Edição digital
Assine já
PUB
Aviação

Rotas europeias animaram tráfego da TAP em Maio

Companhia aérea nacional transportou mais 125 mil passageiros do que em Maio de 2016, nas rotas europeias.

Publituris
Aviação

Rotas europeias animaram tráfego da TAP em Maio

Companhia aérea nacional transportou mais 125 mil passageiros do que em Maio de 2016, nas rotas europeias.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos

No passado mês de Maio, a TAP transportou 1.135 milhões de passageiros, mais 20% que no mesmo mês de 2016, e registou uma subida de 6,6 p.p. no load factor, que se situou nos 82%, resultados que, segundo comunicado da companhia, foram impulsionados pelas rotas europeias, que registaram “o maior crescimento nos passageiros transportados, em termos absolutos”.

“Os dados agora disponíveis revelam que a companhia cresce fortemente em todos os sectores de rede em que opera, tanto no número de passageiros transportados, como na taxa de ocupação dos voos”, congratula-se a TAP.

Nas rotas europeias, a TAP transportou mais 125 mil passageiros do que em Maio de 2016, com destaque para as ligações com Espanha, onde a companhia de bandeira nacional opera para 10 cidades, e nas quais aumentou em 45 mil o número de passageiros transportados, com mais 47%.

Já os voos para o Reino Unido tiveram um crescimento de 29%, com mais 18 mil passageiros contabilizados, enquanto as rotas de Itália e Croácia tiveram um acréscimo de 10 mil passageiros, o que traduz numa percentagem de 13,6%.

Os voos para Espanha, Reino Unido, bem como para Itália e Croácia compõem o “TOP3 dos sectores de rede com maior crescimento absoluto na Europa”, refere a companhia aérea na mesma informação.

Já no segmento internacional, a TAP transportou mais 66 mil passageiros, com destaque para o crescimento nas rotas dos Estados Unidos, com mais 33 mil passageiros transportados, num total de 56 mil, que significam um crescimento relativo de 143%.

Além dos voos para os Estado Unidos, a TAP destaca também, a nível internacional, a” forte recuperação que se verifica nas rotas africanas”, nas quais a companhia transportou mais 18 mil passageiros, num aumento de 36%, com destaque para Angola, com mais 36,4% e Marrocos, que “regista um impressionante crescimento de 215%”, evidencia a TAP.

Tal como as rotas africanas, também os voos para o Brasil “continuam a demonstrar uma forte retoma do tráfego”, com mais 16 mil passageiros transportados, crescimento superior a 14% face a Maio de 2016, enquanto a taxa de ocupação cresceu 9,5 p.p., para 86,2%.

No acumulado de Janeiro a Maio de 2017, a TAP já transportou mais 1,1 milhões de passageiros que em igual período do ano passado, somando um total de 5,171 milhões, um aumento de 27%. No mesmo período, a taxa de ocupação ascendeu aos 82%, o que traduz um crescimento de 6 p.p..

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Alto Côa é a 11ª Estação Náutica certificada do Centro de Portugal
Destinos
Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP
Aviação
Nova edição Publituris Hotelaria: Entrevista a Elmar Derkitsch, diretor-geral do Lisbon Marriott Hotel
Hotelaria
UN Tourism quer estabelecer Centro de Pesquisa para o Turismo Sustentável na Croácia
Destinos
Viagens e turismo atingirão 2,51 biliões de dólares e representarão 9% da economia dos EUA em 2024
Destinos
Turismo do Algarve anuncia 15 ações de promoção para atrair turistas dos EUA e Canadá
Destinos
Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA
Aviação
Explora Journeys lança experiências para a Costa do Pacífico e Havaí
Transportes
Porto já está a formar guias turísticos no programa “Confiança Porto”
Destinos
Dino Parque Lourinhã recebe Prémio Cinco Estrelas pelo sexto ano consecutivo
Destinos
PUB

Foto: Depositphotos.com

Aviação

Grupo Air France-KLM mantém interesse na privatização da TAP

Fonte do grupo Air France-KLM garante que o grupo de aviação continua “muito interessado” na aquisição da TAP, negando as recentes notícias que davam conta de uma desistência devido à instabilidade política em Portugal.

