Edição digital
Assine já
PUB

Foto: Depositphotos.com

Distribuição

O agente de viagens não vai “morrer” com a IA, mas atenção!

A Inteligência Artificial (IA) chegou também ao mundo das viagens, mas os especialistas garantem que o agente de viagens, mais uma vez, não vai “morrer”, pois soube sempre adaptar-se, ao longo dos tempos, às novas tecnologias. No entanto, há novos desafios que se colocam e a classe tem de estar atenta. Pela pertinência do tema, a própria Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) vai esmiuçar o assunto no seu 48.º Congresso, a realizar de 30 de novembro a 2 de dezembro, no Porto, porque quer entender o impacto da IA neste setor.

Carolina Morgado

Foto: Depositphotos.com

Distribuição

O agente de viagens não vai “morrer” com a IA, mas atenção!

A Inteligência Artificial (IA) chegou também ao mundo das viagens, mas os especialistas garantem que o agente de viagens, mais uma vez, não vai “morrer”, pois soube sempre adaptar-se, ao longo dos tempos, às novas tecnologias. No entanto, há novos desafios que se colocam e a classe tem de estar atenta. Pela pertinência do tema, a própria Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) vai esmiuçar o assunto no seu 48.º Congresso, a realizar de 30 de novembro a 2 de dezembro, no Porto, porque quer entender o impacto da IA neste setor.

Sobre o autor
Carolina Morgado
Artigos relacionados
Bruxelas abre investigação a ajuda estatal alemã de 6 MM€ à Lufthansa na pandemia
Aviação
The Verse: o novo aparthotel a abrir portas na Rua de São Bento em Lisboa
Alojamento
FIA Lisboa chega ao fim com 48 mil visitantes e “balanço muito positivo”
Destinos
Autarca de Lisboa insiste na subida da taxa turística para ter “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”
Alojamento
Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26
Transportes
TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira
Aviação
Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” abre em fevereiro de 2025
Destinos
INE confirma que atividade turística superou níveis de 2019 no ano passado
Alojamento
“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”
Tecnologia
CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa
Aviação

Esta não será a primeira vez que o Publituris aborda o tema das novas tecnologias nas viagens e turismo, assunto que também o setor da distribuição encarou sempre de frente. Os desafios que se colocam agora com a Inteligência Artificial (IA) têm vindo à baila e vários especialistas têm vindo a dar a sua opinião, com várias empresas a tomar medidas para colocar as ferramentas necessárias ao serviço deste setor.

O Publituris falou com alguns especialistas do setor para entender o que é isto de Inteligência Artificial e como é que o fenómeno pode ou não “mexer” com o setor da distribuição no turismo.

Miguel Quintas, considerado um especialista em matéria de novas tecnologias no nosso país afirmou que, no geral, os agentes de viagens “ainda não estão preocupados” com o impacto da IA, mas “estão a tomar consciência que está aí algo que afeta o seu negócio”, adiantando que o grande problema está “em saber o que fazer e como fazer”.

Realça que, para se tirar alto proveito da IA o know-how e investimento a realizar são grandes, em particular no que toca a integrar as ferramentas e os automatismos. “Este processo terá de ser realizado por grandes empresas tecnológicas ou através de consórcios empresariais devido ao elevado investimento necessário”. Até lá, “usamos manualmente o que amanhã estará facilmente automatizado”, disse.

Hoje CEO do Consolidador.com e Chairman da Airmet, mas que também já foi representante da Amadeus em Portugal, bem como de outras empresas que trouxeram novas tecnologias na área das viagens ao nosso país, Miguel Quintas aponta que “todos os momentos de disrupção tecnológica ou cultural que a humanidade tem vivido trazem consigo uma certeza que é, onde há riscos há oportunidades”.

Mas, “o agente de viagens não vai desaparecer e a IA pode ser um excelente auxiliar para o próprio, nomeadamente no apoio ao cliente, conhecimento de destinos ou informação de caráter generalista em tempo real”. Isto tudo combinado “com o conhecimento e inteligência humana e emocional que nós pessoas temos, são fatores que o cliente ainda vai necessitar, desejar e pagar por elas”.

O gestor está convicto de que “o desenvolvimento progressivo da Inteligência Artificial venha a ter um impacto tremendo no mundo ao nível das principais revoluções tecnológicas que assistimos nos últimos séculos” para destacar que “hoje mesmo já estamos a assistir ao princípio dessa revolução e dado o impacto direto no desenvolvimento da humanidade, ela é obrigatoriamente transversal a todos os setores económicos entre o quais se encontra o turismo e como consequência a sua distribuição”.

Por isso, da forma como a IA tem evoluído “acredito que os principais riscos no curto prazo serão retirar valor ao conhecimento de informação geral e detalhada que o agente de viagens proporciona ao seu cliente final, assim como na automação de alguns dos processos manuais ainda realizados pelo próprio agente”, disse.

No longo prazo “o risco coloca-se na perspetiva de como a IA pode dar ao viajante a solução imediata de chave-na-mão de todo o processo de inspiração, escolha, reserva e acompanhamento de uma viagem”. É possível acontecer, e “não estamos a muitos anos disso”, até porque “as oportunidades surgem justamente em tudo o que não é possível automatizar e essas estão essencialmente no campo da relação humana, da resolução de falhas técnicas, da segurança e legalidade e da especialização do conhecimento”.

O impacto prevê-se enorme
Miguel Quintas reconhece que “o impacto da Inteligência Artificial será enorme” e “estamos ainda nos primórdios do que pode ser”, mas considera que “estamos perante a quinta “revolução industrial” e hoje mesmo ela já nos afeta”. No entanto, “como não está regulada mundialmente não sabemos onde irá parar”. Deu como exemplo uma experiência pessoal: “As minhas férias familiares há semanas visitando um país ao qual nunca tinha ido. Todo o roteiro foi organizado via ChatGPT pelo meu filho de 18 anos. Tudo correu lindamente e de acordo com o esperado. O que falhou? O típico: Todos os procedimentos ainda não automatizados pela IA, o aconselhamento profundamente especializado do destino e alguém que me diga “tu não vais gostar disto e vais adorar aquilo”.

Por sua vez, Ricardo Correia, diretor Comercial da TravelGEA, está convicto que “o turismo adaptar-se-á, como sempre o fez”, sublinhando que “somos uma indústria de emoções e não vejo nos próximos tempos podermos substituirmos a emoção de viajar por um qualquer produto virtual. Durante a pandemia falamos muito em viagens virtuais, mas vemos qual a penetração de mercado desse produto. Assim que possível as pessoas voltaram a viajar fisicamente, porque nada o substitui”. Portanto, o que prevê acontecer é uma adaptação rápida de novos paradigmas, apontou.

O profissional avançou também que “todas os agentes de viagem estão conscientes da existência da IA”, mas hoje em dia “é uma buzz word, com imensa desinformação associada também. Há alguma preocupação a implementar de alguma forma a IA nos processos, o que também pode levar a algum atabalhoamento na forma e modelo de implementação”, alertando que “não podemos ser lentos a adaptarmo-nos, mas também não podemos tomar decisões sem informação e estratégia”.

O agente de viagens não vai desaparecer e a IA pode ser um excelente auxiliar para o próprio, nomeadamente no apoio ao cliente, conhecimento de destinos ou informação de caráter generalista em tempo real” – Miguel Quintas (Consolidador.com / Airmet)

Da mesma opinião é Ginés Martínez, CEO da Jumbo Tours, em recente entrevista a uma publicação espanhola: “A inteligência artificial é algo que definitivamente está dentro do nosso campo de aplicação e há equipas a trabalhar nisso há anos. É uma parte inerente das necessidades do negócio. Vamos ter de usar IA e de facto já estamos a usar para automatizar processos e melhorar o relacionamento com os consumidores. Principalmente na velocidade de resposta, para poder atendê-lo melhor e ter mais capacidade de assumir volumes de trabalho. Onde eu acho que ainda existe uma lacuna, que temos de preencher, é usar essa tecnologia para gerar conteúdo suficientemente atrativo para o cliente”.

E continua: “É verdade que se disser à IA que quero passar cinco dias em Roma, ela lhe dará uma rota completa. Isso é ótimo, acelera o tempo de pesquisa. Mas não podemos esquecer que o papel do agente de viagens e do operador turístico vai muito além. Isto porque, em primeiro lugar, um agente de viagens pré-seleciona tudo isso e tem uma compreensão profunda do que está a oferecer ao cliente. Mas também ajuda a chegar ao destino e nas melhores condições: reservando bem os produtos e serviços, aproveitando as melhores ofertas… Aqui o vejo como um substituto”, defendeu, mas contraria o evento Phocuswright Europe 2023, em que alguns especialistas dão como certo, que a inteligência artificial pode ser “o próximo agente de viagens, quase humano”.

Tudo depende da utilização
A conferência também passou a mensagem de que a AI pode se tornar no próximo escritório de informações turísticas. Mas “o valor dos escritórios de informações turísticas ou agentes de viagens não pode ser replicado com inteligência artificial. A IA é uma coleção de dados de diferentes fontes e, com as informações que o cliente pode fornecer, ela cria uma resposta. Mas o utilizador tem de saber muito bem como perguntar à AI para que a resposta seja adequada. Já o agente de viagens tem essa informação de quem é o seu cliente, o que quer, os seus gostos, perceções, experiências anteriores… Uma série de coisas que é impossível incluir, desde o início, numa consulta simples”, realçou.

Se já se pode falar da IA como o próximo agente de viagens quase humano, Ricardo Correia assume que “depende da utilização que dermos à IA. Se deixarmos o nosso fator humano de lado (porque não temos tempo, porque não nos apetece, porque não sabemos, por qualquer motivo), então sim, tornamo-nos interfaces tecnológicos e como disse, há alternativas bem melhores que isso”.

Entretanto, “se conseguirmos integrar as mais valias que a IA tem, no processamento de dados, geração de previsões, etc. com a capacidade de criação e de empatia do ser humano, então não creio que os agentes de viagens vão ser substituídos”, ou seja, possivelmente, o agente de viagens “terá que ser menos tecnológico e dedicar-se mais a conhecer o produto e o cliente”.

A IA na sua essência “dar-te-á o que é mais provável que aquela pessoa goste, mas a IA não consegue interpretar linguagem não verbal, não consegue sentir empatia, o que nos permite criar uma experiência de viagem única para aquele cliente”, frisou.

