Assine já
Destinos

Novo centro de atendimento de vistos de Portugal em Pequim

Espaço conta com cinco guichets, um dos quais reservado para ‘vistos gold’.

Publituris
Destinos

Novo centro de atendimento de vistos de Portugal em Pequim

Espaço conta com cinco guichets, um dos quais reservado para ‘vistos gold’.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
Vistos para Portugal concedidos a argelinos aumentam
Destinos
Portugal e Angola analisam vistos para empresários
Angola
Airbus fecha fábrica perto de Pequim por tempo indeterminado devido ao coronavírus
Homepage
China endurece restrições para passageiros com origem em Portugal
Homepage

O espaço, gerido por uma multinacional do sector, funciona fora da Embaixada de Portugal e conta com cinco guichets, um dos quais reservado para ‘vistos gold’, avança a agência Lusa.

Recorde-se que os ‘vistos gold’ garantem a autorização de residência e livre circulação no espaço Schengen a quem compre uma casa no valor igual ou superior a 500 mil euros, que faça um depósito de um milhão de euros num banco português ou então constitua uma empresa que crie, pelo menos, dez postos de trabalho.

 

Vistos para Portugal na China aumentam mais de 60%

O número de vistos concedidos pela Embaixada de Portugal na China cresceu em mais de 60% durante ano, para cerca de 4.200 em sete meses e meio.

Segundo a agência Lusa, fonte diplomática referiu que “até meados de Agosto já tínhamos concedido mais vistos do que em todo o ano passado”, quando no ano de 2013 Portugal concedeu 476 ‘vistos gold’, cerca de 80% atribuídos a cidadãos chineses, indica o relatório anual do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), publicado em Junho passado.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

AirHelp diz que Portugal foi dos países europeus mais afetados por perturbações de voos em 2022

Segundo a AirHelp, em 2022, houve 63 mil voos com algum tipo de perturbação em território nacional, que afetaram mais de nove mil passageiros.

Portugal foi um dos países europeus mais afetados por perturbações de voos em 2022, avança a AirHelp, empresa de defesa dos direitos dos passageiros aéreos, que diz que, no ano passado, houve 63 mil voos com algum tipo de perturbação em território nacional, que afetaram mais de nove mil passageiros.

“De acordo com a análise realizada pela AirHelp, dos países europeus com maior tráfego aéreo, Portugal é dos que apresenta uma maior taxa de voos atrasados e de passageiros afetados. Só em 2022, mais de 63 mil voos sofreram algum tipo de perturbação – cancelamento ou atrasos – afetando mais de 9 milhões de passageiros, dos mais de 26 milhões que viajaram a partir de Portugal (34%)”, lê-se num comunicado da empresa, que estima que 650 mil passageiros sejam elegíveis para a obtenção de compensação, segundo o Regulamento CE 261/2004.

Por aeroportos, foi em Lisboa que se verificou o maior número de perturbações, com 39% dos voos afetados, seguindo-se o Aeródromo do Corvo, nos Açores, onde as perturbações afetaram 32% dos voos, e o Aeroporto da Madeira e o das Flores, ambos com 28% dos voos afetados.

No entanto, o país da Europa com maior número de passageiros afetados foi o Reino Unido, onde mais de 32 milhões de viajantes sofreram perturbações, o que significa que 35% do total de passageiros que voaram a partir do Reino Unido passaram por problemas nos voos.

Depois do Reino Unido, o país europeu com maior número de perturbações foi a Alemanha, com 26 milhões de passageiros a sofrerem perturbações nos seus voos, seguindo-se a Turquia, onde mais de 22 milhões de viajantes foram afetados (32%), colocando o país em terceiro lugar na lista em análise.

A AirHelp sublinha, contudo, que foi na Holanda que se registou a maior taxa de atrasos e cancelamentos, com 34% dos voos e mais de 11 milhões de pessoas afetadas, enquanto o Reino Unido e a Irlanda foram o segundo e terceiro países europeus, respetivamente, com a maior taxa de voos atrasados ou cancelados.