Publituris

O Grupo Air France-KLM continua a acompanhar a privatização e está “muito interessado” na compra da TAP, garantiu fonte do grupo de aviação à agência EFE.

O grupo Air France-KLM está a acompanhar a situação em Portugal. Como já dissemos, estamos muito interessados no projeto de privatização da TAP e aguardamos os próximos passos”, disse à EFE fonte da empresa.

A fonte da Air France-KLM garante que o grupo de aviação não desistiu da compra da transportadora aérea nacional, negando assim notícias recentes que davam conta a desistência do negócio, devido à instabilidade política em Portugal.

Recorde-se que o processo de privatização da TAP foi suspenso devido à convocação de eleições antecipadas, devido à queda do XXIII Governo Constitucional, na sequência da demissão do primeiro-ministro António Costa.

No entanto, o programa do novo governo, liderado por Luís Montenegro, prevê que o “processo de privatização do capital social da TAP” seja relançado, ainda que sem avançar quaisquer prazos.

Além da Air France-KLM, também a Lufthansa e o Grupo IAG, que detém a British Airways e a Iberia, manifestaram interesse na aquisição da TAP.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Empresários açorianos preocupados com demissões na SATA

A Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA) está preocupada com as demissões no Grupo SATA, que surgem numa altura em que se está a finalizar o processo de privatização da Azores Airlines e a iniciar a época alta deste setor.

Publituris

A Câmara do Comércio e Indústria dos Açores (CCIA) está apreensiva com as recentes demissões no Grupo SATA e consideram que esta é “uma altura critica” paro o futuro do grupo de aviação açoriano, que detém a Azores Airlines e a SATA Air Açores.

“A direção da Câmara do Comércio e Indústria dos Açores manifesta a sua preocupação com as demissões agora verificadas no conselho de administração da SATA, que ocorrem numa altura crítica para o futuro do grupo, tendo designadamente em consideração o processo de privatização da Azores Airlines e o início da época alta deste setor”, lê-se num comunicado de imprensa, citado pela Lusa.

A associação considera que é da “maior relevância a retoma da normalidade” na empresa para que o processo de privatização da Azores Airlines seja cumprido “nos termos definidos pela União Europeia, com os acertos que as circunstâncias atuais exigem”.

A CCIA defende ainda que é “imperativo” que a empresa esteja “em pleno funcionamento no arranque de mais uma temporada crucial do turismo”, que tem sido um dos principais contributos para “a recuperação económica da região”.

Os empresários açorianos assumem-se ainda mais preocupados porque a Ryanair reduziu consideravelmente a sua operação na região com o encerramento da base de Ponta Delgada, o que trouxe  “consequências já bem visíveis” para o setor do transporte aéreo e turístico regional.

“A direção da CCIA entende salientar a importância e a necessidade de estabilidade do funcionamento do transporte aéreo nos Açores”, sublinha o comunicado.

Recorde-se que Teresa Gonçalves, presidente da SATA desde abril de 2023, anunciou esta semana a sua demissão do grupo de aviação açoriano por motivos pessoais.

Entretanto, têm vindo também a surgir rumores que indicam que também Dinis Modesto, administrador financeiro do Grupo SATA, está de saída.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Delta Air Lines regressa aos lucros e apresenta resultado positivo de 34,4 M€

Entre janeiro e março, as receitas operacionais da Delta Air Lines cresceram 8% e somaram um total de 12.786 milhões de euros, enquanto as despesas operacionais subiram perto de 1%, totalizando 12.217 milhões de euros.

Publituris

A Delta Air Lines regressou aos lucros e, no primeiro trimestre de 2024, apresentou um resultado positivo de 34,4 milhões de euros, valor que compara com o prejuízo de 337,6 milhões de euros apurado em igual período do ano passado.

De acordo com um comunicado da companhia aérea dos EUA, as receitas operacionais cresceram, entre janeiro e março de 2024, 8% e somaram um total de 12.786 milhões de euros, enquanto as despesas operacionais subiram perto de 1%, totalizando 12.217 milhões de euros.

