Assine já
Alojamento

Hóspede de quatro patas

Os animais de estimação são parte integrante de um número cada vez maior de famílias. Os seus donos querem partilhar as férias com eles, mas nem todos os hotéis estão preparados para os receber. Saiba quais as vantagens de ser ‘pet-friendly’.

Raquel Relvas Neto
Alojamento

Hóspede de quatro patas

Os animais de estimação são parte integrante de um número cada vez maior de famílias. Os seus donos querem partilhar as férias com eles, mas nem todos os hotéis estão preparados para os receber. Saiba quais as vantagens de ser ‘pet-friendly’.

Sobre o autor
Raquel Relvas Neto
Artigos relacionados
Real Marina Residence é pet-friendly
Homepage
Convento do Espinheiro Historic Hotel & Spa é ‘pet friendly’
Alojamento
Pestana Algarve Race Apartments é pet friendly
Homepage
Onyria Quinta da Marinha remodela villas
Homepage

Os animais de estimação são parte integrante de um número cada vez maior de famílias. Os seus donos querem partilhar as férias com eles, mas nem todos os hotéis estão preparados para os receber. Saiba quais as vantagens de ser ‘pet-friendly’.

Os donos de animais são apaixonados pelos seus amigos de quatro patas e muitos querem levá-los juntamente para desfrutar das suas férias. Segundo um estudo realizado pelo TripAdvisor nos Estados Unidos da América, 44% dos inquiridos pretendem levar os seus animais nas suas viagens nos próximos 12 meses, enquanto 77% já o fizeram no ano passado.

Destes, pelo menos 64% optam por ficar numa unidade hoteleira durante as suas férias com os seus animais de estimação, onde valorizam a existência de uma área para animais, ‘pet-sitters’ e menus de serviço de quarto para animais de estimação. 28% dos inquiridos afirmam mesmo que desistem de viajar para determinado destino se este não tiver acomodações para animais de estimação.

Mas o que leva os donos a viajarem com os seus animais de estimação? Sobretudo por desfrutarem da companhia destes, segundo 45% dos inquiridos do TripAdvisor, mas também por sentirem que o seu animal fica nervoso na ausência dos donos e porque acham que é mais acessível levá-los do que deixá-los num canil ou ‘pet sitter’.

Na verdade existem algumas dificuldades em arranjar uma unidade hoteleira que seja ‘pet friendly’. Em Portugal, ainda existe um número limitado de hotéis ‘pet-friendly’, mas os que existem prometem uma estadia agradável aos hóspedes de quatro patas.

No Penha Longa, em Sintra, Vanessa Tomé, directora de marketing e relações públicas do resort, explica que “pretendemos proporcionar uma estadia memorável não apenas aos nossos hóspedes, mas também ao seu animal de estimação”, recebendo-os assim de uma forma “personalizada”.

O Marriott Lisbon Hotel, em Lisboa, “está apto para receber animais de estimação como recebe os seus hóspedes”, indica Ana Caetano, directora de relações públicas do quatro estrelas, desde que estes cumpram regras de higiene, saúde e convivência. A responsável explica que na cadeia de hotéis Marriott “os animais de estimação são considerados parte da família e tratados com o mesmo nível de excelência como todos os viajantes”.

No que refere à Novotel, com três unidades em Portugal, esta permite aos seus hóspedes que se façam acompanhar pelos seus animais de estimação. “Somente o acesso ao quarto está autorizado. O acesso aos restantes locais públicos, nomeadamente bar, restaurante, terraço, salas de reunião e piscina está interdito aos animais de companhia”, à excepção dos cães-guia.