“O ano de 2022 não foi um bom ano para os passageiros aéreos. O verão, em particular, demonstrou que os aeroportos e as companhias aéreas não estavam preparados para o aumento das viagens aéreas após a pandemia”, afirma Pedro Miguel Madaleno, advogado da AirHelp especialista em direito dos passageiros aéreos, prevendo que a tendência se mantenha em 2023.

A nível global, a AirHelp diz ainda que, em 2022, “um em cada três passageiros viu o seu voo descolar fora do horário previsto e só nos meses de junho e julho mais de 40% dos viajantes sofreram problemas nos seus voos”.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Figuras

Hotelbeds contrata novo Business Development Director

O profissional reúne experiência nos setores de pagamentos, software, tecnologia e serviços, ficando responsável pelo desenvolvimento de novos produtos, segmentos e modelos de negócio da Hotelbeds.

A Hotelbeds continua a reforçar o seu comité executivo com o segundo recrutamento sénior do ano. Mark Antipof passa a integrar a empresa como Business Development Director, um cargo recém-criado na Hotelbeds que reúne as funções de desenvolvimento de novos produtos, segmentos e modelos de negócio para acelerar o crescimento da empresa.

O profissional, com “forte experiência” nas indústrias de pagamentos, software, tecnologia e serviços, ficará sediado em Espanha, reportando diretamente ao CEO Nicolas Huss, como indicado em comunicado.

“Mark Antipof traz consigo uma vasta experiência no desenvolvimento de negócios em muitas indústrias. O seu forte historial no setor da tecnologia será particularmente vantajoso [para a Hotelbeds] à medida que aceleramos a nossa trajetória de crescimento e remodelamos o ecossistema de viagens”, afirma Nicolas Huss em comunicado.

Sobre a contratação, Mark Antipof acrescentou que “a trajetória de crescimento e os planos de expansão da Hotelbeds fizeram desta uma oportunidade a que não pude resistir. Estou ansioso por começar e contribuir para o nosso sucesso contínuo, à medida que desenvolvemos novos fluxos de receitas”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Serviço Key’n Go da Goldcar distinguido como produto do ano 2023

A distinção foi atribuída ao Key’n Go após uma avaliação por três parâmetros: Inovação, Atratividade e Intenção de Compra, na qual o produto Key’n Go obteve uma avaliação global de 7,42 pontos.

Os consumidores nacionais voltaram a distinguir o serviço Key’n Go, da Goldcar, como produto do ano 2023, numa distinção que foi atribuída na categoria de mobilidade e que premiou este serviço inovador, que permite entregar aos clientes as chaves dos veículos alugados sem necessidade de passar pelo balcão, pelo segundo ano consecutivo.

De acordo com um comunicado do Europcar Mobility Group, que detém a marca Goldcar, a distinção foi atribuída ao Key’n Go após uma “avaliação feita por três parâmetros distintos: Inovação, Atratividade e Intenção de Compra, e o produto Key’n Go obteve a melhor pontuação em todas as categorias com uma avaliação global de 7,42 pontos”.

“É com muito orgulho que recebemos a distinção de Produto do Ano com o Key’n Go. Pelo segundo ano consecutivo, temos a confirmação que vencemos pela inovação e atratividade. Levamos este reconhecimento como uma motivação para continuarmos a melhorar o serviço da Goldcar e os resultados serem melhores de ano para ano”, congratula-se Paulo Pinto, Head of Country do Europcar Mobility Group em Portugal.

100% digital, rápido e sem complicações, o serviço Key’n Go fornece ao cliente a comodidade de conseguir alugar um carro a qualquer hora do dia e em qualquer lugar, dispensando a ida ao balcão para preenchimento de formulários e receção das chaves sem filas, bastando introduzir o número de reserva na máquina do Key’n Go, apanhar as chaves, ir até ao parque de estacionamento e seguir viagem.

