Edição digital
Assine já
PUB
Turismo

Turismo de Portugal com novas vertentes de atuação

A orgânica do Instituto do Turismo de Portugal passa a corporizar novas vertentes de atuação mais ajustadas ao desenvolvimento e implementação do Plano Estratégico para o Turismo – a Estratégia Turismo 2027.

Publituris
Turismo

Turismo de Portugal com novas vertentes de atuação

A orgânica do Instituto do Turismo de Portugal passa a corporizar novas vertentes de atuação mais ajustadas ao desenvolvimento e implementação do Plano Estratégico para o Turismo – a Estratégia Turismo 2027.

Publituris
Sobre o autor
Publituris
Artigos relacionados
APAVT com presença ainda mais forte na BTL 2024
Meeting Industry
Qatar Airways liga Doha a Lisboa com 4 voos semanais a partir de junho
Transportes
Comissão Europeia ordena a restituição de 33,84 M€ de auxílios estatais incompatíveis dados à Blue Air
Aviação
Aeroportos europeus registar aumento de tráfego de passageiros em janeiro de 2023
Transportes
João Cruz reforça equipa comercial da TUI Portugal
Distribuição
“Estamos confiantes que conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável”
Aviação
DST atrai excursões de cruzeiros a Macau para promover desenvolvimento do turismo de ligação Hong Kong-Macau e expandir fontes de visitantes internacionais
DST oferece a partir de 1 de Fevereiro viagens gratuitas de autocarro e de barco aos visitantes internacionais de Hong Kong para promover extensão da viagem a Macau ajudando a expandir fontes de visitantes internacionais
Estado moçambicano quer MP a investigar desvios na transportadora aérea LAM
Aviação
Kenya Airways abre voos diretos de Nairóbi para Maputo em junho
Aviação

A Portaria n.º 413/2023, aprovada em Conselho de Ministros de 7 de dezembro, o último do XXIII Governo, dá conta de novas vertentes de atuação mais ajustadas ao desenvolvimento e implementação do Plano Estratégico para o Turismo – a Estratégia Turismo 2027 – do Turismo de Portugal.

No texto da portaria pode ler-se que, “em resultado e por forma a alcançar plenamente os objetivos decorrentes das prioridades definidas nesse documento estratégico, importa corporizar e estruturar uma nova área de atuação no Turismo de Portugal, I. P., a Direção de Redes e Conectividade, a qual terá como principal missão garantir a competitividade das acessibilidades ao e no destino Portugal”.

Além disso, a portaria refere que se “identifica, ainda, a necessidade de reforçar a área de Gestão de Conhecimento com a incorporação da componente de planeamento estratégico e acompanhamento e monitorização das estratégias nacionais definidas para o setor do Turismo”.

Assim, as duas novas vertentes de atuação do Instituto impõem, por sua vez, “a necessidade de uma reformulação da atual organização interna do Turismo de Portugal, de modo a adaptá-la a formas de gestão dos processos e procedimentos cada vez mais ágeis e flexíveis, considerando os recursos existentes, e com maior foco na concretização da estratégia nacional definida para o setor, reforçando a aproximação do Turismo de Portugal às várias entidades desse mesmo setor”.

Adicionalmente, e nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 76/2021, de 16 de junho, que aprovou o “Plano Reativar o Turismo | Construir o Futuro”, estabeleceu-se que “as equipas de turismo atualmente sedeadas na rede externa da AICEP, deviam ser convertidas em serviços descentralizados do Turismo de Portugal, no estrangeiro, e integrados nas respetivas representações diplomáticas, com o intuito de dotar estas delegações de maior flexibilidade, agilidade e autonomia”.

A portaria conclui que este objetivo “foi concretizado através do Decreto-Lei n.º 51/2023, de 3 de julho, o qual, alterando a orgânica do Turismo de Portugal, veio, entre outras soluções, determinar o funcionamento em rede das equipas de turismo no estrangeiro, as quais se passam a reger pelos Estatutos do Turismo de Portugal, mais determinando que o recrutamento e exercício de funções dos membros destas equipas, bem como o regime de acreditação junto das missões diplomáticas e postos consulares portugueses, é regulado em diploma autónomo”.

Assim, a organização interna dos serviços do Instituto do Turismo de Portugal passa a integrar as seguintes áreas de atuação: “Planeamento; Negócio; e Suporte”.

Desta forma, as áreas de atuação organizam-se nas seguintes unidades orgânicas de 1.º grau, designadas por direções: Área de atuação de planeamento (Direção de Estratégia e Gestão do Conhecimento); Área de atuação de negócio (Direção de Redes e Conectividade, Direção de Recursos e Oferta, Direção de Competitividade das Empresas, Direção de Marketing e Mercados, Direção de Gestão de Competências e Capacitação e Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos);Área de atuação de suporte (Direção de Pessoas e Talento, Direção Financeira e de Tecnologias e Direção Jurídica”.

