Assine já
Homepage

EIBTM: “Portugal pode ser mais apetecível para Espanha devido à crise”

O Turismo de Portugal (TP) reduziu a sua área expositiva na EIBTM, mas a participação privada está ao nível de 2011. Para o coordenador do TP em Espanha, Portugal enquanto destino de negócios pode ser mais atractivo para os espanhóis, na actual situação económica.

Tiago da Cunha Esteves
Homepage

EIBTM: “Portugal pode ser mais apetecível para Espanha devido à crise”

O Turismo de Portugal (TP) reduziu a sua área expositiva na EIBTM, mas a participação privada está ao nível de 2011. Para o coordenador do TP em Espanha, Portugal enquanto destino de negócios pode ser mais atractivo para os espanhóis, na actual situação económica.

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados

A crise económica que se intensifica em Espanha pode tornar o mercado do turismo de negócios português mais ‘apetecível’ para os vizinhos espanhóis. Essa é, pelo menos, a convicção do coordenador da equipa do Turismo de Portugal em Espanha, Miguel Perestrello.

“Espanha não terá em Portugal o seu principal mercado em termos de turismo de negócios. Mas acredito que Portugal pode ser encarado como uma opção mais económica, devido à proximidade e relação preço/qualidade”, disse, à Publituris, o responsável, na EIBTM, feira que termina esta quinta-feira em Barcelona.

Este ano, Portugal está representado com o mesmo número de expositores em relação ao ano passado (36 empresas e 4 Convention Bureaux), mas com menos 100 m2 de área de exposição. “O interesse é verificado pela participação do sector privado, que se mantém. Mas reajustámos os investimentos em função das nossas dificuldades. É preciso optimizar”, justifica Miguel Perestrello, adiantando que, neste momento, a participação do Turismo de Portugal em feiras em Espanha está reduzida à EIBTM e FITUR.

O balanço que o responsável faz do evento era positivo, até esta quarta-feira, especialmente em termos de procura por parte de novos mercados. “Nota-se uma participação internacional de grande peso. Recebemos já profissionais de mercados como o indiano e colombiano, que tradicionalmente não nos procuram. O Brasil mantém muitos agendamentes, mas há maior abertura a outros mercados”, conclui.

*em Barcelona

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
Transportes

Operação de verão da British Airways para os Açores arranca sábado

A operação sazonal da British Airways, que liga o aeroporto de London Heathrow e Ponta Delgada, nos Açores, conta com um voo por semana, aos sábados, até ao final do verão.

A British Airways começa este sábado, 2 de julho, a operação de verão entre o aeroporto de London Heathrow e Ponta Delgada, nos Açores, e que conta com um voo por semana, aos sábados, até ao final do verão.

“Tendo sempre em vista a promoção do destino, o alargamento de acessibilidades e a captação de novas rotas, esta é mais uma conquista da Associação de Turismo dos Açores (ATA) que visa contribuir para o sucesso inequívoco da retoma do setor na Região Autónoma dos Açores”, sublinha a associação, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 30 de junho.

No total, a British Airways vai realizar 10 voos para Ponta Delgada este verão, ligações aéreas que vão ser operadas num avião Airbus A320-NEO, com 180 lugares, o que totaliza 1.800 lugares disponibilizados no conjunto desta operação aérea sazonal.

“A presença da British Airways nos Açores no verão 2022 demonstra o trabalho de consolidação da promoção dos Açores que a ATA tem vindo a desenvolver, em particular no Reino Unido. É uma grande oportunidade para o setor do turismo dos Açores, na medida em que o Reino Unido é um importante mercado internacional emissor de turistas nos Açores e a British Airways uma das mais importantes companhias aéreas mundiais, com potencial para estimular novos segmentos de mercado”, congratula-se Carlos Morais, presidente da ATA.

Para estimular a procura pelos Açores, a ATA e a British Airways lançaram uma campanha de marketing conjunta que está atualmente em vigor, estando ainda previsto o desenvolvimento de várias ações promocionais por parte da associação e que vão decorrer em “parceria com os operadores turísticos do mercado do Reino Unido”.

