Assine já
ANA_app
Transportes

ANA lança novo site e nova aplicação móvel

O lançamento destas duas plataformas por parte da ANA Aeroportos corresponde a uma nova estratégia digital da empresa: mais eficiente e próxima do cliente.

Ângelo Delgado
ANA_app
Transportes

ANA lança novo site e nova aplicação móvel

O lançamento destas duas plataformas por parte da ANA Aeroportos corresponde a uma nova estratégia digital da empresa: mais eficiente e próxima do cliente.

Ângelo Delgado
Sobre o autor
Ângelo Delgado
Artigos relacionados
ANAC trava aeroporto do Montijo
Transportes
Aeroportos nacionais com menos 57,7% de voos comerciais no 1º semestre
Homepage
Azores Airlines retoma ligação direta entre Porto e Terceira
Homepage
Faro vai ter mais 14 voos semanais desde o Reino Unido
Homepage

A ANA Aeroportos já tem um novo site. Em paralelo, a nova app ficará disponível, em iOS e Android, durante esta 5ª feira. A apresentação dos dois novos projectos digitais decorreu  nas instalações da ANA, onde foram revelados aos jornalistas os principais objectivos e funcionalidades.

Ingrid Lourenço, responsável pela área de marketing não aviação, começou por referir que o novo site “permite uma maior autonomia ao passageiro, já que o coloca nos vários momentos da viagem”. Outro das principais prioridades, segundo a responsável, passa por “evitar que o cliente se disperse por várias plataformas e se centre na experiência que pretende viver naquele momento específico”.

Além da informação operacional – a mais procurada no site da ANA – a nova plataforma proporciona, em cada aeroporto da ANA – que tem uma interface própria – uma experiência visual que aproxima o passageiro da sua cidade. “Um tom mais descontraído, indo ao encontro da linguagem utilizada no digital, a melhoria do motor de reserva de parking, a reserva de lounge, fast track e hotel, a adaptação de conteúdos de acordo com o momento em que o passageiro se encontra, o acesso intuitivo  e um novo design, mais apelativo e práctico” são, segundo Artur Arnedo, responsável pelo digital e telecomunicações, “os grandes passos em frente do novo site”.

Já Ingrid Lourenço acrescentou que “o facto de se tratar de um site modular, poderão ser acrescentadas novas funcionalidades no futuro”, pois, “este é um projecto on going, sempre em evolução”. Ainda no mesmo registo, adiantou que “foi necessário conhecer o passageiro enquanto consumidor digital e perceber quais as tendências tecnológicas do momento”.

A forma de pagamento no  site ou até da app é por intermédio de cartão de crédito. “Queremos evoluir para outros métodos mais simples. Estamos em crescimento, pelo que daremos esse passo no futuro”, projectou Artur Arnedo.

App: responsive, acima de tudo

Disponível para iOS e Android,  a nova aplicação móvel da ANA procura disponibilizar uma experiência mais focada ao utilizador, sem muito ruído à volta. Ingrid Lourenço explica tudo. “Temos, logo à partida, o reconhecimento automático do aeroporto, o chamado auto sense. Sabemos que isso torna a experiência do utilizador mais rica. E todo o nosso trabalho foca-se nesse aspecto: user experience”.

“Temos quatro áreas mais fortes na nossa app: Acessos, Voos e Check-in, Serviços e Compras e Reservas”, adianta, explicando, logo de seguida que “no check-in, por exemplo, o passageiro será redireccionado para a página da companhia aérea em questão, tal como para a marcação do hotel, será redireccionado para o Booking, mas sempre mantendo o comportamento responsive, de fácil usabilidade no smartphone”.

A app permite ainda receber notificações sobre os voos que o utilizador pretender seguir, bem como outras informações referentes a todas as operações ligadas ao funcionamento da ANA Aeroportos de Portugal.

Artur Arnedo explicou também que a app “tem menos informação que o site, mas mais focada e directa”, destacando os conteúdos disponíveis sobre todas as lojas existentes nos vários aeroportos geridos pela ANA.