“No trimestre de março obtivemos receitas recorde graças a um desempenho operacional excecional, que permitiu um forte crescimento dos lucros”, congratula-se Ed Bastian, presidente executivo da Delta Air Lines, citado no comunicado divulgado pela companhia aérea.

O responsável espera que seja possível manter os bons resultados também no segundo trimestre do ano, estimando que, entre abril e junho, a Delta Air Lines atinja “resultados recorde”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

SPAC fica sem direção e vai para novas eleições

Tiago Faria Lopes, atual presidente da direção do SPAC, deverá candidatar-se novamente à liderança da estrutura sindical, cujo atual mandato terminava em novembro.

Publituris

A direção do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) caiu na sequência da demissão de dois membros, o que vai levar a novas eleições na estrutura sindical, avança o Expresso.

Tiago Faria Lopes, atual presidente da direção do SPAC, deverá candidatar-se novamente à liderança da estrutura sindical, apurou o Expresso, que lembra que o mandato desta direção terminava em novembro.

João Lira Abreu e Nuno Vaz foram os elementos da direção do SPAC que se demitiram.

O Expresso diz que, nos últimos dias, houve a informação de que existia desconforto na direção no SPAC devido à recente Assembleia Geral, onde foi aprovada por uma escassa maioria a suspensão dos aumentos salariais em 2024, uma vez que os custos com trabalhadores quase duplicaram de 2022 para 2023.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Bestfly diz estar a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”

A Bestfly, que controla o capital social da TICV – Transportes Interilhas de Cabo Verde, garante que a venda de bilhetes foi “suspensa temporariamente” como medida preventiva face à indisponibilidade de dois aviões ATR 72-600 e garante estar a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”.

Publituris

A Bestfly veio esta terça-feira, 9 de abril, esclarecer que a venda de bilhetes da TICV – Transportes Interilhas de Cabo Verde foi “suspensa temporariamente no dia 4 de março de 2024 como medida preventiva face à indisponibilidade dos dois aviões ATR 72-600” e garante que está a trabalhar para “assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”.

Num nota enviada à imprensa, a empresa de aviação nega a notícia avançada pela Lusa e que dava conta que a transportadora aérea tinha suspendido as ligações entre as ilhas cabo-verdianas e sem previsões de regresso, tendo a venda de bilhetes sido igualmente suspensa.

Agora, a Bestfly, que controla o capital social da TICV, que é a companhia aérea que está a operar voos entre as várias ilhas do arquipélago, veio esclarecer que a “venda de bilhetes foi suspensa temporariamente no dia 4 de março de 2024 como medida preventiva face à indisponibilidade dos dois aviões ATR 72-600, que executavam a ligação inter-ilhas e que foram submetidos aos normais procedimentos de manutenção a que estão obrigados”.

“É, por isso, falso que esta suspensão tenha sido realizada “sem previsões de regresso”, lê-se na nota informativa divulgada, na qual a Bestfly explica ainda que esta suspensão foi uma “ação responsável da TICV e de caráter temporário, com efeito até entrar em vigor a solução para regularizar a ligação inter-ilhas”.

A empresa acrescenta que esta suspensão “constituiu uma medida tomada proativamente pela TICV, de acordo com o seu dever de não comercialização de bilhetes neste cenário transitório e de proteção dos passageiros com bilhetes adquiridos previamente”.

A Bestfly diz, por isso, que “continua comprometida com a prestação de um bom serviço inter-ilhas em Cabo Verde, tendo com esta decisão assumido a responsabilidade de preservar, acima de tudo, o interesse dos seus passageiros”.

A Bestfly aproveita também para revelar que, a 8 de abril de 2024, foram iniciados “os procedimentos de envio para Cabo Verde de uma aeronave contratualizada pela TICV para assegurar a manutenção da ligação inter-ilhas no arquipélago, cuja entrada foi autorizada pela Agência de Aviação Civil”.