Facilidades

Os hotéis ‘pet-friendly’ têm uma série de comodidades para receber da melhor forma os hóspedes de quatro patas. No Penha Longa Resort, os animais de estimação têm tratamento de luxo. Nos quartos são disponibilizadas várias facilidades, como uma cama confortável para o animal de estimação, bebedor e comedor, toalha de banho, manta, um cartão para pendurar na porta a alertar para a sua presença e “até um amenitie do nosso chef para dar as boas-vindas ao nosso “convidado de estimação” e um brinquedo”, explica a responsável do resort. Mas as férias dos animais de estimação no resort têm até animação adequada. Vanessa Tomé indica que existe o serviço de passeio recreativo, que garante “passeios divertidos e prazerosos nos nossos jardins espaçosos e verdejantes”. Para que nada falte durante a estadia, é facultada ainda uma lista de serviços úteis, como contactos de hospital e clínica veterinária mais próximos, lojas de animais e spa para banhos e tosquias. “Podemos ainda disponibilizar serviço de compra e entrega mediante pedido”, complementa. No Penha Longa Resort, os animais podem percorrer as áreas públicas e jardins do hotel, mas com trela ou transportados ao colo dos donos. As únicas zonas onde não são permitidos, são nos restaurantes, à excepção de cães-guias.

Em plena Avenida da Liberdade, o Sofitel Lisbon Liberdade tem um carta de ‘room service’ especial, denominada “Cantina dos melhores amigos do homem”, com um menu especial para os animais. Também o Concierge da unidade de cinco estrelas dispõe de uma lista de veterinários e lojas de animais para recomendar aos clientes.

No Marriott Lisboa Hotel, os animais de estimação têm a permissão de dormir com o dono e é fornecida uma manta e facultado um espaço para que o dono possa fazer as refeições acompanhado do animal de estimação. É também entregue no ato de check-in um cartão com a indicação da presença do animal de estimação para o hóspede colocar na porta do quarto.

Nos Altis Hotels – Altis Prime, Altis Avenida Hotel, Altis Park Hotel e Altis Suites – são disponibilizados cama, comedouro e bebedouro. No cinco estrelas do grupo acresce ainda biscoitos para dar as boas-vindas.

Posicionamento do hotel

À semelhança dos hotéis ‘adults only’, o facto de ser ‘pet friendly’ pode trazer consequências negativas e positivas para o posicionamento de uma unidade hoteleira no mercado, ao ponto de algumas preferirem não exporem publica e comercialmente que são ‘pet-friendly’. Para os hotéis que contactámos, ser ‘pet-friendly’ tem sido positivo para a operação e até para o reconhecimento junto dos clientes.

No que diz respeito à unidade da Marriott International, Ana Caetano explica que as unidades da cadeia hoteleira “têm ganho uma fatia de mercado que está a crescer, porque muitos são os que deixam de ir para um hotel por não aceitarem animais. O ‘feedback’ dos clientes é muito positivo e são muitos os clientes que nos procuram”, reforçando ainda que as unidades nunca foram alvo de crítica por parte dos clientes que viajam sem animais.

Nas unidades ‘pet-friendly’ dos Altis Hotels, o ‘feedback’ dos clientes que trazem os seus animais de estimação é “bastante favorável e nada afecta o normal funcionamento do hotel”.

Vanessa Tomé indica que “sabemos que cada animal de estimação é um elemento da família e por isso consideramos e antecipamos as suas necessidades, garantindo-lhe o mesmo respeito e atenção genuína. Quando decidem voltar sabemos que reservaram com a segurança e certeza de que tudo faremos para que tenham uma estadia única”.

Espalhadas um pouco por todo o País, as unidades ibis hotels e íbis budget, do grupo francês Accor, recebe animais de estimação de pequeno porte. O responsável pela marca em Portugal revela que “Os clientes ficam muito agradados e sensibilizados pelo facto de poderem trazer o seu animal de estimação para os hotéis ibis. Por outro lado, os hotéis ibis oferecem a garantia da certificação de qualidade ISO 9001, que representa uma segurança para os clientes. Quando os clientes se fazem acompanhar do seu animal de companhia, a higienização do quarto será mais profunda, tanto nos hotéis ibis como ibis budget”.

*Artigo publicado na edição n.º 104 da Publituris Hotelaria.

 

Sobre o autorRaquel Relvas Neto

Raquel Relvas Neto

Mais artigos
Artigos relacionados
México
Destinos

México recebe mais de 10M de turistas internacionais no 1.º semestre e ultrapassa 2019

No primeiro semestre de 2022, o México recebeu 10.266.000 turistas internacionais, número que ultrapassa em 1,5% o resultado contabilizado em igual período de 2019.