O trabalho de construção destas duas plataformas digitais teve a duração de cerca de 11 meses. Pioneiro nos aeroportos detidos pela Vinci Airports, este projecto irá estender-se pelos restantes aeroportos do grupo. “Fomos o projecto piloto em todo este processo”, finalizou.

Sobre o autorÂngelo Delgado

Ângelo Delgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Transfergest com sinais de recuperação

O software Transfergest , usado para transferes e transportes turísticos registou crescimentos em 2021 tanto ao nível de serviços efetuados como de passageiros transportados.

Publituris

O software Transfergest , usado por cerca de 1.200 condutores de transferes e transportes turísticos e respetivos parceiros de negócio a nível nacional, registou um aumento de 75,1% no número de serviços realizados em 2021, em comparação com o ano anterior.

No que respeita ao número de passageiros transportados de e para os aeroportos nacionais, o crescimento foi de 65,6%, face a 2020.

A plataforma indica ainda que cerca de 54% do movimento de transferes de aeroporto ocorreu a partir de setembro e até ao final do ano, o que poderá estar relacionado com a retoma da procura na época baixa

Um claro indicador da retoma da procura do mercado turístico externo, é o facto de que 83% dos serviços estão relacionados com partidas e chegadas nos aeroportos internacionais.

Outro dado a reter é que a quebra face a 2019 se situou em 35%, quando em 2020 tinha sido de 61%, o que representa mais um sinal de recuperação do movimento originado nos transferes de aeroporto.

A análise dos dados permite verificar que a região com maior registo de serviços de transporte de passageiros foi o Algarve com 49%, seguido de Lisboa com um total de 36%, o Norte a registar 11% e finalmente as Ilhas com 4% dos serviços registados a nível nacional.

O software Transfergest, desenvolvido pela OSB Solutions, empresa estabelecida no Algarve e com clientes em todo o continente e iIlhas, apresenta-se como uma plataforma digital que facilita a gestão das empresas de transferes e transportes turísticos.

Carina Miguel, CEO da OSB revela que “através do Transfergest, pretendemos continuar o caminho da inovação tecnológica para contribuir para a digitalização dos processos de gestão e das operações das empresas de transporte turístico”.

Apesar dos números registados em 2021 continuarem abaixo dos registados no período pré-pandemia (2019), os dados apurados “levam-nos a crer que Portugal continua a ser visto como um líder em matéria de turismo. Estas estatísticas permitem-nos concluir que quando terminarem as limitações às viagens que ainda se encontram em vigor face à pandemia da Covid-19, a posição de Portugal continuará a aumentar no nos mercados internacionais”, refere a gestora.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Delta Air Lines prevê cancelamentos devido ao 5G

Companhia aérea norte-americana explica que a implantação do 5G em dezenas de aeroportos dos EUA interfere com os instrumentos dos aviões, o que põe em causa a segurança.

Publituris

A Delta Air Lines revelou esta quinta-feira, 20 de janeiro, que conta ter de cancelar alguns dos seus voos devido à implantação do 5G nas proximidades de dezenas de aeroportos nos EUA, até porque as autoridades de aviação norte-americanas emitiram já alertas sobre as restrições de voos devido à interferência do serviço com os instrumentos dos aviões.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa pela companhia aérea norte-americana, estas interferências podem por em causa a segurança dos aparelhos, uma vez que a implantação do 5G pode interferir com os instrumentos de altitude dos aparelhos, que garantem a segurança dos aviões em diferentes condições climatéricas.

“Como tal, a Delta está a tomar as medidas necessárias para garantir que a segurança continua a ser a prioridade, em conformidade com as diretrizes da FAA [entidade que regula a aviação comercial nos EUA].

Apesar dos alertas, várias empresas de telecomunicações já anunciaram que vão limitar a implantação do 5G e atrasar a disponibilização do serviços em vários aeroportos do país, numa medida que a Delta Air Lines considera positiva.