No que concerne Direção de Redes e Conectividade, compete a esta “garantir a competitividade das acessibilidades internacionais ao destino Portugal; definir e implementar a estratégia de captação da operação turística e aérea internacional para Portugal; alargar e reforçar rotas aéreas ao longo do ano e captar operações de homeport e de turnaround de cruzeiros; bem como promover a melhoria dos sistemas de mobilidade rodoferroviária e de navegabilidade nacional, em articulação com os interlocutores especializados e oferta turística nacional”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Artigos relacionados
APAVT com presença ainda mais forte na BTL 2024
Meeting Industry
Qatar Airways liga Doha a Lisboa com 4 voos semanais a partir de junho
Transportes
Comissão Europeia ordena a restituição de 33,84 M€ de auxílios estatais incompatíveis dados à Blue Air
Aviação
Aeroportos europeus registar aumento de tráfego de passageiros em janeiro de 2023
Transportes
João Cruz reforça equipa comercial da TUI Portugal
Distribuição
“Estamos confiantes que conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável”
Aviação
DST atrai excursões de cruzeiros a Macau para promover desenvolvimento do turismo de ligação Hong Kong-Macau e expandir fontes de visitantes internacionais
DST oferece a partir de 1 de Fevereiro viagens gratuitas de autocarro e de barco aos visitantes internacionais de Hong Kong para promover extensão da viagem a Macau ajudando a expandir fontes de visitantes internacionais
Estado moçambicano quer MP a investigar desvios na transportadora aérea LAM
Aviação
Kenya Airways abre voos diretos de Nairóbi para Maputo em junho
Aviação
PUB
Meeting Industry

APAVT com presença ainda mais forte na BTL 2024

Com um palco de apresentações e um total de 80 expositores, incluindo, nomeadamente, nove operadores turísticos, 60 agências de viagens, duas empresas de rent-a-car, companhias aéreas e DMC, a APAVT marca presença ainda mais forte na edição de 2024 da BTL.

Além de continuar a ser o maior espaço privado da BTL, com uma área de 1.200 metros quadrados, a APAVT reforça este ano a sua presença na BTL com o apoio de novos parceiros.

O bar do espaço APAVT, tradicionalmente o principal ponto de encontro do Pavilhão 4, é este ano apoiado pelo estado brasileiro de São Paulo. O espaço conta também com dois lounges exclusivos, sendo um da APAVT, apoiado pela ANA/Vinci, e outro do GDS Amadeus, ambos projetados para promover networking e negócios.

Além de manter a Ucrânia como o destino convidado, uma das grandes novidades do espaço APAVT nesta edição da BTL é que incluirá um stand de Macau, o “Destino Internacional Preferido” da associação em 2024.

Também se destaca a participação especial de Huelva, destino do congresso da APAVT deste ano, e a habitual presença do IPDAL, que reúne a promoção dos destinos latino-americanos e Caraíbas, bem como da Associação de Defesa do Consumidor – DECO e, no âmbito da Sustentabilidade, da certificadora Travelife for Tour Operators.

Nos dias dedicados ao público consumidor, o stand da APAVT passará por uma transformação de layout, concentrando-se nas vendas diretas ao público pelas agências de viagens expositoras, designadamente das redes Bestravel, GEA, DIT Portugal e Go4Travel.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Qatar Airways liga Doha a Lisboa com 4 voos semanais a partir de junho

A Qatar Airways vai retomar a ligação Doha-Lisboa a partir de 6 de junho de 2024, com quatro voos semanais.

A Qatar Airways anunciou o regresso dos voos entre Doha e Lisboa no âmbito da expansão da sua rede em 2024. Os quatro voos semanais terão início na quinta-feira, 6 de junho de 2024, servidos por um avião Boeing B787-8.

Recorde-se que a transportadora nacional do Estado do Qatar lançou pela primeira vez voos para Lisboa em junho de 2019, antes de a pandemia ter levado à sua interrupção menos de um ano depois.

A propósito do regresso da Qatar Airways a Lisboa, Thierry Antinori, diretor Comercial da companhia, refere que “à medida que continuamos a expandir a operação no mercado europeu, celebramos a retoma dos nossos voos para a bela cidade de Lisboa. A rota reforça a porta de entrada para a Ásia, África Oriental e Austral e para o subcontinente indiano, solidificando ainda mais a nossa posição como um ponto de acesso fundamental para os viajantes globais. Os passageiros da Qatar Airways podem agora explorar o coração histórico de Portugal este verão e passar as suas férias a desfrutar de uma das cidades mais ensolaradas da Europa.”

Além dos voos, os passageiros podem, a partir de junho, aproveitar a opção de transformar uma viagem de férias em duas com os pacotes de escala para o Qatar, oferecidos pela Discover Qatar, a partir de 14 dólares por pessoa e por noite. Os pacotes oferecem cinco opções para os passageiros que embarcam na Qatar Airways. Assim, estarão disponíveis os pacotes Standard (seleção de hotéis de 4 estrelas); Premium (seleção de hotéis de 5 estrelas); Premium com acesso à praia (seleção de hotéis de 5 estrelas com acesso à praia de Doha Sands, West Bay); Luxury (seleção de hotéis de luxo de 5 estrelas com pequeno-almoço incluído); e All-Inclusive Beach (seleção de hotéis de 5 estrelas que incluem pequeno-almoço e acesso à praia, com tudo incluído, em Doha Sands Beach, West Bay)

Todos os pacotes de escala incluem comodidades de check-in 24 horas por dia para que os hóspedes possam aproveitar ao máximo o seu tempo no Qatar e podem ser adaptados a opções adicionais, incluindo assistência no aeroporto, transferes e uma gama de excursões e experiências para melhorar a sua estadia, tais como City e Desert Tours.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Comissão Europeia ordena a restituição de 33,84 M€ de auxílios estatais incompatíveis dados à Blue Air

A Comissão Europeia concluiu que o plano de reestruturação da Blue Air não era suscetível de restabelecer a viabilidade a longo prazo da companhia aérea, sendo, por conseguinte, incompatível com as regras da UE em matéria de auxílios estatais. A Roménia deve agora restituir o auxílio estatal ilegal dado à da Blue Air no valor de aproximadamente 33,84 milhões de euros.