Esta avaliação foi realizada através de cinco mil entrevistas junto de uma amostra representativa da população portuguesa, com idades compreendidas entre os 18 e 64 anos, tendo o estudo quantitativo para o Produto do Ano sido realizado através das fontes online Netquest, CINT e Netsonda, entre os dias 14 de novembro e 16 de dezembro de 2022.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Emirates volta a recrutar em Portugal

A Emirates vai voltar a promover uma sessão de recrutamento em Portugal, levando os seus Open Days a quatro cidades nacionais entre 5 e 22 de fevereiro, com o objetivo de selecionar candidatos para a tripulação de cabine.

A Emirates vai voltar a promover uma sessão de recrutamento em Portugal, levando os seus Open Days a quatro cidades nacionais entre 5 e 22 de fevereiro, com o objetivo de selecionar candidatos para integrar a sua tripulação de cabine.

De acordo com a companhia aérea do Dubai, os Open Days arrancam no domingo, 5 de fevereiro, em Lisboa, e seguem, no dia 7, para Faro, enquanto no dia 20 de fevereiro será a vez de Coimbra receber a iniciativa, que termina a 22 de fevereiro, no Porto.

Na informação divulgada, a Emirates explica que “o candidato ideal terá de liderar com confiança e assumir o controlo na gestão dos serviços a bordo, nomeadamente no que se refere aos procedimentos de segurança”, sublinhando que toda a sua tripulação vai “receber formação de excelência nas modernas instalações da companhia aérea no Dubai”.

Para se candidatarem, os interessados devem submeter uma candidatura online, incluindo CV atualizado em inglês e uma fotografia recente, ainda que, visto que se trata dos Open Days, é também possível que os candidatos se apresentem nos dias e locais indicados sem terem submetido a candidatura previamente, bastando que levem consigo os documentos necessários e cheguem ao local antes da hora de início. Todos os requisitos para o processo de seleção estão disponíveis aqui.

A Emirates sublinha ainda que “oferece aos seus candidatos excelentes oportunidades de carreira” e lembra que toda a sua tripulação está “baseada na cidade cosmopolita do Dubai e usufrui de um pacote salarial  distintivo no mercado que inclui uma variedade de benefícios”, como salário isento de impostos, alojamento gratuito, transporte gratuito de e para o trabalho, cobertura médica, bem como descontos exclusivos em compras e atividades de lazer no Dubai. 

Paralelamente, a tripulação da Emirates usufrui ainda de benefícios de viagem para si e para as suas famílias e amigos, para todos os destinos para os quais a companhia aérea voa.

Em Lisboa, os Open Days da Emirates decorrem no hotel Ramada Lisbon by Wyndham, enquanto em Faro a iniciativa vai ter lugar no Eva Senses Hotel. Já o Tivoli Coimbra Hotel recebe a sessão de recrutamento de Coimbra e o HF Ipanema Porto será o local dos Open Days no Porto.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Chile volta a fazer testes de Covid-19 aleatórios à chegada

O Chile voltou a selecionar aleatoriamente passageiros para fazer testes de Covid-19 à chegada ao Aeroporto Internacional Arturo Merino Benítez, em Santiago, e ao Paso Internacional Los Libertadores, na fronteira terrestre com a Argentina.

A medida, que tinha sido abandonada em outubro de 2022, voltou a ser colocada em prática em este mês e refere indica informação publicada no sire do Turismo do Chile, caso o viajante obtenha um resultado positivo ou se negue a fazer o exame, deverá realizar uma quarentena obrigatória de cinco dias.

Recorde-se que, para viajar para o país, os maiores de 18 anos continuam obrigados a apresentar comprovativo de vacinação completa ou resultado negativo para um teste RT-PCR realizado 48 horas antes da partida.

No entanto, já não é mais necessário preencher a Declaração Jurada do Viajante (C19) ou obter um Passe de Mobilidade, dois itens que foram abolidos em outubro do ano passado. O uso de máscara, por sua vez, é obrigatório somente em estabelecimentos de saúde.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Meeting Industry

ABAV Expo 2023 aumenta área para atender procura

A ABAV Expo 2023, que regressa na sua 50ª edição, regressa ao Riocentro (Rio de Janeiro), de 27 a 29 de setembro, aumenta área em mais de 40% para atender a procura de expositores e novos projetos com foco na qualidade da experiência do visitante.

