Assine já
Homepage

Portugal presente pela primeira vez na FILDA

Dez empresas portuguesas participam, a partir desta terça-feira, na Feira Internacional de Luanda, com o Turismo de Portugal.

Tiago da Cunha Esteves
Homepage

Portugal presente pela primeira vez na FILDA

Dez empresas portuguesas participam, a partir desta terça-feira, na Feira Internacional de Luanda, com o Turismo de Portugal.

Sobre o autor
Tiago da Cunha Esteves
Artigos relacionados
Angola terá primeira Feira Internacional de Turismo
Angola
Península Ibérica e América Latina unidas na FETUREX
Homepage
IMEX Frankfurt abre portas com 42 empresas portuguesas
Homepage
IMEX 2017
EIBTM 2012 cria pavilhão para turismo de negócios
Homepage

De acordo com o instituto, “esta presença enquadra-se numa óptica de diversificação de mercados para o turismo nacional e de expansão da procura proveniente de mercados com forte poder de compra”.

Com a participação nesta feira, o Turismo do Portugal pretende “estimular contactos e futuras oportunidades de negócio entre os visitantes e a delegação portuguesa, que inclui hotéis, empreendimentos de turismo residencial e equipamentos/serviços culturais e de animação turística”.

No ano passado, o mercado angolano deu origem a 147,6 mil dormidas em Portugal, um crescimento de 6,3% em relação a 2010. Por outro lado, registaram-se 341 milhões de euros em receitas, o que representou uma subida de 21,7%.

Sobre o autorTiago da Cunha Esteves

Tiago da Cunha Esteves

Mais artigos
Artigos relacionados
Análise

Europa domina turismo, mas será ultrapassada pela Ásia – revela o WTTC

As cidades da Europa continuam a ser os destinos preferidos dos turistas de todo o mundo, mas, a curto prazo, a Ásia vai destronar o velho continente como potência turística, estima afirmou o World Travel Tourism Council (WTTC).

Segundo um estudo apresentado pela entidade em Madrid, no decorrer da Fitur – Feira Internacional de Turismo, o WTTC indica que a capital francesa era o principal destino urbano mundial, mas este ano será superada por Pequim.

O WTTC lembrou que a pandemia de Covid-19 teve um impacto devastador no setor das viagens e turismo, sobretudo nas grandes cidades, uma vez que os governos nacionais tomaram a decisão de fechar as fronteiras para fazer face à crise sanitária.

Assim, um bom número de viajantes trocou as visitas das cidades por destinos menos massificados, tanto no litoral como nas áreas rurais, mas com a abertura das fronteiras, as grandes cidades voltaram a ser o foco das atenções para as férias.

“Paris assume a coroa como o destino urbano mais poderoso do mundo, com um setor de viagens e turismo no valor de quase 36 mil milhões de dólares em 2022, em termos de contribuição direta do PIB para a cidade”, mencionou o WTTC, que destacou que, nos próximos 10 anos a capital de França deverá cair para o terceiro lugar, embora o seu valor suba para mais de 49 mil milhões de dólares.

A organização observou que Pequim, na China, é atualmente o segundo maior destino urbano do mundo, com um setor de viagens e turismo avaliado em quase 33 bilhões mil milhões de dólares. No entanto, “ultrapassará Paris nos próximos 10 anos, crescendo para impressionantes 77 mil milhões de dólares”, assumiu.

No continente americano, Orlando, nos Estados Unidos, foi avaliado em 31 mil milhões de dólares em 2022 e ocupa o terceiro lugar, seguido por Xangai, Las Vegas e Nova Iorque.

“Grandes cidades como Londres, Paris e Nova Iorque continuarão a ser potências globais, mas nos próximos anos Pequim, Xangai e Macau subirão na lista dos principais destinos urbanos”, disse Julia Simpson, presidente e CEO do WTTC.

A executiva observou que os turistas sempre terão cidades favoritas para onde voltar, mas “à medida que outros países priorizam viagens e turismo, veremos destinos novos e emergentes a desafiar os favoritos tradicionais”.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Emprego e Formação

CNFT define novas estratégias para captar e reter talento no setor do turismo

A Comissão Nacional de Formação para o Turismo (CNFT) reuniu na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa, para apresentar novos projetos, um estudo de mercado para o setor, elaborado pela Universidade de Aveiro e para debater novas estratégias para captar e reter talento.