Em abril de 2023, a Comissão Europeia (CE) deu início a uma investigação aprofundada para avaliar se um plano de reestruturação da Blue Air e as medidas de auxílio aplicadas para apoiar este plano estavam em conformidade com as regras da União Europeia (UE) em matéria de auxílios estatais, em especial com as orientações relativas aos auxílios de emergência e à reestruturação concedidos a empresas não financeiras em dificuldade (as “Orientações R&R”).

A Blue Air tem registado dificuldades financeiras desde 2019. Em agosto de 2020, a Comissão aprovou duas medidas a favor da companhia aérea: i) uma garantia pública de cerca de 28 milhões de euros para cobrir os danos diretamente causados pelo surto de coronavírus; e ii) uma garantia pública de cerca de 33,84 milhões de euros sobre um empréstimo de emergência destinado a cobrir parcialmente as necessidades de liquidez da Blue Air durante os seis meses seguintes.

A Roménia concordou que, se a garantia pública sobre o empréstimo de emergência não fosse rescindida após seis meses a contar do pagamento do primeiro auxílio, que teve lugar em outubro de 2020, apresentaria à Comissão um plano de liquidação ou um plano de reestruturação global para a Blue Air.

Em abril de 2021, a Roménia apresentou um plano de reestruturação que foi posteriormente atualizado várias vezes. Em novembro de 2022, a Roménia reembolsou o empréstimo e adquiriu uma participação de 75% na Blue Air, depois de a companhia aérea ter suspendido as operações em setembro de 2022.

Na sequência da sua investigação aprofundada, iniciada em abril de 2023, a Comissão concluiu que o plano de reestruturação da Blue Air não era exequível, coerente e suficientemente abrangente para restabelecer a viabilidade a longo prazo da companhia aérea num prazo razoável e sem distorcer indevidamente a concorrência no mercado único. Esta situação foi corroborada pela incapacidade da Blue Air para manter as suas operações e pelo seu pedido de abertura de um processo de insolvência em março de 2023. O plano de reestruturação não foi atualizado na sequência da cessação das operações ou da abertura da investigação aprofundada.

“As medidas de apoio a um plano de reestruturação inadequado e irrealista que não seja apoiado por um financiamento de mercado suficiente por parte dos investidores para além do período de recuperação são ilegais ao abrigo das regras da UE em matéria de auxílios estatais”, refere a Comissão Europeia em nota.

A Roménia deve agora recuperar junto da Blue Air o auxílio estatal ilegal no montante de 33,84 milhões de euros acrescido de juros.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Aeroportos europeus registar aumento de tráfego de passageiros em janeiro de 2023

O número de passageiros que viajaram pelos aeroportos europeus aumentou no primeiro mês deste ano.

Vários aeroportos já ultrapassaram os níveis de 2019, enquanto outros esperam números mais elevados este ano.

Segundo informação avançada pelo SchengenVisaInfo.com, os aeroportos da rede Aena em Espanha (46 aeroportos), receberam mais de 18,6 milhões de passageiros no mês passado, o que representa um aumento de mais de 10% em relação a janeiro de 2023.

O maior número de viajantes foi registado no Aeroporto Adolfo Suárez Madrid-Barajas, atingindo quase 4,8 milhões de passageiros no mês passado.

Entretanto, o Aeroporto Josep Tarradellas Barcelona-El Prat registou 3,5 milhões de passageiros, seguido de Málaga-Costa del Sol (1,3 milhões), Gran Canaria (quase 1,3 milhões), Tenerife Sur (1,2 milhões) Alicante-Elche Miguel Hernández (958 088) e Aeroporto de Palma de Maiorca (889 815).

Entretanto, o aeroporto de Frankfurt (Alemanha) recebeu 4,1 milhões de passageiros no mês passado, registando um aumento de 11% em comparação com o mesmo período do ano passado. Apesar deste crescimento homólogo, o tráfego de passageiros foi 12,6% inferior ao registado em janeiro de 2019.

Para além do aeroporto de Frankfurt, outros aeroportos do portfólio internacional da Fraport registaram um aumento no tráfego de passageiros durante este período.

O aeroporto de Berlim recebeu cerca de 1,48 milhões de viajantes, quase 13% mais do que em janeiro do ano anterior, com o dia 7 de janeiro a ser o mais movimentado do mês, com o número de passageiros a atingir os 63.613.

1,7 milhões de viajantes passaram pelo aeroporto de Copenhaga (Dinamarca) durante o mês de janeiro de 2024, o que representa um aumento de 7% em relação ao ano anterior.

Os destinos preferidos dos passageiros do aeroporto da capital dinamarquesa durante esse mês foram Londres, Oslo e Estocolmo.

No entanto, o maior aumento do tráfego de passageiros foi registado nas rotas para destinos na Ásia e no Médio Oriente, com 47% e 36%, respetivamente.

O aeroporto de Keflavík, o maior aeroporto da Islândia, recebeu mais de 451.000 passageiros no mês passado. O dia 2 de janeiro foi o mais movimentado do mês, com 22611 viajantes a passarem pelo aeroporto.

Londres, Copenhaga, Nova Iorque, Manchester e Paris foram os destinos mais populares durante esse período.

Os cidadãos britânicos e norte-americanos foram os que mais partiram, com 21% e 19%, respetivamente. Os cidadãos alemães ficaram em terceiro lugar, seguidos pelos cidadãos holandeses e chineses.

Para além dos aeroportos mencionados, o aeroporto de Riga (Letónia) registou um aumento do tráfego de passageiros no primeiro mês de 2024, recebendo 420000 passageiros, mais 5000 do que no mesmo período do ano passado.

