companhia aérea de baixo custo da Turkish Airlines, abriu esta sexta-feira, 26 de maio, voos entre o aeroporto Istanbul Sabiha Gökçen e a capital italiana, numa operação que conta com voos diários.

Segundo a AnadoluJet, com a abertura desta rota, a capital italiana torna-se no 38 destino para onde a companhia aérea voa à partida do aeroporto turco de Istanbul Sabiha Gökçen e aumenta para 14 o número de voos diários que a transportadora opera com destino a Itália.

“Roma, a maior cidade de Itália, é uma cidade antiga que hospedou importantes civilizações ao longo da história”, realça a AnadoluJet, em comunicado, explicando que a abertura desta rota permite aos passageiros descobrir as “belezas históricas e a rica culinária” da capital italiana.

Os voos desde Istambul têm partida às 09h35 às segundas, quintas, sextas, sábados e domingos, chegando à capital italiana pelas 11h10, enquanto a partida das terças-feiras decorre às 09h25 e chega a Roma pelas 11h00, sendo que, às quartas-feiras, a partida tem lugar pelas 09h15 e chega a Roma às 10h50.

Em sentido contrário, a partida de Roma decorre às 12h10 às segundas, quintas, sextas, sábados e domingos, chegando à cidade turca pelas 16h00, enquanto às terças e quartas-feiras tem lugar pelas 12h40, chegando a Istambul pelas 16h30.

Mais informações e reservas aqui.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Parque Aquático de Amarante reabre na quarta-feira

O Parque Aquático de Amarante vai reabrir na próxima quarta-feira, 31 de maio, prometendo mais uma época balnear recheada de animação até 17 de setembro, num verão que vai contar com muitas novidades e com um maior foco na sustentabilidade.

Publituris

O Parque Aquático de Amarante vai reabrir na próxima quarta-feira, 31 de maio, prometendo mais uma época balnear recheada de animação até 17 de setembro, num verão que vai contar com muitas novidades e com um maior foco na sustentabilidade.

Num comunicado enviado à imprensa, o Parque Aquático de Amarante sublinha que, este ano, o verão conta com um reforço de sustentabilidade, motivo pelo qual o parque procedeu a investimentos em equipamentos de controlo da qualidade e desperdício de água, redução de consumos e separação de resíduos, tendo ainda prevista a realização de algumas atividades como limpeza de praias e sensibilização dos clientes para a redução da sua pegada ambiental.

“Fizemos um forte investimento na sustentabilidade, porque esta é uma área que merece, cada vez mais, a nossa atenção. O nosso plano está assente em três pilares – responsabilidade social, ambiental e económica”, refere Hélder Silva, diretor geral do Tâmega Parque.

O Parque Aquático de Amarante tem vindo ainda a apostar numa melhor gestão da água, recurso que, segundo o responsável, é um “bem precioso e cada vez mais raro”, e que tem uma tremenda importância para o funcionamento do parque.

“Nos últimos anos foram efetuados investimentos que permitem uma melhor gestão, como a construção de uma Estação de Tratamentos de Águas, mais doseadoras dos filtros de água, temporizadores de consumos, progressiva substituição da relva natural por relva artificial e melhoria das saídas escorregas para evitar desperdícios”, acrescenta Hélder Silva.

Além da sustentabilidade, este verão vai ficar ainda marcado pelo lançamento de algumas novidades no Parque Aquático Amarante, a exemplo da arara “Tupi”, que é a mascote oficial do parque, mas também de novos espaços verdes.

Quanto à animação, o Parque Aquático de Amarante promete, esta época balnear, “loucas festas de espuma” para todas as idades e que vão decorrer diariamente, na piscina de ondas.

Além de tudo isto, o Parque Aquático de Amarante disponibiliza sete piscinas, mais de 12 tipos de escorregas, zona de restauração que foi alvo de obras de melhoria, e o alojamento local “Aldeia do Tâmega”, que, em 2022, aumentou em cerca de 50% o número de hóspedes.