Novas tecnologias para empresas de turismo
Se os agentes de viagens em Portugal já se estão a preocupar com esta questão e a implementá-la, Paulo Dias, Senior Manager da Unidade de Indústria e Consumo da Minsait em Portugal, refere que, existe “um caminho a fazer, mas a preocupação já vem de longe e há já vários anos que a Minsait, uma empresa da Indra, trabalha com alguns clientes do setor em Portugal, na implementação de soluções inovadoras, que permitem melhorar a ocupação hoteleira e as viagens em Portugal”.

No entanto, em sua opinião, seria um pouco exagerado falar da IA como um agente de viagens. “Embora a IA permita ferramentas valiosas para melhorar a eficiência e a qualidade do atendimento ao cliente nas agências de viagens, será sempre importante a existência de uma presença humana para assistências mais complexas ou respostas mais personalizadas que exijam o conhecimento e a experiência de um agente de viagens”, disse.

Num artigo publicado pelo vice-presidente executivo da Amadeus Cytric Solutions, Rudy Daniello, ao que o Publituris teve acesso, diz sobre a matéria, que hoje “já existem alguns pontos-chave que podem ser afirmados com alguma certeza”. Desde logo refere que “os modelos GPT – e o campo mais amplo de ‘inteligência artificial generativa (IA)’ – todos têm possibilidades tremendas. A tecnologia, embora não seja nova, tem o potencial de transformar a vida cotidiana e, assim, criar um enorme apetite e preocupações”.

Explica que o chatbot (que já existe há algum tempo), ao compreender e gerar linguagem natural semelhante à humana de maneira tão impressionante, tornou-o amplamente adotado”, mas “o ChatGPT realmente conquistou o mundo, correndo para acumular 100 milhões de utilizadores ativos mensais em apenas 40 dias, com milhões a mais a inscreverem-se a cada mês”, frisando que a ferramenta é inovadora devido ao grande volume de dados com os quais foi treinada – supera os chatbots anteriores em ordens de magnitude”.

O turismo adaptar-se-á, como sempre o fez. Nós somos uma indústria de emoções e não vejo nos próximos tempos podermos substituirmos a emoção de viajar por um qualquer produto virtual” – Ricardo Correia (TravelGEA)

Este responsável da Amadeus indica que o ChatGPT 3 foi treinado com 17 mil milhões de parâmetros treináveis e 45 terabytes de dados, por exemplo. Para referência, o Telescópio Espacial Hubble gera 10 terabytes de dados por ano. Em outras palavras, o ChatGPT leu mais texto do que um milhão de pessoas lerão nas suas vidas juntas.

Paulo Dias sublinha que “as possibilidades oferecidas pela IA à indústria do turismo são inúmeras e não faltam exemplos do papel que ela já desempenha neste setor” para lembrar que “o contexto vivido pelo setor do turismo nos últimos anos acelerou a digitalização de processos e operações no turismo. A utilização maciça de canais digitais está a impulsionar novas tendências na oferta e no consumo de serviços, e agora o principal objetivo é proporcionar uma boa experiência ao cliente”.

Assim, “através da experiência e conhecimento do cliente (customer centric), graças à gestão de dados e à analítica avançada, os operadores turísticos devem personalizar as suas comunicações e conteúdos na Web para se aproximarem dos visitantes, de modo a poder responder às suas exigências em qualquer momento”.

O Senior Manager da Unidade de Indústria e Consumo da Minsait em Portugal, empresa da Indra especialista em transformação digital e tecnologias da informação, indica que as ferramentas de IA estão, cada vez mais, “ao alcance de todos e em particular se falarmos do ChatGPT. Sendo um modelo de linguagem avançado, ele pode ser um dos principais atores da IA neste setor, por exemplo, através de chatbots no atendimento ao cliente, no suporte a reservas, recomendações de viagens ou qualquer outra informação que o turista pretenda”, mas não obstante, “é preciso ter em conta que, como ferramenta, o ChatGPT não está atualizada ao instante e as informações podem não estar suficientemente atualizadas”.

O responsável aponta ainda que, as soluções baseadas em Inteligência Artificial e aprendizagem automática para a comunicação assistida pelo cliente “serão essenciais neste setor, que também contará como outras tecnologias como a realidade virtual, aumentada e mista que permite aos visitantes desfrutar de experiências imersivas e únicas e que os envolvem na arte e na cultura como mais do que meros espetadores passivos”.

Componente pessoal ainda acima de tudo
É aqui que Miguel Quintas é perentório, até porque também é um agente do setor. “O agente de viagens não vai “morrer”, e “ainda é muito cedo considerar que a IA é o próximo agente de viagens, até porque a componente pessoal, de segurança, de inteligência emocional, de resolução de problemas técnicos, etc. ainda estará na mão do próprio agente de viagens”, mas aponta que “vai ser um competidor em algumas franjas do trabalho do agente de viagens. Assim como, de igual forma pode ser um excelente auxiliar para o próprio agente, nomeadamente no apoio ao cliente, conhecimento de destinos, informação de caráter generalista em tempo real”, destacou em declarações ao nosso jornal.

A empresa que representa e o próprio Paulo Dias defendem que o turismo “é um dos setores que mais desafios apresenta às novas tecnologias pelo seu potencial de desenvolvimento a curto, médio e longo prazo”, por isso, o responsável acredita que o “crescimento do turismo nos últimos dois anos reflete bem o impacto que a Inteligência artificial, assim como outras tecnologias, está a ter neste sector”.

Para este responsável da Minsait em Portugal, quando se diz que “os dados são o novo petróleo”, pode parecer exagerado, mas hoje em dia, tudo está relacionado com os dados, a experiência do cliente e a integração do mundo físico e digital são a base para um turismo inteligente ao alcance de todos”.

Lembra que as cidades que mais investirem em soluções de Smart Tourism poderão ter mais facilidade na captação de visitantes, e que “estas Plataformas de Destino Inteligente devem ser concebidas como uma solução que inclua todas as dimensões do destino, com uma abordagem baseada na inteligência e na utilização de dados, na integração de todos os atores e sistemas através de soluções interoperáveis e abertas, num modelo de interterritorialidade e coesão interadministrativa, e que possa ser escalada através de parcerias público-privadas”.

Admite que, nos próximos tempos “assistiremos a investimentos significativos em áreas como a virtualização, a agregação de serviços em dispositivos pessoais, a interação homem-máquina em toda a cadeia de valor da hotelaria, a utilização da Inteligência Artificial para adaptar os serviços ao perfil do cliente e a melhoria da gestão dos ambientes para aumentar a segurança e a rentabilidade”.

Explicou ao nosso jornal que a análise das informações recolhidas já permite, por exemplo, “oferecer soluções personalizadas aos turistas assim como prevenir fenómenos que podem ter um impacto negativo na experiência turística”, assumindo que, na Minsait “estamos empenhados em criar uma Plataforma de Turismo Inteligente que possa responder aos desafios dos destinos de forma integrada e ajudar a criar destinos inteligentes, sustentáveis, seguros e resilientes”.

No relatório “Smart Tourism: A path to more secure and resilient destinations”, da Minsait e da SEGITTUR (que também se aplica a Portugal), defende-se a implementação de Plataformas Inteligentes de Destinos Turísticos que incluam todas as dimensões do destino, de modo a poder responder aos seus desafios de forma integrada. Entre as suas capacidades, integrariam uma gestão unificada através de sistemas orientados por dados que recorrem a modelos de inteligência distribuídos para extrair informação da forma mais qualitativa possível.

Na área de Hospitality, onde a tecnologia também tem um papel importante, a Onesait Travel, uma oferta global da Minsait para o setor do turismo, é, segundo disse, um exemplo destas tecnologias de ponta, que otimiza a gestão de hotéis e companhias aéreas para melhorar a experiência dos viajantes e adaptar as suas operações às novas exigências dos turistas. Esta oferta já geriu mais de 20 milhões de reservas em 33 países. Os sistemas da empresa já foram implementados em mais de 4.000 hotéis e entre os seus clientes, presentes na “Travel Summit”, incluem-se algumas das mais importantes cadeias hoteleiras do mundo, com referências na Europa, América e Ásia.

“Temos de avançar para o “turismo do futuro”: um novo modelo de turismo que seja sustentável e seguro, inclusivo e resiliente, que celebre as culturas e identidades locais, que proporcione benefícios económicos e sociais, que ajude a preservar o ambiente e que utilize as TIC e as tecnologias renováveis como principal motor do planeamento do Turismo de Destino”, é a proposta desta empresa.

Alguns exemplos já em prática
O recente aparecimento do ChatGPT veio mostrar a projeção que a inteligência artificial (IA) tem tanto para as empresas como para os utilizadores particulares, bem como para o setor das viagens. “A inteligência artificial vai revolucionar absolutamente tudo”, diz Amuda Goueli, fundador e CEO da agência de viagens online Destinia, que a incorporou ao seu processo de reservas para melhorar e personalizar a experiência do utilizador.

Amuda Goueli lembra que “há anos começamos com big data. Existiam grandes servidores onde eram armazenadas muitas informações, mas não havia máquinas ou programas para processá-las”. Mais tarde, foram incorporadas ferramentas como o blockchain ou bots, mas estes “ficaram aquém porque as respostas são programadas. Agora, com a inteligência artificial, essa dinâmica muda, não tem programador envolvido”.

Nesse sentido, a Destinia desenvolveu a Desta, que ainda está em fase de teste, e focada num único produto: reservas de hotéis. Ainda não se encontra aberto no site da OTA, mas os consumidores que o pretendam utilizar apenas têm de se registar e começar a interagir até efetuarem as suas reservas.

“A diferença entre um agente de viagens tradicional e a máquina é que um agente não conhece todos os destinos do mundo. É impossível ter tanta informação em tão pouco tempo, mas a máquina, sim”, explica o CEO da Destinia, para acrescentar que “o buscador tradicional como conhecemos está a tornar-se obsoleto. A IA veio para ficar e devemos aproveitar todos os seus benefícios para melhorar a vida das pessoas. Graças à inteligência artificial, conseguimos implementar uma ideia que tínhamos imaginado para um muito tempo, muitos anos. Esse futuro chegou e veio para ficar “, referiu Amuda Goueli.