As reservas para a maior feira do setor do Turismo do Brasil superaram expectativas e a organização decidiu aumentar a área útil do evento, que terá mais expositores e projetos diferenciados, adicionando valor à experiência dos visitantes de todos os perfis.

A edição de 50 anos da ABAV Expo, com abertura oficial no Dia Mundial do Turismo, 27 de setembro deste ano, terá mais de 37 mil metros quadrados e promete fazer história.

O início das vendas para 2023 aconteceu no final do evento, em setembro do ano passado em Recife, quando a feira estava projetada para acontecer nos 26.431 metros quadrados dos pavilhões 1 e 2 do Riocentro. Naquela data as reservas já totalizaram 67% da área projetada para 2023. Antes mesmo do final de 2022 foi preciso repensar o projeto original.

Houve aumento da procura e oferta de projetos interessantes aos diversos públicos do Turismo.  Com os espaços praticamente tomados, a organização definiu por usar os maiores pavilhões, 3 e 4, aumentando em 40,66% a área total do evento, assim como optou por oferecer uma experiência totalmente integrada. Um dos pavilhões será dedicado aos destinos nacionais e internacionais, e outro acolherá os demais expositores do trade turístico.

A área de formações e palestras, gratuitas ao público, estará integrada no pavilhão 4, com espaços temáticos e oficinas, e trará inovações importantes em ESG e tecnologia.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
AL

Diretor do Airbnb na EMEA defende regulamentação da especulação imobiliária

Emmanuel Marill, diretor do Airbnb na Europa, Médio Oriente e África (EMEA), garantiu que a plataforma de aluguer de curta duração é a favor de “regular a especulação imobiliária”, e insistiu que querem “fazer parte da solução” que trava o impacto que o turismo tem no aumento dos preços da habitação.

Num debate organizado pelo Comité das Regiões (CdR) sobre um projeto de parecer que visa regular a atividade das plataformas de aluguer de curta duração na Europa, como o Booking ou o Airbnb, Marill defendeu que este regulamento deve ser “muito específico e muito modular”.

Além disso, tem considerado que deve ser aplicado apenas aos proprietários que possuam um parque habitacional turístico para que não afete os pequenos senhorios que apenas arrendam a sua residência principal por alguns dias ou semanas por ano.

Marill justificou, em declarações à EFE, que o problema do acesso à habitação para as pessoas nas cidades fortemente afetadas pelo turismo não depende destes pequenos proprietários porque “se uma família aluga a sua casa por algumas semanas por ano, não está a retirar qualquer andar do mercado imobiliário”.

Da mesma forma, o responsável do Airbnb explicou que é importante que o regulamento seja “proporcional” em duas dimensões: para o proprietário e para as cidades, porque, conforme referiu, haverá cidades que consideram este regulamento “urgente” e outros que “não precisarão disso”.

A proposta apresentada pelo CdR visa dotar cada território de ferramentas para encontrar um “equilíbrio adequado” entre a crescente procura de arrendamento turístico e o impacto que tem no aumento dos preços da habitação. Durante o debate, os líderes regionais e locais expressaram preocupação com a crescente procura por moradias populares nas grandes cidades e o efeito do turismo “excessivo” nos preços dos alugueres.

O projeto de parecer do CdR reconhece que o arrendamento de curta duração tem um impacto positivo nas PME (pequenas e médias empresas) e nas economias locais, sobretudo nas zonas rurais, mas centra-se no impacto que gera no acesso às casas dos residentes.

Os líderes locais e regionais sublinharam ao longo do debate que as plataformas de aluguer para férias devem proporcionar às autoridades competentes dos diferentes Estados-Membros o livre acesso aos seus dados e maior transparência no controlo da sua atividade.