Tal como a “Aldeia do Tâmega”, também o Parque Aquático de Amarante tem vindo a registar um aumento de visitantes e, no ano passado, alcançou a marca histórica dos 215 mil visitantes, enquanto o volume de negócios teve um crescimento de 50% face a 2019, números que o parque espera ultrapassar este ano.

“Portugueses, espanhóis, franceses, suíços, britânicos e holandeses. São cada vez mais as nacionalidades que procuram visitar aquele que é o maior parque aquático de montanha da Península Ibérica. Só no ano transato, em apenas quatro meses, foram mais de 215 mil os cidadãos que, por lá, passaram, dos quais 45% visitaram o espaço pela primeira vez, o que representa um acréscimo significativo de novos visitantes em relação à média de outros anos, fixada nos 30%”, refere o parque na informação divulgada.

O Parque Aquático de Amarante é gerido pelo Grupo Looping, que conta, atualmente, com 18 parques espalhados pela Europa.

Todas as informações sobre o Parque Aquático de Amarante estão disponíveis aqui.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

André Gomes já entregou candidatura à presidência da RTA

Num comunicado enviado à imprensa pela candidatura de André Gomes, sublinha-se que o ato eleitoral para a presidência da Região de Turismo do Algarve (RTA) vai decorrer a 13 de junho e que o candidato conta com o apoio de dois terços da base eleitoral.

Publituris

O candidato único à presidência da Região de Turismo do Algarve (RTA), André Gomes, entregou esta sexta-feira, 26 de maio, pelas 09h00, a sua candidatura na sede da entidade regional de turismo, em Faro.

Num comunicado enviado à imprensa pela candidatura de André Gomes, sublinha-se que o ato eleitoral vai decorrer a 13 de junho e que o candidato conta com o apoio de dois terços da base eleitoral.

“O projeto desta candidatura regista o apoio e subscrição de 25 das 33
entidades com direito de voto, uma esmagadora maioria que supera largamente o mínimo exigível de um terço da base eleitoral, assim como demonstradora da união dos agentes do setor – público e privado – do turismo no Algarve em torno da estratégia apresentada para os próximos cinco anos”, indica o comunicado divulgado por André Gomes.

Entre os subscritores da candidatura encontram-se mais de dois terços dos munícipios da região do Algarve, concretamente Alcoutim, Aljezur, Castro Marim, Lagoa, Lagos, Loulé, Monchique, Olhão, Portimão, São Brás de Alportel, Tavira, Vila do Bispo e Vila Real de Santo António, sendo que, a estes 13 munícipios, junta-se ainda o apoio da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR) e de outras 11 associações representativas do setor privado do turismo na região, concretamente Algarve Anima, ACRAL, AHETA, AIHSA, NERA, ANJE, ARAC, APAVT, APC, APPR e Algarve Golfe.

André Gomes, que é atualmente diretor do Núcleo de Promoção, Animação e Informação Turística da RTA, já anunciou que as suas prioridades para este mandato passam pela “viabilidade financeira desta entidade”, assim como pela “diversificação das fontes de receita, melhoria da qualidade dos serviços, defesa da valorização do Turismo na região e o reforço da sustentabilidade ambiental e social do setor, designadamente através de apoios à formação e qualificação dos trabalhadores no Algarve”.

A candidatura de André Gomes tem o empresário Renato Pereira (Júpiter Hotel Group) como mandatário e conta ainda com vários nomes com provadas dadas no turismo da região, como Alberto Mota Borges, diretor do Aeroporto Internacional de Faro.

A Mesa da Assembleia volta a ter como candidato Hélder Martins (Presidente da AHETA), que concorre a um novo mandato de Presidente, enquanto Isolete Correia (Associação Portuguesa de Portos de Recreio) propõe-se prosseguir o trabalho feito
enquanto Secretária da Mesa da Assembleia Geral. Já a Comissão Executiva, além de Alberto Mota Borges, conta ainda com a candidatura de Fátima Catarina, atual vice-presidente da RTA e candidata a novo mandato.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.