Dos safáris em Uganda à descoberta das paisagens da Islândia, a plataforma de viagens Worldface já usa inteligência artificial e criou o avatar Petra, um especialista em viagens virtuais, capaz de responder às solicitações individuais dos utilizadores, e recomendar os destinos mais cativantes com base no período e nas preferências do cliente.

“O valor da IA e do Petra, neste caso específico, consiste na capacidade de ser empático, de ser multilíngue e de responder tanto na forma escrita quanto oral – diz Veronica Del Priore, especialista em Comunicação da QuestIT – Justamente por isso é capaz de se comportar como um verdadeiro consultor de viagens em carne e osso”.

Prós e contras
Não há dúvida que a IA está cada vez mais presente nas nossas vidas, mas sobretudo na área do turismo. A Hosteltur deu, recentemente, três exemplos. Várias vezes citamos a Hosteltur neste artigo porque, em Espanha, o assunto da IA no setor das viagens tem vindo à baila todos os dias, e o jornal espanhol tem estado muito atento.

A plataforma francesa de viagens com vários produtos Digitrips lançou um serviço intuitivo de assistente virtual baseado em ChatGPT, oferecendo aos viajantes conselhos sobre viagens e destinos em 11 idiomas. A nova funcionalidade, desenvolvida pela sua subsidiária de soluções móveis mTrip, está a testar no seu aplicativo MisterFly e em breve estará disponível para clientes B2B através da versão white label do aplicativo.

Por sua vez, a Ciceroneai.com é a IA espanhola que fala 95 idiomas. Ciada pela startup de Málaga iUrban.es, ajuda a organizar uma viagem em segundos como se fosse um local, personalizando a resposta graças ao ChatGPT. Mas também está conectado aos sites de organizações oficiais de turismo para fornecer informações verdadeiras em todos os momentos e, assim, evitar respostas incorretas. Basta escolher o destino e o planner personaliza a viagem do turista de acordo com o número de dias de estadia, interesses e perfil do viajante (família, companheiro, trabalho, etc.), criando um roteiro com os elementos a visitar, atividades e eventos com o preço mais barato, e no seu idioma, podendo fazer alterações em tempo real e propor sugestões adaptadas ao turista. Tem ainda um chatbot gratuito ligado ao ChatGPT para esclarecer qualquer dúvida, como um posto de turismo aberto 24 horas por dia.

A Ciceroneai já está disponível em Madrid, Barcelona, Valência e Palma; cidades às quais se somarão Málaga, Sevilha, Granada e Bilbao, com o objetivo de chegar a vinte em Espanha até o final do ano e 50 internacionalmente.

Por sua vez, a AI Trips, já operacional em mais de 15 países, usa algoritmos avançados que analisam e processam uma ampla gama de dados em tempo real, graças à combinação de 12 tecnologias desenvolvidas pelo Travel Compositor. Assim, desde as preferências do utilizador à informação sobre destinos, meteorologia, acontecimentos locais, etc., permite que cada viagem seja única e personalizada, oferecendo respostas e resultados adaptados às necessidades individuais do viajante e permitindo-lhe avançar em poucos cliques de uma única pergunta para a próxima reserva de viagem.

Estamos empenhados em criar uma Plataforma de Turismo Inteligente que possa responder aos desafios dos destinos de forma integrada e ajudar a criar destinos inteligentes, sustentáveis, seguros e resilientes” – Paulo Dias (Minsait)

O motor já foi implementado em sites de empresas como a espanhola OTA Central de Vacaciones, a portuguesa Interpass, as operadoras de turismo italianas Amareitalia e Orizzonti, as mexicanas Es viajar e Viajes Lili, as argentinas TipTravel e Delfos, a jordana-turca Trave One, a rede pan-europeia de agentes de viagens Evolution Travel, e o recetivo italiano Acetours, entre outros.

A IA impactará o setor nos próximos cinco anos, segundo 97,8% dos executivos recentemente entrevistados pela Euromonitor International.

Em cinco anos, veremos um boom no uso de ferramentas de inteligência artificial como o ChatGPT pelos viajantes para planear os seus itinerários, de acordo com o estudo realizado pela Euromonitor International “Voice of the industry: travel survey”. A sua disponibilidade 24 horas por dia, 7 dias por semana e acessibilidade de qualquer lugar do mundo, simplesmente com uma conexão à Internet e de qualquer dispositivo, estão por trás deste aumento maciço do seu uso, como destacou a sua responsável de Pesquisa de Viagens e Turismo, Caroline Bremner .

A Expedia anunciou em abril passado a sua colaboração com a OpenA. Desta forma, oferece recomendações personalizadas como um assistente virtual, fornecendo resultados relevantes em buscas de hotéis e dicas do que fazer no destino.

A Kayak e a OpenTabl, ambas integrantes da Booking Holding, assim como TripAdvisor, GetYourGuide e Klook, também apostaram em novidades com o ChatGPT. O Trip.com integrou ao TripGen o seu chatbot de IA recém-lançado que oferece planeamento e assistência de itinerário em tempo real, além de conselhos sobre reservas antes da viagem.

Mais integrações inevitavelmente se seguirão, de modo que as fases de planeamento e reserva da viagem sejam perfeitamente intercaladas, dependendo do acesso em tempo real à funcionalidade de reserva. A IA generativa, conforme aponta o Euromonitor, “está apenas no início da sua jornada, oferecendo aos consumidores o que o Airbnb chama de “o melhor concierge”.

No entanto, a segurança e a proteção do consumidor devem estar acima de tudo. Líderes de tecnologia como Elon Musk recentemente pediram uma pausa no desenvolvimento da IA para evitar riscos à humanidade, incluindo a possível extinção da superinteligência, alegando que a corrida da IA estava fora de controlo e era necessário tempo para permitir que a política dos governos se atualizasse.

Nesse sentido, o especialista lembrou que “os agentes de viagens enfrentaram uma grande disrupção devido ao boom das reservas online há três décadas, que provocou o encerramento massivo de pontos de venda e a perda de postos de trabalho. Agora, o setor está pronto para mais interrupções, pois a IA generativa acelera a automação de tarefas em todas as etapas da jornada do cliente – antes, durante e depois”.

Como sempre, concluiu o especialista, “as empresas de turismo enfrentarão os efeitos mais complicados para enfrentar esta nova fase da transformação digital com uma abordagem test-and-learn”, mas apenas aqueles que mantêm o toque humano de viagens irão prosperar.”

Fotos crédito: Depositphotos.com
Sobre o autorCarolina Morgado

Carolina Morgado

Mais artigos
Artigos relacionados
Bruxelas abre investigação a ajuda estatal alemã de 6 MM€ à Lufthansa na pandemia
Aviação
The Verse: o novo aparthotel a abrir portas na Rua de São Bento em Lisboa
Alojamento
FIA Lisboa chega ao fim com 48 mil visitantes e “balanço muito positivo”
Destinos
Autarca de Lisboa insiste na subida da taxa turística para ter “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”
Alojamento
Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26
Transportes
TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira
Aviação
Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” abre em fevereiro de 2025
Destinos
INE confirma que atividade turística superou níveis de 2019 no ano passado
Alojamento
“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”
Tecnologia
CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa
Aviação
PUB
Aviação

Bruxelas abre investigação a ajuda estatal alemã de 6 MM€ à Lufthansa na pandemia

A Comissão Europeia anunciou uma investigação à ajuda estatal alemã de seis mil milhões de euros para recapitalizar a Lufthansa no contexto da pandemia de Covid-19, visando averiguar conformidade com as regras da União Europeia (UE).

“A Comissão Europeia deu início a uma investigação aprofundada para avaliar se uma medida de recapitalização alemã de seis mil milhões de euros a favor da Deutsche Lufthansa AG está em conformidade com as regras da UE em matéria de auxílios estatais”, divulga a instituição em comunicado hoje publicado.

Em causa estava um apoio público (dos mais elevados dados a companhias aéreas durante a pandemia) da Alemanha para “restabelecer a posição do balanço e a liquidez da Lufthansa na situação excecional causada pelo coronavírus”, medida que foi aprovada pelo executivo comunitário em 25 de junho de 2020 ao abrigo do quadro temporário relativo aos auxílios estatais.

Porém, esta ajuda estatal foi posteriormente anulada pelo Tribunal Geral da UE em 10 de maio de 2023, por se considerar que “a Comissão cometeu vários erros” aquando da aprovação e que não estava em conformidade com as regras da UE, tendo sido depois interposto um recurso.

Foi aliás devido ao acórdão que Bruxelas decidiu avançar com a investigação aprofundada agora anunciada, que visa “avaliar melhor a medida de recapitalização” no que toca à elegibilidade da Lufthansa para o auxílio, à necessidade de um mecanismo para saída do Estado do capital da empresa, ao preço das ações, à existência de um peso ainda significativo no mercado e ao cumprimento dos compromissos impostos à Lufthansa (em questões como a alienação de faixas horárias e à proibição de distribuição de dividendos).

Em meados de maio, o Tribunal Geral da UE, primeira instância, anulou então a decisão da Comissão Europeia que aprovou uma ajuda estatal de seis mil milhões de euros da Alemanha para recapitalização da Lufthansa durante a pandemia de covid-19.

O tribunal alegou que “a Comissão cometeu vários erros, nomeadamente quando considerou que não era possível à Lufthansa encontrar financiamento nos mercados para cobrir todas as suas necessidades”.

Ao mesmo, o executivo comunitário “não exigiu um mecanismo que incentivasse a Lufthansa a voltar a adquirir a participação da Alemanha o mais rapidamente possível, quando negou que existia um poder de mercado significativo da Lufthansa em certos aeroportos e quando aceitou determinados compromissos que não garantiam a preservação de uma concorrência efetiva no mercado”.

A decisão preliminar do tribunal, entretanto alvo de recurso, surgiu após uma ação interposta pela companhia aérea de baixo custo Ryanair, que contestou várias ajudas estatais dadas ao setor aéreo durante a pandemia, nomeadamente relativa à TAP.

Em junho de 2020, devido às consequências da covid-19 na aviação, a Alemanha pediu autorização a Bruxelas para avançar com um auxílio estatal sob a forma de uma recapitalização no montante de seis mil milhões de euros à Lufthansa AG, empresa mãe do grupo, medida que integrava um conjunto de apoios públicos para restabelecer a liquidez (de um total de nove mil milhões de euros).