Este aparelho, acrescenta a informação divulgada, é um “Bombardier Dash 8 Q300, com capacidade para transportar 50 passageiros”, que estava na África do Sul e que deverá ter chegado esta quarta-feira, 10 de abril, a Cabo Verde.

“Estando concluída a mobilização da aeronave para Cabo Verde, a operação da TICV será regularizada com brevidade. Esta aeronave ficará ao serviço da TICV até à entrada em linha dos ATR 72-600 que se encontram em manutenção”, lê-se ainda no comunicado enviado à imprensa.

Nuno Pereira, CEO da BestFly World Wide, garante que a empresa vai continuar a “trabalhar no sentido de assegurar o bom funcionamento da ligação entre ilhas em Cabo Verde”, até porque está ciente da importância deste serviço para a coesão territorial e social do arquipélago.

“Desempenhamos esta missão com um grande sentido de responsabilidade. Procurámos agir de forma responsável e proativa para evitar a aquisição de bilhetes neste momento de transição, antes da chegada de uma nova aeronave que irá repor o funcionamento da conectividade inter-ilhas”, garante o responsável.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Azul retoma voos para o Acre e passa a voar para todas as capitais brasileiras

Com a abertura de dois voos diários para Rio Branco, no estado brasileiro do Acre, a 4 de outubro, a Azul passa a voar para todas as 27 capitais brasileiras.

Publituris

A Azul – Linhas Aéreas do Brasil vai retomar, a 4 de outubro, os voos para Rio Branco, no estado brasileiro do Acre, passando a ligar todas as 27 capitais brasileiras, informou a companhia aérea, em comunicado.

A operação para o Acre, indica a companhia aérea, vai contar com dois voos por dia, ligando a capital acreana com Rondônia e Minas Gerais, sendo a única rota direta do Acre com a região Sudeste.

“Os voos serão operados por aeronaves Airbus A320, com capacidade para 174 Clientes, o que aumentará em 50% a oferta de assentos no aeroporto de Rio Branco”, revela a Azul, explicando que “os dois voos vão conectar as três capitais, Rio Branco (AC), Porto Velho (RO) e Belo Horizonte (MG)”.

De acordo com a transportadora, o primeiro voo sai às 08h45 de Belo Horizonte e chega em Rio Branco às 11h00, depois segue em direção a Porto Velho, pousando às 13h55, e retornando para a capital mineira às 14h40 com chegada prevista às 19h05.

Já o segundo voo parte às 21h40 de Belo Horizonte e chega em Porto Velho às 0h05, pousando em Rio Branco às 01h00, retornando para a capital mineira às 01h45 com chegada prevista às 07h40.

“Esta retoma é um marco muito importante para a Azul, pois operar em todas as capitais vai ao encontro da proposta da empresa de conectar o Brasil com os brasileiros. Isso é especialmente importante num país de dimensões continentais, em que o transporte regional que fazemos assume um protagonismo maior”, refere Fábio Campos, vice-presidente Institucional da Azul.

Os voos da Azul para o Acre permitem também conexão com outros 54 destinos no Brasil, como Brasília, Rio de Janeiro, Recife e São Paulo, além de voos internacionais como Fort Lauderdale e Orlando, nos Estados Unidos, e Curaçao no caribe, através do BH Airport, o hub da Azul em Belo Horizonte.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

easyJet recebe mais um avião A321neo

A easyJet recebeu esta terça-feira, 9 de abril, mais um aparelho A321neo, o 400.º a juntar-se à frota da companhia aérea low cost e cujo primeiro voo foi realizado com uma mistura com 5% de Combustível de Aviação Sustentável (SAF).

Publituris

A easyJet recebeu esta terça-feira, 9 de abril, mais um avião A321neo, o 400.º a juntar-se à frota da companhia aérea low cost e cuja entrega foi assinalada com uma cerimónia na fábrica da Airbus em Hamburgo, na Alemanha.

“A mais nova aquisição à frota apresenta um design de pintura especial, com o número 400 composto por aviões em miniatura”, refere a easyJet, explicando que também o primeiro voo deste novo avião foi especial.