Paralelamente, a ATA vai também promover a organização de “viagens educacionais com jornalistas, com vista ao necessário aumento da notoriedade do destino Açores naquele mercado”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Heathrow cancela 30 voos devido à falta de capacidade para dar resposta

Um dos maiores aeroportos da Europa e do mundo pediu a diversas companhias aéreas para cancelar cerca de 30 voos devido ao elevado número de passageiros, alegando incapacidade para dar uma resposta adequada.

O aeroporto de Heathrow pediu às companhias aéreas para cancelarem cerca de 30 voos na manhã de quinta-feira, 30 de junho, alegando falta de capacidade para lidar com o fluxo de passageiros no aeroporto.

Segundo avança a imprensa britânica, milhares de passageiros foram afetados pela decisão do maior aeroporto do Reino Unido e um dos mais movimentados do mundo, com perdas de ligações e não tendo sido avisados previamente.

Um porta-voz de Heathrow admitiu que o aeroporto esperava um número “mais elevado de passageiros do que o esperado para a qual não temos capacidade para dar resposta, decidindo pedir às companhias aéreas para retirar 30 voos dos planos da manhã”.

Segundo o mesmo porta-voz, os responsáveis do aeroporto estão “a trabalhar para garantir que todos tenham uma jornada tranquila por Heathrow neste verão”, salientando que “o mais importante é garantir que todos os prestadores de serviços no aeroporto tenham recursos suficientes para responder à procura”.

Segundo as notícias, cerca de 98% dos voos a sair do aeroporto deverão ser operados em conformidade com os planos.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Swiss aumenta frequências de voos no Porto para o verão

O aumento de frequências de Swiss no Porto vai ser apresentado na próxima segunda-feira, 4 de julho, numa conferência de imprensa com a participação de Julia Hillenbrand, diretora-geral do Lufthansa Group para a Europa Ocidental.

A Swiss International Airlines vai aumentar o número de voos diretos operados à partida do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, novidade que vai ser apresentada na próxima segunda-feira, 4 de julho, numa conferência de imprensa a decorrer na cidade Invicta.

“A Swiss International Air Lines (SWISS), que pertence ao Lufthansa Group, vai expandir os seus serviços na cidade do Porto este verão, aumentando a frequência de voos diretos a partir do Aeroporto Francisco Sá Carneiro”, lê-se numa nota a autarquia, que não especifica, no entanto, o número de voos que a companhia aérea helvética vai passar a operar.

A conferência de imprensa para apresentar o aumento do número de frequências vai decorrer no Jardim Botânico do Porto, pelas 11h00, com a participação da vereadora com o Pelouro do Turismo e da Internacionalização da Câmara Municipal do Porto, Catarina Santos Cunha, e da diretora-geral do Lufthansa Group para a Europa Ocidental, Julia Hillenbrand.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Alojamento turístico recupera em maio mas mantém descida nas dormidas de não residentes

Segundo o INE, em maio, o mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas e os mercados externos totalizaram 4,7 milhões, valores que traduzem um crescimento de 11,6% e uma descida de 4,7% face ao mesmo mês de 2019, respetivamente.

Em maio, o alojamento turístico nacional contabilizou 2,5 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas, valores que traduzem diminuições de 3,2% e 0,7% face a igual mês de 2019, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), que indica que, no caso das dormidas, este indicador foi influenciado pelo decréscimo de 4,7% registado nos mercados externos.

“Em maio, o mercado interno contribuiu com 1,8 milhões de dormidas e os mercados externos totalizaram 4,7 milhões. Face a maio de 2019, o mercado interno cresceu 11,6% e os mercados externos diminuíram 4,7%”, lê-se no comunicado divulgado esta quinta-feira, 30 de junho, pelo INE.

Face a maio do ano passado, o cenário é, no entanto, mais animador, uma vez que os 2,5 milhões de hóspedes e 6,5 milhões de dormidas contabilizados representam subidas de 162,1% e 221,8%, respetivamente.

O INE diz que “os mercados externos predominaram”, já que representaram 72,2% das dormidas contabilizadas nos estabelecimentos de alojamento turístico nacionais, num aumento de 489,5% face ao ano passado, enquanto o aumento no mercado interno foi de 47,7%.