Este auxílio consistia numa participação no capital de cerca de 306 milhões de euros, numa participação passiva não convertível em ações de cerca de 4,7 mil milhões de euros e numa participação passiva de mil milhões de euros como obrigação convertível.

Por norma, este tipo de apoios públicos são vedados pelas regras europeias para concorrência equitativa, mas tais normas foram aliviadas durante a pandemia para facilitar a recuperação de importantes empresas da UE, como as companhias aéreas comunitárias, que ficaram paradas durante algum tempo.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos

323_Fachada_A_Cam002

Alojamento

The Verse: o novo aparthotel a abrir portas na Rua de São Bento em Lisboa

O número 39 da Rua de São Bento, em Lisboa, passa a contar com um novo boutique aparthotel com 15 unidades de alojamento nas tipologias T1 e T2, divididas por cinco pisos. O edifício, totalmente renovado, tem a assinatura do arquiteto Carrilho da Graça.

O The Verse é o mais recente aparthotel da Rua de São Bento, em Lisboa, cuja data de abertura está marcada para 15 de agosto.

Este boutique aparthotel conta com cinco pisos e divide-se entre 15 unidades de alojamento, num projeto detido pelos sócios David Clarkin e Andrew Richardson, bem como pelos respetivos filhos, Henry Clarkin e Anna Richardson.

No piso 0 é possível encontrar dois apartamentos T1 com pátio privativo. Os restantes 13 apartamentos dividem-se pelos pisos superiores, sendo que um deles é um T2 com terraço.

Estas unidades de alojamento estão totalmente equipadas com cozinha e sala de estar e, apesar de seguirem a mesma linha, “todas as tipologias apresentam características e pormenores que as tornam especiais à sua maneira”, como referido em comunicado. Destaque também para o rés-do-chão, onde uma zona híbrida de lobby junta uma receção ativa 24 horas por dia e um espaço de bar pronto para receber eventos especiais com sessões de DJ.

Créditos: The Verse

O mais recente aparthotel no número 39 da Rua de São Bento está integrado num edifício totalmente renovado pelo arquiteto Carrilho da Graça, sendo que o design de interiores, a decoração e curadoria artística ficaram a cargo do Studio Astolfi.

Por forma a “deixar transparecer a essência portuguesa”, todos os espaços do The Verse são decorados com peças feitas à medida por artistas e artesãos portugueses. A ideia passa por transmitir “uma narrativa forte com movimentos elegantes e inesperados, apresentando um ambiente convidativo, acolhedor, contemporâneo e requintado”.

Os preços de estadia nas unidades de alojamento do The Verse variam entre os 300 e os 700 euros.

Créditos: The Verse

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

FIA Lisboa chega ao fim com 48 mil visitantes e “balanço muito positivo”

Na edição deste ano, que terminou domingo, 7 de julho, a FIA Lisboa recebeu um total de 48 mil visitantes, num crescimento de 12% relativamente à edição anterior.

A edição de 2024 da FIA Lisboa – Feira Internacional do Artesanato chegou ao fim este domingo, 7 de julho, e mereceu um “balanço muito positivo”, uma vez que contabilizou um total de 48 mil visitantes, num crescimento de 12% relativamente à edição anterior.

“O artesanato é nossa identidade. É cultura, arte e tradição. Mas é também um sector da nossa economia com um elevado potencial de gerar receitas para os artesãos e para o turismo das suas regiões. Esse é o principal objetivo da FIA e do IEFP, que mais uma vez foi, amplamente, atingido nesta edição”, refere Carla Borges, gestora da FIA, citada num comunicado divulgado esta segunda-feira, 8 de julho.

Segundo um inquérito realizado aos visitantes da FIA Lisboa, 87,8% dos indivíduos que visitaram o certame classificaram a sua visita como “boa” ou “muito boa”, enquanto 98,2% afirmaram que recomendariam a visita à FIA Lisboa a amigos e familiares e 94,1% manifestaram interesse em visitar a próxima edição, que vai ter lugar em 2025.

“Estes são números que, naturalmente, nos enchem de orgulho e que evidenciam a importância da FIA enquanto momento único de comunhão entre os artesãos e o grande público amante do artesanato”, acrescenta Carla Borges.

Na edição deste ano, a FIA Lisboa contou também com a participação de 30 países que estiveram representados no certame, com destaque para a Tunísia, que foi o país convidado desta edição da feira.

Nesta edição, foram ainda premiados os artesãos Catarina Tudella no “Artesanato Contemporâneo” e Fernando Rei no “Artesanato Tradicional”.

A próxima edição da FIA Lisboa vai ter lugar entre 28 de junho e 6 de julho, regressando novamente à FIL – Feira Internacional de Lisboa, no Parques das Nações, em Lisboa.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Alojamento

Autarca de Lisboa insiste na subida da taxa turística para ter “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”

Carlos Moedas defende que a taxa turística da capital deve subir de dois para quatro euros por noite, de forma a financiar mais equipamentos de cultura, a exemplo do “Centro Interpretativo dos Murais de Almada nas Gares Marítimas”, que recebeu cerca de 3,5 milhões de euros provenientes da taxa turística.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, voltou esta segunda-feira, 8 de julho, a insistir na subida do valor da taxa turística cobrada sobre as dormidas em Lisboa, defendendo que o montante arrecadado será investido em “melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura”.

“Se a cidade vir o valor do turismo, seja em melhor limpeza, melhores espaços, mas também mais cultura, então o turismo vale mesmo a pena, ele é visível”, disse Carlos Moedas, durante a cerimónia de assinatura do contrato de concessão para criação do “Centro Interpretativo dos Murais de Almada nas Gares Marítimas”.

Carlos Moedas defende que a taxa turística da capital deve subir de dois para quatro euros por noite, dando como exemplo o novo “Centro Interpretativo dos Murais de Almada nas Gares Marítimas”, que recebeu cerca de 3,5 milhões de euros provenientes da taxa turística para a sua concretização.

“Quando eu digo que quero aumentar a taxa turística é exatamente para ter mais cultura, mais equipamentos de cultura, é para maior limpeza da cidade, é para ter espaços mais verdes”, insistiu o presidente da Câmara, em declarações aos jornalistas, no final da cerimónia.

Carlos Moedas mostrou-se, desta forma, indiferente às criticas da Confederação do Turismo de Portugal (CTP) e Associação de Hotelaria de Portugal (AHP), que são contra o aumento da taxa para o dobro do valor cobrado atualmente.

Além de permitir uma maior aposta na limpeza da cidade e na cultura, Carlos Moedas vincou ainda, segundo a Lusa, que esta medida permite “baixar os impostos aos lisboetas”, lembrando que o turismo corresponde a quase 20% da economia da cidade e 25% do emprego, garantindo, por isso, que a ideia “não é diminuir o turismo, mas apostar também em outras áreas”.

“Temos trabalhado com o Turismo de Lisboa para pensar novas centralidades, […], nós temos mais ou menos 35.000 turistas [diários] que entram na nossa cidade e esses 35.000 normalmente vão exatamente para os mesmos sítios, vão para as mesmas partes da cidade e aquilo que nós temos de conseguir é novas centralidades, como é o caso daquilo que estamos aqui a fazer”, acrescentou o autarca lisboeta.

Presente na cerimónia esteve também Vitor Costa,  diretor-geral da Associação de Turismo de Lisboa, que sublinhou que o importante é que a “qualidade da cidade seja melhorada com esses recursos também”.

Os turistas, quando vão a determinada cidade, também têm o seu peso, a sua interferência, e a nós o que nos preocupa no setor do turismo é que haja recursos para que os turistas tenham maior ligação com a cidade e que a qualidade da cidade seja melhorada com esses recursos também”, disse o responsável, considerando que “é bom para os turistas, mas é também, sobretudo, bom para os residentes”.

Relativamente aos receios manifestados por algumas entidades de que o aumento da taxa faça diminuir o número de turistas, Vítor Costa disse não partilhar desta visão e acredita que tal não vai acontecer.

“Já tivemos experiência de quando a taxa foi introduzida, com um euro, quando ela passou para dois euros, e isso não teve nenhum impacto. Este movimento de requalificação, da maior qualidade do turismo em Lisboa tem-se verificado”, argumentou.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Transportes

Costa Cruzeiros lança novos itinerários no Japão e sudeste asiático para o inverno 2025-26

No inverno 2025-26, o navio Costa Serena a realizar dois novos itinerários de 15 dias pela Ásia, um dos quais pelo Japão, ambos com voos a partir da Europa na opção ‘fly & cruise’.

A Costa Cruzeiros vai contar com novos itinerários para o inverno 2025-26, anunciou a companhia de cruzeiros, que vai colocar o navio Costa Serena a realizar dois novos itinerários de 15 dias pela Ásia, um dos quais pelo Japão, ambos com  voos a partir da Europa.

“Além dos cruzeiros pelo Mediterrâneo, Ilhas Canárias, Caraíbas, Emirados Árabes Unidos, América do Sul e pelo Mundo, de novembro de 2025 a janeiro de 2026, a empresa italiana oferecerá a oportunidade de visitar alguns dos mais belos destinos da Ásia, a partir da perspectiva único do mar, a bordo do Costa Serena”, lê-se num comunicado divulgado esta segunda-feira, 8 de julho.

Os cruzeiros da Costa Cruzeiros na Ásia estão disponíveis através da fórmula ‘fly & cruise’, que conta com voos desde Madrid ou Barcelona até ao terminal de partida do navio, numa oferta que também está disponível para passageiros portugueses.

Para o Japão, a Costa Cruzeiros propõe um itinerário de 15 dias que visita Hong Kong, Keelung (Taiwan), Naha (Japão), Kagoshima (Japão), Tóquio (Japão), Kobe (Japão), Nagasaki (Japão), Busan (Coreia do Sul) e Hong Kong.

Também para o sudeste asiático, a Costa Cruzeiros propõe ainda outro itinerário de 15 dias que visita o Vietname, a Tailândia, Singapura, Filipinas, Brunei, numa viagem que conta com escalas em Hong Kong, Nha Trang (Vietname), Phu My (Vietname), Koh Samui (Tailândia), Singapura, Bandar Seri Begawan (Brunei), com escala de 12 horas, Puerto Princesa, Palawan (Filipinas) e Hong Kong.

Segundo a Costa Cruzeiros, o itinerário para o Japão encontra-se disponível de 21 de novembro de 2025 a 30 de janeiro de 2026, com embarque em Hong Kong e Tóquio, sendo esta viagem alternada com o cruzeiro do Sudeste Asiático, que tem embarques em Hong Kong e Singapura.