A aprovação final deste projeto de parecer está prevista para a sessão plenária do Comité das Regiões no próximo mês de março.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Agora é possível conhecer o Funchal sob o ponto de vista da arquitetura urbana

Lançado recentemente pela Secção Regional da Madeira da Ordem dos Arquitetos, o Guia de Arquitetura Funchal, permite uma fruição diferente do património da capital madeirense. Eduardo Jesus enaltece a obra.

A partir de agora, residentes e visitantes, têm a oportunidade de conhecer o Funchal sob o ponto de vista da arquitetura urbana, nomeadamente, das 15 obras essenciais que marcaram o período do século XIX.

Este é, conforme divulgado na página oficial do Governo Regional da Madeira, o objetivo do ‘Guia de Arquitetura Funchal | Século XIX | 15 Obras Essenciais’, editado pela Secção Regional da Madeira da Ordem dos Arquitetos (SRMAD) e da autoria de Rui Campos Matos e Daniela Alcântara, que foi lançado na última semana no Teatro Municipal Baltazar Dias.

A mesma fonte destaca que, neste guia são mostradas, de forma diferente, obras arquitetónicas emblemáticas da cidade do Funchal e do arquipélago e datadas do século XIX, como é o caso do Teatro Municipal Baltazar Dias, do Hospício Princesa Dona Maria Amélia, da Quinta das Angústias (atual Quinta Vigia), do Jardim Municipal e da Ponte Monumental, entre outros.

No total são apresentadas 15 obras, na sua maioria projetadas por arquitetos ingleses, “numa época em que a burguesa cidade do Funchal teve necessidade de desenvolver estes importantes equipamentos adequados ao Modus Vivendi oitocentista”, explicou na ocasião Susana Gouveia Jesus, presidente da SRMAD, acrescentando que, no âmbito das atribuições desta Secção Regional, que visam contribuir para a defesa e promoção da arquitetura, há o objetivo expresso de promover a edição de publicações que contribuam para um melhor esclarecimento público das implicações e relevância da arquitetura.

A responsável afirmou que para a SRMAD “é de suma importância facultar esta informação, tanto aos nossos visitantes, como aos que diariamente habitam e frequentam estes edifícios, sendo que estes exemplos arquitetónicos, assim como os que já estão patentes no Guia de Arquitetura do século XX editado em 2020, consubstanciam a nossa entidade como ilha atlântica multicultural que valoriza o seu património e que foi, de certo modo, bastante mais visionária em relação a outras regiões do país”.

O secretário Regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, que marcou presença na sessão de apresentação da obra, considerou, citado na notícia veiculada pelo site do Governo madeirense, que “o lançamento deste guia permite-nos sistematizar a informação relativamente à arquitetura e à história da edificação na Região Autónoma da Madeira, sendo que essa sistematização permite uma fruição diferente do património”.

O facto de a região já ter dois guias, um do século XIX e outro do século XX, “vem facultar à população residente em geral e aqueles que nos visitam, uma informação que está devidamente estudada, organizada, documentada, e que nos ajuda a compreender a presença do Homem neste território”, salientou, para acrescentar que este guia é, ao fim e ao cabo, “uma forma diferente de contar a história da Madeira através do seu património edificado”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Sun d´Or lança operação sazonal de verão entre o Porto e Telavive

Os voos da Sun d’Or entre o Porto e Telavive, em Israel, vão decorrer às segundas e quartas-feiras, entre 15 de março e 27 de outubro de 2023.

Publituris

A Sun d´Or, companhia aérea subsidiária da israelita El Al e que é representada em Portugal pela ATR, vai lançar uma operação sazonal entre o Porto e Telavive, cujo início está previsto para 15 de março e que vai contar com dois voos diretos por semana, até 27 de outubro.

Os voos da Sun d’Or para o Porto vão decorrer às segundas e quartas-feiras, partindo do Porto pelas 21h30 e chegando a Telavive às 04h50, enquanto em sentido contrário as partidas de Telavive decorrem às 16h15, chegando à Invicta pelas 20h15, sempre em horários locais.