No acumulado dos primeiros cinco meses do ano, as dormidas totalizam já mais de 21,4 milhões, o que representa uma descida de 9,0% face a igual período de 2019, com o INE a indicar que esta descida foi “consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-14,4%), dado que as de residentes cresceram 4,9%”.

Em comparação com o acumulado dos primeiros cinco meses de 2021, o cenário volta a ser diferente, uma vez que existe um aumento de 355,2%, incluindo uma subida de 128,5% nos residentes e de 775,8% nos não residentes.

“No conjunto dos primeiros cinco meses do ano, registou-se um aumento de 355,2% das dormidas totais, +128,5% nos residentes e +775,8% nos não residentes. Comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas diminuíram 9,0%, como consequência da diminuição das dormidas de não residentes (-14,4%), dado que as de residentes aumentaram 4,9%”, resume o INE, no comunicado divulgado.

Por tipo de alojamento, o INE indica que as dormidas na hotelaria representaram 82,9% do total e que, face a igual mês de 2019, este tipo de alojamento registou um descida de -0,9%, ainda que, face a maio de 2021, haja um aumento de 237,5%.

No alojamento local, onde as dormidas representaram 13,8% do total, o cenário foi idêntico, já que as dormidas nestes tipo de estabelecimentos aumentaram 200,4% face a maio de 2021, mas desceram 4,8% face a maio de 2019.

Já nas unidades de turismo no espaço rural e de habitação, cujas dormidas representaram 3,3% do total, houve um aumento de 70,4% face a maio do ano passado, assim como de 30,1% face a maio de 2019.

Por mercados, o INE indica que a “totalidade dos dezassete principais mercados emissores
registou aumentos expressivos em maio”, representando 88,2% das dormidas de não residentes nos estabelecimentos de alojamento turístico neste mês.

No entanto, três dos principais mercados emissores de turistas para Portugal, nomeadamente britânico, alemão e francês, continuaram a evidenciar descidas face a 2019, com o mercado britânico, que representou 21,7% do total das dormidas de não residentes, a cair 0,8%, enquanto o alemão, que representou 11,8% do total, desceu 7,3%, e o francês, que teve uma quota de 10,7%, recuou 10,0%.

“Comparando com maio de 2019, os maiores crescimentos foram registados nos mercados dinamarquês (+38,2%), romeno (+36,7%), checo (+32,8%) e norte americano (+21,9%). As maiores diminuições foram registadas nos mercados brasileiro (-25,8%), sueco (-18,0%) e austríaco (-11,7%)”, acrescenta o INE.

Aumento de dormidas em todas as regiões

Por regiões, o INE diz que, face ao ano passado, “registaram-se aumentos das dormidas em todas as regiões”, com destaque para o Algarve, que “concentrou 28,6% das dormidas,
seguindo-se a AM Lisboa (26,3%), o Norte (16,4%) e a RA Madeira (12,1%)”.

Face a 2019, a situação é, contudo, diferente, uma vez que apenas houve subidas na RA Madeira (+18,8%), Norte (+6,5%) e Alentejo (+1,2%), enquanto o Centro (-7,4%) contabilizou “o maior decréscimo observado”.

No que diz respeito às dormidas de residentes, também se registaram “aumentos em todas as regiões”, neste caso com destaque para a RA Madeira (+66,2%), Norte (+14,2) e Alentejo (+10,0%), enquanto as dormidas de não residentes aumentaram na RA Madeira (+12,6%) e no Norte (+2,4%), “tendo as maiores diminuições sido observadas no Centro (-23,1%) e Alentejo (-11,1%)”, segundo o INE.

Em maio, a estada média a nos estabelecimentos de alojamento turístico totalizou 2,56 noites, num aumento de 22,7% face a igual mês do ano passado, com destaque para a estada média dos residentes, que foi de 1,89 noites e aumentou 6,8%. Já a estada média dos não residentes foi de 2,98 noites, o que traduz uma subida de 2,3%.