Este primeiro voo do novo avião da easyJet, que decorreu esta terça-feira e ligou Hamburgo-Finkenwerder ao hangar de manutenção da easyJet em Berlim/Brandemburgo, foi alimentado “com 5% de Combustível de Aviação Sustentável (SAF), marcando a primeira utilização de SAF num serviço easyJet na Alemanha”.

“À medida que continuamos o nosso programa de renovação da frota com aeronaves mais eficientes em termos de consumo de combustível e mais silenciosas da família A320neo, estamos orgulhosos de continuar a trabalhar com a Airbus e a CFM, que têm uma abordagem persistente ao nível da produção e sustentabilidade e continuam a ser parceiros fiáveis da easyJet”, congratula-se David Morgan, Diretor de Operações da easyJet, citado no comunicado divulgado pela companhia aérea.

Recorde-se que o primeiro avião Airbus A320 foi entregue à easyJet há 20 anos e, desde então, a companhia aérea tornou-se num dos maiores operadores destes aparelhos, contando, atualmente, com mais de 330 destas aeronaves ao serviço.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Turkish Airlines fecha 2023 com recorde de 83,4 milhões de passageiros transportados

A Turkish Airlines fechou 2023 com 83,4 milhões de passageiros, registando aumentos de passageiros transportados tanto a nível doméstico como internacional

Publituris

A Turkish Airlines fechou 2023 com um recorde de 83,4 milhões de passageiros transportados, número que traduz fortes aumentos tanto a nível doméstico como internacional, segundo um comunicado da transportadora aérea de bandeira da Turquia.

Na informação divulgada, a Turkish Airlines indica que, a nível doméstico, transportou mais de 30 milhões de passageiros, num aumento de capacidade de 23,5% face a 2022, enquanto a nível internacional foram transportados 53 milhões de passageiros, o que corresponde a um aumento de 14% e que resulta de um acréscimo de capacidade de 16% face ao ano anterior.

A Turkish Airlines destaca ainda o bom comportamento dos mercados europeus que contam com comunidades turcas residentes e onde o número de passageiros cresceu 20% em 2023.

A companhia aérea da Turquia refere ainda que, desde 2019, já realizou um aumento de 27% na capacidade oferecida a nível internacional, o que traduz uma subida muito superior à média das companhias aéreas internacionais, onde este indicador continua ainda 12% abaixo do período pré-pandemia.

“Além disso, como resultado dos investimentos do nosso país em infraestruturas de aviação, o Aeroporto de Istambul emergiu como o principal aeroporto europeu em termos de número diário de voos”, destaca ainda a Turkish Airlines, que está baseada na maior cidade da Turquia.

A Turkish Airlines lembra ainda que está também a expandir a sua frota e que tem o objetivo de chegar aos 800 aparelhos até 2033, quando a transportadora aérea assinala o seu 100.º aniversário, motivo pelo qual, em 2023, a companhia aérea aumentou o seu número de aeronaves em 12%, para 440, “apesar dos desafios globais na aquisição de aeronaves e dos estrangulamentos na sua produção”.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

TAP vai expandir Centro de Treino no Aeródromo Municipal de Cascais

A TAP vai aumentar o número de simuladores no Centro de Treino do Aeródromo Municipal de Cascais, bem como o espaço de formação para técnicos de manutenção e tripulantes, reservando ainda espaço para vir a prestar serviços de manutenção nestas instalações.

Publituris

A TAP e a Câmara Municipal de Cascais chegaram a acordo para a expansão do Centro de Treino da companhia aérea de bandeira nacional no Aeródromo Municipal de Cascais, num alargamento que vai decorrer em duas fases, avança a transportadora, em comunicado.

De acordo com a informação avançada pela TAP, numa primeira fase, o Centro de Treino vai passar a contar com mais um simulador Airbus A320, prevendo-se que, numa fase posterior, venham a ser acrescentados até mais quatro simuladores, aumentando o total para sete, o que está dependente de parcerias com entidades terceiras.