A companhia aérea nacional, AirBaltic, foi a que movimentou mais passageiros (222000), seguida da companhia aérea irlandesa de baixo custo Ryanair (132000).

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Distribuição

João Cruz reforça equipa comercial da TUI Portugal

O operador turístico TUI Portugal anuncia um novo crescimento da equipa comercial com aposta para a zona norte do país.

A TUI Portugal, parte do Grupo TUI, acaba de reforçar o departamento comercial liderado por Nuno Fouto, atual Commercial Manager da operação, agora para assegurar a presença da marca na zona norte do país.

Após a entrada de Rita Carvalho para a área comercial no passado mês de dezembro, a contratação de João Cruz, que terá a sua base operacional no Porto, é mais um passo da TUI Portugal na sua estratégia de desenvolvimento de negócio e consolidação da relação comercial com as Agências de Viagens, essencial para o crescimento do operador.

Com um vasto conhecimento no setor do turismo, João Cruz exercia, até à data, funções de Agente de Viagens, assumindo agora um papel comercial, com o objetivo de reforçar a presença da marca e oferta da TUI Portugal junto das Agências de Viagens na zona norte do país.

Para Nuno Fouto, “este crescimento da equipa é fruto da estratégia para melhorar o serviço prestado às Agências, considerando as necessidades atuais do mercado”.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

“Estamos confiantes que conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável”

A renovação do acordo com a Travelstore, que foi o primeiro player do setor das viagens em Portugal a aderir ao programa Air France-KLM SAF Corporate, serviu de mote para uma conversa com Miguel Mota, diretor comercial da Air France-KLM em Portugal, sobre a política de sustentabilidade do grupo de aviação, que tem vindo a dar vários passos para reduzir as suas emissões poluentes.

 

Com metas ambiciosas para a descarbonização, a Air France-KLM trouxe para Portugal o programa SAF Corporate, um dos trunfos do grupo para estimular a produção de SAF – Combustível Sustentável para a Aviação, que é menos poluente e mais amigo do ambiente, e que conta já com a participação da Travelstore, o primeiro e, por enquanto, único parceiro deste programa, que o grupo de aviação pretende continuar a desenvolver e aumentar. O acordo com a Travelstore, que foi renovado em dezembro, foi a desculpa perfeita para o Publituris conversar com Miguel Mota, diretor comercial da Air France-KLM em Portugal, sobre os passos que a Air FranceKLM tem vindo a dar, também em Portugal, com vista a uma aviação mais sustentável e que permita alcançar a meta de chegar a 2050 com zero emissões de CO2.

A Air France-KLM e a Travelstore renovaram o acordo que tornou a Travelstore no primeiro player do setor das viagens em Portugal a aderir ao programa de combustível sustentável do grupo de aviação. Qual é a importância da renovação deste acordo, que foi originalmente estabelecido em maio de 2023?

A renovação deste acordo – assinado a 3 de maio de 2023 e renovado a 14 de dezembro passado – reveste-se da maior importância, já que demonstra um forte compromisso da Travelstore com a sustentabilidade e representa a participação, pela primeira vez em Portugal, de um grande player da indústria de viagens no ambicioso programa SAF Corporativo – Combustível Sustentável para a Aviação da Air France-KLM. Como afirmámos em maio, não poderíamos estar mais orgulhosos por contar, como primeiro parceiro do nosso programa, com um ator tão importante na indústria de viagens e turismo em Portugal.

Em que consiste o programa de combustível sustentável da Air France-KLM e porque devem as empresas do setor das viagens em Portugal aderir?

O combustível sustentável para a aviação é, hoje, juntamente com a renovação da frota, uma das medidas mais eficazes para reduzir as emissões de CO2 das viagens aéreas e o nosso objetivo é aumentar a proporção de SAF que utilizamos. A Air France-KLM pretende liderar o caminho na incorporação de SAF e apoiar o desenvolvimento de capacidades de produção em todo o mundo com iniciativas tangíveis e vinculativas, tais como acordos de compra plurianuais, o investimento num produtor de SAF ou o apoio à I&D em projetos de descarbonização. Desde janeiro de 2022, foi integrada uma contribuição SAF em cada bilhete nas partidas de França e dos Países Baixos, em simultâneo com a incorporação de 1% de SAF nos voos com partida de ambos os países. O grupo estabeleceu ainda metas ambiciosas que excedem os requisitos regulamentares, nomeadamente a redução das emissões de CO2 por passageiro/ km em 30% e a incorporação de um mínimo de 10% de SAF até 2030 face a 2019. Mas isto não é suficiente, uma vez que o preço do SAF é atualmente 3 a 6 vezes mais elevado do que o jet fuel de combustíveis fósseis e precisamos urgentemente de uma maior produção de SAF. Neste contexto, o programa Air France-KLM SAF Corporate propõe às empresas um papel ativo no futuro das viagens, envolvendo uma contribuição anual das empresas participantes que é investida pelo grupo no fornecimento e na utilização de combustível sustentável para a aviação. Através do programa de SAF, os clientes empresariais da Air France e da KLM, após uma estimativa das emissões de CO2 associadas às suas viagens, podem determinar a contribuição anual que desejam fazer para o programa de SAF. Esperamos que outros players e parceiros do Grupo em Portugal se sintam impulsionados e encorajados por este incentivo e adiram a esta iniciativa, uma vez que, em termos de sustentabilidade, somos todos parte da solução.

Desde o estabelecimento do acordo com a Travelstore, a Air France-KLM já conseguiu atrair mais parceiros para este programa? Se sim, que parceiros são esses e que mais-valias vão aportar a este programa?