O INE diz ainda que “na RA Madeira e no Algarve as estadas médias atingiram os valores mais elevados: 4,52 e 3,77 noites, respetivamente”.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Emprego e Formação

ISCE e Monte Santo Resort lançam 2.ª edição do Prémio de Excelência Melhor Aluno da Licenciatura em Gestão Turística

A iniciativa é, segundo o diretor do Departamento de Turismo do ISCE, Nuno Abranja, “uma forma de reconhecimento e incentivo aos estudantes para que possam melhorar cada vez mais o seu desempenho ao longo do curso na defesa da qualidade do turismo”.

O Departamento de Turismo do ISCE anunciou a 2.ª edição do “Prémio de Excelência Melhor Aluno da Licenciatura em Gestão Turística Monte Santo Resort”, fruto da parceria estabelecida entre o ISCE e o Monte Santo Resort, empreendimento turístico de luxo no Algarve.

A iniciativa anual pretende premiar o(a) melhor(a) aluno(a) finalista da Licenciatura em Gestão Turística do ISCE e será atribuído no final deste ano letivo.

Segundo o diretor do Departamento, Nuno Abranja, este prémio “é uma forma de reconhecimento e incentivo aos estudantes da nossa Licenciatura, para que possam melhorar cada vez mais o seu desempenho ao longo do curso na defesa da qualidade do turismo e ser, igualmente, um atrativo na captação de novos estudantes para esta formação, que tem registado um aumento significativo na procura todos os anos”. Paralelamente à atribuição deste prémio, esta parceria possibilitará igualmente aos estudantes do Departamento de Turismo virem a realizar estágios naquele Resort, juntando-se assim o Monte Santo Resort a uma vasta lista de parceiros estratégicos do Departamento, que pode ser consultada aqui.

Já Patrícia Correia, General Manager do Monte Santo Resort, considera esta uma “magnifica iniciativa para premiar a excelência entre os alunos”,

A responsável pelo Monte Santo Resort admite que “valorizar os nossos recursos humanos nesta procura de um serviço excelente é algo que nos motiva diariamente”, destacando que a formação é de “vital importância nos dias de hoje e esta iniciativa leva esta importância um pouco mais além”.

A Licenciatura em Gestão Turística conta atualmente com uma centena de estudantes tendo o Departamento de Turismo formado, desde 1995, mais de 1000 quadros qualificados.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

iVisa elege Lisboa como a cidade mais feliz do mundo

Qualidade de vida, quantidade de horas de sol, o número de horas trabalhadas, custo de vida e simpatia dos residentes foram os critérios avaliados neste ranking da iVisa, que analisou 40 destinos em todo o mundo.

A capital portuguesa foi eleita como a cidade mais feliz do mundo pela empresa americana iVisa, que elaborou um ranking com 40 destinos de diferentes países de todo o mundo, no qual Lisboa alcançou o primeiro lugar “pelo excecional resultado obtido em todos os cinco critérios do ranking”.

Qualidade de vida, quantidade de horas de sol, o número de horas trabalhadas, custo de vida e simpatia dos residentes foram os critérios avaliados neste ranking, segundo um comunicado do Turismo de Lisboa que cita os resultados deste ranking, que destaca também que Lisboa é igualmente “uma das cidades mais bonitas do mundo”, tendo conquistado, a este nível, o top 4 no ranking 2022, da U City Guide.

“Lisboa é uma cidade de excelência, uma cidade vibrante, convidativa e calorosa. Sermos reconhecidos como a cidade mais feliz do mundo é um estímulo e um desafio para continuar o trabalho de melhorar a qualidade de vida dos residentes e de tornar Lisboa um destino cada vez mais atrativo e qualificado”, congratula-se Carlos Moedas, presidente da Câmara Municipal de Lisboa e da Associação Turismo de Lisboa (ATL).

O Fado, o Mosteiro dos Jerónimos, bem como a Torre de Belém ou até mesmo os pastéis de nata são, segundo a iVisa, algumas das referências a não perder aquando uma visita à cidade de Lisboa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Primeiro-ministro revoga despacho sobre aeroporto e o que era já não é

Afinal, a decisão sobre as novas infraestruturas aeroportuárias para Lisboa, anunciadas por Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação, voltou à estaca zero. O primeiro-ministro, António Costa, decidiu revogar o despacho publicado.