Ainda assim, a companhia aérea norte-americana considera que “as indústrias podem crescer, inovar e coexistir para o benefício dos consumidores”, desde que seja encontrada “uma solução prática que permita a implantação da tecnologia 5G, preservando a segurança e evitando interrupções nos voos”.

Apesar da limitação na implantação do 5G, a Delta Air Lines acredita que ainda vai ter de cancelar alguns voos e, por isso, lembra que os passageiros afetados por estes cancelamentos podem pedir uma isenção da diferença de tarifa e reagendar o seus voos ainda antes do cancelamento.

Além desta isenção, a companhia aérea norte-americana permite também a remarcação automática para a próxima ligação disponível sempre que um voo seja cancelado, com a Delta Air Lines a garantir ainda que vai enviar também atualizações sobre alterações de itinerário diretamente para os dispositivos móveis ou e-mail dos clientes.

Além destas opções, os clientes da companhia aérea podem também recorrer à aplicação Fly Delta ou ao webiste delta.com para verificar o status de seu voo e gerir a sua remarcação com opções convenientes de autoatendimento.

“Quando os cancelamentos se tornam necessários como último recurso, a Delta trabalha para fazer alterações que afetem o menor número de clientes com os menores atrasos. Pedimos desculpas aos clientes por qualquer interrupção em seus planos de viagem”, acrescenta a companhia aérea norte-americana.

A companhia aérea revela ainda que, devido aos problemas causados pela implantação do serviço, se juntou a outras companhias aéreas com o objetivo de atrasar o 5G no espectro da banda C e “até que existam mais proteções e garantias contra possíveis interferências nos altímetros de rádio das aeronaves”.

Apesar de todas as medidas, para a companhia aérea, o impacto destes problemas nas viagens aéreas pode ser “imediato e significativo, impactando diretamente nas viagens de passageiros e no transporte de carga”, numa preocupação que já levou mesmo os CEO das principais companhias aéreas norte-americanas a alertarem, através de uma carta conjunta, que o “comércio do país vai parar”.

A Delta Air Lines garante ainda que está a avaliar a segurança das aeronaves e a tentar perceber se é seguro voar perto dos aeroportos onde o 5G já está a ser implementado, uma vez que, conclui a companhia aérea, “asegurança é e sempre foi a prioridade número um da Delta”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Dossier relacionado
5G
Transportes

Emirates lança nova campanha filmada no topo do edifício mais alto do mundo

Esta é a segunda campanha da Emirates filmada no topo do Brj Khalifa, o edifício mais alto do mundo, com o objetivo de promover a Expo Dubai 2020, assim como a cidade do Dubai.

Publituris

A Emirates lançou uma nova campanha promocional filmada no topo do edifício mais alto do mundo, o Burj Khalifa, iniciativa que motivou um investimento de 20 milhões de euros e que visa promover a Expo Dubai 2020 e a cidade do Dubai.

“Em agosto de 2021, a Emirates já tinha lançado o primeiro anúncio a ser filmado no topo do Burj Khalifa, numa campanha que transmitiu as mensagens da companhia aérea a mais de 800 metros de altura – tendo-se tornado viral e chegado às manchetes internacionais e feeds de redes sociais de milhões de pessoas”, explica a companhia aérea, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de janeiro.

A nova campanha conta com um vídeo de um minuto, no qual é possível “ver a figurante, que veste o icónico uniforme da Emirates em representação da tripulação de cabine, de pé no topo do Burj Khalifa by Emaar e a segurar cartazes com frases que convidam turistas de todo o mundo a visitar a Expo 2020 Dubai, a bordo da Emirates”.

“Numa altura em que chegamos a meio dos seis meses de exibição da Expo, vemos que o entusiasmo e a dinâmica à volta do evento continuam muito fortes. A nossa última campanha transmite a mensagem da Expo de forma ousada e convida os turistas a visitar e a experimentar aquele que é verdadeiramente o maior espetáculo do mundo. Neste momento, não há outro lugar que ofereça tantas atrações, entretenimento e eventos musicais de primeira categoria”, considera Tim Clark, presidente da Emirates Airline.