A reunião permitiu um debate alargado em torno da construção de uma agenda para a qualificação e o emprego no turismo e apresentar os resultados do “Estudo de Empregabilidade no Setor do Turismo”, realizado pela Universidade de Aveiro.

Organizada pelo Turismo de Portugal, a reunião contou com a presença do secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, Nuno Fazenda, do presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, e com 90 representantes de cerca de 50 entidades do setor do turismo em Portugal e que são membros da referida Comissão.

Na sua página oficial, o Turismo de Portugal dá conta que, durante a sua intervenção, o secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços identificou as grandes prioridades para o setor, e que passam pela criação de uma agenda para a valorização e qualificação das pessoas do setor do turismo, o incremento das políticas de turismo no interior, a aposta na internacionalização das empresas e das marcas turísticas e dar força às regiões na promoção turística regional, para que possam afirmar os seus ativos turísticos territoriais específicos.

Por sua vez, o presidente do Turismo de Portugal e presidente da Comissão Nacional, Luís Araújo, aproveitou a sua intervenção para apresentar o Cartão ATLAS, um cartão digital que reunirá um conjunto de benefícios e vantagens exclusivos para os profissionais do setor e que ficará disponível no início de março, escreve o mesmo site.

Por fim, foram apresentados os principais resultados do estudo sobre o mercado de trabalho para o setor do turismo, desenvolvido pela Universidade de Aveiro, e que visou analisar, avaliar e perspetivar o mercado de trabalho no turismo, e respetivos subsetores, a 10 anos, incluindo a caracterização da evolução setor a nível mundial e nacional.  O estudo desenvolvido junto de mais de 4.800 questionários a trabalhadores e estudantes do setor reúne um conjunto de propostas e caminhos estratégicos, que podem ser conhecidos em:

Da agenda da reunião fez parte ainda a apresentação conjunta entre o Turismo de Portugal, o IEFP e a RIPTUR – Rede de Institutos Politécnicos de Turismo das principais estratégias e instrumentos para a qualificação e valorização dos profissionais do setor do Turismo, bem como a assinatura de três protocolos, no âmbito do Programa Formação +Próxima, com a AHRESP, a PRO.VAR e a Câmara Municipal do Barreiro.​​​

​​Contribuir para a definição de estratégias de formação para o setor do turismo, através da criação de um espaço de cooperação, articulação e colaboração, é um dos objetivos da CNFT, que visa ainda analisar e monitorizar a oferta formativa dos vários agentes de formação e propor alterações, que contribuam para a qualificação dos recursos humanos no turismo, e criar sinergias entre os diferentes agentes, com vista à implementação de estratégias integradas de qualificação dos recursos humanos do turismo.

Por sua vez, as competências das Comissões Regionais, compostas pelas 12 Escolas de Hotelaria e Turismo de norte a sul do país, passam por: Identificar necessidades de formação turística (médio-longo prazo); Emitir parecer sobre Projeto técnico-pedagógico (outros instrumentos de planeamento); Emitir parecer sobre Oferta Formativa da Escola; Promover a integração da escola no desenvolvimento da região; Promover a transferência de conhecimento entre a escola e o setor; Colaborar na promoção da empregabilidade dos jovens; Promover e valorizar o consumo de produtos locais na rede de distribuição e comercialização.

 

Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Transportes

António Costa e Silva admite que o IAG é uma das opções de topo para a privatização da TAP

O ministro da Economia e Mar, António Costa e Silva, admitiu, em entrevista concedida ao jornal espanhol El Economista, aquando da sua visita a Madrid no âmbito da participação de Portugal na Fitur, que o IAG, o grupo que detém a Iberia, é uma das opções de topo para a privatização da TAP.

O governante português deixou claro que “a TAP é hoje uma empresa saudável e estão criadas as condições para a privatização para que a Iberia e outros operadores internacionais interessados ​​nela possam participar”, afirmou.