“Os dois itinerários podem ser combinados numas férias únicas de 28 noites, visitando todos os 14 destinos das duas rotas. A solução ideal, por exemplo, para celebrar o final de 2025 e o início do Ano Novo. Além disso, haverá a possibilidade de prolongar a estadia nos destinos, e os passageiros podem escolher as datas de voo da sua preferência, independentemente das que já estão determinadas para o cruzeiro”, explica ainda a Costa Cruzeiros.

O Costa Serena é o navio da Costa Cruzeiros que vai realizar os dois novos itinerários do Japão e sudeste asiático, com a companhia de cruzeiros a adiantar que, antes de começar a realizar os novos cruzeiros, o navio vai ser sujeito a “obras significativas de renovação que irão melhorar ainda mais a experiência a bordo”.

Para quem tem menos tempo disponível, é ainda possível realizar estes itinerários ao longo de apenas uma semana e as reservas podem ser realizadas aqui.

 

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Aviação

TAP lança promoção para assinalar 60.º aniversário de voos para a Madeira

Com esta oferta da TAP, há bilhetes só de ida para a Madeira com preços a partir de 25 euros, enquanto os voos de ida e volta apresentam preços a partir de 49 euros. A oferta é válida até 16 de julho.

A TAP lançou esta segunda-feira, 8 de julho, uma nova promoção com preços especiais em viagens para a Madeira, oferta que visa assinalar o 60.º aniversário da abertura dos voos da companhia aérea de bandeira nacional entre Lisboa e a Madeira.

“Hoje, a TAP realiza sete voos por dia entre Lisboa e o Aeroporto Cristiano Ronaldo e dois voos por dia que ligam o Porto e a Madeira, reforçando o impulso decisivo que deu desde o início à afirmação e consolidação da Madeira como destino turístico com forte reputação e procura nacional e internacional”, lê-se num comunicado da TAP.

A companhia aérea de bandeira nacional indica que, com esta oferta, há bilhetes só de ida para a Madeira com preços a partir de 25 euros, enquanto os voos de ida e volta apresentam preços a partir de 49 euros.

A promoção da TAP está em vigor até 16 de julho e é válida para partidas de Lisboa e do Funchal, entre 15 de setembro de 2024 e 30 de abril de 2025, com exceção do período de Natal, Ano Novo e Páscoa, e os preços apresentados já incluem todas as taxas aeroportuárias.

“Adicionalmente, o programa TAP Miles&Go oferece ainda 60 por cento de Milhas Bónus em todas as reservas de e para a Madeira”, acrescenta a informação divulgada pela TAP.

Os bilhetes podem ser adquiridos aqui, onde é também possível consultar mais informações sobre a oferta da TAP, assim como nas agências de viagens.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
Destinos

Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” abre em fevereiro de 2025

O Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas”, novo polo cultural e turístico que vai abrir as Gares Marítimas do Porto de Lisboa ao turismo, tem inauguração prevista para fevereiro de 2025.

O Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas”, novo polo cultural e turístico que vai abrir as Gares Marítimas do Porto de Lisboa ao turismo, tem inauguração prevista para fevereiro de 2025, informaram os promotores do projeto.

“Localizado na Gare Marítima de Alcântara, este Centro Interpretativo irá proporcionar ao visitante extensa informação ao longo de nove salas do piso 0, bem como a possibilidade de visita aos murais de Almada Negreiros na Gare Marítima de Alcântara e na Gare Marítima da Rocha do Conde de Óbidos”, lê-se num comunicado conjunto da Administração do Porto de Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa e Associação Turismo de Lisboa.

Este novo espaço cultural vai permitir o acesso às pinturas murais de Almada Negreiros, o maior conjunto de pintura mural do século XX, ficando integrado na oferta do eixo Alcântara-Belém e focando-se nos 14 painéis de pintura mural das Gares pintados por Almada Negreiros, seis dos quais na Gare Marítima Rocha do Conde de Óbidos e oito painéis na Gare Marítima de Alcântara, assim como “na importância da construção das Gares Marítimas e no papel histórico e social do Porto de Lisboa desde os anos 40 até aos dias de hoje”.

No piso 0 da are Marítima de Alcântara, os visitantes vão poder “conhecer o contexto de construção e decoração dos Terminais de Navegação, a relação entre o arquiteto Pardal Monteiro e o artista Almada Negreiros, os estudos de Almada Negreiros para as pinturas murais nas Gares Marítimas e os diferentes momentos políticos e históricos que atravessaram o funcionamento das Gares, incluindo a II Guerra Mundial, a emigração, as partidas para a Guerra Colonial e o processo de descolonização com o regresso dos portugueses das ex-colónias”.

O contexto da encomenda das obras ao artista e a polémica gerada à época com o resultado final, distante dos objetivos propagandísticos da ditadura, são também temas destes centro interpretativo, que expõe ainda a “presença artística de Almada Negreiros na cidade de Lisboa, bem como a sua documentação sobre as Gares Marítimas, nomeadamente depoimentos, entrevistas, notas, fotografias e reproduções de obras e documentos”.

O novo Centro Interpretativo “Os Murais de Almada nas Gares Marítimas” vai contar ainda com restaurante, concebido e decorado de forma a integrar-se perfeitamente no seu ambiente, e, durante os próximos meses, os visitantes poderão ainda assistir, ao vivo, ao processo de restauro dos murais, financiado pelo World Monuments Fund.

Já a coordenação de conteúdos do Centro Interpretativo está a cargo de Mariana Pinto dos Santos, historiadora da arte e curadora independente e investigadora do Instituto de História da Arte da NOVA Faculdade de Ciências Sociais e Humanas.

O projeto contou com a colaboração da família de Almada Negreiros, do Centro de Estudos e Documentação Almada Negreiros – Sarah Affonso (NOVA FCSH), do Instituto de História da Arte da NOVA FCSH, do Laboratório HERCULES, da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa, da Fundação Calouste Gulbenkian, da RTP, do Arquivo Municipal de Lisboa e do Museu Nacional de Arte Antiga.

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos

Sesimbra Oceanfront Hotel

Alojamento

INE confirma que atividade turística superou níveis de 2019 no ano passado

Segundo o INE, as unidades de alojamento turístico nacionais contabilizaram, no ano passado, 32,5 milhões de hóspedes e 85,1 milhões de dormidas, com aumentos também nos proveitos, “evidenciando a retoma da atividade do setor depois da crise gerada pela pandemia de COVID-19”.

A atividade turística superou, no ano passado, os níveis de 2019, avança o Instituto Nacional de Estatística (INE), que identifica crescimentos de 12,5% e 10,3% no total de hóspedes e dormidas, respetivamente, totalizando 32,5 milhões de hóspedes e 85,1 milhões de dormidas.

Segundo os dados divulgados esta segunda-feira, 8 de julho, estes valores refletem “crescimentos médios anuais de 2,4% e 2,3%, pela mesma ordem, desde 2019, evidenciando a retoma da atividade do setor depois da crise gerada pela pandemia de COVID-19”.

Os dados do INE mostram que, no ano passado, “todas as regiões registaram acréscimos no número de dormidas”, mas o destaque foi para o Oeste e Vale do Tejo (+18,2%), Norte (+14,0%) e Grande Lisboa (+11,8%), que apresentaram as maiores variações, sendo menos expressivos no Algarve (+6,7%) e no Centro (+6,9%).

“Em comparação com 2019, o Algarve e a Península de Setúbal foram as exceções, ao ficarem, em termos de dormidas, ainda aquém dos níveis pré-pandemia (-1,5% e -0,9% respetivamente)”, acrescenta o INE.

Segundo o INE, no ano passado, houve “sinais de recuperação da crise no setor”, uma vez que se superaram “os valores recorde de 2019 nos principais indicadores”, com destaque para as chegadas de turistas não residentes em Portugal, que chegaram às 26,5
milhões, correspondendo a um acréscimo de 19,2% face a 2022 e de 7,7% comparativamente a 2019.

Por mercados, o espanhol manteve-se como principal mercado emissor de turistas internacionais para Portugal, com uma quota de 25,2% e depois de um crescimento de 16,7% face a 2022, seguindo-se o mercado do Reino Unido, que representou 12,6% do total e voltou a ser o segundo principal mercado emissor de turistas para território nacional, apresentando um aumento de 14,0%.

Já o mercado francês foi o terceiro principal emissor de turistas para Portugal, com uma quota de 12,4% do total e um crescimento de 11,0%, ainda que tenha descido uma posição face ao ano passado.

No que diz respeito a outros mercados, que no conjunto representaram 44,8% dos turistas não residentes que visitaram Portugal em 2023, o INE destaca os EUA, que cresceu 34,2% no ano passado, assim como o italiano, que apresentou ainda um aumento de 29,2%.

O INE realça que, em 2023, os mercados externos geraram 57,1 milhões de dormidas nas unidades de alojamento turístico nacionais, refletindo um crescimento anual de 14,9%, enquanto o mercado interno “gerou 1/3 das dormidas em 2023”, num total de 28,1 milhões, o que representa um crescimento de 2,1% face ao ano anterior.

“Face a 2019, as dormidas de não residentes ganharam expressão, ainda que de forma muito ligeira (+0,6 p.p.), e registaram um crescimento de 10,4%, acima da variação observada nas dormidas de residentes (+7,5%)”, lê-se no comunicado que acompanha os números.

No que diz respeito às dormidas, os mercados externos que mais se destacaram foram o  Reino Unido, que se “manteve como principal mercado emissor em 2023 (18,0% do total de dormidas de não residentes) e registou um crescimento de 10,2% das dormidas (+5,9% face a 2019)”, seguindo-se o mercado alemão (11,8% do total), que aumentou 12,4% (+5,9% face 2019), mantendo a segunda posição, enquanto Espanha manteve-se como terceiro mercado emissor (10,6% do total) e registou um acréscimo de 8,3% (+5,4% face a 2019).

“As dormidas de não residentes representaram 67,0% das dormidas na generalidade dos meios de alojamento em 2023, tendo este sido o ano, desde 2013, em que se observou uma maior dependência dos mercados internacionais, apenas superado pelo ano de 2017, em que estes mercados totalizaram 67,8% do total”, explica o INE.