Em destaque na nova campanha está também o avião A380, a maior aeronave comercial do mundo, que apresenta uma pintura “exclusiva e alusiva à Expo 2020 Dubai”.

“O vídeo culmina num flypast sobre a impressionante cúpula Al Wasl, na Expo 2020 Dubai. Algumas cenas dos bastidores destas filmagens podem ser vistas no canal de YouTube da Emirates, bem como nas páginas de redes sociais da companhia aérea”, acrescenta a Emirates na informação divulgada.

Esta nova campanha de Emirates resulta de “um rigoroso planeamento composto por ensaios, testes e um rígido protocolo de segurança”, que envolveu “stakeholders de todo o setor da aviação do Dubai, com um especial foco na segurança em todos os momentos em que se realizam as manobras de baixa altitude com o A380″.

A nova campanha global multicanal da Emirates vai estar disponível em 12 idiomas e em 19 países, sendo exibida através plataformas televisivas, cinematográficas, digitais e na comunicação social.

“O anúncio faz parte de um investimento mais amplo de 20 milhões de dólares, que a Emirates encetou com o objetivo de gerar notoriedade, entusiasmo e, em última análise, resultar em mais visitas ao Dubai e à Expo 2020 Dubai”, acrescenta a companhia aérea.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Tráfego aéreo recupera em Portugal mas ainda fica 46% abaixo de 2019

Entre janeiro e dezembro de 2021, a NAV Portugal controlou um total de 443,6 mil voos, 45,6% menos que em 2019 mas 28% acima de 2020.

Publituris

No ano passado, o tráfego aéreo nacional recuperou 28% face a 2020, mas continuou a apresentar uma expressiva descida face aos níveis pré-pandemia, avança a NAV Portugal, empresa nacional de navegação aérea, em comunicado.

De acordo com os dados preliminares divulgado esta quinta-feira, 20 de janeiro, em 2021, a NAV Portugal controlou um total de 443,6 mil voos, o que representa “menos 45,6% do que o total de tráfego controlado em 2019, o último ano pré-pandemia e ano de referência para a aviação civil”.

“O tráfego em 2021 continuou assim bastante afetado pelo surgimento de novas vagas e variantes de Covid-19, contudo, e em comparação com 2020, registou-se uma recuperação de 28% no tráfego aéreo em Portugal ao longo do ano passado”, lê-se na informação divulgada.

Os 443,6 mil voos controlados pela NAV Portugal no ano passado comparam com os 345 mil movimentos registados no ano anterior e com os 816,3 mil voos de 2019, que tinha sido um  “ano de recorde de tráfego em Portugal”.

“Apesar de em termos globais o tráfego ter recuado 45,6% em comparação com o ano de referência, em 2021 viveram-se diferentes realidades quanto à evolução do tráfego, que começou a dar sinais de uma recuperação cada vez mais sustentada à medida do evoluir do ano”, acrescenta a NAV Portugal.

A empresa de navegação aérea nacional revela ainda que, no primeiro mês de 2021, “o tráfego estava 65,9% abaixo de janeiro de 2019” mas recuperou ao longo do ano e, em dezembro, “já se encontrava «apenas» 15,4% abaixo do mesmo mês de 2019”, o que se deveu a “uma aceleração constante sentida a partir de março”.

“Esta evolução positiva e gradual do tráfego ao longo do ano resultou em duas metades de ano completamente distintas no tráfego aéreo em Portugal. Enquanto no primeiro semestre de 2021 o tráfego gerido pela NAV Portugal ficou 66% abaixo do mesmo período de 2019, no segundo semestre a queda já se situou «apenas» em 26,5%”, sublinha a NAV Portugal.

Para 2022, a NAV Portugal conta apresentar algumas novidades, a exemplo da nova sala de operações do Centro de Controlo de Tráfego Aéreo de Lisboa, local onde é gerida “a grande maioria dos voos que todos os dias atravessam o espaço aéreo português”, assim como da entrada em operação de “um novo sistema de gestão de tráfego aéreo”.