Até agora, apenas a Travelstore aderiu ao nosso programa de SAF em Portugal. Mas estamos em contacto com outros parceiros locais e partes interessadas da indústria e esperamos contar com novas adesões em 2024. Estas parcerias estratégicas representam um valor acrescentado relevante para o compromisso da Air France-KLM de apoio à criação de uma rede escalável de capacidades de produção de SAF na Europa e em todo o mundo.

Como espera a Air France-KLM que este programa evolua em Portugal? Há alguma meta para 2024?

Em Portugal, o principal objetivo é poder acompanhar cada vez mais os nossos parceiros e clientes locais na internalização e na aplicação dos critérios de sustentabilidade nas estratégias de negócio das suas empresas, bem como nos seus hábitos de viagem. Este ano, esperamos atrair mais empresas para o programa.

Papel dos passageiros e desafios do SAF

Além das empresas, também os clientes da Air France-KLM podem aderir a este programa. Como está a adesão dos passageiros, é mais fácil do que a das empresas?

Além do programa SAF Corporativo, a Air FranceKLM pretende oferecer a todos os seus clientes opções para contribuir para a descarbonização da aviação. O grupo desenvolveu vários programas e iniciativas líderes do setor, que se somam à contribuição de SAF já integrada em cada bilhete vendido desde janeiro de 2022. No caso dos clientes particulares, refira-se que estes podem facilmente optar pela “opção ambiental” no momento da reserva, o que permite adquirir quantidades de SAF com base no consumo de combustível durante a viagem. Além disso, desde 2022, todos os membros Flying Blue, programa de passageiro frequente da Air France-KLM, têm a opção de adquirir SAF usando milhas. Estas contribuições contam para conquistar ou manter o status Elite do Flying Blue, que foi o primeiro programa de passageiro frequente da indústria de a introduzir estruturalmente essa opção para ganhar status.

O programa prevê que os parceiros e clientes possam fazer uma contribuição anual para compensar as suas emissões. Quanto já foi arrecadado e em que são aplicadas essas verbas?

Devemos sublinhar, em primeiro lugar, que o nosso programa SAF Corporativo não trata da compensação, mas antes de evitar as emissões de carbono. Dito isto, estamos muito satisfeitos em constatar que as contribuições através do nosso programa têm aumentado de forma bastante expressiva. Em 2023, foram assinados 116 contratos de SAF Corporativo em todo o mundo, que resultaram na compra de 11 mil toneladas de SAF. 188 pequenas e médias empresas e indústrias membros do programa BlueBiz da Air France-KLM também aderiram à iniciativa. A Air France KLM Martinair Cargo, a divisão de carga do grupo, conduz um programa semelhante, ao qual já se juntaram 29 transitários e clientes em 2023.

O SAF continua, no entanto, a ser caro e escasso, mas a Air FranceKLM estabeleceu recentemente um acordo com a DG Fuels para fornecimento deste combustível. Que diferença vai fazer este acordo para que a Air FranceKLM atinja os seus objetivos?

Em outubro de 2022, anunciámos um acordo de compra de 600 mil toneladas de SAF à DG Fuels, a serem entregues entre 2027 e 2036. Em novembro passado, fomos um pouco mais longe nessa cooperação, investindo 4,7 milhões de dólares para a DG Fuels poder concluir a sua primeira fábrica sustentável de combustível de aviação, localizada no Louisiana (EUA). Além desse investimento, adquirimos uma nova opção de compra de até 75 mil toneladas de SAF por ano à DG Fuels. Acreditamos fortemente que este tipo de ações são exemplos do que pode ser feito para aumentar a produção de SAF e reduzir os preços. Em números, a produção mundial de SAF atingiu mais de 0,5 milhões de toneladas (Mt) em 2023, o dobro das 0,25 Mt produzidas em 2022 e um terço do que se espera (1,5 Mt) que seja produzido em 2024.

A operação das companhias aéreas do grupo em Portugal também já usa SAF? Como tem sido a evolução do uso deste combustível nas operações em Portugal?

Conforme mencionado, tanto a Air France como a KLM estão a incorporar, desde 2022, até 1% de SAF por ano nos voos com partida de França e dos Países Baixos, o que vai além dos requisitos obrigatórios da UE. A utilização de SAF requer uma infraestrutura local e uma disponibilidade deste combustível em cada país. O que posso dizer é que, para Portugal, importa sublinhar a escolha de Lisboa (Air France) e Porto (KLM) para a operação dos voos de médio curso mais sustentáveis de cada uma das companhias aéreas no âmbito do ‘Skyteam Sustainable Flight Challenge’ em maio de 2022. Esta iniciativa revela a atenção que o Grupo dedica a todos os mercados onde está presente a nível mundial e como desenvolve diferentes ações para continuar a explorar soluções que vão reduzir a pegada ambiental das suas operações.

Política de sustentabilidade

 A nível nacional, como avalia a Air France-KLM o caminho que a aviação e todo o setor do turismo está a fazer com vista à redução das emissões poluentes?

A nível europeu, penso que há uma grande sensibilização a este respeito e os diferentes stakeholders estão ativamente envolvidos na redução das emissões e da pegada de carbono das suas empresas. Porém, para que tenha um impacto real, especialmente em Portugal, é necessária uma determinação ainda mais forte de todas as partes interessadas.

Além deste programa, a Air France-KLM tem vindo a apostar na sustentabilidade. Como está a evoluir a política de sustentabilidade do grupo, nomeadamente em Portugal?