No primeiro semestre de 2022, o México recebeu 10.266.000 turistas internacionais, número que ultrapassa em 1,5% o resultado contabilizado em igual período de 2019, ainda antes da chegada da pandemia da COVID-19.

De acordo com o jornal espanhol Hosteltur, os EUA continuaram a ser o principal mercado emissor de turistas internacionais para o México, contabilizando 6.660.000 turistas que chegaram ao país por via aérea, o que traduz um aumento de 50,5% face ao primeiro semestre de 2021 e uma subida de 19,1% face a período homólogo de 2019.

Os números avançados pela Unidade de Política Migratória, Registro e Identidade de Pessoas mexicana indicam que, além dos EUA, também o Canadá é um importante mercado emissor de turistas internacionais para o México, ocupando a segunda posição, com 859.580, o que corresponde a um aumento de 443,4% face ao primeiro semestre de 2021.  Na comparação com o mesmo período de 2019, o mercado canadiano ficou ainda 40,5% abaixo dos 1.445.000 turistas que tinham sido contabilizados.

Já a terceira posição no ranking de mercados emissores de turistas para o México ficou a Colômbia, com 412.542 turistas que chegaram ao país por via aérea, o que traduz uma subida de 191,9% face aos seis primeiros meses de 2021 e 49,1% acima do mesmo período de 2019.

As restantes nacionalidades contabilizaram 2.334.000 turistas nos primeiros seis meses do ano, o que representa um aumento de 136,1% face ao primeiro semestre de 2021, com uma quota de mercado de 22,7%.

O aeroporto de Cancun, um dos principais destinos turísticos do México, recebeu, entre janeiro e junho,  4.823.000 passageiros internacionais, número que ficou 83,8% acima de igual período do ano passado, enquanto o aeroporto da capital mexicana contabilizou a chegada de 1.974.000 turistas, o que revela uma subida homóloga de 111,2%. Já o aeroporto de Los Cabos recebeu 1.125.000, o que também traduz uma forte subida face a igual período de 2021, que chegou aos 51,6%.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo SATA ultrapassa 1M de passageiros transportados mais cedo que em 2019 e 2021

Marca de um milhão de passageiros transportados foi atingida a 31 de julho, dez semanas mais cedo do que no ano de 2021 e dias antes do ocorrido no ano pré-pandémico de 2019.

As companhias aéreas do Grupo SATA celebraram a 31 de julho a chegada à marca de um milhões de passageiros transportados, resultado que, este ano, foi alcançado mais cedo que em 2021 e até que em 2019, antes da chegada da pandemia da COVID-19.

“A marca simbólica de um milhão de passageiros transportados acabou por ser alcançada antes mesmo do registado em 2019, sendo que a 31 de julho de 2022, o grupo SATA atingia a marca de 1 milhão de passageiros transportados. Em suma, dez semanas mais cedo do que no ano de 2021 e dias antes do ocorrido no ano pré-pandémico de 2019”, destaca o grupo de aviação açoriano, que detém as companhias aéreas Azores Airlines e SATA Air Açores.

De acordo com um comunicado do grupo, numa comparação com os dados contabilizados a 31 de julho de 2019 e de 2021, verifica-se um aumento de 3% no número de passageiros transportados quando comparado com o ano de 2019, e de 83%, se comparado a igual período de 2021.

No comunicado enviado à imprensa, o Grupo SATA lembra que a primeira vez que a SATA Air Açores atingiu a marca de um milhão de passageiros foi em 1977, 30 anos depois do início de operação da companhia aérea, que começou a voar em 1947.

“Atualmente, as companhias aéreas transportam mais de um milhão de passageiros a cada ano que passa”, congratula-se o Grupo SATA.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

REVIVE abre novo concurso para a concessão do Paço Real de Caxias

O Paço Real de Caxias, em Oeiras, deverá ser concessionado por um período de 50 anos, com uma renda mínima anual de 174.912 euros, devendo os interessados apresentar as suas propostas num prazo de 48 dias.