“Estes dois investimentos, em conjunto com o realizado no Centro de Controlo Oceânico, assinalam o constante compromisso da NAV Portugal com a modernização e melhoria contínua da sua operação, assegurando uma prestação cada vez mais segura e eficiente dos serviços de navegação aérea, sendo esta a melhor forma de apoiar uma recuperação do tráfego aéreo gradual, consistente e cada vez mais sustentável”, conclui a empresa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Airbus recruta 6.000 trabalhadores em 2022

Contratação vai decorrer um pouco por todo o mundo e abrange todas as atividades do grupo Airbus, com um quarto das vagas a dirigir-se às “novas competências” ligadas à descarbonização, transformação digital e cibertecnologia.

Publituris

A Airbus vai recrutar 6.000 trabalhadores e reavaliar a necessidade de novos recrutamentos ao longo do ano, anunciou o fabricante aeronáutico europeu, que estima um aumento da produção ao longo do ano, à medida que a pandemia seja ultrapassada.

“Depois desta primeira vaga, o número de recrutamentos externos será reavaliado até meados de 2022 e ajustaremos as nossas necessidades em conformidade”, disse o diretor de recursos humanos do grupo, Thierry Baril, citado num comunicado divulgado pela Lusa.

Segundo a informação avançada, a contratação vai decorrer um pouco por todo o mundo e abrange todas as atividades do grupo Airbus, concretamente aviões comerciais, defesa, espaço e helicópteros.

A Lusa recorda que, com o impacto da pandemia na aviação, a Airbus reduziu as taxas de produção em 40% a partir de abril de 2020 e anunciou o corte de 15.000 postos de trabalho, número que acabaram por ser revistos em baixa devido às ajudas públicas, nomeadamente em França e na Alemanha.

Agora, a Airbus justifica a contratação de 6.000 funcionários com os “fortes sinais de recuperação na indústria aeroespacial” após a pandemia e a necessidade de “preparar o futuro da aviação e implementar o roteiro para a descarbonização” do transporte aéreo, segundo Thierry Baril.

Um quarto dos recrutamentos planeados dirá respeito a “novas competências” ligadas à descarbonização, transformação digital e cibertecnologia.

Durante a pandemia, a Airbus reduziu a produção de aviões de corredor único A320 (A319, A320 e A321) de 60 para 40 aviões por mês, mas já está novamente a produzir 45 aviões por mês e conta aumentar para 65 aeronaves por mês até ao verão de 2023.

O fabricante europeu prevê ainda aumentar para 75 aeronaves por mês em 2025, contando com o forte crescimento do tráfego aéreo mundial previsto a longo prazo e a necessidade de as companhias aéreas renovarem as suas frotas com aeronaves mais modernas que consumam menos combustível e, por conseguinte, emitam menos CO2.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Air Transat
Transportes

Air Transat retoma voos entre Toronto e Faro

Companhia aérea canadiana retomou esta quarta-feira, 19 de janeiro, os voos entre o Canadá e o Algarve, naquela que é a primeira vez em 20 anos que a Air Transat voa para a região nos meses de verão.

Publituris

A Air Transat retomou esta quarta-feira, 19 de janeiro, os voos entre Toronto e Faro, numa operação sazonal que está de regresso até 25 de outubro, informou a ANA – Aeroportos de Portugal em comunicado.

Na informação divulgada, a empresa que gere os aeroportos nacionais explica que esta é a primeira vez nos últimos 20 anos que a Air Transat voa para Faro no verão, uma vez que a companhia aérea canadiana tem vindo a realizar operações regulares para o aeroporto algarvio, mas apenas durante o inverno.

“A companhia tem vindo a efetuar operações regulares para o aeroporto de Faro, mas até agora com voos regulares apenas nos meses de inverno. Aliás, se considerarmos os registos dos últimos 20 anos, esta será a primeira vez que a companhia aérea opera em Faro no verão”, destaca a ANA.

A rota entre Toronto e Faro é realizada em aviões A321neoLR, com capacidade para 199 passageiros, e conta “com mais 20 movimentos no inverno IATA e mais 64 movimentos no verão”, indica a ANA.