O primeiro-ministro, António Costa, determinou esta quinta-feira, 30 de junho, a revogação do despacho publicado na quarta-feira, 29 de junho, sobre a solução aeroportuária para a região de Lisboa e reafirmou que quer uma negociação e consenso com a oposição sobre esta matéria.

“O primeiro-ministro determinou ao Ministério das Infraestruturas e da Habitação a revogação do despacho ontem [quarta-feira] publicado sobre o novo aeroporto da região de Lisboa”, lê-se num comunicado divulgado pelo gabinete de António Costa.

No comunicado, o primeiro-ministro “reafirma que a solução tem de ser negociada e consensualizada com a oposição, em particular com o principal partido da oposição e, em circunstância alguma, sem a devida informação previa ao Presidente da República”.

“Compete ao primeiro-ministro garantir a unidade, credibilidade e colegialidade da ação governativa. O primeiro-ministro procederá, assim que seja possível, à audição do líder do PSD que iniciará funções este fim de semana para definir o procedimento adequado a uma decisão nacional, política, técnica, ambiental e economicamente sustentada”, acrescenta-se no comunicado.

Recorde-se que na quarta-feira foi publicado em Diário da República um despacho assinado pelo secretário de Estado das Infraestruturas, Hugo Santos Mendes, sobre a “definição de procedimentos relativos ao desenvolvimento da avaliação ambiental estratégica do Plano de Ampliação da Capacidade Aeroportuária da Região de Lisboa”.

No despacho lê-se que “o Governo pretende avançar com a construção do aeroporto complementar do Montijo e planear imediatamente a construção de um novo aeroporto ‘stand alone’ no Campo de Tiro de Alcochete

“Os riscos de uma infraestrutura aeroportuária com duas pistas de grande extensão na península do Montijo não obter autorização ambiental para avançar são hoje avaliados como muito elevados. Por este motivo, o Governo deixou, pois, de equacionar a opção Montijo ‘stand alone’ como viável e, nesse sentido, merecedora de estudo aprofundado”, lê-se na exposição de motivos.

O secretário de Estado das Infraestruturas considera que, “excluída esta última opção, a única solução aeroportuária que responde à exigência de dotar o país e a região de Lisboa de uma infraestrutura aeroportuária moderna com capacidade de crescimento a longo prazo é a construção de um aeroporto no Campo de Tiro de Alcochete”.

Na quarta-feira, Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e da Habitação, desdobrou-se em entrevistas, defendendo a solução apresentada para Montijo e Alcochete, não referindo, contudo, os moldes em que essas obras iriam decorrer e quem assumiria os custos das mesmas.

Certo é que Pedo Nuno Santos avançou que a nova solução aeroportuária para Lisboa passava pela construção de um novo aeroporto no Montijo até 2026 e por encerrar o aeroporto Humberto Delgado, quando estivesse concluído o de Alcochete, em 2035.

O primeiro-ministro, António Costa, tinha afirmado no parlamento, na semana passada, que aguardava a decisão do presidente eleito do PSD, Luís Montenegro, sobre a localização do novo aeroporto de Lisboa para que houvesse “consenso nacional suficiente” tendo em vista uma decisão “final e irreversível” sobre esta matéria.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou desconhecer os “contornos concretos” da nova solução aeroportuária do Governo para a região de Lisboa, observando que “foi ajustada agora”, e recusou comentá-la sem ter mais informação.

Do lado da oposição e dos respetivos partidos com representação parlamentar foram várias as críticas à decisão anunciada, com Luís Montenegro, presidente eleito do PSD, a salientar não ter sido “informado de nada” sobre os planos do Governo para o novo aeroporto.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Restauração

Ana Magalhães vence Chefe Cozinheiro do Ano 2022

Ana Magalhães, chefe de partida no Six Senses Douro Valley, em Lamego, sagrou-se vencedora do Chefe Cozinheiro do Ano 2022. A Final Nacional da 33ª edição deste concurso de cozinha profissional aconteceu na Feira Internacional de Artesanato, na FIL, em Lisboa.