O Programa REVIVE lançou esta quinta-feira, 4 de agosto, um novo concurso para a concessão e e recuperação para fins turísticos do Paço Real de Caxias, edifício histórico em Oeiras que já tinha sido alvo de um concurso em 2020, mas cujos termos do contrato se tornaram inviáveis devido ao surgimento da pandemia da COVID-19.

Com este novo concurso, pretende-se concessionar o Paço Real de Caxias por um período de 50 anos, com uma renda mínima anual de 174.912 euros, devendo os interessados apresentar as suas propostas num prazo de 48 dias.

De acordo com um comunicado enviado à imprensa, o novo concurso conta com “condições idênticas às do concurso anterior”, estimando-se um investimento de recuperação na ordem dos 11 milhões de euros para colocar o edifício ao serviço do turismo. A área de construção total é de 5.817 m2.

Recorde-se que o Paço Real de Caxias é um imóvel construído em meados do século XVII e que se encontra classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1953, tendo sido um dos 33 imóveis inscritos na primeira fase do Revive, que neste momento integra já 52 imóveis.

Segundo o comunicado divulgado pelo Programa REVIVE, este imóvel já tinha sido sujeito a concurso e concessionado em março de 2020, no entanto, com a chegada da pandemia da COVID-19, os termos do contrato tornaram-se inviáveis, o que levou à sua revogação e ao lançamento do novo concurso.

Além do Paço Real de Caxias, atualmente, estão abertos concursos para a concessão da Casa Grande, em Pinhel, e da 7.ª Bateria do Outão, no Parque Natural da Arrábida, concelho de Setúbal, estando ainda a decorrer os concursos lançados para concessão dos Fortes de S. João e de S. Pedro, em Cascais.

Toda a informação sobre o novo concurso para a concessão do Paço Real de Caxias vai estar disponível no site do Programa REVIVE a partir desta quinta-feira, 4 de agosto.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Air Europa estabelece acordo de interline com a Viva Air

Com o acordo de interline com a Viva Air, os passageiros da Air Europa passam a dispor de conexões desde Bogotá e/ou Medellín para 18 cidades colombianas, assim como de Lima para Cuzco, no Peru.

A Air Europa estabeleceu um acordo de interline com a Viva Air, companhia aérea ultra low cost colombiana, que vai reforçar a oferta de voos da companhia aérea da companhia aérea espanhola na Colômbia e Peru, a partir do início deste mês.

Num comunicado enviado à imprensa, a Air Europa explica que, com este acordo, os seus passageiros passam a dispor de conexões desde Bogotá e/ou Medellín para 18 cidades colombianas, assim como de Lima para Cuzco, no Peru.

Cali, Pereira, Montería, Riohacha, Cúcuta, Bucaramanga são algumas das cidades para onde os passageiros da Air Europa podem agora voar na Colômbia, às quais se juntam ainda destinos na Costa Atlântica e caraíbas, tais como, San Andrés, Cartagena e Santa Marta.

Com este acordo de interlline, os passageiros da Air Europa podem voar para os destinos da Viva Air na Colômbia e Peru com um único bilhete, numa parceria que vai reforçar a presença da companhia aérea nesta região da América Latina.

“O acordo a que chegámos com a Viva Air completa a nossa presença na Colômbia e no Perú, e permite-nos colocar à disposição dos nossos clientes mais de 18 novas cidades. Este aumento na rede interna de novos destinos consolida a nossa posição e marca e abre-nos novas oportunidades internacionais. Com a Viva Air facultamos um melhor serviço e reiteramos o nosso compromisso com ambos os mercados, estratégicos para a nossa companhia”, destaca Estelle Leray, diretora de Alianças e Customer Experience de Air Europa.

Já Carlos Orellana, responsável de alianças da Viva Air, considera que “alcançar este acordo com Air Europa permitirá aos passageiros contar com mais itinerários alternativos, conectando-se à rede de destinos operados pela Viva Air”, nomeadamente a partir do hub da companhia aérea em Medellín, a partir do qual a low cost colombiana voa para 43 destinos domésticos na Colômbia e no Peru.