Embora entre os possíveis candidatos também existam outras opções, como a Lufthansa ou a Air France-KLM, para Portugal, a Iberia é fundamental porque já tem ligações com os três aeroportos continentais do país (Lisboa, Porto e Faro), bem como com a Madeira, e o ministro da Economia considera, na entrevista, que “a conectividade com o hub aeroportuário de Barajas iria potenciar o turismo e a economia do país e não só a TAP como também a Ibéria têm aqui um papel importante”.

Costa e Silva considera que “temos de lidar com a conectividade aérea porque há estudos que revelam que a falta dela condiciona a nossa economia face ao resto da Europa, visto que somos um país periférico”, realçando que a TAP desempenha um papel fundamental no crescimento do turismo e da economia portugueses.

Entretanto, o mesmo jornal espanhol indica que a  IAG, empresa-mãe da Iberia, não confirma nem desmente para já o eventual interesse na transportadora de bandeira do país vizinho – “não comentamos” -, enquanto continua focada em resolver a compra da Air Europa .

Além da conectividade aérea, Portugal e Espanha também estão avançando nas conexões ferroviárias de alta velocidade. “Na última cimeira ibérica que tivemos em Viana do Castelo, em dezembro, os dois governos falaram disso”, explicou o ministro. “É um ponto chave no desenvolvimento do turismo transfronteiriço e queremos promover as concessões ferroviárias, embora neste momento a prioridade seja a união entre o Porto e Vigo, para ligar o eixo norte de Portugal à Galiza”, aponta. No entanto, António Costa e Silva admite que “estamos também a estudar outras ligações porque gostaríamos que Portugal estivesse ligado a Espanha e que a Península Ibérica estivesse ligada às grandes redes europeias de transporte de alta velocidade. “Olhamos para a Península como um todo e vemos que podemos desenvolver um grande projeto transnacional”

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Gaia quer suspender por seis meses os novos registos de AL

A Câmara de Vila Nova de Gaia quer suspender por seis meses os novos registos de alojamento local e criar um regulamento municipal para tentar “regular melhor” o mercado e contribuir para a redução de preços no arrendamento.

O objetivo da proposta, que vai ser analisada e votada na reunião camarária agendada para segunda-feira, é “colocar um travão” para que o alojamento local não substitua o arrendamento e contribuir para a “baixa de preços”. Posteriormente o tema será levado a Assembleia Municipal. Sendo aprovada, esta proposta será válida por seis meses, podendo ser renovada, por igual período.

“Acompanhamos a evolução da oferta de alojamento local e entendemos que para aquilo que é a dimensão de Gaia, temos já uma resposta sólida. É preciso colocar um travão para que o alojamento local não seja a primeira prioridade que um proprietário tem para o seu imóvel. O alojamento local, neste momento, está a ser não a reabilitação de casas pré-existentes, mas está a funcionar como substituição do arrendamento. Então, parece-nos evidente que tem de haver uma intervenção que discipline um bocadinho isto. E, de alguma forma, contribuímos para a baixa de preços [no arrendamento]”, disse à Lusa, o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues.

O autarca explicou, à mesma fonte, que “em causa está também a questão da qualidade” e que se percebeu a necessidade de “alguma atividade fiscalizadora”, para acrescentar que “achamos que já temos o número suficiente de alojamentos, mas é preciso agora, na renovação anual, ter um regulamento suficientemente criterioso para garantir que o que estamos a disponibilizar é de facto de qualidade”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

Soltour Travel Partners reuniu na Fitur os principais players da indústria do turismo

A digitalização das agências de viagens, as novas propostas de valor da operação turística e a sustentabilidade nas companhias aéreas, foram alguns dos temas que a Soltour Travel Partners analisou com especialistas do setor durante a Fitur, onde apresentou também dois destinos que farão parte da sua operação em 2023: República Dominicana e Cabo Verde.

Na sua Summit, durante a Fitur, a empresa reuniu vários especialistas do mundo do turismo que partilharam a sua opinião sobre o futuro do setor em áreas importantes como a operação turística, as agências de viagens e as companhias aéreas. Além disso, a Soltour deu destaque a dois dos destinos mais exóticos e estabelecidos das suas operações – República Dominicana e Cabo Verde.