O INE diz que o mercado britânico tem vindo a perder preponderância e sublinha que, “analisando o conjunto dos três principais mercados externos, em 2023, estes representaram 40,3% do total das dormidas de não residentes na generalidade dos meios de alojamento, o valor mais baixo desde 2013”, sendo que, se excluirmos os anos da pandemia, “desde 2016 que o peso dos três principais mercados tem vindo a diminuir”, registando-se mesmo um decréscimo de 7,5 p.p. face a 2013.

A Grande Lisboa foi a região nacional que apresentou menor dependência dos mercados tradicionais, enquanto o Algarve foi a região mais dependente do principal mercado externo, que representou 35,4% das dormidas de não residentes na região.

Os dados do INE mostram ainda que também a taxa de sazonalidade diminuiu no ano passado, chegando aos 36,9%, naquele que foi o valor mais baixo desde 2013, com destaque para os residentes (41,3%).

O Alentejo foi a região que registou maior taxa de sazonalidade (44,5%), seguido pela Península de Setúbal (42,5%), enquanto na Grande Lisboa e na RA Madeira se registaram os valores mais baixos deste indicador (29,9% e 30,2%, respetivamente).

Proveitos também subiram

O INE diz que, no ano passado, as dormidas cresceram em todas as categorias de alojamento turístico, que registaram um total de 30,0 milhões de hóspedes e 77,2 milhões de dormidas (+13,2% e +10,7%, respetivamente).

“Os parques de campismo receberam 2,1 milhões de campistas (+3,6%), correspondendo a 7,2 milhões de dormidas (+6,3%). Face a 2019, os hóspedes cresceram ligeiramente (+1,3%), mas as dormidas foram inferiores (-2,6%). As colónias de férias e pousadas da juventude receberam 347,5 mil hóspedes, (+12,3%), que totalizaram 781,4 mil dormidas (+9,2%)”, refere o INE.

O crescimento das dormidas ditou também um aumento dos proveitos, que somaram 6 015,3 milhões de euros nos proveitos totais, depois de um crescimento de 20,0%, e 4 622,6 milhões de euros nos proveitos de aposento, onde o aumento foi de 21,4%, com o INE a indicar que, desde 2019, estes indicadores apresentaram crescimentos anuais médios de 8,8% e 9,4%, respetivamente.

Já o RevPAR atingiu os 64,8 euros no ano passado, crescendo 15,4% face a 2022, enquanto o o rendimento médio por quarto ocupado chegou aos 113,0 euros, depois de aumentar 9,1%.

Os dados do INE mostram ainda que, segundo o índice de Herfindahl–Hirschman (IHH), que permite avaliar níveis de concentração com base nos proveitos totais dos estabelecimentos de alojamento turístico, no ano passado, houve “uma tendência de redução da concentração no setor”, o que levou a um aumento da concorrência, uma vez que este indicador atingido os 28,5 em 2023 (45,6 em 2013), “o valor mais baixo neste período”.

“Numa análise por segmento, em 2023, o IHH foi mais baixo no alojamento local (20,0), seguindo-se a hotelaria (37,0) e o turismo no espaço rural e de habitação (47,4)”, explica o INE, revelando que, em termos regionais, o IHH atingiu os valores mais elevados na Península de Setúbal (472,6), na RA Madeira (347,9) e na RA Açores (315,2), enquanto os valores mais reduzidos observaram-se no Norte (62,1), no Centro (76,3) e na Grande Lisboa (90,1).

O INE diz ainda que, a 31 de julho de 2023, estavam em atividade e com movimento de
hóspedes, 8 015 estabelecimentos turísticos nacionais, correspondendo a um aumento de 7,9% face a 2022 e a um aumento médio anual de 2,9% desde 2019.

Viagens dos residentes ao estrangeiro também subiram

Os dados divulgados pelo INE esta segunda-feira, 8 de julho, mostram ainda que também o número de viagens realizadas pelos residentes ao estrangeiro aumentou no ano passado, com 51,7% da população residente em Portugal a realizar, pelo menos, uma viagem turística, o que representou um acréscimo de 4,0 p.p. face a 2022 (mais 431,9
mil turistas), correspondendo a 5,3 milhões de indivíduos, número ainda 2,1% abaixo do total de 2019.

“As deslocações turísticas dos residentes atingiram os 23,7 milhões, refletindo uma variação anual de 4,6%, embora ainda aquém dos valores de 2019 (-3,2%). As viagens em território nacional aumentaram 2,4% (-4,3% face a 2019), atingindo 20,4 milhões (86,4% do total, 88,3% em 2022 e 87,3% em 2019). As deslocações para o estrangeiro ganharam representatividade (13,6%, +1,9 p.p. acima do valor de 2022, +1,0 p.p. face a 2019) ao alcançarem 3,2 milhões em 2023 (+21,5% face ao ano anterior, +4,1% em comparação com 2019)”, resume o comunicado divulgado pelo INE.

No ano passado, as viagens turísticas dos residentes geraram mais de 96,5 milhões de dormidas (+2,0% face a 2022, -2,7% face a 2019), tendo a maioria ocorrido em Portugal (77,1% do total, 78,4% em 2022 e 77,6% em 2019).

Já as dormidas em território nacional registaram um acréscimo de 0,3%, enquanto as ocorridas no estrangeiro aumentaram 8,0%, aproximando-se dos níveis de 2019 (-3,2% e -0,8%, respetivamente).

O alojamento em casa de familiares ou amigos manteve-se como o meio de alojamento mais utilizado nas dormidas dos residentes, concentrando 39,6 milhões de dormidas (41,0% do total, +1,5 p.p. do que no ano anterior e +2,4 p.p. face a 2019), sendo que esta modalidade prevaleceu nas deslocações em território nacional (44,9% das dormidas, +3,2 p.p. do que em 2022 e +3,3 p.p. em comparação com 2019).

No entanto, nas deslocações ao estrangeiro foram os “estabelecimentos hoteleiros e similares” que reuniram a preferência dos residentes (53,2% das dormidas, -1,1 p.p. do que em 2022, -0,5 p.p. do que em 2019).

Já a despesa média por turista em cada viagem teve um acréscimo de 4,3% face ao valor de 2022, fixando-se em 242,4 euros (+23,9% face a 2019), com destaque para as viagens em Portugal, em que os gastos foram de 164,3 euros por turista/viagem, +1,1 euros que em 2022 e +31,3 euros em comparação com 2019, enquanto nas deslocações para o estrangeiro, o gasto médio por turista/viagem decresceu 2,1% em 2023 (+17,5% do que em 2019), tendo atingido 736,6 euros.

 

Sobre o autorInês de Matos

Inês de Matos

Mais artigos
Tecnologia

“As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas em relação ao que aí vem”

“Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel 2024-2026”, que se realiza em Lisboa, é o “kick-off” para mais 23 eventos que a BAE Ventures irá realizar em todo o mundo, focados no setor do turismo. Para Henrique Veiga, CEO da BAE Ventures, estamos ainda no início, admitindo que “estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos”.

Há muito que a Inteligência Artificial (IA) entrou no léxico de todo o mundo e o setor do turismo não poderia ser indiferente a esta “nova realidade”. A BAE Ventures escolheu Lisboa com cidade anfitriã do primeiro evento – de um conjunto de 24 que se realizarão em todos o mundo – que irá discutir como a IA poderá intervir na hospitality e viagens, sendo certo que, segundo o que Henrique Veiga, CEO da BAE Ventures, assinalou ao Publituris, “a capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado”. E considera que a rapidez e qualidade dos dados disponíveis poderão incluir “ajustes imediatos em preços, alocação de recursos, gestão de pessoal e atendimento ao cliente”, entre outros.

A BAE Ventures escolheu Lisboa para acolher nos próximos dias 9 e 10 de julho o encontro de lançamento do “Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel 2024-2026”, num projeto coorganizado, em Portugal, com o Nova SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality. Este é um tema incontornável na e para as indústrias da ‘hospitality’ e viagens?
Sim, este é um tema incontornável no setor, pois a Inteligência Artificial (IA) tem o potencial de transformar profundamente a indústria da hospitality e das viagens. A IA melhora a experiência do cliente, aumenta a eficiência operacional e permite uma gestão mais precisa dos recursos.

A parceria com o Nova SBE Westmont Institute of Tourism & Hospitality adiciona valor ao evento, combinando expertise académica e empresarial. Este instituto, conhecido pelo seu foco em excelência na educação e inovação, prepara líderes para o futuro do setor, assegurando que o evento será um ponto de encontro para a troca de conhecimentos, networking e de aprendizagem prática e estratégica.

Um facto incontornável é que a IA já está a revolucionar a indústria da hospitality e das viagens, abrindo novas oportunidades para a inovação e o crescimento, tornando este tema absolutamente essencial.

O que trará este evento a Portugal, sendo que se trata de um dos 24 eventos que a BAE Ventures organiza em 24 cidades de todo o mundo?
Acreditamos que este evento proporcionará uma plataforma robusta para a partilha de conhecimento e networking, ligando profissionais e líderes da indústria globalmente e trazendo benefícios significativos a Portugal. Os participantes terão acesso a masterclasses, estudos de casos concretos, apresentações práticas de IA em hospitality e turismo, palestras de especialistas e workshops interativos.

Ao escolher Lisboa, a BAE Ventures destaca a importância da colaboração internacional e promove a cidade como um ponto de encontro global para explorar a IA. Incentivará o envolvimento de gestores hoteleiros, “desenvolvedores” de tecnologia, investidores, académicos e responsáveis políticos, permitindo a partilha de estratégias e melhores práticas para a integração da IA no setor.

O evento criará oportunidades para startups e empresas apresentarem as suas inovações, atraindo investimentos e estabelecendo parcerias estratégicas. Facilitará também a criação de uma comunidade global de profissionais dedicados à IA no turismo, fortalecendo a posição de Portugal como líder em inovação no setor.

Ao acolher este evento, Portugal beneficiará da entrada de conhecimento e inovação, consolidando a sua reputação como um epicentro para a discussão e desenvolvimento de tecnologias avançadas na hospitality e viagens.

Poder transformador
O que poderá aportar, na realidade, a Inteligência Artificial (IA) ao universo da hospitality e também das viagens e que impacto transformador poderá ter nestes setores do turismo?
A IA tem o potencial de transformar profundamente o setor da hospitality e das viagens, trazendo benefícios tangíveis que vão desde a personalização da experiência do cliente até à otimização da eficiência operacional e à promoção de práticas sustentáveis. Esta transformação permite que as empresas melhorem a sua competitividade e criem experiências mais memoráveis e agradáveis para os seus clientes.