Ao longo de 2023, continuamos a trabalhar para descarbonizar todas as nossas atividades, visando atingir o Net Zero em 2050. Para cumprir essa trajetória, além das nossas iniciativas no âmbito do SAF, atuamos em diferentes frentes: acelerando a renovação da nossa frota com aviões de nova geração, facilitando e desenvolvendo a intermodalidade com a digitalização da jornada do cliente, etc. Estamos também comprometidos com as nossas responsabilidades sociais, o segundo pilar da nossa ambição. A diversidade e a igualdade de género são uma das principais prioridades do nosso grupo. A Air France-KLM está empenhada em ter 40% da Comissão Executiva e dos cargos de gestão do Grupo ocupados por mulheres até 2030. Naturalmente, estes objetivos aplicam-se tanto aos mercados nacionais como a todos os países onde operamos, incluindo Portugal.

A aposta na sustentabilidade é, contudo, cara. Quanto estima a Air France-KLM investir em sustentabilidade em Portugal, no próximo ano?

Não divulgamos esses números. Mas, certamente, este compromisso representa um forte investimento, indispensável para um desenvolvimento da nossa atividade coerente com os nossos objetivos e estratégia.

Outras estratégias e futuro

Outro dos pilares da política de sustentabilidade da Air FranceKLM é a renovação da frota, com aparelhos mais amigos do ambiente. Que aparelhos estão as companhias do grupo a utilizar nas suas operações em Portugal e qual é a previsão para o futuro?

A renovação da frota com aviões de nova geração, juntamente com a introdução de SAF e medidas operacionais (operações terrestres, ecopilotagem e outras iniciativas), é decisiva para conseguir voos mais sustentáveis. Por isso, pretendemos substituir os nossos Airbus A320, A330 e 777-200ER por modelos mais recentes e com baixo consumo de combustível, os nossos novos Airbus A220, A320/A321neo e A350 ou Boeing 787 são mais eficientes em termos de consumo de combustível, reduzindo até 25% as emissões de CO2 e o nível de ruído numa média de 33%. Até 2028, estes aviões representarão 64% da frota do Grupo Air France-KLM, graças a um investimento anual de dois mil milhões de euros. Portugal foi um dos países escolhidos para iniciar as operações do nosso novo A220 em dezembro de 2021 com a Air France. Para a KLM, utilizamos cada vez mais o Embraer 190, especialmente de/ para o Porto.

Que outras estratégias de redução das emissões está a Air France-KLM a usar em Portugal?

A estratégia global do Grupo é implementada em cada um dos mercados onde está implantado. Nesse aspeto, Portugal segue esta regra.

A nível governamental, uma das estratégias que têm vindo a ser usadas reside na colocação de taxas ambientais. Como olha a Air France-KLM para estas taxas, cumprem o objetivo para que foram criadas?

Embora os impostos não reduzam diretamente as emissões de CO2, a introdução de impostos, como o imposto sobre o combustível, só pode fazer sentido se forem implementados a nível global, para manter condições de concorrência equitativas a nível internacional. Os parâmetros principais devem ter em conta a quantidade de produção de SAF disponível globalmente e a acessibilidade a todos os intervenientes. Para disponibilizar os investimentos necessários para a descarbonização da aviação, é uma condição prévia que todas as receitas do imposto global sobre o combustível sejam utilizadas para tornar o setor mais sustentável – por exemplo, tornando os SAF mais acessíveis ou para promover as novas tecnologias.

Como vê a Air France-KLM o futuro da aviação em Portugal, vamos conseguir tornar a nossa aviação mais sustentável e chegar a 2050 com zero emissões de CO2?

Vemos vários stakeholders a tomar medidas em Portugal, isto é muito bem-vindo e vai ter um efeito positivo no futuro da aviação em Portugal. Estamos confiantes que, todos juntos, conseguiremos tornar a aviação em Portugal mais sustentável, contribuindo assim para atingir os nossos objetivos para 2050. Alcançar as metas será um trabalho coletivo. Temos um longo caminho pela frente, mas, na Air France-KLM, estamos a tomar medidas para que isso aconteça e também contamos com a ação de todas as partes interessadas relevantes.

*Entrevista publicada originalmente na edição 1502 do jornal Publituris.

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos

DST atrai excursões de cruzeiros a Macau para promover desenvolvimento do turismo de ligação Hong Kong-Macau e expandir fontes de visitantes internacionais

Pacotes de excursão turística a Macau à venda em várias empresas internacionais de cruzeiros

A Direcção dos Serviços de Turismo (DST) tem-se empenhado na promoção do turismo de Macau, explorando diferentes mercados turísticos em todas as frentes. Tendo como alvo os visitantes internacionais de cruzeiros com poder de consumo, a DST lançou ofertas de promoção turística, para incentivar os visitantes internacionais atracados no terminal de cruzeiros de Hong Kong a visitarem Macau em excursões, para alargar as fontes de visitantes internacionais, promover o desenvolvimento do turismo de ligação entre Hong Kong e Macau, e impulsionar o consumo turístico de Macau.

12 empresas internacionais de cruzeiros lançam produtos de viagens para Macau

Aproveitando a recuperação do turismo internacional de cruzeiros, a DST lançou ofertas turísticas para os cruzeiros que atracam em Hong Kong este ano, para incentivar os turistas internacionais de todo o mundo a participarem em excursões para passear e consumir em Macau quando estão parados em Hong Kong. Actualmente, 12 companhias internacionais de cruzeiros já se encontram a vender pacotes de excursão a Macau, podendo os passageiros optar por consultar e adquirir excursões a Macau antes da partida, no cruzeiro ou à chegada a Hong Kong, na página electrónica das companhias de cruzeiros ou nos balcões de turismo a bordo. O itinerário do passeio inclui visitas ao Centro Histórico de Macau, ao Museu de Macau, à Torre de Macau e a grandes resorts, entre outros, para que os visitantes internacionais possam experienciar os ricos e diversificados elementos de “turismo +” de Macau.