A Viva Air é uma companhia aérea ultra low cost colombiana que conta com uma frota de 23 aviões que é considerada a mais moderna da Colômbia, a segunda da América do Sul e a quarta do mundo. A companhia aérea voa na Colômbia há 10 anos e está presente no Peru há cinco anos e, nos próximos anos, conta abrir 30 novas rotas domésticas e internacionais.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Homepage

The Vintage Hotel & Spa Lisboa entra no portfólio da Small Luxury Hotels of the World

A marca é constituída por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo, com uma média de 50 quartos por unidade.

O The Vintage Hotel & Spa Lisboa, unidade de cinco estrelas gerida pela Bomporto Hotels, passa a constar no portfólio da Small Luxury Hotels of the World (SLH), uma marca de luxo que reúne unidades hoteleiras com características únicas e de carácter independente. A primeira unidade do grupo Bomporto a integrar a marca foi o The Lumiares Hotel & Spa Lisboa, em novembro de 2019.

O Small Luxury Hotels of the World (SLH) é constituído por uma comunidade de hotéis independentes e conta com 520 pequenos hotéis em todo o mundo. Com uma média de 50 quartos por unidade, as propriedades SLH “têm características únicas, com os mais altos padrões de luxo e bem-estar”, como indicado em comunicado.

“A integração da nossa segunda unidade hoteleira na SLH vem reforçar a estratégia de desenvolvimento de negócio e a notoriedade no segmento de luxo. É um selo de qualidade e uma afiliação de renome e prestígio que contribui para a promoção das nossas unidades a nível internacional. ” afirma Nick Roucos, diretor-geral da Bomporto Hotels.

Localizado entre o Príncipe Real e a Avenida da Liberdade, o The Vintage Hotel & Spa Lisboa, boutique hotel de cinco estrelas, é composto por 56 quartos com uma decoração assente no design vintage e traços contemporâneos.  Combinando peças únicas de mobiliário vintage, produzidas especialmente para o hotel, e algumas reproduções feitas à medida, a estética do espaço reflete uma decoração contemporânea e simultaneamente apresenta o melhor do design dos anos 50, 60 e 70.

A unidade oferece diferentes atmosferas em cada um dos espaços que o compõem, tanto no rooftop bar, com um jardim vertical e vista para a capital, como nas diferentes áreas lounge, salas de estar e no spa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

SETCS espera fechar 2022 com receitas turísticas superiores a 2019

Rita Marques revelou também, durante uma visita ao Algarve, que vai ser realizada uma missão empresarial para atrair trabalhadores estrangeiros para o turismo português, que deverá ter lugar no último trimestre do ano.

Inês de Matos

A secretária de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Rita Marques, mostra-se confiante quantos aos resultados turísticos e acredita que o país tem “todas as condições para fechar o ano de 2022 com valores de receita turística que ultrapassarão” os de 2019, quando as receitas turísticas somaram 18,7 mil milhões de euros, naquele que foi um ano recorde para a atividade turística nacional.

“Depois de dois anos muitos difíceis para o setor do turismo, temos muito boas expetativas relativamente ao mês de agosto e, portanto, achamos que temos todas as condições para fechar o ano de 2022 com valores de receita turística que ultrapassarão aquelas que obtivemos em 2019”, admitiu a governante em declarações aos jornalistas, durante uma visita ao Algarve, que decorreu esta terça-feira, 2 de agosto.

Rita Marques lembrou que o Banco de Portugal (BdP) reviu, recentemente, em alta as perspetivas para este ano relativamente às receitas turísticas, estimando que, no final de 2022, este indicador fique 4,2% acima do valor apurado em 2019.

Durante a visita, Rita Marques falou também do problema da escassez de recursos humanos que afeta atualmente o setor e, além de admitir que Portugal precisa de 45 a 50 mil trabalhadores para o turismo, revelou que está a ser preparada uma missão empresarial para garantir que o país recebe trabalhadores provenientes dos países de língua portuguesa, que gozam do recentemente aprovado um regime de entrada e permanência no país.