Na mesa-redonda sobre a “Digitalização das agências de viagens no desafio da sustentabilidade”, as agências de viagens presentes puderam descobrir as chaves da inovação e da digitalização, bem como as vantagens de as aplicar nos seus modelos de trabalho. “Acreditamos que a implementação de novas tecnologias aumenta a competitividade das agências de viagens e oferece um valor diferenciado às novas gerações, que estão muito conscientes sobre a importância de reduzir o seu impacto ambiental”, referiu Tomeu Bennasar, CEO da Soltour Travel Partners.

No painel de especialistas em operação turística – “Especialização e inovação: as novas propostas de valor da operação turística”, abordou-se a importância da operação turística no setor do turismo e como a proposta de valor parece ter evoluído no sentido da especialização do produto, oferecendo às agências de viagens soluções inovadoras para manter a sua competitividade na indústria.

“Voos Conscientes. Viagens consistentes”, dedicou-se à aplicação da sustentabilidade no setor da aviação. A sustentabilidade, uma tendência globalizada e cada vez mais importante entre as gerações mais jovens, obrigou a repensar as estratégias de vários setores, incluindo o turismo e a aviação, no sentido de um modelo mais ecológico, mais sustentável e mais amigo do ambiente, concluiu-se.

O primeiro dia da feira, também com a participação de vários peritos da indústria do turismo, a discussão centrou-se no papel da experiência local como dinamizadora dos hotéis e destinos.

A empresa realizou duas exposições culturais de dois destinos importantes – Riviera Maya e o Japão –, este último juntamente com o seu parceiro recente, Europamundo, e apresentou um novo parceiro, a WebBeds, o seu novo fornecedor de distribuição de alojamento.

A primeira grande experiência do dia ficou a cargo de Silvia Leal, especialista internacional em tendências e tecnologia, que abordou o Metaverso turístico e o potencial deste novo instrumento para o setor do turismo.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Ministra do Turismo do Brasil quer reduzir preço das passagens aéreas para estimular turismo doméstico

Daniela Carneiro diz que “reduzir o preço da passagem aérea para incentivar o turismo doméstico é uma das prioridades” da sua gestão, depois dos preços das passagens aéreas no Brasil terem subido perto de 14%.

A nova ministra do Turismo do Brasil, Daniela Carneiro, diz que a sua prioridade é reduzir o preço das passagens aéreas para estimular o turismo doméstico, avança a CNN Brasil.

De acordo com a governante, o objetivo passa por encontrar “uma solução que democratize o acesso à aviação brasileira”, cujos preços sofreram um aumento de 13,9% em outubro de 2022, em resultado do aumento da procura e do preço do combustível.

“Reduzir o preço da passagem aérea para incentivar o turismo doméstico é uma das prioridades da minha gestão”, afirmou Daniela Carneiro, revelando que, ainda este mês, vai promover uma reunião interministerial para encontrar soluções que promovam a descida dos preços.

Daniela Carneiro já se reuniu, entretanto, com a ABEAR – Associação Brasileira de Empresas Aéreas para discutir o tema.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Centro de Interpretação da Batalha dos Atoleiros

Destinos

Governo atribui designação de “monumento nacional” ao Terreiro da Batalha dos Atoleiros

O governo atribuiu, em Conselho de Ministros, a designação de “monumento nacional” ao Terreiro da Batalha dos Atoleiros e aprovou ainda a reclassificação como monumento de interesse nacional o Mosteiro de Santo Sepulcro.

O Governo decidiu esta quinta-feira, 19 de janeiro, em Conselho de Ministros, atribuir a designação de “monumento nacional” ao Terreiro da Batalha dos Atoleiros, na Herdade dos Atoleiros, em Fronteira.

“O Terreiro da Batalha dos Atoleiros constitui uma importante paisagem natural e histórico-cultural onde se conserva tanto a topografia original, como a memória material e simbólica do episódio bélico ocorrido em 1384 entre Portugal e Castela, de grande significado no quadro da resolução da crise dinástica gerada após a morte de D. Fernando I”, justifica o executivo em comunicado.