Um porto com duas viagens

Aproveitando as vantagens do terminal de cruzeiros de Hong Kong, a DST pretende providenciar uma forma relaxada e conveniente para atrair os visitantes internacionais a incluírem Macau nos seus itinerários, aproveitando a viagem de cruzeiro para ter uma experiência “multi-destinos” Hong Kong-Macau, trazendo aos visitantes internacionais uma viagem diversificada que combina e promove o turismo de ligação dos dois destinos.

Promoção em diversas plataformas no mercado internacional

A DST continua a realizar diferentes tipos de promoções online e presenciais direccionadas aos mercados de visitantes internacionais, para em conjunto com os eventos anuais de Macau impulsionar mais visitantes internacionais a visitarem a cidade para passar férias e festividades, e experienciar os novos elementos e instalações de “turismo +” de Macau, aumentando o seu tempo de estadia e o consumo, num conjunto de esforços para expandir as fontes de visitantes.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos

DST oferece a partir de 1 de Fevereiro viagens gratuitas de autocarro e de barco aos visitantes internacionais de Hong Kong para promover extensão da viagem a Macau ajudando a expandir fontes de visitantes internacionais

Visitantes internacionais podem usufruir da oferta de bilhetes grátis de autocarro e barco

Através de diferentes planos e medidas, a Direcção dos Serviços de Turismo (DST) continua a expandir o mercado turístico internacional. A partir do dia 1 de Fevereiro, em conjunto com empresas de transporte de passageiros de autocarro e de barco entre Hong Kong e Macau, a DST vai lançar a oferta de bilhetes de autocarro directo e de barco gratuitos de Hong Kong para Macau, destinada aos visitantes internacionais que visitam Hong Kong (vindos de fora da Grande China). Através da oferta especial, a DST procura que mais visitantes internacionais optem por se deslocar a Macau para experienciar os elementos de “turismo +”, alargando as fontes de visitantes e promovendo o turismo e a economia.

Uma companhia de autocarro e duas de barco

A DST em cooperação com os Serviços de Transporte de Passageiros no Aeroporto Internacional de Hong Kong (Macau), S.A. (Ligação directa entre Macau e o Aeroporto de Hong Kong), a Shun Tak China Travel – Companhia de Gestão de Embarcações (Macau), Limitada (TurboJET) e a Cotai Companhia de Ferries, Limitada (Cotai Water Jet), proporcionará aos visitantes internacionais que visitam Hong Kong bilhetes gratuitos de autocarro directo e de barco. Os visitantes internacionais podem obter bilhetes gratuitos de autocarro ou de barco num só sentido de Hong Kong para Macau, durante um período de seis meses e sete meses, respectivamente. Devido ao limite no número de ofertas, os bilhetes são processados por ordem de chegada.

Autocarro directo gratuito

O período de promoção do serviço gratuito de autocarro directo decorre de 1 de Fevereiro a 31 de Agosto de 2024. Após a chegada ao Aeroporto Internacional de Hong Kong, basta mostrar o documento de viagem válido do estrangeiro e o cartão de embarque, dentro da zona restrita, para obter o bilhete gratuito e apanhar o autocarro directo para Macau, via Ponte Hong Kong-Zhuhai-Macau, no terminal de transferências SkyPier do Aeroporto Internacional de Hong Kong.

Serviço de autocarro directo entre Macau e aeroporto de Hong Kong

Página electrónica: https://www.macauhkairportbus.com

Informações em Hong Kong: (852) 3193 9188

Informações em Macau: (853) 6567 0900

Email: [email protected]

Viagem gratuita de barco

O período de promoção das embarcações de passageiros decorre de 1 de Fevereiro a 31 de Julho de 2024, com o objectivo de oferecer aos visitantes internacionais que visitam Hong Kong bilhetes de barco num só sentido para Macau, a fim de atrair os visitantes a prolongarem a sua viagem a Macau. Os visitantes internacionais elegíveis podem efectuar a reserva antecipada de bilhetes de jetfoil gratuitos, munidos apenas do documento de viagem estrangeiro válido e do talão do cartão de embarque, do bilhete electrónico ou do recibo de transporte, comprovativo de chegada a Hong Kong sete dias anteriores à deslocação a Macau.

TurboJet

Página electrónica: https://www.turbojet.com.hk/tc/

Informações em Hong Kong: (852) 2859 3333

Informações em Macau: (853) 2855 5025

Email: [email protected] / [email protected]

Cotai Water Jet

Página electrónica: https://hk.cotaiwaterjet.com/

Informações em Hong Kong: (852) 2859 1640

Informações em Macau: (853) 2885 0595

Email: [email protected]

A DST espera que este plano de promoção proporcione aos visitantes internacionais um serviço de transporte gratuito e conveniente, que aumente a sua vontade de escolher Macau como destino turístico.

Vários canais de promoção para atrair visitantes a Macau

A DST e as operadoras dos serviços de transportes vão acompanhar a oferta especial com uma série de promoções online e presenciais,para expandir activamente as fontes de visitantes, incluindo através das redes sociais como o Facebook, Instagram, Tiktok e Kakao. Em combinação com a série de eventos alinhados para decorrer em Macau, pretende-se que a nova oferta impulsione mais fluxos de visitantes internacionais a passar as festividades em Macau e vivenciar as novas ofertas e infraestruturas de “turismo +”, contribuindo para aumentar o seu tempo de estadia e consumo, e promover o desenvolvimento do turismo e da economia.