A IA permite analisar dados relativos à matriz de preferências dos clientes para oferecer experiências personalizadas, adaptando recomendações e serviços em tempo real, o que aumenta naturalmente a satisfação e a fidelização. Além disso, a automação de tarefas como reservas e check-in reduz erros e custos, permitindo que as equipas se concentrem em atividades de maior valor. A IA pode também ajudar a otimizar a gestão de stocks e a alocação de recursos, aumentando a eficiência operacional.

Outra vantagem significativa é a capacidade da IA de prever tendências de viagens e comportamentos dos clientes, permitindo o ajuste proativo das estratégias de marketing e vendas para se manter competitiva. Com insights detalhados sobre as preferências e padrões dos clientes, as empresas podem criar campanhas de marketing mais eficazes e direcionadas, melhorando a taxa de conversão e maximizando o retorno sobre o investimento. Esta talvez seja uma das áreas onde as alterações com a introdução da IA será mais rápida e contundente.

A IA pode prever picos de afluência e distribuir os turistas de forma mais equilibrada, ajudando a evitar a sobrecarga de destinos populares

Mas a IA também pode melhorar a segmentação de mercado e personalização de ofertas, ajudando as empresas a identificar nichos de mercado e a adaptar seus produtos e serviços para atender às necessidades específicas desses segmentos. Isso pode resultar num aumento das vendas e na fidelização do cliente. A gestão de recursos também é otimizada, com a IA a aumentar a eficiência energética e a alocação de recursos humanos, reduzindo custos operacionais e apoiando práticas sustentáveis. Para além de poder ajudar a otimizar a dinâmica de preço, ajustando-os em tempo real com base na procura, concorrência e outros fatores.

A IA está, sem dúvida, a revolucionar o setor da hospitality e das viagens, proporcionando múltiplos benefícios que vão da eficiência operacional às estratégias de marketing e vendas.

Que exemplos pode dar de tecnologias de IA que estão a transformar as experiências na hospitality e viagens?
Alguns exemplos incluem, chatbots e Assistentes Virtuais, que proporcionam atendimento 24/7, ajudando com reservas e alterações de itinerários. Os Sistemas de Recomendação, os quais personalizam ofertas com base nas preferências dos clientes, analisado o histórico de navegação e de preferências dos utilizadores.

A Análise Preditiva, que revê procura e ocupação, ajusta preços e gere o inventário eficientemente. Isto permite antecipar a procura, ajustar as tarifas e otimizar a gestão de inventário. A Automação e Robótica, as quais automatizam tarefas administrativas, check-in e gestão de bagagens, reduzindo a carga de trabalho dos colaboradores.

O Reconhecimento Facial, que simplifica o check-in em hotéis e aeroportos. Esta tecnologia de reconhecimento facial pode reduzir o tempo de check-in para menos de um minuto. Também os Sensores “Internet of Things” (IoT), que otimizam energia e conforto, ajustando automaticamente a iluminação e a climatização com base na ocupação dos quartos e preferências dos hóspedes. A Realidade Aumentada (AR) e Virtual (VR), com as quais são criadas experiências imersivas e pré-visualizações de destinos. A AR pode fornecer informações adicionais sobre pontos turísticos, enquanto a VR permite que os clientes explorem virtualmente quartos de hotel antes de fazer uma reserva.

E ainda a Tradução Automática, constituída por ferramentas que facilitam a comunicação entre hóspedes e funcionários de diferentes idiomas, melhorando a acessibilidade dos serviços. E a Monitorização de Sentimentos, conceito que analisa feedback para melhorias. Ou seja, sistemas de IA captam o sentimento dos comentários em plataformas online, fornecendo insights às empresas que lhes permitem ajustar os seus serviços conforme necessário.

Mas é também muito importante destacar que estamos ainda no início da viagem da IA. As tecnologias e aplicações que estão já disponíveis são muitas, mas ainda muito pouco expressivas, em relação ao que aí vem.

Gerir fluxos
Muito se tem falado na gestão de fluxos turísticos, de forma a contrariar a tendência de turismo massivo nalguns destinos. Essa poderá ser uma das aplicações da IA?
Sim, a IA pode desempenhar um papel crucial na gestão de fluxos turísticos. Através da análise de dados em tempo real, a IA pode prever picos de afluência e distribuir os turistas de forma mais equilibrada, ajudando a evitar a sobrecarga de destinos populares.

Esta capacidade é fundamental para criar uma experiência turística mais sustentável e agradável, tanto para os visitantes quanto para os residentes locais. Um exemplo inovador desta aplicação é o trabalho desenvolvido pela Fundacion Metropoli, um importante parceiro da BAE Ventures, que tem sido pioneira na criação de cidades inteligentes e sustentáveis ao longo dos últimos 25 anos. Os seus projetos visam a utilização de tecnologias avançadas de IA e IoT para gerir de forma eficiente os fluxos turísticos, integrando diferentes modos de transporte, monitorizando o uso de recursos e melhorando a experiência dos visitantes.

Utilizando dados de smartphones, câmaras de vigilância e sensores IoT, a IA pode analisar a densidade de turistas em tempo real e sugerir redistribuições para áreas menos congestionadas. Isto pode incluir o redireccionamento automático de turistas para atrações menos conhecidas ou horários de visita alternativos, evitando picos de afluência. A IA pode também criar rotas turísticas personalizadas que distribuem a pressão turística de forma mais equilibrada, recomendando destinos menos frequentados, mas igualmente interessantes. E relembro que em muitos destinos muitas destas soluções já estão implementadas.

Com a análise preditiva, as autoridades turísticas podem lançar campanhas de marketing direcionadas para promover destinos alternativos em épocas específicas, equilibrando a distribuição dos turistas ao longo do ano e reduzindo a sazonalidade

Analisando dados históricos e comportamentais, a IA pode prever padrões de visita e ajustar proactivamente os serviços e infraestruturas necessárias, como a gestão de transportes públicos e a alocação eficiente de recursos de segurança. Sensores ambientais e IA podem monitorizar o impacto do turismo em áreas sensíveis, ajustando as permissões de acesso e sugerindo medidas para mitigar o impacto ecológico, especialmente em zonas naturais e parques. Com a análise preditiva, as autoridades turísticas podem lançar campanhas de marketing direcionadas para promover destinos alternativos em épocas específicas, equilibrando a distribuição dos turistas ao longo do ano e reduzindo a sazonalidade.

O projeto da “Superciudad de Madrid” da Fundacion Metropoli exemplifica como a IA pode ser integrada numa abordagem holística para a gestão urbana e turística. A fundação tem utilizado estas tecnologias e inovações para transformar Madrid numa cidade modelo em termos de inovação e sustentabilidade.

Em suma, a aplicação da IA na estão de fluxos turísticos não só ajuda a evitar a superlotação e a preservar a qualidade de vida dos residentes, como também enriquece a experiência dos visitantes, promovendo um turismo mais equilibrado.

Trata-se, efetiva e somente de melhorar a eficiência operacional ou a IA poderá ir mais além?
A IA vai muito além de simplesmente melhorar a eficiência operacional no setor da hospitality e das viagens. Além de otimizar processos e reduzir custos, a IA transforma profundamente a experiência do cliente, as estratégias de marketing e vendas, e promove práticas sustentáveis.

A IA proporciona uma transformação abrangente e inovadora no setor, ao criar oportunidades de crescimento e personalização. Ela permite a criação de campanhas de marketing altamente direcionadas, melhorando a lealdade dos clientes e maximizando o retorno sobre o investimento. No campo das vendas, facilita a segmentação de mercado e a adaptação de ofertas, resultando num aumento significativo nas vendas. Ao promover práticas sustentáveis que beneficiam tanto as cidades quanto o meio ambiente, a IA otimiza recursos e equilibra o turismo, contribuindo para a preservação dos destinos turísticos e a sustentabilidade global. Dessa forma, a IA está a moldar um futuro mais inteligente, sustentável e rentável para o setor da hospitality e das viagens.

Foto: Depositphotos.com

Quais as tarefas específicas que estão a ser automatizadas pela IA e que impacto poderão ter na força de trabalho/recursos humanos?
Tarefas como reservas, atendimento ao cliente, gestão de inventário, limpeza e manutenção, estão a ser automatizadas pela IA. Isto pode libertar os colaboradores para se concentrarem em tarefas que requerem um toque humano, como o atendimento personalizado e a resolução de problemas complexos. No entanto, também implica a necessidade de requalificação dos colaboradores para que possam desempenhar novas funções que surgem com a automação.

Como é que a IA está a ajudar na análise de dados para prever tendências de viagem e comportamento dos clientes?
A IA utiliza algoritmos de Machine Learning (ML) para analisar grandes volumes de dados históricos e em tempo real, identificando padrões e tendências. Isto permite prever comportamentos futuros, ajustar ofertas em tempo real e criar estratégias mais eficazes de marketing e vendas. A capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado.

A capacidade de prever tendências com precisão ajuda as empresas a estarem mais bem preparadas para responder às necessidades dos clientes e às mudanças do mercado

“Agora” e “Já”
Poder-se-á dizer que a IA veio reforçar a gestão em real-time. Ou seja, através da IA poder-se-ão tomar decisões no momento que de outra forma seriam impossíveis tomar?
Absolutamente. A IA permite a análise e interpretação de dados em tempo real, o que é crucial para tomar decisões rápidas e informadas. Ou seja, não é apenas o tema do tempo real, mas a qualidade das decisões em tempo real. Isto pode incluir ajustes imediatos em preços, alocação de recursos, gestão de pessoal e atendimento ao cliente. A capacidade de agir de forma proativa, em vez de reativa, oferece uma vantagem competitiva significativa.

Com a IA veio, igualmente, uma maior preocupação com segurança e privacidade associadas ao uso de IA no setor de hospitality e viagens? Como é que as empresas podem ou estão a garantir que os dados dos clientes estão protegidos ao utilizar tecnologias de IA?
A segurança e privacidade dos dados são preocupações cruciais. As empresas estão a implementar diversas medidas para garantir a proteção dos dados dos clientes. A criptografia é usada para proteger dados sensíveis durante a transmissão e armazenamento, garantindo que apenas os destinatários autorizados possam aceder à informação. A “anonimização” remove informações identificáveis dos dados dos clientes, protegendo a sua privacidade. Para além da implementação de controlos de acesso rigorosos para assegurar que apenas o pessoal autorizado pode aceder aos dados.