O Conselho de Ministros desta quinta-feira aprovou ainda a reclassificação como monumento de interesse nacional o Mosteiro de Santo Sepulcro, ou Mosteiro das Águas Santas, em Penalva do Castelo, Viseu.

O Mosteiro de Santo Sepulcro, que se encontra classificado como monumento de interesse público desde 2013, mantém “a zona especial de proteção anteriormente fixada”, uma vez que representa “um valioso testemunho da remota época da sua fundação e um singular exemplar artístico e arquitetónico do estilo românico”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Governo dos Açores destaca importância das acessibilidades para as ilhas do Triângulo

O presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, destacou a importância estratégica das acessibilidades aérea e marítima para o desenvolvimento e mobilidade das ilhas do Triângulo (Faial, Pico e São Jorge), bem como no combate à sazonalidade.

Na sequência de uma reunião, na cidade da Horta (ilha do Faial) com os novos corpos gerentes da Associação de Municípios do Triângulo, liderada por Luís Silveira, que preside à Câmara Municipal das Velas de São Jorge, José Manuel Bolieiro realçou que “a experiência piloto que o Governo dos Açores realizou quer na viabilidade aérea, com a introdução da Tarifa Açores [que permite viagens aéreas interilhas a 60 euros para os residentes], quer na mobilidade marítima, com um valorização de uma ligação inovadora entre São Roque do Pico e Velas de São Jorge, com um aumento de frequência, potenciou a economia e o desenvolvimento” do Triângulo.

Em declarações aos jornalistas, o líder do executivo açoriano apontou ainda a necessidade de “dar satisfação em oferta à procura turística das ilhas do Triângulo”, bem com de apostar na sua promoção, como forma de combater a sazonalidade.

O governante elogiou a “unidade organizativa” que a Associação de Municípios do Triângulo representa enquanto movimento de “promoção e incentivo ao desenvolvimento que o Triângulo potencia no quadro dos Açores”.

No que refere aos desafios mais imediatos destas três ilhas em concreto, o presidente do Governo reconheceu que o “combate à sazonalidade” no campo turístico é um dos elementos em ter em conta.

“As ilhas com menos população nos grupos Central e Ocidental, bem como em Santa Maria, no grupo Oriental, têm essa dificuldade”, disse José Manuel Bolieiro, considerando, segundo notícia da Lusa, que há um “trabalho a desenvolver pelo Governo Regional e as autarquias”.

O chefe do executivo açoriano lembrou, por outro lado, que a Tarifa Açores “já foi um elemento muito interessante, com o turismo que potenciou” dentro do arquipélago, “num ano ainda muito condicionado pela pandemia” e que “deverá agora continuar a surtir efeito”.

Por sua vez, o presidente da Associação de Municípios do Triângulo, Luís Silveira, também em declarações as jornalistas, e segundo a Lusa, sublinhou a “abertura total do presidente do Governo dos Açores para que possa apresentar candidaturas na região e aos fundos comunitários para promover o destino Triângulo dentro do destino Açores”, algo que “nunca se teve até aqui embora se o tenha procurado há alguns anos a esta parte”.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

AirHelp ajudou 1,5 milhões de pessoas a receberem compensação por problemas com voos em 10 anos de atividade

A empresa que se dedica à defesa dos direitos dos passageiros aéreos iniciou a sua atividade a 25 de janeiro de 2013 e, desde então, já ajudou 1,5 milhões de passageiros a receberem compensação por atrasos ou cancelamentos de voos.

A AirHelp, empresa que se dedica à defesa dos direitos dos passageiros aéreos, está a celebrar uma década de atividade, período ao longo do qual, adianta a empresa em comunicado, foi possível ajudar 1,5 milhões de pessoas a receberem compensação por problemas com voos.

“Em 10 anos, mais de 1,5 milhões de passageiros aéreos reclamaram, com sucesso, uma indemnização em resultado de atrasos e cancelamentos de voos”, destaca a AirHelp, lembrando que iniciou a sua atividade a 25 de janeiro de 2013, enquanto “organização sem fins lucrativos, com o objetivo de ajudar passageiros aéreos a reclamar os seus direitos relativamente a más práticas realizadas por companhias aéreas”.