“Com esta importante aposta da Air Transat, colocando no seu portefólio de rotas o  Algarve também como destino de verão, abrem-se novas oportunidades para o desenvolvimento do turismo na região. Será uma importante diversificação da oferta nas rotas de verão para o Aeroporto de Faro e estamos muito otimistas relativamente ao sucesso desta operação”, considera Francisco Pita, Chief Commercial Officer da ANA – Aeroportos de Portugal.

Já Joseph Adamo, Chief Sales and Marketing Officer da Air Transat, sublinha que esta rota, “que agora passa a ser anual, permite aos visitantes canadianos explorar a magnífica região do Algarve, um destino costeiro cada vez mais popular, que tem tanto para oferecer em termos de cultura e paisagens majestosas, e ao mesmo tempo oferece aos passageiros portugueses a oportunidade de descobrir o Great White North”.

A partir de Toronto, os passageiros desta rota podem ainda ter acesso às operações regulares da Air Transat para vários aeroportos no Canadá, como Vancouver, Calgary e Montreal.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Aeroportos nacionais recuperam tráfego e regressam a 73% do nível de 2019 no 4.º trimestre de 2021

Recuperação do tráfego registada entre outubro e dezembro de 2021 representa um aumento de 3,2 vezes em relação ao quarto trimestre de 2020, segundo a Vinci Airports.

Publituris

Os aeroportos portugueses geridos pela Vinci Airports registaram uma recuperação de tráfego no ano passado e, no quarto trimestre do ano, regressaram mesmo a 73% do tráfego no mesmo trimestre de 2019, o que representa um aumento de 3,2 vezes em relação ao quarto trimestre de 2020.

De acordo com os dados divulgados pela Vinci Airports esta terça-feira, 18 de janeiro, no quarto trimestre de 2021, o tráfego nos aeroportos nacionais registou “um aumento de quase 19 pontos em comparação com o trimestre anterior”.

Já os números de passageiros em ligação com as principais capitais europeias “aumentaram particularmente em outubro e novembro durante as férias de outono”, com destaque para Paris-Orly, para onde se registou uma descida de 18% face a igual período de 2021; Genebra, onde o número de passageiros desceu 12%; Amesterdão, com um decréscimo de 11% e Londres-Heathrow, que apresentou mesmo um crescimento de 2%.

Apesar dos números mais positivos, a Vinci Airports alerta que, devido à nova variante Ómicron, que provocou a quinta vaga da pandemia, “o ritmo da recuperação mostrou alguns sinais de abrandamento no final do ano”.

No total, os aeroportos geridos pela Vinci Airports em todo o mundo processaram quase 32 milhões de passageiros no quarto trimestre de 2021, menos 46% do que em comparação com o mesmo período em 2019, “mas mais do dobro do número no quarto trimestre de 2020”, destaca a empresa que gere os aeroportos portugueses.

No que diz respeito ao acumulado do ano, os números também mostram alguma recuperação, ainda que mais tímida, uma vez que foram processados “cerca de 86 milhões de passageiros”, valor que fica “66% abaixo de 2019 mas 12% acima relativamente a 2020”.

“Após resultados muito encorajadores em outubro e novembro (-48% e 44%, respetivamente), o final do ano foi marcado por um ressurgimento da pandemia em alguns países devido ao aparecimento da variante Omicron. No entanto, ao contrário da situação no final de 2020, os Governos não impuseram medidas de limitação de viagens tão restritivas, preferindo confiar no rastreio e nas elevadas taxas de vacinação na maioria dos países”, justifica a Vinci Airports, no comunicado divulgado.

De acordo com a empresa de gestão aeroportuária, “a recuperação do tráfego de passageiros continuou, portanto, no quarto trimestre de 2021, na maior parte dos aeroportos da rede”, sendo que uma análise mais detalhada permite perceber que na República Dominicana e na Costa Rica, “o tráfego continua a manter-se próximo dos níveis registados em 2019, enquanto Portugal, Reino Unido, Sérvia e Chile, apresenta um número de passageiros duas a quatro vezes mais elevado do que no quarto trimestre de 2020”.