“O objetivo é levar uma comitiva de empresários portugueses que estejam à procura de reforçar os mapas de pessoal, identificando trabalhadores dessas geografias que estejam interessados em vir para Portugal e que os serviços consulares possam depois administrativamente despachar favoravelmente os vistos e possamos trazer connosco os trabalhadores que pretendem ingressar neste setor de atividade”, explicou Rita Marques, revelando que esta missão deverá acontecer no último trimestre do ano.

Para Rita Marques, a nova lei veio introduzir “alterações muitíssimo relevantes e substanciais na emissão de vistos, designadamente no âmbito dos países que ratificaram o acordo da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]”.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Destinos

Governo cria grupo de trabalho para agilizar emissão de vistos

O Turismo de Portugal é um dos organismos que vão estar representados neste novo grupo de trabalho.

Publituris

O Governo criou um grupo de trabalho para coordenar e acompanhar a emissão de vistos, com o objetivo de agilizar o procedimento, avança a Lusa, que cita um despacho da Presidência do Conselho de Ministros, publicado esta terça-feira, 2 de agosto, em Diário da República.

No texto do documento, a Presidência do Conselho de Ministros explica que este grupo de trabalho surge pela “necessidade de organização de fluxos regulares, seguros e ordenados de migrações, o combate à migração ilegal e ao tráfico de seres humanos a ela associado, assim como a regulação e agilização de condições para a entrada e permanência de cidadãos em Portugal”.

Este grupo de trabalho tem como objetivo a simplificação dos processos relativos aos pedidos de visto para tornar mais rápida a sua concessão e “acompanhar todo o processo de circuito de vistos”.

Além da simplificação e acompanhamento do processo de emissão de vistos, o grupo de trabalho vai também propor medidas para reforçar os recursos humanos nos postos consulares com mais pedidos de vistos e avaliar “a necessidade de colocação de elementos do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) e IEFP, I. P. (Instituto do Emprego e da Formação Profissional), nos postos mais sujeitos a pressão”.

A missão deste grupo de trabalho, que inclui representantes da Direção-Geral dos Assuntos Consulares, do SEF, do Alto Comissariado para as Migrações, do Turismo de Portugal, do Instituto do Emprego e da Formação Profissional, do Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da Construção, e do Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral, passa por “estabelecer um canal de comunicação permanente entre as entidades, das distintas áreas governativas, envolvidas nos processos de visto”.

Além de representantes dos institutos e organismos referidos, o grupo vai ainda contar com a participação de “um elemento de cada gabinete das referidas áreas governativas”, segundo o texto do documento, que entra em vigor esta quarta-feira, 3 de agosto.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Grupo Royal Caribbean suspende teste COVID-19 antes do embarque já este mês

Grupo de companhias de cruzeiros vai suspender já na próxima segunda-feira, 8 de agosto, o teste antes do embarque para passageiros vacinados contra a COVID-19 em cruzeiros até cinco dias e espera alargar a suspensão a todos os cruzeiros em breve.

Inês de Matos

O Grupo Royal Caribbean deverá suspender os testes COVID-19 antes do embarque para passageiros vacinados em cruzeiros até cinco dias já a partir da próxima segunda-feira, 8 de agosto, avança o jornal britânico especialista em turismo Travel Weekly, que cita Jason Liberty, presidente e CEO do grupo de companhias de cruzeiros.

De acordo com o responsável, a suspensão dos testes aplica-se, numa primeira fase, apenas aos cruzeiros até cinco dias, ainda que Jason Liberty admita que a sua abolição se venha a estender aos restantes cruzeiros dentro de pouco tempo.

“Assim que o teste nos EUA foi suspenso, assistimos a um aumento de 9% a 10% nas reservas para viagens de 2022. Ganhámos bastante terreno desde que essa exigência foi levantada”, afirmou o responsável, durante a apresentação dos resultados trimestrais do grupo, na passada quinta-feira, 28 de julho.

Tal como o presidente e CEO do Grupo Royal Caribbean, também Michael Bayley, presidente e CEO da Royal Caribbean, uma das mais conhecidas companhias de cruzeiros do grupo, concorda que a suspensão dos testes deverá atrair um maior número de cruzeiristas, até porque, explicou, cerca de 40% dos clientes da companhia que receberam crédito para um futuro cruzeiros ainda não o utilizaram e estão à espera que a exigência do teste deixe de existir.