De acordo com a informação enviada à imprensa pela AirHelp, a ideia para a criação da empresa surgiu “quando o fundador, Henrik Zillmer, passou por uma má experiência com um voo atrasado e se sentiu desprotegido e desinformado sobre os seus direitos”.

“Zillmer sentiu o desconforto e dificuldade que os viajantes experienciavam por terem de lidar diretamente com as companhias aéreas, bem como a necessidade de serem tratados de forma mais próxima e eficiente. Assim, nasceu a AirHelp com o compromisso de colmatar estas necessidades”, explica a AirHelp.

Atualmente com um novo líder, cargo que passou a ser ocupado, em 2022, por Tomasz Pawliszyn, a AirHelp cresceu, contando agora com 350 colaboradores e disponibilizando um serviço em 17 idiomas e através de uma rede de parceiros em 30 países, a AirHelp mantém, no entanto, o foco na defesa dos passageiros aéreos.

“É um orgulho ver a AirHelp como organização pioneira na afirmação dos direitos dos passageiros. Na última década, 1,5 milhões de viajantes confiaram em nós, foram compensados devido a perturbações nos seus voos e foram empoderados enquanto passageiros. Na AirHelp investimos continuamente em informação e tecnologia de ponta para facilitar ao máximo as reclamações dos nossos clientes e lutamos continuamente para alterar as leis que prejudicam todos os passageiros aéreos”, afirma Tomasz Pawliszyn, CEO da AirHelp.

Exemplo desse investimento é o facto da AirHelp contar, atualmente, com “a maior equipa de advogados especializados em direitos dos passageiros aéreos”, bem como com assistentes de inteligência artificial (IA) que “ajudam a processar reclamações e indemnizações de forma rápida, eficiente e em grande escala”.

A AirHelp diz também que, ao longo dos anos, a sua experiência jurídica tem ajudado a “melhorar a lei, ganhando importantes casos de referência que serviram para estabelecer jurisprudência e dos quais todos os passageiros aéreos beneficiam atualmente, incluindo aqueles que não reclamam através da organização”.

“A AirHelp ganhou uma série de casos que ajudaram a remover condições impostas por companhias aéreas consideradas injustas, bem como a remover obstáculos desnecessários exigidos pelas mesmas aquando da reclamação de indemnizações por parte dos passageiros”, acrescenta a empresa.

A AirHelp é ainda co-fundadora da Association of Passenger Rights Advocates (APRA) e tem vindo a arrecadar vários prémios, como o Spark Innovation Award e o Launch People’s Choice Award, publicando ainda, desde 2015, o AirHelp Score, “um ranking global das companhias aéreas líderes mundiais em termos do seu cumprimento da pontualidade, feedback dos clientes e processos de reparação de queixas dos clientes”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

República Dominicana anuncia novos investimentos hoteleiros

O Ministério do Turismo da República Dominicana anunciou, em Madrid, que foram fechados investimentos no valor de 3.445 milhões de dólares para o desenvolvimento de novas infraestruturas hoteleiras no país.

O ministro David Collado assegurou que “conseguimos fechar extraordinários de investimentos”, e que “só para este ano de 2023, os investimentos hoteleiros serão de 1.645 milhões de dólares e vão proporcionar um total de mais de 3.000 novos quartos”, informou, para acrescentar ainda que estes empreendimentos vão gerar mais de 10.000 postos de trabalho diretos e indiretos.

Entre os novos investimentos, Collado anunciou a conclusão de um acordo com a rede Planet Hollywood para a construção de um hotel no empreendimento Punta Bergantín, na cidade de Puerto Plata.

Por sua vez, David Llibre, presidente da Associação Dominicana de Hotéis e Turismo, destacou que “esses investimentos trazem ao país marcas muito valiosas que elevam o nível do turismo na República Dominicana, como Ritz Carlton, W Hotels, Dreams, Sport Illustrated, Hyatt, Four Seasons, entre outros”.

O ministro Collado aproveitou também a conferência de imprensa para informar que, no âmbito da Fitur, assinou sete novos acordos com operadores turísticos e agências de viagens europeias com capacidade para mais de 700 mil turistas que poderão chegar ao país este ano graças a esta iniciativa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se conectado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.