Para a TAP, esta é a oportunidade de concretizar a “ambição de criar na freguesia de São Domingos de Rana, em Cascais, um polo universitário e de formação profissional na aviação com a importante presença da Academia TAP”.

“Tanto as áreas de formação como as de Manutenção e Engenharia são áreas de grande valor acrescentado que faz sentido fazermos no país para valorizarmos as nossas pessoas. O nosso ecossistema tem oportunidade de criar novas áreas de exportação em vez de pagarmos caro serviços lá fora. Cascais entendeu perfeitamente essa oportunidade”, afirma Luís Rodrigues, presidente da TAP, citado no comunicado divulgado pela transportadora.

Já Carlos Carreiras, presidente da Câmara Municipal de Cascais, considera que esta é uma “parceria virtuosa”, que visa a “execução de um centro de excelência na aviação de nível mundial no nosso país”.

“Que essa visão se cumpra a partir de Tires, São Domingos de Rana, é reveladora dos esforços desta autarquia para levar o desenvolvimento e criar cadeias de valor e emprego qualificado em todos os pontos do concelho”, acrescenta Carlos Carreiras.

Além dos novos simuladores, o Centro de Treino da TAP vai passar a contar também com novos espaços de formação para Técnicos de Manutenção de Aeronaves e Pessoal Navegante de Cabina, sendo ainda reservado espaço para instalações onde a TAP Manutenção e Engenharia “poderá vir a desenvolver várias atividades, incluindo manutenção de motores”, assim como para a manutenção da frota Embraer 190/195 da PGA (Portugália Airlines).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Sindicato pede que seja travada “imediatamente” privatização da Azores Airlines

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (Sitava) pediu ao Governo Regional dos Açores para que “pare imediatamente” a privatização da Azores Airlines, depois de o júri do concurso ter manifestado reservas sobre o único concorrente.

Publituris

Num comunicado, a estrutura sindical lembrou que “o júri constituído para avaliar o processo de privatização da Azores Airlines entregou, na passada sexta-feira (5 de abril), o relatório final sobre o processo”, tendo mantido “a sua posição já expressa no relatório preliminar”.

Ou seja, destacou, “manteve apenas um dos consórcios que concorreram” e mesmo esse “não apresenta as mínimas condições para garantir a continuidade da operação da companhia”.

O Sitava recordou também que “o presidente do júri foi ainda mais longe”, admitindo “reservas quanto à capacidade financeira do consórcio para garantir a viabilidade futura da companhia”.

O sindicato considera, assim, que “entregar a companhia a esta entidade seria um verdadeiro desastre”.

“Parece-nos, pois, óbvio que com a entrega deste relatório e principalmente com o seu resultado, este processo terá que parar imediatamente”, destacou, indicando: “a traumática experiência por que passámos deve servir de exemplo para não voltar a repetir”.

“Ao Governo Regional voltamos agora a apelar para que pare imediatamente o processo”, salientou o sindicato, defendendo que “reconhecer um erro e inverter a trajetória não fragiliza o Governo”.

O júri do concurso público da privatização da Azores Airlines manteve a decisão de aceitar apenas um concorrente no relatório final, mas admitiu reservas quanto à capacidade do consórcio Newtour/MS Aviation em assegurar a viabilidade da companhia.

“Entregámos o relatório final. Esse relatório final, no essencial, mantém o que já estava no relatório preliminar”, declarou o presidente do júri, Augusto Mateus, numa conferência de imprensa no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, na semana passada.

O júri manteve a nota que tinha sido atribuída à Newtour/MS Aviation (46,69), único concorrente admitido, e que foi contestada pelo consórcio aquando da apresentação do relatório intercalar, em outubro de 2023.

“No caderno de encargos, a positiva começa com nota de 25 e nota máxima é 100. A nota que atribuímos à proposta é 46,69. Percebe-se que 46,69 está mais próximo de 25 do que de 100. Não é uma nota muito expressiva. Chamamos à atenção para isso”, afirmou.

O caderno de encargos da privatização da Azores Airlines prevê uma alienação no “mínimo” de 51% e no “máximo” de 85% do capital social da companhia.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.