As empresas também seguem regulamentações como o RGPD para garantir que os dados são tratados de forma ética e segura, cumprindo todas as normas legais e garantindo a confiança dos clientes.

De que maneira a IA pode contribuir para práticas mais sustentáveis no setor da hospitality e viagens?
A IA pode ajudar a implementar práticas mais sustentáveis ao otimizar o consumo de energia, monitorizando e gerindo eficientemente o uso de energia em hotéis e outros estabelecimentos. Permite também uma previsão precisa da procura, evitando o desperdício de alimentos e de outros recursos.

A IA também melhora a alocação de recursos como a água e os produtos de limpeza, assegurando uma gestão eficiente. Por fim, pode ser utilizada para promover destinos sustentáveis, incentivando rotas e locais que contribuem para a preservação ambiental, ajudando a equilibrar o impacto do turismo no meio ambiente.

Não é apenas o tema do tempo real, mas a qualidade das decisões em tempo real

Promessas e desafios
Quais as inovações mais promissoras que a IA poderá trazer no futuro para o turismo?
É uma pergunta muito difícil. Como já referi, estamos no início da viagem. No futuro, a IA promete trazer inovações ainda mais avançadas e transformadoras para os setores de hospitality e viagens e uma das inovações mais promissoras é a criação de experiências hiperpersonalizadas através da análise preditiva de dados. Utilizando algoritmos sofisticados de Machine Learning, os hotéis poderão prever as necessidades e preferências dos hóspedes antes mesmo da sua chegada, oferecendo serviços e produtos altamente customizados, como programas de bem-estar, experiências gastronómicas e até mesmo atividades baseadas no perfil psicológico do hóspede.

Outra inovação revolucionária será a implementação de robôs e assistentes de IA com capacidades avançadas de interação e tomada de decisões em tempo real. Esses robôs poderão realizar tarefas complexas e até o atendimento a pedidos específicos de maneira eficiente e humana. Além disso, a IA permitirá a criação de ambientes totalmente integrados e inteligentes, onde a automação será levada a um novo nível, ajustando não apenas a temperatura e a iluminação, mas criando atmosferas personalizadas através de música, aromas e decoração baseada no estado de espírito do hóspede.

No setor de viagens, a IA poderá transformar radicalmente a forma como planeamos e vivenciamos as viagens. Uma inovação futura será o desenvolvimento de sistemas de IA que atuam como companheiros de viagem virtuais, capazes de oferecer suporte contínuo e adaptativo durante toda a jornada. Esses sistemas poderão antecipar imprevistos, replanear itinerários em tempo real e proporcionar uma experiência de viagem fluida e sem interrupções.

Imagine um assistente virtual que não só reserva um restaurante, mas também coordena transporte, monitoriza o trânsito, ajusta as reservas de acordo com possíveis atrasos e até sugere alternativas em caso de mudanças inesperadas no clima.

Penso que a IA avançará também na criação de experiências de Realidade Aumentada e virtual para enriquecer a viagem. Antes mesmo de sair de casa, os viajantes poderão explorar destinos, hotéis e atrações em detalhe através de tours virtuais hiper-realistas, facilitando decisões informadas aumentando a expectativa e o planeamento das férias.

Durante a viagem, dispositivos de realidade aumentada poderão fornecer informações contextuais em tempo real, traduzir sinais e conversas, e até oferecer narrativas históricas ou culturais instantâneas sobre os locais visitados, tornando cada experiência mais imersiva e educativa.

Estas inovações destacam o potencial da IA não apenas para melhorar, mas para reinventar os setores de hospitality e viagens, criando experiências mais interligadas, personalizadas e intuitivas para os usuários.

Uma outra ponte muito interessante e que certamente surgirá é a ligação da IA à neurociência que permitirá abrir novas avenidas. Os últimos tempos testemunharam uma onda de inovações revolucionárias em IA por parte de gigantes tecnológicas como Google, Microsoft e Apple, que prometem transformar profundamente também os setores da hospitality e viagens. Estas inovações não só destacam o potencial da IA para criar oportunidades, mas também ilustram como as tecnologias de ponta podem ser aplicadas para resolver desafios complexos e melhorar a experiência do cliente.

Acredito que estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos.

Estamos perante o nascer de uma nova era, comparável ao aparecimento da internet, e que vai mudar profundamente o mundo tal como o conhecemos

Nesse sentido, quais são os maiores desafios a enfrentar pela implementação de IA na indústria da hospitality e viagens?
Os maiores desafios na implementação da IA incluem diversos aspetos críticos. Primeiro, o custo de implementação é um obstáculo significativo, especialmente para PME que podem achar dispendioso investir em tecnologias avançadas de IA. Além disso, garantir que os novos sistemas de IA se integrem perfeitamente com as infraestruturas existentes é um desafio técnico que exige recursos e expertise especializados.

Outro desafio importante é a qualificação dos profissionais. É necessário formar e requalificar os colaboradores para que possam trabalhar eficazmente com as novas tecnologias, o que pode exigir tempo e investimento adicional. As preocupações com a privacidade também são cruciais, pois é necessário garantir a conformidade com as regulamentações de privacidade e segurança dos dados para proteger as informações dos clientes.

Mas na minha opinião o mais importante é o desafio da adaptação cultural. Superar a resistência à mudança tanto por parte dos colaboradores como dos clientes é essencial para uma implementação bem-sucedida da IA. É uma missão de toda a equipa, mas tem de ter uma enorme motivação do top management das empresas. É sempre difícil porque não é um processo linear. Sabemos onde começamos, mas não sabemos onde vamos terminar e nessa medida é um processo, uma viagem que precisa de ser acompanhada com muita humildade, com uma abertura total de que estamos todos a aprender e a definir o futuro todos os dias. Estou convencido que esta característica de abertura a novas realidades, sem ideias pré-concebidas e uma postura entusiástica sobre a evolução da nossa sociedade, tal como a vemos e vivemos hoje é fundamental para encarar todas estas alterações.

E é também fundamental reconhecer que não existe uma única forma de adaptação. Há vários caminhos e realidades, e cada organização precisa identificar e seguir o caminho mais adequado para sua realidade específica. As organizações não são todas iguais e, portanto, cada uma delas fará um percurso diferente na implementação da IA.

É crucial que as empresas avaliem cuidadosamente as suas necessidades, recursos e cultura organizacional para escolher a abordagem que melhor se alinha com suas metas e capacidades. Essa flexibilidade na abordagem permite que cada organização encontre a melhor maneira de integrar a IA, maximizando os benefícios e minimizando os desafios.

E como estão estes setores a reagir à implementação da IA em Portugal?
A verdade é que muitas empresas já têm algumas ferramentas de IA implementadas e em alguns casos até desconhecem que usam a tecnologia. Mas para responder assim muito objetivamente creio que a adesão ao evento que estamos a organizar demonstra isso mesmo.

Eventos como o “Walk the Talk: AI in Hospitality and Travel” exemplificam esta tendência, proporcionando plataformas para a partilha de conhecimento e a promoção de boas práticas. A resposta tem sido muito positiva, com um crescente reconhecimento do valor que a IA pode trazer para a competitividade e sustentabilidade do setor.

Temos cerca de 900 pessoas registadas num evento lançado há apenas um mês, o que demonstra o elevado interesse e a necessidade de informação sobre este tema. Muitas pessoas sentem um overload de informação sobre IA, precisando de ajuda para triar e qualificar a informação relevante.

Há também uma preocupação significativa sobre a segurança das funções na era da IA, com dúvidas sobre a continuidade das suas funções e sobre as ferramentas necessárias para se adaptarem à nova realidade. Para além do sentimento comum a muitos profissionais do sector de que as suas empresas estão atrasadas na implementação de IA e necessitam de explorar caminhos sobre como avançar.

Sobre o autorVictor Jorge

Victor Jorge

Mais artigos
Aviação

CEO da Iberia mostra interesse na TAP e espera aprovação da compra da Air Europa

O CEO da Iberia, Luis Gallego, está confiante de que Bruxelas vai aprovar a compra da Air Europa pelo grupo IAG e não descarta o interesse na TAP pelas oportunidades de crescimento em África e no Brasil.

O CEO da Iberia, Luis Gallego, está confiante de que a Comissão Europeia vai aprovar a compra da Air Europa pelo grupo IAG, depois de Bruxelas ter dado luz verde à aquisição da ITA Airways pela Lufthansa, e mostra-se também interessado na TAP, não descartando uma possível oferta pela companhia aérea de bandeira portuguesa.

De acordo com o Hosteltur, Luis Gallego, manifestou a sua satisfação com a aprovação pela Comissão Europeia, ainda que com condições, da aquisição pela Lufthansa de 41% da ITA Airways.

O responsável diz esperar que a luz verde de Bruxelas ao negócio entre a Lufthansa e a ITA Airways seja um “sinal” de que também a compra da Air Europa pelo grupo IAG poderá avançar, uma vez que tem seguido o mesmo caminho e praticamente em simultâneo.

Luis Gallego considera que a aprovação mostra que a Comissão Europeia consegue ver o “valor da consolidação, para ter um setor aéreo mais forte na Europa” e admitiu que o grupo que detém a Iberia tem interesse em expandir-se para a América Latina, o que poderá levar à aquisição de uma companhia aérea sul-americana para aumentar a oferta de voos entre a América Latina e a Europa.

Nesse sentido, o CEO da Iberia não descartou que o grupo IAG possa avançar com uma proposta para aquisição de uma participação na TAP, até porque, explicou, o grupo “tem sempre outras opções no radar”, caso o acordo sobre a Air Europa seja bloqueado em Bruxelas.

O HostelTur recorda que esta não é a primeira vez que o CEO da Iberia demonstra interesse na TAP, o que é justificado pela oportunidades de crescimento no Brasil e África que a transportadora portuguesa oferece, ainda que este negócio esteja sujeito ao que poderá acontecer com a Air Europa.

 

Sobre o autorPublituris

Publituris

Mais artigos
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB
PUB

Navegue

Sobre nós

Grupo Workmedia

Mantenha-se informado

©2024 PUBLITURIS. Todos os direitos reservados.