Num comunicado enviado à imprensa, a Sun d’Or, que é uma companhia aérea que se dedica à realização de voos regulares e charter para destinos de lazer sazonais na bacia do Mediterrâneo, explica que “Portugal surge novamente como um destino chave para a sua programação de 2023”.

Os voos da Sun d’Or já se encontram carregados nos sistemas de reservas.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Ryanair antecipa subida dos preços dos bilhetes aéreos entre 5% e 10% em 2023

Apesar da subida prevista nos preços, o CEO da Ryanair, Michael O’Leary, acredita que os passageiros vão continuar a viajar e revela que as reservas do mercado britânico para destinos de praia, como Portugal, estão “muito fortes” para a Páscoa e também já para o verão.

Inês de Matos

O CEO da Ryanair, Michael O’Leary, estima que, em 2023, os preços dos bilhetes aéreos aumentem entre 5% e 10% face ao último verão, uma vez que a procura por viagens aéreas está a aumentar, enquanto a capacidade diminuiu, antecipou o responsável esta quarta-feira, 1 de fevereiro, em conferência de imprensa.

“Há menos capacidade e maior procura na Europa e, desde que não existam mais notícias negativas, seja sobre a COVID-19, a guerra na Ucrânia ou outros eventos negativos, acredito que este verão os bilhetes aéreos vão subir entre 5 e 10% face ao verão de 2022”, afirmou o responsável.

Apesar da subida dos preços, Michael O’Leary não acredita que os passageiros deixem de viajar porque as tarifas aéreas estão mais elevadas e deu o exemplo do mercado britânico, cujas reservas para a Páscoa e verão estão muito elevadas para destinos de praia no sul da Europa.

“Nada vai afastar as pessoas de viajar. Depois de um isolamento de dois anos e meio devido à COVID-19, em que as pessoas não puderam ver a família e os amigos, em que não puderam viajar para as praias de Portugal, penso que vão voltar a viajar. Podem cortar noutras áreas, como em carros ou na casa, mas vão viajar”, considerou.

Para Michael O’Leary, as viagens de longo curso deverão demorar mais a recuperar, seja porque o dólar está mais elevado ou porque as restrições à COVID-19 na Ásia ainda estão a ser levantadas, ao contrário do médio curso e da curta distância, onde já se está a assistir a um aumento das reservas.

“Penso que o longo curso vai ser mais fraco, devido à subida do dólar e às restrições na Ásia, mas o médio curso e a curta distância, particularmente desde o Reino Unido, vai ser muito forte, as reservas do Reino Unido para as praias da Europa estão muito fortes, seja para a Páscoa ou já para o verão e penso que nada as vai afetar, a não ser que existam eventos pouco comuns”, acrescentou.

Este verão, a Ryanair vai contar com 19 novas rotas em Portugal, incluindo 11 no Porto e oito em Faro, com Michael O’Leary a explicar que a Ryanair não vai crescer em Lisboa, Madeira e Açores porque as taxas estão demasiado elevadas e, no caso de Lisboa, também porque a TAP não liberta os slots que não está a utilizar, nem é construído um novo aeroporto.

“Infelizmente não há crescimento em Lisboa porque a TAP continua a bloquear os slots que tem e que não usa. Continuamos a pedir ao Governo que peça à TAP que liberte estes slots e que acelere a abertura do aeroporto do Montijo. Isso iria criar uma fantástica oportunidade de aumentar o tráfego, o turismo e os empregos em Lisboa”, admitiu o CEO da Ryanair.

Apesar de não existir crescimento em Lisboa, Madeira e Açores, a Ryanair conta crescer 13% em Portugal e transportar um total de 13 milhões de passageiros na rotas nacionais em 2023, tornando-se na companhia aérea número 1 no país.

“Mesmo com tudo isto, continuamos a crescer e vamos ser a companhia aérea número 1 do país, com 13 milhões de passageiros para o ano fiscal de 2024”, afirmou, indicando que a Ryanair está “a crescer fortemente em Portugal” e vai basear mais quatro aviões em território nacional, concretamente dois no Porto e outros dois em Faro.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.