“Além disso, o Camboja e o Chile reabriram, neste último trimestre, as fronteiras aos viajantes internacionais depois de meses de fronteiras fechadas. Ilustrando esta tendência positiva, o fator médio de carga das aeronaves que operam nos aeroportos da rede VINCI Airports aumentou para 70% em outubro e novembro pela primeira vez desde o início da crise”, acrescenta a Vinci Airportos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Depois da Praia e São Vicente CVA anuncia ligações entre o Sal e Lisboa

A Cabo Verde Airlines (CVA) anunciou que vai recomeçar a sua operação entre o Sal e Lisboa no próximo dia 11 de fevereiro com um voo semanal, marcando a retoma das ligações internacionais a partir daquele ilha turística.

Publituris

Depois de ter retomado no final do ano as ligações entre a cidade da Praia e Lisboa, e de estar agendado para o próximo dia 03 de fevereiro a operação com partida de São Vicente, a Cabo Verde Airlines (CVA) anunciou que vai passar a voar entre a ilha do Sal e a capital portuguesa, a partir de 11 de fevereiro, marcando assim o reinício de ligações internacionais desde aquela ilha turística.

Em comunicado, a Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) — CVA (nome comercial) refere que a ligação Sal – Lisboa – Sal será a próxima rota a ser operada pela companhia, que voltou a voar em dezembro, após 21 meses sem atividade comercial devido à pandemia de covid-19.

Os voos semanais envolvendo o Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, naquela ilha cabo-verdiana, arrancam em 11 de fevereiro, com a ligação entre Lisboa e o Sal, às sextas-feiras, e do Sal para Lisboa, aos sábados.

“Conforme plano de retoma, a companhia está a introduzir, de forma gradual, mais voos com base na evolução da pandemia da COVID-19 e a recuperação dos mercados emissores”, recorda o comunicado citado pela Lusa.

A TACV retomou as operações na rota Lisboa – Praia em 27 de dezembro, coincidindo com o 63.º aniversário da companhia aérea cabo-verdiana, depois de um interregno iniciado em março de 2020, na sequência das limitações internacionais impostas para conter a pandemia.

Entretanto, a companhia anunciou que vai reiniciar as operações semanais na rota Lisboa – Mindelo, ilha de São Vicente, em 03 de fevereiro.

No final de dezembro, após assembleia-geral extraordinária, a presidente da companhia, Sara Pires, previu também o regresso dos voos entre Praia e Boston (Estados Unidos da América), no segundo trimestre. Já ni início deste ano, a executiva avançou que a transportadora de bandeira cabo-verdiana pretende retomar ligações a Paris e ao marcado brasileiro.

A companhia está a voar com um avião, com duas ligações semanais Praia – Lisboa, mas segundo a presidente deverá introduzir um novo aparelho no segundo trimestre deste ano e até final de 2023 ter três aviões a voar com as suas cores.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Empresas de David Neeleman não estão falidas e empresário quer pedido de desculpas de António Costa

Antigo acionista da TAP acusa o primeiro-ministro de ter “faltado à verdade” quando disse que as empresas de David Neeleman estavam falidas e lembra a criação da Breeze Airways nos EUA, que nasceu em “plena pandemia”.

Publituris

O empresário e ex-acionista da TAP, David Neeleman, reagiu esta terça-feira, 18 de janeiro, às palavras de António Costa, acusando o primeiro-ministro e líder do Partido Socialista (PS) de ter “faltado à verdade” num debate para as eleições legislativas de 30 de janeiro, uma vez que, apesar do período difícil por que a aviação tem passado com a pandemia, nenhuma das suas “empresas foi à falência nem foi sujeita a qualquer tipo de intervenção similar até à presente data”.