Sobre o autorBrand SHARE

Brand SHARE

Mais artigos
Aviação

Estado moçambicano quer MP a investigar desvios na transportadora aérea LAM

O Instituto de Gestão das Participações do Estado (IGEPE) de Moçambique quer ver os alegados desvios e atos de sabotagem interna na transportadora aérea estatal LAM apurados e pediu a investigação do Ministério Público.

“O IGEPE reitera o seu compromisso com a lisura, transparência e legalidade na gestão de capitais públicos e manifesta a sua disponibilidade em colaborar com as investigações com vista ao apuramento da verdade”, lê-se num comunicado.

O diretor de restruturação das Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) denunciou em 12 de fevereiro um esquema de desvio de dinheiro, com prejuízos de pelo menos quase três milhões de euros, em lojas de venda de bilhetes, através de máquinas dos terminais de pagamento automático (TPA/POS) que não são da companhia.

“Fizemos um trabalho relâmpago com a segurança interna da LAM de recolher todos os POS e, dos 20 pontos de venda de bilhetes da LAM, recolhemos, até domingo, 81 POS. Há algumas lojas onde os próprios chefes dos estabelecimentos não reconhecem as máquinas e dizem não saber sequer a quem pertencem”, declarou Sérgio Matos, numa conferência de imprensa em Maputo.

A LAM está num processo de revitalização, com a empresa sul-africana Fly Modern Ark (FMA) encarregue da gestão desde abril, com um plano de restruturação em curso.

“Tendo em conta a gravidade das informações vindas a público, o IGEPE, representante do acionista Estado na LAM e entidade que gere e coordena o setor empresarial do Estado, instruiu a FMA e a LAM a apurarem os factos e canalizarem imediatamente as suspeitas às autoridades competentes, tendo sido apresentada uma solicitação de investigação na Procuradoria da República da cidade de Maputo”, acrescentou o instituto.

O primeiro-ministro de Moçambique, Adriano Maleiane, afirmou no domingo que o Governo quer “ajudar” os gestores da LAM a encontrarem “o caminho correto”, depois de revelados alegados desvios e atos de sabotagem interna.

“Se a regra de gestão foi violada, isto tem de ser corrigido, e há instrumentos legais, financeiros, para a resolução do problema. Todos os problemas na gestão vão surgindo, infelizmente. O importante é termos solução, para não termos problemas que temos e, se de facto existir alguma má intenção nesse processo, então temos as instituições que tratam desse problema”, disse Maleiane, questionado pelos jornalistas.

“Temos de ajudar a empresa e os gestores a encontrarem o caminho correto”, acrescentou.

A estratégia de revitalização da LAM segue-se a anos de problemas operacionais relacionados com uma frota reduzida e falta de investimento, com registo de alguns incidentes, não fatais, associados por especialistas à deficiente manutenção das aeronaves.

A fiscalização aos alegados desvios começou há mais de duas semanas, quando a LAM percebeu que, embora o número de bilhetes vendidos esteja a subir, as contas continuam longe do esperado.

“Está-se a vender, mas a empresa não está a ter todo o dinheiro e nos últimos três meses das avaliações fomos vendo que o diferencial que estávamos a ter estava na ordem entre dois milhões de dólares [1,8 milhões de euros] e três milhões de dólares [2,7 milhões de euros]. Só no mês de dezembro, estamos com um défice de 3,2 milhões de dólares [2,9 milhões de euros]”, observou, na altura, Sérgio Matos, avançando que a inspeção registou casos suspeitos mesmo na recolha de dinheiro vivo nas lojas.

A inspeção levada a cabo também identificou anomalias no que toca ao abastecimento de combustível às aeronaves.

“Se uma aeronave tem capacidade máxima de combustível na ordem de 80.000 litros, nós chamamos de 80 toneladas, [nos documentos] a mesma aeronave está a ser abastecida a 95 toneladas. Então a questão é onde as 15 toneladas restantes estão a entrar”, questionou.

A LAM opera 12 destinos no mercado doméstico, a nível regional voa regularmente para Joanesburgo, Dar-Es-Salaam, Harare, Lusaca, e Cidade do Cabo, e Lisboa é o único destino intercontinental.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

Kenya Airways abre voos diretos de Nairóbi para Maputo em junho

Os voos da Kenya Airways entre Nairóbi e Maputo arrancam a 14 de junho e vão decorrer às quartas, sextas e domingos.

A partir de 14 de junho, a Kenya Airways vai começar a operar voos diretos entre Nairóbi, capital do Quénia, e Maputo, em Moçambique, numa operação que vai contar com três ligações aéreas por semana.

De acordo com a APG Portugal, que representa a companhia aérea queniana em Portugal, os voos entre Nairóbi e Maputo vão decorrer às quartas, sextas e domingos.

As partidas da capital queniana decorrem pelas 09h50 e os voos chegam a Maputo às 13h00, enquanto em sentido  contrário as partidas da capital moçambicana estão agendadas para as 13h50, chegando a Nairóbi às 18h45.

A APG Portugal lembra que a Kenya Airways é membro da aliança Sky Team e voa para 54 destinos, incluindo 41 no continente africano, e transporta anualmente cerca de quatro milhões de passageiros.

A companhia aérea queniana conta ainda com uma frota composta por 37 aviões, incluindo oito aparelhos Boeing 737-800 Dreamliner, oito Boeing 737-800, quatro Boeing 737-700, dois Boeing 737-300F e 15 Embraer E190.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2021 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.