“Esperamos ver um aumento nas reservas”, acrescentou Jason Liberty, admitindo que o Grupo Royal Caribbean espera que 2023 já seja um ano “normal”, com melhores taxas de ocupação e um EBITDA mais elevado.

O responsável mostra-se confiante na recuperação que as companhias de cruzeiros do grupo têm vindo a apresentar, motivo pelo qual afirma que 2022 é um “ano de transição”, ao longo do qual o grupo espera ver aumentar os níveis de ocupação.

“Estou confiante em nossa trajetória de recuperação”, afirmou, explicando que o grupo tem assistido a uma forte procura na Europa para 2023, que tem vindo a aumentar à medida que o verão vai decorrendo.

“Esperamos que a Europa se comporte de forma muito semelhante a 2019”, indicou ainda Jason Liberty, revelando que, neste momento, a ocupação na Europa ronda os 75%, muito por culpa do impacto do conflito militar na Ucrânia.

Recorde-se que, além da Royal Caribbean International, o Grupo Royal Caribbean conta também com as companhia de cruzeiros Celebrity Cruises e Silversea Cruises, sendo representado em Portugal pela Melair Cruzeiros.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos

NORTRAVEL – “CABO VERDE”

Com Voos especiais TAP Air Portugal todo o ano de Lisboa e Porto aproveite para visitar as praias da ilha do Sal e da Boa Vista, dois ex-líbris das férias de praia.

Brand SHARE

Cabo Verde é um destino de excelência. As suas ilhas fazem as delícias aqueles que visitam as maravilhas cabo-verdianas.

Com Voos especiais TAP Air Portugal todo o ano de Lisboa e Porto aproveite para visitar as praias da ilha do Sal e da Boa Vista, dois ex-líbris das férias de praia. Sal tem uma beleza singular, com as suas praias de areia dourada, águas límpidas e cristalinas, e recifes de coral multicoloridos e Boa Vista é – considerada a ilha da tranquilidade – é um paraíso tropical de rara beleza natural, onde os extensos areais de areia branca e fina contrastam com o mar azul-turquesa, de águas tépidas durante todo o ano.

A Nortravel tem também disponível o circuito “À Descoberta de Cabo Verde” com partidas TAP Air Portugal semanais, até abril de 2023 de Lisboa e Porto. Trata-se de um programa de 8 dias, visitando as ilhas de Santiago, São Vicente e Santo Antão, incluindo 7 visitas, 13 refeições (bebidas não incluídas), alojamento em hotéis de 4 estrelas, ou similares, e 7 pequenos-almoços buffet.

O operador informa ainda que a oferta está disponível em www.nortravel.pt para reservar online com confirmação imediata.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
Alojamento

Tráfego de passageiros da Ryanair sobe 81% em julho e chega aos 142 milhões de passageiros no acumulado

Entre janeiro e julho, a Ryanair transportou já 142 milhões de passageiros, o que indica uma subida de 255% no tráfego acumulado.

Publituris

A Ryanair transportou 16,8 milhões de passageiros em julho, número que traduz uma subida de 81% face aos 9,3 milhões de passageiros que a companhia aérea tinha transportado em igual mês do ano passado, quando a pandemia da COVID-19 ainda se fazia sentir, informou a transportadora de baixo custo em comunicado.

Em julho, a Ryanair registou também uma forte melhoria no load factor dos 92.300 voos realizados, que se situou nos 96%, tendo subido 16 pontos percentuais face aos 80% de ocupação que a companhia aérea tinha registado em julho de 2021.

No acumulado do ano, a Ryanair transportou já 142 milhões de passageiros, o que quer dizer que a companhia aérea apresentou uma subida de 255% no tráfego acumulado até julho, uma vez que, em igual período do ano passado, tinha transportado 40 milhões de passageiros.

Já o load factor até julho foi de 87%, o que traduz um aumento de 14 pontos percentuais face aos 73% de ocupação que a Ryanair tinha apresentado entre janeiro e julho de 2021, num período ainda crítico para a aviação devido à pandemia da COVID-19.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.