Em segundo lugar ficou Fábio Santos do Restaurante Landeira, em Tomar, e a terceira posição foi para Nuno Dinis Ferreira do Bairro Alto Hotel, em Lisboa. Foi ainda entregue o Prémio Helmut Ziebell à sobremesa da autoria de Manuel Pires, do Santa Maria Petisca Ria, enquanto o Prémio Virgílio Gomes foi entregue à sobremesa leite creme de alfazema, chocolate, mel e limão.

Ana Magalhães tem 26 anos. É formada em Gestão e Produção de cozinha na Escola de Hotelaria e Turismo de Lamego, tendo iniciado o seu percurso profissional no Hotel Rural Quinta de Nossa Senhora do Carmo, passando depois pelo Hotel Vila Park e pelo Falésia Hotel. Em 2014, foi trabalhar para o The Yeatman. Em 2019, juntou-se à equipa do Hotel Six Senses Douro Valley, onde exerce o cargo de chefe de partida. O prémio Sustentabilidade Makro foi entregue também a Ana Magalhães.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Lançada nova app para explorar pontos turísticos em Portugal

Uma nova aplicação turística para Android e iOS promete mudar a forma como os turistas visitam o património cultural português. O lançamento foi feito em Monção esta semana.

A app Travizco da Impactzero Software oferece uma variedade de formas de explorar o país, desde pesquisas na aplicação à leitura de códigos QR e visitas em modo exploratório e automático.

O grande diferencial desta ferramenta, segundo a empresa que a desenvolveu, é a sua funcionalidade de audioguia, que permite um uso “mãos livres” em que o visitante é informado por áudio da história de um ponto de interesse ao se aproximar do mesmo.

O primeiro concelho a aderir à Travizco foi Monção. Assim, o presidente da autarquia, António Barbosa, considera a app “uma vantagem turística para o nosso território”.

No entanto, já há outros concelhos de Portugal em lista de espera para aderir à Travizco e uma rede de sugestões de visita já disponíveis para todo o país.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Portugueses procuram destinos nacionais para férias em julho, segundo a Jetcost

A Jetcost apurou que as pesquisas por alojamentos de férias para julho 2022 triplicaram em Portugal em relação ao ano passado, com a maioria a recair nos destinos nacionais de Sol e Praia.

As pesquisas por alojamentos de férias para julho 2022 triplicaram em Portugal em relação ao ano passado, avança o motor de pesquisa de hotéis e alojamento Jetcost, que adianta também que a maioria das pesquisas dos turistas lusos, para o período entre 1 e 31 de julho, diz respeito a destinos nacionais.

“Quase três em cada quatro usuários (73%) pesquisaram por destinos nacionais, contra 27% que escolheram destinos internacionais. Quanto às preferências, parece que, após o confinamento, os portugueses têm desejo de sol e praia, destacando esses destinos nas suas procuras (74%) em comparação com aqueles que preferem destinos do interior (26%)”, avança a Jetcost, num comunicado divulgado esta quarta-feira, 29 de junho.

De acordo com o motor de pesquisa de alojamento, para julho, as pesquisas dos portugueses concentram-se em sete cidades na Região Centro e Norte e seis no Algarve, além de Lisboa.

Figueira da Foz, Albufeira e Portimão foram as cidades que reuniram maior número de pesquisas por partes dos portugueses na Jetcost, seguindo-se a Nazaré, Porto Santo e Sesimbra. No Top10 das pesquisas, entram ainda cidades como Quarteira, Lisboa, Porto e Funchal.

“Apesar das procuras de alojamento por parte dos portugueses para o mês de julho de 2022 terem triplicado face a julho do ano passado, muito devido ao facto de, como pudemos verificar por um recente inquérito da Jetcost, sete em cada dez já não temem o coronavírus nas próximas férias, parece que a crise económica está a afetar na hora de escolher um destino e preferem procurar cidades nacionais, de preferência com praia, com 74% dos turistas portugueses à procura de sol, areia e mar em relação aos destinos interiores”, destaca a Jetcost, no comunicado divulgado.

O motor de pesquisa diz ainda que as regiões mais procuradas são o Centro e o Norte de Portugal, que contam com sete cidades entre as 30 mais procuradas a nível nacional para férias em julho, seguindo-se as regiões do Algarve e Lisboa, com seis cidades, além da própria capital do país.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.