Num comunicado enviado à Lusa, David Neeleman considera que, no debate que opôs António Costa a Rui Rio, presidente do Partido Social Democrata (PSD), a 13 de janeiro, o primeiro-ministro e secretário-geral do PS proferiu “afirmações falsas”, que afetaram o seu “nome e reputação”, quando disse que o Estado nacionalizou a TAP “para prevenir precisamente que aquele privado que lá estava e que não merecia confiança, não daria cabo da TAP no dia em que fosse à falência'”.

Na reação enviada à Lusa, o empresário explica que “desde o início” da sua carreira teve “a oportunidade de criar cinco empresas de aviação em diferentes países como os Estados Unidos da América, Canadá e Brasil” e que, “apesar de nos dois últimos anos a indústria da aviação ter passado pela sua maior crise de sempre, nenhuma dessas empresas foi à falência nem foi sujeita a qualquer tipo de intervenção similar até à presente data”.

“Ao contrário do que o Dr. António Costa disse nesse debate, todas as empresas de aviação que fundei foram e continuam a ser projetos de grande sucesso com valorizações consideráveis para os seus ‘stakeholders’, tendo demonstrado ser sustentáveis e resilientes o suficiente para sobreviver neste cenário de crise”, reforça David Neeleman na nota enviada à Lusa.

David Neeleman garante que nenhuma das suas empresas está falida e diz até que isso pode ser comprovado, uma vez que  “há muita informação sobre essas empresas, desde logo por serem cotadas”, considerando, por isso, que não é necessário “detalhar a situação de cada uma delas”, ainda que destaque notícias que dão conta dos “enormes sucessos” da Jet Blue e da Azul, assim como do mais recente projeto do empresário nos EUA, a Breeze Airways, que “iniciou atividade em plena pandemia”.

“É com surpresa que noto que o Dr. António Costa entende que eu não sou merecedor de ‘confiança’, isto depois de após o início da pandemia o Dr. António Costa ter reconhecido em 30 de abril de 2020 em entrevista à RTP que a TAP até à pandemia estava a executar o plano estratégico que tinha sido aprovado pelo Estado”, acrescenta David Neeleman, que quer um pedido de desculpas por parte do primeiro-ministro.

“O Dr. António Costa faltou à verdade e com as suas declarações afetou o meu nome e a minha reputação, pelo que espero um pedido de desculpas”, lê-se na nota enviada à Lusa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros oferece “Cruise & Golf”

A Costa Cruzeiros vai possibilitar aos entusiastas do golfe jogar em alguns clubes no Mediterrâneo ocidental, ao mesmo tempo que desfrutam de uma viagem a bordo do Costa Smeralda. A nova oferta “Cruise & Golf” vai estar disponível a partir de maio, com reservas a abrir a 01 de fevereiro.

Publituris

A Costa Cruzeiros apresenta uma nova oferta desenhada especificamente para os entusiastas de golfe e famílias. A “Cruise & Golf” permitirá combinar uma experiência de golfe com a descontração e o divertimento a bordo do Costa Smeralda.

Ao reservar “Cruise & Golf”, os entusiastas desta modalidade desportiva terão a oportunidade de jogar em alguns clubes de Itália, França e Espanha durante as escalas dos cruzeiros. Enquanto isso, as suas famílias poderão desfrutar dos serviços a bordo ou explorar os destinos através das excursões organizadas pela empresa.

A nova oferta “Cruise & Golf” vai estar disponível a partir do próximo mês de maio, a bordo do Costa Smeralda, nos cruzeiros de uma semana no Mediterrâneo ocidental, com visitas em Savona, Marselha, Barcelona, Palma de Mallorca, Palermo, Civitavecchia/Roma. As reservas vão abrir a partir de 01 de fevereiro.

Entretanto, a companhia de cruzeiros, é “Official Cruise Line” da Ryder Cup 2023, a mais importante competição por equipas de golfe, que irá decorrer pela primeira vez em Itália, no Marco Simone Golf & Country Club em Roma, de 29 de setembro a 1 de outubro de 2023.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Toda a informação sobre o sector do turismo, à distância de um clique.

Assine agora a newsletter e receba diariamente as principais notícias do Turismo. É gratuito e não demora mais do que 15 segundos.

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.